Blog

povo

Vendo Artigos etiquetados em: povo

LIVRO BRASIL, NEGRO POR DECENDÊNCIA

Esta obra, visa levar ao conhecimento dos leitores, acontecimentos que marcaram nossa cultura, durante o período escravista e visa esclarecer o comportamento estabelecido pelos colonos portugueses, políticos, e ate mesmo pela igreja. Atos e conseqüências que levou a construção de projetos de leis, algumas aprovadas e cumpridas, outras vetadas. Leis estas contraditórias que gerou atos enlouquecentes para com a sociedade constituída por afro-descendentes.

Povo guerreiro, enviado ao Brasil como escravos, foram vendidos como mercadoria, procedentes de países como Angola, Benguela, Cabinda e Moçambique entre tantos outros. Ao chegar aqui, construíram historia, incrementaram a culinária brasileira, trouxeram alimentos como; a manga, o coco, o jerimum, a galinha d’angola, o azeite de dendê entre tantos outros que constitui necessários ao padrão de vida do consumidor brasileiro. Inovadores e criativos eles foram. Adaptaram aqui, formas de sobrevivências, como por exemplo: as vendas ambulantes, de verduras, peixes, roupas, calçados e artesanato. Costumes que ainda podem ser vistos pelas ruas do Brasil. Tudo isso se da devido à herança cultural deste povo.

Colaboradores da colonização do país, e com a miscigenação dos brasileiros, a constituição do mulato, cor em que o brasileiro é identificado quase em toda sua maioria. Introduziram palavras dos dialetos africanos na língua portuguesa, herdada da presença dos portugueses no Brasil em seu descobrimento no século XV.

Salve! Salve! Os índios, importantes edificadores de nosso país, grande influenciadores na culinária brasileira, com diversos alimentos como; a mandioca, o milho, a batata-doce, o cará, pinhão, cacau, amendoim, palmito, mamão e o caju, estas são parte das influências indígenas na alimentação brasileira.

Foram escravizados antes dos negros africanos, forçados ao trabalho escravo, no período do pau-brasil. Grandes contribuintes com nossa cultura brasileira, suas danças, lutas, costumes, culinária e até mesmo a língua, titulada “tupi-guarani”, que nomeou uma das maiores expressões culturais brasileira, hoje reconhecida internacionalmente, a caa-pu-eera (mato ralo) hoje introduzida como “a capoeira”.

Axé a todos os capoeiras, que bravamente escreveram sua historia no cenário brasileiro, em meio as dificuldades impostas pelo império, e mais tarde, pelo próprio governo, ainda sim sobreviveram e enrriqueceram a nossa cultura, hoje patrimônio do nosso Brasil, e de todos os que se orgulham de ser brasileiros.

Salve! A todos que lutaram bravamente em todas as guerras, como a do Paraguai, e em todas aquelas que passaram despercebida pela sociedade, e que nunca foram reconhecidas pelo poder público. Guerra essa travada entre si próprio, pelo fato de ser descendente de uma classe social menos favorecida, parabéns a todos os brasileiros, índios , africanos e descendentes, que moram nas favelas, nos morros, e que com unhas e dentes, sobrevivem a guerra do dia a dia e da descriminação.

 

Darcy Junior de Aguiar (Cascão)

FCMS oferece aulas de capoeira com o Mestre Zumbi

Campo Grande (MS) – A Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul está com inscrições abertas para as aulas de capoeira estilo “capitães de areia” que serão ministradas pelo Mestre Zumbi. As aulas são direcionadas para pessoas a partir de 5 anos e tem início em 2 de março, sempre as terças, quartas e quintas-feiras com uma turma das 16h às 17h30min e outra das 17h30min às 18h45min no Centro Cultural José Octávio Guizzo.

As aulas proporcionarão as crianças, jovens e adultos uma integração, induzindo conhecimento sobre uma arte genuinamente brasileira, oriunda de valores culturais afro-brasileiros, levando aos adeptos dessa cultura desportiva condicionamento físico, conhecimento cultural e controle emocional.

A capoeira é música, poesia, festa, diversão e uma forma de luta, um fenômeno nacional, sendo a expressão de uma síntese de gestos e movimentos que caracterizam a herança cultural afro-brasileira, que teve inicio no período da escravidão, nas lutas de libertação dos negros e ao sofrimento e aspirações de um povo, desde o descobrimento do Brasil.

“A capoeira além de esporte é cultura, é filosofia de vida para muitos, ensinando a quem prática a respeitar a história de um povo que ajudou a construir a história do Brasil”, explica o Mestre Zumbi.

“Aprender capoeira, não é aprender a brigar, mas sim aprender a história de um povo que se expressou em movimentos físicos pela necessidade de liberdade: A liberdade de ser gente” finaliza Zumbi.

Juarez Moraes Corrêa, conhecido como “Mestre Zumbi” iniciou a prática de capoeira em 1986 na Academia de Capoeira Conceição da Praia com o Mestre Mato Grosso em Campo Grande, formando-se em 1989 como professor e passou a mestre no ano de 2000. Participando então de projetos e eventos da Fundação de Cultura de Campo Grande (FUNDAC) e da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS), realizou inúmeras apresentações, palestras, cursos e rodas de capoeira em ruas, praças, escolas, universidades e teatros na capital e no interior de Mato Grosso do Sul.

Zumbi participou também da gravação de 2 cds, de peças teatrais, é militante do Movimento Negro Sul-Mato-Grossense e foi membro do Conselho Estadual de Direitos do Negro.

A mensalidade tem o valor de R$ 40,00. Mais informações podem ser obtidas no Centro Cultural José Octávio Guizzo, na rua 26 de agosto, 453 ou pelo telefone 3317-1795 de terça a sábado das 8h às 22h e domingo das 14h às 19h.

 

Fonte: Pantanal News/FCMS – http://www.pantanalnews.com.br/

A mão que afaga é a mesma que apedreja – Ascensão e decadência do trio elétrico

Fim do século XIX, a Bahia testemunha uma mudança de costumes na sua maior festa popular. Estou me referindo ao nascimento do carnaval e à morte do entrudo. Se o preconceito e a segregação social além da violência física eram as notas destoantes desta manifestação de origem portuguesa, o carnaval recebe este dote como herança e até intensifica o seu caráter hierarquizado concebendo, porém, novos paradigmas lúdicos, estéticos e capitalistas. No entrudo, negros “brincavam” ao lado de brancos, e estes podiam atingi-los com as famosas laranjinhas, farinhas, água fétida e toda a sorte de armas podres, enquanto aqueles só poderiam fazê-lo entre si. Já no carnaval do início do século XX, a “inconveniente” presença dos afrodescendentes e pobres foi alijada do nobre circuito do corso, (onde o préstito trazia a “nata” da sociedade baiana em suntuosos desfiles), e nem sequer imaginada nos seletivos bailes dos salões do Teatro São João, Teatro Politeama, Cruz Vermelha e Fantoches da Euterpe. Formaram-se (a exemplo de hoje) dois circuitos distintos no carnaval de Salvador.

Na Rua do Palácio (hoje Chile) acontecia bem comportado o desfile eurocêntrico dos citados clubes e na Baixa de Sapateiros a farra de entidades negras como Guerreiros d´África, Embaixada Africana, Pândegos d´África, evocando e reverenciando suas origens. Dentro deste contexto é que surge em 1950 um elemento que vem promover uma mudança radical na forma de se brincar o carnaval: o trio elétrico. Fruto da musicalidade baiana vindo através da genialidade inventiva da dupla Dodô e Osmar, ele é concebido no início da década de 50. Esta genial criação mais tarde viria a se tornar a marca registrada do carnaval de Salvador, e modificaria por completo e para sempre a estrutura da folia. Sem pedir licença, de forma irreverente e tendo um forte compromisso com a alegria, a dupla Dodô e Osmar à revelia de tudo e todos destrói o “status quo” vigente e decreta a democracia no carnaval através da participação coletiva simultânea onde negros e brancos, ricos e pobres tinham algo em comum: pulavam atrás do trio.

Como bem colocado pelos seus próprios criadores referindo-se à multidão que o acompanha, “pula gente bem, pula pau-de-arara, pula até criança, e velho babaquara” ou mais sinteticamente como Caetano “atrás do trio elétrico só não vai quem já morreu”. Este caráter libertário e unificador lhe confere a primazia de efetivamente ter uma atitude conseqüente contra o preconceito e a segregação social e racial no nosso carnaval ainda que não de forma intencional, pois, o único objetivo dos seus criadores era o entretenimento pessoal e a diversão da massa.

A preferência por essa nova forma de se brincar no outrora plural carnaval de Salvador veio se acentuando a partir da década de 50 atropelando tudo e todos que não se rendessem aos seus acordes contagiantes. Entidades carnavalescas como Escolas de Samba, Blocos de Índio, Afoxés, Cordões e Batucadas foram gradativamente se não extintas, quase desaparecidas. Sua atuação quase hegemônica, monopolizando a preferência e atenção popular e divulgando nacionalmente o carnaval de Salvador, veio em fins da década de 70 e início de 80, aprisioná-lo nas cordas dos blocos que já vislumbravam o seu poder como elemento facilitador de apropriação de capital. Estes, em seu favor, abdicaram no tradicional sopro e percussão, iniciando um processo no qual o trio passaria a ser uma propriedade particular, reconduzindo às ruas uma hierarquia social, econômica e racial perdida no tempo, contribuindo sobremaneira para a atual privatização desregrada do espaço público. O trio libertário, servo e promotor do prazer, passou a ser refém da sua própria alegria e reescreveu a história dividindo de novo os foliões que outrora ele juntou num caldeirão de euforia, em associados e pipocas, pobres e ricos, negros e brancos. Virou passarinho cantando na gaiola para quem poder pagar mais.

Dentro desta lógica capitalista, os antigos grilhões por ele arrebentados na década de 50 são, por seu intermédio, recolocados no povo. O trio ocupou o lugar de agente da discriminação, da segregação e do preconceito a serviço das elites econômicas e seus “podres poderes” legalmente constituídos. Perde o significado a assertiva de Moraes Moreira, quando este diz em uma das suas composições em comemoração aos 25 anos do trio, se referindo ao nosso carnaval “É o lugar do mundo inteiro que se brinca sem dinheiro, basta só existir e na vida passar um Trio Elétrico de Dodô e Osmar”. A cor da pele, a posição social, endereço nobre (ou pobre) voltaram a fazer diferença. A alegria do trio agora tem preço (caro) e nome: Eva, Cheiro de Amor, Camaleão… Ele que antes era do povo, para o povo e pelo povo, hoje é classificado como “de bloco” e “independente”. Independente… Porreta essa!!! É de fazer Dodô e Osmar se arrepiarem e revirarem no túmulo.

Início do século XXI, o “agente da alegria”, refém (sem direito a resgate) do poder econômico, massifica uma padronização estética que empobrece e privatiza a festa e sufoca, ou melhor, aniquila a criatividade popular. Esta padronização é responsável pelo que o Profº Joaquim Maurício Cedraz Nery chama de militarização do carnaval, que se caracteriza pela presença do uniforme (abadá), da quase uniformidade do ritmo (axé, pagode), das evoluções coreografadas no percurso, da posição na fila e revezamento do comando (mesmos “cantores” atuando em todos os “regimentos”, digo, blocos). Este novo modelo de carnaval tem no turismo seu mais recente e rentável filão econômico, um promissor caminho para a sua esclerose e autofagia.

Pois é leitores, o paraibano Augusto dos Anjos (chamado o poeta do mau gosto) está coberto de razão quando diz: “O beijo, amigo, é a véspera do escarro, a mão que afaga é a mesma que apedreja”. Está aí o trio elétrico que não lhe deixa mentir… Já se disse que o mundo dá voltas, que a história se repete, é cíclica etc., e nós estamos vivos para testemunhar mais uma vez o povo ser usurpado de mais um patrimônio cultural em favor da elite. Pobre folião de Salvador. Pobre carnaval da Bahia!

* O professor Acúrsio Esteves pertence ao quadro da Secretaria Municipal de Educação, Cultura, Esporte e Lazer de Salvador – SECULT, e também leciona na Universidade Católica do Salvador

Mande também o seu texto, foto, áudio ou vídeo sobre o Carnaval da Bahia. Pode ser para expressar sua paixão pela festa, mostrar histórias de outros anos ou indicar problemas da folia. Participe!

Acesse: http://www.atarde.com.br/carnaval/foliaoreporter/index.jsf

Capoeira passa a ser Patrimônio Imaterial do Estado do Rio de Janeiro

Governador alerta para o racismo que ainda persiste no Brasil e defende ampliação da reserva de vagas para empresas como forma de superar desigualdades. Capoeira passa a ser Patrimônio Imaterial do Estado do Rio de Janeiro.

Rio – No dia em homenagem a Zumbi dos Palmares, a capoeira virou Patrimônio Imaterial do Estado do Rio. A assinatura da lei pelo governador Sérgio Cabral, transformando a expressão cultural em bem imaterial estadual, fez parte das festividades do Dia Nacional da Consciência Negra, realizadas ontem, no monumento em homenagem a Zumbi dos Palmares, na Av. Presidente Vargas, no Centro. O projeto de lei, do deputado Gilberto Palmares (PT), foi aprovado quinta-feira pela Alerj. Cabral participou de uma roda de capoeira durante a festa.

O governador defendeu a política de cotas nas universidades públicas — que reserva vagas a estudantes de rede pública, negros, índios, deficientes e filhos de policiais, bombeiros e agentes penitenciários mortos — e a extensão do sistema às empresas. Ele comemorou a decisão do Tribunal de Justiça (TJ) de manter a lei que facilitou o acesso às universidades estaduais.

“Temos uma dívida com a raça negra que deve ser consagrada em políticas públicas”, disse o governador, citando como exemplo os EUA. “Se hoje nós temos negros nos EUA dirigindo grandes empresas, ganhando Oscars de melhor ator, presidindo o país, foi fruto de políticas públicas, de cotas, de garantias de oportunidades. Não há outra maneira”, disse Cabral.

Em seu discurso, o governador alertou: “No Brasil o conflito racial sempre foi camuflado. O Brasil teve a pior história da escravidão no mundo e passou o século XX dizendo que não tem racismo, mas no Brasil tem racismo. Temos que quebrar preconceitos, mas sem políticas públicas, sem lei que obriguem empresas e instituições a abrir espaço para que o povo negro tenha acesso, não há sucesso”.

O presidente do Conselho Estadual dos Direitos do Negro (Cedine), Paulo Roberto dos Santos, lembrou que a luta do movimento negro é pela inclusão social. “A importância deste evento, de podermos nos expressar, é uma demonstração da capacidade do nosso povo”, defendeu.

Os nossos verdadeiros Heróis

A capoeira, como se sabe, está presente em mais de 150 países no mundo todo. É motivo de grande orgulho para todos nós, brasileiros, vermos a nossa cultura, a nossa língua e a nossa história, serem motivo de respeito e admiração por parte de todos aqueles que de alguma forma, conhecem e reconhecem essa nossa nobre arte pelos quatro cantos do planeta, onde quer que ela se encontre.

Mas a capoeira é motivo de orgulho, sobretudo, para todo o povo oprimido do Brasil: os negros escravos e seus descendentes, os analfabetos, os pobres e miseráveis, os espoliados, os sem-terra, sem-teto, sem-educação, os índios, os trabalhadores, enfim, todos aqueles que ajudaram a escrever a história do nosso país, mas que sempre foram vítimas de preconceitos e discriminações, que sempre foram explorados, marginalizados, violentados, perseguidos e humilhados, separados da dignidade humana por esse abismo social que divide a injusta e excludente sociedade brasileira.

O que antes era vista como coisa de vagabundos, de vadios e marginais, hoje é reconhecida como Patrimônio da Cultura Brasileira, título que a capoeira recebeu recentemente do IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). E mais do que isso, está presente como tema de numa enorme quantidade de teses e dissertações nas universidades do Brasil e do mundo, em livros, filmes, discos, revistas, obras de arte, enfim como uma importante referência para todas as áreas do conhecimento humano.

Mas o mundo deve esse legado a quem ?

Justamente aos marginalizados desse país: os negros, quase negros ou quase brancos, os pobres marginalizados, analfabetos, os perseguidos pela polícia, arruaceiros, desordeiros, valentões e artistas da fome. Foram eles que lutaram bravamente para que essa cultura fosse preservada, para que a capoeira resistisse a uma violenta perseguição por parte dos poderes constituídos, sendo até considerada como crime pelo Código Penal Brasileiro durante quase quatro décadas. Foram esses sujeitos despossuídos que garantiram que a capoeira chegasse até os nossos dias, e alcançasse o respeito e a dignidade em todo o mundo. Devemos isso a eles !!!

Por isso, o povo simples e marginalizado do Brasil, deve estufar o peito e sentir orgulho de saber que a capoeira – hoje um dos maiores símbolos da cultura brasileira no mundo – é a sua herança, é o seu passado, é a sua tradição e a sua dignidade. É a cara e o rosto dos nossos heróis, que infelizmente, ainda não estão nos nossos livros de História, que não são lembrados nas escolas, que ainda não são louvados e reconhecidos pela memória nacional. Mas cabe a nós, sujeitos envolvidos de alguma forma com a prática e a divulgação da capoeira pelo mundo, lutarmos para que essa memória e para que esses sujeitos sociais sejam valorizados  nesse país que precisa aprender a respeitar a sua própria história, sobretudo a história do nosso povo simples e marginalizado. São eles os nossos verdadeiros heróis !!!

 

Pedro Abib (Pedrão de João Pequeno) é professor da Universidade Federal da Bahia, músico e capoeirista, formado pelo mestre João Pequeno de Pastinha. Publicou os livros “Capoeira Angola, Cultura Popular e o Jogo dos Saberes na Roda”(2005) e “Mestres e Capoeiras Famosos da Bahia”(2009). Realizou os documentários “O Velho Capoeirista” (1999) e “Memórias do Recôncavo: Besouro e outros Capoeiras” (2008).


Coluna: “Crônicas da Capoeiragem” por Pedro Abib

Mais um envolvente texto da Coluna Crônicas da Capoeiragem, sob a tutela do nosso grande camarada e parceiro, Pedro Abib, enfocando histórias, casos, experiências, opiniões, críticas, enfim, um texto de uma lauda sobre o universo da capoeiragem.

Capoeira e Identidade Cultural

O assunto é: Capoeira e Cultura:
 
Roda de Capoeira em comemoração ao Dia da Cultura e da Ciência. Roda Realizada no Distrito Federal no Ministério da Culutra. O Ministro Gilberto Gil, toca berimbau, canta na roda e fala da Importância da capoeira como elemento de divulção da nossa cultura pelo mundo e também como elemento formador de nossa identidade cultural.
 
Nosso ativo parceiro Fábio Moreira de Araújo (Mestre Onça) nos envia uma matéria sobre o tema com uma abordagem bastante atual, dentro deste contexto remomendamos que assistam ao video e saboreiem o texto.
 
{youtube}S1C4szYIrb0{/youtube}

Capoeira e Identidade Cultural

Para compreendermos um pouco mais a importância da capoeira como elemento formador das nossas raízes culturais, é necessário fazermos um retrospecto histórico para entendermos o contexto do seu surgimento e de outros elemento culturais como o carnaval e a música.  Em análise ao contexto histórico,  da situação do indígena brasileiro, observamos a sua importante contribuição na formação étnica do nosso povo. Notamos que no caso particular  dos indígenas, houve uma destruição dos seus valores  culturais que os identificavam como seres humanos.  Os europeus (portugueses), ao chegarem à América, encontraram esta terra habitada por seres humanos: milhões de índios. Por pensar que  estavam chegando as Índias, deram  a esses habitantes o nome de índios. Essa denominação permanece até hoje, mesmo depois de ter percebido o engano. Perguntas que muita gente faz até hoje é: Qual a sua origem? Como foi o seu contato com os brancos? “ A verdade consiste no seguinte: quando os portugueses chegaram já havia toda uma organização social dos indígenas, mesmo não sendo  grupos totalmente homogêneos. Os indígenas já dominavam conhecimentos nas áreas  de astronômia, ecologia, veneno de caça e pesca, tapiragem, borracha. Nas artes tinham conhecimento sobre a pintura corporal, plumagem, arte em pedra, madeira, cerâmica, desenho, música e dança”. (1)

“… Existiu todo um processo colonizador do qual os índios brasileiros foram vítimas. Primeiro foram cativados para o trabalho de exploração do Pau Brasil, em seguida a sua troca por objeto que exerciam fascínios e por último, veio a escravização e a tentativa de fazê-lo trabalhar na lavoura da cana-de-açucar…” ( Galleano apud, Piletti 1991. P. 20 ).  Dentro desse processo de aculturação, muitos índios que conseguiam sobreviver eram submetidos  a um processo de descaracterização  cultural  através da catequese e da própria convivência com o branco. Dessa forma, muitos foram perdendo a sua identidade cultural, substituindo seus valores, crenças e costumes pelos valores, crenças  e costumes do colonizador europeu.  Transformaram-se em seres marginalizados e explorados dentro da sociedade dos brancos.

(01)PILETTI, Nelson. História do Brasil. Ed. ÁTICA, 1991. Pp. 18/19.

Os índios dos Brasil perderam  a sua identidade, mas sempre-se rebelaram contra os colonos que tentavam escarvizá-los e muito desses grupos foram quase que totalmente exterminados. Em várias regiões mais rica do país, os senhores de engenho resolveram trazer escravos africanos para suas plantações.  Por volta de 1.550 teve início a presença negra no Brasil (chegaram da África os primeiros navios negreiros com escravos, aportando-se  em várias regiões do país). O tráfico tornou-se  uma atividade bastante lucrativa e milhares de negros foram trazidos para o  novo continente. Iniciou-se  um longo processo de formação da população étnica brasileira. “… A formação  da população brasileira originou-se  de três grupos  o indígena, o branco e o negro.  Do cruzamento entre esses diferentes grupos resultou o elemento étnico que genericamente chamamos de mestiço ( caboclo, mulato e cafuzo). O mestiço constitui-se  a origem do povo brasileiro. O caboclo é o resultado do cruzamento  do branco com o índio, o mulato é o cruzamento do branco com o negro e o cafuzo e o cruzamento do negro com o índio…”(2)

Dessa forma, o Brasil vai se  transformando num verdadeiro mosaico étnico cultural. Começam  a surgir as tradições  e lendas do nosso folclore.  A palavra folclore vem do inglês FOLK-LORE   “Pensamento popular”, criada pelo estudioso William Thomas. Folclore é a maneira de sentir, agir e pensar de um determinado povo. Entre  as principais brincadeiras e lendas ligadas ao nosso folclore temos: A brincadeira de vaqueiros, a vaquejada, o bumba meu boi, o carimbó, a caatira, caipora, curupira, mula sem cabeça, saci-pererê, lobisomem. “ Temos as festas populares na Bahia como o afoxé, que é o sagrado participando do profano. Essa é a única festa religiosa que os membros do candomblé (de origem jeje-nagô) terão que cumprir.


(02) COELHO, Marcos Amorim. Geografia do  Brasil. ED. Moderna, 1992. P. 101.

“ O afoxé é  um candomblé adequado ao carnaval. Temos também o candomblé que é um ritual ou culto africano, trazido pelos escravos negro durante o período colonial. Temos também na Bahia a festa de Iansã ou  Santa Bárbara, a festa da Conceição da praia no dia 08 de dezembro, a procissão de nosso Senhor Bom Jesus dos Navegantes, a festa da Ribeira, festa de Iemanjá, Pesca do  xaréu ( nas praias de amaralina e itapuã), lavagem do Bonfim, que é a Segunda maior festa popular da Bahia depois do carnaval e acontece na manhã  da terceira Quinta feira do mês de janeiro”. (3)

Roberto Mamata (1993), na sua obra intitulada “ Carnavais, Malandros e Heróis”,  faz uma análise sucinta e detalhada dos valores e atitude  das pessoas. Segundo o autor da obra existem dois tipos de pessoas que identificam a nossa brasilidade. O primeiro é a figura de  do malandro (estudada sobre a figura de pedro malassartes). Aqui o malandro é um ser deslocado de regras formais da estrutura social, fatalmente excluído do mercado de trabalho, aliás definido como totalmente individualizado e avesso ao trabalho. E o segundo é o renunsciador (Augusto Matraga, personagem de Guimarães Rosa). Este se fecha num mundo totalmente seu, deixando de lado prazeres e valores sociais.

Roberto Damata (1993) apud Reis (1996), A música popular é cheia de representações, são manifestações concretas, elabora, reflete, representa e dramatiza certos valores da sociedade brasileira, tornando-os importantes, e cheios de sentido e intencionalidade. A capoeira, o carnaval e a música são elementos importantes na formação  da nossa cultura. Nesse pequeno ensaio, não vamos fazer um estudo minuncioso e detalhado de todos os seus aspectos, buscaremos as relações e contribuições desses elementos na formação da nossa identidade cultural. A música popular brasileira tem participação importante enquanto elemento de expressão popular. Em análise ao dálogo existente nas cantigas dos negro Ortiz (1951) apud, Rego (1968), examinou seus vários aspectos mostrando sua importante contribuição como elemento formador das  nossas raízes culturais.

(3) AMADO, Jorge. Bahia de Todos os Santos – Guias de ruas e Mistérios,  Ed. Record, 1986. Pp. 128-143.

“ O conceito de “cultura popular” se confunde, pois, com a idéia de conscientização.  Subverte-se dessa forma o antigo significado que assimilava a tradição à categoria de cultura popular.  “ Cultura Popular”, não é, pois, uma concepção de mundo das  classes subalternas, como e para Gramsci e para certos folcloristas que se interessam pela mentalidade do povo” (4)

Hermano Vianna (1995) apud Reis (1996), faz uma análise da história do samba como expressão  cultural e  identidade nacional brasileira.  A partir da década de 30, começa  um processo de reconhecimento de identidade  de povo “sambista”. Existia ainda uma tendência de transformar o samba em rítimo nacional do brasileiro. O samba passaria então de rítimo subversivo da ordem à música nacional e oficialmente aceita. As músicas cantadas nas rodas de capoeira tem valor historicamente consagrados para a vida social do brasileiro, seja do ponto de vista etnográfico, histórico e cultural. Essas cantigas falam da vida do negro (as senzalas,  a escravidão, os quilombos etc…). A capoeira surge dentro desse contexto como uma manifestação cultural brasileira. Essa  era a única arma que o negro  dispunha para livrar-se do sistema opressor, que lhe retirava toda essência como ser humano.

Segundo Ortiz (1995), existe na história da intelectualidade brasileira uma tradição em que diferentes momentos histórico procurou definir-se a identidade em termos de caráter  brasileiro. Sérgio B. Holanda buscou as raízes do brasileiro na “cordialidade”, Cassiano Ricardo na  “bondade” e Paulo Prado na “tristeza”, outros estudiosos procuram encontrar a brasilidade em eventos sociais ou ainda na índole malandra do ser nacional com fez Damatta.

(04) ORTIZ, Renato. Cultura Brasileira & Identidade Cultural. Ed. Brasiliense, 1995. P. 72

“… Se por um lado a identidade cultural preservada se apresenta como uma questão de sobrevivência em oposicão a uma estrutura excludente, por outro lado surge o problema da possibilidade da preservação dessa identidade no contexto da modernização…” (5). Sabemos que a cultura é um processo dinâmico, influencia e sofre influências constantemente. A capoeira como parte importante de nossas manifestações culturais não pode ficar imune a essas transformações. Hoje a capoeira está sofrendo um processo de massificação aceleradíssimo , que pode estar levando-a a descaracterização enquanto arte-luta. Seria  possível, hoje, praticar aquela capoeira do passado com todos os seus rituais? Achamos que é importante analisarmos, entendermos e conhecermos a sua tradição cultural, ligada as suas raízes  para que possamos criar e recriar, inventar e reinventar, não deixando acontecer o mesmo que aconteceu com as sociedades indígenas. Preservando assim, as suas essências, sem descaracterizá-la como manifestação  autêntica da cultura do nosso povo.

(05) VIEIRA, Luiz Renato, Cultura Popular e Marginalidade, in  Revista de Educação e Filosofia –  Vol. 04 nº 08 jan/jun 90.

 
Um abração,
Mestre Onça
Beribazu-DF

Bahia: Capoeira Angola – Resistência de um Povo

Capoeira Angola – Resistência de um Povo” é o tema do evento que vai apresentar a filosofia, ética, hierarquia e principais diferenças entre a capoeira de Angola e a regional, entre 19 e 24 de janeiro.

O XX Evento da Escola de Capoeira Angola Irmãos Gêmeos, de mestre Curió, é uma parceria entre a Secretaria Municipal de Educação, Cultura, Esporte e Lazer (Secult), através da Fundação Gregório de Matos, e o Ministério da Cultura.

O anfitrião será Jaime Martins, o mestre Curió, que com 71 anos ainda pratica e dá aulas de capoeira. O evento será realizado na Escola de Capoeira Angola, sediada no Pelourinho. Os interessados devem fazer as inscrições através do telefone: 71 3321-0396 ou pelo e-mail [email protected]

Fonte: http://www.imbui.com.br

Capoeira e Cantoria para todos

INFORMATIVO CULTURAL DO BRASIL REAL

Bom dia a todos, Saúde e Paz Sempre…

SÃO BENTO GRANDE E SANTA MARIA… (Homens e mulheres de bem com a vida )

O COURO NA MARCAÇÃO, AI O BERIMBAU APARECE, JUNTO COM O CAPOEIRISTA…

O gunga pergunta e a viola arenga, somente se souber o tocador.

Todos os jogadores, tocadores e mandingueiros estão convidados.

Todas as jogadoras, tocadoras e mandingueiras estão convidadas.

A praça é do povo que quer a praça. É assim a capoeira, do povo para o povo…

Neste sábado 25 de outubro das 16 as 18 horas,
continuamos com capoeira, ritmo, cantoria e jogo de camaradas.

ESTAMOS NA DÉCIMA RODA DO PASSEIO…

PUBLICAREMOS UMA RELAÇÃO DOS QUE JÁ ESTIVERAM NESTA FESTA.

VAMOS ATÉ DEZEMBRO DESTE ANO…

Um abraço Fraterno a todos e a todas…
Walter Júnior ( Capoeirista )

GECASP – 1º Encontro de Capoeira Angola do Grupo de Estudo da FICA-SP

O Grupo de Estudo de Capoeira Angola de São Paulo tem o prazer de convidar a todos para o 1º Encontro de Capoeira Angola do Grupo de Estudo da FICA-SP que acontecerá nos dias 20, 21, 22 e 23 em São Paulo. O evento contará com oficinas de Capoeira Angola e ritmo com os mestres da FICA: Cobra Mansa e Valmir, com Aloan da FICA Bahia e com a ilustre presença do mestre Bigo (Francisco 45), discípulo de mestre Pastinha além de outras atividades tais como palestras, mostras de vídeos e samba de roda.

Contamos com a presença de todos e abraços do povo de São Paulo.

Quando: 20 – 23 de novembro, 2008
Onde: São Paulo (Confirmando local)

Convidados Especiais: Mestre Cobra Mansa, Mestre Valmir, Mestre Bigo, Mestre Ananias and Aloan (FICA – Bahia).

Programação do evento, em breve no site: www.ficasp.com.br

Dúvidas, ligue:

55 011 98402314 or 44727402 (Womualy)

55 011 93135644 or 41781797 (Tabatta / Morena)

55 011 83975867 or 55354669 (Alexandre / Alê)

ou email: gecasp (arroba) hotmail (ponto) com

fica_sp (arroba) hotmail (ponto) com

novas informações em breve !

até mais!

GECASP.

English

The São Paulo Capoeira Angola Study Group is pleased to invite everyone to the 1st Encouter of the São Paulo FICA Study Group that will happen on November 20, 21, 22 and 23 in São Paulo. The event will have capoeira Angola and instruments workshops with the FICA masters: Cobra Mansa and Valmir, with Aloan of FICA Bahia and with the distinguished presence of the Mestre Bigo (Francisco 45), a disciple of Mestre Pastinha well as other activities such as lectures, video screenings and samba de roda.

See you there and hugs from the people of Sao Paulo.

When: November 20 – 23, 2008
Where: São Paulo (Confirming local)

Special guests: Mestre Cobra Mansa, Mestre Valmir, Mestre Bigo, Mestre Ananias and
Aloan (FICA – Bahia).

Schedule, soon on the website: www (dot) ficasp (dot) com (dot) br

For questions, call:

55 011 98402314 or 44727402 (womualy)

55 11 93135644 or 41781797 (Tabatta / Morena)

55 11 83975867 or 55354669 (Alexandr / Alê)

or email: gecasp (at) hotmail (dot) com

fica_sp (at) hotmail (dot) com

new informations soon !

See you there!

GECASP.

 

Agradecemos a força de coração e, no que estiver ao nosso alcance, podem contar ok?!
Abraços grandes do povo de SP.

Fantástica tradição que se renova

Folcloristas estão sempre de olho vivo no andar da carruagem que carrega as manifestações culturais de seu povo. Eles protestam quando vêem pedaços desse legado caindo no brutal caminho do esquecimento ou do preconceito.

Neste 22 de agosto, quando se comemora nacionalmente o Dia do Folclore, mais importante do que se inteirar das atividades programadas para a data, é refletir que, apesar dos avanços tecnológicos e das transformações sociais, preservar a tradição é uma maneira de não deixar a história se perder.

Na Bahia, terra de todos os ritos e mitos, as manifestações folclóricas que ostentam a riqueza do imaginário popular são representadas pela capoeira (há um mês tombada como Patrimônio Imaterial Brasileiro), rodas de samba, puxadas de mastro, ternos de reis e bumba-meu-boi.

A etnomusicóloga baiana e autoridade em folclore, Emília Biancardi, puxa o cordão dos descontentes. "Todos nós folcloristas, incluindo (o pernambucano) Roberto Benjamim, achamos que, apesar do atual movimento em torno da valorização das tradições, a prática não condiz com a falação".

Para ela, pesquisadora do repertório musical afro-baiano e pioneira em levar essas manifestações para palcos

do mundo inteiro, a volta da Caminhada Axé, por exemplo, seria um ganho cultural para o estado.

“Para fazer valer a proposta do atual governo baiano de resgatar as manifestações tradicionais, é preciso que se invista na formação escolar voltada para a nossa história, para as nossas origens", sugere a pesquisadora, autora do livro Raízes Musicais da Bahia.

Falar de folclore sem se reportar a Luis da Câmara Cascudo (1898-1986) é o mesmo que ignorar figuras fantásticas da cultura brasileira, como o saci-pererê, a curupira, a mula-sem-cabeça e o boitatá.

Mas é bom lembrar que, como a cultura é dinâmica e está sempre se modificando, o folclore é tradição que se renova e ganha elementos novos ao longo do tempo e de um lugar para o outro.

Folclore, enquanto manifestações culturais e artísticas de um povo, é entendido por Mario Souto Maior, no seu Dicionário de Folcloristas Brasileiros, “o conjunto de costumes, crenças, tradições, lendas, provérbios, danças e canções transmitidos de geração em geração”.

História – A palavra folclore é de origem inglesa: folk (povo) e lore (saber) e significa sabedoria popular. Foi empregada pela primeira vez, em 1846, pelo arqueólogo inglês William John Thoms, para substituir a expressão “Antigüidades Populares". Em 1965, foi instituído o 22 de agosto no Brasil como o Dia do Folclore.

Algumas manifestações folclóricas são de caráter nacional (carnaval, futebol) e outras, regional (boi-bumbá, no Amazonas; Maracatu, em Pernambuco, Farra do Boi, em Santa Catarina, etc).

PROGRAMAÇÃO

Escola de Dança da Funceb – Dentre as comemorações pelo Dia do Folclore, destaque para o cortejo formado por cerca de 350 alunos do curso preparatório da Escola de Dança da Fundação Cultural do Estado, dirigida por Clécia Queiroz. Pelo segundo ano, eles desfilarão pelo Centro Histórico, amanhã, a partir das 15 horas, partindo de sua sede (Pelourinho) à Praça Pedro Arcanjo.

Pelourinho Cultural – Já o programa da Secretaria de Cultura da Bahia aposta no projeto Literatura entre as Ruas. O evento, cuja proposta é resgatar e valorizar a cultura popular através do teatro, artes plásticas, literatura, dança e música, teve quarta, 20, e prossegue até sexta, 22, no Largo Tereza Batista, das 10 às 20 horas, com acesso gratuito ao público. O projeto explora a literatura de cordel por meio de oficinas de xilogravura, teatro e construção de poesia popular. Haverá também feira de livros, palestras, apresentações teatral e musical, além da exposição Cordel reformado.

Mestre Bigodinho – Ainda dentro da programação folclórica, atenção para o Tributo ao Mestre Bigodinho, o Raimundo Santana, ainda na ativa , aos 79 anos. O projeto, organizado pelos mestres Lua Rasta e Ivan, tem abertura amanhã, às 10 horas, na Faculdade de Educação da Ufba (Canela), onde cerca de 20 crianças capoeiristas de Santo Amaro serão recebidas por mestres de capoeira. Em seguida, às 15 horas, o grupo visita o Centro Histórico e participam de oficinas e roda de capoeira.

Cirandando Brasil
– As crianças da Oscip – Sons do bem, através do projeto Cirandando Brasil – Memória da Brincadeira, da cantora Nairzinha, apresentam o que estão aprendendo em música, literatura, capoeira, dança, brincadeiras, folclore de origem africana, indígena e portuguesa. O evento acontece das 8h30 às 11h e das 14 às 16h30 na Escola Estadual Anísio Teixeira (Ladeira do Paiva, 40, Caixa D´Água).

Balé Folclórico da Bahia – Única companhia de dança folclórica profissional do país, o Balé Folclórico da Bahia completa no mês em se comemora o Dia do Folclore 20 anos de atividades. O grupo criado por Walson Botelho e Ninho Reis irá apresentar um espetáculo especial. No Teatro Castro Alves, neste domingo, às 20 horas, quando reviverá no palco duas décadas de dedicação às manifestações populares, representadas através da dança e da música.

Fonte: http://www.atarde.com.br/