Blog

noite

Vendo Artigos etiquetados em: noite

Bailarinos do Axé são convidados da Quinta da Dança

Crianças e adolescentes que integram o Projeto Axé Capoeira, serão a próxima atração do Quinta da Dança, projeto semanal na programação permanente do Pelourinho Cultural. A apresentação será na quinta-feira, dia 13, às 20h, no Largo Pedro Archanjo, sob a direção de Ivete Ramos da Cia. de Dança Gicá do Projeto Axé.

Intitulado Da Rua para a Lua terá, o espetáculo que será mostrado conta com a participação da Orquestra de Berimbau, formada por membros do Axé Capoeira com a supervisão de Gui Alcântara e sob a regência de Sylvia Britto.

O coreógrafo Eduardo Vieira reservou, ainda, uma mostra performática com alunos do projeto e a participação criativa de bailarinos da Escola de Dança do Axé Capoeira. Também a Cia. de Dança Gicá do Projeto Axé, titular do espetáculo, preparou três coreografias exclusivas para o Projeto Quinta da Dança, realizado em parceria com a Fundação Cultural do Estado da Bahia.

A noite contará com as apresentações das coreografias de Ivete Ramos, Nordeste Derradeiro e Capoeira Bicho. Para o encerramento, será encenada a performance que dá nome ao espetáculo, Da Rua para a Lua, coreografia de Marcelo Moacir, adaptada por Ivete Ramos.

Fonte: http://www.atarde.com.br

Berlim: O NOSSO ENCONTRO 2008

"O NOSSO ENCONTRO" é dedicado à todas as pessoas sensatas como você!

 

Mestre Saulo e o Grupo I.U.N.A gostariam de convidar vocês a participar de:

“O NOSSO ENCONTRO“ de capoeira e dança, que se realizará de 01 à 04 de maio 2008 em Berlim.

 

COMO JÁ CHEGAMOS AO DÉCIMO ENCONTRO EU PENSEI EM FAZER ALGO UM POUCO DIFERENTE. A IDÉIA É PERMITIR

A CADA UM DOS PARTICIPANTES DE MOSTRAR O SEU TALENTO SOBRE O PALCO DA NOSSA FESTA. DESSA FORMA NÃO FICARÁ A IMPRESSAO DE QUE O PALCO PERTENCE SOMENTE AOS MESTRES E PROFESSORES. E NÃO IMPORTA, SE QUEIRA DANCAR, CONTAR ALGO, MOSTRAR UMA PECA DE TEATRO. TUDO É VÁLIDO; CONTANTO QUE SEJA INTERESSANTE, ENGRACADO, CULTURAL ETC… ESSA SERÁ “A NOITE DO TALENTO”. VOCÊ JÁ PODE IR PENSANDO DESDE JÁ.

 

Este ano teremos conosco cerca de dez professores brasileiros.

 

Como convidado especial de 2008, nós temos o prazer de vos apresentar, mestre Lua, que divulga excelentes obras de capoeira em Morro do Chapéu na Bahia e também em Munique na Alemanha. clique aqui para mais, sobre Mestre Lua Santana

 

No Programa: aulas diárias de Capoeira Regional e Capoeira Angola e Dança Afrobrasileira.

 

Quinta feira, 01 de maio

10:00 às 13:00 Inscrição, chá e alô…

14:00 às 15:00 rodas só alunos.

15:00 às 15:30 solta a música dj, abraço

15:30 às 17:00 aulas.

17:00 às 18:00 aulas.

18:00 às 18:30 pausa.

18:30 às 19:30 roda.

20:00 às 24:00 espontaneidade: a noite de 1°de maio aqui…

 

Sexta feira, 02 de maio

08:30 às 10:00 café da manha.

11:00 às 11:30 doação de camisetas.

11:30 às 13:00 aulas.

13:00 às 15:00 aulas.

15:00 às 15:30 pausa.

15:30 às 17:00 rodas.

20:00 às Abend des Talents, janta, chá e diversão.

 

Sábado, 03 de maio

08:00 às 10:00 horas – café da manha.

11:00 às 12:30 aulas.

12:30 às 13:30 aulão.

13:30 às 14:00 pausa, sorteio.

14:00 às 15:00 aulas.

15:00 às 16:00 rodas.

16:00 às 17:30 obrigado.

18:00 às saída musical.

19:00 às 03:00 hangão, festa. Caipirinha.

Obs: janta e festa grátis só para os participantes.

 

Domingo, 04 de maio

09:00 às 11:00 cafézão com mestres e professores.

12:00 às 14:00 aulas.

14.00 às 14:30 aulas.

14:30 às 16:00 rodas, rodao.

Pente fino.

Atividades extras: massagem turca, o nosso chá, as rodas após o ginásio, o passeio musical pela cidade, sorteio, etc. ; aqui…

 

Aos participantes de “O NOSSO ENCONTRO” oferecemos café da manha na sexta, no sábado e no domingo; uma janta no sábado e estadia, alem das surpresas.

 

O preço para a participação é de 80 euros para os quatro dias.

 

Inscrição, café, janta e festa naunynstrasse 63 em Kreuzberg. metrô Kottbusser Tor; mapa…

 

O Ginásio: Sportplatz Lohmühleninsel-Flatow-Halle

Endereço: Schlesische Strasse, esquina com a Schleusenufer, em Kreuzberg. veja o mapa…

Soltando no metrô Schlesisches Tor linha 1. (cerca de 5 minutos a pé)

 

(favor trazer instrumentos e saco cama).

 

a noite de 1°de maio: aqui…

 

Aqui, profissionais da Regional e da Angola se encontram todos os anos e trabalham juntos em harmonia, como amigos de infância.

 

Apoio GloboTur "O Seu Canal Brasileiro De Viagens"

Fale com o Vinicius www.globotur.de

 

A nossa associação é responsável pelo grande encontro internacional de capoeira e dança "O NOSSO ENCONTRO", que deu início em 1999. Se realiza em Berlim uma vez ao ano no mes de maio, ligado ao aniversário do organizador mestre Saulo. Mestres e professores que já participaram nos anos anteriores são: mestre Rui, mestre Samara, mestre Umoi, mestre Alexandre Batata, mestre Ulisses, mestre Sorriso, mestre Laércio, mestre Jorge, contra-mestre Urubú, contra-mestre Requeijão, contra-mestre Wil, contra-mestre Perna Longa, prof. Nagô, prof. Joel, prof. Pé de Vento, treinel Leozinho, mestre Bailarino, mestra Maria Pandeiro, mestre Will, instrutor Cunhadinho, instrutora Esmeralda, Nadia, Ailton, Murah (dança afro), Genilda (samba) e outros.

Pernambuco: Maracatu rural se junta aos caboclinhos em Olinda

Olinda, PE – O encontro de maracatus rurais que marca a segunda-feira de carnaval no Espaço Ilumiara Zumbi, na Cidade Tabajara, em Olinda, Pernambuco, abriu espaço, hoje, para tribos de caboclinhos, o que deu ainda mais vigor e riqueza de cores, sons e coreografias ao evento. "Nosso compromisso é o de agregar toda a cultura popular", explicou o organizador do encontro e detentor do título de "Patrimônio Vivo de Pernambuco", Manuel Salustiano dos Santos, o Mestre Salu, 62 anos, organizador do encontro que se repete há 18 anos.

Com seus cocares de penas de avestruz e de pavão e adereços nos braços e tornozelos, os integrantes dos caboclinhos encantaram com suas evoluções ao som de orquestras compostas de mineiro, gaita, tarol e surdo.

As apresentações arrancaram aplausos entusiasmados do público. O "Índio Canindé Brasileiro", do município de Itaquitinga, mostrou graça e exuberância e também deixou feliz o seu presidente, José Fernandes Martins da Silva, 30 anos. Ele mantém a agremiação fundada pelo pai em 1992. "A gente dá a vida pelo brinquedo", afirmou.

A força do maracatu rural imperou. Somente o "Leão Vencedor", de Carpina, fundado em 1991 pelo mestre João Limoeiro, reuniu mais de 200 integrantes, dos quais 120 caboclos de lança – figura mais famosa do maracatu de baque solto, com suas golas de lantejoulas e cabeleiras de papel celofane que carregam chocalhos sob o surrão que produzem um som característico na medida em que eles se movimentam.

Novos maracatus

Estavam lá tanto maracatus tradicionais, surgidos no início do século 20 – Cambinda de Nazaré, de 1918 foi um deles – como agremiações recém-criadas, a exemplo do Gavião da Mata, de Glória de Goitá, fundado há dois anos. "O maracatu está vivo e também outras brincadeiras e expressões da cultura, tem muita gente jovem infiltrada, levando à frente, garantindo a continuidade", observou Mestre Salu.

A maioria dos maracatus que se apresentou na Cidade Tabajara fez um circuito pela região metropolitana e zona da mata – na cidade de Nazaré da Mata também se realizou encontro semelhante.

No centro do Recife, no Pátio do Terço, maracatus de baque virado – também chamado de maracatu nação, que revive a coroação de reis negros e tem orquestra unicamente de percussão e som mais melodioso e harmônico – iriam repetir, à meia-noite, o ritual da Noite dos Tambores Silenciosos. A cerimônia homenageia escravos e ancestrais.

Até o final da noite, desfilariam pelo local 30 caboclinhos e 104 maracatus rurais, vindos da região metropolitana e zona da mata – área canavieira.

Recife: Daruê Malungo mistura capoeira e maracatu para mudar vida de jovens

Cerca de 120 jovens residentes na comunidade de Campina do Barreto, na Zona Norte do Recife, têm no Carnaval a chance de mostrar o que aprendem durante todo ano na ONG Daruê Malungo: a mistura de capoeira com o maracatu. Eles também são personagens do Vida Real desta quinta (31), que mostra quem faz a folia no Recife.

As duas atividades, maracatu e capoeira, se juntam para ensinar aos jovens importantes lições, como aprender a lidar com a vida. “A capoeira ajuda a ter jogo de cintura, algo fundamental para que vençamos na vida”, contou o coordenador do projeto, mestre Meia-Noite.

Para aprender a dançar capoeira ao som do maracatu, é preciso treinamento e companheirismo: “Aqui um ajuda o outro. Dessa forma, aprendemos mais rápido a unir os ritmos e a fazer amizades”, disse Jaqueline de Luna Almeida, uma das alunas do projeto.

O Daruê Malungo se apresenta nesta sexta-feira (01), na abertura oficial do Carnaval do Recife. Mais uma noite para que a harmonia da capoeira e a energia do maracatu contagiem os foliões, trazendo paz para a folia da cidade.

Fonte: http://pe360graus.com/ – Recife – BR

Portugal: Capoeira Beija-Flor & 1ª Gala GOLDNUTRITION

No passado dia 14 de Outubro a capoeira recebeu um mérito e reconhecimento muito especial, pela primeira vez a marca de suplementos nutricionais GOLDNUTRITION® atribuiu um prémio de Distinção Colectiva, por trabalho desportivo e social a um grupo de capoeira, mais propriamente ao grupo Capoeira Beija-Flor
 
Actualmente as grandes marcas e empresas ainda não olham para a capoeira como um desporto de investimento lucrativo, sendo assim reconhecimentos como este são de valorizar e de servir como um exemplo de que a capoeira é um caminho a seguir!
 
Aqui segue a notícia que relata os acontecimentos desse dia, para mais informações www.capoeirabeijaflor.com .
 
Beija-Flor, brilhou e voou ainda mais alto na 1ª Gala GoldNutrition!!

 No passado dia 14 de Outubro, a GoldNutrition realizou a sua primeira Gala onde o grupo Capoeira Beija-Flor® teve a honra de participar!

Como nós sabemos, o grupo Capoeira Beija-Flor® e a GoldNutrition caminham lado a lado já há algum tempo numa jornada em busca de melhores condições para os nossos desportistas e no incentivo do crescimento do desporto nacional!

Por isso, o nosso Professor António Oliveira não pode deixar de presentear a 1ª Gala GoldNutrition com mais um glorioso momento Beija-Flor®!!!

Pelas 13h, após uma noite de pré-preparos para a apresentação, onde todos os detalhes foram acertados, os nossos beija-flores reuniram-se à porta do Olivais Shopping Center. Adultos, crianças e jovens todos se mostraram animados e ansiosos pela noite que os esperava. Daí, seguiram rumo ao Casino Estoril, onde o grupo Capoeira Beija-Flor® teria a honra de pisar um dos mais conhecidos e conceituados palcos Portugueses! O palco do Salão Preto e Prata onde já passaram artistas de renome nacional e internacional!

Ao chegarmos deu-se início aos ensaios:

O som era ajustado para cada instrumento, as luzes adequadas aos diferentes cenários, as coreografias e alguns movimentos de capoeira a serem realizados na apresentação eram revistos, as vozes e os instrumentos eram afinados e o todo o material era devidamente tratado!

A hora da apresentação aproximava-se e, juntamente, a ansiedade crescia dentro de cada um de nós! Nos camarins, enquanto uns se iam arranjando para a grande noite, outros iam trocando ideias, aqueciam ou jogavam um pouco de capoeira.

As crianças não conseguiam conter a excitação, do momento que as esperava!

Tudo estava pronto, cenário, luzes, som, instrumentos, e os nossos desportistas devidamente vestidos e aquecidos!!

Por trás das cortinas começava-se a ouvir o murmúrio dos convidados que começavam a encher o salão. Foi, então, feita uma pequena introdução à apresentação e ao Professor Brancão.

Abrem-se as cortinas… os atabaques rufam, o surdo acompanha com as suas batidas precisas, começa-se a ouvir a batida vibrante dos paus de maculelê e os nossos guerreiros Beija-flor invadem o palco!

 "Certo dia na cabana um guerreiro, foi atacado por uma tribo para valer, pegou dois paus, deu aú, salto mortal e gritou pula menino que sou eu maculelê!"

Os movimentos eloquentes, o cenário elaborado, o som perfeito, hipnotizava o público que se mostrava mais cativado a cada batida dos paus!

O movimento, a graça e o lado teatral estavam presentes em cada passo dos nossos guerreiros cada minuto parecia ainda mais vibrante. A entrada dos facões em cena deu um brilho especial e mágico à apresentação! As faíscas libertas a cada batida iluminavam e enfeitavam o palco de uma maneira diferente e agreste retratando o lado mais forte do maculelê!

O atabaque, que tinha marcado o início da apresentação de maculelê, encerra-a também arrancando do público repleto de campeões, atletas portugueses e entidades desportivas do mais alto nível, palmas, sorrisos e a expressão de incrível admiração!

Mas o espectáculo estava longe de acabar, poucos minutos depois das cortinas fecharem, voltam a abrir mas desta vez para retratar um cenário ainda mais encantador: envolvendo o público numa junção perfeita entre o canto e o som da viola, o jogo da capoeira expressa-se de forma leve e solene, deixando passar uma imagem de beleza, de amizade e de serenidade.

Num bonito jogo onde a capoeira se exibe na sua forma mais pura e onde se vê a beleza do jogo em duas diferentes gerações, um jogo onde o encaixe dos corpos é perfeito e onde todos que assistem se arrepiam dos pés à cabeça!

Mas ainda tínhamos mais surpresas preparadas!

Poucos minutos depois as cortinas voltam a abrir. Desta vez para dar início à já tradicional roda de capoeira!

Portugal: Capoeira Beija-FlorO Professor Brancão solta a voz e repica o berimbau dando início à roda de benguela, entre um movimento e outro os mais novos dão um encanto especial à roda, os movimentos leves e o jogo rasteiro característico deste toque flui naturalmente! O público presente não consegue conter os sorrisos e a admiração pela proeza dos nossos capoeiras!

O toque sobe e o jogo alto inicia-se. As queixadas e as armadas soltam-se velozmente e com  precisão. Os movimentos de floreio retiram do público expressões de admiração que atingem o auge quando o Professor Brancão entra na roda para dar show, mostrando todo o seu domínio sobre a arte da capoeira!!! O jogo continua cada vez mais rápido e cada vez com mais axé! A bateria está no seu melhor transmitindo toda aquela energia para o público presente!

O show de solo inicia-se com os mortais e fliques a dominarem o cenário, surpreendendo todos os presentes que pareciam não acreditar naquilo que os seus olhos viam!!

No final, o Professor Brancão mais uma vez conseguiu passar um pouco da sua filosofia através de uma música à qual o público deu uma atenção especial à letra, podendo levar consigo um pouquinho dos valores do grupo Capoeira Beija-Flor®!!

Foi uma apresentação linda, o público adorou e os nossos Beija-Flores mostraram-se felizes por poderem mais uma vez fazer parte destes grandes momentos que são os momentos Beija-Flor®!!!

Mas a festa ainda continuava! Após estar tudo arrumado e todos de banho tomado e adequadamente vestidos, os beija-flores juntaram-se à gala, onde foram deliciados com um magnífico jantar que primava pelo requinte e pelo bom gosto!

A conversa decorria animadamente, as sessões de fotos já nossas tradicionais não poderiam também faltar!! A alegria era mesmo geral e o orgulho pelo trabalho previamente realizado também!

Durante o jantar deu-se início à entrega dos prémios onde os melhores atletas, as melhores equipas ao longo deste ano, as melhores carreiras foram prestigiados pelos seus feitos…

Após ter sido entregue o prémio de Distinção Individual ao campeão mundial Nelson Évora,  quando já só faltava o último prémio para entregar, vem a grande surpresa da noite: O grupo Capoeira Beija-Flor® recebe o prémio DISTINÇÃO COLECTIVA!!!

Foi impossível esconder a alegria: o sorriso e a felicidade do nosso professor Brancão era o maior prémio que nós, seus alunos, poderíamos ter! O nosso distinto premiado professor Brancão subiu ao palco para receber o prémio mais esperado da noite, seguido pelos alunos, de onde unidos, fizeram sentir cheios de orgulho um caloroso "AXÉ BEIJA-FLOR®!"

Todos estes anos o professor António Oliveira tem vivido em prol dos outros, dedicando-se ao desporto, aos seus alunos e mesmo àqueles que não lhe são próximos, colocando-os à frente de tudo, fazendo deles os seus próprios interesses!!!

Ele começou a construir sozinho a nossa casa, o nosso ninho, a nossa família Beija-Flor®! E, aparecessem as adversidades que aparecessem, nunca desistiu de nós, mostrou-se mais que um professor, mostrou-se um amigo e mostrou-se um pai para TODOS mesmo para aqueles que já têm um!

É um Homem humilde que faz o seu trabalho sem pisar ninguém, um profissional exemplar que está sempre em busca da qualidade e não da quantidade!

UM HOMEM ESPECIAL!!!

Este prémio foi apenas uma pequena parte do que ainda está para vir, apenas uma pequena parte do que o nosso Professor Brancão merece!

A noite continuou a decorrer com um sorriso de felicidade estampado no rosto de cada beija- flor, todos parabenizamos o nosso professor pela conquista, que mais uma vez mostrou a sua humildade dizendo "este prémio é nosso!".

Logo em seguida deu-se início ao espectáculo FOUR que esteve no seu melhor, mostrando a beleza da dança e da ginástica num cenário místico de natureza e eloquência!

Mesmo depois de um dia tão cansativo o nosso professor ainda ficou a conversar connosco até tarde num convívio que se não fosse o dia de trabalho e estudo que nos esperava a todos, teria seguido até não acabar mais!

Com esta noite magnífica, o grupo Capoeira Beija-Flor chegou onde nenhum grupo de capoeira em Portugal chegou. Com este prémio, o trabalho do nosso professor foi finalmente reconhecido pela comunidade desportiva em Portugal e posto ao lado das entidades desportivas federadas de mais alto nível.

Mais uma vez, só podemos agradecer ao nosso Professor por tudo que ele faz por nós, por toda a dedicação e por toda a paciência!

Aos nossos Beija-Flores fica aqui um exemplo a seguir, fica aqui um exemplo de que a capoeira pode ser muito mais que um desporto, pode ser a nossa vida, da qual podemos viver e crescer como profissionais e como seres humanos! Basta sermos dedicados, humildes e batalhadores!!!

À GoldNutrition, os nossos parabéns pela gala que esteve à altura da grande marca que é a GoldNutrition! Agradecemos também pelo reconhecimento prestado ao trabalho desportivo e social do nosso Professor Brancão e esperamos para breve mais um momento como este!

Os nossos parabéns, também, a todos os grandes atletas e amantes do desporto presentes nesta noite que, tal como o Professor Brancão, também dedicam a sua vida ao desporto com grande investimento pessoal e profissional.

Macapá: Semana da Consciência Negra

SHOWS DE ARTISTAS REGIONAIS SÃO ATRAÇÕES NA SEMANA DA CONSCIENCIA NEGRA
 
A Semana da Consciência Negra encerrou seu segundo dia de programação na noite de ontem, 15 de novembro, com shows de artistas locais. As bandas Senzalas e Negro de Nós e o cantor Osmar Júnior se apresentaram para o público presente que também dançou ao som da Associação Raimundo Ladislau, de marabaixo e grupo de dança e percussão Afro Baraká.
 
Durante todo o dia de hoje no Centro de Cultura Negra estão sendo realizadas oficinas de confecção de sandálias e de ladrões de marabaixo que se estendem até sábado. A oficina de capoeira, coordenada por mestre Nonato também encerra dia 18. Os capoeirista e seguidores de cultos afros têm uma programação além das apresentações tradicionais. Seminários e painéis estarão à disposição de interessados em conhecer mais sobre os assuntos.
 
Durante o dia de hoje, 16 de novembro, às 15 horas será realizada a rodada de capoeira com grupos urbanos e à noite haverá shows com a bateria da Universidade de Samba Boêmios do Laguinho, Kizumba, Sambarte e Pagode do Josimar, a partir das 20 horas. Amanhã a cidade será acordada coma alvorada festiva e durante todo o dia segue a programação de oficinas. Os cultos afros terão o dia especial com a realização dos painéis e à noite será toda dedicada à esta religião de matriz africana.
 
As comunidades rurais que participarão do Encontro dos Tambores, que inicia no sábado, começam a chegar amanhã em Macapá para a grande festa que é a culminância da Semana da Consciência Negra. O encerramento será na segunda-feira, 20 de novembro, quando é comemorado Dia da Consciência Negra.
 
MARILÉIA MACIEL
Assessora de Comunicação
Correa Neto – Macapá – http://www.correaneto.com.br

Nota de Falecimento do Mestre Liminha

Caros colegas,

Hoje dia 03 de novembro 2005, a capoeira amanheceu mais triste em Geneve na
Suiça, pois veio Falecer na noite de ontem nosso irmao Antonio Carlos de Lima,
conhecido nos meios da Capoeira como Mestre Liminha.
 
O Grande Mestre Liminha muito conhecido na baixada Santista, Brasil e no mundo, ontem nos deixou!
 
Ontem à noite, eu estive com um colega fazendo uma visita na Academia de Capoeira do Mestre Liminha na cidade de Geneve, mesmo estando se sentindo mau, ele foi a sua academia para nos recepcionar. Apesar de muitas dores, o Mestre Liminha colocou todo o seu sentimento de um verdadeiro Capoeira, nao se deixando abater pela dor, mostrando a felicidade por reencontrar os colega da Capoeira, porem falou da tristeza nao poder vadiar com nos naquele momento. Apesar de tudo foi uma longa conversa e uma velha vadiaçao, com muito amor no coraçao.
 
Logo apos Mestre Liminha se despediu de nos, e tomamos caminhos inversos um
ao outro.
E nesta manha, recebo a noticia que Mestre Liminha tomou um caminho mais
distante, aonde eu nao poderei o acompanha-lo.
 
Descanse em Paz e que o Senhor lhe acompanhe!
 
"Tudo tem seu tempo determinado, e ha tempo para todo o proposito debaixo do céu"
 
Vibraçoes Positivas do seu colega,
 
Mestre Faisca

Oficina gratuita de capoeira angola em SP

Oficina Gratuita de Capoeira Angola no
Espaço Cultural Tendal da Lapa
 
Professor: Rui Takeguma
 
Grupo Anarquista IÊ de Capoeira Angola
desde 1995 em SP
 
sempre as segundas, quartas e sextas
das 15:30 as 17:30
VOLTAMOS A NOITE: terças e sextas
das 19:30 as 21:30
 
Espaço Cultural TENDAL DA LAPA
Rua Guaicurus 1100
entrada pela rua lateral (constança)
estacionamento gratuito
Lapa
 
Contato:
Rui: 11 – 9459-4912
Tendal: 11 – 3862-1837

Literatura de Cordel – Zumbi e o quilombo de Palmares

HISTÓRIA DE ZUMBI E OS QUILOMBOS DOS PALMARES
Desde do princípio do mundo
que existe escravidão
e a África forneceu
de negros grande porção
todos vendidos no mundo
pra aumentar a produção.
Além de escravizarem
os índios tão cruelmente
e o pobre negro também
pacífico e obediente
que trabalhava obrigado
ao chicote e à corrente.
Os negros eram vendidos
como qualquer animal
pra trabalhar nos engenhos
fazenda ou canavial
para manter dos senhores
a riqueza colossal.
Negro não falava alto
e não tinha garantia
tinha somente o dever
de trabalhar noite e dia
sem sossego e sem descanso
na maior selvageria.
E ali não se indagava
se eram seres humanos
reinava o preconceito
dos senhores desumanos
que castigavam os escravos
com castigos mais tiranos.
Não acreditavam que
escravo tinha coração
separavam pais e filhos
a irmã e o irmão
sem a menor piedade
sem dó e sem compaixão.
Mas tudo tem seu limite
e assim pôde chegar
o momento que os negros
não puderam suportar
a dor e o sofrimento
e começaram alarmar.
Começaram dando gritos
de revolta e ironia
e na hora que encontravam
facilidade fugia(m)
internavam-se no mato
durante a noite e o dia.
Mas isso adiantava
muito pouco aos escravos
porque os seus senhores
com os seus jagunços bravos
traziam como se os pobres
fizessem grandes agravos.
Até que chegou o dia
de um a um entender
que uma só criatura
nada podia fazer
e muitas pessoas unidas
lutando têm que vencer.
Começaram fugir em grupos
todos espertos e atentos
fugiram para as florestas
formavam agrupamentos
pra ver se um dia acabavam
com seus grandes sofrimentos.
Destinados a todo custo
enfrentarem uma desgraça
e só por meio desse grupo
é que resistiam à caça
que os senhores faziam
por vingança e por pirraça.
A esses agrupamentos
davam o nome de quilombos
andavam juntos iguais
a revoadas de pombos
e quem enfrentava a eles
saía de lá aos tombos.
E houve muitos quilombos
de Norte a Sul do Brasil
tinha um mais resistente
perigoso e mais sutil
alcançou mais longa vida
e heroismo a mais de mil.
E mais de 50 anos
este quilombo durou
e durante este período
o governador lutou
junto aos fazendeiros
e nada disto adiantou.
Por mais de 30 quilombos
o Palmares era formado
medindo umas 30 léguas
de matas por todo lado
com cerca de 30 mil
pessoas era habitado.
Palmares tinha seus reis
um rei pra cada cidade
mas havia o rei dos reis
Gangazumba na verdade
esse vivia em Macacos
capital da majestade.
Cercado dos seus ministros
que lhe davam bons conselhos
pra falar com Gangazumba
só se falava de joelhos
um homem de pele preta
de sangue e olhos vermelhos.
Em Palmares havia leis
com ordens e disciplina
um exército fortificado
pra não cair em ruína
e quando morria um chefe
outro assumia a rotina.
Veio muitos lutadores
no tempo dos holandeses
e os negros combatiam
fazendeiros portugueses
nas armadilhas dos negros
os brancos eram fregueses.
Durante uns 50 anos
houve muita guerra fria
negros não tinham sossego
enfrentando rebeldia
em busca da liberdade
lutavam de noite e dia.
Veio Domingo[s] Jorge Velho
e também Gomes Carrilho
enviado dos holandeses
seguindo do bosque o trilho
os escravos brigavam unidos
tio, sobrinho, pai e filho.
1655
data de muita esperança
quando os escravos lutavam
sem ter ódio e sem vingança
a fim duma liberdade
que quem luta sempre alcança.
Todos escravos lutavam
sem se arredarem dali
dizendo ao inimigo
se for forte venha aqui
e nesse ano nasceu
o futuro chefe Zumbi.
Num dos 20 mocambos
daquela localidade
do quilombo dos Palmares
terra da Felicidade
nasceu Zumbi a esperança
de toda comunidade.
Comunidades quilombolas
cobertas de matagal
desde a Serra da Barriga
à zona do litoral
até próximo a Garanhuns
sofriam do mesmo mal.
Nesse ano ali chegou
uma grande expedição
mandada contra Palmares
com armas e munição
para vencer os escravos
ou lhes dá voz de prisão.
Mas não puderam vencer
aquela luta renhida
prenderam entre outra presa
uma cria recém-nascida
era o garoto Zumbi
no primeiro ano de vida.
Por incrível que pareça
este garoto foi salvo
por um expedicionário
um soldado alto e alvo
que trouxe o menino e deu
ao padre de Porto Calvo.
E o padre que era humano
de bondoso coração
dispensou ao pretinho
uma amorosa afeição
foi criando e foi-lhe dando
cuidadosa instrução.
Para ser religioso
se dedicou sem porém
aprendeu bem o Latim
e o Portuguës também
e muitas outras matérias
pra ser um homem de bem.
Com 15 anos de idade
o Zumbi abandonou
ao padre de Porto Calvo
para Palmares voltou
e foi legalmente livre
de alegre ele vibrou.
A sua ascensão política
veio na flor da idade
assumiu a direção
de uma comunidade
denominada mocambo
Zumbi foi autoridade.
Zumbi com 15 anos
ainda quase menino
recebeu um grande posto
por capricho do destino
e ficou sendo o maioral
do estado palmarino.
Ele era o chefe máximo
em cima daquela serra
era o grande comandante
feito o ministro da guerra
pra defender sua pele
sua gente e sua terra.
Nesse tempo houve uma série
de derrotas militares
o prestígio de Gangazumba
abalou por todos lares
e Zumbi foi nomeado
comandante dos Palmares.
Naquele mesmo tempo
Zumba foi assassinado
pelas mãos de seus ministros
isto assim foi comprovado
e Zumbi assumiu o posto
que Zumba havia deixado.
Com a morte de Gangazumba
as pazes foram frustradas
com o poder colonial
e Zumbi sempre às caladas
planejava uma guerra
com o povo de mãos armadas.
E Zumbi logo tornou-se
um "revolucionário"
formou uma ditadura
executou os falsários
os aliados de Ganga
que lhe seriam contrários.
Fortificou os principais
mocambos destes lugares
transferiu populações
com seus planos militares
e 10 anos moveu guerra
no quiombo dos Palmares.
Essa guerra era implacável
ao poder colonial
Zumbi era o comandante
com sua força brutal
em busca da liberdade
para seu povo em geral.
Atraiu o inimigo
com sua força sensata
e levou as suas tropas
para a Zona da Mata
e os negros ali faziam
verdadeiro mata-mata.
E faziam nas fazendas
uma rápida invasão
com suas tropas armadas
e levou à perfeição
a tática de Gangazumba
para ser mais valentão.
Ele se valia das
manobras e emboscadas
fazia espionagens
aparições inesperadas
e com isso todas tropas
inimigas eram lesadas.
Zumbi enfrentava a luta
sem desânimo nem fadiga
findou atraindo as tropas
para Serra da Barriga
a capital fortificada
contra as forças inimigas.
E ali enfrentou mais forte
a força colonialista
que era irregular
comandada pelo paulista
Domingos Jorge Velho
que não saía da pista.
Domingos Jorge que veio
junto a seus militares
infligir uma derrota
lutando junto a seus pares
previa ver uma queda
definitiva em Palmares.
Palmares era protegido
por uma forte barreira
uma muralha segura
de pedra, barro, madeira
e nem um tropa inimiga
rompia aquela trincheira.
Jorge Velho descobriu
que a muralha era cercada
por valados e estrepes
não permitindo a entrada
e foi procurar um meio
pra fazer sua cilada.
E assim aconteceu
numa noite de neblina
ele achou a solução
pra sua fúria ferina
levantando outra muralha
pra ver a carnificina.
Levantou a contramuralha
feita em diagonal
que esta lhe protegesse
do fogo do seu rival
na madrugada atacou
com o seu bando infernal.
Ele atacou com as armas
com o ódio e a vingança
nos combatentes palmarinos
ele fez grande matança
matou também as mulheres
animais, velho e criança.
Zumbi tentou escapar
num valado descoberto
e Deus protegeu a ele
dando-lhe o caminho certo
quando morreu encontrou
o caminho do céu aberto.
E Domingos Jorge Velho
o diabo carregou
botou ele nas profundas
nunca mais ele voltou
o branco ruim foi ao inferno
o preto bom se salvou.
O Estado palmarino
desta vez foi destruído
vamos dá viva a Zumbi
o herói preto e querido
que viveu sempre em guerra
pra ver seu povo abolido.
Agora falo no índio
que primeiro habitou a terra
a terra pertence a ele
mas seus direitos se encerra
e para ele viver hoje
é preciso fazer guerra.
Índio não tem egoísmo
nem luxo nem vaidade
ele precisa viver
na sua propriedade
e não viver como escravo
sem calma e sem liberdade.
Quando o índio está sofrendo
nem um branco lhe socorre
nas armas dos brancos ricos
sempre um pobre índio morre
enquanto o sangue do índio
na veia do branco corre.
Zumbi morreu sendo herói
recordista Brasileiro
venceu 40 batalhas
no tempo do cativeiro
e seu nome se registrou
na bola do mundo inteiro.
O índio vive na terra
honesto a sua pureza
não tem maldade consigo
mas vive na incerteza
lutando pelo que é seu
dado pela natureza.
Assim como o negro um dia
recebeu a liberdade
vamos deixar que o índio
viva em paz e à vontade
que ele é um ser humano
sem ter ódio e sem maldade.
Aqui eu termino os versos
de Zumbi o veterano
que enfrentou o exército
do governo pernambucano
e hoje é considerado
o herói alagoano.
Resta saber quem me ajuda
neste livro que escrevi
contando as fortes batalhas
do nosso herói Zumbi
que se fosse vivo hoje
estava com nós aqui.
(Em O cordel; testemunha da história do Brasil. Rio de Janeiro, Fundação Casa de Rui Barbosa, 1987. Literatura popular em verso, antologia – nova série, 2)

Puxada de Rede

PUXADA DE REDE


O teatro folclórico que retrata a puxada de rede, conta a história de um pescador que ao sair para o mar em plena noite para fazer o sustento da família, despede-se de sua mulher que, em mau pressentimento, preocupa-se com a partida do marido e o assusta dizendo dos perigos de sair à noite, mas o pescador sai e deixa-a a chorar, e os filhos assustados.


O pescador sai para o mar e leva consigo uma imagem de Nossa Senhora dos Navegantes, seus companheiros de pesca e a bênção de Deus.


Muito antes do horário previsto para a volta dos pescadores, que seria às cinco horas da manhã, a mulher do pescador, que ficou na praia esperando a hora do arrasto, teve uma visão um tanto quanto estranha. Ela vê o barco voltando com todos à bordo muito tristes e alguns até chorando. Quando os pescadores desembarcam, ela dá pela falta do marido e os pescadores dizem a ela que ele caiu no mar por conta de um descuido e que devido à escuridão da noite, não foi possível encontrá-lo, ficando ele perdido na imensidão das águas.


Ao amanhecer, quando foram fazer o arrasto da rede que ficara no mar, os pescadores notaram que por ter sido aquela uma noite de pouca pesca, a rede estava pesada demais. Ao chegar todo o arrasto à praia, já com dia claro, todos viram no meio dos poucos peixes que vieram, o corpo do pescador desaparecido. A tristeza foi instantânea e o desepero tomou conta de todos alí presentes.


Prossegue-se então os rituais fúnebres do pescador sendo levado à sua morada eterna pelos amigos que estavam com ele no mar, sendo seu corpo carreagado nos ombros, pois a situação financeira não comportaria a compra de uma urna, o cortejo segue pela praia.





O ritual “Puxada de Rede”, executado artisticamente por diversos grupos de capoeira do Brasil, retrata e sintetiza a pesca com rede, do peixe conhecido como xaréu (peixe de carne escurecida abundante nas costas do Nordeste Brasileiro).

Trata-se de um episódio de trabalho árduo, de canseira, mas, como todo trabalho dos negros baianos, é temperado com muita poesia, religiosidade, música e festa. Todos os anos, a puxada de rede se repete com os mesmos cerimoniais, com os mesmos rituais dos tempos de outrora.

Uma tradição que não morre, mesmo porque dela depende a subsistência de centenas de famílias. Força, poder e vitalidade de corpos vão se mostrando com toda pujança no trabalho árduo da pescaria.

No entanto, o mesmo é embalado pelo canto, às vezes alegre, às vezes triste, que evocam entidades protetoras. Ritual também embalado pelas batidas dos atabaques, pelos corpos que, como num bailado, movimentam-se sincronicamente, realizando mais uma tarefa gratificante que mistura sacrifício, festa e prazer.

Mais Informações e Videos:

 

Trecho do filme “Barravento”, de Glauber Rocha (1962).

Os pescadores de uma comunidade da praia de Buraquinho (Itapoan, Salvador, Bahia) realizam a puxada de rede do xaréu.

 

 

Carolina Soares – Puxada De Rede