Blog

praticada

Vendo Artigos etiquetados em: praticada

Nota de Falecimento: Mestre Diogo da Jaqueira do Carneiro

Mestre Diogo da Jaqueira, nasceu em 14 de Fevereiro de 1934 e iniciou-se na capoeira por volta do ano 1945 com Mestre Espinho Remoso (Elísio Maxiniano Ferreira), no próprio Bairro da Jaqueira do Carneiro, Salvador-Bahia.

Mestre Espinho Remoso havia adoptado Diogo como filho de criação e iniciou-o na arte da capoeira numa época em que a capoeira era praticada em dias santos e feriados.

 

O  sepultamento aconteceu:

dia 20 de julho de 2011, Quarta Feira às 16:30h

Local: Cemitério da Baixa de Quintas

Street Fighter 4 rejeita capoeirista

Os produtores do Super Street Fighter 4 vetaram a participação de um capoeirista entre os novos personagens do jogo.

A informação divulgada no Brasil pelo Games Terra, tem como fonte o blog Capcom Unity, que é o blog oficial da Capcom Corporation, a produtora japonesa que assina o jogo.

Yagli Gures, a luta praticada por HakanUm representante da nossa capoeira era cotado para novo personagem, mas o escolhido foi o turco Hakan, praticante de Yagli Gures (foto), uma espécie de luta-livre turca, também conhecida como Oil Wres, praticada com lutadores banhados em óleo.

A justificativa dos produtores foi dar prioridade a um estilo inédito, sendo que a capoeira já foi representada em uma edição anterior pela personagem Elena, que apesar de capoeirista, representava o Quênia.

Games Terra – http://games.terra.com.br/

Capcom Unity – http://www.capcom-unity.com/

 

Fonte: http://capoeiradevenus.blogspot.com

Jesus, Vigotisky, Capoeira e Cidadania

Angelo Augusto Decanio Filho, Mestre Decanio: Um dos principais mentores de meu trabalho, uma das pessoas mais brilhantes e ímpares que já conheci…

Sugiro de coração aberto e com toda a minha paixão pela capoeiragem e por seu trabalho a visita a um dos mais importantes sites da CAPOEIRA: “Capoeira da Bahia – A Capoeira é uma Escola de Cidadania”

Segue o Artigo que segundo o próprio Mestre Decanio: “… uma das coisas mais lindas que já escrevi sobre a capoeira…”

 

Jesus, Vigotisky, Capoeira e Cidadania

 

Ø Jesus pregou a cidadania como Lei Divina
# Somos todos irmãos

Ø Vigotisky concebeu a cidadania como decorrência lógica da vida em sociedade e cooperação inter-pares
# A vida em sociedade ou grupo baseia-se na cooperação entre seus membros ou pares
1
# Nenhum homem se constrói HOMEM sem a cooperação de OUTRO HOMEM
2

Ø A capoeira materializa a cidadania pela indispensabilidade de respeito e confiança mútua entre os seus praticantes
# A Capoeira parece um embate de corpos, mas é um encontro de corações em clima de harmonia, felicidade e amor
3

 

A Capoeira é uma escola de Cidadania (Luciano Milani)

Mais do que uma luta, a capoeira é hoje também dança, música, história e cidadania. É uma arte desportiva genuinamente brasileira que, de dia para dia, cativa cada vez mais jovens por todo o mundo, passando uma mensagem de vida, parceria e integração, na luta do dia-a-dia.

O Ministro da Cultura do Brasil, Gilberto Gil, em seu discurso de agosto de 2004 na ONU, em Genebra afirmou:

” … Atualmente, a capoeira já é praticada em mais de 150 países. Nas Américas, no Japão, na China, em Israel, na Coréia, na Austrália, na África e em praticamente toda a Europa. A capoeira disseminou-se pelo mundo com entusiasmo. Mesmo sem falar português, um chinês, um árabe, um judeu ou um americano podem repetir o compasso da mesma música, a arte do mesmo passo e a ginga do mesmo toque.”

A luta está sempre presente, até pelas suas origens – desenvolvida pelos escravos do Brasil como forma de resistir aos opressores, praticada em segredo e recorrendo à “ginga”, movimento que lembra a dança e à música, para assim “enganar” os patrões (Escravistas / Senhores de Engenho / Grandes Fazendeiros, etc…).
“Respeito, malícia, disputa, brincadeira” são elementos presentes durante o jogo onde as canções são marcadas ao ritmo do berimbau, instrumento “rei” da capoeira, sob um ritmo contagiante e profundo.

Quem entra na roda para jogar, entende que o respeito e a cidadania, inerentes do “JOGO”, são fundamentais dentro do universo da capoeiragem, pois a capoeira deve ser praticada dentro de um preceito básico, determinado por 3 PILARES FUNDAMENTAIS:

RITMO, RITUAL e RESPEITO

1 Peer em inglês – 2 Vigotisky – 3 AADF

Jesus, Vigotisky, Capoeira e Cidadania

Ø      Jesus pregou a cidadania como Lei Divina
o        Somos todos irmãos
Ø      Vigotisky concebeu a cidadania como decorrência lógica da vida em sociedade e cooperação inter-pares
o        A vida em sociedade ou grupo baseia-se na cooperação entre seus membros ou pares1
o        Nenhum homem se constrói HOMEM sem a cooperação de OUTRO HOMEM2
Ø      A capoeira materializa a cidadania pela indispensabilidade de respeito e confiança mútua entre os seus praticantes
o        A Capoeira parece um embate de corpos, mas é um encontro de corações em clima de harmonia, felicidade e amor3

 

A Capoeira é uma escola de Cidadania

 

Mais do que uma luta, a capoeira é hoje também dança, música, história e cidadania. É uma arte desportiva genuinamente brasileira que, de dia para dia, cativa cada vez mais jovens por todo o mundo, passando uma mensagem de vida, parceria e integração, na luta do dia-a-dia.

O Ministro da Cultura do Brasil, Gilberto Gil, em seu discurso de agosto de 2004 na ONU, em Genebra afirmou:

” … Atualmente, a capoeira já é praticada em mais de 150 países. Nas Américas, no Japão, na China, em Israel, na Coréia, na Austrália, na África e em praticamente toda a Europa. A capoeira disseminou-se pelo mundo com entusiasmo. Mesmo sem falar português, um chinês, um árabe, um judeu ou um americano podem repetir o compasso da mesma música, a arte do mesmo passo e a ginga do mesmo toque.”

A luta está sempre presente, até pelas suas origens – desenvolvida pelos escravos do Brasil como forma de resistir aos opressores, praticada em segredo e recorrendo à “ginga”, movimento que lembra a dança e à música, para assim “enganar” os patrões (Escravistas / Senhores de Engenho / Grandes Fazendeiros, etc…).
“Respeito, malícia, disputa, brincadeira” são elementos presentes durante o jogo onde as canções são marcadas ao ritmo do berimbau, instrumento “rei” da capoeira, sob um ritmo contagiante e profundo.

Quem entra na roda para jogar, entende que o respeito e a cidadania, inerentes do “JOGO”, são fundamentais dentro do universo da capoeiragem, pois a capoeira deve ser praticada dentro de um preceito básico, determinado por 3 PILARES FUNDAMENTAIS:

RITMO, RITUAL e RESPEITO

TRÊS “ERRES” FUNDAMENTAIS

“Capoeira é uma palavra estranha…
que se escreve com um “rê” suave…
e se pratica com três “erres”…
o primeiro é o RITMO… o segundo o RITUAL..
o terceiro é o RESPEITO…
sem os quais não se joga capoeira!”


1 Peer em inglês – 2 Vigotisky – 3 AADF

Mestre brasileiro impressionado com desenvolvimento da modalidade em Angola

Luanda   – O director-geral do Instituto Internacional Terreiro Capoeira, Reginaldo Costa “Squisito”, disse hoje (sábado), em Luanda, estar impressionado com a forma como os jovens angolanos estão a desenvolver a capoeira.

O mestre, que falava à Angop, na cerimónia de baptismo e graduação dos novos capoeiristas, no ginásio Team Elite, afirmou que a capoeira tem origem em Angola e se desenvolveu no Brasil

“Digo isso porque aquando da escravatura, foram levados muitos negros angolanos para as Américas, que se divertiam com estes passos. É por este motivo que o Brasil, em homenagem a Angola, criou o estilo que se denominou capoeira Angola, já praticada em todo mundo”.

Por outro lado, o mestre de estilo capoeira Angola, Luís Marinheiro, disse que o estilo Angola é o mais antigo que o Brasil pratica.

O mestre com mais de duas década de capoeira no Brasil, com lágrimas nos olhos e  emocionado pela forma como foi acolhido na sua primeira visita ao país, afirmou que não tem dúvidas que a capoeira seja cultura de Angola.

Felicitou os mestres angolanos pela preservação da cultura e pelo trabalho que têm vindo a desenvolver na modalidade em Angola.

 

Fonte: http://www.portalangop.co.ao

Aconteceu: II MUZENZAYA CAPOEIRA

O Grupo Muzenza de Capoeira/AL realizou nos dias 12 a 14 de dezembro em Maceió, o II MUZENZAYA – Encontro de Capoeira que possui todas as atividades ministradas por mulheres. As atividades aconteceram nos bairros do Feitosa, Jatiúca e Clima Bom, com aulas de maculelê, dança-afro, teatro e capoeira.

O evento buscou expandir a atuação feminina, combater qualquer forma de preconceito e investir no desenvolvimento do patrimônio cultural no Estado. Os organizadores defendem que: "Na roda de capoeira não existe homem nem mulher, somos todos capoeiristas".

A capoeira é uma das principais riquezas da cultura afro-brasileira. Praticada em 164 países, é uma mistura de dança, música, esporte, arte, brincadeira, e também, considerada uma filosofia de vida para muitas pessoas. Divide-se em estilos: angola, regional e contemporânea (criada recentemente), executados por capoeristas das mais variadas classes sociais, faixas etárias, sem discriminação quanto à religião, raça ou gênero.

 

Mais informações: (82) 8814-4366, 8808-9366, ou pelo email [email protected] .

 

Acesse o site: http://www.muzenza.com.br.

Portugal: Capoeira ganha novo espaço em Mogadouro

Depois de mais de 7 meses lecionando a "céu aberto", na Praça da Fonte Nova em Mogadouro, o Grupo de Capoeira que tem o mesmo nome da Vila, ganha um novo espaço para continuar desenvolvendo o seu trabalho, com melhores condições, nas instalações da Escola Primária de Mogadouro- EB1.
 
Sempre na busca de uma dinâmica e de uma participação efetiva da comunidade nas atividades desportivas e culturais, o Dr. Jacinto Galvão, Presidente da Comissão Executiva Instaladora do Agrupamento de Escolas de Mogadouro, foi o grande responsável por esta grande conquista e mais valia para o alunos da Capoeira Mogadouro.
As aulas são gratuitas e abertas a toda a comunidade e acontecem todas as Terças e Quintas nas Instalações da Escola Primária EB1, dás 19:30 hs às 21:00 hs (Inverno) / 20:00 hs às 21:30 hs (Verão)
Mais do que uma luta, a capoeira é hoje também dança, música, história e cidadania. É uma arte desportiva genuinamente brasileira que, de dia para dia, cativa cada vez mais jovens por todo o mundo, passando uma mensagem de vida, parceria e integração, na luta do dia-a-dia.
 
O Ministro da Cultura, Gilberto Gil, em seu discurso de agosto de 2004 na ONU, em Genebra afirmou:
" … Atualmente, a capoeira já é praticada em mais de 150 países. Nas Américas, no Japão, na China, em Israel, na Coréia, na Austrália, na África e em praticamente toda a Europa. A capoeira disseminou-se pelo mundo com entusiasmo. Mesmo sem falar português, um chinês, um árabe, um judeu ou um americano podem repetir o compasso da mesma música, a arte do mesmo passo e a ginga do mesmo toque."
 
Aproximadamente há quatro anos e meio, residindo em Mogadouro, Luciano Milani, natural de São Paulo, Brasil, e conhecido nas rodas capoeiristicas como “Milani”, decidiu implantar em Portugal, mais precisamente em Mogadouro a arte da capoeira, trazendo consigo toda uma cultura brasileira e a cerca de dois anos e meio, fundou o Grupo de Capoeira Mogadouro, por onde já passaram mais de 60 alunos, hoje o grupo conta com cerca de 18 integrantes.
 
A luta está sempre presente, até pelas suas origens – desenvolvida pelos escravos do Brasil como forma de resistir aos opressores, praticada em segredo e recorrendo à “ginga”, movimento que lembra a dança e à música, para assim “enganar” os patrões (Escravistas / Senhores de Engenho / Grandes Fazendeiros, etc…).
“Respeito, malícia, disputa, brincadeira” são elementos presentes durante o jogo onde as canções são marcadas ao ritmo do berimbau, instrumento "rei" da capoeira, sob um ritmo contagiante e profundo.
 
Quem entra na roda para jogar, entende que o respeito e a cidadania, inerentes do "JOGO", são fundamentais dentro do universo da capoeiragem, pois a capoeira deve ser praticada dentro de um preceito básico, determinado por 3 PILARES FUNDAMENTAIS:
RITMO, RITUAL e RESPEITO
TRÊS "ERRES" FUNDAMENTAIS
 
"Capoeira é uma palavra estranha…
que se escreve com um "rê" suave…
e se pratica com três "erres"…
o primeiro é o RITMO… o segundo o RITUAL..
o terceiro é o RESPEITO…
sem os quais não se joga capoeira!"
 
Mestre Decanio, Presidente de Honra do Grupo Capoeira Mogadouro.
 
 
Agradecimentos especiais a toda a equipe de docentes e funcionários do Agrupamento de Escolas de Mogadouro, a toda a Comissão Executiva e ao Professor Manuel Paulo Borges, Diretor responsável pela Escola Primária EB1 de Mogadouro.
 
Read More

A Origem do nome CAPOEIRA

O nome Capoeira de Angola surgiu quando os senhores flagravam os negros jogando e perguntavam: “O que estão fazendo?”. Os negros estão brincando de Angola — respondiam…
Origina-se  dos capoeiros  –  Lugares com pouco mato onde os negros fugidos enfrentavam seus perseguidores.

Os Escravos ao fugirem para as matas, tinham no seus encalços esses famigerados Capitães do Mato, enviados pelos senhores; os escravos em fuga reagiam e os atacavam, nas clareiras de mato ralo, cujo nome é capoeira, com pés, mãos e cabeças, dando-lhes surras ou até mesmo matando-os. Porém os que sobreviviam voltavam para os seus patrões indignados. Estes perguntavam: “Cadê os negros?” e a resposta era: “Eles nos pegaram na capoeira”. Referindo-se ao local onde foram vencidos.

José de Alencar, escritor, em 1865, na sua primeira edição de Iracema, propôs para o vocábulo capoeira, o tupi – caa-apuam-era (ilha de mato já cortado).

Além disso, capoeira significava cesto de varas, onde se guardavam aves, capões, galinhas, etc. conta-se que os escravos, ao levarem capoeiras de aves para vender, enquanto esperavam o mercado abrir, divertiam-se jogando capoeira.

Outro argumento para o vocábulo é a existência no Brasil, de uma ave chamada capoeira que se encontra por vários estados brasileiros, também pode ser encontrada no Paraguai, é também conhecida com o nome de Erú, anda pelo chão e agrupam-se em bandos.

 

* A Capoeira no meio das matas era praticada como luta mortal. Já nas fazendas, era praticada como brinquedo inofensivo, pois ela estava sendo feita sob os olhares dos Senhores de Engenho. Naquele momento se transformou em dança. Para disfarçarem a luta utilizavam a ginga, a base de qualquer “capoeirista”; e é dela que saem todos os golpes. Esse disfarce foi fundamental para a sobrevivência dos escravos, pois a Capoeira é, principalmente, na sua origem, uma luta de resistência.

Capoeira Mogadouro

Professor Luciano Milani

Aulas:
Terças e Quintas 20:00-21:30
Complexo Desportivo de Mogadouro (Junto as Piscinas Municipais)

Mogadouro – Portugal
+ 351 938304080

Mais do que uma luta, a capoeira é hoje também dança, música, história e cidadania. É uma arte desportiva genuinamente brasileira que, de dia para dia, cativa cada vez mais jovens por todo o mundo, passando uma mensagem de vida, parceria e integração, na luta do dia-a-dia.

O Ministro da Cultura do Brasil, Gilberto Gil, em seu discurso de agosto de 2004 na ONU, em Genebra afirmou:

” … Atualmente, a capoeira já é praticada em mais de 150 países. Nas Américas, no Japão, na China, em Israel, na Coréia, na Austrália, na África e em praticamente toda a Europa. A capoeira disseminou-se pelo mundo com entusiasmo. Mesmo sem falar português, um chinês, um árabe, um judeu ou um americano podem repetir o compasso da mesma música, a arte do mesmo passo e a ginga do mesmo toque.”

Aproximadamente há cinco anos, residindo em Mogadouro, Luciano Milani, natural de São Paulo, Brasil, e conhecido nas rodas capoeiristicas como “Milani”, decidiu implantar em Portugal, mais precisamente em Mogadouro a arte da capoeira, trazendo consigo toda uma cultura brasileira e a cerca de tres anos, fundou o Grupo “Capoeira Mogadouro”, por onde já passaram mais de 60 alunos, hoje o grupo conta com cerca de 15 integrantes.

A luta está sempre presente, até pelas suas origens – desenvolvida pelos escravos do Brasil como forma de resistir aos opressores, praticada em segredo e recorrendo à “ginga”, movimento que lembra a dança e à música, para assim “enganar” os patrões (Escravistas / Senhores de Engenho / Grandes Fazendeiros, etc…).
“Respeito, malícia, disputa, brincadeira” são elementos presentes durante o jogo onde as canções são marcadas ao ritmo do berimbau, instrumento “rei” da capoeira, sob um ritmo contagiante e profundo.

Quem entra na roda para jogar, entende que o respeito e a cidadania, inerentes do “JOGO”, são fundamentais dentro do universo da capoeiragem, pois a capoeira deve ser praticada dentro de um preceito básico, determinado por 3 PILARES FUNDAMENTAIS:

RITMO, RITUAL e RESPEITO

TRÊS “ERRES” FUNDAMENTAIS

“Capoeira é uma palavra estranha…
que se escreve com um “rê” suave…
e se pratica com três “erres”…
o primeiro é o RITMO… o segundo o RITUAL..
o terceiro é o RESPEITO…
sem os quais não se joga capoeira!”

Mestre Decanio, Presidente de Honra do Grupo Capoeira Mogadouro.


Quem conhece, dedica-lhe em primeiro lugar respeito.
Quem quer conhecê-la, se chegar a desvendar seus mistérios
e sentir sua grandeza, vai amá-la.

 

“Capoeira … É defesa ataque… é ginga de corpo… é malandragem…”