Blog

olinda

Vendo Artigos etiquetados em: olinda

Nota de falecimento: Mestre Sapo de Olinda

Morre Mestre Sapo, importante nome da capoeira pernambucana.

Mestre Sapo, fundador da Associação de Capoeira Angola Mãe, no Sítio Histórico de Olinda, faleceu na noite desta quarta-feira (28) aos 60 anos. O laudo do Instituto Médico Legal (IML) apontou morte por causa indeterminada, mas familiares e amigos acreditam que ele tenha sofrido mal súbito. O sepultamento do corpo ocorre nesta sexta-feira (2), às 9h.

Por volta das 19h, o capoeirista foi encontrado já sem vida pelos alunos que haviam chegado para treinar na academia fundada por ele. “Eles contaram que acharam o corpo deitado na escada, como se ele estivesse descendo quando teve um ataque fulminante”, diz Luciana Cavalcanti, ex-esposa do professor.

Em dezembro do ano passado, o mestre fundou o Museu Independente da Capoeira Angola em Pernambuco (Micape), no mesmo lugar onde funciona sua academia.

“Ele era um ícone da capoeira em Pernambuco. Nos últimos 40 anos, toda a sua vida era dedicada a essa arte. Infelizmente, as entidades competentes nunca o valorizaram. Mesmo assim, ele levou o nome de Olinda para fora do País”, comenta Luciana.

Nota de falecimento: Mestre Sapo de Olinda Notícias - Atualidades Portal Capoeira

Aos 60 anos, Mestre Sapo foi responsável por introduzir a capoeira Angola no estado.

Humberto Ferreira de Mendonça deixa três filhos. O velório, que contará com homenagens de diversos capoeiristas, será realizado em sua escola de capoeira, às 14h. Como uma de suas filhas mora na Alemanha e só chegará ao Brasil na noite desta quinta-feira, o sepultamento ficou para a sexta-feira (2), às 9h, no Cemitério de Guadalupe, também em Olinda.

 

Fonte: http://www.diariodepernambuco.com.br

Foto: Facebook/Reprodução

Livro Jogo de Discursos é lançado em Pernambuco e Minas Gerais

O livro Jogo de Discursos: A disputa por hegemonia na tradição da capoeira angola baiana, de autoria do jornalista e capoeirista Paulo Magalhães, terá dois lançamentos nacionais neste mês de maio.

No dia 18, sábado, a partir das 19:00, o lançamento será em Olinda (PE), no 1º Encontro da ACANNE Pernambuco. Realizado nos dias 17, 18 e 19 pela Associação de Capoeira Angola Navio Negreiro, no Espaço Alternativo, o evento contará com oficinas do Mestre Renê Bitencourt (BA) e rodas de capoeira angola. O evento é organizado pelos capoeiristas Eduardo Ramos (Baygon) e Marco Antônio (Baixinho), e constitui um marco na articulação de mais uma linhagem angoleira no estado de Pernambuco.

No sábado seguinte, dia 25, a partir das 14:00, o lançamento ocorrerá na Gruta da Lapinha, em Lagoa Santa (MG), durante X Encontro de Culturas de Raiz – Lapinha Museu Vivo. Em seguida, haverá a mesa redonda: “Cultura de Raiz e Globalização”, com a participação dos mestres Zé do Lenço (BA), Dunga (MG) e Ernestino (PI), representantes da velha guarda do samba, do reinado de N. Srª do Rosário, pesquisadores e representantes do poder público. O evento é organizado pela Associação Cultural Eu Sou Angoleiro, sob a direção do Mestre João Bosco, e a programação completa pode ser encontrada no endereço http://www.eusouangoleiro.org.br/.

O livro Jogo de Discursos: A disputa por hegemonia na tradição da capoeira angola baiana trata da diversidade de concepções sobre a tradição na capoeira angola, a partir de mestres representantes de diferentes linhagens. As estratégias políticas de legitimação da capoeira angola e) as disputas em torno de sua organização ao longo da história são discutidas, utilizando fontes como jornais, observação direta e cerca de 20 entrevistas com mestres angoleiros renomados.

 

Maiores informações:

Paulo Magalhães: (71) 8741-1251 / 9273-7765

Eduardo Ramos (Olinda): (81) 9882-7467

Gercino Alves (Lagoa Santa): (31) 8561-5456

 

Serviço

 

Pernambuco:

O quê: Lançamento de Jogo de discursos: a disputa pela hegemonia na tradição da capoeira angola baiana no 1º Encontro da ACANNE

Quando: 18 de maio, a partir das 19h

Onde: Espaço Alternativo (Av. Guararapes, 847 – Jardim Atlântico – Olinda – PE)

Quanto: entrada gratuita

 

Minas Gerais:

O quê: Lançamento de Jogo de discursos: a disputa pela hegemonia na tradição da capoeira angola baiana no X Encontro de Culturas de Raiz – Lapinha Museu Vivo

Quando: 25 de maio, a partir das 14h

Onde: Museu da Lapinha (Gruta da Lapinha, acesso pelo km 44 da MG-010, direção Serra do Cipó – Lagoa Santa – MG)

Quanto: entrada gratuita

Olinda: Terceira Mostra Municipal de Turismo Sustentável

Olinda discute turismo, cultura e economia durante mostra sustentável

De hoje (26) até o próximo sábado (29), Olinda vai sediar a Terceira Mostra Municipal de Turismo Sustentável, que vai contar com representantes da cadeia produtiva turística local, nacional e internacional. O encontro vai discutir temas como diversidade cultural, economia solidária, criatividade e participação por meio de seminários, palestras, oficinas, feiras e apresentações culturais. 

A abertura oficial acontece no Mercado da Ribeira, com o lançamento do Mapa de Turismo Sustentável e do portal web “Turismo da Gente”, onde os turistas e interessados nesse segmento poderão encontrar informações sobre as diversas manifestações da cultura local, sejam elas nos formato artístico-culturais, empreendimentos comunitários e/ou serviços turísticos. O primeiro dia de atividades será encerrado por diversos artistas da rede, apresentando a dança do frevo, capoeira, maracatu e coco, estilos representativos da cultura local.

No segundo dia do evento, o tema será  “Turismo, patrimônio e desenvolvimento sustentável em 2011”, que será detalhado pelo presidente do Instituto Cooperação Econômica Internacional, Alfredo Somoza; Aneide Santana, do Arquivo Público de Olinda e Marcel Levi, Fundação Getúlio Vargas. Rodas de diálogos também serão abertas debatendo sobre as “Experiências e boas práticas de turismo sustentável”, composta por membros da Rede de Turismos Sustentável de Olinda e Buenos Aires, Associação Italiana de Turismo Responsável, Associação Europeia para o Turismo Responsável e Hospitalidade (EARTH), Central de Turismo Comunitário do Amazonas e Rede de Turismo Criativo (Pontão de Cultura ITEIA).

Exploração sexual e trabalho infantil no turismo farão parte do seminário apresentado pela ONG Childhood e Coletivo Mulher Vida. O turismo como meio de inclusão social também fará parte dos debates, onde representantes do trade turístico e Associação dos Condutores Nativos de Olinda irão expor suas experiências.

Ainda no segundo dia de programação, as oficinas de confecção de livros com materiais reciclados (scrapbook), pintura contemporânea, capoeira e de gastronomia de terreiros serão ministradas pelos próprios protagonistas da cultura local aos alunos da Oficina Água Viva e das escolas da rede pública de ensino. Além disso, feiras de economia solidária e de gastronomia de terreiros estarão abertas a visitação na Praça Laura Nigro.

No terceiro dia (28), serão debatidos a valorização da cultura popular, turismo sustentável e economia solidária. Para comandar o evento neste dia estão Fabiano Santos (Afoxé Alafin Oyó), Fábio Lima (Representante regional NE do MINC), Adrianna Figueiredo (FUNDARPE) e o professor Antenor Vieira de Melo.

Adiantando o debate sobre a celebração de três décadas da declaração de Patrimônio Histórico da Humanidade que será comemorado pela cidade em 2012, a diversidade cultural e identidade popular também serão pautas acrescidas ao tema e discutidas por Márcia Souto (SEPAC), Maria Nazaré Reis (FUNDARPE), Fábio Cavalcanti (IPHAN), Bernardo José (Maracatu Nação PE) e Diego Di Niglio (ICEI). Ainda fará parte desse dia o Encontro Mensal de Economia Solidária.

A parte cultural vai contar com apresentações dos Integrantes da Associação de Teatro de Olinda e exibição de filmes sobre a cultura popular estarão em sessões abertas ao público para serem apreciados ao ar livre, no Anfiteatro do MAC (Museu de Arte Contemporânea). Finalizando a Mostra, convidados, estudantes de turismo e interessados poderão participar dos roteiros experimentais de turismo de base comunitária que serão realizados nos bairros do Varadouro, Guadalupe, Bonsucesso e Amaro Branco, onde nesse último acontece a festa de encerramento do evento com a intervenção urbana no beco do coco da “Turma do Pneu”, quando fotografias, intervenções urbanas e arte de rua farão uma grande homenagem aos coquistas locais.

 

Fonte: http://www.pernambuco.com/

13 de maio – Cultura e política em celebração à data no estado de Pernambuco

Os eventos relativos ao 13 de maio espalham-se por todo o Brasil. Em Pernambuco, a agenda é extensa. O presidente da Fundação Cultural Palmares, Eloi Ferreira de Araujo, participa de atividades em Olinda e em Recife, onde acontecerão encontros com lideranças negras do estado, visitas a fundações e universidades e abertura de projeto turístico para a Copa do Mundo de 2014.

Seminários fazem parte da programação, que envolve a Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), a Secretaria de Turismo de Pernambuco (Setur) e a Empresa de Turismo do estado (Empetur). Visitas a uma comunidade quilombola e a um núcleo de estudos afro-brasileiros e indígenas estimularão os debates sobre políticas públicas e ações afirmativas destinadas à inclusão de grupos socialmente vulneráveis.

Serão realizadas, ainda, manifestações de Xirê e Canto-Toré, em homenagem ao presidente da Palmares, Eloi Ferreira de Araujo. Promovidos pela Comunidade Tradicional de Terreiros de Pernambuco e pelos Povos Indígenas, ocorrerão durante a ação “Pérola Negra do Saber – Treze de Maio não é dia de negro!”, que objetiva, também, contribuir para a reflexão sobre a condição atual destas populações.

Xirê

Xirê é um rito caracterizado por uma série de cantigas e toques de instrumento executados durante as festas de candomblé. Há uma sequência pré-estabelecida de cantigas para todos os Orixás, começando com as cantigas de Ogum e seguindo-se as de Oxossi.

Fonte: Wikipedia

Toré

É dançado ao ar livre por homens e mulheres que, aos pares, formam um grande círculo que gira em torno do centro. Cada par, ao acompanhar os movimentos, gira em torno de si próprio, pisando fortemente o solo, marcando o ritmo da dança, acompanhado por maracás, gaitas, totens e amuletos e pelo coro de vozes dos dançarinos, que declamam versos de difícil compreensão, puxados pelo guia do grupo, no idioma da tribo.

Fonte: Blog “Índios, nossos antepassados, nossos irmãos”.

Programação

10 de maio
20h, Olinda – Jantar com lideranças do Movimento Negro e personalidades negras do estado.

11 de maio
08h, Olinda – Café da manhã com lideranças culturais de afoxés, maracatus, quilombolas, comunidades tradicionais de terreiros, legislativo e executivo de Olinda e do estado no Quilombo Xambá, bairro de Portão do Gelo.

10h, Olinda – Visita à turma de alunos sacerdotes e sacerdotisas e do curso Língua e Cultura Yorubá do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (NEABIs), da Fundação de Ensino Superior de Olinda (Funeso), no Campus da União das Escolas Superiores de Olinda.

12h30, Olinda – Almoço com professores e gestores públicos.

15h, Olinda – Abertura do projeto: Turismo Étnico nas Comunidades de Terreiros e Quilombolas em Pernambuco – Copa 2014, na Empetur e Setur de Pernambuco. Recepção pelos Tambores Falantes de Pernambuco – Secretário de Turismo do Estado e Presidente da EMPETUR, André Correia, e outros Secretários de Estado.

19h, Recife – Abertura da segunda turma do curso de Formação para as Comunidades Tradicionais, de Terreiros e Povos Indígenas (Sacerdócio das religiões de matrizes africanas, afro-brasileiras e indígenas), na Universidade Católica de Pernambuco (Unicap). Oferta de Xirê e um Canto-Toré, Comunidade quilombolas.

 

Fonte: http://www.palmares.gov.br

VII ANO DO 1° BLOCO DE CAPOEIRA DO MUNDO

BLOCO DO BERIMBAU

Carnaval em Pernambuco… Carnaval em Recife… Carnaval em Olinda…

Como nossas tradições bem pedem, estamos na folia… Folia do Rei Momo, do Galo da Madrugada, dos Quatro Cantos…!

É das velhas raízes, das bandas de músicas, dos passistas em meio ao frevo rasgado e dos nossos capoeiras que vem o Bloco do Berimbau – Primeiro Bloco de Capoeira do Mundo – fundado em maio de 2002 pelo então Mestre Ulisses Cangaia (Grupo Lua de São Jorge). Inicialmente, o Bloco tinha como objetivo principal a culminância das ações sociais do Grupo Lua de São Jorge, mas tomou uma proporção cultural significativa, quando, de sua manifestação de maior essência – a capoeira, os capoeiristas juntaram-se, outros grupos passaram a somar energias, lá estava o Bloco emancipando a nossa arte!

Mantendo uma tradição singular, o Bloco vem desfilando e anunciando a festa da capoeira, berimbaus entoando O SEU LOUVOR pelas ladeiras da Salve, Capoeira Olinda!

O bloco nasceu para fortalecer e difundir a capoeira, assim como aproximar as culturas presentes no âmbito carnavalesco. Colocando pelo 7° ano nas ruas de Olinda uma capoeira de paz, de união, de berimbaus ao alto anunciando a chegada dos capoeiras – mestres entre os foliões – sai em todo domingo de carnaval o Bloco do Berimbau… Sua concentração, na Igreja do Rosário dos Homens Pretos (em Olinda), às 9 hs, marca o início de um percurso que vem sendo histórico, que passou a incluir obrigatoriamente a agenda cultural da nossa OLINDA!

Ritmos são tocados, rodas são formadas e lá vem o estandarte anunciando: SALVE O BLOCO DO BERIMBAU…!!!!

O MESTRE ULISSES CANGAIA – MESTRE DE CAPOEIRA, MÚSICO, RABEQUEIRO E POETA – VEM TRAZENDO, JUNTAMENTE COM O BLOCO DO BERIMBAU, UM TRABALHO DE POLARIZAÇÃO DA CAPOEIRA ENQUANTO INSTRUMENTO DE CONSTRUÇÃO SOCIAL

"ESTE ANO O BLOCO DO BERIMBAU VESTE SUA CAMISA EM COMEMORAÇÃO AOS 50 ANOS DO MESTRE JUAREZ", UM GRANDE COLABORADOR DA NOSSA ARTE E UM DOS FUNDADORES DO BLOCO!

Maiores informações: Mestre Ulisses Cangaia

Contato: (081) 9165.4938 / 8701 – 2413 / 34386978

E-mail: osretalhos@hotmail.com

Pernambuco: Maracatu rural se junta aos caboclinhos em Olinda

Olinda, PE – O encontro de maracatus rurais que marca a segunda-feira de carnaval no Espaço Ilumiara Zumbi, na Cidade Tabajara, em Olinda, Pernambuco, abriu espaço, hoje, para tribos de caboclinhos, o que deu ainda mais vigor e riqueza de cores, sons e coreografias ao evento. "Nosso compromisso é o de agregar toda a cultura popular", explicou o organizador do encontro e detentor do título de "Patrimônio Vivo de Pernambuco", Manuel Salustiano dos Santos, o Mestre Salu, 62 anos, organizador do encontro que se repete há 18 anos.

Com seus cocares de penas de avestruz e de pavão e adereços nos braços e tornozelos, os integrantes dos caboclinhos encantaram com suas evoluções ao som de orquestras compostas de mineiro, gaita, tarol e surdo.

As apresentações arrancaram aplausos entusiasmados do público. O "Índio Canindé Brasileiro", do município de Itaquitinga, mostrou graça e exuberância e também deixou feliz o seu presidente, José Fernandes Martins da Silva, 30 anos. Ele mantém a agremiação fundada pelo pai em 1992. "A gente dá a vida pelo brinquedo", afirmou.

A força do maracatu rural imperou. Somente o "Leão Vencedor", de Carpina, fundado em 1991 pelo mestre João Limoeiro, reuniu mais de 200 integrantes, dos quais 120 caboclos de lança – figura mais famosa do maracatu de baque solto, com suas golas de lantejoulas e cabeleiras de papel celofane que carregam chocalhos sob o surrão que produzem um som característico na medida em que eles se movimentam.

Novos maracatus

Estavam lá tanto maracatus tradicionais, surgidos no início do século 20 – Cambinda de Nazaré, de 1918 foi um deles – como agremiações recém-criadas, a exemplo do Gavião da Mata, de Glória de Goitá, fundado há dois anos. "O maracatu está vivo e também outras brincadeiras e expressões da cultura, tem muita gente jovem infiltrada, levando à frente, garantindo a continuidade", observou Mestre Salu.

A maioria dos maracatus que se apresentou na Cidade Tabajara fez um circuito pela região metropolitana e zona da mata – na cidade de Nazaré da Mata também se realizou encontro semelhante.

No centro do Recife, no Pátio do Terço, maracatus de baque virado – também chamado de maracatu nação, que revive a coroação de reis negros e tem orquestra unicamente de percussão e som mais melodioso e harmônico – iriam repetir, à meia-noite, o ritual da Noite dos Tambores Silenciosos. A cerimônia homenageia escravos e ancestrais.

Até o final da noite, desfilariam pelo local 30 caboclinhos e 104 maracatus rurais, vindos da região metropolitana e zona da mata – área canavieira.

Pernambuco: Dia da Consciência Negra é comemorado com festa

Esta terça-feira, 20 de novembro, está repleta de manifestações culturais e políticas para marcar o Dia Nacional da Consciência Negra. A data é alusiva à morte do líder da resistência a escravidão no Brasil, Zumbi dos Palmares. No Recife, a programação começa cedo, partir das 7h, com uma roda de Samba com Jorge Ribas na entrada principal do prédio sede da Prefeitura do Recife, no Cais do Apolo.

No museu Casa do Carnaval, no Pátio de São Pedro, continua exposição especial ao Mês da Consciência Negra, das 9h às 17h. Um dos destaques do dia é a 3ª Caminhada das Escolas Municipais do Recife com a participação de mil e quinhentos estudantes, com o intuito de promover a igualdade racial. A concentração para a passeata acontece às 15h no Parque 13 de Maio, com destino ao Pátio da Igreja Nossa Senhora do Carmo, na avenida Dantas Barreto.

No mesmo horário da saída da caminhada, o Pátio Nossa Senhora do Carmo, centro do Recife, recebe mostra de vídeo, debate, oficina de cabelo afro, exposições e distribuição de material de divulgação e apresentações de grupos culturais, além do Afoxé Oyá Alaxé. Ainda dentro das comemorações, haverá a entrega do título de cidadã recifense à escritora Inaldete Pinheiro, e da comenda José Mariano ao advogado Edvaldo Ramos. O evento acontece na Câmara Municipal do Recife, às 16h30.

À noite, haverá uma Terça Negra especial, a partir das 19h30. Se apresentam no palco montado no Pátio de São Pedro o grupo de música de câmara Korin Orissá e sacerdotisas das religiões afro-brasileiras; Grupo de Samba Reggae Obá Nidje; Grupo Raízes do Quilombo Xeré com a rede estadual de religião afro-brasileira; Afoxé Ylê de Egba Batukaje e o Afoxé Alafin Oyó.No local também haverá desfile de tranças e bijuterias afro.:

Olinda – Em Olinda, o Dia Nacional da Consciência Negra vai ser comemorado com a 2ª Marcha pela Libertação do Povo Negro. O evento acontece às 15h, com concentração na Praça 12 de Março, no Bairro Novo e tem o apoio do Movimento Negro unificado e da União de Negros pela Igualdade (Unegro).

Com o tema Construindo um projeto político para o povo negro pernambucano, a caminhada deve reunir cerca de 500 pessoas que percorrerão as ruas do Sítio Histórico. O trajeto inclui o Mercado da Ribeira, o Palácio dos Governadores (sede da Prefeitura) e termina na Câmara Municipal de Vereadores, onde haverá uma solenidade especial.

Em Abreu e Lima, a data será comemorada na Praça de São José, no centro da cidade, com festa a partir das 18h. Participam das comemorações o grupo de capoeira Dantos, Escola de Capoeira Mestre Del Bruto, Maracatu Estrela de Ouro de Olinda e grupo B-Boys. O acesso é gratuito.

Fonte: Redação do PERNAMBUCO.COM – http://www.pernambuco.com

Pernambuco: Bloco do Berimbau e homenagem aos 100 anos do Frevo.

O PRIMEIRO BLOCO DE CAPOEIRA DO MUNDO (BLOCO DO BERIMBAU)
 
O bloco foi fundado em 05/05/2002 pelo Mestre ULISSES CANGAIA do GRUPO DE CAPOEIRA LUA DE SÃO JORGE. Saindo no domingo de carnaval  às 09:00 h. da frente da Igreja do Rosário dos homens pretos de Olinda. Pelo 5º ano consecutivo, o bloco desfila pelas ruas de Olinda com mais de 100 berimbaus e mais de 300 capoeiras de vários grupos de Pernambuco e de outros estados, arrastando multidões e contagiando o povo por onde passa com o som dos instrumentos e cantigas do Mestre ULISSES.
Neste ano de 2007 o BLOCO DO BERIMBAU homenageará os 100 anos do FREVO, lembrando que dos passos da capoeira que surgiu o frevo, e essa homenagem não poderia deixar de ser feita.
Os capoeiristas e os passistas de Pernambuco têm grandes motivos para se orgulharem: ter O PRIMEIRO BLOCO DE CAPOEIRA DO MUNDO (BOLCO DO BERIMBAU) e o frevo ter nascido da capoeira em Pernambuco.
 
Os ensaios irão acontecer todas as sextas feiras, iniciando em janeiro até a última sexta antes do carnaval.
 
Local: na sede do bloco em Cidade Tabajara, proximo ao antigo posto da polica rodoviária PE 15 OLINDA DAS 19:30 ÁS 21:00
Você de outro Estado ou País que vem passar o carnaval em Olinda entre em contato conosco para participar do 1º BLOCO DE CAPOEIRA DO MUNDO, Vai ser uma experiência muito legal e você vai ficar na historia, participando de um bloco como esse.
 
Bloco do Berimbau

Recife: Bloco do Berimbau

O Bloco do Berimbau já sai nas ruas de Olinda desde 2004, os criadores desse bloco são os irmãos Mestre Ulisses Cangaia e o percurssionista Mestre Lua, o bloco já vem ensaiando pelas ladeiras de Olinda, quem quiser pode participar é só vir de abadá e berimbau na mão e saber tocar, quem não toca vem pra jogar capoeira, em vários pontos da cidade o bloco para e abre uma grande roda, vcs não imaginam o dende e a energia.
 
O bloco tem apoio da Federação Pernambucana Cultural da Capoiera.
 
 
O Bloco do Berimbau, sairá no dia 22 de fevereiro em Recife ás 15h, a concentração será em frente á Torre Malacoff no Recife antigo, e no dia 26 em Olinda, a concentração será em frente a Igreja da Sé as 15h.

Centro de Instrução de Capoeira Angola – CICA

Desde seu surgimento, a capoeira sofreu muitas perseguições. Chegou até a ser proibida por lei e seus adeptos exilados em locais como o interior de São Paulo e Fernando de Noronha. Depois de anos de repressão, ela quase desaparece por completo. Em Pernambuco, por exemplo, há registros bastante precários dos capoeiras. Foi da necessidade de preservar esta arte que, em abril de 2000, surgiu o Centro de Instrução de Capoeira Angola – Cica.
 
O centro – que possui dois núcleos, um no Derby (Recife) e outro em Ouro Preto (Olinda) – estuda e divulga a capoeira angola através de atividades culturais, educacionais, artísticas e do intercâmbio com demais entidades engajadas no resgate das raízes negras. Além de jogar, os alunos aprendem sobre a filosofia da capoeira angola, seus cantos, toques, ritmos e a confeccionar os instrumentos utilizados na roda. Nos grupos de estudos sobre cultura popular são discutidos temas como a resistência afro-indígena em Pernambuco, musicalidade afro-brasileira e capoeiragem no Recife.
 
Apesar de se basear na didática do Mestre Pastinha, considerado pelos capoeiristas como o guardião da capoeira angola no Brasil, o Cica não possui nenhum mestre responsável pelo grupo. Todo o trabalho é realizado em equipe. Outra curiosidade observada é que não há distinção entre iniciantes ou alunos mais avançados; todos jogam juntos e não usam os cordões que indicam o nível de instrução do capoeirista.
 
Mas não é só nos núcleos que se concentra todo esse aprendizado. Em Peixinhos, Olinda, 80 crianças de 7 a 14 anos que trabalham no lixão, aprendem a arte da capoeiragem com os instrutores do Cica. Numa parceria com a ONG Mulher Maravilha, 20 jovens de Nova Descoberta dão seus primeiros passos na capoeira. No núcleo de Ouro Preto, um espaço cedido pelo governo que atualmente passa por reformas, todo domingo há uma grande roda de capoeira aberta ao público.
 
Segundo a socióloga Lúcia Duncan, uma das fundadoras do Cica, há uma predominância de alunos do sexo masculino, o que é comum em todos os grupos de capoeira em Pernambuco. Ano passado, o centro realizou uma roda composta somente por mulheres que objetivou divulgar melhor a modalidade para o público feminino. Foi uma tentativa válida, mas, ainda de acordo com Lúcia, não obteve o êxito esperado porque poucas mulheres participaram. Ela também revela que os alunos das comunidades carentes aprendem mais rápido, se comparados aos do núcleo Derby, cujo poder aquisitivo é maior.
 
Maria Luísa Maia tem 23 anos e é estudante de odontologia. Há dois anos, ela faz capoeira no núcleo Derby do Cica e acredita que o diferencial do grupo é o equilíbrio entre a teoria e a prática. "Eu já havia feito capoeira em outro lugar, mas aqui, no Cica, pude aprender de maneira mais completa. O fato de todos jogarem juntos é muito enriquecedor, pois permite uma troca maior de experiência."
 
Apesar das dificuldades, o Cica luta para manter suas atividades. O centro não possui sede própria e se mantém com recursos dos próprios instrutores, da venda esporádica de artesanatos e das mensalidades pagas pelos alunos do Derby (R$ 25,00), que aliás, é o único lugar onde as aulas não são gratuitas. Para quem quiser saber mais sobre o Cica, em abril deste ano, o centro lançou o Biriba, um jornal que traz notícias não apenas do centro e do universo da capoeira, mas também da arte popular em geral. O Biriba é gratuito e pode ser adquirido no núcleo Derby, localizado na Rua Manoel Caetano, 42. A próxima edição do jornal sai em outubro.
 
CICA – Centro de Instrução de Capoeira Angola
 
Núcleo Derby: O Norte " Oficina de Criação
Rua Manoel Caetano, 42, Derby, Recife/PE
Fone;(081)34218393 / 99057157
 
Núcleo Ouro Preto: CSU " Centro Social Urbano
Morro do Peludo,s/n, Ouro Preto, Olinda/PE
Fone: (081)34291979( Léo)
e-mail: CICA_PE@yahoo.com.br


Enviada pelo Prof. Leandro Mourelle, apresentamos a nossos Leitores um pouco do trabalho do CICA-PE. Foto por Baco

Fonte Jornal do Capoeira – www.capoeira.jex.com.br