Blog

nesse

Vendo Artigos etiquetados em: nesse

“Ô COSME… DAMIÃO MANDOU CHAMAR”

A festa dedicada aos protetores das crianças, São Cosme e São Damião, está entre as mais esperadas na Casa Mestre Ananias – CMA todos os anos. Será oferecido o Caruru em homenagem aos protetores das crianças (os gêmeos São Cosme e São Damião são identificados como os Ibejis na cultura afro-brasileira), além de doces para a criançada e muito samba de roda com o grupo “Garoa do Recôncavo”.

Nesse dia 30 de setembro a partir das 14h manteremos as portas abertas a toda nossa comunidade, amigos, capoeiras e claro, a toda criançada. A entrada é gratuita.

 

Viva São Cosme Damião e… Viva as crianças!

 

http://www.mestreananias.blogspot.pt

O Legado de Mestre Noronha

Muito sobre as memórias dos tempos dos valentões e dos grandes capoeiristas do início do século XX, chegou até nós graças a um costume que o Mestre Noronha (Daniel Coutinho por batismo) tinha, de anotar nomes, datas, locais e “causos” envolvendo os personagens envolvidos com a capoeiragem da Bahia. O “A.B.C. da Capoeira Angola” foi um livro organizado pelo nosso grande pesquisador da capoeira – Frede Abreu, a partir dos manuscritos deixados por Noronha, e se tornou um grande legado para todos aqueles que pretendem saber mais sobre esta arte-luta, e de tudo aquilo que estava ao seu entorno. Capoeira e seus personagens, a política e seus políticos, festas populares, economia, repressão policial, história do Brasil, são alguns assuntos abordados por este grande mestre da capoeira em seus manuscritos, que posteriormente à sua morte, Frede Abreu transformou em livro, como forma de perpetuar essa memória.

Noronha teve o privilegio de vivenciar os momentos áureos da capoeira baiana do início do século XX. E nos deixou relatos belíssimos desses tempos. Desde a perseguição dos capoeiras, devido à política vigente na época, até a sua visão de decadência dessa arte, norteada pela imagem das academias formadoras de capoeiras.

As elites queriam transformar a cidade de Salvador, em uma cidade de características européias. Em outras palavras, limpar ou erradicar, se necessário, das ruas, as tradições de origem negra, favorecendo a manutenção da ordem pública. visando atender as exigências da classe mais abastada. Nesse contexto social, de conflitos e de discriminação em relação às manifestações afro-brasileiras, é que vai se formando o menino Daniel Coutinho, no local que fazia parte do mapa central da criminalidade, da vadiação, da desordem e também do trabalho em Salvador.

Noronha sempre defendia que a “…capoeira viera da África, trazida pelos africanos, porém não era educada…”, tendo adquirido esta característica aqui no Brasil. Vivenciou ainda menino, por volta dos 8 anos de idade, a difícil arte da capoeira com um negro descendente de Angola, o velho Candido Pequeno. Tinha uma imensa admiração por este capoeira.

Em seus manuscritos, narra diversos casos envolvendo enfrentamentos com a polícia e com outros valentões, citando locais e nomes dos mais famosos capoeiras da época, envolvidos nesses conflitos, assim como ele próprio, respeitado e temido no universo dos “desordeiros”.

Noronha observava que antes de freqüentar qualquer roda, era preciso ter a consciência de que “…não era coisa de brincadeira, havia muita mardade neste meio…”. Não dispensava patuás, que servia para evitar os maus espíritos. Amuletos eram fundamentais. Sempre tinha uma oração, pedia graças ao divino Espírito Santo e aos Orixás. Sempre e sempre com o corpo fechado, não admitia chegar em roda despreparado. Falava sempre: “…a defesa para a nafé (navalha) a pessoa traz consigo mesmo. Sem ter arma, o capoeira tem sua defesa particular que admira o público…”.

Dizia que um bom aprendiz de capoeira angola, tem que obedecer às palavras do mestre, tem que aprender o jogo de dentro e o jogo pessoal para a sua defesa, sempre dando ênfase a tudo aquilo que “…desse vantagem para escapulir da polícia, pois ela não gostava do capoeira…”. Para ser mestre, dizia Noronha, “…tem que aprender toda a malícia que existe nesta malandragem…”.

Em seus manuscritos, Noronha descreve as famosas “festas de largo” de Salvador e a participação dos capoeiras nesses eventos. É justamente nesse contexto descrito por Noronha que surge e vai se estruturando o modelo de “roda de capoeira” tal qual conhecemos hoje, enquanto um ritual definido pela presença de instrumentos musicais e de certas “regras” que vão se transformando ao longo dos tempos. Antes disso a capoeira se expressava de outras maneiras, como as “maltas” no Rio de Janeiro. Mas o modelo de organização em forma de “roda de capoeira” que permanece até os dias de hoje e se espalhou pelo mundo todo, foi sendo estruturado nesses espaços e nesse período histórico, o qual Noronha nos relata com tanta riqueza de detalhes em seus manuscritos.

Noronha teve participação também no surgimento do primeiro Centro Esportivo de Capoeira Angola, na Ladeira da Pedra, no bairro da Liberdade, sendo Amorzinho, o próprio Daniel Coutinho, Totonho de Maré e Livino, entre outros, seus “…donos e proprietários…”. Porém, Noronha sempre registrou o grande esforço feito por Mestre Pastinha em manter e elevar o nome do centro, a partir de quando assume a direção do mesmo.

O mestre Noronha era um severo crítico dos capoeiras que não se dedicavam a conhecer melhor sua arte, que se diziam “grandes mestres” de capoeira e donos de academia. Dizia: “…eu mestre Noronha tenho todo o fundamento comigo porque me dediquei e aprendi toda a malandragem…”

 

Visite nossa seção de Downloads e baixe este o outros documentos de grande valor histórico…

E O SAMBA SEM VINTÉM, TÁ TOCANDO ONDE?

Há 11 anos em São Paulo, Capoeiras alunos do Mestre Ananias se uniram a alguns amigos, sem pretensões, para sambar um repertório seleto e pouco ouvido em rodas de samba. Resolveram tocar informalmente no bar de um amigo, o Ó do Borogodó, que na ocasião não tinha proposta musical definida. Os encontros aconteciam toda 3ª feira na calçada em frente ao cemitério e a cada semana mais e mais pessoas fechavam a rua para curtir o samba… foi batizado então o Samba Sem Vintém. No Ó do Borogodó o grupo tocou por 1 ano e meio.

Ainda no ano de 2000, fomos convidados a fazer um samba no Café do extinto KVA, antecedendo o show do forró Arrumadinho. Foram cinco anos importantes na formação do grupo, convivendo com forrozeiros de grande valor como Rouxinol Paraibano e Fuba de Taperoá, além de sambistas como Germano Mathias, sem contar os inúmeros anônimos que fizeram parte dessa roda de samba. Foi nessa época que Mestre Ananias (convidado para cantar com o grupo) iniciou o que hoje é o samba de roda Garoa do Recôncavo.

Até o ano de 2007, corremos roda nos bares da noite paulistana, festas e projetos pela cidade, o que hoje já não acontece nesse âmbito comercial.

Em sambas na Casa Mestre Ananias, feitos por alguns integrantes do Samba Sem Vintém, foi reacendida a chama e a vontade de sambar à antiga moda do grupo. O velho e bom repertório do grupo será lembrado nesse domingo, em verso e prosa, com uma festa que espera contar com a presença de todos aqueles que, ao nos encontrarem, sentem saudade daquele tempo e perguntam: – “E o Sem Vintém, tá tocando onde?”

Pelo apreço ao bom samba, pela reverência, respeito e carinho de tantos que o Sem Vintém volta, à sua moda, e pretende firmar seu encontro a partir deste agosto de 2011.

 

Da formação original : Alexandre Arruda, Candi, Cássio Portuga e Rodrigo Minhoca, junto a outros camaradas. Veja um pequeno vídeo com o grupo.

 

{youtube}ezYdU6hpzbE{/youtube}

 

Onde: Casa Mestre Ananias

Quando: Domingo, 28 de agosto

Horário: 16h às 19h

Após 19h, samba de roda Garoa do Recôncavo

 

Entrada Gratuita (o evento conta com o apoio da Playtech e o arrecadado no bar e no churrasco [rojão] será revertido ao projeto social que acontece na Casa Mestre Ananias). Hoje, o projeto tem 32 crianças e adolescentes envolvidos nas aulas de Capoeira, Artes Integradas, Violão e Teatro (clique aqui).

 

(A arte da ilustração deste post é de Fê Guimarães)

Acre: Projeto Capoeira Comunitária

Há algum tempo que venho presenciando o belíssimo trabalho educacional da Policia Militar com a juventude Xapuriense, desde a instalação do Proerd nas escolas de ensino fundamental, com o intuito de uma educação ante-drogas, até à ações de educação social com grupos de jovens religiosos, o que merece ser creditado ao Capitão Denílson grande empenho nessas ações, que para quem o conhece é sabedor de seu interesse no trabalho preventivo à ação peculiar do policiamento.
O trabalho com maior visibilidade nesse conceito de Policia da Família, é o Projeto Capoeira Comunitária que é coordenado pelo PM Serismar Vasco, e tem como patrocinadores e colaboradores a Fundação Elias Mansour, Prefeitura Municipal de Xapuri e empresas locais como o Comercial Duarte e o grupo de Capoeira Senzala. Destaca-se nesse projeto o grande alcance social para as crianças envolvidas, já que na sua grande maioria são de áreas de eminente risco social o que vem de forma indubitável consagrar a importância da realização do mesmo.
Nas apresentações em que fui convidado a estar presente pude presenciar o carinho com que as crianças são tratadas por todos os orientadores daquele grupo e em especial ao PM Serismar, que realmente vestiu a camisa do projeto e não somente ele como sua esposa sempre presente nas apresentações a Profª Leila Vasconcelos e o filhote Gabriel. É bom perceber do Coordenador que além de sua atribuição na como Representante da PM na coordenação do grupo o mesmo ama o que faz, o que torna uma combinação perfeita para o sucesso do trabalho.
Read More

Consciência Negra e Capoeira uma prática constante

Nesta crônica estão apresentadas algumas considerações sobre o “Dia da Consciência Negra”, chamando-se a atenção para a presença da Mulher – negra ou não – na luta pelas igualdades. Mestra Dandara (Por que não?) recebe justa homenagem!

O dia da Consciência Negra passou. Mais uma data no calendário oficial, que nos sugere um dia especial no meio de semanas e dias de puro trabalho e pouca reflexão. Apesar de cada vez mais termos meios de acessar as informações, o que se pode fazer com elas é ainda muito pouco, uma vez que os esforços e espaços para debates e trocas são limitados.

Eleito o dia 20 de novembro para representar toda nossa História Negra, por ser o dia da morte do líder Zumbi da república quilombola dos Palmares, fundada em 1597 onde hoje é o Estado de Alagoas e Pernambuco, no período auge de nossa vida colonial, essa data tem muito a representar. Gostaríamos de falar brevemente sobre o que essa representação pode oferecer ao debate da Capoeira como uma manifestação dessa parte da nossa História e que só agora, passados séculos de debates não-oficiais, está entrando nos mecanismos de divulgação da História Oficial.

Se uma data como essa permite pensarmos a vida de uma grande liderança como foi Zumbi, gerando a idealização de sua figura como a de um herói que deve ser colocado entre os heróis de nossa pátria-mãe tão pouco gentil com seu povo oprimido, também deveria permitir a conscientização do papel dos que estiveram atuando ao lado dessa figura, especialmente as mulheres, às quais fazemos questão de destacar aqui nesse texto e em outros que temos assinado sobre a presença feminina nos contextos de que participamos.

Lembremos um pouco de Dandara, a qual se sabe tão pouco sobre sua vida, mas que consta como grande guerreira e estrategista dentro de Palmares. Tida como esposa de Zumbi, decide pela própria morte ao invés de entregar-se novamente ao sistema escravista quando da tomada da Serra da Barriga pelo governo monarquista no ano de 1694.

Não vamos aludir aos diversos eventos que correm ao longo da história dessa emblemática figura porque os elementos que levantamos aqui nos fazem pensar bastante sobre pontos importantes dentro da temática aqui proposta: praticar o exercício da conscientização de nosso passado escravista com tanta disciplina quanto a prática da Capoeira.

E nesse sentido estamos cada vez mais dispostas a exigir o espaço necessário para a conscientização do papel da mulher no curso de nossa História. Porque é fundamental reconhecer que tanto nos momentos das eclosões dos acontecimentos como nos do cotidiano diário o nosso papel foi e é o de garantir que o esperado se realize e se concretize de modo que a seqüência da vida e da melhoria daqueles que são parte do nosso círculo social aconteça.

Nós acreditamos que estar ao lado não é um papel medíocre, nem simples, nem subalterno, como querem as correntes feministas dispostas a continuar na segregação proposta pelos mesmos modelos a que se contrapõem. Estar ao lado é suportar (portar junto), é fazer crescer, é procriar. Aqui vale lembrar que tanto a linha reta como a roda são formas de organização que exigem o “lado a lado” pra se concretizarem, e ainda assim expressam maneiras diferentes e opostas de existir no mundo.

Um dia como esse 20 de novembro deve servir para que as mulheres se coloquem diante da condição Matriarcal e Feminina que faz da sensibilidade nossa maior herança. E com isso podemos construir certamente um mundo de homens e mulheres capazes de se voltarem conscientemente e com compaixão para os que sofrem, para os que não são reconhecidos pelo fato de estarem simplesmente vivos ou para aqueles que conhecem apenas a autoridade como forma de agir e de ser no mundo, enfim para todas as formas de vida que hoje em dia estão abaladas com a falta de direcionamento e distanciamento com o sagrado a que estamos submetidos.

Para que a Capoeira também entre nesse processo de valorização e reconhecimento da cultura negra é necessária a presença e atuação feminina e que essa faça seu papel de reconhecer dentro da História dessa luta os elementos que foram destacados, mas também os que foram omitidos nesse processo e contribuir, com força e união, para que as partes diferentes se associem, sem compromisso com mecanismos discriminatórios, especialmente os que nos conduzem a caminhos já sabidos de ruptura.

Não precisamos mais de uma consciência humana que rompa com o humano. Estamos carentes de mecanismos de construção integrativa, esse é o mecanismo da Natureza, deveria ser nosso referencial para tentarmos ter de volta nossa casa-comum, o Planeta Terra, e salvar nossa espécie Sapiens da nossa própria eliminação.

Precisamos sim é exercitar as capacidades físicas e emocionais que a Capoeira permite desenvolver a ponto de treiná-las para as transformações que o mundo está nos permitindo e nos obrigando a realizar. De outra maneira não estaremos fazendo jus aos ensinamentos deixados pelos Mestres que tiveram em suas companheiras a força para o trabalho que desenvolveram.

Casal de Edan .século XIX. Sudoeste da Nigéria. Coleção particular, Bruxelas: A superposição de homens e mulheres simboliza a união dos ancestrais, fundadores da linhagem. Esta associação é necessária para a manutenção do bem-estar de uma sociedade-civilizada, por quem os membros da sociedade secreta Ogboni são responsáveisO intelecto e o sensível estão sendo clamados para uma nova visão da vida, pois a luta a que a humanidade está sendo levada a travar exigirá muito de todos nós. E se nos habituarmos a rever os padrões morais e institucionais a que fomos expostos em toda História, teremos muito a nos beneficiar com o exemplo de mulheres que estiverem em constante combate em busca do respeito e da integração social.

Um dia para refletir a consciência negra no Brasil é um dia para refletir toda a nossa consciência histórica: a consciência que presenciou tantas mortes injustas, que guardou em suas raízes a eliminação do povo original da terra, que se ressente de uma classe dominadora que rejeita a fonte de sua própria riqueza; uma consciência que não acode aos que necessitam e defende os que se aproveitam indevidamente do que é de todos. Enfim, refletir sobre nossa consciência comum que tem muito a rever, rejeitar, redimir e refazer nos sentidos mais profundos de respeito que o ato de retorno pode ter em todos nós.

Stella Mendes (Manchinha), São Paulo, Novembro de 2005

Colaboração : Moleza

Grupo de Capoeira Angola Irmãos Guerreiros (Mestres Marrom & Baixinho)

* Imagens retiradas in: Mostra do redescobrimento: arte afro-brasileira. São Paulo: Associação Brasil 500 Anos Artes Visuais, 2000.

(1) Portadora de cálice. República Democrática do Congo (Musée Royal de l”Afrique Centrale, Tervuren, Bélgica): Guardiã da autoridade sagrada, a mulher que segura a cabaça de adivinhação entre suas mãoes, é o receptáculo dos espíritos e gênios vidye.

(2) Casal de Edan .século XIX. Sudoeste da Nigéria. (Coleção particular, Bruxelas): A superposição de homens e mulheres simboliza a união dos ancestrais, fundadores da linhagem. Esta associação é necessária para a manutenção do bem-estar de uma sociedade-civilizada, por quem os membros da sociedade secreta Ogboni são responsáveis

 

Fonte: Jornal do Capoeira –  www.capoeira.jex.com.br

Bahia: Carnaval 2008 será lançado na próxima segunda-feira

Tendo um dos mais preciosos bens culturais da Bahia, a capoeira, como grande homenageada e uma convidada muito especial, Iemanjá, o Carnaval de Salvador será oficialmente lançado na próxima segunda-feira, dia 3 de dezembro. Será às 17h no Blue Tree Towrs, hotel localizado no Rio Vermelho, palco da festa para a Rainha das Águas que em 2008 cai num sábado de Carnaval. O prefeito João Henrique o o presidente da Emtursa – Empresa de Turismo S/A, Misael Tavares, vão anunciar as muitas novidades para a maior festa de participação popuilar do planeta.

A abertura do Carnaval, por exemplo, acontece no Campo da Pronaica, em Cajazeiras, onde serão entregues as chaves dfa cidade ao Rei Momo, rainha e princesas. A grande novidade para 2008 será a incorporação da festa de Iemanjá com a folia. Nesse sentido, o músico, compositor e cantor Carlinhos Brown está empenhado na concepção artística desse momento que será organizado sem interferir nas homenagens à Rainha do Mar, Odoiá!

O Carnaval 2008 de Salvador marca ainda a mudança no processo de captação de recursos que este ano foi entregue, através de licitação pública, a um pool de agências comandadas pelo publicitário Nizan Guanaes. Nesse sentido, todas as quatro cotas máster de patrocínio já foram negociadas – Schincariol, Vivo, Banco Itaú e Ponto Frio. Outras empresas também participarão com patrocínios menores, contemplando as mais diversas programações da festa, como a folia nos bairros.

Dentro do tema "O coração mundo bate aqui"., a capoeira foi escolhida pelo público em votação pela da internet, como homenageado, o que já foi homologado pelo Conselho do Carnaval, atendendo postulação de artistas e produtores culturais de Salvador, a exemplo de Geraldo Badá, Tonho Matéria, Mestre Boa Gente e Clarindo Silva, dentre outros. Sairá da capoeira o símbolo do Carnaval 2008 que será anunciado mais adiante.

Redação Carnasite

MESTRE BIMBA AGORA EM BELO HORIZONTE

MESTRE BIMBA, A CAPOEIRA ILUMINADA ESTRÉIA EM BELO HORIZONTE NO DIA 28 DE SETEMBRO

Foi uma linda vitória do poder de mobilização da capoeira mineira. Depois de ter sido cancelada em Belo Horizonte a exibição do filme, sempre com a desculpa de que capoeirista não vai a cinema etc., a capoeira de Belo Horizonte se uniu e começou a pressionar o dono do USINA DE CINEMA para que ele exibisse o filme, programando-o por uma semana pelo menos em uma das suas salas. Foram feitas diversas telefonemas para o cinema, pedindo o filme, enviados e-mails e tudo o mais.

Com isso os donos do cinema se sentiram obrigados a exibir o filme, que estréia dia 28 de Setembro e ficará por uma semana inteira em cartaz.

Nesse momento, movimentos semelhantes estão sendo feitos em Recife, Porto Alegre e Goiânia, que poderão significar até mesmo a volta do filme ao cartaz no Rio, em São Paulo e em Brasília.

Um forte abraço do

Luiz Fernando Goulart
MESTRE BIMBA, A CAPOEIRA ILUMINADA

Dicionário de Capoeira: Promoção Especial

Dicionário de Capoeira: Promoção Especial
 

Quem ainda não adquiriu a 2a. edição do Dicionário de Capoeira tem uma oportunidade  imperdível nesse mês de outubro. Nesse mês o Dicionário pode ser adquirido por apenas R$ 20, já inclusa a postagem, para qualquer cidade do Brasil. Para receber o Dicionário pelo correio deposite a quantia na conta do próprio autor, Mano Lima, Banco do Brasil, agência 1231-9, conta corrente 21.987-8.  Em seguida, informe o depósito e o endereço para envio por telefone ou e-mail (abaixo).
 
{jgxtimg src:=[http://www.portalcapoeira.com/images/stories/Diversos/capadiccapoeira.jpg] width:=[100]}
clique na imagem para ampliar…
 
A 2a. edição – revista e ampliada – do Dicionário tem 208 páginas e mais de 1.400 verbetes. A obra foi construída a partir de pesquisa bibliográfica e de entrevistas com mestres de capoeira. Como o Dicionário foi editado de forma independente, o autor conta com a sua colaboração, adquirindo um ou mais exemplares do Dicionário, divulgando-o na imprensa de sua região ou revendendo-o em seu grupo. Veja mais informações sobre a obra, inclusive a capa, nos sites www.portalcapoeira.com e www.manolima.com.


Vencedores da Promoção "Dicionário de Capoeira" – Portal Capoeira
 
Parabéns aos vencedores toda a equipe do Portal Capoeira deseja que este importante livro sirva para ampliar os seus saberes e fomentar a vontade e a sede de conhecimento…
 
Marcela Lucena – marcela_cdo@hotmail.com

Ainda não entrou em contato (se a vencedora não nos contactar até o final do mês, iremos fazer um novo sorteio para entregar o exemplar que ainda não foi reclamado.)
 
Juruguassi Pereira Carvalho – formandojuruna@wanadoo.fr
Venho por esta agradecer ao Portal da Capoeira por ter obtido o prazer de receber o Dicionário da Capoeira, mesmo ainda nao tendo lindo acredito ser mais um instrumento de grande valia para os capoeirista e que venha a somar mais ainda na promoçao de nossa cultura da capoeira, agradeço grandemente ao Portal da Capoeira e ao autor Mano Lima, e espero anciosamente ler o Dicionário da Capoeira.
 
FORMANDO juruna (grupo capoeira brasil)
association CAPOEIR’ART
MARSEILLE-FRANCA
obrigado

Para saber mais sobre a Promoção "Dicionário de Capoeira" – Portal Capoeira, clique aqui.

XI Congresso Nacional de Capoeira

Comunico a todos os associados e visitantes do Portal Capoeira, que estará acontecendo nos dias 12,13 e 14 de Maio o XI Congresso Nacional de Capoeira, promovido pela Associação Candeias, na cidade de Palmas/TO.rnEnfatizo, ainda a presença de grandes Mestres, Contramestres e Professores de Capoeira de todo o Brasil. Como: Mestre Suíno/Goiânia, Mestre Gilvan/Brasília, Contramestre Babuíno de Pernambuco dentre tantos outros nomes muito importantes no mundo da capoeira. rnDestaco também, que nesse evento ocorrerão vários cursos, apresentações e rodas com muito axé.rnSerá uma grande oportunidade de crescimento no âmbito cultural, físico e histórico para todos os que se fizerem presentes!!!

XXXII JORNADA DE CINEMA DA BAHIA

A XXXII JORNADA DE CINEMA DA BAHIA, uma importante mostra internacional de cinema que será realizada entre 8 e 15 de Setembro de 2005, convidou o filme MESTRE BIMBA, A CAPOEIRA ILUMINADA para ser exibido em sessão especial de gala a ser realizada no dia 13 de Setembro às 21:00 no CINEMA DO MUSEU, o principal palco do Festival.

 

MESTRE BIMBA, A CAPOEIRA ILUMINADA

DIA 13 de Setembro de 2005 – 21:00

CINEMA DO MUSEU

Museu Geol—gico do Estado da Bahia

Av. Sete de Setembro, 2195- Corredor da Vit—ria

40.080-002 – Salvador- BA

Tel: 0xx71 3336 6922 / 6689
 

Se você estiver em Salvador/Bahia  nesse dia, não deixe de comparecer na seção.

Leve o seu grupo. Queremos transformar esses eventos numa grande roda para toda a capoeira.

 

 

Um abraço do

Luiz Fernando Goulart