Blog

instituição

Vendo Artigos etiquetados em: instituição

Aulas de capoeira auxiliam na educação de jovens da LBV

Crianças e adolescentes que integram os programas socioeducativos da Legião da Boa Vontade (LBV) em João Pessoa estão participando de aulas de capoeira, ministradas voluntariamente pelo mestre Lucivan Laranjeira no Centro Comunitário de Assistência Social da Instituição.

A atividade é utilizada como ferramenta educacional para auxiliar no desenvolvimento motor, cognitivo, socioafetivo e do espírito de cooperação dos alunos e, ainda, para incentivá-los a valorizar a cultura brasileira e a prática esportiva.

Sobre a ação, o professor e mestre de capoeira, Lucivan Laranjeira, fala da satisfação de realizar a atividade com crianças e adolescentes da instituição. “Quando fiquei sabendo da possibilidade de desenvolver esse projeto na LBV, eu fiquei muito feliz. É mais uma oportunidade de contribuir. A minha recompensa maior é a de saber que um aluno meu poderia estar na rua fazendo o que não deve e hoje está aqui aprendendo sobre a cultura brasileira”, ressaltou.

A modalidade é caracterizada por golpes e movimentos ágeis e complexos, sendo uma expressão cultural brasileira que mistura arte marcial, esporte, cultura popular e música. O pequeno Pedro, de 7 anos, destacou o que já aprendeu participando das aulas de capoeira. “Já sei cantar as músicas que o professor ensinou e estou aprendendo os movimentos para um dia ensinar para outras pessoas”, concluiu.

Em João Pessoa, PB, o Centro Comunitário de Assistência Social, da Legião da Boa Vontade, está localizado na Rua das Trincheiras, 703 — Jaguaribe. Para outras informações, ligue: (83) 3198-1500.

 

http://www.ararunaonline.com

Faculdade Zumbi dos Palmares: primeira Faculdade de inclusão do negro da América Latina

A Faculdade Zumbi dos Palmares é mantida pelo Instituto Afro-brasileiro de Ensino Superior com sede à Av. Santos Dumont, 843, Ponte Pequena, na cidade de São Paulo, no Estado de São Paulo.

Zumbi dos Palmares: primeira Faculdade de inclusão do negro da América Latina – Criada pela Organização Não-Governamental AFROBRAS – Sociedade Afrobrasileira de Desenvolvimento Sócio Cultural. O mantenedor, o Instituto Afrobrasileiro de Ensino Superior, inaugurou em 2003, na cidade de São Paulo, as atividades da Faculdade Zumbi dos Palmares, oferecendo o Curso Superior de Administração.

Esta foi a primeira fase do Projeto Global que tem como fundamentos a inclusão do negro no ensino superior do país, a produção e a difusão dos valores da cidadania e, em especial, do respeito à diversidade e da equalização de oportunidades sociais. É uma proposta nova de inclusão das classes menos favorecidas no ensino superior e, neste perfil, é a primeira da história do Brasil e da América Latina.

Como nasceu – Desenvolvida ao longo de quatro anos, em parceria com o Núcleo de Políticas e Estratégias da Universidade de São Paulo e Universidade Metodista de Piracicaba, a Faculdade Zumbi dos Palmares nasceu como um dos vários projetos da AFROBRAS com a finalidade de valorizar, qualificar, capacitar, formar, informar e dar visibilidade ao negro paulista e brasileiro.

Vanguardismo – A Faculdade Zumbi dos Palmares é a primeira faculdade do Brasil e da América Latina que visa à inclusão e manutenção do negro no ensino superior do País, e, com este perfil, uma das poucas no mundo. Conta atualmente com cerca de 1.800 jovens cursando o ensino superior de Administração, Direito, Pedagogia, Publicidade e Propaganda e Tecnólogo em Transportes Terrestre. Embora 50% de suas vagas sejam reservadas para negros, estes preenchem 87,3% das mesmas.

Inovação – A Faculdade Zumbi dos Palmares é uma instituição de excelência, preocupada com a formação humanística e técnica do seu corpo discente e oferece apoio ao estudante em diversas áreas de nivelamento, como Laboratório de Reforço Extracurricular nas matérias: português, matemática, inglês e informática; Núcleo de Apoio e Assistência Social e Psicológica; Orientação Vocacional e Profissional, além da oportunidade de aprender música, dança e arte afro-brasileiras.

Transversalidade – Em seu currículo, a Faculdade Zumbi dos Palmares apresenta o seu grande diferencial – a transversalidade focada na história, cultura e economia do negro no Brasil, considerando suas raízes africanas nas disciplinas do núcleo básico, como nas Oficinas de Comunicação e Expressão, onde se estudam textos de autores e temática negra; em Economia, com as disciplinas História Econômica do Negro no Brasil e Cenários Econômicos Contemporâneos do Mercado Afro-Étnico no Brasil; em Sociologia, com discussão das relações inter-raciais e de classe; no Direito, a Justiça e a Igualdade; e na Filosofia, a Ética, a Isonomia e a Equidade.

Qualificação para o mercado – O aluno da Faculdade Zumbi dos Palmares tem a oportunidade de imersão em um treinamento prático através dos intercâmbios firmados entre a instituição e várias empresas; cursos de Capacitação e Qualificação pessoal e profissional, além do acesso a estágios remunerados em programas de convênios com instituições privadas.

Qualificação em Língua Inglesa – A Faculdade Zumbi dos Palmares oferece o acesso e capacitação na língua inglesa. Os alunos contam com aula do idioma desde o primeiro ano, na própria faculdade, adequada ao projeto pedagógico, além de curso extra curriculares dados por professores super capacitados e experientes na língua inglesa.

Estágios e os Parceiros – Paralelamente à formação acadêmica, os alunos da Faculdade Zumbi dos Palmares estão sendo preparados para o mercado de trabalho, através de treinamento realizado em parcerias com empresas e instituições financeiras. Atualmente, 85% dos alunos da faculdade estão no mercado de trabalho. Entre os principais parceiros figuram: Bradesco, Itaú-Unibanco, HSBC, Nestlé, Citibank, Santander, Mercedes Benz, Ford, entre outros. Atualmente 30% dos alunos da Faculdade Zumbi dos Palmares estão contratados como Executivos Juniores nos Bancos Bradesco, Itaú, Santander e Citibank.

Ação Institucional – O eixo da ação Institucional da Faculdade é despertar nos alunos a consciência do direito à vida em sua plenitude. Para tal, não importa a cor ou a raça, vale o ser humano. Nesta direção, a Faculdade Zumbi dos Palmares trata abertamente, através de projetos e do elenco das disciplinas da grade curricular, a cidadania, a ética, os direitos e deveres do homem brasileiro.

“Abordamos não somente a história social do brasileiro, mas também os reflexos da pobreza e de suas causas que incidem sobre toda a população; privilegiamos sim, o homem negro enquanto marcado historicamente por este percurso sustentado por um modelo de exclusão político-social”, afirma o Presidente do Instituto Afrobrasileiro de Ensino Superior, José Vicente.

A Faculdade Zumbi dos Palmares é um divisor de águas na luta pela inclusão social dos negros brasileiros, oferecendo uma oportunidade rara de acesso à educação superior para as classes econômicas menos privilegiadas, e, acima de tudo, a liberdade de escolher uma vida melhor através da luz do conhecimento. Sua missão é garantir acesso à educação superior para um número crescente de negros, 50% dos brasileiros ou 90 milhões de cidadãos que representam apenas entre 11 a 13% da população universitária do País. Quarenta por cento dos Professores, Mestres e Doutores são negros autodeclarados.

Responsabilidade social – A Faculdade Zumbi dos Palmares desenvolve forte trabalho de responsabilidade social, procurando incluir o afro-brasileiro na sociedade através da educação. Os principais projetos desta área são:

A. Centro de Inclusão Digital – Atende o aluno da Faculdade no período noturno e a comunidade da região nos períodos da manhã e tarde. Em parceria com a Fundação Bradesco.

B. Alfabetização de Jovens e Adultos – Desde 2005, em parceria com o Ministério da Educação (MEC), já alfabetizou mais de 6.000 paulistanos moradores de bairros periféricos, das quatro regiões da cidade.

C. CEDOC – Centro de Documentação da Cultura Afro-Brasileira que tem como objetivo pesquisar, registrar, catalogar e armazenar a história do negro no Brasil e no mundo. Para divulgar este acervo, a Faculdade Zumbi dos Palmares utiliza-se dos seguintes meios:

a. Rádio Zumba, passando por período de re-organização;

b. Revista Afirmativa Plural, de periodicidade bi-mensal, publicada desde 2004;

c. Os sites: www.afrobras.org.brwww.zumbidospalmares.edu.br

d. Programas de TV: Negros em Foco (em três versões – feminina, masculina e jovem) na TV RBI -Rede Brasileira de Integração/Rede Mundial de Televisão. TV Apoio (Brasília) e TV Aberta (NET), além de ser exibido em vários canais espalhados pelo Brasil, como em Santa Catarina, Rezende (RJ), entre outros.

D. Cultura – Para introduzir a inserção de seu público-alvo em ambiente de valorização comunitária, a Faculdade Zumbi dos Palmares manteve:

a. Radio Zumba (2005/2006);

b. Centro de Artes;

c. Núcleo de Capoeira;

d. Núcleo de Danças Samba-Rock;

e. Coral Zumbi dos Palmares;

f. Curso de Alfabetização de Adultos (2004/2006);

g. Pólo Zumbi dos Palmares do Projeto Guri (2005/2008), em parceria com a Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, atendendo cerca de 200 jovens, de 8 a 16 anos, nas qualificações: música, orquestra e coral.

Esportes – Projeto de Inclusão e qualificação esportiva nas modalidades de vôlei, basquete, handebol, judô e capoeira.

Novo Campus: a Consolidação do Projeto – Hoje a Faculdade ocupa uma área total de 15 mil m2, propiciando espaço para salas de aula dirigidas ao empreendedorismo, quadras de esportes, Biblioteca, Centro de Inclusão Digital em parceria com a Fundação Bradesco, amplas áreas de convivência. Este espaço só foi possível graças ao esforço dos parceiros, instituições e mantenedores, que acreditam no projeto.

Primeiro Curso: Administração de Empresas – Em fevereiro de 2004, a Faculdade iniciou o curso de Administração, cuja primeira turma formou-se em 2007. A cerimônia de Colação de Grau aconteceu dia 13 de Março de 2008, com a presença do Presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva como Patrono.

Curso de Direito e Tecnólogo em Transportes Terrestre: Em agosto 2007 teve inicio a primeira turma do Curso de Direito, autorizado pelo INEP/MEC e recomendado pela Ordem dos Advogados do Brasil sendo, neste período, o único na cidade de São Paulo a receber esta recomendação. Atualmente o curso já é Reconhecido pelo MEC.

No segundo semestre de 2008, teve inicio a primeira turma do curso Superior Tecnólogo em Transportes Terrestre, autorizado pelo INEP/MEC em 2007.

Hoje conta também com os cursos de Pedagogia e Publicidade e Propaganda, com um viés para o negro e a história da África.

Missão, Objetivos e Metas da Instituição em sua Área de Atuação

A Faculdade Zumbi dos Palmares, com limite territorial circunscrito ao município de São Paulo, no Estado de São Paulo, é um estabelecimento isolado de ensino superior mantido pelo Instituto Afrobrasileiro de Ensino Superior, pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos, com sede e foro em São Paulo, Estado de São Paulo.

A Faculdade Zumbi dos Palmares tem como missão atuar no ensino superior de São Paulo desenvolvendo os aspectos culturais, sociais, econômicos e políticos da sociedade afro-descendente local, regional e nacional, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida. A Instituição nasce com a missão de tornar concretas as ações afirmativas propostas pela Presidência da República e que vêm por fim as desigualdades raciais ainda presentes na sociedade e desta forma possibilitar a maior inserção e interação da população afrodescendente com o meio em que vive.

A Faculdade Zumbi dos Palmares, como instituição educacional, destina-se a promover a educação sob múltiplas formas e graus, a ciência e a cultura geral, e tem por finalidade:

I. Estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo;

II. Formar diplomados nas diferentes áreas de conhecimento, aptos para a inserção em setores profissionais e para a participação no desenvolvimento da sociedade brasileira, e colaborar na sua formação contínua;

III. Incentivar o trabalho de pesquisa e investigação científica, visando ao desenvolvimento da ciência e da tecnologia e da criação e difusão da cultura, e, desse modo, desenvolver o entendimento do homem e do meio em que vive;

IV. Promover a divulgação de conhecimentos culturais, científicos e técnicos que constituem patrimônio da humanidade e comunicar o saber através do ensino, da publicação ou de outras formas de comunicação;

V. Suscitar o desejo permanente de aperfeiçoamento cultural e profissional e possibilitar a correspondente concretização, integrando os conhecimentos que vão sendo adquiridos numa estrutura intelectual sistematizadora do conhecimento de cada geração;

VI. Estimular o conhecimento dos problemas do mundo presente, em particular os do Brasil e da África, concentrando seu eixo nas questões da afrobrasilidade, além de nas especificidades do momento histórico em que vivemos, nos desafios humanos, econômicos e tecnológicos internacionais, nacionais e regionais;

VII. Prestar serviços especializados à comunidade local e regional, especialmente aos afro-brasileiros, estabelecendo com estes uma relação de reciprocidade; e

VIII. Promover a extensão, aberta à participação da população, visando a difusão das conquistas e benefícios resultantes da criação cultural e da pesquisa científica e tecnológica geradas na Instituição.

A Faculdade Zumbi dos Palmares é a primeira Instituição de Ensino Superior do Brasil que visa à inclusão do negro no ensino superior do país. É uma proposta inédita e consistente para minimizar a questão da dificuldade de inclusão étnico-racial e das classes menos favorecidas no ensino superior.

A Instituição pretende consolidar o acesso e a permanência da população negra no ensino superior, assim como, viabilizar a integração de negros e não-negros em ambiente favorável à discussão da diversidade racial, no contexto da realidade nacional e internacional.

PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL
A Faculdade Zumbi dos Palmares tem como missão, através de seu projeto pedagógico institucional, atuar no ensino superior de São Paulo desenvolvendo os aspectos culturais, sociais, econômicos e políticos da sociedade afrodescendente local, regional e nacional, assim contribuindo para a melhoria da qualidade de vida desta população.

A Faculdade fundamenta-se na constatação de que a educação é a única alavanca para o desenvolvimento nacional, para a inclusão de grupos excluídos e para a realização pessoal. Seu lema é “Sem educação não há liberdade”, ao qual os construtores deste projeto – corpo diretivo, técnico-administrativo, professores e alunos- acrescenta: a educação liberta e a liberdade educa.

O público alvo da Faculdade é o jovem de baixa renda e de exíguo usufruto dos benefícios sociais, com enfoque preferencial no segmento dos afrodescendentes, sem apoiar uma nova forma de intolerância às diferenças. O projeto pedagógico constitui-se em sólida contribuição à formação dos jovens brasileiros, tornando-os capazes de ocupar postos de carreira em corporações nacionais e, dependendo de suas vocações, tornarem-se empresários bem sucedidos.

O projeto pedagógico, não considera apenas a capacitação teórico-científica e técnica oferecida aos alunos, mas também a formação humanística, ética e cidadã. A formação de profissionais capacitados ao exercício das demandas do mercado de trabalho é garantida por corpo docente qualificado, programas formativos adequados, aprendizagem teórica e prática concomitante de forma a habilitar os egressos como agentes multiplicadores dos ideais de equidade entre os homens.

Para cumprir sua missão institucional a Faculdade Zumbi dos Palmares, apóia-se em suas atividades complementares e nos projetos sociais: NÚCLEO DE APOIO PSICOLÓGICO – NAP é encarregado de estudos, pesquisas e difusão do conhecimento na área de Psicologia. Atende cerca de 100 educandos que recebem assistência terapêutica, participam de grupos de estudos e pesquisas, promovem seminários e encontros, com o objetivo de oferecer à comunidade da Zumbi suporte psicopedagógico e social. S

SITEMA DE ACOMPANHAMENTO PARALELO – Programa de recuperação simultâneo ao semestre cursado, destinado aos alunos que apresentam dificuldades de aprendizado ou defasagem de apropriação de conteúdos. Esses alunos devem ser indicados pelos professores para um ou mais módulos nas disciplinas em que já demonstram dificuldade para atingir a média mínima exigida para a aprovação. São oferecidas oficinas de Português, Matemática e Informática.

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE EQÜIDADE RACIAL – NEPER. Objetiva ampliar e aprofundar os estudos e pesquisas que investigam a situação socioeconômica, cultural e de saúde da população negra e assim contribuir para a implementação de projetos que permitam modificar o quadro de discriminação. É responsável pela iniciação científica de alunos e professores.

Também a EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA da Zumbi merece destaque. O programa De volta ao Quilombo pretende estabelecer um elo entre a Faculdade Zumbi dos Palmares e as comunidades remanescentes quilombolas no Estado de São Paulo. Para isto desenvolve ações de âmbito acadêmico, cultural e artístico, proporcionando um elo entre o conhecimento formal e a tradição e herança material e imaterial dos afro-descendentes das comunidades quilombolas. Atividades já realizadas: Visitas técnicas e inventário cultural das comunidades de Ivaporunduva, São Pedro (Iporanga), Camburi, Caçandoca (São Sebastião); Produção de documentação das visitas aos quilombos visitados (projeto em construção); artigos e entrevistas na mídia sobre o projeto. Atividades futuras: formar grupos de trabalhos multidisciplinares envolvendo profissionais e alunos da instituição; efetivar convênios e parcerias com as comunidades quilombolas, agencias financiadoras e instituições públicas e privadas.

PROJETO RONDON – A Faculdade Zumbi dos Palmares tem como proposta um trabalho multidisciplinar com professores e alunos para alcançar uma maior abrangência do trabalho de campo a ser realizado. Desde 2007 alunos e professores da Zumbi participam ininterruptamente do Projeto Rondon visando a capacitação de servidores em gestão pública; gestão de projetos; gestão do Plano Diretor, elaboração de propostas de infra estrutura, Oficinas de Reciclagem, Meio Ambiente e Sustentabilidade, entre outros temas.

O Projeto Pedagógico da Faculdade Zumbi dos Palmares tem os seguintes princípios norteadores:

– Elaborar e executar projetos de ação social e cultural em nível local e regional, incentivando a participação dos professores, alunos e administrativos;

– Empenhar-se em ações visando aumentar o número de convênios, intercâmbios e parcerias técnico-científicas e culturais objetivando manter a instituição em consonância com os variados cenários sociais, econômicos e culturais nacionais e internacionais;

– Estimular, através de todos os meios possíveis, a formação continuada, nos níveis de pós-graduação, especialização e/ou atualização dos docentes de seus quadros;

– Elaborar programas de atualização profissional para todo o pessoal da IES em suas -respectivas áreas de atuação;

– Incentivar os professores e alunos para que se dediquem a pesquisas, definindo em conjunto com a comunidade acadêmica as linhas preferenciais de investigação da Faculdade;

– Elaborar projetos de cursos de pós-graduação e extensão compatíveis com os cursos oferecidos e com as linhas de pesquisa definidas;

– Compatibilizar o programa de iniciação científica às linhas de pesquisa já definida.

A capoeira, o poder público e o fantasma dos maus capoeiras…

A cada nova experiência que vivenciamos em nossas tratativas de interface com o poder público, vemos sempre a capoeira ser testada em sua mais emotiva visão: a de se fazer representar perante tais poderes e não buscar evidenciar suas limitações, reais ou imaginárias, enquanto comunidade organizada que é um pressuposto nesse tipo de relação.

Essas inúmeras vezes em que vimos esse diálogo acontecer, ficou patente que temos sempre um problema que vagueia o subconsciente coletivo dos capoeiristas, que é a existência constante de uma referência e da busca da punição, controle ou simples extirpação desse contexto dos maus capoeiristas…

Esses personagens consomem uma energia incrível de nossos esforços na busca de dialogar com os órgãos públicos e representam o nosso mais inevitável e lamentável subconsciente coletivo, que é para onde sempre enviamos ou resgatamos esse personagem, produto principalmente de nossas limitações enquanto organização ou instituição capoeiristica.

É óbvio que em qualquer grupo humano existem os bons e os maus profissionais.

Não se trata de negar isso.

O que temos que perceber é o quanto nos custa essa luta constante com eles, aliás, sempre ausentes nesses debates… por razões óbvias também sabemos porque eles estão sempre ausentes:

  • primeiramente porque, caso estejam presentes irão, obviamente, se identificar como parte dos que são do bem
  • também por ser muito difícil fazer uma acusação frontal, do tipo: você é do grupo dos maus capoeiras… obviamente se isso acontecer iremos ter um outro tipo complicado de situação, que será de um desequilibrado bate-boca entre os participantes de qualquer reunião;
  • devemos e precisamos perceber que enquanto não houver um esclarecimento público a respeito da ética capoeiristica, ficará sempre muito difícil decidir quais serão os bons e os maus… por exemplo, os capoeiristas mais tradicionais e conseqüentemente menos violentos ou agressivos em seus estilos de jogo e didática, são hoje taxados de sarobeiros, que na verdade é algo de significado impreciso, provavelmente servindo antes para discriminar estilos e condutas menos performáticas;
  • se detivéssemos a clareza suficiente para identificar quais seriam os maus capoeiras, estaríamos aí diante de um outro dilema: quais os elementos para se fazer um julgamento deles…? ou seja, se estiverem incorrendo em alguma forma de crime, como assédio sexual, exploração sexual de menores, lesões corporais, etc., eles

estarão devidamente enquadrados como criminosos, passivos de punição pela legislação penal… a comunidade da capoeira não tem que substituir esses códigos e essas leis para resolver esses problemas, obviamente isso seria uma inocente tentativa de fazer justiça com as próprias mãos;

  • supondo que se chegue a conclusão de que se trata, enfim, de um mau capoeirista, segundo critérios mais clássicos de se avaliar as condutas tradicionais da capoeira, como questões de auto-graduação; sistemas de treinamento; tratamento agressivo com alunos ou capoeiristas de outros grupos (diversas formas de incentivo à xenofobia relativamente comum dentro dos grupos de capoeira). formas presunçosas de se auto proclamar detentor deste ou daquele mérito; uso indevido de conhecimentos e patentes de movimentos, toques, músicas, técnicas, etc.; ou mesmo o incitamento de alunos ao estilo de jogo mais agressivo ou violento… quem, na representatividade da capoeira irá julgar esses casos?? Segundo que critérios?? Quem pode se dizer detentor dessa verdade e dessa norma??
  • Em caso de admitirmos que não podemos julgar esses eventos dentro da capoeira, por que levar esses dilemas para um foro envolvendo terceiros? no caso o poder público nada pode fazer quando nós mesmos temos dúvidas sobre o que é legitimo e o que não é.
  • Há um outro aspecto que fica muito patente nessas discussões que é quanto ao desgaste que as reuniões sofrem por causa desse tema… é incrível como os capoeiristas deixam que esses fantasmas roubem nossa energia quando estamos diante de uma oportunidade inédita (como nos fóruns do pró-capoeira, nos congressos realizados pelo Ministério do Esporte, entre outros). Vale nesse caso a sabedoria de grandes mestres que sempre disseram: não fale do diabo porque ele aparece… em outras palavras nós os valorizamos quando permitimos que ocupem nosso tempo dentro de tão raras oportunidades.

Fica claro para nossos interlocutores do poder público que a capoeira tem um grande problema por causa de seus maus representantes e, no entanto, sabemos que isso representa uma minoria que sequer deveria ser tão considerada, senão vejamos:

  • Sabemos que a estatística de problemas graves envolvendo a capoeira é muito menor do que muitos outros esportes;
  • Sabemos que mesmo os ditos maus são tantas vezes responsáveis por grandes projetos dentro da capoeira e tantas vezes produzem grandes atletas, os quais acabam por perceber que estão no lugar errado e buscam outros espaços para seu aprendizado e crescimento, ou mudam de atitude por seus próprios critérios;
  • Sabemos ainda que estamos hoje diante de uma série de estímulos do mercado de lutas, que levam muitos mestres e professores a buscarem a marcialidade da capoeira como seu principal interesse… muitas vezes exclusivamente por uma questão de sobrevivência econômica e financeira… quem pode, de sã consciência, punir por isso ou condená-los? Temos que ter em conta a liberdade de escolha de estilo e de prioridade de foco de cada um;
  • Quanto aos sistemas de graduação que possam parecer a alguns sem mérito ou sem sentido, não cabe a nenhum de nós questionar, a menos que seja dentro de fóruns íntimos da própria capoeira, onde esse assunto possa ser discutido, de preferência dentro da mesma entidade a que pertençam os atores da discussão, sempre lembrando que isso é uma das mais históricas polêmicas dentro da capoeira e que ninguém pode se considerar o detentor da verdade ou da razão inquestionável, pois se trata de um tema delicado e impreciso, já conhecido de todos nós, cuja solução é, além de muito difícil, um eterno pomo da discórdia entre pessoas que muitas vezes partilham visões e interesses comuns, imagine num sentido mais amplo como cheguei a ver durante uma reunião do Pró-Capoeira do Ministério da Cultura, um dos grupos temáticos incluiu que o governo devia “implantar um sistema de graduação unificado”… será que estamos pedindo ao governo para nos impor algo assim?
  • Vale lembrar que não faz diferença praticamente nenhuma para uma questão cultural que envolva a capoeira a  questão da “graduação”, esse conceito foi introduzido pelo Mestre Bimba em um determinado contexto histórico e isso nos foi legado por ele como uma recurso de organização de nossa instituição capoeirista, seja por razões administrativa, econômica ou mesmo hierárquica, isso jamais deveria ter se tornado um cavalo de batalha onde tanta energia já se perdeu, a livre manifestação cultural da capoeira é uma de suas premissas, e direitos;
  • Vista sob a ótica desportivizante, a graduação tampouco é uma exigência de nenhum comitê olímpico ou marcial, onde são considerados, apenas, categorias compostas de idade e peso… no máximo estilos…  ou seja, mais uma vez sabemos que essa discussão é estéril e desnecessária… a não ser, claro, para grupos que partilhem de uma mesma organização, seja uma associação, federação, liga, escola, etc…
  • Muitos poderão entender que estejamos defendendo o caos na capoeira, perdoe-me os que assim pensam, mas estou apenas defendendo a razão no lugar de uma emoção infantil e estéril que a nada serve, mormente em locais e na presença de representantes do governo, muitas vezes interessados apenas em entender como podem ajudar a capoeira.

 

Fato é que temos que amadurecer nossa capacidade de dialogar com o poder público, seja porque temos antes de mais nada um direito de fato relacionado com essa relação entre a capoeira e ele (o poder público), seja porque muitas vezes as pessoas que estão participando de uma reunião conosco – a maioria das vezes técnicos-burocratas do governo, não possuem a mínima condição seja de resolver nossas questões históricas e muito menos de encontrar para nós os nossos fantasmas do mau…

Se não tivermos essa consciência e essa maturidade, qualquer diálogo será muito difícil e as nossas expectativas de participação no bolo do orçamento público será algo que teremos que esperar muito mais tempo até que possam se materializar como algo sólido para nós, os capoeiristas, os mestres, os professores, os estudiosos do assunto, os produtores, os patrocinadores, os alunos, os parceiros, os interessados em nosso trabalho dentro de escolas e outros espaços públicos.

Enfim a nossa maturidade profissional é um requisito para uma negociação mais racional e menos emocional com qualquer instituição ou poder público.

 

Mestre Skisyto (skisyto@gmail.com)

Capoeira reduz conflitos entre internos no DF

Projeto, iniciado no segundo semestre do ano passado, conta com 18 adolescentes e visa diminuir a violência

Os acordes do berimbau acompanham os movimentos da capoeira e vários jovens se unem em uma roda, onde a luta, que possui elementos de dança, é embalada pela música. Os participantes da roda cumprem medidas socioeducativas no Ciago (Centro de Internação de Adolescentes Granja das Oliveiras) e o projeto, denominado de Entre na roda e saia da droga, visa diminuir os conflitos entre os internos das seis casas do centro.

A prática da capoeira no Ciago teve início no segundo semestre do ano passado e tem a participação de 18 adolescentes. De acordo com o professor da tradicional luta brasileira, Aldo Cícero, o esporte contribui muito para a disciplina e também ensina a respeitar regras e hierarquias.
Cícero cita como exemplo o caso de dois internos que já brigaram e agora convivem em harmonia na capoeira. “Acho que o projeto ajuda os adolescentes a ficarem longe da violência”, contou o adolescente M.F., 16 anos.

A iniciativa de inserir esse projeto na instituição foi do ex-diretor do Ciago, Paulo Reis, que esteve à frente da instituição no segundo semestre de 2009 e deixou o cargo no final do ano para atuar na comissão permanente disciplinar da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania do DF (Sejus). Ele acredita que o esporte ajuda no processo de ressocialização e, principalmente, na pacificação entre os internos. “Além disso, a capoeira trabalha o corpo e a mente”, afirma.

A atual diretora do Centro de Internação de Adolescentes Granja das Oliveiras, Maria Salvadora Melo, também acredita que a capoeira é uma forma de reduzir os conflitos dentro da instituição. “Quero expandir o projeto e criar novas turmas em 2010. A capoeira fará parte das atividades de rotina do Ciago”, acrescentou.

 

Fonte: Jornal Coletivo-  http://coletivo.maiscomunidade.com

Porto Alegre: Audiência Pública sobre a revisão da Lei Rouanet

Agenda em Porto Alegre

Audiência Pública sobre a revisão da Lei Rouanet na Assembléia Legislativa

O ministro da Cultura, Juca Ferreira, estará nesta quinta-feira, dia 30, em Porto Alegre, onde irá apresentar ao público gaúcho a proposta de reformulação da Lei Federal de Incentivo à Cultura, a Lei Rouanet. A proposta de Projeto de Lei será exposta a partir das 14h, durante audiência pública na Assembléia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul (Praça Mal. Deodoro, nº 101, Centro).

As alterações estão sendo apresentadas dentro do projeto de instituição do Programa de Fomento e Incentivo à Cultura (Profic), que encontra-se em consulta pública até o dia 6 de maio, no site da Casa Civil da Presidência da República, no link www.planalto.gov.br/ccivil_03/consulta_publica/programa_fomento.htm.

Desde o lançamento da consulta pública, no dia 23 de março, o ministro Juca Ferreira e dirigentes do Ministério da Cultura vêm percorrendo capitais das cinco regiões do país para explicar a nova proposta a representantes dos setores artísticos, gestores culturais e demais interessados no tema.

Dentre as novidades apresentadas estão a instituição de fundos setoriais de financiamento a projetos dos diversos segmentos culturais e a criação da Loteria da Cultura e do Vale Cultura para estimular o consumo e permitir o acesso da população de baixa renda a bens e serviços culturais.

Informações sobre a apresentação do Profic em Porto Alegre: (51) 3311-5331, 3395-3423 e regionalsul@cultura.gov.br, na Representação Regional Sul do Ministério da Cultura.

(Comunicação Social/MinC)

Apresentação de jovens para Bush teve capoeira e música brasileira

São Paulo – Uma apresentação de CAPOEIRA E SAMBA, feita por uma organização não-governamental (ONG) para crianças e jovens na zona sul de São Paulo, foi o último programa da segunda visita oficial ao Brasil do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush. O presidente e a primeira-dama, Laura Bush, estavam acompanhados da secretária de Estado, Condoleezza Rice.

Mostrando-se descontraído desde a sua chegada, Bush aproveitou o final da apresentação na ONG Meninos do Morumbi para tirar o paletó, tocar ganzá e dar uma sambadinha ao som de "Aquarela do Brasil". Condoleezza Rice e Laura Bush também ensaiaram movimentos de dança. A ONG foi criada há dez anos pelo músico Flávio Pimenta. A entidade oferece atividades suplementares para crianças, adolescentes e jovens de poucos recursos, que estudem em escolas públicas. Ela oferece aulas de inglês e informática, música e dança, entre outras.
 
A visita de Bush começou por uma das salas de informática, na qual 20 jovens esperavam o casal presidencial, cada um em um computador. O presidente conversou com vários alunos, querendo saber o que estavam fazendo, sua idade e preferências. Laura Bush também conheceu toda a sala conversando com os estudantes. O aluno Silas Alves Marinho Batista, 16 anos, mostrou a Bush a letra em inglês de "Wave," de Tom Jobim. Tatiane Pedreira, também 16 anos, exibiu ao presidente uma pequena fotomontagem com textos falando da poluição e do aquecimento global. Em outra apresentação, com uma gravação de trabalho da instituição, as garotas acabaram por dançar na sala. Bush convidou todos os jovens a posar com ele para uma foto.
 
A seguir foi realizado um encontro reservado numa sala do andar superior do edíficio, numa mesa de reuniões, na qual o presidente norte-americano pode se inteirar dos trabalhos da instituição. Além de Bush, participaram da mesa o fundador da organização, Flávio Sampaio, colaboradores da igreja e de empresas, além de membros do corpo diplomático norte-americano, como o embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Clifford M. Sobel, e integrantes da Câmara Americana de Comércio.
 
A imprensa foi convidada a acompanhar apenas os primeiros dez minutos, em que falaram Bush, o fundador e uma das ex-alunas da instituição, agora formada em curso superior. “Eu acredito na construção de uma sociedade alicerçada na compaixão. E creio que você pode mudar a sociedade, um coração de cada vez. Isso requer pessoas que desejam fazer sacrifícios. Flávio conduz um lugar de amor e grande compaixão. Isso é um lugar no tecido social que ajuda a curar corações alquebrantados e dar esperança para o futuro. A razão principal de eu estar aqui é dizer muito obrigado. Nós somos todos membros da família de Deus”, disse Bush.
 
Foto: Marcello Casal Jr/ABrElogiando o trabalho da instituição, Bush disse que “é um prédio muito bonito, para um espírito muito bonito”. No pátio de apresentação, também em um andar superior do prédio, Bush viu primeiro uma apresentação rápida de capoeira e, a seguir, a canção "Brasil Pandeiro", dos Novos Baianos, com os versos de “O Tio Sam está querendo conhecer a nossa batucada”, escolhida de propósito por Flávio Pimenta.
 
Em "Aquarela do Brasil", de Ari Barroso, a gravação da música foi acentuada por uma forte batucada, com a percussão dividida entre jovens e crianças do ensino básico. O grupo ainda tocou outros ritmos brasileiros como maxixe e baião. Bush deixou a ONG com forte esquema de segurança e seguir para Guarulhos, de onde partiu para o Uruguai. 

Natal: Festival Nacional de Capoeira contra a fome

Shopping Center aposta em evento envolvendo a capoeira para beneficiar crianças com cancer. Esta iniciativa faz parte do projeto Natal Sem Fome e ainda visa dar maior visibilidade aos atetas envolvidos.
A praça de eventos do Shopping Orla Sul sedia nos dia 10, 11 e 12 de novembro o 6º Festival Nacional Cultural de Capoeira- Capoeira x Fome. Estarão reunidos no local atletas do Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Paraíba, Pernambuco, Ceará e Sergipe.
 
O evento terá apresentações de capoeira, cursos de capoeira regional, competição de capoeira regional (com seletiva para campeonato brasileiro), batizado e troca de graduação.
 
Paralelamente os organizadores estarão recebendo doações de alimentos não perecíveis, brinquedos, calçados para o projeto Natal Sem Fome. As doações arrecadadas serão encaminhadas para o Grupo de Apoio a Criança com Câncer- GAAC, instituição escolhida pelo projeto.
 
Um dos objetivos da iniciativa, segundo a assistente de marketing do Shopping Orla Sul Aiane Almeida é valorizar os atletas locais, de forma simples e objetiva elevando ainda mais a capacidade de representar o Estado do RN em competições nacionais e até internacionais.
 
Diário de Natal – Natal – RN – http://diariodenatal.dnonline.com.br

Capoeira, Comunidade, Instituição, Sociedade e Indíviduo

 Capoeira, Comunidade, Instituição, Sociedade e Indíviduo

Nos capoeiristas, no Brasil e em todo mundo, somos na maioria,trabalhadores da construção, professores, estudantes, esposas, maridos,doutores, advogados, banqueiros, administradores, desempregados, músicos,artistas, etc. Em resumo, fazemos parte ?desta coisa? que chamamos SOCIEDADE. Logo, vivemos e seguimos muitas ou a maioria das práticas que esta sociedade possui. Somos, inevitavelmente, o elemento básico que constitui a sociedade; ela existe porque estamos nela. Mas ao mesmo tempo, não somos absorvidos ou assimililados a força por esta sociedade e, pessoalmente, acredito que é ai que nos capoeiristas, como qualquer outro grupo na sociedade, podemos fazemos diferença, pois, cumprimos com o que nos cabe como parte desta sociedade, contudo, tem uma outra parte das nossas vidas que simplesmente não se "enquadra" dentro desta mesma sociedade que seguimos.

Somos, por natureza e/ou por escolha, um tipo diferente de indivíduos: desejamos a liberdade no nível mais profundo de nosso ser. Um Homem disse uma vez: "Se você deseja ser livre, você tem apenas que começar a ser livre." A liberdade é um estado mental e não um estado do corpo. Nós somos e continuaremos a ser parte desta sociedade, contudo, nao de forma passiva, pois, devemos também continuar a aumentar o que temos de melhor dentro dela. Nenhum sistema ou sociedade pode engolir o que um indíviduo tem de melhor, uma vez que este tenha tomado consciência destas suas virtudes. Por isso o conceito de institucionalização da Capoeira não cresceu tão profundamente dentro da maioria das comunidades de adeptos desta arte, especificadamente nas comunidades de Capoeira Angola. O estilo de vida da Capoeira é música para os nosso ouvidos, porque criamos o nosso próprio espaço com esta sociedade da qual fazemos parte, mas que muitas vezes desprezamos.

A Capoeira, como Mestre Pastinha disse, é tudo que a boca come. E como o ar, sabemos que está lá, respiramos e precisamos dele; contudo, não podemos capturá-lo. A Capoeira não pode ser limitada a um grupo de praticantes, por uma organização formal e muito menos por um grupo de Mestres que clamam o monópolio sobre ela. A Capoeira vai além de todos nós. Nenhuma sociedade, comunidade, ou indivíduo jamais irá controla-la.

Então, se praticamos a capoeira para nos afastarmos daquilo que ha de tradicional e repressivo dentro da sociedade e que desaprovamos tão fortemente, porque quereriamos institucionaliza-la? Nos parece um tanto contraditorio, já que institucionalização significa seguir profundamente todos os protocolos e leis detalhadas da sociedade para que nos enquadremos nos esquemas administrativos e corporativos com alguma prática e sentido reais: independência fiscal, oportunidades de doações, coesão administrativa e grupal, etc. Grupos diferentes de Capoeira, dentro da história e mais ainda nesta útimas décadas, tentaram criar uma instituição ou organização paralela somente para a Capoeira, e se tornaram tão restritas e repressivas como a instituição original da qual eles haviam tentado se afastar.

Em todas as partes do mundo nós vemos a corrupção e escandalos que instituições e indivíduos fazem. O sistema controla vários setores da sociedade com um número pequeno de pessoas tendo o monopólio absoluto sobre estes. Se olharmos para o Brasil como exemplo, vemos o carnaval e outras manifestações criadas pelo povo que foram institucionalizadas.
O povo que originalmente os criou foram os que mais perderam com isso.

Antes de pensarmos em institucionalização da Capoeira, nós temos que perguntar porque querem nos ?organizar?? Porque quereriamos uma instituição para controlar o nosso estilo de vida? Quem vai ganhar com isso? A Capoeira? O capoeirista? Os burocratas? Será que estas instituições são realmente necessárias? Quem as controlara? Porque elas tem que ser tam repressivas, elitistas e ditatoriais? Podemos confiar nestas instituições e nos seus líderes moralmente, financeiramente, fisicamente e espiritualmente? O que é que nós queremos? Nós queremos a institucionalização da Capoeira, ou uma comunidade de Capoeira que trabalhe com "o sistema"para obter honestamente o que precisamos sem nos inclinarmos para o que este sistema tem a nos oferecer?

Embora estejamos abertos para crescermos no espírito e conhecimento da Capoeira, queremos evitar a imposição de valores de um grupo de pessoas e burocratas que já tenham criado as suas próprias escalas de valores. Queremos uma comunidade que celebre e encoraje a individualidade e a cooperação entre seus membros; uma comunidade mundial de capoeira que respeite diferentes valores, crenças, pontos de vista, práticas, etc; em resumo, o que queremos e uma comunidade que respeite as nossas diferentes estórias e histórias, as nossas vidas diferentes e o nosso crescimento em direções variadas para o seu próprio fortalecimento. Pois, e isto o que nós todos teremos para oferecer através do entedimento e do amor sob a prática e o espírito da Capoeira.

Mestre Cobra Mansa

mestrecobramansa@yahoo.com.br

Ps: Por favor nao altere o sentido desse texto e mande para todos os
capoeiristas e individuo que acreditar na liberdade e em uma sociedade
alternativa e mais justa.

Mestre Toni Vargas

Mestre Toni Vargas

Antonio César de Vargas, nasceu em 5 de abril de 1958, começou capoeira em 1968 com o Mestre Rony (do Grupo Palmares de Capoeira). Depois foi aluno do Mestre Touro, do grupo corda Bamba, na qual teve a honra de ser Cordel Azul. Em 1977 ingressou no grupo senzala para ser aluno do Mestre Peixinho que o formou com a corda vermelha em 1985.

É formado em ed. física e pós-graduado em dança. Participou de diversos discos e tem músicas gravadas em vários CD´S, tem um cd gravado, e desenvolve um trabalho com crianças e coordena uma instituição de educação infantil. Mestre Tony Vargas é um dos maiores poetas da capoeira – foi homenageado pela Superliga Brasileira de Capoeira como um dos melhores do século em Curitiba – PR pelo Mestre Burguês em 09/09/2000.