Blog

menino

Vendo Artigos etiquetados em: menino

Um Menino de 92 Anos

No último dia 27 de Dezembro um menino ficou mais velho. Esse menino que ainda insiste em se balançar quando ouve um pandeiro ou um berimbau, seja no passo miudinho do samba que aprendeu lá no Recôncavo, ou seja na ginga malandra que aprendeu com seu Pastinha, acabou de completar 92 anos.

João Pereira dos Santos é o nome que recebeu por batismo. João Pequeno de Pastinha é o nome pelo qual é conhecido nos quatro cantos do mundo. Esse menino não é fácil mesmo não. Teimoso como ninguém, ainda insiste em jogar capoeira com a mesma malícia de sempre, enchendo os olhos de quem tem o privilégio de compartilhar esses momentos mágicos junto a ele.

O mestre João Pequeno nasceu no município de Araci, no semi-árido baiano, mas ainda menino mudou-se com a família para Mata de São João, no Recôncavo, lugar sagrado de muitas histórias e façanhas de memoráveis capoeiras. Foi lá que o menino João teve o primeiro contato com a capoeira, através de Juvêncio, que era companheiro do lendário Besouro Mangangá, segundo nos conta o próprio João Pequeno. Em Mata de São João ele foi vaqueiro, agricultor e carvoeiro. Há alguns anos, quando fomos acompanhá-lo a uma visita a Mata de S. João, ainda ouvíamos pelas ruas algumas pessoas cumprimentá-lo, chamando-o pelo apelido pelo qual era conhecido na época: João Carvão.

Mais tarde, mudou-se para Salvador onde trabalhou durante um bom tempo como ajudante de pedreiro. Costumava vadiar em algumas rodas conhecidas da cidade como a do Chame-Chame, organizada por Cobrinha Verde ou a do Largo Dois de Julho. E foi numa dessas vadiagens pelo Largo Dois de Julho que João teve o encontro que marcou a sua vida: conheceu Vicente Ferreira Pastinha, o mestre Pastinha.

João nos conta que nesse dia, Pastinha convidou-o para participar da roda organizada por ele, que ficava no local conhecido por “Bigode”. Na semana seguinte lá estava João no “Bigode” e dali pra frente, nunca mais deixou a companhia do “seu” Pastinha, como João até hoje se refere ao seu mestre. Tornou-se então o principal trenel do Centro Esportivo de Capoeira Angola, o CECA, que depois passou a funcionar na Gengibirra e posteriormente mudou-se para o Pelourinho.

Read More

Mestre Marinheiro: “Aqui, sou o Barack Obama”

Mestre Marinheiro: “Tudo funciona pelo querer e amor ao próximo”

Sábado cedinho, o menino desperta e vai com o irmão mais velho para o saveiro que sai do pequeno píer de Salinas da Margarida rumo a Salvador. A embarcação vai carregada de frutos do mar para vender a comerciantes do Mercado Modelo.

O irmão é marinheiro do saveiro, e o menino vai olhando o mar da Baía de Todos-os-Santos, ansioso para ver chegar a capital, onde no pátio do imenso  mercado o som do berimbau e o cântico de negros impõem-se na balbúrdia como algo hipnótico.  

É fim da década de 60 (século XX) e na capital a capoeira ferve sob o sol do meio-dia no mercadão. O menino contempla os grandes da capoeira que ali fazem roda: mestres Cacau, Dois de Ouro, Gajé…

“Eu vi a nata da capoeira jogando”, lembra Valcir Batista Lima, hoje, na altura dos 47 anos e mais conhecido como mestre Marinheiro na comunidade onde mora, no Engenho Velho da Federação. Mais precisamente na Baixa da Égua, um dos locais onde a violência é grande e jovens se expõem ao tráfico de drogas.

“Eu vi muitos jovens expostos nas esquinas. Muitos entraram na capoeira e se encaminharam na vida”, diz Marinheiro, que já ensinou a arte da capoeira a 500 pessoas e formou cinco  mestres.

No miolo do bairro, construiu o centro de cultura Ginga e Malícia, vinculado à União Internacional de Capoeira Regional (Unicar), e hoje também um dos Pontos de Cultura identificados pelo Ministério da Cultura (Minc), que investiu no local R$ 180 mil. É ali que muitos jovens e crianças, por meio de atividades culturais, conseguem driblar a escolha de um futuro inseguro. Pelas ruas do bairro, todos o respeitam: “Aqui, sou o Barack Obama”, brinca.

Infância – Marinheiro sabe bem o que é nascer pobre. Ele lembra de quando, menino, levantava às cinco da madrugada para ajudar a mãe, dona Regina Célia, a mariscar nos mangues de Salinas para ter não só o que comer mas também o que vender e sustentar a família. Foi assim até a mãe  morrer. O pai, que vivia de biscate, há tempos passava dias em Salvador. A irmã mais velha, Rosa Maria, nem pensou duas vezes para trazer os meninos para a capital, em 1975.

Foram morar no Engenho Velho de Brotas. Tentava frequentar a escola, mas a vida urgia e passou a carregar sacola de mercado para “as madames”. “Ia pouco para a escola porque tinha a necessidade da sobrevivência”. Quem conversa com Marinheiro hoje, porém, não diz que ele ainda tenta concluir o 2° grau.

O fato é que Valcir fez de tudo um pouco para ganhar dinheiro, até como assistente de cozinha de restaurante chique no Hotel Meridien trabalhou. Também cozinhava no Sesc ali de Piatã. Era quando via os salva-vidas treinarem, na piscina olímpica do clube.

Um dia, no ano de 1983, decidiu fazer o teste para ser salva-vidas. Passou numa das cinco vagas entre 80 concorrentes. Foi na praia que conheceu mestre Orelha, também salva-vidas, que o incentivou a entrar para a capoeira.

Foi ali na Associação de Capoeira Regional, no Pelourinho, que Valcir conheceu mestre Bamba, que viria a batizá-lo como Marinheiro – o porquê da alcunha é guardado a sete chaves por Bamba –  e criá-lo também mestre. Muitos anos se passaram entre o ofício de salva-vidas, a capoeira e o casamento que lhe deu três filhos: Valcir Junior, Amanda e Luanda – esta, que é o braço direito do pai no centro de cultura na Baixa da Égua. Mestre Marinheiro já nos anos 90 se esforçava em busca de espaço para ensinar capoeira à meninada do bairro, onde até hoje mora.

Conseguiu o primeiro espaço na Escola Municipal do Engenho Velho da Federação. Mas o sonho de Marinheiro era ter uma sede própria. Foi num dos encontros de capoeira com estrangeiros – sim, Marinheiro sempre recebeu gente da Europa e EUA para ensinar a capoeira –, que conheceu um inglês, Henrique Franklin, que se tornaria um dos seus melhores amigos e seu “amuleto da sorte”.

Quando Henrique voltou para a Inglaterra, tratou de promover festas nas quais arrecadou fundos em prol da instituição de Marinheiro. Foi assim que ele comprou o terreno e construiu o galpão. Mas a capoeira foi apenas o motivo para transformar o local num verdadeiro centro de cultura, arte e cidadania. Ali os jovens aprendem informática, teatro, capoeira e tem até brinquedoteca para crianças.

Marinheiro já viajou à Europa mais de 10 vezes. Numa dessas viagens batizou o filho de Henrique. Teve oportunidades, se fosse de seu feitio, de ganhar dinheiro. Mas os planos de Marinheiro são pela coletividade. Seu ganha-pão ainda é o ofício de salva-vidas.

“Tudo funciona pelo querer e amor ao próximo. Não é discurso bonito, é prática”, diz. São muitos os projetos do centro de cultura precisando de dinheiro. Mas desânimo é palavra que não existe no vocabulário de Marinheiro.

Fonte: http://www.atarde.com.br/cidades

História: Certidão de nascimento de Mestre Pastinha

Depois de uma certa polêmica com relação ao verdadeiro nome de Mestre Pastinha, nosso querido amigo, parceiro e um dos mentores deste Portal, Mestre Decanio, nos brindou com um documento de raro valor histórico: A Certidão de nascimento de Mestre Pastinha., documento este que veio iluminar o assunto… A confusão e a demora em corrigir um artigo publicado em nosso portal em 2007 que falava diretamente sobre o grande mestre Pastinha, foi agravada pela referência ao nome do mestre na consagrada Enciclopédia Online a Wikipédia – (http://pt.wikipedia.org) cujo artigo principal com o nome do mestre, fazia referencia a JOAQUIM VICENTE FERREIRA PASTINHA.

Depois de alguma pesquisa com mestres diretamente ligados a história e tradição da Capoeira Angola, assim como discipulos e conhecedores da vida e da obra de mestre pastinha, conseguimos uma prova irrefutável do verdadeiro nome de Mestre Pastinha. Aproveitamos o documento de raro valor histórico para compartilhar e corigir a sua referência na Wikipédia.

Para baixar a Certidão de nascimento de Mestre Pastinha, visite nossa seção de Downloads da Capoeira.

 

Vicente Ferreira pastinha (Mestre Pastinha), nascido em 1889 dizia não ter aprendido a Capoeira em escola, mas “com a sorte”. Afinal, foi o destino o responsável pela iniciação do pequeno Pastinha no jogo, ainda garoto. Em depoimento prestado no ano de 1967, no ‘Museu da Imagem e do Som’, Mestre Pastinha relatou a história da sua vida: “Quando eu tinha uns dez anos – eu era franzininho – um outro menino mais taludo do que eu tornou-se meu rival. Era só eu sair para a rua – ir na venda fazer compra, por exemplo – e a gente se pegava em briga. Só sei que acabava apanhando dele, sempre. Então eu ia chorar escondido de vergonha e de tristeza.” A vida iria dar ao moleque Pastinha a oportunidade de um aprendizado que marcaria todos os anos da sua longa existência.

“Um dia, da janela de sua casa, um velho africano assistiu a uma briga da gente. Vem cá, meu filho, ele me disse, vendo que eu chorava de raiva depois de apanhar. Você não pode com ele, sabe, porque ele é maior e tem mais idade. O tempo que você perde empinando raia vem aqui no meu cazuá que vou lhe ensinar coisa de muita valia. Foi isso que o velho me disse e eu fui”. Começou então a formação do mestre que dedicaria sua vida à transferência do legado da Cultura Africana a muitas gerações. Segundo ele, a partir deste momento, o aprendizado se dava a cada dia, até que aprendeu tudo. Além das técnicas, muito mais lhe foi ensinado por Benedito, o africano seu professor. “Ele costumava dizer: não provoque, menino, vai botando devagarinho ele sabedor do que você sabe (…). Na última vez que o menino me atacou fiz ele sabedor com um só golpe do que eu era capaz. E acabou-se meu rival, o menino ficou até meu amigo de admiração e respeito.”

Foi na atividade do ensino da Capoeira que Pastinha se distinguiu. Ao longo dos anos, a competência maior foi demonstrada no seu talento como pensador sobre o jogo da Capoeira e na capacidade de comunicar-se. Os conceitos do mestre Pastinha formaram seguidores em todo Brasil. A originalidade do método de ensino, a prática do jogo enquanto expressão artística formaram uma escola que privilegia o trabalho físico e mental para que o talento se expanda em criatividade. Foi o maior propagador da Capoeira Angola, modalidade “tradicional” do esporte no Brasil.

 

* A Certidão de nascimento de Mestre Pastinha foi partilhada pelo nosso querido amigo e um dos mentores do Portal Capoeira, mestre Decanio.

Um grande abraço repleto de um desejo de paz, saúde e prosperidade para este grande ser humano.

Visite: http://capoeiradabahia.portalcapoeira.com

Hoje é dia de Santo Reis

Acontece hoje na região a chegada das Bandeiras das Companhias de Folia de Reis. Em Apucarana, Ivaiporã, Jandaia do Sul, Arapongas, Mandaguari e várias outras cidades há festejos programados. Durante as visitas, iniciadas nos primeiros minutos da madrugada do dia 25 de dezembro, são arrecadados donativos que são repassados aos menos favorecidos.

HISTÓRICO – A Folia de Reis é uma festa religiosa de origem portuguesa, que chegou ao Brasil no século XVIII. Em Portugal, em meados do século XVII, tinha a principal finalidade de divertir o povo, enquanto aqui no Brasil, passou a ter um caráter mais religioso do que de diversão.

No período de 24 de dezembro, véspera de Natal, a 6 de janeiro, Dia de Reis, um grupo de cantadores e instrumentistas percorre a cidade entoando versos relativos à visita dos Reis Magos ao Menino Jesus. Passam de porta em porta em busca de oferendas, que podem variar de um prato de comida a uma simples xícara de café.

A Folia de Reis, herdada dos colonizadores portugueses e desenvolvida aqui com características próprias, é manifestação de rara beleza. Os preciosos versos são preservados de geração em geração por tradição oral.

INSTRUMENTOS: os instrumentos utilizados são: viola, violão, sanfona, reco-reco, chocalho, cavaquinho, triângulo, pandeiro e outros instrumentos.

PERSONAGENS: os personagens somam doze pessoas e todos os integrantes do grupo trajam roupas bastante coloridas, sendo eles: Mestre, Contra-Mestre, os Três Reis Magos, Palhaço e Foliões.

1.O Mestre e Contra-mestre: donos de conhecimentos sobre a manifestação, são aqueles que comandam os foliões.

2.O Palhaço: com seu jeito cínico e dissimulado, deve proteger o Menino Jesus, confundindo os soldados de Herodes. O seu jeito alegre e suas vestimentas coloridas são responsáveis pela distração e divertimento de quem assiste à apresentação. Representando o Mal, usa geralmente máscara confeccionada com pele de animal e vai sempre afastado um pouco da formação normal da Folia, nunca se adiantando à "bandeira". Apesar de seu simbolismo, é personagem alegre, que dança e improvisa versos, criando momentos de grande descontração.

3. Os Foliões: grupo composto de homens simples, geralmente de origem rural; são os participantes da festa que dão exemplo grandioso através de sua cantoria de fé.

4.Reis Magos: os Três Reis Magos fazem a viagem da Esperança, certos de encontrarem sua estrela.

A FESTA: até há pouco, podia-se ouvir ao longe ou, com sorte, encontrar, vindo de bairro distante, um grupo especial de músicos e cantadores, trajando fardamento colorido, entoando versos que anunciam o nascimento do Menino Jesus e homenageiam os Reis Magos. Trata-se, naturalmente, da Folia de Reis que, no período de 24 de dezembro a 6 de janeiro, Dia de Reis, peregrina por ruas à procura de acolhida ou em direção a algum presépio.

Com sanfona, reco-reco, caixa, pandeiro, chocalho, violão e outros instrumentos, seguem os foliões pela noite adentro em longas caminhadas, levando a "bandeira" (estandarte de madeira ornado com motivos religiosos), a qual tributam especial respeito. Vão liderados por mestre e contra-mestre, figuras de relevância dentro da Folia por conhecerem os versos – são os puxadores do canto.

"Era meia-noite em pontoBateu asa e cantou o galo Bateu asa e cantou o galo…"

"Que Jesus dê vida e saúdeSó voltamos para o anoSó voltamos para o ano…"

Os foliões cumprem promessa de, por sete anos consecutivos, saírem com a Folia e arrecadar em suas andanças donativos para realizarem anualmente, no dia 20 de janeiro, Dia de São Sebastião, festa com cantorias e ladainhas.

Durante a caminhada, é carregada a "bandeira" do grupo, um estandarte de madeira enfeitado com motivos religiosos. O ponto alto da festa se dá quando dois grupos se encontram. Juntos, eles caminham em direção ao presépio da festa, o ponto final da caminhada.
FESTA DE REIS EM OUTROS PAÍSES

Na França, existe um costume antigo de consumir uma espécie de torta doce e recheada, a "Galette des Rois", em todo o mês de janeiro, e principalmente no primeiro domingo de janeiro, Dia de Reis.

Ao comprar a galette em "Boulangeries" (padarias) ou "Pâtisseries" (docerias), o francês ganha duas coroas de papel. Essa tradição vem desde a época dos romanos, quando se colocava uma "fève" (fava) seca ou grãos de feijão dentro da torta para se escolher o "Rei do Dia". Quem encontrar a fava na sua fatia, é eleito rei por um dia e tem até o direito de escolher a sua rainha. Atualmente, essa fava seca foi substituída por uma figura de porcelana.

É, com certeza, uma comemoração muito popular que faz a alegria de crianças e adultos.

A "Galette des Rois" francesa é preparada com massa folheada e recheada com um "Crème Frangipane" (creme de amêndoas), muito perfumado e delicioso, receita criada pelo pâtissier francês Pascal Regnault, especialista também em crepes, galettes e outras delícias francesas.

Na Itália e na Espanha, a galette é feita de pão doce em forma de coroa, decorado e recheado com frutas cristalizadas.

BOLO DIA DE REIS INGREDIENTES:

200g de manteiga

200g de açúcar

200g de amêndoas em pó

4 ovos

75g de farinha de trigo

2 discos de massa folheada de 3ml de espessura

Fôrma de 22cm de diâmetro

2 ovos ligeiramente batidos para pincelar a massa

MODO DE PREPARO:

Bata em batedeira a manteiga com o açúcar e as amêndoas. Depois que a mistura clarear e crescer, junte aos poucos os quatro ovos, um de cada vez, sem parar de bater. Incorpore por último a farinha e bata mais um minuto, só para misturar. Reserve na geladeira.

Montagem:Coloque um disco de massa folheada na fôrma e espalhe por cima o creme.

Coloque uma e cubra com o segundo disco de massa folheada. Pincele com ovo batido. Asse em forno pré-aquecido a 200°C, durante aproximadamente 25 minutos. Deixe esfriar, desenforme e sirva.

Rendimento : 10 porções
SIMPATIAS DAS ROMÃS

1) No dia de Reis, coloque três caroços de romã dentro da carteira para ter dinheiro durante o Ano Novo.

2) No Dia de Reis, dia 6 de janeiro, pegar uma romã e retirar 9 sementes pedindo aos 3 Reis Magos, Baltasar, Belchior e Gaspar que nesse ano que se inicia você tenha muita saúde, amor, paz, dinheiro.

Depois pegue 3 das nove sementes e guarde num saquinho, papel, o que der. Essas sementes ficarão dentro da carteira para nunca faltar dinheiro.

As outras 3 você engole e as últimas três que sobraram você joga pra trás fazendo o pedido que desejar. É infalível. Você pode não ficar rico, mas na sua carteira vai ter sempre algum dinheiro.

Fonte: http://www.tribunadonorte.com/

MS: Cine Moreninhas apresenta Maré Capoeira

 

 

Cine Moreninhas apresenta “Curtas infantis 2”

Na próxima sexta-feira (22), a partir das 18h30, fechando a programação de férias das crianças da região da região das Moreninhas, a Fundação de Cultura de Mato Grosso de Sul (FCMS) promove mais uma exibição audiovisual no Cine Moreninhas, com a exibição do “Curtas Infantis 2”.

O Cine Moreninhas é um ponto de exibição da Programadora Brasil, um programa do Ministério da Cultura (Minc) que disponibiliza obras audiovisuais para circuitos não comerciais de difusão pública. Com conteúdo em todos os formatos (curta, média e longas-metragens), diversificado em várias categorias, (animação, documentário, experimental e ficção), os filmes são de épocas e regiões geográficas diferentes, o que atende diversos públicos e respeita a diversidade da produção audiovisual brasileira.

O Cine Moreninhas fica no Centro Comunitário das Moreninhas I e II, na Rua Anacá, 175. A entrada é gratuita.

Sinopse

O Programa “Curtas Infantis 2” traz quatro ficções protagonizadas por crianças e adolescentes. “Maré Capoeira” e “Caçadores de Saci” foram produzidos a partir do “Curta Criança”, edital infanto-juvenil do Ministério da Cultura. “D. Cristina Perdeu a Memória” discute o esquecimento de uma idosa através de sua relação com um menino de oito anos, enquanto “Paisagem de Meninos” mostra os dilemas de um grupo de garotos que querem assistir a um seriado no cinema, nos anos 30.

“Maré Capoeira”, dirigido por Paola Leblanc, tem 15 minutos de duração e conta a estória de Maré, apelido de João, um menino de dez anos que sonha ser mestre de capoeira como seu pai, dando continuidade a uma tradição familiar que atravessa várias gerações. O curta mistura ficção e documentário para contar uma pequena história de amor e guerra.

 

 

 

“Caçadores de Saci” foi filmado na chácara da pacata família de Onofre, que vem sendo assombrada por saci: a pipoca não arrebenta, o ovo não choca, o leite sempre azeda, o feijão vive queimando na panela, entre outros estranhos acontecimentos. Para resgatar a tranquilidade da casa, Onofre resolve contratar os serviços de Valdevino, o maior caçador de sacis do sertão. O curta tem a direção de Sofia Frederico.

Ana Luiza Azevedo dirige o curta “Dona Cristina Perdeu a Memória”, uma senhora de 80 anos, que conta histórias sempre diferentes sobre a sua vida para Antônio, um menino de 8 anos, pois acredita que o menino pode ajudá-la a recuperar a memória perdida.

“Paisagem de Meninos” é uma ficção de Fernando Severo filmado numa cidade do interior do Brasil, nos anos 30, cinco meninos tentam superar um grande obstáculo que pode impedi-los de assistir ao último capítulo de um seriado de aventuras, Haroldo, o Homem Relâmpago, ansiosamente aguardado durante semanas.

 

Maré Capoeira

DigiBeta, 15 min, Cor / P&B/ Rio de Janeiro, dezembro 2005

Sinopse:

Maré é o apelido de João, um menino de dez anos que sonha ser mestre de capoeira como seu pai, dando continuidade a uma tradição familiar que atravessa várias gerações. O curta mistura ficção e documentário para contar uma pequena história de amor e guerra.

A Diretora:

Paola Barreto Leblanc nasceu em 1971 no Rio de Janeiro, onde atualmente vive e trabalha como diretora, produtora e roteirista. Começou a fazer filmes em super 8 no ginasial da escola EDEM e em 1986 representou o Brasil no Jury Infantil do Festival International du Film Pour l´Enfance et la Jeunesse, em Paris. Antes de “Maré Capoeira” dirigiu dois premiados curtas infantis: “O Sumiço do Amigo Invisível” (2002) e “O Filme dos Porquês” (2003) exibidos em Barcelona, Miami, Buenos Aires, Montevideo e Santiago, entre outros Festivais; além do documentário “Me Erra!” veiculado no canal a cabo GNT e nos Festivais de Havana, Sevilla, e É tudo Verdade. Atualmente trabalha na série de documentaries curtos “É Campeão” que versa sobre crianças e esportes e está sendo apresentada a canais de TV no Brasil e no exterior.

Ficha Técnica:

Direção: Paola Barreto Leblanc – Roteiro: Fabiana Egrejas, Paola Leblanc, Ferradura, Rosane Svartman – Fotografia: Mauro Pinheiro Jr., ABC – Edição: Daniel Garcia – Edição de Som: Aurélio Dias – Trilha sonora: ArpX – Som Direto: Vampiro – Figurino: Fernanda Fabrizzi – Direção de Produção: Patricia Barbara – Produção Executiva: Ailton Franco Jr. – Cia Produtora: PB Filmes e AR Produções – Elenco: Felipe Santos, Isabela Fabirezza, Mestre Chaminé.

Premiação:

Prêmio Especial do Jury Amazonas Film Festival 2006
Prêmio Melhor Documentário – Nueva Mirada, Buenos Aires 2006
Prêmio do Jury Infantil – Hamburgo 2006
Prêmio do Jury Infantil – Oberhausen 2006
Prêmio Curta Criança – Minc/ TVE 2005

Participação em festivais e mostras :

IDFA – Festival Internacional de Documentários de Amsterdam, Holanda 2006
Mostra Internacional do Filme Etnográfico – Rio de Janeiro, 2006
Festivalzinho Vitória Cine Vídeo 2006
Amazonas Film Festival 2006
Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 2006
Festival Nueva Mirada Buenos Aires, Argentina 2006
Festival Internacional Calgary, Canadá 2006
Festival Internacional de Cinema Infantil de Chicago, USA 2006
Centro Cultural La Casa Encendida – Madrid 2006
Goiânia Mostra Curtas 2006
Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo 2006
Jornada Internacional de Cinema da Bahia 2006
Femina – Festival Internacional de Cinema Femnino 2006
Mostra de Cinema Universitário 2006
Festival Latinoamericano de Cortometrages de Caracas, Venezuela 2006
Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis 2006
FAM – Audiovisual Mercosul 2006
Festival Internacional de Curtas de Hamburgo, Alemanha 2006
Festival Internacional de Curtas de Oberhausen, Alemanha 2006
Festival Internacional de Curtas Metragens do Rio de Janeiro 2005

Contato: A.R. Produções – Ailton Franco Jr.
Praia de Botafogo 210 – Cob 01 – 22.240-050 – Botafogo – Rio de janeiro – RJ
Telefone: 21 2553 8918 – Fax: 21 2554 9059 – e-mail; a.franco@arproducoes.com.br Este endereço de e-mail está sendo protegido de spam, você precisa de Javascript habilitado para vê-lo

Leia Mais sobre o curta – Maré Capoeira:
http://www.portalcap…tent&task=view&id=937&Itemid=301

Recife: Capoeira e percussão mudam a vida de alunos e professores de projeto social

O trabalho da Mangagá Canuiteiro não se resume à garagem no Conjunto Residencial Muribeca. Os artistas ensinam de graça capoeira e percussão para 30 crianças que participam do projeto Aria Social, que existe há quatro anos no bairro de Piedade.

Lá, os materiais produzidos em uma oficina servem como instrumento para outra segunda. “Usamos os instrumentos fabricados nas oficinas de ritmo, efeito, de percussão e também temos o coral social que é bastante eclético. A gente toca músicas populares, eruditas e clássicas”, conta o professor de percussão Charles Duquê.
A escolha pelo método tem uma explicação. “A arte e a música têm o poder de transformação, ela muda o comportamento, os pensamentos pra melhor, pra alto astral”, garante o músico.

A prova de tal mudança a equipe do Vida Real teve ainda dentro da oficina: o menino Matheus, de 8 anos, que é portador da síndrome de down. “Matheus, na realidade, é um dos nossos maiores exemplos. Quando ele chegou aqui, foi um desafio muito grande porque a gente não tinha experiência com crianças especiais. Hoje, ele já tá construindo instrumentos com a gente, ele joga capoeira, ele canta.”, conta o professor de capoeira Manoel da Silva Júnior.

O agradecimento do menino vem de forma espontânea. “Eu te amoooo”, declara ao professor, ao qual chama de tio e até mesmo de pai. É a recompensa do professor que acredita que o trabalho social é um propósito divino na vida dele. “Já passei por muita coisa na minha vida e quando eu tô com eles, eu vejo que tudo que eu passei valeu a pena e que Deus tem um propósito na minha vida”, afirma Manoel.

E aconselha outras pessoas a dar a sua contribuição. “Não é à toa que a gente criou essa marca pra esse nosso projeto que é Recicle sua alma e tudo que tiver ao seu redor”, completa.

Fonte: http://pe360graus.globo.com/

Mestre Kenura: Lançamento do Cd Capoeira Água de Menino

Almerito Almeida Santos , é um destes Mestres de estilo "DISCRETO", é destas pessoas que trabalham por uma causa maior… sem a vaidade de "aparecer".
Mestre Kenura, mesmo indiretamente é responsável pela formação cultural e sucesso de muitos CAPOEIRISTAS, hoje espalhados pelos 7 mares…
 
Conheci Mestre Kenura no final da década de 90, na Casa de Capoeira Malungos, Pinheiros, SP. Figura serena, sábia e que contagiava a todos com seu amor incondicional a capoeira.
 
Fico imensamente feliz, de que após tanto tempo, encontre este sensacional Malungo, remando… tocando o barco… e disseminando cultura e conhecimento por este "Mundão de meu Deus"…
 
Muito paz e sucesso com o "Água de Menino"
 
Luciano Milani
Mestre Kenura  – Capoeira água de menino
 
A"Capoeira água de menino" é um estilo criado e desenvolvido pelo Mestre Kenura que aplica, também, angola e regional, além de trabalhar com manifestações folclóricas inerentes à mesma cultura, como samba de roda, maculelê, frevo, entre outras.
Neste seu segundo disco, Kenura apresenta além de composições próprias, toques e ladainhas da capoeira regional e da capoeira angola, sambas de roda, apresentando a capoeira como forma de expressão, ressaltando seu aspectos folclóricos, dança e movimentos. O disco gravado pelo grupo de capoeira Água de Menino, contou ainda com as participações especiais de Dinho Nascimento e Gereba.
 
ficha técnica:
 
MESTRE KENURA – Almerito Almeida Santos
Voz, berimbau, atabaque, pandeiro, agogô, letras e arranjos
Grupo Água de menino – instrumentação
Anne Dieterich (coro)
Ariene Leite (coro)
Eduardo Donine (coro)
Felipe Soares (coro, acordeon)
Fernanda Yazbeck (coro)
Helena Alessi (coro)
Helena Giordano Salgado (coro)
Joana Junqueira (coro)
José Antonio S. Prata (coro)
Maitá Figueiredo (coro)
Majoí Fávero Gongora (coro)
Mariana Laura (coro)
Rafael Côrrea Leme (coro)
Regina Cassimiro (coro)
Rogério Vilas Boas (coro)
Tati Ribeiro (coro)
Theresa Dino (coro)
Tomé Borba (coro)
Uilson Domingues (coro)
 
Participações especiais:
 

Bruno Prado (atabaque)
Dinho Nascimento (atabaque, chocalho e pandeiro)
Elisete Aparecida de Castro (coro)
Enimar dos Reis (coro)
Gabriel Nascimento (atabaque, surdo, pandeiro e berimbau)
Gereba (violão e viola)
Marcos de Freitas Santos (atabaque, agogô e berimbau)
Sandra Virgínia de Castro (coro)
Silvana Maria de Castro (coro)
Sonia Regina de Castro (coro)
 
 

Evento de Angola em Santos com Mestre Lua de Bobó

Entre os dias 13 e 14 de maio de 2006, a Associação de Capoeira Valtinho da Senzala promove o evento em Santos-SP.
 
A Associação de Capoeira Valtinho da Senzala de Santos – São Paulo – Brasil convida todos a participarem da Oficina de Capoeira Angola com o Mestre Lua de Bobó, em Santos, dias 13 e 14 de maio de 2006.
 
Estarão presentes nos eventos:
Mestre Lua de Bobó – Grupo Menino de Arembepe – Arembepe – BA
Mestre Valtinho – Associação de Capoeira Valtinho da Senzala – Santos- SP
Contra-Mestre Serginho – Grupo Menino de Arembepe -Caraguatatuba – SP
O evento acontecerá no Teatro Municipal, à Av. Pinheiro Machado, 48,
Vila Mathias, Santos (Canal 1)
 
Informações pelo Tel (13)-91157087 Contra-Mestre Idylio.
 
Inscrições: R$15,00

Menino, quem foi teu mestre?

Ouvi falar de Ângelo Augusto Decanio Filho pela primeira vez em 1997, ao assistir o documentário "Pastinha – Uma vida pela capoeira". Lá estava ele, sentado defronte ao computador e falando sobre como os dois capoeiristas se tornam um durante o jogo – o Transe Capoeirano.

Conheci o trabalho de Ângelo Augusto Decanio Filho no início de 2003, remando na internet atrás de boas fontes de informação sobre capoeira.

Clica daqui, clica dali, e esbarrei com o site "Capoeira da Bahia".
Fiquei ao mesmo tempo exultante e intrigado com a qualidade e a quantidade de material como tinha coisa boa de ler, e como diabos uma só pessoa poderia ter feito tudo aquilo ?
Seria ele um "polvo humano" com 8 braços para digitar ?

Read More