Blog

mestre

Vendo Artigos etiquetados em: mestre

Capoeira: Ensaio sobre a função da diversidade na roda

Capoeira: Ensaio sobre a função da diversidade na roda

A composição de uma roda de capoeira passa essencialmente por considerar a contribuição de diferentes personagens em distintas tarefas. Neste sentido, alguns tocam, outro canta, a dupla joga, e os demais acompanham, tudo mediado pelo mais antigo, que na lógica pedagógica pode ser comparada a “zona de desenvolvimento proximal” de Vygotsky.

Tive a possibilidade de vivenciar uma “cena” emblemática numa roda no estaleiro do Bomfim, em que foi possível aprender com o contexto, pois na roda jogando tínhamos uma japonesa e um norte americano, na bateria tínhamos diferentes mestres de múltiplas referências, atrás da roda acontecia uma cerimônia religiosa de matriz africana, e ao lado tínhamos o tradicional feijão sendo distribuído gratuitamente para alimentar a comunidade, ou seja, no mesmo momento foi possível perceber a “festa”, o lazer, o trabalho e a religião, com tudo interligado harmonicamente.

O detalhe é que a japonesa, jogou muito bem, cantou e tocou, e sua condição de estrangeira , não negra e mulher , não foram argumentos para justificar uma incompetência no trato com a arte, muito pelo contrário, ela soube com maestria usar isso em seu favor naquele ambiente….Sem dúvidas, essa pessoa entendeu o que é a capoeira.

Por outro lado temos sido bombardeados por uma série de iniciativas que nos convocam a um sentido contrário de trato com o potencial dessa diversidade, pois não é estranho que possamos nos deparar com uma chamada de evento…”Encontro de mulheres, negras e angoleiras”….Parece piada, mas é verdade, pois isso lamentavelmente existe, e se não bastasse, também é possível encontrar chamadas como…”Encontro de marxista da capoeira “, ou “Encontro de capoeira gospel”, ou seja, salvo melhor juízo, isso me parece uma tentativa de reinvenção do “negócio” capoeira.

Não desejo fazer uma escrita ingênua que desconsidera a estratégia antiga dos movimentos sociais , em se reunir por afinidades de luta para congregar com o “todo”, mas o problema é que essa tal congregação com o “todo” não chega, pois não é bom para o “negocio”.

Como é possível transformar o “todo” na segregação das “partes” menos favorecidas? É realmente uma estratégia de militância ou apenas mais forma de marketing de um novo/velho “negócio”?

Na verdade a complemetariedade dos diferentes é a força motriz da arte capoeira, e qualquer coisa fora disso, pode atentar contra este princípio estrutural.

Precisamos parar de repelir, excluir o diferente que incomoda, ao passo que, com generosidade intelectual, possamos ter a humildade de reconhecer que juntos somos melhores.

Entre o que acalanta meu ego e o que me tira da “zona de conforto”, optei pelo enfrentamento dialógico, e tenho colhido esse plantio, hora com coisas boas e hora com coisas terríveis para mim, mas pagando o preço pela possibilidade/realidade de contribuir com a arte capoeira.
Vamos lá!!! Vamos expandir a mente para além do “espelho de narciso”?

 

Axé
Mestre Jean Pangolin

Carioca nota 10: Mestre Ferradura

Carioca nota 10: Mestre Ferradura

À frente de organização que prepara e certifica novos professores, mestre de capoeira oferece aulas gratuitas a moradores em situação de rua

O berimbau é um dos elementos cruciais da capoeira. Ele comanda a roda, dita o ritmo e o estilo de jogo. Ao produzir diferentes texturas de sons, o instrumento guia movimentos precisos de ataque, defesa e esquiva. Para jogar capoeira, é preciso ter desenvoltura e habilidade, sim, mas não é só isso que está em jogo. Misturando elementos de luta, dança e música, a modalidade promove a interação social, melhora a autoestima e evidencia a importância da defesa — e não do ataque. Apostando nesses valores, Omri Breda, mais conhecido como Mestre Ferradura, 44 anos, criou, há dois anos, o projeto Capoeira de Rua, dedicado à população sem teto do Rio.

“Pela sua própria natureza, o olho no olho, o contato físico, a integração com o grupo, a relação com a música, com a religiosidade e a cultura negra, a capoeira faz com que essas pessoas se sintam menos invisíveis dentro da nossa sociedade”, diz o mestre, à frente do Instituto Brasileiro de Capoeira-Educação, organização que prepara e certifica novos professores.

Mestre Ferradura

Mestre Ferradura: “Capoeira ajuda a fazer com que algumas pessoas se sintam menos invisíveis dentro da nossa sociedade” Leo Lemos/Veja Rio

 

As aulas acontecem três vezes por semana, logo após o café da manhã oferecido pelo Projeto Voar.

Às segundas, o encontro é no Aterro do Flamengo; às quartas, na Praça São Salvador; e às quintas, na Praça Paris. Por dia, cerca de quinze pessoas costumam frequentar as rodas, e a ideia do Mestre Ferradura é ir muito além da atividade recreativa:

“Busco fazer com que os alunos sintam que são capoeiristas e que podem se apropriar disso para buscar novas oportunidades”.

Está dando certo. Dois alunos do projeto, ex-­moradores de rua, já conseguiram reestruturar a vida depois que entraram na capoeira. O professor também dá aulas para crianças do Instituto Benjamin Constant e jovens do Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase) e faz parte do grupo Gingando pela Paz, que desenvolve ações em diversos países, como o Congo e o Haiti.

No caso do Capoeira de Rua, mais seis voluntários se revezam no comando das aulas, que acabam de ganhar mais um ponto na cidade, o Museu de Arte Moderna.

 

Fonte: https://vejario.abril.com.br/cidade/capoeirista-aulas-populacao-situacao-rua/

 

Mais:

 

“Responsabilidade Social” é um programa da TV ALERJ voltado à projetos que fazem a diferença no Rio de Janeiro.
Na última semana o programa focou nos projetos realizados na rua, especialmente o Yoga de Rua. Como parceiro, o @capoeiraderua1 também entrou na dança!

“Responsabilidade Social” 

 

Ver também:

https://portalcapoeira.com/tag/ferradura/

https://capoeirariodejaneiro.com.br/

https://capoeiraibce.com/

https://brincadeiradeangola.com.br/

Guarujá-SP: Uma comunidade à procura do mestre

Guarujá-SP: Uma comunidade à procura do mestre

Um exemplo de ser e estar… Capoeira uma escola de cidadania… Um verdadeiro MESTRE na arte da capoeiragem e da vida!!!

Nos trabalhos de resgate do Morro do Macaco Molhado, no Guarujá, no litoral de São Paulo, chama a atenção a presença de jovens na faixa dos 20 anos. Grande parte está ali à procura daquele a que se referem como “padrinho”, “irmão” ou “mestre”, com quem aprenderam sobre a capoeira, a cultura afro-brasileira e a vida: o líder comunitário Rafael Rodrigues, de 33 anos, um dos desaparecidos no temporal que atingiu a Baixada Santista. Até a noite desta quarta-feira, 4, eram 25 os mortos na Baixada Santista por causa das fortes chuvas.

Rafael estava preocupado com os efeitos da chuva desde a noite de segunda. Naquele dia, às 23h59, fez a última publicação em uma rede social, na qual alertava sobre a situação, e saiu de casa em plena madrugada para ajudar no resgate de vítimas em uma encosta do bairro vizinho, no Morro do Macaco Molhado, também chamado de Morro Bela Vista.

O professor de capoeira Rafael Rodrigues subiu o morro, em Guarujá, no dia do temporal e tentava ajudar pessoas soterradas. Houve um segundo desmoronamento e ele foi um dos atingidos. No mesmo morro, outro Rafael, marido de Gisele, também perdeu a vida tentando salvar outras pessoas. Ele levou os 7 filhos para um lugar seguro e decidiu voltar para ajudar os demais moradores.

Chuvas na Baixada Santista: conheça a história de duas vítimas que tentaram ajudar outras pessoas

Foi atingido por um segundo deslizamento com outro voluntário e dois bombeiros, os cabos Moraes e Batalha. Com exceção de Moraes, os demais estão desaparecidos, soterrados sob a lama e o entulho.

Rafael se tornou o mestre de outros tantos meninos e meninas ainda adolescente, quando começou a dar aulas de capoeira em um abrigo há mais de 20 anos. O projeto cresceu e mudou de nome algumas vezes até se tornar a Associação Cultural Afroketu, de capoeira, percussão e danças afro-brasileiras, que atende hoje mais de cem crianças e adolescentes. “Ele é um pai para todo mundo, um amigo, irmão. Dá conselho, briga quando precisa, faz tudo”, diz mestre Sandro, de 41 anos, outra liderança do Afroketu. “Vieram (pessoas do projeto para o resgate) porque ele sempre se doou para todo mundo.” Hoje professor do Afroketu, Daniel de Moura, de 28 anos, começou como aluno há 12 anos. “(A associação)é uma família, um pelo outro até hoje. E o Rafael é um pai para todo mundo.”

Atuação

Produtor cultural, Rafael tem filhos e estava no último ano da graduação em Direito. É assessor de Políticas Públicas Para a Juventude na prefeitura do Guarujá há três anos. “Encontrei com ele na última semana e estava feliz, empolgado com os conhecimentos que ganhava (no curso de Direito), em como isso poderia ajudar mais a comunidade”, diz a professora Roseli Alexandre, de 54 anos, que acompanha o trabalho de Rafael desde a adolescência. “Todo dia, passava às 21, 22 horas na frente da sede do projeto e via aquela gente toda envolvida. Agora nem imagino como vai ser.”

Também professor, Luiz Alexandre, de 60 anos, diz que Rafael tem atuação que vai além do Guarujá, envolvendo-se em projetos em outras cidades da Baixada e do Estado. “É um verdadeiro Zumbi da modernidade, ele nos dignifica, nos representa. Um cara que não espera acontecer.”

 


TRAGÉDIA: Guarujá registra 26 mortes

Na Baixada Santista, foram contabilizados 32 óbitos e 47 desaparecidos

A Defesa Civil do Estado informa que as chuvas extremas que incidiram sobre a região da Baixada Santista na madrugada de terça-feira, 3 provocaram, até o momento, 32 óbitos e 47 não localizados, nos seguintes municípios: Guarujá (26 óbitos e 42 não localizados), Santos (4 óbitos e 4 não localizados) e São Vicente (2 óbitos e 1 não localizados). O número atual de desabrigados é de 249 em Guarujá e 185 em Santos.

Foram disponibilizadas 30,5 toneladas de materiais de ajuda humanitária aos municípios afetados, sendo: 15,6 toneladas (colchões, cobertores, cestas básicas, roupas, água sanitária, kits de limpeza, kits de higiene e água potável) para o depósito do Fundo Social de Santos de onde serão distribuídos, mediante solicitação, às defesas civis municipais; 11 toneladas (colchões, kits higiene, vestuário e limpeza, cestas básicas, água potável e fita de isolamento) a Guarujá; 2,9 toneladas (colchões, cestas básicas, kits de higiene, limpeza e vestuário) a Peruíbe; 1 tonelada (colchões) a Santos.

Além disso, foram disponibilizados equipamentos de proteção individual (luvas de raspa e capacetes) e baldes para o mutirão de voluntários que está atuando em apoio às equipes de salvamento nos cenários de ocorrência de Guarujá.

O Diretor do Departamento Estadual de Proteção e Defesa Civil, Tenente-Coronel PM Henguel Ricardo Pereira, e equipe, permanecem na região, em reuniões com o Gabinete de Crise, avaliando as necessidades e a atuação das equipes de salvamento.

No Diário Oficial do Estado do último dia 4, o Governador João Doria homologou sumariamente os decretos municipais de situação de anormalidade de Guarujá (estado de calamidade pública), Santos e São Vicente (situação de emergência). No dia seguinte, esses decretos foram reconhecidos sumariamente no Diário Oficial da União.

Nas últimas 24 horas, a contar das 6h de hoje (6), foram registrados mais 2mm em Guarujá (65mm em 72h), 12mm em Santos (46mm em 72h) e 7mm em São Vicente (53mm em 72h).

A sexta-feira (6) começou com sol na Baixada Santista. No entanto, devido aos ventos úmidos que continuam soprando do oceano em direção à costa, continua a previsão de chuva fraca no período da tarde e noite, porém sem risco de temporais e grandes acumulados. Já para amanhã (7), a mesma condição permanecerá e, no período da noite, haverá condição para chuviscos bem isolados por toda a região.

Capoeira: A leitura do “todo” pela análise da “parte”

Capoeira: A leitura do “todo” pela análise da “parte”

O século XXI nos imprime uma serie de releituras sobre alguns papeis sociais, dentre estes, destacamos a figura do facilitador em capoeira, considerando que este constantemente está sendo resinificado pelas demandas da conjuntura atual.

A mestria, em tese, deveria ser um ato sublime, pois pressupõe a possibilidade de difusão do conhecimento e consequente continuidade de uma arte ancestral, contudo, nem sempre tem sido assim, pois a figura do mediador em capoeira parece corroída pelas contradições da exploração do homem pelo homem. Assim, temos visto em muitos lugares uma relativa confusão sobre as reais implicações formativas de um processo de ensino aprendizagem capitaneado por alguém que não se coloca a serviço dos interesses da capoeira e sua comunidade.

Hoje, são frequentes as reuniões de pessoas que buscam, mediante objetivos comuns, a criação de espaços de poder que funcionam como uma espécie de “escudo das incompetências”, ou seja, são encontros sectáristas de um dado segmento do segmentos, que excluem a possibilidade de diálogo com a diversidade que compõe a comunidade, em favor do argumento de empoderamento dos membros reunidos e afins. Neste sentido, se este processo fosse apenas uma estratégia de fluxo provisório, mesmo estando em desencontro com a lógica inclusiva da capoeira, seria menos mal, mas o que estamos observando é uma avalanche de eventos propondo discussões fragmentadas, que enfraquecem a força coletiva de uma comunidade que clama por dias melhores.

Na formação em capoeira cabe ao mestre a responsabilidade de guiar os mais novos no processo educativo, mas muitas vezes, estes preferem ficar à margem dos espaços decisórios, ampliando o espaço para os “grupinhos”, que habilmente sabem usar o discurso para criar uma falsa ideia de que estão ali para defender os interesses do coletivo, contudo, sabemos que na realidade só estão preocupados com seu próprio “umbigo”.

Obviamente todos os temas emergentes na sociedade podem e devem ser abordados como estratégia formativa, mas daí a submeter a comunidade a dita “polêmica do minuto” apenas como forma de aparecer, denota um procedimento egoísta e pouco producente para a arte.

Os eventos, aglutinações, grupos, dentre outros, deveriam sempre estar focados nos interesses da comunidade e sua melhoria, mas as disputas de poder ofuscam o bom senso e levam pessoas esclarecidas ao equívoco de confundir a leitura da “parte” como resposta para os desafios do “todo”.

Vamos refletir sobre o que desejamos e como agimos para atingir os objetivos, pois muitas vezes falamos uma coisa e executamos ações contrarias a intenção daquilo que expressamos.

 

Por: Mestre Jean pangolin

“Nos Jardins de Aruanda” – Capoeira de Besouro

“Nos Jardins de Aruanda” – Capoeira de Besouro

Um festival que traz consigo, uma alusão a tudo que somos hoje devido aos ancestrais. Que com muita honra, forca, coragem, personalidade e responsabilidade moral, nos deu como herança, o que hoje nos faz melhores seres humanos… CAPOEIRA DE CORPO E ALMA.

Convidado Especial: Mestre João Grande.

"Maior é Deus, Grande é João" Capoeira Cidadania Eventos - Agenda Portal Capoeira 1

Capoeira de Besouro

Capoeira de Besouro é um grito que surge em meio ao anti culturalismo adjacente no universo capoeira. Um efeito colateral de todo um sistema hierárquico, que tem como prioridade o medo e submissão do próximo.

Um grupo que surge em um processo de adversidade a ideologias de extrema covardia, praticada e aceita por ditos tutores. “Pseudos Mestres”, de organizações que servem apenas, para justificar toda uma covardia de abusos sem precedentes.

Abusos a incapazes de uma reação a altura de se fazer justiça.

Capoeira de Besouro não tem como o foco a capoeira , e sim pessoas. Aliás capoeira é algo criado por pessoas, e uma arma de extrema eficiência contra a opressão. Uma das, se não a maior forca contra o processo da escravidão no Brasil. A capoeira em todo o seu processo de criação, não teve a finalidade para oprimir, principalmente os aprendizes.

Capoeira de Besouro é um nome que representa sim o que defendemos: lutar contra opressores, sejam eles quem forem!!! Assim como Besouro Maganga. Não é um nome para vender logo marca nem muito menos um direcionamento, a transformar a capoeira em “fast-food globalizado”. Não importa o numero, não interessa a quantidade.

"Nos Jardins de Aruanda" - Capoeira de Besouro Capoeira Portal Capoeira

Capoeira de Besouro não se preocupa em justificar dogmas, fundamentos, estilos, ou qualquer outra razão que coloque a afinidade ao próximo em segundo plano. Então muito alem do que acreditamos e confiamos, por que isso pode mudar a qualquer momento. Somos o que fazemos. Por que é isso que vai ecoar amanha…

Dentro desse processo complexo e árduo nasce: “Nos Jardins de Aruanda”, um festival que traz consigo, uma alusão a tudo que somos hoje devido aos ancestrais. Que com muita honra, forca, coragem, personalidade e responsabilidade moral, nos deu como herança, o que hoje nos faz melhores seres humanos. CAPOEIRA DE CORPO E ALMA.

Com a finalidade de engrandecer nosso firmamento nesse processo de lucidez, nada melhor do que Mestre João Grande, a Maior referencia viva no universo da capoeiragem.

Mestre João Grande traz na bagagem toda uma forca ancestral que faz toda a diferença para aqueles que sim, tem a capoeira como filosofia de vida e não só como uma modalidade de reproduzir movimentos.

Mestre João Grande é nossa pergunta… é nossa resposta… a todos aqueles que fazem da capoeira uma cultura vazia, que tem apenas o egocentrismo como objetivo.

Sejam todos Bem vindos Ao Jardins de Aruanda

 

Thiago Ferreira (Eletrodo)

 

MAIS INFORMAÇÕES:

Our young group Capoeira de Besouro invites you all to our first big workshop in beautiful Hamburg:
NOS JARDINS DE ARUANDA from 28 November to 1 December 2019!

We have the honour to announce the presence of the GREAT MESTRE JOÃO GRANDE!

Don´t miss it!

GUESTS

Grande Mestre JOÃO GRANDE

Mestre Jose Antonio – Barracão da Capoeira
Irineu Nogueira – ABIEIE
Mestre Tyson – Movimento Simples
Mestre Poncianinho – Mojuba
Mestre Primo – Tunan Capoeira
Mestre Marcelo Finco – Angola Ngolo la Muanda
Mestre Pedigree – Malungos
Mestre Milani
Mestre Pepeto – Barracão da Capoeira Athenas
CM Capacete – Escola Matumbé Roma Italia
CM Gugu Quilombola – Quilombola de Luz
Professora Estrelinha – Cordao de Ouro
CM Rodrigo Maia – Angoleiro Sim Sinho
CM Toca Feliciano – FICA

More informations and registrations:

https://www.capoeiradebesouro.de/-/nos-jardins-de-aruanda-2019/registration/

Facebook: https://www.facebook.com/events/2168714833378128/

 

Casa do Axé

Sorbenstraße 22, 20537 Hamburgo
27/11 às 18:00 – 1/12 às 18:00

Mestre e Roda de Capoeira – Patrimônios Culturais

Rio Zoo e Iphan promovem o evento “Mestre e Roda de Capoeira – Patrimônios Culturais”

A Roda de Capoeira e o Ofício dos Mestres de Capoeira ganharam um evento em sua homenagem. A ação, fruto de parceria entre o Zoológico do Rio – Rio Zoo e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan, tem como objetivo, além de dar continuidade às políticas de salvaguarda em prol do Ofício dos Mestres e da Roda de Capoeira, valorizar esses exemplares do nosso Patrimônio Cultural, homenagear os Mestres por conta de sua contribuição para a história e o desenvolvimento da Capoeira e dar posse dos membros do Conselho de Mestres de Capoeira do Estado do Rio de Janeiro.

O Conselho é constituído por 30 Mestres titulares, sendo 15 da região metropolitana e 15 do interior assim distribuídos: 3 da região médio-paraíba, 3 da região dos lagos, 3 da região serrana, 3 da costa verde e 3 da região norte-noroeste, além de 30 Mestres suplentes.

Surgida no século XVII estre os africanos escravizados como instrumento de socialização e defesa, a capoeira é hoje um dos maiores símbolos da identidade brasileira, está presente em todo o país e é praticada nos quatro continentes. A Roda de Capoeira e o Ofício dos Mestres de Capoeira foram reconhecidos pelo Iphan como patrimônio cultural imaterial do Brasil em 2008, e estão inscritos no Livro de Registro das Formas de Expressão e no Livro de Registro dos Saberes, respectivamente.

O evento, que contará com rodas de Capoeira e a presença de Baianas de Acarajé, cujo ofício também é registrado como patrimônio imaterial do Brasil desde 2005, terá entrada franca e será realizado das 10h às 15h, na entrada do Jardim Zoológico do Rio de Janeiro. 

 

Serviço:

Mestre e Roda de Capoeira: Patrimônios Culturais

Data: 30 de março de 2019

Horário: Das 10h às 15h

Local: RioZoo (Parque da Quinta da Boa Vista, S/N)

A Pedagogia do Jogo na Capoeira

A Pedagogia do Jogo na Capoeira

Dentre as diversas potencialidades da capoeira no âmbito educativo, destacaremos algumas de suas possibilidades tomando como foco principal o jogo, evidenciando traços de interlocução com africanidades e a formação humano no espaço escolar.

Aprender fazendo

A capoeira nos ensina que todo aprendizado deve emergir de uma experiência vivenciada, ou seja, a perspectiva eurocêntrica do aprendizado por abstração intelectual, que nos foi apresentada na escola, não atende as necessidades funcionais da arte, pois não consegue dar conta das subjetividades pulsantes de se aprender a tocar tocando, cantar cantando, jogar jogando, e de todo o fluxo interativo de um aprendizado vivo e significativo.
Valorização do mais antigo

Socialmente fomos adestrados a encarar a pessoa mais velha como um fardo social, algo inútil, pois sua capacidade produtiva e de gerar renda estariam em franco declínio, ledo engano, pois a capoeira nos ensina que sem o mais antigo não existirá continuidade de construção do conhecimento, pois perderíamos o acesso a todo acumulo de experiências destes indivíduos. Desta forma, na roda, o mais experiente é sempre o mediador dos processos, cabendo a ele a responsabilidade da garantia da construção do novo, estando este adaptado as necessidade conjunturais de cada tempo, sem contudo, perder de vista a conexão ancestral com os fundamentos estruturantes da arte.

Perder e ganhar

Na capoeira aprendemos que o ganhador não será necessariamente aquele que anula o outro, pois o jogo nos ensina que a verdadeira vitória só surge pelo signo da dupla, ou seja, o vencedor sempre será aquele capaz de deixar o parceiro sem respostas para suas perguntas e ainda ansioso e capaz de continuar tentado responder, pois é preciso vencer em franco fluxo da dinâmica do jogo, ganhando não aquele que finaliza o outro, mas sim aquele que mantem o outro em atividade e com a crença de que poderá vencer.
Com certeza, para muitos, é difícil entender a explicação acima, pois fomos educados a pensar em uma única perspectiva de competição, aquela que para garantir a vitória precisa anular e/ou subjugar o oponente da peleja, pois esta é a lógica do sistema capitalista, privilegiando um em detrimento de todos os outros, matando a noção de comunidade e construção coletiva para o bem comum.

Respeito as diferenças

Vivemos em um mundo que tenta a todo o momento nos enquadrar, criando padrões que facilitem o controle e nos tornem presas fáceis do consumismo, e a escola não tem, historicamente, fugido a esta lógica, pois diversos são os elementos que homogeneízam os indivíduos e tentam anular as diferenças em seu cotidiano.
Na roda de capoeira ser diferente é condição primordial, pois só poderemos constituir uma boa dinâmica, na medida em que pessoas diferentes possam executar funções diferentes, alguns tocando, outros cantando e uma dupla jugando, ou seja, a diversidade é o catalizador de aprendizado pela complementariedade que o outro, diferente de mim, poderá aportar para resolução de problemas que auxiliarão a todos daquele contexto. Desta forma, a roda de capoeira funciona como uma metáfora da roda da vida, explicitando que os diferentes são complementares para o bom andamento da dinâmica social.

O corpo como registro do saber

O nosso corpo foi historicamente negligenciado como repositório de um saber ancestral, pois o mesmo sempre foi tido como uma espécie de simples suporte para sustentar o intelecto, ou seja, um corpo para suor e músculos, como sustentáculo de uma cabeça, única responsável para construção do conhecimento. Neste sentido, crescemos com a ideia equivocada de subutilização da corporeidade como estratégia de construção do saber, negligenciando as potencialidades do movimento na pedagogia para emancipação humana.

Em capoeira aprendemos que o corpo pensa e fala por seus movimentos, interpretando realidades, expressando sentimentos e trazendo encaminhamentos para os diversos conflitos de uma dada comunidade, pois este corpo passa a ser entendido como um repositório de experiências educativas, como uma espécie de biblioteca ambulante, ratificada pela difusão de conhecimento a partir da simples observação de um grande mestre jogando.
Diversos são os exemplos de interlocução do jogo da capoeira com os processos educativos formais, portanto, acima destacamos apenas alguns, contudo, estes só terão a eficácia desejada no chão da escola, na medida em que esta se transforme numa espécie de extensão da própria comunidade, contextualizado conteúdos e atuando de forma fluida e dinâmica em favor dos anseios de cada tempo histórico.

Sonhamos com a capoeirização da escola, pois estamos cansados da inoperância transformadora da escolarização da capoeira.

 

Mais sobre: Mestre Jean Pangolin

 

 

Sobre um bárbaro feminicídio em Cachoeirinha e sobre tantos outros

Sobre um bárbaro feminicídio em Cachoeirinha e sobre tantos outros

(por Aline Kerber*)

O triste feminicídio que ocorreu há uma semana em Cachoeirinha chocou muitos de nós. O Mestre de Capoeira Sombra, então com 42 anos, matou a sua esposa e mãe de sua filha de 2 anos, Luciane Guarezi, a facadas, supostamente por ciúmes, depois de fazê-la refém de cárcere privado por dois dias, conforme confirmaram pessoas próximas da vítima. Não houve mediações e registros policiais, pelo que se tem notícias. Os amigos e familiares não sabiam da gravidade e tampouco poderiam imaginar uma tragédia como esta, muito menos o Estado, fundamentalmente porque o Mestre Sombra foi sempre um homem íntegro, discreto, amigável, dócil, humanista e líder.

Vindo de uma família de poucos recursos financeiros na Granja Esperança em Cachoeirinha, desde novinho ele venceu e subverteu a sua condição com a ginga da capoeira e com a habilidade de reunir e liderar crianças e adolescentes da periferia através de projetos sociais. Esse trabalho transformou e salvou muitas vidas, sobretudo negras, e eu acompanhei bem de perto o início da trajetória dele. Fomos amigos por alguns anos na minha adolescência, pois ele frequentava a mesma academia que eu, no centro da cidade de Cachoeirinha, onde amigos agora choram pela incompreensão, pelo desalento e pela falta de palavras para nominar tamanha tragédia.

Ninguém entende esse crime horrendo. Quem busca respostas faz questionamentos totalmente errados, como este: “o que a esposa dele fez para isso acontecer?”. Outros dizem em posts nas redes sociais: “entre quatro paredes ninguém sabe o que aconteceu, ela pode ter provocado algo que lhe deixou transtornado e fora de si…”. Sabem o que motiva essas expressões? O mesmo que fez com Sombra matasse? Machismo. E desamor.

No machismo não se concebe a autonomia do outro, busca-se controlar as roupas e comportamentos da mulher, mensagens de celular, pensamentos, relações e convívios. Começa de forma sutil e termina, não raro, em morte.

Exatamente o que o Sombra não demonstrava aos seus amigos, familiares, alunos e mestres com os quais se relacionava. O Sombra e boa parte dos feminicidas têm esse perfil. Note-se que “Dica”, como era conhecido nos tempos de academia que frequentávamos nos anos noventa, era um grande educador social, guardava um sorriso e um abraço para cada pessoa, até externar a sua fúria, a sua raiva, o seu ódio e a sua crueldade nesse episódio que o levou à prisão em flagrante por conta do feminicídio praticado no fatídico sábado de 22 de dezembro deste ano que nunca termina.

20180108-mortes-mulheres-feminicidio_abr

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Dica conseguiu algo muito difícil para um jovem negro de uma periferia brasileira como ele: sobreviver, sobreviver sem ser preso, sem se envolver com o crime e não ter sido vítima de um assassinato, quando jovem. É importante considerar que ele foi um case de jovem negro e pobre que conseguiu traçar a sua vida longe do crime, das drogas e das armas, sendo uma inspiração para muitos jovens da Região Metropolitana de Porto Alegre por conta da capoeira. A contrário senso, ele foi protagonista por 20 anos de uma história exemplar de superação e de inclusão social através da arte e do esporte.

Não morreu somente a Luciane, morreu simbolicamente também o Sombra. Agora, um feminicida que demonstrou o tamanho do seu machismo, da banalização da vida, inclusive em relação à da sua filha Mariana. No entanto, creio, não estamos condenados eternamente aos nossos fracassos. Não desejo isso a ninguém e nem a ele. Espero profundamente que o Dica e todos os que estão à sua volta entendam o que aconteceu para o cometimento desse crime letal de gênero que vitimizou a Luciane e, pelo menos, outras 600 mulheres no RS nos últimos 7 anos, para que seja possível prevenir e enfrentar de forma mais séria e eficaz as violências contra as mulheres. Esse tipo de violência que atinge mulheres e outras vítimas diretas e indiretas, incluindo o homem feminicida e os homens que o cercam, sobretudo os mais jovens, filhos, sobrinhos e afilhados – para que não se reproduza esse mesmo padrão como mecanismo de elaboração dessa lástima feminicida.

Só superaremos essa problemática também coletiva se reduzirmos as desigualdades entre homens e mulheres, se respeitarmos as diferenças, os fracassos e até mesmo traições conjugais, reais ou imaginárias, por meio do diálogo aberto e amoroso, sobretudo com as pessoas com quem convivemos.

Os homens precisam abandonar essa “sombra” do machismo e sair da caverna, como nos ensinou Platão. De mestres de capoeira a ex-prefeitos, ninguém está livre da cultura patriarcal que habita em nós. Conhecer-se. Perdoar-se. Perdoar os outros. Persistir e reinventar-se!

Dica, como te conheci, reescreva tua história com músicas de capoeira, pois um Mestre pode lutar contra essa sina de tantos sofrimentos que maculam vidas promissoras, mesmo que a roda de capoeira seja na prisão. Viver na “sociedade do desempenho e do cansaço” e não na do “sangue” como insígnia de poder vai te custar bastante caro. E, ainda assim, não trará a vida da Luciane. Haverá luzes para além da escuridão que as tuas sombras desconhecem…

O que mais dizer aos seus alunos e seguidores? Nada pode justificar essa violência brutal. Isso é certo! Somos todos violentos. Precisamos reconhecer nossos medos, frustrações e tristezas para seguirmos, de forma saudável, com amor e liberdade, a gingar pelas rodas da vida. Precisamos de todos e todas nessa luta política de salvar vidas contra o machismo que assassinou e interrompeu de vez a vida de mais uma mulher na Região Metropolitana de Porto Alegre, assim como o da Lucia Valença, morta pelo ex-prefeito, Toco, de Estância Velha, que logo após se suicidou no litoral norte como para afogar a sua culpa por tamanha violência de gênero.

 

(*) Socióloga, Especialista em Segurança Cidadã, Diretora Executiva do Instituto Fidedigna.

 

Fonte: https://www.sul21.com.br/  – Aline Kerber

MESTRE MOA DO KATENDÊ: UMA VITIMA DO EXTREMISMO

MESTRE MOA DO KATENDÊ: UMA VITIMA DO EXTREMISMO

Texto: Jeferson do Nascimento Machado

Este texto, escrito em um momento de consternação, como não poderia deixar de ser, está carregado de emoções (o presente artigo foi elaborado para um compêndio intitulado Brasil Nunca Mais, organizado pela Frente Popular – São João do Triunfo). Tenho ciência disso. No entanto, o emergir da violência no país, que se desdobrou – entre outros tantos crimes políticos – no assassinato de mestre Moa do Katendê (Romualdo Rosário da Costa), aponta para uma necessidade de tomarmos posições frente ao que vem acontecendo, buscando equacionar os acontecimentos, numa perspectiva progressista, e apontar caminhos melhores que estes que os reacionários nos oferecem.

Assim sendo, busquei realizar uma reflexão a partir do crime brutal que vitimou Moa, de modo que possamos compreender a dimensão histórica e social do ocorrido. Para isso, me amparei em uma bibliografia criteriosamente selecionada acerca da capoeira, bem como em fontes variadas, como portais de notícia, fontes orais, jornais e revista (que estarão referenciadas junto com as bibliografias deste compêndio).

O assassinato de Moa repercutiu e continua a repercutir, sendo divulgado nos mais variados portais de notícias, nacionais e internacionais. Sua morte levou muitos capoeiristas, grupos culturais e políticos, bem como grande parte da sociedade civil organizada a realizarem uma série de eventos, atos e protestos contra o crime. Também aconteceram homenagens de vários artistas, como Caetano Veloso e Chico Cezar, que gravaram, cada qual, uma música em homenagem ao Mestre Moa. Roger Waters, ex-integrante da banda inglesa Pink Floyd, fez emocionante discurso sobre ele em show na Bahia. Além do mais, a sua morte levou algumas alas da periferia a se organizarem frente ao que se instala no país. Exemplo disso, está sendo a criação dos Comitês Mestre Moa do Katendê, por todas as periferia do país, iniciado pelo rapper G.O.G (Genival Oliveira Gonçalves). Toda esta rede de ações pragmáticas e discursiva, criadas em volta de Moa, parece apontar que a sua morte, longe de ser algo isolado e distante, está totalmente enraizada ao social, catalisando sentimentos e produzindo ações. A dimensão social do ocorrido ultrapassa o próprio evento – junta-se a outros tantos crimes, de hoje e de ontem, cometidos contra o negro, contra os trabalhadores e todas as minorias em poder – e produz redes de consciências que podem despertar as classes menos favorecidas.

Dito isso, vamos adentrar na biografia deste mestre. Romualdo Rosário da Costa, o Mestre Moa, foi um dos grandes mestres de capoeira e divulgador da nossa cultura popular. Ele nasceu em Salvador (BA) no dia 29 de outubro de 1954 e conheceu suas raízes aos oito anos, aprendendo os primeiros movimentos de capoeira. Com seus 16 anos Moa começou a trabalhar em grupos folclóricos como o “Viva Bahia” e o “Katendê”. Foi uma pessoa essencial para a difusão da cultura afro-brasileira pelo sul do país, sendo responsável pela introdução da dança afro no Rio Grande do Sul.

Em 1985 Mestre Bobó formou Mestre Moa do Katendê, que deste então passou a ensinar a capoeira no Espaço Clube de Regatas Vasco da Gama. Mas ainda antes dele ter sido formado mestre, ele já tinha construído uma grande carreira no campo cultural. Assim foi que no ano de 1977 ele veio a ser campeão do Festival de Canção Ilê Aiyê, primeiro bloco afro do Brasil. E em 1978 a fundar o Afoxé Badauê, que veio a ser campeão do desfile de 1979, na categoria de afoxé. Em sua vida ele foi compositor, dançarino, ogã-percussionista, artesão, educador e capoeirista.
Sobre a capoeira, Moa costumava dizer que ela abriu sua mente “para o entendimento de liberdade, de irmandade, de companheirismo, de respeito ao próximo, de respeito ao mundo, respeito à natureza, principalmente”. Em suma, a capoeira fez ele ter um olhar à esquerda sobre social e sobre a própria natureza. E foi este olhar que fez dele um constante guerreiro na luta contra a opressão, inclusive aquela da Ditadura Militar (1964-1985). Os militares daquela época chegaram a lançar bombas em um de seus ensaios, no Bonfim.

Este atentado contra Moa e seus outros colegas de ensaio, revela a parte de uma perseguição antiga, histórica, da burguesia brasileira sobre o negro, sobre o capoeira, sobre o trabalhador. Porém, mesmo com a perseguição, Moa nunca parou de lutar, prosseguiu engajado nas lutas sociais até o dia 7 de outubro, quando foi violentamente assassinato.

A perseguição a capoeira esteve assentada, ao longo de sua história, na luta de classe. E essa perseguição foi constante, os poderosos não descansaram um só dia no intuito de eliminar a capoeira. E quando notavam que era impossível, tentavam domesticá-la (ainda tentam até hoje). No entanto, ela sobreviveu a escravidão, a Ditadura e continua atuante nas periferias, nos becos, nas vielas e cortiços.

A origem da capoeira é carregada de polêmica, dividindo capoeiristas e intelectuais, que cada qual, a seu modo, busca dar uma versão sobre seu surgimento. Todavia, no âmbito historiográfico, foi Eugênio Soares que deu a melhor versão para o estado embrionário da capoeira. Para ele a capoeira foi uma prática urbana, exercida por escravos (sobretudo os de escravos de ganho) que, no todo, constituíam-se de homens, jovens e da África Centro-Ocidental. Muitos outros intelectuais concordam com Soares de que a capoeira tenha sido criada no Brasil, pelos africanos. Dessa forma, a capoeira é uma prática afro-brasileira, ou seja, ela foi criada no Brasil por africanos escravizados e se desenvolve sob influência de todo o caldo cultural do século XIX e XX.

João da Matta, que é psicanalista e usa da capoeira como ferramenta terapêutica, entende que a capoeira surgiu como resposta contra o colonizador europeu, servindo como instrumento de luta contra a escravidão e a repressão policial. E foi assim que ela veio se construindo ao longo da história, formando laços de companheirismo entre a classe oprimida.

No entanto, mesmo sendo fato que a capoeira foi criada por trabalhadores escravizados, a burguesia sempre buscou chamar ela de uma prática de vadios, desocupados. Se olharmos para os jornais antigos da Bahia, por exemplo, nos depararemos com os ritos de carregar peso – que eram realizados pelos trabalhadores de rua – conviviam com a capoeira, sendo que o cancioneiro da capoeira bebeu nos cantos do trabalhador de rua e estes se utilizava da capoeira em momentos conflituosos ou lúdicos. No geral as fontes revelam que os capoeiras, mesmo depois da escravidão, continuavam a exercer as profissões antigas mostrando certa continuidade de posição, desta forma eles continuaram a viver de ocupações esporádicas e intermitentes: estivadores, carroceiros, peixeiros, engraxates, pedreiros, chapeleiros, etc.

E foi o fato da capoeira ser uma prática cultura da classe trabalhadora que fomentou, desde muito cedo, o engajamento desta prática com as alas mais progressista da sociedade. Afinal, trabalhadores e grupos de trabalhadores, são impelidos pela dinâmica da própria luta de classe, que se assenta no modo de produção capitalista, para organizações que expressem seus anseios e ofereçam chaves interpretativas da realidade, para que assim suas ações se aperfeiçoem.

Assim sendo, aqui damos atenção para os partidos e organizações políticas, na percepção de que elas expressam as classes e frações de classes e que, portanto, também atraem os trabalhadores, bem como os organiza e é organizada por eles. Este engajamento da capoeira a partidos, pode ser encontrado ainda no século XIX, embora naquele momento a consciência dos capoeiristas, assim como da própria elite, estivesse totalmente fora do lugar. Esta deturpação da realidade, nascia pela tentativa da elite em reproduzir o mundo europeu dentro da realidade brasileira, que era totalmente diversa daquela. Esta deturpação da elite afetava a própria ação dos trabalhadores, que naquele momento ainda se encontravam na condição de escravos. Esta deturpação produzia partidos fora do lugar, como o Partido Conservador e Partido Liberal, nos quais muitos capoeiristas se reuniam em maltas, onde lutavam. Os Nagôas, que eram africanos ou descendente vindos da Bahia, ocupavam a Pequena Africa, apelido dado aos arredores da Praça XI, um dos limite do Rio de Janeiro. Eles declaravam apoio a monarquia, que era representado pelo Partido Conservador e identificado com o movimento abolicionista. Os Gaiamuns já eram uma malta que se identificava com os mestiços. Eles ocupavam o centro da cidade e estavam aliados ao Partido Liberal, que tinha identidade com ideais republicanos.

Passado o século XIX, os capoeiristas passaram a se organizar junto alas de maior clareza, e de caráter realmente progressista. E isso já pode ser visto em Mestre Pastinha, que durante toda sua vida, foi próximo dos membro e militantes do Partido Comunista, chegando a ter como amigo pessoal, o comunista Jorge Amado, escritor que dedicou bastante à divulgação da capoeira, a partir da literatura, sobretudo da capoeira Angola. Pastinha chegou mesmo a dar aulas no Centro Operário, o que o aproximou ainda mais dessa ala progressista. Além disso, também foi próximo dos anarquistas, que se expressa em sua aproximação com Roberto Freire, que mais tarde criaria a Somaterapia, que tratava-se da união da psicanálise desenvolvida por Wilhelm Reich, do anarquismo e da capoeira angola.

Em momentos conturbados, como foi o caso da Ditadura Civil-Militar(1964-1985), a capoeira se fez presente na luta e houve constante perseguição aos capoeiristas que se recusaram a seguir as normas impostas. O Grão Mestre Dunga, praticante da Capoeira de Rua, chegou a ser preso por estar tocando berimbau na Praça Sete, em Belo Horizonte. Ele narra que “a capoeira de rua sofreu repressão e perseguição, considerada como atividade subversiva pelo governo militar” e que ele “foi recrutado pelo exército, na década de 70, quando resistia e alimentava, às escondidas, os universitários presos durante as manifestações estudantis”.

Também Mestre Djalmir, em depoimento a Identidade Cultura TV narra a sua experiência durante a época da repressão em São Gonçalo, dizendo que “[…] era uma época forte da repressão da Ditadura, que não queria aceitar o capoeirista […] então fui obrigado a correr muito. Aquela época se você tive jogando a capoeira num determinado lugar, todo mundo nem perto queria passar […] olhava com medo e se por acaso algum militar chegasse, ai a gente tinha que correr […]. Mestre Djalmir chegou a ser preso duas vezes por causa de capoeirista.

Outros capoeiristas, como o Mestre Arraia, considerado precursor da capoeira em Brasília, foi atuante junto aos movimentos contrários a Ditadura Militar. Entre esses capoeiristas que lutaram contra o regime, ainda poderíamos citar o jovem capoeiristas e estudante de direito, Caio Venancio Martins, que foi integrante do Movimento Estudantil da USP e que foi considerado perigoso em documento do DOPS por praticar capoeira, sendo preso e sumido pelos militares. Devemos lembrar que o próprio Carlos Marighela foi capoeiristas, chegando a utilizar da capoeira para resistir a uma prisão.

Além disso, vale notar que o ativismo não se limitou aos sujeitos isolados, mas também se manifestou em grupos e associações de capoeira, como foi o caso da Associação Cultural Corrente Libertadora, que estabeleceu fortes diálogos como movimento sociais, tornando-se ferramenta de intervenção política no período da Ditadura Militar, tendo dado a sua contribuição para a criação do PT (Partidos dos Trabalhadores). Assim sendo, a capoeira criou uma relação histórica com esse partido progressista, tendo fortalecido a relação quando a capoeira foi reconhecida pelo IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, em 20 de novembro de 2008, como Patrimônio Nacional e como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, em 26 de novembro de 2014.

Outro grupo importante nessa resistência, foi o grupo de mestre Anande das Areias. Este mestre foi para São Paulo após treinar em Itabuna, como o jovem Luís Medicina, a pedido de Mestre Suassuna, que era líder do grupo. Ali se estabeleceu e passou a dar aulas. Suas aulas começaram a chamar atenção, sobretudo dos estudantes universitários. Areias veio a ser preso por essa relação com os universitários da época, que estavam engajado na luta contra a ditadura. Na prisão foi que ele teve contato com os intelectuais de esquerda, os quais transmitiram seus conhecimento. Quando Areias saiu da prisão, ele rompeu com seu antigo mestre e fundou o grupo Capitães d’Areia, que se propunha trabalhar a capoeira enquanto instrumento de libertação para os grupos oprimidos.

Desta forma, podemos dizer que a capoeira, construída na arena da luta de classe, acumulou experiências que foram sendo transmitidas pela tradição oral e pela estética das rodas de capoeira, sendo assim interiorizada pelos capoeiristas, funcionando como esquemas mentais de classificação e ação diante a sociedade com que se defrontam. E foi isso que levou a muitos capoeiristas a terem uma posição clara quanto o Golpe de 2016, vindo a participarem de vários atos contra o Michel Temer e a retirada da então presidenta Dilma Rousseff, que podem ser encontradas nos mais variados portais de notícias.

Em continuidade e coerência com o caráter emancipatório da capoeira, também Mestre Moa do Katendê se posicionou à esquerda, neste momento conturbado da história. Este posicionamento acarretou em sua morte, porém ele morreu enquanto individuo, mas sobrevive enquanto classe emancipadora.

Este crime soma-se a outros, como o feminicídio da vereadora Marielle Franco, que até o momento ainda não foi resolvido; ao atentado a caravana do ex-presidente Lula, aos ataques ao acampamento situados nas proximidades da Policia Federal, local onde se encontra o ex-presidente; além de tantos outros caso de violências. Dessa forma, notamos que o assassinato de Moa se insere num quadro de violência, que vem sendo orquestrado pela ala reacionária da sociedade, que aproveita-se de um momento de crise para encarnar sua ideologia no social, produzindo verdadeira milícias.

Assim sendo, estes acontecimentos expressam parte da luta de classes atual. A esquerda tem escolhido o caminho do pacifismo, da não agressão. Enquanto isso, a extrema direita escolheu o caminho radical. E cada dia ela aumenta o grau de violência, sistematiza e amplia seu poderio sobre as massas.

Visto isso, antes de encerrarmos este texto, voltemos a Itália do dia 16 de maio de 1924, momento em que o deputado Gramsci faz um discurso histórico contra Mussolini. Nessa época Mussolini já estava ocupando o cargo do Conselho de Ministros e resolveu encaminhar ao parlamento italiano o projeto de lei para “disciplinar a atividade das associações e institutos”, ou seja “acabar com os ativismos”. Gramsci, que era deputado, se opôs totalmente ao projeto, desmascarando a lei, demonstrando que era antidemocrática e que o fascismo buscava a implantar uma ditadura naquele país. Mussolini ficou profundamente irritado e rebateu, definindo o fascismo como “revolução”.

Porém, “Gramsci retrucou dizendo que o fascismo não era uma revolução, mas uma ‘simples substituição de um pessoal administrativo por outro. Só é revolução – acentuou – aquela que se baseia em uma nova classe; o fascismo não se baseia em nenhuma classe que já não esteja no poder’. Mussolini voltou à carga, procurando descaracterizar o conteúdo de classe do fascismo e protestando: ‘Grande parte dos capitalistas está contra nós!’. O deputado oposicionista não se perturbou, e observou que o fascismo só entrava em choque agudo com os outros partidos e organizações da burguesia […] porque queria estabelecer o monopólio da representação da classe. A atitude do fascismo com relação aos demais partidos burgueses era simples: “’primeiro lhes quebra as pernas e, depois, faz o acordo com eles em condições de evidente superioridade’. Mussolini não gostou da referência à violência dos fascistas, retrucando que esta violência equivalia a dos comunistas. Gramsci lhe respondeu: ‘A vossa violência é sistemática e é sistematicamente arbitrária, porque vós representais uma minoria destinada a desaparecer’”.

E assim como na Itália daquela época, estamos hoje no Brasil. Algo semelhante ao fascismo surgiu nas nossas terras tropicais e, da mesma forma que lá, cada dia que passa, torna-se mais violenta, sistematiza-se e se instala no âmbito social. O Brasil se encontra em uma grande encruzilhada, que não sabemos para onde vai. Por isso, esperamos que este conjunto de crimes políticos, sirvam de alerta para um perigo que se avizinha, no qual qualquer um de nós pode vir a ser vítima.

Mestre Moa, presente!

 

Texto: Jeferson do Nascimento Machado

email: [email protected]


REFERÊNCIA

AGÊNCIA BRASIL. Em salvador, crianças recebem cartilha sobre momento político atual. Disponível em: <http://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2016-05/em-salvador-criancas-recebem-cartilha-sobre-momento-politico-atual>. Acesso em: 09 ago. 2017.
ANDRADE, Jefferson de; SILVEIRA, Joel. Um jornal assassinado: a última batalha do Correio da Manhã. Rio de Janeiro: José Olympio, 1991. p. 42-44.
Arquidiocese de São Paulo. Brasil Nunca Mais: um relato para a História. 26 ed. São Paulo: Petrópolis, 1991.
BAHIA.BA. Com batucada e capoeira, ato pró-dilma ocorre no rio vermelho. Disponível em: <http://bahia.ba/salvador/com-batucada-e-capoeira-ato-pro-dilma-ocorre-no-rio-vermelho/>. Acesso em: 09 ago. 2017.
BOLIVAR, Simón – “Escritos Políticos”– Vol. 175 do livro de Bolsillo – Alianza Editorial, 1969.
BRASIL. IPHAN. RODA DE CAPOEIRA E OFÍCIO DOS MESTRES DE CAPOEIRA. Dossiê Iphan;12. Brasília/DF: 2014. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/DossieCapoeiraWeb.pdf>. Acessado EM: 21 mar. 2017.
BRASIL. IPHAN. RODA DE CAPOEIRA E OFÍCIO DOS MESTRES DE CAPOEIRA. Dossiê Iphan;12. Brasília/DF: 2014. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/DossieCapoeiraWeb.pdf>. Acessado EM: 21 mar. 2017.
BRETON, Philippe & PROULX, Serge. Sociologia da Comunicação. São Paulo: Loyola, 2002.
CALDAS, A. Valentia e linhagem: valores sociais em negociação e mudança entre os capoeiristas. Dissertação (mestrado em ciências sociais), Londrina: UEL, 2012
CAMPOS, H. Capoeira Regional: a escola de Mestre Bimba. 2009. Tese (Doutorado em História) EDUFBA, Salvador, 2009.
CARONE, Edgard. O Movimento Operário no Brasil (1964-1984). São Paulo: Difel, 1984.
CNV. Disponível em: http://cnv.memoriasreveladas.gov.br. Acesso em 17 de Outubro de 2018.
CONGO DE OURO. Conheça o Mestre Moa do Katendê. Diponível em:< http://www.congodeouro.com.br/conheca-o-mestre-moa-do-katende/>. Acesso em: 13 de out. 2018
CPDOC/FGV. Disponível em: https://cpdoc.fgv.br Acesso em 17 de Outubro de 2018.
Cultura Viva. Vida de Moa do Katendê. Disponível em: <https://www.youtub.com/watch?v=IKyQ0sGrhv8>. Acesso em 21 out. 2018.

Cultura Viva. Vida de Moa do Katendê. Disponível em: <https://www.youtub.com/watch?v=IKyQ0sGrhv8>. Acesso em 21 out. 2018.

El PAÌS. Ciência Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2017/11/28/ciencia/1511838032_059250.html?fbclid=IwAR0fyQh6SRwqCF_VhKs6tQncUoKKLU8TRr5G472xtc5enRUd6ojWp1yWwmE>. Acesso em 24. Out. 2018.
ELÍAS, A. (Org.) Los gobiernos progresistas en debate: Argentina, Brasil, Chile, Venezuela y Uruguay. Buenos Aires: Clacso, 2006.
G1. Chico César faz homenagem a Moa do Katendê, capoeirista morto após dizer que era contra Bolsonaro. Disponível em: < https://g1.globo.com/pb/paraiba/musica/noticia/2018/10/10/chico-cesar-faz-homenagem-a-moa-do-katende-capoeirista-morto-apos-dizer-que-era-contra-bolsonaro.ghtml>. Acesso em: 21 out. 2018.
G1. Quase 2000 mil podem ficar sem bolsa. Disponível em:: <https://g1.globo.com/educacao/noticia/2018/08/02/quase-200-mil-podem-ficar-sem-bolsa-se-orcamento-de-2019-sofrer-corte-diz-conselho-da-capes.ghtml?fbclid=IwAR3IKvnvz8_tpbHTFVQ-kyuMLqEYsSz9McjEgbKho9aSLfaSZCKDPNUhFm4>. Acesso em 24 out. 2018
G1. Caruaru realiza manifestação contra impeachment de Dilma Rousseff. Disponível em: <http://g1.globo.com/pe/caruaru-regiao/noticia/2016/04/caruaru-realiza-manifestacao-contra-impeachment-de-dilma-rousseff.html>. Acesso em: 09 ago. 2017.
G1. No acre, ato pró-governo tem hip hop, capoeira e quadrilha junina. Disponível em: <http://g1.globo.com/ac/acre/noticia/2016/03/no-acre-ato-pro-governo-tem-hip-hop-capoeira-e-quadrilha-junina.html>. Acesso em: 09 ago. 2017.
G1. Protesto pró-Dilma tem atividades culturais no centro de Maceió. Disponível em: <http://g1.globo.com/al/alagoas/noticia/2016/03/protesto-pro-dilma-tem-atividades-culturais-no-centro-de-maceio.html>. Acesso em: 09 ago. 2017.
GALBRAITH, John Kenneth. A era da incerteza. São Paulo: Pioneira, 1998.
GIOVANNINI, Giovanni. Evolução na Comunicação: do sílex ao silício. Rio de Janeiro: Nova fronteira, 1987.
GRAMSCI, Antonio. Caderno 13. (1932-1934) Breves notas sobre a política de Maquiavel In Cadernos do Cárcere. Volume 3 Rio de Janeiro: Civilização Brasileira 2003 p. 11-109.
IDENTIDADE CULTURA TB. A capoeira e a repressão. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=MGUiCN-wJ7A>. Acesso em: 14 out. 2018.
JURUCÊ, Rodrigo. O partido político para Antonio Gramsci: o papel histórico dos intelectuais e dos aparelhos de hegemonia. Curitiba: PCB, sem data.
MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Estudos Históricos, Rio de janeiro, n 34, julhodezembro de 2004.
MUTTI, A. e SEGATTI, P. A burguesia de Estado. Estrutura e funções da empresa pública. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.
NATURE. Brazil’s presidential election could savage its Science. Disponível em: <https://www.nature.com/articles/d41586-018-06917-w?fbclid=IwAR04UU4M6f10S_1sog7pmGfoWeTCaSwNjhqdwmkr53DfrFLeAyMNFP05H1k>. Acesso em 24 out. 2018.
NOBLAT, Ricardo. A arte de fazer um jornal diário. São Paulo: Contexto, 2002.
ORLANDI, Eni P. Terra à vista! Discurso do confronto: velho e novo mundo. São Paulo: Cortez, 1990.
OVER MUNDO. Desafios de um capoeirista. Disponível em: <http://www.overmundo.com.br/overblog/desafios-de-um-capoeirista>. Acesso em: 09 ago. 2017.
PAIVA, IP. Mudanças materiais e simbólicas no campo capoeirístico. Rio Grande do Norte: UFRG, 2007.
PELBERT, Peter Pál. Necropolítica Tropical, Fragmentos de um pesadelo em curso. Ed. n-1 edições, série pandemia. São Paulo, 2018.
PESAVENTO, Sandra Jatahy. História & História Cultural. 2º Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.
PIRES, A L C S. A capoeira na Bahia de Todos os Santos: um estudo sobre cultura e classes trabalhadoras (1890 – 1937). [Palmas]: NEAB, 2004.
PIRES, Antonio Liberac Cardoso Simões. A capoeira no jogo das cores: criminalidade, cultura e racismo na cidade do Rio de Janeiro (1890-1937). 1996. 231f. Dissertação (mestrado) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP. Disponível em: <http://libdigi.unicamp.br/document/?code=000133744>. Acesso em: 21 mar. 2017.
RÁDIO CULTURA. Manifestantes protestam contra o impeachment de Dilma e a favor de lula. Disponível em: <http://www.radioculturafoz.com.br/manifestantes-protetsam-contra-o-impeachment-de-dilma-e-a-favor-de-lula/#.wyu0nlwgpiu>. Acesso em: 09 ago. 2017.
REDE BRASIL ATUAL. Brasileiros no exterior lançam vídeo colaborativo em defesa da democracia. Disponível em: <http://www.redebrasilatual.com.br/mundo/2016/05/brasileiros-no-exterior-lancam-video-em-defesa-da-democracia-7166.html>. Acesso em: 09 ago. 2017.
REIS, Daniel Aarão. Luis Carlos Prestes: Um revolucionário entre dois mundos. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.
Revista Fórum. Caetano canta para Mestre Moa, morto pelos “discursos entoados de tortura, de terror”. Disponível em: < https://www.revistaforum.com.br/caetano-canta-para-mestre-moa-morto-pelos-discursos-entoados-de-tortura-de-terror/>. Acesso em: 21 out. 2018.
SBPCNET. CNPq e FINEP alertam para dificuldade por cortes no orçamento, Disponível em: http://portal.sbpcnet.org.br/noticias/cnpq-e-finep-alertam-para-dificuldades-por-cortes-no-orcamento-de-2019/>. Acesso em 24 out.2018.
SENADO. Corte de orçamento de ciência e tecnologia podem inviabilizar pesquisas. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/CIENCIA-E-TECNOLOGIA/546380-CORTES-NO-ORCAMENTO-DE-CIENCIA-E-TECNOLOGIA-PODEM-INVIABILIZAR-PESQUISAS.html?fbclid=IwAR3L9XqPnV2JQMB7dQKDLkKji19j2_xNaUx60l-Og2bNbvuG2c8S69J1x6s>. Acesso em 24 out. 2018.
SENADO. Cortes de verbas para ciência e tecnologia prejudica o país. Disponível em: <https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2018/06/12/corte-de-verbas-para-ciencia-tecnologia-e-inovacao-prejudica-o-pais-afirmam-debatedores?fbclid=IwAR0s6bg_Cqmi3OYCYw-XtIaP53gwwBaTkDiIfZgtm03oEzMe5TgtMgiKwN4>. Acesso em 24. Out. 2018
SERGIPE, M. O Poder da Capoeira. Curitiba: Imprensa oficial, 2006.
SOARES, C. E. L. A capoeira escrava e outras tradições rebeldes no Rio de Janeiro (1808-1850). 2001. Tese (Doutorado em História). EDUNICAMP, Campinas, 2001.
THEGUARDIAN. Brazilian women kick back against Temer presidency with capoeira. Disponível em: <https://www.theguardian.com/global-development/2016/nov/08/brazilian-women-kick-back-against-michel-temer-presidency-with-capoeira-protest>. Acesso em: 09 ago. 2017.
THOMPSON, John. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. Petrópolis: Vozes, 1998.
UFRGS. China e o pais que produz mais artigos científicos no mundo Brasil. Disponível em: https://www.ufrgs.br/blogdabc/china-e-o-pais-que-produz-mais-artigos-cientificos-no-mundo-brasil-e-o-12o/?fbclid=IwAR2BEPxf2DcubSzg_jhmDh28dWBD2R6rsOQmYJ1143z8TDxTxIn8YlQgW84> Acesso em 24 out. 2018.
UOL. Da capoeira ao samba, atos por democracia reúnem artistas na BA. Disponível em: <https://mais.uol.com.br/view/1575mnadmj5c/da-capoeira-ao-samba-atos-por-democracia-reunem-artistas-na-ba-e-no-rs-0402cc9a3370c0c15326?types=v&>. Acesso em: 09 ago. 2017.
VERMELHO. Conheça os personagens que lutam pela democracia no Anhangabaú. Disponível em: <http://vermelho.org.br/noticia/279459-1>. Acesso em: 09 ago. 2017.
ZERO, Marcelo. Para Entender a Venezuela. 2017. Disponível em: <http://brasildebate.com.br/wp-content/uploads/Para-Entender-a-Venezuela.pdf>. Acesso em: 10 ago. 2017.

O ABC da Capoeira Angola – Os Manuscritos de Mestre Noronha

O ABC da Capoeira Angola – Os Manuscritos de Mestre Noronha

Um documento histórico de grande valor… Uma versão atualizada e completa com 120 páginas !!!
Preparamos uma nova versão, completa e atualizada, a versão que estava largamente disponibilizada em PDF na rede, do Livro: “O ABC DA CAPOEIRA ANGOLA – OS MANUSCRITOS DE MESTRE NORONHA“, continha apenas 18 paginas. Esta versão do livro nos foi enviado há cerca de 10 anos pelo incansável Mestre Decanio (em memória), uma das mais fantásticas figuras da Capoeira que defende a democratização da informação… para o mestre, boa informação é aquela que é transmitida…
O Livro originalmente foi enviado ao Mestre Decanio pelo escritor, historiador e pesquisador Fred Abreu que conseguiu publicar os manuscritos de Noronha, com o apoio do Governo do Distrito Federal, Programa Nacional de Capoeira/Projeto Capoeira Arte e Oficio, DEFER e CIDOCA/DF
Mais uma excelente novidade para toda a comunidade capoeirística!!!

 

o-abc-da-capoeira-angola-manuscritos-de-mestre-noronha
Fica a dica de uma ótima e importante leitura, aproveite!!!

 

Agradecimentos especias:

Fred Abreu, Angelo Augusto Decanio Filho, Bruno “Teimosia” e A Família de Daniel Coutinho o Mestre Noronha, que autorizou esta publicação.
Programa Nacional de Capoeira/Projeto Capoeira Arte e Oficio – DEFER – CIDOCA/DF

“É um documento emocionante por que demonstra a sede que nosso povo tem manter e propagar a tradição provando que têm consciência de um povo sem tradição é uma arvore sem raiz… qualquer abalo destrói… como venho dizendo há anos…”

Desejando muita saúde, felicidade e  axé!
Decanio

 

Icon

O ABC da Capoeira Angola - Manuscritos de Mestre Noronha 0.00 KB 6062 downloads

O Livro originalmente foi enviado ao Mestre Decanio pelo escritor, historiador e...

 

Visite a seção de “DOWNLOADS DA CAPOEIRA” e confira as novidades