Blog

instrutores

Vendo Artigos etiquetados em: instrutores

Encontro internacional de capoeira emociona Itaúnas

Formatura de dois mestres capixabas foi o ponto alto do evento

Rafael Capoeira e Sururu. Os dois mal tinham ultrapassado o doce marco dos 10 anos de idade quando começaram na capoeira pelas mãos do Mestre Capixaba. Três décadas depois, eis o trio novamente reunido, agora em Itaúnas (Conceição da Barra), no Encontro Internacional e Jogos Abertos Acapoeira, que aconteceu entre os dias 21 e 25 de agosto.

Novamente pelas mãos daquele que lhes ensinou as primeiras gingas e manhas da luta, Rafael e Sururu formaram-se mestres de capoeira. Se foi emocionante? Claro que foi.

Cerca de mil pessoas passaram pelo encontro deste ano. É certo que o tempo instável não ajudou muito. Chuvas tenebrosas desabaram sobre a vila durante os quatro dias, abrindo apenas às vezes um espacinho para o sol. O tradicional aulão, por exemplo, sempre realizado em frente à igreja, fez falta. A chuva transformou a área num grande lodaçal.

No entanto, mais certo ainda é que o evento deste ano deixou saudades. A combinação de cultura, esporte e local é fatal nesse sentido. As aulas de capoeira e percussão sempre se harmonizam com a beleza natural da rústico vila do norte capixaba.

Oficineiro de percussão, o performático mestre Lua Rasta (BA) levou o casco e couro do atabaque para mostrar todo o lento e gradativo processo de feitura do instrumento. Os alunos aprenderam o toque do jongo e do maculelê. Falando e música, atração à parte foi o mestre Toni Vargas (RJ). De voz potente e rascante, o poeta e compositor fazia todos pararem para escutar quando ele se punha a cantar.

Inspirado pelo encontro – e certamente pelo ar de Itaúnas – o professor Tibério, do grupo Guanabara (AC), compôs uma música em homenagem ao acontecimento e, sobretudo, ao lugar que o recebia. O refrão é simples, porém belo e eficaz. Não demorou para os capoeiristas entoarem em uníssono os quatro versos:

Vila de Itaúnas
É pra lá que eu vou
Jogar capoeira
Berimbau quem me chamou

Como em todos os anos, o ato mais emocionante do encontro coube à formatura dos mestres. Rafael Capoeira é hoje um homem de 42 anos. Natural do Espírito Santo, morava em Vitória quando entrou nas rodas de capoeira. A vida o levou para o Rio de Janeiro, onde mora há 20 anos. Outro capixaba, de Guarapari, que também há duas décadas deixou o estado natal é Sururu. Hoje, aos 40, mora em Belo Horizonte.

Os dois começaram praticamente juntos na capoeira e depois se afastaram. Ainda assim, mesmo apartados por alguns quilômetros, nunca desataram os laços. Quando um precisava, o outro estava sempre a postos.

Essa união se refletiu na cerimônia de formatura. Mestres, professores e instrutores, cada um com um berimbau na mão, formaram um corredor para a passagem dos formandos, o som do instrumento dramatizando a cena. Foi uma comoção geral. Os novos mestres contaram o que viveram para chegar até ali. Agradeceram aos amigos e, mais que tudo, à capoeira, por tudo o que ela lhes ofertou pela vida.

Outro fato de destaque relaciona-se à presença dos mestres: Preguiça (Los Angeles, Estados Unidos), Lua Rasta, Toni Vargas, Paulão (cearense, mas morando na Hungria) e Boneco (RJ). Mestre Capixaba mudou-se para o Rio de Janeiro no final dos anos 70, onde conheceu Paulão e Boneco.

A convivência foi intensa nos primeiros anos da década seguinte, quando treinavam todos na capital fluminense. O encontro deste ano reuniu novamente o três num mesmo lugar. Além dos dois mestres, houve a formatura de quatro professores de corda marrom – Bala, Pit Bull (Alemanha), Fumacinha e Russo (ambos de Petrópolis-RJ) – e dois instrutores de corda roxa – Tapioca (Alemanha) e João de Barro (brasileiro que vive na Suíça). Foram formados ainda dois monitores da Colômbia, dois de Cariacica, um de Itaúnas e um de Belo Horizonte.

O encontro recebeu apoio da Secretaria de Estado da Cultura, por meio de emenda parlamentar do deputado estadual Sérgio Borges (PMDB).


CLASSIFICAÇÃO DOS JOGOS Infantil 1º – Teco (Cariacica)2° – Calango (Cariacica)3° – Duda (Cariacica)

Não-avançado (masculino) 1º – Chileninho (Cariacica)2° – Tales (Cariacica)3° – Lucas de Itaúnas (Itaúnas)

Não-avançado (feminino) 1º – Baiana (Cariacica)2° – Gata (Cariacica)3° – Onze Horas (Cachoeiro de Itapemirim)

Avançado 1º – Piu-Piu (Cachoeiro de Itapemirim)2° – Jeniffer (Cariacica)3° – Cris (Cariacica)

Avançado-geral 1º – Jefinho (Cariacica)2° – Bala (Madri/Espanha)3° – Mikimba (Serra)

 

Fonte: http://www.seculodiario.com.br/

Sorocaba: Suspensão de aulas de capoeira provoca manifesto

Projeto da Prefeitura atendia cerca de 5 mil estudantes

Inconformados com a suspensão das aulas de capoeira do programa Oficina do Saber, oferecido em escolas da rede municipal de ensino de Sorocaba, a Associação Sorocabana de Capoeira (Asca) realizou ontem pela manhã, na praça Coronel Fernando Prestes, uma manifestação contra a medida. Ao som de berimbau e músicas típicas, alunos e instrutores fizeram uma apresentação do jogo para sensibilizar a comunidade sobre o impacto negativo que essa suspensão poderá gerar para os cerca de 5 mil estudantes que participam atualmente das atividades. 

O mestre capoeirista Jaime Balbino disse que o fim das aulas de capoeira nas Oficinas do Saber foi comunicado aos instrutores na semana passada sem nenhuma justificativa ou explicação, o que causou uma comoção das crianças que participam do projeto. Ele disse que a atividade da capoeira está integrada às unidades escolares desde 2007, sendo que atualmente 19 oficinas eram ministradas por 10 instrutores, que atendiam cerca de 5 mil estudantes do 1º a 5º ano. “Não se trata apenas de uma atividade de lazer, mas sim uma prática que representa a cultura genuinamente brasileira, que é composta por inúmeros benefícios físicos, psíquicos e educacionais”, disse.

A Asca informou, por meio de manifesto, que para integrar o programa teve o cuidado de se organizar e envolver todos os grupos de capoeira em atividade na cidade para a divisão de aulas e a preparação dos profissionais para que fosse trabalhada a sequência didática, o monitoramento, o planejamento e o seu alinhamento com o corpo docente. A Asca criticou o interrupção do contrato vigente durante o ano letivo, o que interrompeu o vínculo que os instrutores haviam desenvolvido com o alunos. “Essa decisão ao nosso ver é injusta. A nossa indignação é muito grande, pois não entendemos o critério para a exclusão de uma atividade com tanto sucesso.”

Pais reclamam

A manifestação da Asca contou com o apoio de pais de alunos que frequentavam as aulas de capoeira. A dona de casa Valquíria Sampaio, 33 anos, disse que desde o ano passado o seu filho, Richard Sampaio, de 10 anos, frequenta as aulas e desde então ele só vem melhorando a sua convivência social e também a saúde física. “Ele faz tratamento com fonoaudióloga e a atividade tem ajudado muito no seu desenvolvimento. Ele adora as aulas e ficou muito abalado quando soube que iria acabar.” O supervisor de manutenção Ailton Silva, 48 anos, conta que nunca viu a sua filha se interessar tanto por algo como ela faz com a capoeira. 

“Tanto que ela me fez acompanhá-la hoje aqui na praça para que a gente participasse dessa manifestação”, diz. A dona de casa Denise de Souza Leopoldo, 25 anos, também fez questão de participar da mobilização. Mãe de Gabriel, de 9 anos, ela diz que desde que o filho começou a participar das aulas ele passou a se sociabilizar mais com os amigos e se tornou muito mais disciplinado. “Quando souberam que não teriam mais as aulas, eles se sentiram sozinhos, pois já faziam parte de um grupo”, ressaltou.

Essa mesma indignação foi demonstrada pela auditora da qualidade Míriam Moron, 29 anos. O seu filho João Pedro, de 7 anos, começou neste ano com as aulas de capoeira e não perde uma aula. “Não podemos deixar que simplesmente acabe”, criticou.

Remodelação

A Secretaria da Educação (Sedu) informou, por meio de nota, que a estrutura do programa Oficina do Saber foi remodelada para aprimorar os processos de formação escolar dos alunos da rede de ensino, que serão baseados nos eixos da leitura, escrita, formação de leitores, jogos de raciocínio, pensamento científico, educação ambiental, esportes e artes. “Desse modo não houve redução das atividades para os alunos e sim uma remodelação e organização dos conteúdos”, citou. 

Segundo a Sedu, tanto diretores quanto as empresas contratadas para a prestação do serviço foram comunicados com antecedência. “O objetivo da Sedu é a garantia da aprendizagem escolar e, portanto, as atividades culturais e artísticas, caso sejam aprovadas em licitação, se farão presentes na escola aos finais de semana, no Programa Clube da Escola”, finalizou.

 

* Notícia publicada na edição de 25/08/13 do Jornal Cruzeiro do Sul – http://www.cruzeirodosul.inf.br

História Teatral da Capoeira em evento inédito em Taubaté

Imagine os "Montéquio" disputando com os "Capuleto" em uma roda de capoeira… Romeu e Julieta ao som de berimbaus… Rei Lear… ou Hamlet questionando a existência…uma cabaça nas mãos – "Ser ou não ser capoeirista…".

Surgida entre os escravos como um grito de liberdade, a Capoeira serviu durante muito tempo como um instrumento de luta para este povo. O berimbau ditava o ritmo do jogo e anunciava a hora de transformar a luta em dança.

A verdadeira e fascinante história da Capoeira, desde os primórdios até os dias atuais, será contada através do teatro no evento "Ginga Brasil Show", que ocorrerá às 19h desta sexta-feira, dia 21 de dezembro, no Teatro Metrópole em Taubaté.

O evento será promovido em comemoração aos 30 anos da Ginga Brasil em Taubaté. Alunos e instrutores mostrarão através da arte do Teatro, uma verdadeira aula de Capoeira. Os ingressos antecipados podem ser adquiridos com os profissionais na própria academia ou na Academia Corpore Sosa.

A Ginga Brasil fica na rua Professor Cesídio Ambrogi, 121, Independência.
Mais informações podem ser obtidas pelo telefone: 3023-2200 ou no site – http://www.agingabrasil.com

Fonte: Diário de Taubaté – http://www.diariotaubate.com.br

São Paulo: Espaço Mestre Ananias

Após 7 anos o nosso Mestre Ananias e seus discípulos reabrem seu espaço cultural.

Uma casa erguida pela capoeira com muita vontade e onde o samba e as batucadas convidam todos a fazerem parte de uma família, conviver e dividir os segredos da nossa cultura popular mais autêntica.

Um lugar com a força e riqueza da simplicidade.

São Paulo tem história e, mais do que ser contada, deve ser vivenciada.

Encontros (aulas): 19h as 22h – todos os dias. Rua Conselheiro Ramalho, 945 – Bexiga Bela Vista)

* obs. os encontros serão realizados com 8 instrutores, assim será formatado nosso calendário conforme nossa caminhada.

Sejam bem vindos a conhecer e participar dos nossos projetos.

Aguardamos sua visita, Axé.

Associação de Capoeira Angola Senhor do Bonfim

Uirapuru Assessoria Cultural
www.uirapurubr.com.br

Exigência de registro de profissionais não graduados em Educação Física é ilegal

A 3ª Turma do Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região julgou hoje (8/5) dois processos que discutem a inscrição de profissionais não graduados nos conselhos regionais de Educação Física.
Nos dois recursos analisados, interpostos contra sentenças proferidas pela Justiça Federal do PR e do RS, foi reconhecida, por unanimidade, a ilegalidade da exigência de inscrição de instrutores de dança, capoeira, ioga e artes marciais. 

As apelações cíveis têm origem em duas ações civis públicas movidas pelo Ministério Público Federal (MPF). Em uma delas, o Conselho Regional de Educação Física da 9ª Região (Cref9/PR) foi condenado a não exigir o registro de instrutores de dança, capoeira, ioga e artes marciais. Ao analisar o recurso interposto no TRF, a juíza federal Vânia Hack de Almeida, convocada para atuar como desembargadora, entendeu que deve ser mantida a sentença. Segundo a magistrada, a Lei 9.696/98, que regulamenta a profissão de Educação Física, não elencou quais atividades estão abrangidas neste conceito.
 
Vânia destacou em seu voto que a Resolução 46/2002 do Conselho Federal de Educação Física (Confef), que define os campos de atuação do profissional da área, excedeu suas atribuições. O regulamento, salientou, “existe em razão da lei, e não o contrário”. Assim, destacou a juíza, a resolução não pode inovar na ordem jurídica, criando direitos e obrigações aos administrados.

Na outra ação julgada hoje pela 3ª Turma, o Cref2, do Rio Grande do Sul, também foi impedido de exigir inscrição dos instrutores dessas modalidades, independentemente do local em que as aulas sejam ministradas. O relator desse recurso, desembargador federal Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, entendeu que o ordenamento jurídico brasileiro atribuiu ao regulamento unicamente o papel de regulamentar a lei, “não podendo inovar, ampliar ou restringir seus direitos, sob pena de ilegalidade”.
 
Thompson Flores destacou em seu voto trecho do parecer do MPF, segundo o qual não cabe ao Conselho Regional de Educação Física exigir as inscrições desses profissionais, independentemente do lugar da prática da atividade: academias, clubes, instituições de ensino, associações ou similares.
 

Referência Jurídica:
 
AC 2003.70.00.003788-9/TRF

AC 2003.71.00.033569-6/TRF

 

Fonte: TRF4

Acre: Projeto Iê Camará vai divulgar a arte da capoeira

Lá do Norte temos tido muitas notícias e muitos frutos estão sendo plantados…
Importantes eventos tem movimentado esta rica região do Brasil,  mestres de renome tem se destacado na forma participativa e interativa na implementação de seus trabalhos.
Entre os dis 17 e 20 de Agosto estará acontecendo um evento importante em Manaus, sob a responsabilidade e direção do Instituto Terreiro do Brasil.
Do Acre, mais precisamente da Liga Acreana de Capoeira, recebemos esta notícia que remonta ao uso correto da Lei de Incentivo à Cultura, usufruindo e fazendo valer a voz da capoeira…
 
Aos capoeiristas da região Norte do País fica a dica para participarem e somarem com os camaradas, buscando sempre um melhor entendimento e entrosamento da capoeiragem
 
Luciano Milani

 
A Liga Acreana de Capoeira vai realizar no período de 30 de agosto a 1º de setembro, no Memorial dos Autonomistas, o 4º Projeto Iê Camará. O evento faz parte das atividades aprovadas pela Lei de Incentivo à Cultura e tem como objetivo divulgar a arte da capoeira, valorizar os profissionais da área e capacitar professores e instrutores.
 
Durante o período, a Liga vai apresentar uma avaliação dos resultados do trabalho feito com as crianças de famílias carentes, provenientes de bairros como o Conquista, Nova Estação e Baixada do Sol, entre outros.
 
De acordo com o mestre Caju, do grupo Besouro Preto Mangangá, cerca de 2,5 mil crianças e adolescentes são atendidas pelos instrutores. “É um trabalho que visa a inclusão social dos meninos e meninas por meio da arte da capoeira”, explicou.
 
A Liga Acreana é formada por seis grupos, sendo eles: o Besouro Preto Mangangá, Cordão de Outro, Mameluco, Senzala e Cadeias. Durante a realização do projeto, será desenvolvido um ciclo de palestras sobre o desenvolvimento da capoeira no Acre, além de oficinas e cursos de toque de berimbau, atabaque, os movimentos acrobáticos da luta e os folguedos da capoeira.
 
“O público vai poder contar ainda com apresentações de samba de roda, maculelê, puxada de rede, dança e do fogo”, ressaltou Caju. Os cursos serão ministrados pelos professores e mestres acreanos. O nível de técnica deles é igual ao aplicado pelos profissionais dos grandes centros, não havendo a necessidade de trazer nomes de fora do Estado. O projeto está sendo patrocinado pelo Lojão dos Parafusos.
 
 
Página 20 Online – http://www2.uol.com.br/pagina20
Rio Branco-AC

Aconteceu: Primeiro Encontro Mato-Grossense de Capoeira

Aproximadamente dois mil capoeiristas de diversas regiões do Estado estiveram presentes no Primeiro Encontro Mato-Grossense de Capoeira realizado em Cuiabá nos últimos dias 12 e 13 de maio no ginásio da UFMT(Universidade Federal de Mato Grosso) e Univag (Universidade de Várzea Grande).
O objetivo do encontro, segundo o instrutor de capoeira Willian Campos foi integrar os capoeiristas  quanto o conhecimento e  aperfeiçoamento do esporte. O presidente da Confederação Brasileira de Capoeira, mestre Neguinho de Brasília esteve presente ministrando uma palestra aos professores, instrutores, mestres e contra-mestres, sobre a ética e o profissionalismo na capoeira. De acordo com o instrutor a capoeira no Estado cresceu em relação ao número de participantes mas não em qualidade, ”Ainda existem muitos picaretas que vem de outras cidades sem noção alguma de capoeira e aplica aulas aos alunos, o que é perigoso pois se acontecer de um aluno se machucar o instrutor não saberá o que fazer. Ele disse  que para ser professor tem que estar sempre se aperfeiçoando através de cursos e treinamentos, além de ter conhecimento sobre o corpo humano e luta.
O presidente da Federação Mato-Grossense de Capoeira, Marco Louveira Ferreira, estará organizando uma comissão técnica que fiscalizará os instrutores dos municípios para ver se estão dentro das normas, caso contrário não poderão estar dando aulas. Uma maneira de fazer com que se aplique uma capoeira de qualidade aos alunos.

Mestre Barrão lança o CD AXE CAPOEIRA VOL 6 em São Paulo

LOCAL: TEATRO MARIA IMACULADA
 
    Será  realizando dia 21 de agosto (domingo) às 16 horas, no Teatro Maria Imaculada – Av. Bernardino de Campos 79, – Paraíso –   em São Paulo o lançamento do CD AXE CAPOEIRA VOL 6 – MESTRE BARRAO.
    No decorrer do lançamento do CD, serão apresentadas danças do Folclore Nordestino como: Maracatu,  Xaxado, Coco de Roda, Maculelê, Afro, Colheita e muita Capoeira.
    Mestre Barrão  é um Mestre conhecido e respeitado no mundo da capoeira, desenvolvendo um trabalho atualmente no Canadá.
    Vários Mestres, Contra-Mestres, Professores, Instrutores e alunos de capoeira do Estado de São Paulo estão sendo convidados.
    Você não pode perder, Garanta já o seu convite !
 
Informações:
(11) 6839-8147
Venda de Ingresso pela Internet: www.sdobrado.com.br