Blog

original

Vendo Artigos etiquetados em: original

Aprovado com emendas na Câmara, Estatuto da Igualdade Racial será novamente examinado pelo Senado em 2010

Tramitando no Congresso Nacional desde maio de 2003, o projeto de lei do Senado que institui o Estatuto da Igualdade Racial (PLS 213/03) será novamente examinado pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) nos primeiros meses de 2010. Aprovado no Senado em novembro de 2005, o texto foi enviado à Câmara, onde foi acolhido, em setembro de 2009, sob a forma de substitutivo, com várias alterações ao texto original, motivo pelo qual voltou para nova análise dos senadores.

O autor do projeto original é o senador Paulo Paim (PT-RS), que já defendeu a aprovação do estatuto por diversas vezes da tribuna do Plenário do Senado. O relator, Demóstenes Torres (DEM-GO), apresentou parecer favorável, com emendas, à aprovação do projeto em dezembro do ano passado.

Entre outros pontos, o projeto de Paim institui pena de até três anos para quem praticar racismo pela internet, incentiva a contratação de negros pelas empresas e reconhece a capoeira como esporte. Resultado de mais de seis anos de discussão no Congresso, o texto aprovado na Câmara faz mudanças substanciais no projeto original. Reduz de 30% para 10% a proporção de candidatos negros que os partidos devem ter nas eleições (atualmente, só há reserva para mulheres); retira a obrigatoriedade de reserva, nos estabelecimentos públicos, de vagas para alunos negros vindos de escolas públicas na mesma proporção dessa etnia na população; e suprime a indicação “igualdade” do dispositivo que trata da contratação de atores negros em produções artísticas.

O substitutivo da Câmara define como desigualdade racial todas as situações injustificadas de diferenciação de acesso e fruição de bens, serviços e oportunidades, nas esferas pública e privada, em virtude de raça, cor, descendência, origem nacional ou étnica. Define como população negra o conjunto de pessoas que se autodeclaram pretas e pardas, conforme o quesito cor ou raça usado pelo IBGE.

O substitutivo que será apreciado pela CCJ também trata de políticas públicas e programas especiais adotados pela iniciativa privada e o Estado para a correção das desigualdades raciais e a promoção da igualdade de oportunidades. Prevê ainda acesso universal e igualitário ao Sistema Único de Saúde (SUS) para promoção, proteção e recuperação da saúde da população negra, que deverá ficar a cargo de instituições públicas federais, estaduais, distrital e municipais da administração direta e indireta. O objetivo é garantir tratamento e especialização em doenças mais comuns na raça negra, como a anemia falciforme.

A proposta determina também que seja obrigatória a disciplina que trate da história geral da África e da população negra no Brasil nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio públicos e privados. Além disso, o Estatuto da Igualdade Racial assegura o livre exercício dos cultos religiosos de origem africana, prevendo assistência religiosa aos seus seguidores em hospitais e institui que os programas de moradia do governo deverão assegurar tratamento equitativo à população negra, devendo fazer o mesmo os bancos públicos e privados que atuam em financiamento habitacional.

Helena Daltro Pontual e Augusto Castro / Agência Senado

São Paulo: Mestre Ananias, Garoa do Recôncavo & Samba Chula de São Braz

 

O samba de roda Mestre Ananias e “Garoa do Recôncavo” recebe a visita do “Samba Chula de São Braz”, distrito de Santo Amaro da Purificação / BA, em São Paulo.

Tanto para a capoeira quanto para o samba paulistano será uma chance de refletir e vivenciar parte das influências que desenvolveram a cultura popular paulistana.

É um momento imperdível: um encontro de um remanescente do Recôncavo Baiano, responsável pela difusão desse legado em São Paulo, com seus conterrâneos que mantiveram essa cultura na sua forma original.

Moças arrumem suas saias e mostrem “o que é que a paulistana tem!”

 

Local:

Praça do Sesc Pinheiros – Rua Paes Leme, 195
Dia 23 e 24 de fevereiro (sábado e domingo)
Das 16h às 17h

Gratuito

Mestre Pinatti: Alteração de contato

O Grande Mestre Pinatti, um dos precursores da Capoeira em São Paulo, pede aos camaradas para alterarem o endereço de e-mail para contato, devido aos percauços da vida moderna e o famigerado e-mail que não chega…
 
Então pra quem quiser entrar em contato com o Mestre Pinatti pode faze-lo de duas maneiras:
  1. Pessoalmente: Academia São Bento Pequeno, fica na Rua do Vergueiro, 2684, próximo ao Metro Ana Rosa.
  2. Virtualmente:  [email protected]
     

Anexo mensagem original do Mestre:
 
A proposito, Milani, Precisaria que voce colocasse no seu famoso site para não escreverem pra mim no [email protected] pois esse e-mail anda com defeito. Para me escreverem para [email protected] Te agradeço muito, pois perdi um montão de mensagens no Bol, que anda com defeito.

Cd Mestre Ananias

Cd Ananias

Mestre Ananias
Categoria Cd´s Capoeira

Ao completar seus 80 anos, Mestre Ananias oferece o registro do seu legado de Capoeira com o lançamento do seu primeiro CD. Um documento sonoro, inédito e original.

R$ 33,00

Capoeira, comunicação gestual, controvérsia e modernidade…

 Pesquisando sobre o Mestre Gil Velho, à pedido de uma colega, acabei encontrando este texto, que confesso achei bastante interessante.
Fica aqui a dica para a leitura do texto e do "contexto"


(Cevtradg-L) ENC: resposta ao Cobra Mansa – Me. Gil Velho
 
To:  <[email protected]>
Subject:  (Cevtradg-L) ENC: resposta ao Cobra Mansa – Me. Gil Velho
From:  "(marina)" <[email protected]>
resposta ao Cobra Mansa – Me. Gil Velho

Caro Cobrinha Mansa.
 
Gostei de seu comentário a respeito de meus ensaios sobre, "identidade e território na capoeira", e gostaria de esclarecer que no que foi colocada, a subjetividade é a grande relação que mapeia a minha percepção. A capoeira, hoje, no que diz respeito a sua identidade e territorialização, não tem nada de subjetivo, pois é um processo construído por indução. Digo isto porque participei deste processo, no momento mais forte de sua construção, que é a década de 60. Neste período, os arquitetos de sua fase original, sai de cena, o ideário nacionalista da fase original, ganha uma nova roupagem e novos discursos e mitificação. Salvador deixa de ser o centro da capoeira moderna, Bimba caí no ostracismo. O eixo passa a ser o Rio e São Paulo.´Foi deste eixo que se irradia o processo de massificação da capoeira. O estilo de movimentação gestual que implementa esta revolução é o próximo a regional do Bimba, repetindo o que ocorreu em Salvador na época de 30.Onde o grande Mestre edifica a base da capoeiragem moderna, logo copiado por todos em Salvador, a ponto de ser o grande divisor, pois quem não era Bimba era a outra, chamada de Angola.
 
A partir desta época é que se cria um movimento que se aprende por pacotes estabelecidos e aí que entra o que a baixo transcrevo do meu recente artigo.  
 
Na capoeira, a falta de uma identidade que caracterize sua personalidade é o marco da controvérsia contemporânea. A capoeira só se estabelece quando cria uma identidade social. Este fato ocorreu no século XIX, na cidade do Rio de Janeiro. Neste cenário ela territorializa-se e personaliza estes ambientes. O fator de construção deste espaço cultural foi à diversidade de seus componentes, oriundos de um contexto, tão diverso e mestiço, sob o ponto de vista da origem e etnia, que compunha a realidade urbana carioca.
 
A forma de expressar esta relação se deu através de uma comunicação gestual, onde na teatralidade das interações entre seus elementos, a trama do tecido cultural era visualizada.Na sua contemporaneidade, a capoeira perde a sua identidade social, pois é desfeita sua estrutura coletiva, desfaz-se dos territórios e com isto acaba sua magia. Todo o universo da riqueza de sua invisibilidade, produto do espontâneo, é quebrado ao formalizar sua relação.
A diferença entre a capoeira moderna e a original está exatamente na construção do espontâneo da segunda e no procedimento induzido da arquitetura da primeira. As controvérsias, geradas na mitificação e discursos na capoeira moderna, são frutos de seu artificialismo, onde o indivíduo some do seu espaço construtor, sendo um mero copiador de sua comunicação gestual engessada em pacotes formais.
 
A territorialização de um contexto é feita no espontâneo (espontaneamente). A leitura desta realidade só é possível através de uma perspectiva antropológica vivenciada, ou seja, os atores tecem no espaço a estrutura que dará forma a sua realidade. O que exige uma consciência, deste atores, de que são personagens da construção deste contexto.
Os discursos, étnicos, nacionalistas, da repressão, corporativista iniciativa e o classista, mostram bem a necessidade de estabelecer uma idéia carregada de verdades e tradições que os qualifique, como a linha que contempla a identidade social, na contemporaneidade da capoeira.Identidade que a capoeira hoje não tem, porém necessita criar, mas não no artificialismo dos discursos e mitos, procedimento usual no sistema atual, mas sim na interação entre a realidade do indivíduo e do contexto do qual está inserido.
 
A ótica da comunicação gestual se coloca para os discursos e mitificação, como divisor entre ser capoeira e fazer capoeira. Enquanto um procura criar referências, o outro é em si a própria referência, pois as relações são construídas na própria vivencia, criando uma unicidade entre indivíduo e contexto. A ótica da construção de referência mostra a sua relação direta com a racionalidade, onde toda perspectiva é fragmentada e, por conseguinte não interativa. Não sendo interativa não há troca, sem troca não se constrói contexto, sem contexto não existe identidade.
 
O retorno a organicidade, no ato de vivenciar um contexto é, de fato, o único elemento plausível de restaurar, na capoeira, sua identidade social ao proporcioná-la ser elemento da construção do espaço onde se insere.A identidade cultural é dinâmica, pois é construída no processo interativo que forma um determinado espaço. Seus elementos estão em constante troca e com isto produzindo mutação na organização da forma de um contexto. Ao desenvolver a consciência do momento vivenciado, o indivíduo, percebe sua identidade com o contexto, o que lhe confere percepção do espaço que está inserido.
Na fase embrionária de sua modernidade, o gestual é engessado pela construção de um padrão funcional e estético, voltado para ter um lugar nas artes marciais. Foram selecionados, dentro do gestual espontâneo, os elementos com as características mais próximas da forma globalizada da arte marcial.
 
O indivíduo, corpo estranho na modernidade, some do cenário da capoeira, passa a ser um elemento de enfeite, sua personalidade não é interessante na construção do tecido gestual. A necessidade do retorno do indivíduo na construção do contexto por ele vivenciado é de extrema importância na sustentabilidade da capoeira. A construção de um contexto capoeira se faz por informações gestuais personalizadas, as quais ao interagir com as demais existentes neste ambiente, produz no espaço vivencial, uma forma única tanto em termos de tempo como espaço, ou seja, uma unicidade.
Ao conferir identidade ao processo capoeira, o que passa pelo indivíduo, cria-se na capoeira um movimento de legitimação, pois a capacita edificar identidade social no contexto que se insere.
 
Parte destes comentários são de trechos de meu artigo, porém  mostram a minha preocupação em ver a capoeira se massificar no Brasil e agora no Mundo, porém muito mais como produto de entretenimento do que algo que venha contribuir  com  a  edificação de identidade do indivíduo, para este se perceber construtor de seu contexto e não um mero boneco repetido de uma realidade virtual induzida. Nesta perspectiva, podemos restaurar os princípios da capoeira original e dá a capoeira moderna uma sustentabilidade para sua continuidade.
 

USO DO SOM

Como usar os sons

  • VOZTERAPIA: O condicionamento que faz as crianças engolirem o choro e calarem a boca pode se traduzir mais tarde em distúrbios psicossomáticos. Segundo a terapeuta Sônia Prazeres, que estudou na Escola de Terapia de Voz e Movimento de Londres e dá um curso de vozterapia no Conservatório Brasileiro de Música, a emissão dos sons que perturbam a mente promove o equilíbrio físico e psicológico. A técnica da vozterapia faz parte da psicofonia, metodologia terapêutica desenvolvida na Europa nos últimos 20 anos.
 
  • EXERCÍCIOS: A musicalidade floresce quando é fortalecida desde cedo. Em mentes exercitadas, a música original surge de modo natural. As crianças tendem naturalmente para o improviso e a composição. Com 4 anos, mais da metade delas pode produzir algo original, segundo Robert Jourdain, autor de "Música, cérebro e êxtase". Jourdain adverte que, embora os resultados raramente sejam mozartianos, o prazer é compensador.
 
  • CRIATIVIDADE: A criança com alguma deficiência pode ser estimulada, como qualquer outra, a sentir prazer musical, quando seu córtex auditivo reúne sons individuais. Uma nota solitária apenas de uma viola tem a capacidade de trazer felicidade para um ouvido aguçado, afirma Jourdain.

Gravações históricas de Mestre Bimba

O amigo Matthias, da Universidade de Essex (Inglaterra), disponibilizou gravações históricas feitas por Mestre Bimba nos idos de 1940. As 10 faixas, pertencentes ao acervo da Universidade de Indiana (EUA), trazem 4 faixas com "Bimba e seu conjunto", como o apresentador se refere, e 6 faixas gravadas por Cabecinha (e seu conjunto, "Esperança Angola"). As gravações mostram um canto cheio de improvisos, extremamente rico quanto à musicalidade, e são um documento importante sobre a capoeira naquela época.


Caso você deseje uma cópia do album original, sem edição, favor contactar o Teimosia. Os CDs serão enviados mediante pagamento do preço da mídia (CD virgem) e das despesas de gravação e postais.

GRAVAÇÕES HISTÓRICAS DE MESTRE BIMBA

O amigo Matthias, da Universidade de Essex (Inglaterra), disponibilizou gravações históricas feitas por Mestre Bimba nos idos de 1940. As 10 faixas, pertencentes ao acervo da Universidade de Indiana (EUA), trazem 4 faixas com “Bimba e seu conjunto”, como o apresentador se refere, e 6 faixas gravadas por Cabecinha (e seu conjunto, “Esperança Angola”). As gravações mostram um canto cheio de improvisos, extremamente rico quanto à musicalidade, e são um documento importante sobre a capoeira naquela época.

Caso você deseje uma cópia do album original, sem edição, favor contactar o Teimosia. Os CDs serão enviados mediante pagamento do preço da mídia (CD virgem) e das despesas de gravação e postais.