Blog

lembrança

Vendo Artigos etiquetados em: lembrança

Lançamento 2ª edição do livro “Mestres e capoeiras famosos da Bahia” – Pedro Abib

Mestres e capoeiras famosos da Bahia (2ª edição), de Pedro Abib, no Lançamento Coletivo EDUFBA – Abril de 2013

Realizado através de pesquisa coordenada por Pedro Abib, Mestres e capoeiras famosos da Bahia é um dos livros que compõe a programação do Lançamento Coletivo EDUFBA – Abril de 2013. Dando continuidade às comemorações dos 20 anos da Editora, o lançamento coletivo deste mês acontecerá no auditório da Faculdade de Comunicação (FACOM-UFBA), das 17h30 às 20h30, no dia 02 de abril. Além de sessão de autógrafos, o evento contará com uma mesa-redonda, na qual autores e organizadores poderão interagir com o público. O acesso é gratuito.

“Sem a lembrança dos antepassados (serão ancestrais?), a capoeira não tem (en)canto”, afirma Frederico José de Abreu no prefácio da obra, e tal lembrança é a principal característica do livro. Ao longo de seus capítulos, são trazidos diversos nomes de importantes mestres para a história da capoeira baiana, como Besouro, Bimba, Pastinha, Bobó, Ferrerinha de Santo Amaro, entre outros.

O livro é resultado das pesquisas realizadas pelo Grupo MEL – Mídia, Memória, Educação e Lazer da Faculdade de Educação da UFBA. Atualmente, Pedro Abib é coordenador do Grupo GRIÔ: Culturas Populares, Diásporas Africanas e Educação, da Faculdade de Educação da UFBA

 

Serviço

O quê: Lançamento Coletivo EDUFBA – Abril de 2013

Quando: 02 de abril, terça-feira, das 17h30 às 20h30

Onde: Auditório da Faculdade de Comunicação – UFBA (Campus Ondina, Rua Barão de Jeremoabo, s/n, Ondina – Salvador, Bahia)

Quanto: entrada gratuita

 

Informações adicionais sobre o livro

ISBN: 978-85-232-0562-1

Ano: 2013

Área: Artes cênicas e recreativas; esportes

Número de páginas: 188 p.

Formato: 17 x 24 cm

Preço de lançamento: R$ 30,00

 

Daniele Marques
Assessoria de Comunicação
Editora da Universidade Federal da Bahia

Nota de falecimento: Mestre Marujo

Chora Capoeira… Capoeira Chora…
Chora Capoeira… Mestre Marujo foi-se embora…
 
Parte aos 45 anos, Mestre Marujo, que fazia parte do Grupo de Mestres Capoeiragem entre Camaradas, sofreu um infarto fuminante no dia 10 de Novembro de 2006 as 21hs, durante uma roda de capoeira no Rio de Janeiro.
 
O velório e o sepultamento foram realizados no sábado de 11 de Novemvro ás 17 hs
Estiveram presentes os familiares e amigos do Mestre.
 
Fica aqui nossa homenagem a este grande Mestre de Capoeira que agora foi vadiar com outros grandes e saudosos Mestres.
 
Vai na paz mestre Marujo e que o senhor continue com o movimento da "Capoeiragem entre Camaradas" ai, nesta roda no infinito…
Depoimento de uma aluna do Mestre:
 
"Eu joguei com o Marujo nessa roda e tenho muita lembrança boa dele, Marujo participou de uma das melhores lembranças que tenho de todos os esportes que já fiz. Me ensinou muito e me defendeu por muitas vezes em rodas estranhas.
Faço esta homenagem pelo homem que foi, pelo mestre, pelo amigo, pelo capoeira, pela dedicação total que sempre teve com a arte e também pelo cuidado com seus alunos que ele sempre teve, preocupação também com os alunos de amigos, como era o meu caso.
Mestre Marujo deixará infinitas saudades para os capoeiristas dedicados de corpo e alma.
 
Eterna lembrança de uma linda capoeira. Era tão capoeira de alma, que conseguia antingir o ponto aonde não sabíamos se ele estava jogando ou brincando e quando menos esperava ele te colocava em "cheque".
Mestre, vc fará falta mas estará (como sempre esteve) na lembrança de todos os seus amigos e irmãos da capoeira e fora dela também. Que papai do céu te receba com todo o carinho que vc merece. Sei que vai olhar pelos amigos daki da terra e sei também que sempre estará nas rodas ao pé do berimbau quando ouvir o gunga chamando."
 
Maria Fernanda Meza
"Iêêêê
o vento que venta no mar,
traga a sereia pra me ver cantar,
(coro)
o vento que venta no mar,
traga a sereia pra me ver jogar,
(coro)
o canto que eu canto na roda,
é pro capoeira jogar,
o capoeira é um cabra forte,
que joga versos no olhar,
na cantiga ele manda a mensagem,
no coração algo bom tem pra lhe dar,
ele aceita qualquer desafio,
pq não tem medo de lutar,
pq vale a pena correr o risco,
para seu grande amor n abandonar,
o vento que venta no mar,
traga a sereia pra me ver cantar,
(coro)
o vento que venta no mar,
traga a sereia pra me ver jogar,
(coro).."

CAPOEIRA ANGOLA: Uma discussão sobre turismo e preservação de recursos naturais

CAPOEIRA ANGOLA: UMA DISCUSSÃO SOBRE TURISMO E PRESERVAÇÃO DE RECURSOS NATURAIS A PARTIR DE TRADIÇÕES CULTURAIS


Rosa Maria Araújo Simões
Professora do Departamento de Artes e Representação Gráfica – FAAC – Unesp/Bauru
Doutoranda em Ciências Sociais – UFSCar
Membro do LEL-UNESP/Rio Claro
Orientadora: Profa. PhD. Marina Denise Cardoso
Av. Eng. Luís Edmundo Carrijo Coub, s/n – Bauru/SP – CEP 17033-360
(DARG/FAAC/UNESP)
[email protected]

Introdução

A roda de capoeira angola é um processo ritual 1 do qual se apreende um sistema de valores que aponta para uma cosmovisão sobre a relação homem-ambiente (capoeirista-roda).
A partir dos objetos utilizados (instrumentos musicais), da música produzida, dos movimentos corporais e do próprio significado da roda (que representa ‘O mundo velho de Deus’), o presente trabalho objetiva ilustrar, por um lado, a lógica subjacente a tal manifestação a partir de discursos de seus guardiães (mestres de capoeira angola da cidade de Salvador – BA) e apontar diferentes significações e/ ou re-significações ao considerar, por outro lado, os discursos de turistas em Salvador que, quando questionados sobre o que é a capoeira afirmam: ‘capoeira é um folclore da Bahia’, ‘é uma luta baiana’, ‘uma dança africana’, ou ainda, quando abordados no Mercado Modelo e questionados sobre o porque de seu interesse pelo berimbau, respondem que é para dar de presente como lembrança da Bahia, ou, para enfeitar a parede de sua sala etc. Assim, no que diz respeito à produção de instrumentos musicais, por exemplo, podemos citar a técnica de extração da biriba, madeira utilizada para a confecção de um ‘bom berimbau’. A percepção estética de grandes mestres de capoeira, não só relacionada a uma audição aguçada para a afinação do instrumento, mas também para a plasticidade do mesmo, os permitem salientar a diferença existente entre o berimbau para turista, vendido, sobretudo, no Mercado Modelo e utilizado como objeto de decoração e/ou lembrança da Bahia e o berimbau utilizado na roda (objeto ritual).

Para ler este artigo em sua íntegra clique aqui: 

A LENDA DOS ORIXÁS

 "As lendas africanas dos orixás"

Um balalaô me contou:
"Antigamente, os orixás eram homens.
Homens que se tomaram orixás por causa de seus poderes.
Homens que se tomaram orixás por causa de sua sabedoria.
Eles eram respeitados por causa da sua força
Eles eram venerados por causa de suas virtudes.
Nós adoramos sua memória e os altos feitos que realizaram.
Foi assim que estes homens se tomaram orixás.
Os homens eram numerosos sobre a terra.
Antigamente, como hoje,
muitos deles não eram valentes nem sábios.
A memória destes não se perpetuou.
Eles foram completamente esquecidos.
Não se tomaram orixás.
Em cada vila um culto se estabeleceu
sobre a lembrança de um ancestral de prestígio
e lendas foram transmitidas de geração em geração
para render-lhes homenagem."

 

Pierre Fatumbi Verger e Carybé