Blog

palco

Vendo Artigos etiquetados em: palco

Brasília: Capital da capoeira

Nos dias 1, 2, 3, 4 e 5 de novembro capoeiristas de todo o Brasil “invadem” o DF para participar do Encontro Nacional de Capoeira (Enca). Promovido por Mestre, do Instituto Ladainha, o ENCA está em sua 20ª. edição e é o mais democrático evento do gênero no país. Dele participam dezenas de grupos de capoeira regional e angola. A atração, como sempre, são os capoeiristas “mais vividos” que participam dos programas de Capoterapia nos estados do DF, GO, SP, MG e PI.

O Enca começa no dia 1, com o lançamento do livro “Minha Hístória Minha Vida”, coletânea de mini-biografias de cidadãos da terceira idade que fazem da capoterapia “um novo estilo de vida”. O lançamento acontece as 9 horas no Ginásio Paradão em Taguatinga Norte, quando tomam posses os integrantes da recém criada e criativa Academia de Letras da Capoterapia.

Durante o ENCA ocorre a 16ª. Edição do projeto 24 Horas de Capoeira, quando grupos de capoeira de vários de estados se revesa no Palco Ladainha, montado na Rodoviária do Plano Piloto.

 

Serviço: Informações com Mano Lima – assessor de imprensa do ENCA (9190 4256 e 8101 0915) e Mestre Gilvan (9962 2511)

 

Confira a programação do ENCA.

DATA

Dia/semana

Hs

ATIVIDADE

LOCAL

01/11

terça-feira

8:00 h

ABERTURA OFICIAL do 20º ENCA Oficina Vivencial de Capoterapia com participantes presentes

* Café da manhã;

* Posse dos Escritores da Academia de Letras da Capoterapia

 

 

Associação dos Idosos de Taguatinga / Paradão

01/11

terça-feira

14:00 h

Inscrições e Credenciamento dos participantes

Sede Ladainha, QNL 30 Cj. “A” Lote 31 Taguatinga / DF

01/11

terça-feira

15:00 h

Laboratório de Capoterapia

Hospital Regional de Ceilândia

02/11

quarta-feira

8:00 h

Vivência da Capoterapia

* Café da manhã;

 

Praça do Bicalho / Taguatinga

02/11

quarta-feira

14:00 h

 

Laboratório de capoterapia

 

Sede Ladainha, QNL 30 Cj. “A” Lote 31 Taguatinga / DF

03/11

quinta-feira

8:00 h

 

Vivência da Capoterapia

 

Sede Ladainha, QNL 30 Cj. “A” Lote 31 Taguatinga / DF

03/11

quinta-feira

14:00 h

Curso de Capoterapia

* práticas interativas

 

Sede Ladainha, QNL 30 Cj. “A” Lote 31 Taguatinga / DF

03/11

quinta-feira

18:00 h

Vivências de Capoterapia

Taguaparque / Pistão Norte

04/11

sexta-feira

11:30 h

Pronunciamento das Autoridades presentes

* Minuto de silêncio em homenagem aos capoeiristas mortos;

Palco Ladainha na Plataforma Inferior da Estação Rodoviária de Brasília.

04/11

sexta-feira

12:00 h

ABERTURA OFICIAL

16º 24 Horas de Capoeira de Brasília

 

Palco Ladainha na Plataforma Inferior da Estação Rodoviária de Brasília.

05/11

sábado

12:00 h

Encerramento do 16º 24 Horas de Capoeira

Plataforma Inferior da Estação Rodoviária de Brasília

06/11

domingo

8:00 h

* Entrega de lenços para alunos (as) da Capoterapia

* Posse de Sócio Benemérito;

* Entrega de Certificados;

* Roda de encerramento

 

 

 

Teatro da Praça (EIT) Taguatinga

Programação sujeita a ajustes. Brasília / DF AGOSTO de 2011

Informações (61) 3475-2511 / 9962-2511  capoterapiabrasil@gmail.com

 

São Paulo: ManiFestAção em Defesa da Fonte no Morro do Querosene

Dia 10/04/2011 – DOMINGO – das 10 às 22H – na Travessa da Fonte – Morro do Querosene – EVENTO GRATUITO

O Morro do Querosene possui uma área de quase 40.000 m² com resquícios de Mata Atlântica abandonada e 3 nascentes, uma delas a Fonte que jorra água pura e mineral que escorre para o bueiro. A comunidade do Morro do Querosene e Butantã vem há 10 anos se mobilizando para preservar este espaço conhecido pelos moradores como Chácara da Fonte. Hoje, a velha Rua da Fonte está interditada por um muro que nos impede de chegar à Fonte.

Esta área também guarda uma interessante história: aqui se encontravam vários caminhos que constituíam a lendária trilha indígena do Peabiru, mais tarde utilizada pelos bandeirantes, jesuítas e tropeiros. A efervescência cultural do Morro do Querosene deve vir desta época, quando aqueles que utilizavam esses caminhos paravam na Bica e na Fonte para descansar,  matar a sede e realizar suas cantorias e danças.

Hoje, com tantas atividades culturais e artísticas, não temos no Morro um espaço adequado para nossas manifestações. A Chácara da Fonte tem a vocação de Parque Cultural e Ambiental necessário à nossa cidade. Pensando nisso, na criação do Parque da Fonte e na importância de cuidar do meio ambiente, decidimos participar do Fórum Social de São Paulo realizando uma atividade autogestionada denominada “ManifestAção em defesa da Fonte”.

O evento será realizado dia 10 de abril, das 10h às 22h, e contará com apresentações musicais intercaladas com performances e intervenções poéticas, ambientais e urbanas. Entre os músicos que já confirmaram presença estão: Peixelétrico, Planta&Raiz, Nasi, Dinho Nascimento, Tião Carvalho, Orquestra de Berimbaus do Morro do Querosene, Treme Terra (MC Gaspar Z´África Brasil), Ambulantes, Isca de Polícia, Poesia Maloqueirista, Henrique Menezes (Banda Bom que Dói), Grupo Cupuaçu, Manos Urbanos, Frente 3 de Fevereiro, Emerson Boy, Marquinho Mendonça e Malungo.

 

Serviço:

Domingo, dia 10 de março, a partir das 10h – Evento Gratuito (programação abaixo)

Local: Rua da Fonte, s/n°, Jardim Pirajuçara (Morro do Querosene) – Butantã – São Paulo

Ruas interditadas: Travessa da Fonte e Rua Padre Justino (nas imediações da Travessa da Fonte que fica a 100 metros da Av. Corifeu de Azevedo Marques). Acesso: pela Av. Corifeu de Azevedo Marques ou pela Rodovia Raposo Tavares, 1ª travessa a direita (Rua Afonso Vaz que vai encontrar a Rua Padre Justino à esquerda).

Realização: Associação Cultural Morro do Querosene, FEMA e Prefeitura de São Paulo.

Apoio: SVMA-PMSP, CET, SABESP, Ecos do Meio, PEABIRU e O AUTOR NA PRAÇA.

 

Programação:

10h20 – Orquestra de Berimbaus (palco) roda de capoeira/samba de roda (chão)

11h10 – Samba da Casa (chão)

11h50 – Henrique Menezes e Banda Bom que Doí (palco)

12h20 – Poesia Maloqueirista Intervenção (chão)

12h35 – Malungo (intervenção musical) (palco)

12h50 – Grupo Cupuaçu (chão)

13h30 – Ambulantes (palco)

14h10 – Manos Urbanos (palco)

14h45 – Hugo Paz (intervenção poética) (palco)

15h00 – Emerson Boy (intervenção musical) (palco)

15h15 – Marquinho Mendonça (intervenção musical) (palco)

15h25 – Treme Terra e Gaspar (Z’Africa Brasil) (palco)

16h00 – Poesia Maloqueirista (intervenção) (chão)

16h25 – Isca de Polícia (palco)

17h00 – Grupo de Teatro do Peabiru (intervenção) (chão)

17h25 – Planta e Raiz (palco)

18h05 – Frente 03 de Fevereiro (palco)

18h45 – Tião Carvalho (palco)

19h20 – Poesia Maloqueirista (intervenção) (chão)

19h45 – Dinho Nascimento (palco)

20h25 – Nasi (Palco)

21h05 – Peixe Elétrico (palco)

Margareth sobe ao palco com Gilberto Gil, no AfroPop Brasileiro

A segunda etapa do Movimento AfroPop Brasileiro, patrocinado pela Fundação Cultural Palmares, vinculada ao Ministério da Cultura, começa nesta quinta-feira, dia 21. Margareth Menezes recebe no palco Gilberto Gil, o grupo afro Filhos de Gandhi, Gerônimo e Roberto Mendes, e ainda uma manifestação cultural com ‘As Ganhadeiras’. O show começa às 20h no Cais Dourado, em Salvador (BA). A temporada estreou na primeira quinta-feira de janeiro, dia , com casa cheia e presença de artistas e autoridades no camarote “Espaço Palmares”.

O projeto que além de música inclui ação social, traz, na sexta-feira, 22, o tema Sexualidade sem preconceito para o  Giro Cultural, que reunirá cerca 200 jovens e adolescentes na sede do Projeto Adolescente Aprendiz (IBCM). Além de Margareth e Zulu Araújo, da Palmares, os convidados para conversar com a garotada são Andréa Elia, atriz e diretora de teatro e Maria Paquelê, pedagoga e especialista em educação sexual. Andrea Elia fecha a atividade com uma dinâmica teatral. O encontro será na escola Municipal Marques de Maricá, em Pau Miúdo, na cidade de Salvador.

O Giro Cultural é uma ação de inclusão social e visa a troca de experiências entre os jovens e os convidados de Margareth sobre temas variados. No último encontro Zezé Motta, Vovô do Ilê e a vereadora de Salvador, Olívia Santana (PCdoB), além de Margareth e Zulu Araújo conversam com  jovens de 16 a 24 anos do bairro da Liberdade e da ONG Fábrica Cultural, mantida por Margareth Menezes.

“Sempre enfrentei os desafios, não me deixei intimidar, mas nunca tive ninguém para me dar incentivo, por isso criamos este espaço, o Giro Cultural, para que seja um momento de reflexão”, explicou Margareth.

Na Palmares, a iniciativa é coordenada pelo Departamento de Fomento e Promoção da Cultura Afrobrasileira, comandado por Elísio Lopes. 

Assessoria de Comunicação
Fundação Cultural Palmares
Ministério da Cultura
(61) 3424 0166 / 0162
www.palmares.gov.br

Capoeiristas de Piracicaba conquistaram o recorde de Maior Salto Mortal de Costas

O irmãos Vagner e Marcos Farias mostraram total interação no palco do programa dominical da TV Record, Tudo é Possível, apresentado por Eliana Lima, e conquistaram o recorde de “Maior salto mortal de costas em dupla”. Os dois realizaram um salto simultâneo de 1,80 de altura sob o olhar atendo do auditor do RankBrasil, Luciano Cadari, e da platéia presente na gravação.

Vagner tem 26 anos e é caldeireiro. Marcos, que já esteve no programa apresentando o recorde de “Amador com maior salto mortal de costas”, tem 21 anos e é metalúrgico. Ambos moram em Piracicaba, interior de São Paulo, onde também dão aulas de capoeira no grupo “Estilo Acrobático”. Antes de executarem o salto recordista, eles deram uma mostra do seu talento com uma apresentação de capoeira no palco do programa.

Os irmãos dizem se sentiram realizados com a conquista do recorde que exigiu muito empenho. “Consideramos este recorde o resultado de muito treinamento e esforço combinados ao apoio de nossa família, que está sempre nos motivando”, declara Vagner.

Redação: Keyla Barros – http://www.rankbrasil.com.br

Hortolâncdia: V Festival de Capoeira será realizado na Esplanada do Pedro II

Evento deve reunir cerca de 200 alunos e 50 mestres, professores e graduados do esporte

O V Festival Gicap de Capoeira será realizado no sábado, dia 29, das 9h às 12h, na Esplanada do Theatro Pedro II. O evento, promovido em parceria com a Prefeitura Municipal, deve reunir cerca de 200 alunos e 50 mestres, professores e graduados no esporte, da região de Ribeirão Preto e dos Estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais.

A programação do festival consta de “aulão” e apresentações de puxada de rede e maculelê. Participarão das atividades alunos do projeto Capoeira Cidadã, Cemei João Gilberto Sampaio, Núcleo do Jardim Manoel Pena, Arfusp, escolas Waldorf, Rãndius, Emefs Jarbas Massulo e Elisa Duboc e Academia Malhação e Saúde.

A Secretaria de Esportes vai alojar 40 alunos na Cava do Bosque e fornecer 220 certificados aos participantes do evento. A secretaria de Infra-estrutura e a Cohab colaboram com a iniciativa na montagem do palco e instalação do som. O Daerp cuidará da distribuição de água no local.

Segundo os organizadores, este ano o Festival Gicap de Capoeira tem patrocínio da Macal Lanches e presta homenagem póstuma ao Mestre Monteiro. Foram confeccionadas 250 camisetas personalizadas, trazendo na estampa uma foto do homenageado.

 

Fonte: Portal Novidade – Hortolândia – http://www.portalnovidade.com.br

Cuiabá: Capoeira entra em cena

Palco Giratório traz espetáculos de todo o Brasil para o Sesc Arsenal, a partir deste final de semana. Teatro, dança e circo, diariamente, até 01/06

Depois de passar por um Curto Circuito de Teatro(últimas peças hoje) Cuiabá entra em um Palco Giratório. Dionísio reina neste calor cuiabano. O SESC vai entrar em ebulição. São espetáculos com grupos de todo o Brasil, durante todo o mês de maio.

Integram a programação oficinas, debates e, claro, muito teatro. O Festival Palco Giratório é um dos maiores festivais de artes cênicas circulando o país, senão o maior.

Máscaras, bonecos, figurinos, cenários, imaginários compartilhados e construídos e reconstruídos pela cultura. Que privilégio uma cidade que depois de esbaldar em um mês de teatro local recebe os grupos nacionais e continua a interagir com atores e platéias em um palco cotidiano.

O Festival Palco Giratório está de volta a Cuiabá com espetáculos fundamentados na pesquisa como base de criação e desenvolvimento e primam por trabalhar a educação dos sentidos para a formação de público. Durante este mês, Cuiabá sedia pelo segundo ano consecutivo, o Festival. De 03/05 a 01/06, serão exibidos, diariamente, espetáculos de teatro, dança e circo, de vários estados do País e de produções locais.

Quem começa girando é o Besouro Cordão-de-Ouro (RJ) um espetáculo que faz homenagem a Manuel Henrique Pereira(1897-1924), o Besouro Cordão-de-Ouro ou o Besouro-Mangangá, tido como o maior capoeirista de todos os tempos da Bahia. Suas histórias são contadas por outros mestres capoeiristas conhecidos, como Canjiquinha, Bimba(criador da capoeira Regional), Barroquinha, Caiçara, Budião, Rosa Palmeirão, Dora das Sete Portas e Pastinha(líder da capoieira Angola).

O palco se transforma numa grande roda de capoeira com atabaques, berimbaus, pandeiros e caxixis. Caixotes de madeira, painéis com as letras das músicas do espetáculo e balaios espalhados pelo chão compõem o cenário e aproximam o ambiente dos personagens da platéia. O elenco, todo composto de atores negros, contou com dois grandes mestres da capoeira para a preparação corporal, Mestre Casquinha e Mestre Camisa.

O espetáculo mostra a trajetória, filosofia, prática e música do mestre Besouro, fazendo um paralelo com a história do Brasil suas raízes culturais. Besouro, nascido em Santo Amaro da Purificação, deixou seu nome gravado nas rodas de capoeira. Metido em política, ele impunha respeito naquele princípio de século XX, na Bahia. Além de capoeirista, Besouro também tocava violão e compunha sambas-de-roda.

Besouro inspirou a música Lapinha, de Baden Powell e Paulo César Pinheiro, vencedora do Festival de Música da TV Record, na voz da cantora Elis Regina. Serviu de fonte também para um dos capítulos do livro Mar Morto, de Jorge Amado, e para o filme Besouro capoeirista, com o ator baiano Mário Gusmão. O curioso é que a mesma coragem e valentia lembradas nas canções, que o transformaram num herói, fizeram com que, em vida, tivesse fama de arruaceiro e fosse perseguido pela polícia em inúmeras ocasiões. E pensar que tudo isso foi feito antes de ele completar 30 anos.

Em um texto do Luciano Milani, baseado em uma matéria publicada no Correio da Bahia, temos a descrição do Besouro lendário: “Até hoje, sua personalidade permanece envolta em mistério, fortalecendo ainda mais o mito em torno de seu nome. Sua certidão de nascimento nunca foi encontrada, nem documentos de identidade. Também não há qualquer imagem – seja fotografia ou pintura – dele. Besouro não deixou filhos conhecidos, nem mulher, nenhum grande amor que tenha ouvido suas confidências naquelas noites antigas. Seus amigos já partiram deste mundo. Sua única irmã viva não chegou a conhecê-lo: temia o próprio irmão”. Sua existência foi “comprovada” há pouco tempo através de dois documentos encontrados no Arquivo Público da Bahia, em Salvador, e no de Santo Amaro. Neste último, Besouro é acusado por um crime cometido na Fazenda Rio Fundo, onde ele vivia como empregado de um poderoso proprietário da região.

Também passarão pelos palcos do SESC Arsenal os espetáculos: Adubo (DF), neste domingo e mais: Das Saborosas Aventuras de Dom Quixote de La Mancha e seu Escudeiro Sancho Pança (GO), Tempo (MT), Amor e Loucura (BA), Desutilidade Poética (MT), Miniteatro Ecológico – Caatinga (MG), A Gaivota (Alguns Rascunhos) (PB), Circo Minimal (RS), Larvárias (RS), O Porco (SP), O Pupilo Quer Ser Tutor (SC), Siriri e Cururu (MT), O Sapato do Meu Tio (BA), Ópera Dance (MT), Circo Teatro Artetude (DF), The Carnival (MT), Casa de Ferro (BA), Curta Curva do Rio (MT), Senhora dos Afogados (MT), As 04 Chaves (SP), Saudades em Terra/Água (RJ), Quebra-Cabeça, A Lenda do Minhocão do Pari (MT), O Reencontro de Palhaços na Rua é a Alegria do Sol com a Lua (AL), Sambalelê (MT), Brevidades (SP).

O projeto Palco Giratório foi criado pelo Departamento Nacional do Sesc, desde 1998, com o objetivo de difundir e descentralizar as artes cênicas no Brasil. A iniciativa se transformou em uma das ações culturais mais importantes do país, pois através do projeto a população pode ter acesso às produções teatrais de qualidade. Com uma programação múltipla, diversos espetáculos circulam pelas capitais e cidades do interior, viabilizando a troca de experiências entre grupos de teatro de todo o Brasil.

Fonte: Diário de Cuiabá: http://www.diariodecuiaba.com.br/detalhe.php?cod=315896

Sesc Senac Iracema: Espetáculo Besouro Cordão-de-ouro

O palco vai se transformar numa grande roda de capoeira com atabaques, berimbaus, pandeiros e caxixis, para ilustrar a vida de Besouro Cordão-de-Ouro, o Exu Kerekekê dos candomblés baianos. O espetáculo teatral Besouro Cordão de Ouro será apresentado nesta terça, 15, dentro da programação do Festival Palco Giratório. Com texto, músicas e letras inéditos de Paulo César Pinheiro, direção geral de João das Neves e direção musical de Luciana Rabello, o espetáculo fala sobre Manoel Henrique Pereira, o Besouro Cordão de Ouro, um lendário capoeirista da região de Santo Amaro, na Bahia.

No musical, diversas histórias envolvendo alguns dos feitos extraordinários atribuídos a ele são contadas por outros capoeirista. O elenco é formado apenas por atores negros, escolhidos em workshops do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro. O grupo contou com a coordenação e preparação corporal dos mestres Casquinha e Camisa.

Besouro, nascido em Santo Amaro da Purificação, deixou seu nome gravado nas rodas de capoeira por esse Brasil inteiro. Homem conhecedor de política, impunha respeito e temor aos poderosos daquele princípio de século XX na velha Bahia. Sua vida virou lenda. Além de capoeirista, também tocava violão e compunha sambas-de-roda e chulas.

SERVIÇO

Espetáculo Besouro Cordão-de-ouro hoje, 15, às 20 horas, no Sesc Senac Iracema (rua Boris, 90C – Praia de Iracema). Ingressos: R$ 6 e R$ 3. Informações: 3452 1242.

Aconteceu: Mestre Nininho e o Grupo “Agbara” participam de Feira Tradicional na Região do Algarve

Feira de Setembro com mais animação
Autarquia São-Brasense deu Festa à Feira
Com a Feira de Setembro, São Brás de Alportel dá continuidade ao espírito festivo do mês de Agosto. Artesanato, doçaria, folclore e animação marcaram os ritmos da despedida do Verão, em mais um dia recheado de surpresas e boa disposição. 
 
No primeiro domingo do mês, 2 de Setembro, as ruas circundantes ao Mercado Municipal encheram-se de vendedores de todo o Algarve. Os produtos serranos, como o mel, os figos secos, as amêndoas foram os convidados especiais, não faltando a saborosa doçaria e o artesanato tradicional, num encontro para relembrar o passado em dias de presente.
 
Empenhada em valorizar as tradições culturais, a Câmara Municipal de São Brás de Alportel, tem procurado dinamizar esta Feira Tradicional, mediante a criação de um espaço dedicado aos produtos e produtores locais, e a aposta num programa de animação, que constituem novos atractivos de uma Feira, cuja história se perde na memória das gerações.
 
Assim o visitante pôde aliar as habituais compras, à diversão, desfrutando de uma tarde repleta de animação musical, com a participação do Rancho Típico Sambrasense, o Grupo de Capoeira Agbara, e a actuação do conhecido artista “Gil Rosa”, acompanhado pelas suas bailarinas.
 
Os sons tradicionais do folclore deram início a esta tarde de festa, com o Rancho Típico Sambrasense, um grupo que dedicado a preservar as tradições do barrocal e da Serra algarvia, com um repertório de corridinhos e animados bailes de roda.
 
Da cultura tradicional, para as culturas de outras terras. Do folclore para a capoeira, no palco prossegue a festa, com um espectáculo de dança pelo Grupo “Agbara”, que conjuga a luta, a dança, o desporto e a música numa só actividade – capoeira.
 
O grupo, formado por jovens desportistas, fará diversas demonstrações de capoeira, dando a conhecer alguns aspectos culturais da modalidade, como o Maculele e a Capoeira Regional. Enquanto que o maculele consiste num tipo de dança rítmica, bastante movimentada, que recorre à utilização de grimas na sua execução; a dança regional é constituída por movimentos acrobáticos, ao som dos instrumentos típicos da cultura brasileira, como o berimbau, o pandeiro ou o “atabaque”.
 
Culminado em animação, o palco deu lugar à música popular, com o conhecido artista Gil Rosa e suas bailarinas, num espectáculo pleno de alegria e boa disposição , que promete contagiou o público, e o convidou a um pezinho de dança!
 
 
 Jornal Regional – Portugal – Porto – http://www.jornalregional.com

Limoeiro do Norte: III Encontro Mestres do Mundo

O III Encontro Mestres do Mundo tem início hoje até 2 de setembro, em Limoeiro do Norte
 
As artes do Sagrado, corpo, oralidade, mãos e sons terão ressonância a partir de hoje, quando diferentes culturas e saberes se reunirão mais uma vez para entender, discutir, e – porque não? -revisar conceitos como sobre o que seja “cultura popular”. É quando pede passagem o III Encontro Internacional Mestres do Mundo, de hoje a 2 de setembro, com debates e espetáculos culturais em diversos espaços públicos de Limoeiro do Norte. Mestres da Cultura Popular, intelectuais acadêmicos e populares num mesmo liquidificador. O coquetel de saberes tempera-se, a cada ano, como um dos maiores eventos culturais do Estado.
 
Polêmicas sobre mestres da cultura à parte, o fato é que em toda edição do Encontro todo candidato a mestre da cultura quer estar. Primeiro porque, se for, é sinal de que foi já escolhido mestre, ou, no mínimo, estará em evidência, não só midiática como aos olheiros despretensiosos da comissão que elege os mestres todos os anos. Mas a importância do evento vai além, segue à risca o significado etimológico/antropológico da palavra “encontro”. A exceção fica para o ano passado, quando o “racha” do evento entre Limoeiro do Norte e Russas, dada por membros da produção como “interferência política”, amornou o caldeirão de cultura popular e resultou num verdadeiro “desencontro” dos mestres.
 
Um ano depois, tudo volta a acontecer somente em Limoeiro do Norte. A cidade está pronta, estandes estilizados de taipa receberão as louças de barro da Mestre Lúcia Pequeno, as sandálias de couro de Expedito Seleiro (finalmente com a patente de Mestre), e até os remédios naturais de dona Odete, de Canindé. Os palcos, tablados e mesas redondas estão armados, prontos para quem quer beber cultura sem qualquer moderação. Para dar o tempero “internacional” do evento, a ‘pluri-instrumentalidade’ musical da Tuna Universitária de Madri, Espanha, e a cantora Isa Pereira, de Cabo Verde, que já é figura carimbada de outros eventos patrocinados pelo Ministério da Cultura no País. Entre o Palco Mestre e Palco dos Brincantes, uma apresentação logo após a outra.
 
E a melhor roda já inventada pelo homem – a roda do conhecimento – traz temas como identidades indígena e negra, ciganas, a luta dos movimentos sociais e o futuro das políticas públicas do País – em tempo. Nos debates, tem do antropólogo e estudioso do índio Max Maranhão ao “ser índio” por si próprio, de Luís Caboclo, pajé da Etnia Tremembé. Nas apresentações, grupos culturais de diversas regiões do Estado e representações além-Nordeste, como o “da senzala aos palcos” – famoso Jongo da Serrinha, do Rio de Janeiro -, e o Boi-Bumbá de Belém, Pará. E dá até para imaginar o tamanho da ciranda de roda do meio da praça José Osterne quando o cantor Messias Holanda entoar suas inconfundíveis perólas, como “eu quero me trepar no pé de coco…”. A primeira-dama do samba, a carioca Ivone Lara, também marcará presença.
 
Badalar do sino
 
A programação desta terça começa à noite com o tradicional cortejo dos mestres concentrados na Faculdade de Filosofia Dom Aureliano Matos até o largo da igreja Matriz, esta que chamará a comunidade para a festa da forma mais original – bater dos sinos pelo mestre Getúlio Colares, sineiro de Canindé. No palco principal, a irreverência musical do grupo pernambucano Cordel do Fogo Encantado, comemorando dez anos de estrada. O último dia, domingo, será fechado com ninguém menos que Antônio Nóbrega. Pelas bandas de Limoeiro, os recantos e praças deverão estar abarrotados de gente. Se igual aos eventos anteriores, com tranqüilidade e muita alegria.
 
Serviço:
III Encontro Mestres do Mundo, de hoje até 2 de setembro, em Limoeiro do Norte. Informações: (88) 3423-3120 e (85)3246-9176.