Blog

oeste

Vendo Artigos etiquetados em: oeste

RJ: Daniele Suzuki redescobre a capoeira

A atriz voltou a praticar a luta há um mês e meio.

Quem vê Daniele Suzuki jogando capoeira e dançando o maculelê, não imagina que a atriz começou a praticar a luta há apenas um mês e meio. Com a desenvoltura de uma capoeirista experiente, Daniele lança as pernas para o alto e foge dos golpes com uma agilidade típica de quem é veterano no esporte. Ela justifica sua habilidade: “Faço balé clássico desde criança. A dança ajuda a elasticidade e a abertura de perna. Também já fiz capoeira, quando era adolescente”, contou Daniele.

Ela redescobriu a capoeira numa academia em frente ao condomínio onde mora no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio. Daniele é aluna da Associação Cultural e Desportiva Tamanduá Capoeira, do professor Gilmar Carneiro, o Mestre Tamanduá, discípulo de Beto Simas, o Mestre Boneco.

Duas vezes por semana Tamanduá leva a turma para jogar numa quadra coberta em Vargem Grande, Zona Oeste do Rio. No lugar, cercado pela mata exuberante,  Daniele deixa de ser a Ellen da novela das 20h da Rede Globo, “Viver a vida”, e vira uma capoeirista comum. Porém, esse momento dura pouco.

Quando a aula chega ao fim, os alunos mirins correm para tietar Daniele que, simpática, suada e feliz, posa com seus pequenos admiradores.

“A capoeira tem uma energia muito boa. Adoro!”, disse Daniele.

“A capoeira é uma luta que deixa a pessoa pronta para executar qualquer movimento”, concluiu Mestre Tamanduá.

 

Fonte: http://ego.globo.com/

Pernambuco: A capoeira como ferramenta de inclusão social

Ajudar jovens e crianças carentes a exercerem a cidadania por meio da prática da capoeira e de atividades afins. Essa é a proposta da Associação Cultural Desportiva Abaúna Capoeira que além do gingado (nas modalidades angola e regional), oferece oficinas de birimbau, dança popular, dança afro, percussão afro-nordestina e música.

Com mais de oito anos de existência no bairro do Totó, na Zona Oeste da capital, a organização já conseguiu expandir as aulas para outras três unidades – duas no Recife (nos bairros da Várzea e Imbiribeira) e uma em Jaboatão dos Guararapes (em Cavaleiro). Apesar do crescimento, vindo de algumas parcerias governamentais, o grupo precisa de mais colaboradores para manter os 170 alunos que nem sempre têm condições de pagar pelos utensílios básicos das atividades desenvolvidas.

Entre os gastos da associação, estão a manutenção de instrumentos musicais e espaços físicos, a compra de abadás (calças utilizadas por praticantes do esporte) e de camisas uniformizadas, além da confecção de figurinos para apresentações de dança e do lanche distribuído nos dias de troca de corda. “Cada traje de luta completo, com camisa e abadá, sai por R$ 50. Imagine como poderemos dar isso para todos os alunos”, diz o monitor Josimar da Silva, do Grupo Abaúna, que trabalha na comunidade de Brasilit, na Várzea, Zona Oeste do Recife.

Read More

Natal: Conexão Felipe Camarão – Capoeira & Cidadania

 

Problemas se proliferam na Zona Oeste de Natal

A zona Oeste de Natal engloba 10 bairros, onde moram cerca de 200 mil pessoas, quase 30% dos habitantes da capital. Nas Quintas, Bom Pastor, Nossa Senhora de Nazaré, Felipe Camarão, Cidade Nova, Guarapes, Planalto, Nordeste, Cidade da Esperança e em Dix-Sept Rosado vive uma população com renda média, de acordo com o último Censo do IBGE, de 2,92 salários mínimos, a menor de Natal e igual à da zona Norte. A TRIBUNA DO NORTE percorreu a região para conhecer de perto a realidade enfrentada por esses moradores e as principais demandas dessa parcela de Natal:

Casa própria é sonho de moradores do Guarapes Fábio José da Silva, de 29 anos, abandonou a casa onde morava de aluguel para ir viver em um casebre de taipa, no bairro Guarapes. “Era R$ 100 por mês e não tinha mais condições de pagar”, lembra. O pai de família é apenas um dos milhares da zona Oeste que têm de colocar os parentes sob um teto longe do ideal, enquanto sonha com a casa própria. Na região estão localizadas algumas áreas ocupadas por centenas de sem-tetos, como o “Leningrado” e a ocupação “8 de outubro”. Foi vizinho a esta última que Fábio José ergueu sua moradia de apenas dois vãos, que divide com dois filhos e a esposa, grávida do terceiro.

Desempregado, ele já se cadastrou em alguns programas habitacionais, mas afirma não ter idéia de quando vai poder ganhar um teto melhor. “Desde criança morei em Natal e nunca tive uma casa minha mesmo”, lamenta o jovem, que atualmente mantém a família com o dinheiro de alguns “bicos” que realiza diariamente. Assim como a residência improvisada de Fábio José, muitas outras podem ser vistas nos bairros da zona Oeste, onde também se multiplicam favelas como a do Detran, em Cidade Nova, e a Wilma Maia, no Felipe Camarão.

De acordo com dados de 2005, um total de 24 das 66 favelas de Natal se encontram nos 10 bairros da região, abrangendo quase 6 mil casebres e uma população de 23 mil pessoas. Porém, a precariedade das moradias não é o único problema. A zona Oeste de Natal é aquela na qual há a maior média de habitantes por moradia, acima de quatro por casa (4,12 segundo o Censo 2000). Neste quesito, o Guarapes surge mais uma vez como destaque negativo, com média de 4,3 moradores por domicílio, abaixo apenas de Santos Reis (zona Leste) e Salinas (zona Norte).

A família de Kíria Ferreira dos Santos, de 55 anos, é um exemplo disso. A casa dela é dividida por nada menos de 10 pessoas, incluindo os oito filhos e um neto. Vivendo há 19 anos no Guarapes e há cinco no conjunto Dinarte Mariz, onde ganhou o imóvel da Prefeitura, a dona-de-casa acompanha seus descendentes crescerem, sem ter como deixar o local.

“Meu filho mais velho tem 35 anos, outro tem 24, alguns já trabalham, mas nenhum ainda tem condições de comprar suas próprias casas”, reconhece Kíria Ferreira. Ela lembra que emprego é algo difícil de se conseguir e geralmente os disponibilizados aos moradores da região costumam oferecer salários baixos e poucas oportunidades de crescimento profissional. “Por isso, a gente segue dividindo todo mundo dentro de casa, do jeito que pode”, resume.

Faltam opções de lazer e educação

O aposentado Pedro Barbosa do Nascimento, de 80 anos, resume sua vida escolar: “Nunca freqüentei colégio. Meu estudo foi o cabo da enxada e a chibanca (instrumento agrícola).” O exemplo do ex-agricultor não é um caso isolado no bairro de Bom Pastor, onde quase 27% da população é analfabeta, índice igual ao do bairro de Felipe Camarão e inferior apenas aos de Salinas e Guarapes em toda Natal. A zona Oeste como um todo, aliás, é a que apresenta maior índice de analfabetismo na capital, com mais de 21% dos moradores sem saber ler ou escrever.

A história de Pedro Barbosa representa um exemplo comum entre milhares de moradores da área. Agricultor da região de Baixa Verde, ele começou a trabalhar na roça em João Câmara desde que “se entende por gente”, até conseguir um emprego em uma usina de cana-de-açúcar, onde se aposentou. Já idoso, veio para a capital e hoje se divide entre uma casa no Guarapes e a outra, da filha, em Cidade Nova. Apesar do tempo livre, nunca teve oportunidade de aprender a escrever, porém reconhece que hoje isso é imprescindível. “Não sei nem meu nome, mas agora é diferente, só não estuda quem não quer”, ressalta. Mesmo com quase metade da idade, a dona-de-casa Maria Socorro de Lima, de 41 anos, também não vê motivos para retornar aos bancos escolares. Apesar de ter freqüentado colégios em sua infância, hoje se limita apenas a assinar o próprio nome. “Não tenho tempo para aprender, tenho de cuidar das crianças, pois meu emprego é menino para criar”, diz a senhora, que se orgulha, ao menos, de ter todos os filhos matriculados em escolas.

Porém, mesmo as crianças que estudam nos colégios da região também sofrem com outra carência antiga em Cidade Nova: a falta de opções de lazer. Uma duna localizada na entrada do bairro é a única alternativa. No espaço, quatro traves foram levantadas e demarcam os dois campos improvisados. Ginásio ou quadra pública, nenhum dos dois existe. Aliás, uma quadra que seria erguida por um candidato a vereador terminou se resumindo à primeira fileira de tijolos e montes de areia e metralha, que agora ocupam o espaço onde os jovens improvisavam uma quadra de vôlei de areia. O pequeno Guilherme Oliveira, de 12 anos, resume a situação: “Só tem mesmo o morro para a gente pular”, diz , no intervalo entre uma pirueta e outra, para as quais, felizmente, não precisa de estrutura nenhuma. Seu colega, Deílson dos Santos, de 17 anos, confirma a falta de opções enfrentada pela juventude local: “Cidade Nova não tem lazer. Nem quadra, nem campo, nem nada.” De acordo com dados da Semsur, referentes a 2007, a zona Oeste é também a que apresenta o menor número de praças, somente 17 das 194 da capital, ou seja menos de 10% do total (na Sul são 68, na Leste 62 e na Norte 47). Na região, três bairros são apontados como não tendo nenhum espaço público desse tipo: Cidade Nova, Dix-sept Rosado e Planalto.

Bom Pastor tem uma das piores rendas

A zona Oeste divide com a zona Norte de Natal um título nada animador: o de regiões com menor renda média por família na capital, exatamente 2,92 salários mínimos. A população de Bom Pastor apresenta valores ainda menores (2,23 salários mínimos de média) e aparece na 32ª posição nesse quesito, entre os 36 bairros de Natal. Subempregos e o comércio informal fazem parte da realidade de boa parte dos moradores da área.

O vendedor de CDs e DVDs Luciano da Silva Macedo, é um exemplo disso. Aos 28 anos, ele nunca teve carteira assinada e sequer aprendeu a ler e escrever. Além do analfabetismo, o jovem enfrenta outra dificuldade na busca por uma vaga de trabalho fixo. “Não tenho nem mesmo meus documentos completos”, revela. Diante disso, só restou mesmo trocar os bicos temporários pelo carrinho de vendas com o qual circula pelo bairro e por toda a cidade, até o final do dia.

“Só termino por volta das 7h da noite. Em uma semana boa consigo fazer uns R$ 100 a R$ 150”, calcula. Seu sonho, contudo, vai bem além e é de conseguir um emprego em uma firma que lhe permita manter a esposa e a mãe, com quem mora. A escola que freqüenta atualmente é a bíblica, onde aprende sobre a religião, mas não tem aulas de leitura e escrita. “Se aparecesse um curso, se a Prefeitura me desse condições para estudar, eu topava”, garante.

Situação ainda pior é a de grande parte dos moradores da Baixada Frei Damião, também no Bom Pastor. Muitos dependem do lixo reciclável, catado no antigo terreno da Chesf, por trás do cemitério do bairro. É o caso de José Alves, que há mais de 10 anos tira o sustento do local e parece já ter perdido as esperanças quanto a dias melhores. “Meu sonho era mesmo ser gerente de banco, mas não acho que o futuro seja esse, porque sai prefeito, entra prefeito, sai governo, entra governo, e nada muda, nunca vi nenhuma melhora pra gente”, reclama.

Tendo deixado o emprego de servente de pedreiro há um ano para catar material reciclável no local, Francisco Assis dos Santos, de 34 anos, diz não ter perdido a esperança de conseguir um novo trabalho com carteira assinada, mas não reclama da nova atividade. “Pelo menos aqui posso chegar mais cedo em casa”, compara. Emprego, porém, não é a única coisa que falta no bairro, segundo o catador. “Bom Pastor precisa de saneamento, moradia, água, luz, quase tudo que a gente da baixada não tem direito.”

Ruas de terra causam transtornos

Diversos projetos de pavimentação e drenagem foram desenvolvidos nos últimos anos nos bairros da zona Oeste de Natal, porém esse investimento não foi suficiente para transformar em exceção o cenário das ruas de barro, onde no verão a poeira invade casas e causa doenças respiratórias, e no inverno se transformam em verdadeiras lagoas, impedindo a passagem dos veículos e até mesmo das pessoas.

Até o final de 2007, o bairro do Planalto era apontado como o segundo de menor percentual de ruas drenadas e pavimentadas em Natal, 12% e 6% respectivamente, acima apenas dos números do bairro de Lagoa Azul, na zona Norte de Natal (5% e 10%). Um serviço recém executado em uma das principais vias do Planalto, a Engenheiro João Hélio, ampliou um pouco esses percentuais, mas os muitos moradores que não foram beneficiados continuam sofrendo com a poeira e os alagamentos.

Na rua Araguaiana, a revolta é grande. “Aqui é os meninos doentes por conta da poeira, mas na época da chuva é que é fica ruim mesmo”, aponta o desempregado Geraldo Luiz de Queiroz, de 55 anos. Ele acredita que só quando algum político tomar “vergonha na cara” vão resolver o problema do local, onde água servida é despejada no meio da rua, formando verdadeiros esgotos a céu aberto, que acabam se transformando também em espaço de despejo de lixo, exalando um fedor constante. A também moradora Francisca Maria Galdino, 55 anos, afirma que nem mesmo os ônibus transitam pela rua, por conta da falta de asfalto, ou pelo menos de paralelepípedos. “Aqui tudo acaba ficando longe”, explica. Já a dona-de-casa Edna Santos, de 32 anos, lembra, que calçamento é apenas uma das várias demandas da população do Planalto.

Investimentos são necessários para combater insegurança

O trabalho do mestre de capoeira Marcos Antônio Gomes, diretor da organização não-governamental Conexão Felipe Camarão, é ainda um oásis em meio à falta de políticas públicas de combate à criminalidade na região Oeste de Natal. No bairro onde funciona a ong, os assassinatos são uma triste rotina com a qual convivem os moradores. “Alguns policiais já me disseram que mal dá para investigar os casos de homicídio, quanto mais os de furtos, roubos, drogas”, lamenta “mestre Marcos”.

O Conexão tem apoio da Petrobras e atende cerca de 400 crianças e jovens de Felipe Camarão, com atividades esportivas, culturais e musicais. São aulas de capoeira, mamulengo, coral, boi de reis, rabeca, luteria (fabricação de instrumentos) e inclusão digital. Porém, nem mesmo esforços como esse impedem o assédio da criminalidade aos adolescentes da região. “É um trabalho difícil. Às vezes a gente oferece uma música, mas e se eles preferirem o baseado? Mas continuamos assim, perdendo um, ganhando dois”, resume.

Hoje, o trabalho desenvolvido pela organização é elogiado e até defendido pela população. “Eles nos apoiam, mas o fato é que o policiamento é mesmo muito pequeno no bairro. Fazemos um trabalho preventivo, mas também é preciso o repressivo”, lembra. A realidade é confirmada por quem já foi vítima da violência. O motorista Roberto Carlos Rodrigues mora em Cidade da Esperança, mas trabalha na linha de Felipe Camarão. “Não sei onde é mais perigoso, se lá onde moro, ou aqui”, afirma.

Ele já sofreu três assaltos e acredita que seriam necessárias mais viaturas nas ruas para poder coibir esses crimes. Porém, o cenário é distante disso, já que até mesmo o posto policial do terminal rodoviário está fechado. “Não se vê um policial. Se matam alguém, leva horas para a polícia chegar”, descreve. O terminal é muito movimentado, reúne comércios e passageiros à espera dos coletivos e, por isso mesmo, também atrai os marginais. Porém, a porta do posto policial se mantém trancada e sem qualquer sinal dos PMs.

Para o agente de Polícia Civil Joab dos Santos Costa, da Delegacia de Felipe Camarão, os desafios da futura Secretaria Municipal de Segurança não são poucos, em relação à região. “É preciso investir principalmente em educação. Muitas crianças estão fora da escola. As áreas de lazer aqui são poucas e também é necessário dar alternativas aos jovens, como opções de emprego e mesmo de qualificação”, observa.

O número de homicídios é elevado, porém os criminosos não começam suas vidas como assassinos. O agente lembra que muitas vezes os jovens chegam à delegacia após ser presos por pequenos furtos, porém aos poucos vão se envolvendo com outros criminosos e mesmo com o mundo das drogas. “E depois que entra para a marginalidade é difícil sair”.

 

Fonte – Tribuna do Norte – Wagner Lopes – Repórter

Cerca de 250 capoeirista participam do II Festerê

Aconteceu: II Festerê, “encontro nacional de capoeira”

Com a participação aproximada de 250 capoeirista, o II Festerê, “encontro nacional de capoeira”, reuniu vários nomes da capoeira Brasileira, em destaque o mestre Kall de Brasília, mestre Sombra de Cuiabá, mestrando Didi e do campeão Brasileiro de capoeira o professor Veto, também da capital.

O evento teve início no sábado, no anfiteatro do Centro Cultural, com palestras ministradas pelo mestrando Didi e professor Veto, seguido de apresentações culturais como maculelê, puxada de rede e samba de roda.

No domingo, a programação teve continuidade no praça dos Pioneiros, com um “aulão” e por fim, um roda de capoeira na feira do produtor, que acabou envolvendo a todos que estavam no local.

Nos bastidores: várias pessoas ficaram impressionadas com a ginga dos capoeirista e ao saber que era o resultado de um trabalho social, ficaram ainda mais admirados com a quantidade.

O evento reuniu três estados brasileiros, como: Goiás, Rondônia, Brasília e outros sete município: Pontes Lacerda, Vila Bela, Santíssima Trindade, Mira Solo do Oeste, Cuverlândia, Cuiabá e Campo Novo.

Segundo Paraná, foi superado as expectativas e agradece a participação de todos.

Agradecimentos: Mercado Monteiro, Marfrig, Silk Malhas, Unimed, Escritório Globo, Microlins, Bate Bola na Pioneira, Massoterapeuta Adack, Rotta Hotel, DD Norte Dedetização e Engenheiro Civil Marcos.

Evento Cultural: VII BATIZADO E 1º ENCONTRO DE CAPOEIRA DO CENTRO OESTE MINEIRO

Evento Cultural: VII BATIZADO E 1º ENCONTRO DE CAPOEIRA DO CENTRO OESTE MINEIRO, que se realizará na Cidade de Itaúna nos dias 12, 13, 14 e 15 de junho, próximo fim de semana, onde terá a presença de Mestres muito importantes da Capoeira Mundial Tais como:

Mestre Toni Vargas, recém chegado da Europa e Especialista em Capoeira para Crianças e Grande Compositor e Cantor das “rodas de capoeira”, vindo do Grupo Senzala Rio de Janeiro que tem muitos CDs e LPs gravados. Teremos um Ônibus-Museu Ambulante de Capoeira Comando pelos Mestres 90, Gaio, Mineiro e o Grão Mestre Cavalieri, o primeiro mestre de Capoeira de Belo Horizonte, de onde veio a maior parte dos Capoeiristas e grupos existentes hoje. Ainda Teremos o Mestre Negoativo, Fundador do Berimbrown dando aula de percussão, Instrutora Folgadinha do CDO-BH dando aula de Capoeira Feminina. Tudo isso supervisionado pelo Professor Cebolinha que dará aula de CAPOEIRA ESPECIAL, com presença de alunos Especiais de Teófilo Otoni e Pelo Mestre Paulão da Ginga. Presença de vários convidados de todo Centro Oeste, como Formiga, Pains, Pará de Minas, Carmo do Cajuru, Cláudio, Divinópolis, Bom Despacho, Luz entre outras cidades.

Apesar da história da capoeira se confundir com a própria história do Brasil, O DESCONHECIMENTO DA CAPOEIRA COMO MANIFESTAÇÃO DA CULTURA BRASILEIRA E INSTRUMENTO DE INTEGRAÇÃO SOCIAL ainda são muito intensos no meio do povo brasileiro.

Para solucionar ou amenizar este problema é que estamos propondo este curso, mobilizando crianças, jovens, adultos, pais, escolas, clubes, universidades, que já impressiona pessoas em diversos países, mas ainda timidamente.

É necessário fortalecermos esta idéia e incluí-la em nossos currículos escolares como já feito em algumas poucas escolas do nosso país.

Gostaríamos de Convidar a equipe do Portal Capoeira para ir até o Evento e se possível fazer uma reportagem com os Mestres Participantes.

Obs: em anexo estão mais algum material para divulgação e uma foto do INST. Cantador entre os Mestres Touro (E) e Toni Vargas (D) Rio de Janeiro.

A disposição para qualquer duvida.

Marcos Vinícius Ferreira Leal ( Cantador)

33-88014913
37-88032084

cantaginga@hotmail.com
cantaginga@yahoo.com.br

Taça de Capoeira do Oeste

 Decorreu no passado dia 19, em Caldas da Rainha, o Projecto-piloto Desportivo de Capoeira “Taça Portuguesa de Capoeira” do Oeste, da Federação Portuguesa de Capoeira. Esta iniciativa tinha também como objectivo o apuramento de jovens desta região para o Campeonato Nacional, que decorrerá no Estádio José Alvalade, no dia 17 de Dezembro.

Nesta competição, na modalidade de conjunto, a classificação foi a seguinte: 3º lugar “Stella Maris” Peniche; 2º lugar “Nova Era” – Lourinhã e em 1.º lugar “Atelier Arte e Expressão” – Caldas da Rainha, que ficou apurado para a final Nacional, a realizar em Lisboa.

Na modalidade de individuais, Caldas da Rainha também conseguiu o maior número de títulos e apuramentos. Na categoria de técnicos, foi Maria Fernandes (Caldas da Rainha e Peniche) que acumulou a maior quantidade de atletas apurados.