Blog

tombamento

Vendo Artigos etiquetados em: tombamento

Tombamento da Capoeira como Patrimônio Cultural do Rio de Janeiro

MOMENTO HISTÓRICO PARA A CAPOEIRA DO RIO DE JANEIRO

Numa iniciativa inédita, a Capoeira será tombada, pelo Governador do Estado do Rio de Janeiro como Patrimônio Cultural Imaterial do Estado do Rio de Janeiro no dia 20 de novembro, data em que se comemora o Dia Nacional da Consciência Negra.

O evento de tombamento será realizado no Monumento em homenagem à Zumbi dos Palmares localizado na Praça Onze. Esta semana ainda estaremos confirmando o horário para que todos (as) possam participar deste momento histórico.

A proposta de tombamento foi apresentada na Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro pelo Deputado Estadual Gilberto Palmares, através do Projeto de Lei 2414/2009, atendendo a uma solicitação da Liga de Capoeira do Estado do Rio de Janeiro.

Dia Estadual da Capoeira

No dia 23 de novembro comemora-se, no Rio de Janeiro, o Dia Estadual da Capoeira. Criado através do Projeto de Lei 1890/2000, de autoria do então Deputado Estadual Artur Messias, hoje prefeito de Mesquita, este dia nunca foi comemorado oficialmente pelo Estado.

Para mudar este quadro, a Liga de Capoeira do Estado do Rio de Janeiro – LICAERJ, presidida pelo Mestre Paulão Rio Brasil, solicitou apoio ao Deputado Estadual Gilberto Palmares (PT), para que intercedesse junto ao Governo do Estado para que esta data fosse comemorada este ano.

Atendendo prontamente ao nosso pedido, o nobre deputado solicitou e conseguiu que esta data fosse incluída na agenda única COMEMORATIVA AO MÊS DA CONSCIÊNCIA NEGRA realizada em parceria entre os governos estadual e municipal (RJ) e a ALERJ (Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro).

Para comemorar esta data em grande estilo, o Deputado Estadual Gilberto Palmares irá homenagear Mestres de Capoeira que muito contribuíram e vem contribuindo para o desenvolvimento da Capoeira do Estado do Rio de Janeiro. Entre os Mestres a serem homenageados estão Mestres Paulão Muzenza, Edvaldo Baiano, Duda Pirata, Tio Régis, Arerê, Burguês, Dentinho, Darcy Malandrinho, entre outros. Além, é claro, das Mestras de Capoeira, dentre as quais China, Siomara e Surisan.

Portanto, não se esqueça dia 23 de novembro, às 18 horas, na Praça XV, Centro do Rio de Janeiro, você é o (a) nosso (a) convidado para comemorar conosco o Dia Estadual da Capoeira. Além de rodas de Capoeira, teremos apresentação de Maculelê (Associação de Capoeira Engenho) e Samba de Roda.

Este evento é realizado em parceria pela Liga de Capoeira do Estado do Rio de Janeiro, Gabinete do Deputado Estadual Gilberto Palmares, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ), Liga Niteroiense de Capoeira – LINC, Super Liga Brasileira de Capoeira, Associação Grupo de Capoeira Quilombo do Arerê, Federação de Capoeira Desportiva do Estado do Rio de Janeiro (FCDRJ), Grupo Muzenza, Associação Cultural Rio Brasil Arte Capoeira e Rede Nacional da Capoeira (RJ).

A comissão que tem participado para a construção da programação do evento é composta pelos seguintes membros: Mestre Paulão Muzenza, Mestre Arerê, Mestre Burguês, Mestre Paulão Rio Brasil, Contramestre Caixote, Robertinho, presidente da Federação de Capoeira Desportiva do Estado do RJ.

Se você quer fazer parte deste momento histórico, traga sua instituição pra vir somar conosco nesta luta.

Venham participar! Tragam seus (as) alunos (as) e mostrem os seus trabalhos.

Bahia quer tombar capoeira como patrimônio imaterial

Bahia quer tombar capoeira como patrimônio imaterial 
 
Depois do acarajé, a capoeira. O Ipac (Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural) da Bahia publicou no "Diário Oficial" do Estado uma notificação –o primeiro passo para transformar a capoeira em patrimônio imaterial (manifestação artística que exerce uma forte influência sobre a cultura local).

De acordo com a Libac (Liga Baiana de Capoeira), o tombamento da arte legaliza o ofício de "professor" ou "mestre" de capoeira, sem a necessidade de graduação em educação física.

"A idéia de registrar a capoeira como patrimônio é conseqüência dos problemas que os mestres estavam enfrentando com os conselhos regionais de educação física. Além disso, o tombamento vai preservar a capoeira como patrimônio nacional", disse Carlos Ferreira da Silva Filho, diretor da Libac.

Segundo Filho, as exigências dos conselhos servem apenas para garantir "uma reserva de mercado". "Não temos nada contra os estudantes de educação física, mas entendemos de capoeira mais do que ninguém."

O presidente do Conselho Regional de Educação Física da Bahia, Carlos Pimentel, disse que mestres de capoeira não têm o direito de utilizar a arte como atividade física. "Os nossos fiscais nunca foram fiscalizar as rodas de capoeira em qualquer lugar de Salvador, pois entendemos que isso é uma manifestação cultural. Mas, por outro lado, não podemos admitir que as pessoas ganhem dinheiro e utilizem a capoeira como forma de condicionamento físico nas academias."

Os técnicos do Ipac ainda vão percorrer um longo caminho antes de a capoeira ser tombada como bem imaterial. A partir do início do próximo ano, os funcionários começam a preparar um relatório baseado em documentos históricos e entrevistas feitas com os mestres.

O documento será analisado pela Câmara de Patrimônio do Conselho Estadual de Cultura. Depois que todas as etapas estabelecidas pela legislação forem cumpridas, a capoeira ganha um registro definitivo de tombamento. "Queremos preservar a capoeira como bem cultural e nada mais", disse Júlio Braga, diretor do Ipac.

Além da capoeira, o Ipac também já iniciou o processo para registrar como patrimônio imaterial a festa de Santa Bárbara, que atrai milhares de fiéis todos os anos em Salvador (4 de dezembro). Outros três terreiros de candomblé também já foram tombados na capital baiana.
 

LUIZ FRANCISCO
da Agência Folha, em Salvador

{mos_sb_discuss:12}