Blog

pedofilia

Vendo Artigos etiquetados em: pedofilia

Professor de crianças autistas é condenado por abuso sexual infantil

Ele filmava e fotografava estupros de alunos e divulgava imagens na dark web, parte da internet profunda que promete anonimato

Jovem e educado. Morador de um bairro nobre de São Paulo. Indicado por uma psicóloga e referendado pela passagem por uma escola especializada no ensino de crianças com autismo. O professor de música e capoeira Pedro Henrique Barbosa, 33, parecia ser alguém acima de qualquer suspeita.

Era nesta condição que ele ministrava aulas particulares para crianças atípicas em São Paulo, cujas famílias, de classe média alta, abriram suas casas e confiaram em seu trabalho.

Nesta semana, Barbosa foi condenado a 90 anos, 6 meses e 20 dias de prisão pelo estupro de dois alunos. Ele gravava, em foto e vídeo, os abusos e divulgava essas imagens na chamada dark web, espécie de abismo da internet profunda, ou deep web, que promete anonimato e, portanto, concentra atividades criminosas.

O professor de capoeira e música Pedro Henrique Barbosa, condenado por estupro de crianças autistas

Foi a partir do cruzamento e comparação das imagens dos abusos divulgadas por Barbosa na dark web com fotos postadas por ele em seu perfil no Facebook que a Polícia Federal chegou à autoria dos crimes e a suas vítimas. Entre elas, João (nome fictício), 11.

 

Barbosa já estava preso desde outubro do ano passado, quando foi alvo da Operação Mestre Impuro .

 

Advogada experiente, sua mãe, Patrícia (nome fictício), 50, se sentou diante do delegado do caso como se fosse sua primeira vez numa delegacia. Dele, ouviu que seu filho autista havia sido abusado pelo professor.

“Eu surtei. Chorava. Não conseguia levantar da cadeira. Não tinha força física”, lembra ela, que diz ter voltado a si apenas oito horas depois.

Desesperada, ela levou o filho ao pronto-socorro no hospital Albert Einstein para obter um kit profilático para vítimas de violência sexual. Trata-se de um coquetel de medicamentos para prevenir doenças sexualmente transmissíveis.

“Cheguei lá e descobri que eles não tinham protocolo médico para o atendimento de criança abusada. Isso em um dos hospitais mais renomados do país”, diz.

Procurado, o hospital Albert Einstein diz que tem protocolo de atendimento para vítimas de violência sexual.

Patrícia agonizou por 21 dias até ver os resultados de exames de sífilis, Aids e hepatite.

Ao buscar atendimento psicológico para abuso sexual de crianças atípicas, outra decepção.

“Simplesmente não existe! A gente não está nada preparado para a realidade. E a realidade é essa tragédia que eu estou vivendo.”

Ela conta que, desde que seu filho foi diagnosticado como autista aos dois anos, sua casa passou a ser frequentada por um “exército de terapeutas”, que contratava depois de aferir competências e antecedentes criminais.

Barbosa foi indicação de uma psicóloga que fazia a coordenação das terapias de João. “Fiquei culpada porque aceitei a indicação e não fui atrás das informações que geralmente buscava”, admite. “E tento me consolar pensando que, se o tivesse investigado, não encontraria nada porque ele era réu primário.”

Professor de crianças autistas é condenado por abuso sexual infantil Notícias - Atualidades Portal Capoeira

A mãe conta que sempre teve um pé atrás com quem lidava diretamente com João porque a comunicação dele é ruim. “Eu temia os maus-tratos porque a gente ouve relatos sobre crianças autistas que sofrem violência, mesmo em escolas caríssimas”, diz. “Em casa, a porta estava sempre aberta, com alguém de olho.”

Em 2017, dois anos depois das primeiras aulas de Barbosa, o professor sugeriu um encontro semanal na praça da vizinhança, para que João interagisse com outras crianças. A mãe consentiu.

“Vimos que estava tudo bem e baixamos a guarda. Foi nosso maior erro”, lamenta.

O professor era vizinho do local e levava João para sua casa às escondidas. Era lá que os abusos ocorriam.

“Não tenho como não sentir culpa. Até isso acontecer, minha maior preocupação era como meu filho ficaria depois que eu morresse. Depois disso, passei a pensar: ‘de que adianta eu estar viva se uma coisa dessas aconteceu debaixo do meu nariz?’.”

Em retrospecto, Patrícia percebe que João deu os sinais que pôde para indicar que havia algo errado.
“Ele começou a ficar nervoso e irritadiço. Gritava muito e se agredia”, conta ela, que o levou ao médico e recebeu a indicação de aumento na dosagem de antidepressivo.

“Eu silenciei a reação dele, e isso me corrói. Mas sou apenas a mãe de um menino atípico. Como é que nenhum dos terapeutas ou médicos levantou outras hipóteses para aquela alteração?”, revolta-se.

Segundo especialistas, entre os sinais apresentados por crianças abusadas, a mudança repentina de comportamento é o principal.

“Claro que você pensa que esse tipo de coisa não acontece com a sua família. E eu descobri que acontece com todo mundo, que é sempre alguém próximo, em geral familiar. E que o que as pessoas fazem é jogar pra debaixo do tapete.”

Patrícia diz que a condenação não lhe trouxe satisfação. “Só fez voltar a raiva. Ainda que seja bom saber que ele está atrás das grades, me dá medo imaginar que, em 30 anos, ele estará de volta às ruas e poderá fazer novas vítimas.”

Fernanda Mena – Folha de São Paulo – https://www1.folha.uol.com.br

Denúncia: Assédio e Pedofilia na Capoeira

Caca Zungu, Presidente/Fundador da ESCOLA CULTURAL ZUNGU CAPOEIRA, profissional integro e dedicado, amigo de escola de longa data e companheiro de capoeiragem, corajosamente, trás a tona um sério problema que cada vez mais começa a aparecer na nossa comunidade.

Em carta aberta de Repúdio/Denúncia, Cacá fala sobre a experiência em primeira pessoa e como abordou o problema…

VALE A PENA LER !!!

 

Denúncia: Assédio e Pedofilia na Capoeira

Primeiramente eu gostaria de alertar e enfatizar que o problema não é exclusivo da Capoeira, pelo contrário, existe um movimento de grandes mestres da arte para fiscalizar e denunciar os crimes de assédio e pedofilia! Em diversos segmentos da sociedade esses crimes acontecem ou podem acontecer, infelizmente.

Eu não posso me calar, como ser humano, educador e responsável por um trabalho de capoeira, com crianças inclusive!

Há pouco mais de dois meses, chegou uma importante denúncia de abuso sexual infantil ao meu conhecimento, e para meu espanto, de um educador que tinha minha supervisão até então. Foi chocante, decepcionante e revoltante… Tentei ouvi-lo de alguma forma, mas ele, “evangélico” fiel e devoto, apenas se escondia atrás do nome sagrado de DEUS, mas se quer esboçou defesa!

O que fiz?

Pedi para dois instrutores da nossa escola ouvir a vítima e sua família, além de outras crianças e familiares para tentar confirmar o ocorrido, coisa que foi confirmada pela vítima, recém completado 14 anos.

Encaminhei um pedido para o abusador solicitando que ele se afastasse do trabalho e da Capoeira, porque ele não nos representava mais, procurasse ajuda psiquiátrica e psicológica para se tratar, mesmo não tendo conhecimento se existe tratamento para tal ato, mas por ter um carinho, e apreço pelo rapaz, dei essa “oportunidade” para ele.

Ele prometeu cumprir o meu pedido!
Alertei que se não o fizesse levaria o caso ao conhecimento público de nossa comunidade e toda capoeiragem, além de uma denúncia formal para autoridades locais.

Hoje recebi uma foto dele comandando uma roda de crianças com o seu uniforme. O trabalho segue, e o meu pedido não foi respeitado.

Portanto, e por esse motivo devo relatar e alertar que o perigo está solto em Santa Cruz de la Sierra na Bolívia, com o “instrutor” Jorge “Krosty” e seu grupo Mbarete capoeira.

Denúncia: Assédio e Pedofilia na Capoeira Notícias - Atualidades Portal Capoeira 1

Algumas crianças e adolescentes, que o seguem ainda hoje, não conseguem perceber o perigo, mas seus pais precisam ser alertados!

Outras crianças e adolescentes que tiveram coragem de se desligar deste “trabalho”, mesmo sobre forte pressão psicológica do abusador, estão amparadas por outros capoeiristas que realmente se preocupam com a integridade dos mesmos.

Não podemos permitir que esse tipo de crime continue acontecendo e nosso dever é alertar e denunciar sempre.

 


Opinião do Editor:

Temos de estar atentos pois as queixas e processos não param de aparecer… e  o perigo está em cada “esquina”.

Somente na ultima semana, tomei conhecimento de diversos casos através da “Rede Social e Watsapp”, pessoas com  NOME DE PESO na nossa capoeiragem… Pessoas que conheci pessoalmente e jamais colocaria sua integridade em causa… Mas como diria meu amigo Wellington Fernandes (Mestre Wellington – Capoeira Berim Brasil): “AONDE TEM FUMAÇA, HÁ FOGO!!!”

Outros casos já foram reportados neste Portal:

 

Braga: Professor de artes marciais preso por pedofilia

Professor de capoeira é preso fazendo sexo com aluna de 10 anos

 

Deixo aqui mais um link, para vossa apreciação, de um dos casos nucleares, que tomei conhecimento:

 

Processo n. 0002611-07.2009.8.01.0001/50000 – Recurso Especial – 29/02/2016 do TJAC

 

Obrigado a todos que colaboraram para publicar esta matéria

RJ: Professor de capoeira é preso após perder celular com fotos de pedofilia

Mais uma notícia triste para a nossa capoeira… Porém entendemos ser fundamental que os fatos sejam denunciados e processados. A pedofilia é algo ultrajante e mancha de forma horrenda toda e qualquer modalidade ou profissão…

Temos de nos mobilizar e sensibilizar para acabar de uma vez por todas com esta vergonha!!! ***


Mestre Rambo, como era conhecido, dava aula em escolas públicas de São João de Meriti

A Secretaria Estadual de Educação afastou o professor de capoeira, conhecido como Mestre Rambo, suspeito de abusar sexualmente de menores de idade que treinavam em escolas públicas onde ele dava aulas em São João de Meriti, na Baixada Fluminense. Os atos de abuso sexual foram descobertos depois que o celular de Mestre Rambo foi encontrado em uma casa de festas. No aparelho, o professor guardava diversas fotos de crianças e adolescentes.

A atitude alivou os estudantes e os pais dos alunos das escolas onde o suspeito dava aulas. De acordo com relatos de menores de idade, a prisão surpreendeu todas as pessoas que conviviam com Mestre Rambo.

— Você não imagina uma pessoa tão perto de você ser presa desse modo.

O homem que encontrou o telefone e prefere não ser identificado disse que resolveu mexer no aparelho com o intuito de procurar o dono. Mas encontrou imagens, que na opinião dele, tratavam-se de pedofilia.

— Eu senti revolta, ódio, nojo daquela situação. E acabei entregando o telefone para a polícia.

Após analisar as imagens recolhidas na casa do suspeito, o delegado Marcello Maia, titular da Dcav (Delegacia da Criança e Adolescente Vítima), identificou crianças de até seis anos de idade fotografadas durante a aula.

— Ele pede para que as crianças façam uma ponte para trás. Nessa ponte, se expõe a parte abdominal, que é a região mais trabalhada na capoeira. Ele se aproveita disso para tirar fotografias da região abdominal e logo em seguida também tira foto da região peniana.

Maia diz ainda que existem vídeos em que ele aparece beijando a boca um menor de idade.

— Foi criminoso, não tenho dúvida.

Na casa do suspeito, a polícia encontrou uma câmara fotográfica que continha centenas de fotos de crianças e adolescentes. Mestre Rambo foi preso em flagrante e levado para uma penitenciária de segurança máxima.

Até perder o telefone, o professor de capoeira era um homem acima de qualquer suspeita. Ele era visto por vizinho e pais dos alunos como uma boa pessoa.

— É uma das características principais do pedófilo. A finalidade disso é para, se eventualmente a criança fale isso para um responsável, o pedófilo tente desmascarar.

Fonte: http://noticias.r7.com

*** Comentário do Editor – Luciano Milani

Assista ao vídeo: