Blog

paulista

Vendo Artigos etiquetados em: paulista

Brasileiros revelam como é viver no Havaí e mostram suas atividades

Brasileiros revelam como é viver no Havaí e mostram suas atividades

O que dizer da batucada no Havaí? São alunos de capoeira do paulista Leonardo Naito, que vive no Havaí há 15 anos.

Bem vindos a Waikiki! Conhecida no mundo todo, a praia de Honolulu é também a mais moderna, elegante e cosmopolita do Havaí.

Com mar calmo, hotéis de luxo e inúmeras lojas de grife, Waikiki é sonho de consumo para turistas do mundo todo.

Especialmente os japoneses que estão quase à mesma distância do arquipélago que os americanos do continente.

O que é a bandeira do Brasil está fazendo na areia da praia? A canga foi comprada no Brasil, mas os amigos Maitê e Enos são espanhóis.

E o que dizer, então, da batucada? Agora sim estamos falando português. Mas, entre tantos brasileiros, tem americano no samba.

São alunos de capoeira do paulista Leonardo Naito, que vive no Havaí há 15 anos. Todo fim de semana, chova ou faça sol, o grupo se reúne para treinar.

Edward, o periquito, começou a fazer capoeira a convite de um amigo. Shalina buscava uma atividade para aliviar o estresse das provas da faculdade. Os dois se apaixonaram. E não foi só pela capoeira. Durante os treinos, o casal se reveza para cuidar do filhinho de 11 meses.

Hoje, Leonardo está casado com Patrícia, que nasceu nas Filipinas. E quem vê não imagina. Uma das maiores dificuldades que ela teve na capoeira foi vencer a timidez.

Para Leonardo, mais do que deixar os alunos em forma, a capoeira serve para ensinar um novo estilo de vida.

Uma vez por semana, a rádio estatal do Havaí abre espaço para a música popular brasileira.

Apesar do jeitão e do português perfeito, Sandy não é brasileira. É havaiana. A paixão pelo Brasil começou na infância quando ela ouviu pela primeira vez a música garota de Ipanema.

Depois da faculdade, Sandy foi adiante. Morou três anos no Brasil, quando se casou com o ritmista Carlinhos Pandeiro de Ouro e chegou a cantar nas noites do Rio de Janeiro.

Sandy retornou aos Estados Unidos e não voltou mais a pisar em solo brasileiro. Mas nunca mais perdeu os laços com o Brasil e a paixão pela nossa cultura.

 

Fonte: http://g1.globo.com/

Mestres de capoeira de Cubatão são nomeados Diretores Regionais pela Federação Paulista

A cerimônia ocorreu no dia 30 de maio, na Câmara Municipal de Osasco

No último domingo, 30 de maio, na Câmara Municipal de Osasco, em São Paulo, os senhores Fábio de Oliveira Reis (Mestre Cabrito) e Marivaldo Souza Santos (Professor Coelho), ambos do Grupo de Capoeira Meninos Guerreiros de Cubatão foram nomeados Diretores Regionais, sendo reconhecidos oficialmente como representantes legais da Federação Paulista de Capoeira, no Município.

As nomeações foram frutos do reconhecimento do trabalho realizado por ambos, há mais de 20 anos, em prol da capoeira no Município. Na promoção de cursos, eventos culturais e esportivos, que difundiram a modalidade na Cidade. No evento, além das nomeações, houve o encontro de líderes de capoeira do Estado de São Paulo e as homenagens aos mestres e profissionais do Projeto São Paulo é uma Escola.

Participaram da cerimônia Osvaldo Verginio (Presidente da Câmara Municipal de Osasco), Mestre Carlão (Presidente do Projeto SAPOS), Mestre Valdenor (Presidente da Confederação Internacional de Capoeira – CIC), Mestre Marcial (Presidente da Federação Brasileira de Capoeira – FBC), Professor e Mestre Ronaldo Rogério de Oliveira Souza (Presidente da Federação Paulista de Capoeira – FPC) e do Professor e Mestre João Moreira (Vice-presidente da Federação Paulista de Capoeira – FPC).

Fonte: http://www.cubatao.sp.gov.br/

Capoeiristas do Meninos Guerreiros conquistam muitas medalhas em Ribeirão Pires

O Grupo de Capoeira Meninos Guerreiros representou Cubatão na Copa Ribeirão Pires de Capoeira 2ª Taça SEJEL, realizada no domingo, dia 16 na sede do Ribeirão Pires Futebol Clube. Sob a supervisão da Federação Paulista de Capoeira, o campeonato contou com a participação de 18 grupos de capoeira de várias regiões do Estado.

Sob o comando técnico de Fábio Reis, o mestre Cabrito, e do assistente técnico Edilson Irmão (o mestre Capoeira), contando com 15 atletas, a equipe cubatense conseguiu os seguintes resultados: Sara Pereira de Souza (Pitoco), medalha de bronze na Categoria Juvenil Feminino Médio; Daira Batista da Silva Lima (Empadinha), medalha de prata na Categoria Juvenil Feminino Meio Pesado; Denis Pereira da Silva Categoria, medalha de ouro no Juvenil Masculino Super Pesado; Mayara de Oliveira, medalha de ouro na Categoria Adulto Feminino Leve; Jamile Teles da Silva (Diny), medalha de prata na Categoria Adulto Feminino; Joselito José da Silva (Cicatriz), medalha de bronze na Categoria Adulto Masculino Super Pesado.

Também participaram da competição, mas não conseguiram ficar entre os três primeiros os seguintes atletas: Ruan Rodrigues da Silva, Danilo Lima de Freitas, Carlos Eduardo Soares de Azevedo (Morceguinho), José Roberto da Silva (Pintado), Irlei Aguiar Lima (Cm Amaral), Leandro de Souza Santos (Neguinho), Marivaldo Souza Matos (Profº Coelho), Bruna Silva Dutra, José Francisco da Silva (Guaxinim).

Na disputa por equipes o Grupo de Capoeira Meninos Guerreiros ficou em 5º lugar, com 22 pontos. Classificação Geral 5º Lugar com 22 Pontos. Mestre Cabrito informa ainda que de acordo com estes resultados a equipe já está se preparando para mais um desafio que será no dia 18 de Julho na cidade de Santo André, em mais campeonato realizado pela Federação Paulista de Capoeira. “Todas as copas são classificatórias para o Campeonato Paulista que acontecerá no final do ano em São Paulo”, informou o técnico.

Agradecimento – Mestre Cabrito destacou o valor dos resultados, por ter sido a primeira participação da equipe cubatense na competição organizada pela Federação Paulista da modalidade, que tem primado pelo alto nível dos atletas. “Contamos com o apoio da Prefeitura de Cubatão, através da SEMES, que nos cedeu os agasalhos de frio e da SEMAS, que cedeu o veiculo para transporte dos atletas”, agradeceu o técnico.

Texto: Lula Terras – MTb. 13.553
20100517 – Semes – Meninos Guerreiros no Paulista de Capoeira

http://www.cubatao.sp.gov.br/

Mestre Pinatti 80 Voltas ao Mundo

O internacionalmente conhecido Mestre Djamir Pinatti, um dos veteranos da capoeira paulistana, irá comemorar no próximo dia 13 de abril sua 80ª Volta do Mundo.
A roda-festa terá lugar no Terreiro de São Bento Pequeno. Sua roda de aniversário já se tornou tradição na cidade.
A cada ano que passa mestre Pinatti faz questão de jogar com um número maior de convidados. Neste ano, por completar 80 anos de vida, Pinatti irá realizar 80 jogos ininterruptos, sendo alguns na base da malandragem, outros na base do jogo mesmo.

Luciano Milani


Caro amigo Milani, quero lembra-lo que faço em 13/04, terça feira, a noite, com inicio as 19 horas, uma grande roda, para comemorar meus 80 anos, e quando jogarei com 80 convidados, como é já tradicional na minha Academia, sita a rua Vergueiro, 2684, metrô Ana Rosa. Gostaria que voce colocasse no seu famoso PORTAL. Por outro lado aproveito o ensejo para lhe desejar muita saude e muito sucesso nesse seu trabalho incessante pela nossa CAPOEIRA.!!! Pinatti

 

Pinatti, Capoeira Paulista… Sim Senhor!!!

Mestre Pinatti, que no próximo mes irá completar oitenta anos de “estrada” e cerca de meio século de Capoeira.

Pinatti, Nasceu em Orlândia, interior de Sâo Paulo, em 13 de abril de 1930.

Em meados de 1948 foi jogador de futebol semi-profissional jogando como meio campo em várias equipes da zona sul da capital de São Paulo, destacando-se o Estrêla da Saúde.

Entre os anos 50 e 60, foi fisiculturista (halterofilismo) no auge dessa modalidade. Nesta mesma época chegou a faixa prêta de Karatê, estilo Shotokan, integurando a primeira turma de Mestres formados da América Latina.

A partir de de 1962, motivado pela obra de Lamartine Pereira da Costa, em um livro sobre a prática da Capoeira, iniciou-se nessa arte. Fruto da nova paixão esportiva, cultural e marcial, foi um dos criadores da ACADEMIA DE CAPOEIRA REGIONAL DE ELITE DE SÃO PAULO.

Conta ainda em seu histórico o fato de ter fundado e presidido a FEDERAÇÃO PAULISTA DE CAPOEIRA nos anos 70, realizando e participando de diversos campeonatos estaduais e brasileiros. Citado em várias obras sobre capoeira, além de inúmeras revistas do gênero. Por ser um dos nomes mais respeitados da modalidade, é constantemente chamado para homenagens e participações em eventos da capoeira em todo o Brasil e exterior.

Em 1969 fundou a ASSOCIAÇÃO DE CAPOEIRA SÃO BENTO PEQUENO juntamente com Mestre Limão, evidenciando o estilo de jogo CAPOEIRA ANGOLINHA, eclético entre os estilos Regional e Angola.

Até hoje por sua sua academia, Mestre Pinatti já formou mais de 180 alunos, por sete gerações, que encontram-se espalhados pelo Brasil e exterior.

Read More

Homenagem: O céu esta mais cheio de Luz!

O céu esta mais cheio de Luz!
(por Robson de Almeida, formado Leopardo)
Cheguei as 5h da manhã. Estava fotografando uma festa de Debutante, na Faria Lima, em SP.

O cansaço me consumia e em pouquíssimos minutos já estava em um sono profundo.

As 11h24 acordo com o toque do meu celular. Assustado, olhei no visor e vi que era uma ligação da Marinheira, grande amiga e irmã de capoeira.

Há aproximadamente dez dias o Mestre Carapau, meu primeiro Mestre de Capoeira, a quem devo boa parte da minha jornada como praticante desta arte, teve um agravamento muito forte de sua saúde. Afligido pela Diabetes e com os dois rins sem funcionar, além de diversas outras enfermidades e circunstâncias adversas, o Mestre Carapau foi internado e entrou em coma. Passados alguns dias ele saiu do coma por si só, porém teve que ser induzido novamente para que pudesse dar continuidade ao tratamento necessário.

Mediante a situação em que se encontrava, os temores de uma notícia pior começaram a rondar a todos. Uma onda de fé e energia positiva tomou conta daqueles que o conheciam, mas não se pode negar que um sinal de alerta passou a rondar nossas vidas.

Enfim, foi hoje, ao receber o telefonema da Marinheira, que soube da triste notícia. Mestre Carapau partira, por conta de uma parada cardíaca e de morte cerebral.

Nosso Mestre Maior, “um grande capoeira”, se foi na madrugada do dia 12 para o dia 13 de março de 2010.

José Paulo Dias Carapau, Mestre Carapau como era conhecido, nasceu em 12 de fevereiro de 1948, só sendo registrado no mesmo dia de 1951, na cidade de Porto Ferreira, SP.

Iniciou sua vida nos esportes com seis anos de idade, treinando Judô, arte na qual seguiu até a faixa preta, segundo dan, e leciou no período de 1965 a 1970. Um aluno de Judô, o “baianinho”, capoeirista discipulo do mestre Traíra, o apresentou a capoeira, e foi ai que tudo começou.

Mestre Carapau iniciou suas aulas de capoeira com Antônio Gonçalves de Mello, o Mestre Mello, em Porto Ferreira mesmo, e foi lá que treinou, ajudou o Mestre Mello a dar aulas, se formou e, em 5 de abril de 1975 fundou o Grupo de Capoeira Angolinha.

Em 28 de fevereiro de 1980, o Mestre Carapau fundou a Academia Sindicato dos Eletricitários, em São Paulo.

Mestre Carapau foi um dos precursores da Capoeira no ABC Paulista. Foi secretário e Presidente do Conselho Fiscal da Federação Paulista de Capoeira. Criou normas, regulou campeonatos, festivais e representou a capoeira paulista, assim como a do Grupo Angolinha de Capoeira, em diversas oportunidades, sempre com vigor, astúcia e determinação.

Mestre Carapau é um daqueles homens que não mediu esforços para ver um sonho de honestidade e honra ser realizado. Muitas vezes tirou da própria família para ajudar irmãos de capoeira. Em outras foi duro, rígido, porém consciente de que aquele era o caminho necessário para que o respeito fosse a pedra fundamental de um sonho que nasceu com seu Mestre, o Mestre Mello, mas que se tornou sua luta, seu objetivo de vida.

Mestre Carapau é um daqueles homens que merecem ter ladainhos contando suas paripécias, ter homenagens em títulos de eventos, ter seu nome resguardado como tantos já passados pela história dessa arte libertadora.

Mestre Carapau é como um ícone na Capoeira. Triste daquele que não sabe de sua idônea história. Feliz daquele que teve o prazer de conhecer um homem de tamanha luz, um verdadeiro guerreiro.

A comunidade capoeira, em especial o Grupo Angolinha e principalmente a Assossiação de Capoeira Angolinha – Rudge Ramos, chora sua ida, porém tem o orgulho de dizer que em nossa luta houve um guerreiro de tamanha sabedoria e coragem, um homem-mito, que fez história e agora será uma lenda.

Salve Mestre Carapau. Que em sua nova morada o senhor tenha a oportunidade de rever e reviver momentos memoráveis de sua vida, encontrar certos “mandioquinhas” e proliferar seus “ditos pirulitus”.

“Eu até chorei, quando vieram me avisar…..”

Fonte: http://cidadaoeu.blogspot.com/2010/03/obrigado-mestre.html

Nota de Falecimento: Mestre Carapau

Salve camaradas,

É com muita tristeza que venho comunicar o falecimento do Sr. José Paulo Dias Carapau, o Mestre Carapau que nasceu na cidade de Porto Ferreira SP, em 12 de fevereiro 1948.

Faixa-preta de judô , iniciou na capoeira na década de 60 com o Mestre Mello (discípulo de Zé de Freitas) e em 1975 fundou o Grupo de Capoeira Angolinha. Seus feitos e legado ficaram na história e ecoarão para sempre na vida das pessoas que o cercaram porque acima de tudo, sempre honrou aquilo que ele pregava. Uma delas era o verdadeiro significado da palavra Mestre.

Todos os formados e discípulos do Grupo Angolinha lhe são gratos por tudo. Obrigado meu Mestre.

Salve capoeira.

O sepultamento ocorrerá na manhã de domingo dia 14 de março de 2010 às 9:00hs , no Cemitério Jardim da Colina em São Bernardo do Campo , SP.

  • Mestre Carapau

José Paulo Dias Carapau, 1948 / +2010, natural de Porto Ferreira – SP.

Professor de Judô durante cinco anos (1965 – 1970). Iniciou a Capoeira em 1968 com seu aluno de Judô, formado pelo Mestre Traíra.

Em 1970, passou a treinar com o Mestre Mello (Antônio Gonçalves de Mello, 1920 / +1990).

Em 1975 fundou o Grupo Angolinha na cidade de Porto Ferreira – SP. Em 1980 fundou a Academia Sindicato dos Eletricitários, onde permaneceu até 1987.

Em 1980, foi o 16º Mestre a assinar o Livro de Ouro da Federação Paulista de capoeira. Foi Secretário Geral da F.P.C. e no seu segundo mandato elegeu-se Presidente do Conselho Fiscal.

Criou o 1º Campeonato Folclórico Mestre Canjiquinha (1982 / 1983) para a F.P.C. e o 1º Campeonato Folclórico do Grupo. Levou o Grupo Angolinha a ser Tri-campeão Paulista deste campeonato em 1985 – 1987, além de ter conquistado vários outros Campeonatos e Festivais dentro e fora da Federação.

Em 1990 criou a Diretoria do Grupo Angolinha. Já em 1998 criou o Conselho Superior de Mestres (os cinco Mestres com maior período em atividade no Grupo).

Em 1985, criou a graduação de Estagiário (azul com a tarja branca) e em 1988, Contra-Mestre (trançado com a tarja branca) e a graduação Mirim.

Implantou o quadro de avaliação técnica, a filosofia, didática de aula, sistema de formatura e as regras do Grupo Angolinha.

Formou, quarenta e três alunos, entre eles: Costinha, Índio, Ouriço, Piedade, Siriema, Chico, Bem te vi, Samongo, Esquina, Travesseiro, Cabelo, Jatobá, Golero, Lampião, Amarelinho, Da Bahia, Raia, Raiz, Pastinha, Macuco, Chevette, Toco, Tico, Magoo, Gatinha, Pancada, Pipoca, Jabuticaba, Jaca, Pernalonga, Fuscão, Cenourinha, Tomate, Colibri, Sabiá, Apache, Curisco, Pele, Moita, Bolinha, Xerife e Angoleiro.

 

Atenciosamente

Mestre Magoo
Presidente do Grupo de Capoeira Angolinha


 

Fonte: http://www.filhosdejahveh.com.br

Capoeira, Pernada & Tiririca na Terra da Garoa

Hoje recebo a confirmação que este grande camarada e parceiro está de viagem marcada para as terras frias do hemisfério norte, com destino a Toronto (Canadá).

Toda a família irá fazer esta jornada em cumplicidade e nosso amigo Miltinho, como grande “paizão” estará acompanhado da companheira Keyla e do filhão Camilo (foto).

Desejamos um ótima estadia e sucesso profissional!!!

Em homenagem a este grande capoeira e amigo escolhemos uma matéria publicada no Jornal do Capoeira escrita pelo próprio Miltinho Astronauta.

Crônica sobre Capoeira, com algumas informações sobre a Pernada de Sorocaba e a Tiririca da capital paulista, ambas uma espécie de “capoeira primitiva” do Estado de São Paulo

Luciano Milani – Fevereiro de 2009

Nota do Editor:

À convite da Tribuna Metropolitana – um jornal quinzenal que circula nas zonas norte e sul da capital – tenho escrito algumas crônicas para uma coluna cujo título é Capoeireiro. O objetivo tem sido o de compartilhar informações e pontos de vistas sobre nossa Capoeira. No mês de Julho de 2005 publicamos uma crônica sob o título “Capoeira, Pernada & Tiririca na Terra da Garoa”. Com o lançamento do Documentário “Pernada em Sorocaba – Ginga Pela Arte…Ginga Pela Sobrevivência”, previsto para ocorrer dia 19 de Novembro de 2005 na Cidade de Sorocaba (SP), achei por bem republicar tal crônica também em nosso Jornal. É o que faço agora.

Capoeiristicamente,

Miltinho Astronauta


CAPOEIREIRO

Capoeira, Pernada & Tiririca na Terra da Garoa
Por Miltinho Astronauta – Julho/2005

Nota da Tribuna Metropolitana

Foi com imensa satisfação que inauguramos esta coluna Capoeireiro. Percebemos que amantes da prática da Capoeira – seja enquanto cultura, seja como esporte ou educação – já estão até colecionando nossas edições quinzenais. A seguir, respondemos algumas questões enviadas à nossa Redação: 1) nosso colunista desenvolve um trabalho de pesquisa do fenômeno da Capoeira em nosso Estado (Interior, Capital e Vale do Paraíba); 2) existe um projeto em andamento para cadastrar os mestres e capoeiras – dos mais antigos aos jovens mestres – das diversas regiões da Capital: Zona Oeste, Zona Leste, Zona Norte, Zona Sul e Centro; 3) interessados em colaborar com este projeto (Coletânea da Capoeira em São Paulo) podem escrever para nossa Redação, ou então enviar e-mail para o nosso Colunista. Como se diz na Capoeira, “vamos dar a Volta ao Mundo, Câmara…”.

Outro dia, recebi uma carta eletrônica (e-mail) muito elogiosa sobre as duas primeiras edições de nossa recém-inaugurada coluna CAPOEIREIRO. Lá pelas tantas, nosso interlocutor perguntou: “Existiu, realmente, Capoeira em São Paulo antes da chegada dos baianos e cariocas na década dos 60?”. De pronto lembrei-me de um corrido do Contra-mestre Pernalonga (Márcio Lourenço de Araújo), que hoje ensina em Bremen, Alemanha. “O meu barco virou / lá no fundo do mar / Se eu não fosse angoleiro / Eu não saia de lá”. Foi exatamente assim que me senti. Ou seja, se não estivesse amparado por documentos, lá estava levando minha rasteira.

De pronto, resolvi então trazer à público uma abordagem interessante que fiz sobre uma forma de “Capoeira a Lá Paulista”. Confesso, estava guardando o texto que ora apresento para um livro que estou escrevendo sobre a Capoeira de São Paulo. Mas para não deixar de “entrar na chamada” de nosso amigo Leitor, vamos então ao fio da meada.

1. CAPOEIRA GANHA O MUNDO

Hoje percebemos que o mundo todo se entregou aos encantos de nossa Capoeira. Ousaria dizer que nenhum esporte e/ou prática cultural levou tanto de um povo à outras nações como é o caso de nossa Capoeira.

Por exemplo, aqui no Brasil, praticamos o Box, o Judô e o Caratê, mas ninguém fala o inglês ou o japonês por conta disso. Dança-se o Balé e o Tango, mas não existem motivos para se especializar em Francês ou Espanhol.

Mas com a Capoeira é diferente. Por conta dela o português falado no Brasil tem sido falado em mais de 150 Paises. É isto mesmo! Segundo a Federação Internacional de Capoeira (FICA), presidida pelo Prof. Dr. Sérgio Vieira, nossa Capoeira já caminha para a segunda centena de paises onde a prática já faz parte do “cardápio” anual de eventos culturais e desportivos.

É até compreensível nosso português sendo falado neste “mundão de Deus”, uma vez que seria muito superficial praticar a Capoeira sem, por exemplo, compreender o real sentido de uma Ladainha, de um Corrido ou de uma Chula.

Ao mesmo tempo em que percebemos nossa Capoeira expandindo-se, dando sua magistral “Volta ao Mundo”, observa-se que mais e mais os praticantes (nacionais e principalmente do estrangeiro) estão buscando conhecer a verdadeira – e mais completa quanto possível – história da Capoeiragem.

2. CAPOEIRA, FOLCLORE & DINÂMICA

Prosa e SambaÉ fato que a Capoeira praticada em nosso Estado de São Paulo é fruto de um trabalho de resistência e divulgação realizado por mestres baianos e cariocas, vindos para cá a partir da década dos 50. Embora, sendo justo registrar que a grande maioria chegou entre meados dos 60 e início dos anos 70.

Em nossa Crônica Inaugural apresentamos o depoimento em livro do Folclorista Alceu Maynard Araújo (1967) atestando que levas de capoeiras foram soltas nas pontas dos trilhos (na cidade de Botucatu, entre 1890 e 1920, supostamente). Pelo depoimento, podemos inferir que Capoeiras (vindos da Capoeira Carioca) já perambulavam por nosso Estado, no final do século XIX e início do século XX.

Por falar em Capoeira Carioca, todo bom estudioso da cultura popular sabe que as manifestações raramente ocorrem em regiões de forma isolada geográfica e temporalmente. Tanto é que Mestre Edison Carneiro (excelente folclorista!) fez questão de deixar bem claro no título de um de seus livros (Dinâmica do Folclore), que tudo acontece dinamicamente. Em alguns casos manifestações se fundem, resultando em novas manifestações. Por exemplo, com a proibição da Capoeira em Pernambuco, aliado a questões político-social da época, resultou-se nosso Frevo! O bom capoeira sabe perceber que a “malícia” do bom “frevista” está ligado à ginga de um bom Capoeira. E é isto que eram no passado: capoeiras. No Rio de Janeiro, a perseguição à capoeiragem (que, funcional e socialmente não é o mesmo que capoeira) resultou na Pernada Carioca. Digamos que era a Capoeira que não se chamava Capoeira, mas que tinha a eficiência da mesma, tanto enquanto luta, como também como lazer.

3. PERNADA, TIRIRICA & CAPOEIRA PAULISTA

Em São Paulo também tivemos nossa “Capoeira primitiva”. Recentemente o historiador Carlos Carvalho Cavalheiro e o capoeira-pesquisador Joelson Ferreira têm se dedicado a estudar a Pernada de Sorocaba (interior paulista). Na essência, essa forma de manifestação tem todos os ingredientes básicos de nossa Capoeira: cantos (corridos e desafios); negaças; golpes desequilibrastes (rasteira!) etc. Em breve teremos um excelente documentário sobre o assunto. Aguardem.

Além da Pernada de Sorocaba, na Capital Paulista, tivemos também uma outra “espécie de capoeira”: a TIRIRICA. Aparentemente, tudo indica que, com a repressão de algumas manifestações (ai inclui-se a Capoeira, o Batuque e até mesmo a Religião Candomblé), o povo era obrigado a mascarar suas práticas, mudando formas de execução e nome de tais práticas.

A Tiririca Paulista era um misto de Capoeira com Samba. Era, então, uma capoeira com ritmo (diferente da Capoeira Utilitária do Paulista-Carioca Mestre Sinhozinho – Agenor Sampaio), mas sem a presença do Berimbau. Tinha canto de pergunta e resposta, e “jogava-se” ou “lutava-se ludicamente” em Roda.

Sobre esta “espécie de capoeira” (assim se referiam a ela os “mais antigos” da Terra da Garoa) temos alguns depoimentos relevantes gravados no Centro de Estudos Rurais (CERU) e Museu da Imagem e Som (MIS), ambos da Universidade de São Paulo (USP). Em São Paulo podemos encontrar ainda alguns praticantes remanescentes ou contemporâneos de praticantes, que acompanharam a TIRIRICA em seu auge (décadas dos 30 aos 50). Para dar uma dica, para quem estiver interessado em saber sobre a Tiririca, os bons nomes são Oswaldinho da Cuíca, Toniquinho Batuqueiro e Seu Nenê da Vila Matilde.

O Próprio Mestre Ananias – renomado mestre da capoeira angola baiana – que chegou pela capital entre 1950 e 1960, vivenciou alguns momentos da Tiririca pelas bandas do Brás; Largo da Banana, ou mesmo pelas Praças da Sé e da República (reduto de muitos sambistas, tiririqueiros e capoeiras). Mestre Ananias é grande conhecedor de Samba de Raiz e de Capoeira. Eu arriscaria dizer que uma das cantigas que só ouvi mestre Ananias cantando (É tumba, menino é tumba…) pode ter sido “colhida” durante sua vivência com alguns praticantes da Tiririca. Faço tal suposição baseado em um documentário de Mestre Geraldo Filme (também cantador de Samba, e que conviveu com exímios jogadores de Tiririca), que em depoimento para o MIS, lá pelas tantas, soltou a letra da música que comento acima:

 

“É tumba, menino é tumba

É tumba pra derrubá

Tiririca faca de ponta

Capoeira quer me pega

Dona Rita do Tabulêro

Quem derrubou meu companheiro

Abra a roda minha gente

Que o Batuque é diferente

(coro)

Abra a roda minha gente

Que o Batuque é diferente”

Será que a origem é a mesma (Rodas de Tiririca)?


Miltinho Astronauta dedica-se, de forma independente, ao projeto “Coletânea da Capoeira em São Paulo”. O projeto conta com a colaboração de alguns pesquisadores, dentre eles Raphael Pereira Moreno e Carlos Carvalho Cavalheiro. Para obter mais informações, acesse o Jornal do Capoeira (on line) www.capoeira.jex.com.br ou escreva para miltinho_astronauta@yahoo.com.br. A foto de Mestre Ananias é de Autoria de Adilene Cavalheiro.

Jornal do Capoeira – www.capoeira.jex.com.br

 

Capoeira Ginga Brasilia “Aprendendo mais pela Paz”

Festa de Encerramento do Ano de 2009

Na oportunidade estamos contando com a presença do Mestre Cafuné, aluno do Mestre Bimba.
Como já é do conhecimento de uma boa parte dos capoeiristas,

os trabalhos realizados por mim, tem como objetivo ampliar os conhecimentos, desmestificar alguns pontos na capoeira e organizar, para que esta arte se mantenha no seu maior estado de pureza possível.

PROGRAMAÇÃO

• 9:00h às 13:00h – aulas de toques de berimbau (trazer o seu berimbau) – sequências, movimentos desequilibrantes e balões

• 13:00h às 14:00h – almoço

• 14:00 às 17:00h – roda, batizado e troca de cordões

Mestre Brasilia

Antônio Cardoso Andrade, Mestre Brasília, nascido em 29-05-1942, é também um dos pioneiros da Capoeira paulista. Aprendeu com mestre Canjiquinha, de quem foi discípulo e amigo dedicado.

Veio para São Paulo, gostou, acabou ficando. Praticava capoeira na antiga CMTC, com mestre Melo, e na academia do mestre Zé de Freitas, no Brás. Conheceu então mestre Suassuna, e juntos fundaram uma academia, a “Cordão de Ouro”, que viria a se tornar no pólo principal da Capoeira paulista.

 

Joga com extrema elegância e habilidade.

 

Local

Local: Escola Vera Cruz
Endereço: Rua Baumann, 73 – Vila Leopoldina
Data: 20/12/2009 – Domingo
Telefone: 9395-3907.

Investimento

Valor: R$ 30,00 para depósito até dia 15/12
banco Itaú – Ag: 0185 – c/corrente:14193-4 – Antonio Cardoso Andrade
R$ 50,00 no dia 20/12.

São Paulo: Evento promove Festival de Capoeira

SÃO PAULO – O Clube Escola Ibirapuera, na capital paulista, vai receber no domingo a terceira edição do Festival de Capoeira dos Jogos da Cidade. O evento reunirá 22 subprefeituras, com 20 participantes cada uma, de acordo com informações do site da Prefeitura de São Paulo. Os jogos de capoeira terão duração de 15 minutos e, nessa edição, vão ser aceitos participantes menores de 16 anos, já que a modalidade é bastante difundida entre crianças e adolescentes e não é considerada de risco.

Haverá avaliação de árbitros da Federação Paulista de Capoeira e premiação, no fim do dia, para os três primeiros colocados.

Mais informações sobre os horários de participação de cada equipe podem ser obtidas no site.

 

Jogos da Cidade de São Paulo

A maior competição esportiva amadora do país e uma das maiores do mundo. As 31 subprefeituras de São Paulo mantêm-se unidas e empenhadas durante o ano todo na disputa de várias modalidades esportivas e também de festivais, sempre em busca da posição de campeã municipal, um título que, na realidade, representa muito mais do que a soberania esportiva: demonstra a capacidade de trabalho em equipe, o espírito de união por um ideal e a determinação das comunidades locais em busca da vitória, fatores indispensáveis, especialmente na prática esportiva.

Visite: http://www.jogosdacidade.prefeitura.sp.gov.br/

 

Aniversário de Mestre Brasília, 67 voltas ao mundo e muita capoeira…

Antônio Cardoso Andrade, Mestre Brasília, nascido em 29-05-1942, é também um dos pioneiros da Capoeira paulista. Aprendeu com mestre Canjiquinha, de quem foi discípulo e amigo dedicado.

Veio para São Paulo, gostou, acabou ficando. Praticava capoeira na antiga CMTC, com mestre Melo, e na academia do mestre Zé de Freitas, no Brás. Conheceu então mestre Suassuna, e juntos fundaram uma academia, a “Cordão de Ouro”, que viria a se tornar no pólo principal da Capoeira paulista. Joga com extrema elegância e habilidade.

Atualmente, Mestre Brasilia está ministrando suas aulas no Galpão do Circo, R. Girassol, 323, Vila Madalena, SP. É vice-presidente cultural da Federação de Capoeira do Estado de São Paulo, entidade filiada à Confederação Brasileira de Capoeira e à Federação Internacional de Capoeira; atualmente, é presidente do Conselho Superior de Mestres – seção São Paulo.

O Portal Capoeira presta esta singela homenagem a um dos precursores da capoeira em São Paulo e deseja muita paz, saúde e muita capoeiragem para este grande mestre!!!

Fica aqui também um abraço especial pois gostaria de deixar registrado o quanto é importante para mim ter tido em meu batizado… + – 1988/89 na Escola Paulista de Medicina em SP, sob a organização dos Mestres Flavinho Tucano e Dal, CDO a presença ilustre de Mestre Brasilia, por quem tive a honra de ser batizado… ainda lembro como se fosse hoje: Terno branco… sapato branco… chapeu branco… a elegancia e o bom gosto de um grande mestre…

Felicidades Mestre Brasilia!!!

Homenagem Portal Capoeira
Luciano Milani
Portal Capoeira