Blog

perde

Vendo Artigos etiquetados em: perde

ACANNE: Inalguração Centro Cultural Rene Bitencourt

Consciente da importância da capoeira para a população do Rio Grande Do Sul, bem como para a comunidade de Porto Alegre, eu, mestre Rene, como guardião  da memória ancestral da capoeira angola e por comungar da luta dos grupos que dera início a esse trabalho, formando uma diversidade capoeirística, venho como esses, somar o trabalho, dispondo da identidade da ACANNE, cuja herança ancestral adquirida dos mestres: Canjiquinha, Aberrê e Paulo Dos Anjos, que alicerça o jeito de ser, através do centro cultural mestre Rene Bitencourt, que tem como objetivo, promover atividades culturais, isto porque: Quando a capoeira não perde raiz ela introjeta lições, faz mestres e deixa legado

 

O SABOR DO SABER ANCESTRAL

 

Publicada por ACANNE em ACANNE – Associação de capoeira angola navio negreiro

Nota de Falecimento: Mestre Vermelho Boxer

É com pesar que comunico a morte do Mestre Vermelho Boxer (Cecílio de Jesus Calheiros) ocorrida no dia 30/12/2007 na cidade de Manaus- Amazonas, em decorrência de um ataque esquêmico cerebral.

Mestre Vermelho Boxer nasceu em Maragogipe – Bahia (Recôncavo baiano) em 15/05/1949, sendo figura de destaque nas rodas de capoeira de rua de Salvador-Bahia, nas décadas de 70 e 80.

No Estado do Amazonas desempenhou um importante papel na implantação e divulgação da Capoeira Tradicional Bahiana.

A comunidade de capoeira do amazonas despediu-se do Mestre Vermelho com lágrimas, roda de capoeira e cantando os sambas que ele gostava.

Descanse em paz

Mestre KK Bonates

Na Madrugada Dia 30 de Dezembro A Capoeiragem Amazonense/Baiana e Brasileira perde Um Grande conhecedor da Arte da Malandragem Baiana.
Com todas as honras de Grande Mestre, foi enterrado no dia 30/12/2007 no cemiterio do tarumã em Manaus /Amazonas/Brasil o MESTRE VERMELHO BOXER QUE NOS DEIXA COM A LEMBRAÇA DE SUAS MALICIAS E MANDINGAS QUE A BAHIA LHE ENSINOU.

Salve axé

Mestre Camisafurada – berimcamisafurada@ig.com.br

Roda Capoeira

Roda Capoeira, Ginga pernada e rasteira

O que fizeram da capoeira?
Zum zum zum
Zum zum zum
Eu não tenho cordão nenhum
Capoeira não se aprende mais na rua
Depois que virou mercadoria
Só se aprende na academia
Cadê o negro que pula
Cadê negro que canta
Negro cadê você?
Estão trocando o berimbau pelo Cd
Ai ai AidÊ Joga bonito que eu quero aprende
Mas quero aprender na rua
Com as coisas que estão na vida
Por isso mexo nessa ferida
E agora e que eu quero ver
Cadê a dança do povo
A luta de libertação
Cadê a ginga bonita
Me diga onde ficou?
Mudaram o jeito de corpo
Fazendo do capoeira
Um mero consumidor
Vou dizer a meu senhor Que a manteiga derramou
E derramou manchando jogo de rua
Da dança do povo fagueiro
E em troca de dinheiro se joga de Sapatilha
Não e mais o jogo da família O jogo da troca de olhar
Da arte e da malícia Que já foi caso de policia
E hoje se perde no tempo
Mas acho que ainda há tempo
De poder recuperar
É só esquecer a elite
E deixar que o branco imite
O jeito do negro jogar
Adeus adeus Boa viagem
Que me conteste Quem tiver coragem

Antonio Luiz Ferreira Bahia


Professor da UFEBA, Faculdade Jorge Amado , UNINE, Mestrando em educação pela UFEBA

Capoeiras Italianos: Un “Giro” al Brasile

Grupo de Capoeiras Italianos visitam o Brasil, passando por São Paulo, Rio e Bahia.
Jornal do Capoeira – www.capoeira.jex.com.br
Edição 53 – de 11/dez a 17/dez de 2005
São José dos Campos – SP
Dezembro de 2005


Quando regressei de uma turnê pela Europa (Out/05), onde tive o prazer de visitar Portugal, Espanha, Itália e Alemanha, programei-me para rever os amigos de São Paulo, sendo alguns deles mestres de capoeira. Um dos primeiros locais que visitei foi o Terreiro de Mestre Pinatti, Rua do Vergueiro, 2684, próximo ao Metro Ana Rosa.
Ao chegar ao espaço, local onde Pinatti mantém sua academia, tive a grata surpresa de encontrar um grupo de Capoeiras italianos, recém chegado de Roma, cidade que tive o prazer de conhecer semanas antes, bem acompanhado por minha italianíssima esposa Keila Cornetta.
É sobre este grupo de ítalo-capoeiras nossa crônica de hoje.
 
1. Capoeiras Italianos no Brasil
 
            O grupo de Capoeiras chegou ao Brasil no dia 29 de Outubro, desembarcando no Aeroporto Internacional Franco Montoro, em Guarulhos, São Paulo. Do aeroporto seguiram de Van para o litoral sul, mais precisamente para a cidade praiana de Guarujá.
            O alegre e festivo grupo (Ah, Itália!) estava assim composto: Grupo Lembrança Negra de Mestre Canhão, representado pela Instrutora Daniele, Piãozinho, Azulão, Espoleta (foi também aluna do Mestre Samuca) e Nicole (filha de Mestre Canhão). Também participava do grupo um representante do grupo Topázio (de M.Valmir & M.Dinho), sendo este representante aluno do professor Tássio (Roma).
            No quando de minha visita, mestre Pinatti não hesitou em colocar uma roda de improviso para os capoeiras italianos "brindarem o encontro", jogando com os alunos da casa. Berimbau afinado e o jogo comendo solto. Em dado momento mestre Pinatti fez a senha e pediu para que eu também aderisse à Roda. Foi como jogar o sapo n´água.
            Aliás, sempre que visito o campo de mandinga do Pinatti, trato de dar algumas voltas do mundo com seus alunos, ao que ele, mandingueiramente, complementa:
 
            – O lobo perde o pêlo, mas não perde o vício.
 
Para ler mais; clique aqui