Blog

saber

Vendo Artigos etiquetados em: saber

Crônica: A Chatice da Igualdade

A CHATICE DA IGUALDADE.
Como trabalhar as diferenças e aprender com elas.

Quem nunca viveu uma situação como esta; tu sai a procura de emprego roda, roda, roda e só encontra NÃO ou então a seguinte frase: Você é muito qualificado para o cargo; arquivaremos e seu currículo. É péssimo não é? Vamos usar esta comparação para amigos e amigas portadores de necessidades especiais que além da procura de emprego e educação; buscam atividades físicas planejadas como jogos coletivos, lutas, atividades aquáticas, danças ou qualquer outro exercício.

Enquadra-se aqui os mais diferentes aspectos em deficiência física, mental, social, cognitiva, motora, visual ou outras. Aliás, que palavra é está hein??? Deficiência!!!

Acredito que todos nós temos as nossas. Eu tenho as minhas, você não tem as suas?

Há também tanta deficiência moral e ética no mundo e estas, muitas vezes, são denominadas de “normais”. Enfim; está é uma outra história!

Voltemos à questão da inclusão. Incluir é diferente de integrar. Incluir é fazer com que este indivíduo participe da atividade, do emprego, do jogo, da educação. Integrar é somente juntá-lo ao grupo, muitas vezes desprezando a sua presença e não pensando em procedimentos para fazer com que esta pessoa faça parte do momento. Então; a questão é inclusão e não integração!

Já presenciei inúmeras vezes educadores, professores, gerentes, diretores, donos de empresa tirando o corpo fora quando é hora de “incluir” . Oferecem uma desculpa qualquer, indicam o vizinho e jogam a batata quente para o outro lado.

Certa vez uma mãe de um garoto com necessidades especiais me procurou dizendo da dificuldade em achar um local para que seu filho praticasse um esporte. Ouviu uma série de desculpas e até um encaminhamento para a medicina, tratando assim o garoto como um doente e não como uma pessoa capaz de realizar toda e qualquer tarefa, necessitando apenas de uma adaptação para isso.

Todos podem dividir os mesmo espaços e as mesmas atividades sem muitos esforços. Basta um pouco de bom senso e curiosidade por parte de educadores para saber qual necessidade devemos adaptar para cada situação que nos é colocada à prova. Cadeirantes, amputados, deficientes visuais, transtornos mentais, dificuldade de cognição não importa o título. É apenas necessário buscar a informação e proceder acolhendo e tratando sem distinção estas pessoas que nos procuram.

Muitos ainda pecam por excesso de zelo. Não por culpa própria, mas por inexperiência. Os portadores de necessidades especiais devem ser tratados como os demais. Sem mimos ou dó. Normal!O estimule e elogie, cobre e se preciso chame a atenção. Você o fará se sentir uma pessoa como outra qualquer que na verdade é o que são.

No geral eles são mais aplicados. Insistem mais na repetição do exercício ou no estudo. Não desistem fácil e raramente faltam às aulas. Possuem um compromisso enorme com a atividade ou a aula. Não é raro encontrarmos pessoas que praticam capoeira com amputação de membros inferiores ou com grave comprometimento neurológico. Mesmo assim podem sentir a energia da roda, tocar os instrumentos, cantar, bater palmas, pesquisar e nos fornecer lições que só a vida pode nos ensinar. E a presença de todos eles durante a aula, contribui com os demais que enxergam nestas pessoas a superação, e quebram certos paradigmas enraizados como o preconceito e a discriminação.

Na vida, constantemente estamos nos adaptando a diferentes situações. Caímos e levantamos, superamos crises e infelicidades. Encaramos novas realidades e mudanças. Conhecemos novos lugares e pessoas. Tudo isto pede adaptação. Um saber agir diferente e a capacidade de mudar, transformar e tocar o barco à frente. No momento que você for colocado à prova, não desista. Procure informação, leia, pesquise, mas antes de tudo traga a pessoa para junto de si. Faça-a sentir a segurança do seu trabalho e afeto no seu falar. Ache meios para ela participar de sua aula. Busque saber sim o seu estado clínico, principalmente com patologias relacionadas com o sistema cárdio-respiratório e músculo-esquelético. Mas nunca a trate como um doente. Certamente você aprenderá demais e multiplicará as suas experiências. Na era da inclusão não é necessário muito para a sua colaboração, somente tirar boas impressões das diferenças. Afinal que chato se fossemos todos iguais!

BEIJA-FLOR

*Educador em Capoeira. *Bacharel em Comunicação Social com especialização em Jornalismo. *Licenciado Pleno e Bacharel em Educação Física. Grupo Macungo de Capoeira, extensão Projeto Beija-Flor

SÃO BERNARDO DO CAMPO/SP

http://bfcapoeira.vilabol.com.br

[email protected]

Bahia: Ginga Mundo & Língua da Capoeira

Mestre Suassuna, em seu último CD, oportunamente canta uma música que vem contextualizar esta matéria, e contrapor um de seus mais antigos sucessos: "Capoeira pra estrengeiro… é mato…"

Língua da capoeira: Mesmo sem saber uma palavra de português, estrangeiros cantam ladainhas e participam do Ginga Mundo

O idioma pouco importa. Seja inglês, francês, italiano, alemão ou até japonês, o essencial é saber as regras da capoeira e se portar de forma adequada durante as rodas. Os movimentos substituem a comunicação oral. As ladainhas, a maioria tira de letra, mesmo sem saber português ou o significado das palavras.

Os ensinamentos são dos mestres, que deixaram o Brasil para ganhar o mundo com a disseminação da cultura afro-brasileira. Essa vasta experiência foi tema de palestra no segundo dia de programação do IV Encontro Internacional de Capoeira – Ginga Mundo.

A sala do Projeto Mandinga, na manhã de ontem, tornou-se compacta diante da quantidade de interessados que adentravam no ambiente. As cadeiras não foram suficientes. Quem não agüentou ficar em pé, escolheu o chão como amparo. Na mesa central, diversos mestres de capoeira compartilhavam suas experiências mundanas. O debate tinha como enfoque os meios de preservação da capoeira no mundo contemporâneo. A dificuldade da maioria deles é fazer os estrangeiros compreenderem a luta como algo além dos movimentos corporais sob o som do berimbau.

Exportação – Mestre Preguiça, Vandenkolk Oliveira, tem 61 anos e há 25 ensina capoeira angola em uma universidade na cidade de São Francisco, Califórnia. Discípulo do saudoso mestre Pastinha, ele conta que a aceitação da cultura brasileira no país americano é grande, mas difícil mesmo foi o preconceito racial. “Tive dificuldade em me apresentar enquanto professor, porque eu não sou negro”, relembra.

O mineiro mestre Miltinho, Evanildo Alves, 37 anos, não sofreu discriminação. Há 29 ensina capoeira regional. Na década de 90, ele deixou o Brasil para desenvolver trabalhos na Bélgica, Alemanha e Polônia. A primeira dificuldade foi falar o idioma. Atualmente, ele tenta preservar a cultura através da conscientização. “O desafio é aplicar e ensinar a capoeira como é praticada no Brasil. Mantendo a tradição sem sofrer influência da cultura do exterior”, explica.

A disseminação da capoeira teve início na década de 60, com os grupos folclóricos. O pioneiro foi o de Emília Biancard, levado principalmente para a Europa. Nesse período, segundo mestre Cobrinha, o Cinézio Peçanha, 48, as pessoas não conheciam a capoeira. Atualmente, essa realidade mudou. “Hollywood desenvolveu películas sobre a capoeira e levou ao conhecimento geral”, informa. Com isso, o apoio à luta tornou-se mais intenso em países estrangeiros, em alguns até mais que no próprio Brasil.

Ainda assim, mestre Cobrinha admite a dificuldade em fazer o público estrangeiro entender a essência da capoeira. “Eles querem definir a capoeira dentro dos padrões culturais de seus países e não como uma cultura afro-brasileira”, lamenta. Os itens mais trabalhosos de ensinar são as gírias e o próprio modo de ser malandro, a malícia que precisa ser expressa com o corpo. “Quando esses alunos vão ao Brasil conseguem compreender. É como se desse um estalo”, garante.


Memória corporal

O IV Encontro Internacional de Capoeira – Ginga Mundo, reúne capoeiristas de todo o mundo. Mas não precisa falar português para entrar numa roda. A memória corporal e a linguagem própria da capoeira dispensam a oralidade. “Todos os mestres ensinam quase da mesma forma e, por isso, quando um estrangeiro chega na roda já sabe como realizar os movimentos”, explica mestre Cobrinha.

O berimbau dá início à luta. O mestre ou professor, que conduz a roda, aponta o instrumento para os dois primeiros lutadores. Começa então a capoeira. As ladainhas ficam gravadas na memória. Apesar de muitos não saberem sequer o português, ou até mesmo o significado da canção, os capoeiristas estrangeiros sabem cantá-las muito bem.

É importante também conhecer a tendência das músicas. Segundo mestre Cobrinha, algumas ladainhas podem ser provocativas, desafiadoras ou até de brincadeira, e em alguns casos podem ofender o próximo ou provocar conflitos. “O contexto do momento é que vai dizer a melhor ladainha. Normalmente quem está com o berimbau é quem inicia a canção ou o mestre mais antigo”, esclarece.

Fonte: Correio da Bahia – http://www.correiodabahia.com.br

Documentário Brasil Paz no Mundo: Capoeira & Homenagem ao Diplomata morto

Brasil Paz no Mundo: Filme em homenagem ao diplomata Sérgio Vieira de Mello será exibido pela Radiobrás

Será exibido no próximo domingo, dia 19 de agosto, às 19h, na Radiobrás, o documentário Brasil Paz no Mundo. Realizado com o apoio do Ministério da Cultura, o filme documenta uma homenagem ao diplomata Sérgio Vieira de Mello, morto num atentado terrorista no dia 19 de agosto de 2003, em Bagdá, na sede local da Organização das Nações Unidas (ONU).

O documentário – que apresenta cenas de um ato em homenagem ao embaixador brasileiro realizado no Victoria Hall Theatre, em Genebra, um ano após o atentado – destaca a importância da Capoeira ser apoiada por uma política pública específica. Por ocasião do evento, o ministro Gilberto Gil relacionou a ação diplomática e a manifestação cultural como capazes de construir espíritos de camaradagem, inclusão, diálogo e paz no mundo.

"O nosso país celebra a arte do encontro, da resistência cultural e da fraternidade. É por isso que trago hoje à ONU capoeiristas de todo o mundo para homenagear a Sérgio Vieira e seus campanheiros e companheiras. Afinal, ninguém luta só, ninguém dança só", destacou Gil.

Ainda durante o encontro, o ministro da Cultura propôs a criação do Programa Nacional e Mundial da Capoeira: um projeto participativo que, além de levar em conta as demandas e necessidades dos capoeiristas, pretende difundir e valorizar a prática em todos os seus aspectos.

Leia o discurso que o ministro da Cultura proferiu em Genebra.

Documentário

Ao longo do filme também são exibidos depoimentos de alunos e mestres de capoeira que descrevem a importância que ela possui em suas vidas como fator de integração em suas comunidades. De acordo com o secretário executivo do MinC, Juca Ferreira, "é necessário fazer um movimento no sentido de resgate, de recuperação, de mudança de postura; e reconhecer a capoeira como uma manifestação cultural das mais importantes".

Juca também destacou o dever de preservar o saber dos mestres da capoeira ao invés de desapropiá-lo de suas verdadeiras origens. "A capoeira esta indissoluvelmente ligada ao saber de seus mestres. Devemos fortalecer esse saber e reconhecer a sua importância cultural", completa.

Brasil Paz no Mundo: Filme em homenagem ao diplomata Sérgio Vieira de Mello será exibido pela Radiobrás Combate permanente à violência

Sérgio Vieira de Mello foi um diplomata brasileiro que dedicou 34 anos da sua vida ao serviço das Nações Unidas. 
 
Sua atividade profissional foi relacionada à reconstrução de comunidades que sofreram as conseqüências de guerras e de violências extremas. O caráter humanista de sua formação associado ao talento para a negociação e defesa da democracia foram responsáveis pelo sucesso de muitas de suas iniciativas.

Seu desempenho é hoje a maior fonte inspiradora da perpetuação de sua memória e do permanente debate do seu pensamento. No site www.usp.br/svm/tnp é possível conferir vários artigos, pronunciamentos e entrevistas do diplomata, em vários momentos de sua carreira.

 

Fonte:

http://www.cultura.gov.br/noticias/noticias_do_minc/index.php?p=28824&more=1&c=1&pb=1

(Renato Paiva)
(Comunicação Social/MinC)

Crônica: A Sabedoria do Povo do Brasil

"A Capoeira é sabedoria do povo do Brasil." É assim que o Mestre Angoleiro (Prof. J. Bamberg), discípulo do Mestre Bimba, conta como ele definia a Capoeira. Hoje em dia, o Mestre também tem se incomodado muito com as "novas tradições" da Capoeira… Uma figura e tanto!!

Há um tempo atrás chegou num evento, foi apresentado e depois desse momento, quando pra começar a roda, abriu tocando seu berimbau viola. Para seu espanto, o responsável pela roda disse: "-Mestre, aqui está o gunga para o senhor!". O Mestre Angoleiro insistiu no seu berimbau viola e aí veio o comentário: "– Aqui no grupo o gunga é que "comanda" a roda, e como o Senhor é o mestre mais antigo, TEM QUE tocar o gunga".  O Mestre gingou um pouco… (sem entrar na roda), não tocou nem um, nem outro, esperou o desenrolar do evento educadamente, não “comandou” nada e… Ao fim do evento agradeceu a todos e foi-se embora.
 

Parece que as pessoas afiadas de pensamento, como o Mestre, atraem esse tipo de situação, e o interessante é a forma como esse pensamento afiado trás sempre uma reflexão importante e óbvia sobre o acontecido.  E mesmo sendo uma reflexão óbvia, a maioria das pessoas não havia percebido o mesmo… No caso do Mestre foi um comentário muito interessante: “-Só na cabeça desses “oligofrênicos” é que uma “coisa” (no caso o berimbau gunga) pode substituir o conhecimento de um Mestre do saber popular!”. Oligofrênico é o “apelido” carinhoso do Mestre para a galera cheia de músculos e vazia de conhecimentos.
 

Essa passagem na vida do Mestre é só mais um entre tantos acontecimentos que mostram como a re-invenção de tradições (para validar as “heranças culturais”) e a repetição desses rituais podem levar a um processo de alienação em que as pessoas, a Educação e o verdadeiro sentido da Capoeira – Sabedoria do povo do Brasil, são colocados em segundo plano. Para essas pessoas, o mais importante é mostrar o quanto se sabe, ou em algumas ocasiões, o quanto o outro não sabe a respeito das “tradições” (re-inventadas) de determinada escola de capoeira… 
 

Assim, tradições e rituais que deveriam servir para manter viva nossa Cultura Popular, nossa sabedoria, acabam por reforçar a prática da Capoeira dentro de um contexto competitivo, exclusivo e opressor. Sempre dando mais valor as supostas diferenças entre as escolas e grupos de Capoeira, do que ao que temos de mais importante e em comum – somos todos seres humanos, todos Capoeiras.
 

Como o Mestre Angoleiro costuma dizer: “– Isso é `Capoeira de Prateleira´, rapaz! A Capoeira não é isso não!”. Ele também conta que esses rituais rígidos, essas regras generalizadas que estão chamando de “tradição” e de “fundamento”, são na verdade re-invenções, são parte de um processo de “re-tradicionalização” da Capoeira. Um movimento criado por algumas pessoas para justificar sua rigidez, seus recalques e tentar herdar um legado cultural construído pelos verdadeiros Mestres do saber popular. Estes últimos sim, eram capazes de ensinar com simplicidade, compromisso e devoção. Eles, com certeza, tinham seus rituais e seus métodos, cada um a seu modo e sempre com o compromisso de passar adiante sua sabedoria – a Capoeira, para seus semelhantes.
 

O finado Mestre “Iziquiel” levava a roda cantando suas chulas e tocando seu pandeiro, hoje em dia, Mestre João Pequeno leva sua roda tendo como instrumento só uma baqueta na mão, o Mestre João Grande usa uniforme branco na sua academia e não mais o preto e amarelo do Ipiranga do Mestre Pastinha. Todos eles são Grandes Mestres respeitadíssimos que formaram suas tradições e rituais durante anos de compromisso ensinando sua sabedoria aos seus iguais. O conhecimento, a dedicação, os rituais e tradições que eles têm são instrumentos de libertação que vem de sua ancestralidade cultural.
 

Tenho certeza que essas pessoas maravilhosas que fizeram da Capoeira um ofício (não uma profissão!), jamais colocariam seus rituais, suas tradições acima da Educação e dos bons modos para com o próximo. Mesmo o berimbau sendo um instrumento sagrado, concordando com o Mestre Angoleiro, penso que não podemos substituir a figura do verdadeiro Mestre, a Educação e o bom senso por um conjunto de “tradições re-inventadas”! A educação deve estar em primeiro plano. Antes de qualquer ritual, tradição ou fundamento, deve vir o respeito ao próximo e os bons valores. O conhecimento na Capoeira deve servir a todos, deve libertar os oprimidos, incluir os excluídos, deve estar à cima de tudo a serviço da solidariedade!
 

Entretanto, existe mais um motivo que sustenta esse radicalismo, esse “engessamento”, essa re-tradicionalização da Capoeira por alguns seguidores desse comportamento: A adequação ao mercado! O “conhecimento” fica na mão de poucos e com isso o poder e o dinheiro em um circuito fechado. Fora desse circuito, existe uma quantidade imensa de jovens professores esperando por um reconhecimento, uma aceitação, que nunca virá! Por um simples motivo, esses milhares de jovens professores são o maior mercado desses poucos radicais, que por interesses financeiros, fecham as passagens que um dia eles próprios usaram. “-Lástima! Assim eles estão queimando seus próprios rastros…”, como diz o Mestre Angoleiro.
 

Precisamos nos cuidar! Hoje, grande parte do mundo da Capoeira está sofrendo mudanças para se adequar a um mercado que só visa o capital. Não podemos esquecer de nos perguntar: – Que Mercado é esse que estamos nos adaptando?! E, quais são nossos objetivos, verdadeiros, ao ensinar/praticar a Capoeira?
 

Pois bem, para conseguir mudar alguma coisa, não podemos mais aceitar as “verdades” que nos “ensinam”, ou melhor, que nos vendem como Capoeira! Precisamos ouvir, estudar e praticar verdades muito mais coerentes! Como diz o Mestre Cláudio Danadinho (Professor Arq. Cláudio Queiroz, um dos fundadores do Grupo Senzala): “-A Capoeira é um método de preparo para a vida, um caminho para felicidade universal.” Para o Dr. Ângelo Decânio (um dos discípulos mais antigo do Mestre Bimba), a Capoeira é um instrumento de cidadania cristã!
 

A Capoeira é nossa ferramenta para melhorar o mundo a nossa volta! Mas para isso precisamos conhecer bem nosso instrumento, tirar dele todas as possibilidades de ensino-aprendizagem. E, nesse sentido, vale à pena conhecer a fundo, saber praticar e ensinar a capoeira de Mestre Bimba, de Mestre Pastinha, dos Mestres Valdemar, Traíra, Paulo dos Anjos e tantos outros. Ao dizer do Mestre Suassuna: “-Precisamos praticar uma Capoeira sem rótulos!”.
 

É preciso construir um futuro tendo em mente a vida que levamos em nossa sociedade. Precisamos ensinar/praticar uma Capoeira que possa, ao mesmo tempo, criticar e avaliar nossos enganos e trazer valores mais humanos. Ensinar/praticar uma Capoeira que traga valores mais dignos, que eduque, inclua e liberte, de verdade. Precisamos pesquisar o passado, fundamentos e tradições não para nos aprisionar, mas como forma de nos preparar melhor como Mestres do Saber Popular na Capoeira, construindo assim uma sociedade melhor.
 

Eurico Neto / Contra-Mestre da Associação Cordão de Ouro Brasília
Academia Cordão de Ouro – Instituto Volta por Cima
CLN 107, Bloco "A", Ap. 208 CEP 70743-510 Brasília DF, Brasil
+55 61  3443.8450 – 8111.0647
www.cordaodeouro.org

3 de Agosto: Dia do Capoeirista – Matéria V

DATAS COMEMORATIVAS : Dia do Capoeirista (03/08) – Fonte Almanaque Brasil
Século 19. Abolida a escravidão, nas principais cidades portuárias negros se oferecem para carregar móveis, mercadorias, dejetos. Defendem-se por meio da capoeira. Ora empregando a agilidade, ora valendo-se também de cacetes e facas.
Maltas aterrorizavam a população. Com a República, em 1889, Deodoro da Fonseca (1827-1892) inicia campanha de combate à capoeira. Em outubro de 1890, promulga a Lei 487, de Sampaio Ferraz, que prevê de dois a seis meses de trabalho forçado na Ilha de Fernando de Noronha. No art. 402, “Dos vadios capoeiras”, lê-se:
Fazer nas ruas e praças públicas exercícios de agilidade e destreza corporal conhecidos pela denominação capoeiragem; andar em correria, com armas ou instrumentos capazes de produzir uma lesão corporal, provocando tumulto ou desordem, ameaçando pessoa certa ou incerta, ou incutindo temor de algum mal.
Pena – prisão celular de dois a seis meses.
Parágrafo único – é considerada circunstância agravante pertencer o capoeira a algum bando ou malta. Aos chefes e cabeças se imporá a pena em dobro.
Ao assumir o poder com a Revolução de 1930, Getúlio Vargas liberou uma série de manifestações populares, entre elas a capoeira, que hoje aspira até a figurar nos jogos olímpicos.
Espírito do Capoeirista
1- Conhecer-se é dominar-se. dominar é triunfar.
2- Sempre ceder para vencer.
3- Capoeira é o que possui, inteligência para compreender aquilo que não lhe ensinam, paciência para ensinar o que aprendeu, e fé para acreditar naquilo que não compreende.
4- Quem teme perde, já está vencido.
5- Somente se aproxima da perfeição quem procura com constância, sabedoria, e sobre tudo com muita humildade.
6- Saber cada dia um pouco mais e usá-lo todos os dias para o bem é o caminho dos verdadeiros capoeiristas.
7- Quando verificarmos com tristeza, que não sabemos nada, terá feito o teu primeiro progresso na capoeira.
8- O corpo é uma arma, cuja a eficiência depende da precisão com que usa a sua inteligência.
9- Praticar capoeira é ensinar a inteligência e pensar com velocidade e exatidão e, ao corpo obedecer com justiça.
10- A fraqueza é susceptível, a ignorância é rancorosa, o saber e a força dão a compreensão, quem compreende perdoa.
11- O homem que domina sua mente jamais será escravo.
12- O que parece dificuldade constitui a chance de seu progresso.
13- Em tudo que fizeres, põe tua esperança a frente;
14- Um Mestre é alguém que tem a coragem de pensar, acreditar e até errar;
15- O importante é que transmita seus ensinamentos.

Fonte: Almanaque Brasil
Fonte: http://www.ufg.br/datas/data.php?d=622

EDUCAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS

Neste artigo o Professor Acúrsio Esteves, nos relata a evidente influência e o papel relevante das ferramentas de informação em nossas vidas…  Muitos devem estar perguntando… o que é que isso tem em comum com a capoeira? Pra que isso me interessa???
 
O Portal Capoeira sugere a leitura desta matéria e aproveita para fazer uma analogia entre o sistema de educação formal e o sistema de educação representado pela "CAPOEIRA".
 
Hoje existem diversos sitios e um vasto leque de material disponível na internet para todo e qualquer capoeirista interessado na busca incessante pelo conhecimento poder fazer valer este diretio inenarrável do ser humano: "O apreender". Cabe a cada um de nós capoeiristas de coração fazer uso deste enorme potencial, Vale lembrar que a cerca de dez a quinze anos atrás era quase que uma missão impossível conseguir matérias sobre a capoeira… Era como garimpar em busca de ouro… Mesmo no campo das produções literárias a oferta era pequena…
 
Hoje com a evolução das tecnologias, com a massificação da comunicação… nós capoeiristas ou não, temos acesso a um menu dos mais vastos e variados… Temos documentos históricos disponíveis, temos manuscritos de grandes Mestres de Capoeira, temos teses de mestrado… temos o Jornal do Capoeira, Temos vários colaboradores que escrevem com paixão pelo simples fato de somar e colaborar… Temos ferramentas de divulgação… onde os grupos ou Mestres podem apresentar seu trabalho, aumentando o seu potencial… Temos o Portal Capoeira… Enfim temos a informação democratizada!!!
 
Portanto cabe a cada um de nós buscar um lugar neste jogo… as cartas estão na mesa… ou melhor no monitor… As possibilidades são quase que infinitas…

 

"Capoeira é uma fonte infinita de saber….
Mata a minha e a sua sede….
E a de quem quiser beber…"
Luciano Milani

É consenso que um consistente domínio da tecnologia e da comunicação tornou-se fundamental para que o indivíduo garanta  uma boa posição no trabalho, um pleno desenvolvimento pessoal e o exercício de cidadania. È evidente então ser função da escola nos dias atuais, garantir aos seus alunos um sólido aporte tecnológoco.
 
As tecnologias da informação, cujo papel é por demais evidente nos setores da produção dos serviços e dos meios de comunicação social, não constituem um simples fenômeno passageiro, pelo contrário, vieram para ficar e a escola não tem possibilidade de fugir à sua influência. O grande problema é saber qual deverá ser a sua função e qual a melhor estratégia para a sua integração nas atividades educativas.
 
Num momento em que à escola se colocam desafios cada vez mais fortes, decorrentes do dinamismo da própria sociedade em mudança, é necessário estarmos atentos as potencialidades das tecnologias de informação na educação, para que delas possamos usufruir na sua plenitude.  Faz-se necessário encará-las como um imprescindível instrumento educativo, de grande relevância para todos os níveis de ensino, a partir das séries iniciais.
 
A idéia das novas tecnologias, considerando aí de forma privilegiada o computador em rede, como ferramenta nas mãos do aluno, conduz de forma natural à valorização de atividades de  forte cunho interdisciplinar.
 
Pela possibilidade de realização destas  atividades  tanto na sala de aula quanto em espaços alternativos de aprendizagem ou em casa, descortina-se a possibilidade do favorecimento do intercâmbio de conteúdos entre diferentes áreas do conhecimento como preconizado pelas mais atuais concepções de educação.
 
As novas tecnologias a serviço de diversas perspectivas pedagógicas devem ter o papel precípuo de auxiliar professores e alunos favorecendo a pesquisa, gestão e tratamento da informação, suscitar a curiosidade estimulando a descoberta, evidenciar e auxiliar na resolução de problemas e desafios.
 
Seu uso deve ser preconizado como uma  ferramenta,  que deverá estar disponível para permanente utilização ao lado de outros recursos didáticos. A associação dos meios informáticos ao sistema educacional  deve ser capaz  de enriquecer as estratégias do processo ensino aprendizagem e estimular o surgimento de novas metodologias que primem por incentivar a participação individual e coletiva, a iniciativa e a criatividade. Desta forma, ela se torna um aporte  de novas estratégias dentro da escola numa perspectiva inter e multidisciplinar, favorecendo sempre a ligação entre o saber elaborado e a realidade social, econômica e política, auxiliando na formação de cidadãos críticos e participativos.
 
Elas não se contrapõe aos métodos tradicionais de ensino, ao contrário, os  complementam. Explico melhor: na educação a máquina nunca substituirá o homem, o computador não pode substituir o livro e o vídeo não  deve substituir o professor.
 
As novas tecnologias, entretanto, vêm exigir do educador novas responsabilidades e tarefas advindas dos novos paradigmas que lhe serão propostos. Estes, ao invés de entrar em conflito consigo,  constituirão sempre novos desafios e evidenciarão ainda mais a importância do docente  dentro do processo educacional.
 
Em contrapartida o professor não poderá descuidar-se da constante atualização na sua formação, visto que as  suas competências e conhecimentos deverão acompanhar de perto a evolução tecnológica que se processa numa velocidade geométrica.
 
Esperamos que esta reflexão  possa ser de interesse para todos aqueles que se preocupam com a problemática da inovação na área educacional, em especial no que diz respeito à integração das novas  tecnologias de informação aos métodos de ensino vigentes nos sistemas educacionais.
 
 


EDUCAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS* O professor e pesquisador Acúrsio Esteves, é formado em Educação Física pela UCSal, com mestrado em Gestão de Organizações UNEB/UNIBAHIA e é professor da Secretaria Municipal de Educação e Cultura de Salvador. Leciona também nas Faculdades Jorge Amado e Fundação Visconde de Cairu, respectivamente nos cursos de Educação Física e Turismo, sendo também autor dos livros Pedagogia do Brincar e A “Capoeira” da Indústria do Entretenimento.

MENINO QUEM É TEU MESTRE ?

Segundo o dicionário do folclore brasileiro de Luiz da Câmara Cascudo, mestre é todo exímio trabalhador manual / aquele que ensina ou título dado a membros de uma comunidade que exercem profunda relação com algum saber, em forma de respeito.  Na capoeira o título de mestre é dado a todo aquele que a partir do reconhecimento público de serviços prestados a uma comunidade consegue se firmar como tal. 
 
Nossa reflexão começa a partir destas definições acima, pois se faz necessário, mais do que nunca, tentarmos desmistificar a figura do mestre de capoeira, pois só assim conseguiremos modificar grandes equívocos que ocorrem no processo de formação de cada discípulo. Vale a pena ressaltar que este artigo não pretende de maneira nenhuma esgotar o assunto nem se firmar como verdade absoluta, mas sim servir de base para estimular algumas reflexões sobre a arte capoeira e seus “condutores”.
 
Read More

Projetos – Semana da Capoeira RS

Semana da Capoeira
 
No dia 30 de julho de 2005, às 09:30 da manhã, ocorreu a reunião da Comissão Organizadora da 3ª Semana de Capoeira de Porto Alegre na Secretaria de Cultura para seleção dos projetos inscritos, conforme o edital.
 
Cada vaga foi preenchida de acordo com edital e projetos inscritos, com a regra de um representante por grupo.
 


 
 
Os projetos aprovados foram:
 
Puxada de Rede – Liberdade Casa Grande – Mestre Dentinho
Maculelê – Grupo Capoeira Nação – Professor Grande
Dança Afro – Grupo Afro Sul – Grupo de Dança
 
Palestrante “Problemas e Soluções da Capoeira”:
Mestre Pelé – Centro Cultural de Capoeira Oxósse
Mestre Farol – Presidente da Federação Gaúcha de Capoeira
Mestre Gavião – Presidente da Liga Regional de Capoeira RS
Alessandra – Grupo Rabo de Arraia
 
Palestrante “Saber Acadêmico e Saber Popular”:
Mestre Jocá Grupo Igbé
Renato Capoeira – Grupo Malta dos Guri(a)s de Rua
Mestre Carson Siega – Grupo Muzenza
 
Oficina de Capoeira Angola:
Mestre Cerqueira – Grupo Cone Sul
 
Oficina de Capoeira Contemporânea:
Mestre Gato Preto – Grupo Guarda Negra
Professor Gororoba – Abadá Capoeira
 
Portadores de Necessidades Especiais Teórica:
Mestre Beija Flor da Cidade de Aracaju
 
Encontro Feminino:
Instrutora Didi – Grupo Camboatá
Instrutora Regina – Grupo Guarda Negra
Graduada – Janaína – Grupo de Capoeira Guerreiros
Instrutora – Coelha – Abadá Capoeira
 

O Jogo do saber

O Jogo do saber

Capoeira é uma fonte
Infinita de saber…
Mata a minha e a sua sede
E de quem quiser beber…

O que vale é a mandinga
Tem também a traição…
Tem que ter sabedoria
Tem que ter educação…

Pois no joga da malícia
Camarada atenção…
Pra não ser surpreendido
E vadiar com seu irmão…

Numa roda de Angola
Onde tem vadiação…
Cante uma ladainha
Faça uma louvação…

Então saia para o jogo
Para o jogo do saber…
Mata a minha e a sua sede
E a de quem quiser beber…

Iêêê… viva meu Deus…

Iêêê… viva meu mestre…

Iêêê…. O meu irmão…



Autor:

Luciano Milani

Ritmo:

Angola

Obs:

Todos os direitos reservados. Para publicar, favor citar fonte e autor

Read More

Bem Vindo!!! – Welcome!!!

Sempre que você quiser saber as últimas novidades sobre nossa família,
ver o nosso albúm de fotografias, participar dos forúns e votações, visite esta pagina…
compartilhe conosco as suas histórias…

Sejam todos bem vindos…

Boa navegação!!!

Luciano Milani
Gisele Biondi Milani
Lucca Biondi Milani