Blog

Vendo Artigos etiquetados em: vá

4º Campeonato Mundial Aberto Muzenza – Saquarema 2007

 
Prezado Companheiro

É com grande satisfação que convidamos Vª Sª para participar da Festa dos 35 anos de Fundação do Grupo na cidade de Saquarema – RJ , nos dias 27 de Janeiro a 04 de Fevereiro de 2007.
 

Haverá mais de 20 cursos – Campeonatos, Roda Feminina, Aulas de Surf, Palestras, Festas com Grupos de Funk, Pagode e Axé ,Homenagens para aqueles que fazem parte da familia Muzenza, e muita roda.
 
O evento vai reunir milhares de capoeiristas do Brasil e do Exterior. Acreditamos que a capoeira somente pode ser desenvolvida em sua plenitude, ou seja, a partir de uma constituição técnica-filosófica, firmada nos valores da ética, respeito, amizade, igualdade, perseverança, cortesia e humildade, quando mestres verdadeiros são os seus representantes junto à sociedade.
 
Para nós do Grupo Muzenza, Aluno, Professores e Mestres acreditamos que Vª Sª seja um verdadeiro representante da nossa arte, alguém que engrandece o esporte e o espírito capoeirístico pelo trabalho digno e pela conduta; daí a importância para os discípulos e seguidores da capoeira do Grupo Muzenza.

Antonio Carlos de Menezes ( Mestre Burguês )
Presidente do Grupo Muzenza

Site Oficial do Mundial:
http://www.mundialmuzenza2007.com.br

GRUPO MUZENZA DE CAPOEIRA
AV: ROBERTO SILVEIRA, 348 – APº 103 bloco B
NITERÓI – RIO DE JANEIRO CEP: 24230-161
FUNDADO EM 05 DE MAIO DE 1972
CGC: 76.753.839/0001-62
Filiado a Superliga Brasileira de Capoeira

1972 – 2007 / 35 ANOS
O SONHO NÃO VAI ACABAR

Dança da Vida

É bonito se ver na beira da praia… Capoeira…
Brincando.. Gingando… e as ondas batendo… na areia…..
O transe.. e o som do vento que sopra… Capoeira….
Os barcos à vela… e os coqueiros fincados… na areia…
Como guerreiros jogam só…. na dança da vida… Capoeira…

Óóóóóóó…. quem não viu vá ver… na beira do mar nascer….
Óóóóóóó…. quem não viu vá ver… na beira do mar crescer….
Óóóóóóó…. quem não viu vá ver… na beira do mar viver….
Óóóóóóó…. quem não viu vá ver… na beira do mar saber….
Óóóóóóó…. quem não viu vá ver… Seu Decanio para apreender….

Para ouvir, clique: Dança da Vida


 
Música em homenagem a pessoa ímpar e ser humano único… um Mestre, um Amigo…

Cidadão do mundo… com a sua luta e trabalho contagiante que nos leva a uma outra esfera
de percepção… da nossa arte… da nossa "Capoeira"… da nossa vida.

Mestre Decanio nos pega pela mão e nos mostra a "Capoeira da Bahia"
Toca em nossos corações e nos inunda com a "Escola de Cidadania"
Um grande Abraço, repleto de paz e alegria!!!
Mais uma volta ao mundo… mais um ciclo…

Parabéns Mestre … Axé!!! Ângelo Augusto Decanio Filho.

PASTINHA

Resumo do texto de Mestre Álvaro Sucuri
Grupo Mocambo – Aracajú/SE
 

 

Mestre Pastinha descende de pai espanhol e mãe baiana, foi batizado em 1889 com o nome de Vicente Joaquim Ferreira Pastinha, na cidade de Salvador-Ba. Conta-se que o princípio de sua vida na roda de capoeiragem aconteceu quando tinha 8 anos, sendo seu mestre o africano Benedito, o que ao vê-lo apanhar de um garoto mais velho, resolveu ensinar-lhe as mandingas, negaças, golpes, guardas e malícias da Angola. O resultado veio logo aparecer, Pastinha nunca mais fora importunado por ninguém.
Mestre Pastinha serviu na Marinha de Guerra do Brasil, onde permaneceu por um período de 8 anos .Mestre Pastinha de tudo fez um pouco,trabalhou como pedreiro, pintor, entregava jornais, tomou conta de casa de jogo; no entanto, o que mais gostava de fazer era ensinar "a grande arte ".Pastinha conhecia a capoeira , sabia como era importante continuar aquela cultura, aconselhava que era preciso ter calma no jogo "quando mais calma melhor pró capoerista", e que a capoeira "ela é o pai e mãe de todas as lutas do Brasil. Sabia muito bem os fundamentos e os segredos existentes na capoeiragem, cantava, tocava os instrumentos e ensinava como um verdadeiro mestre deve fazer. Pastinha foi nas rodas de capoeira um autêntico mestre, um bamba na luta.
Saindo da Marinha em 1910, inicia sua fase de professor de capoeira,seu primeiro aluno foi Raimundo Aberê, este se tornou um exímio capoeirista, conhecido em toda Bahia.
Segundo Mestre Pastinha, sua primeira academia ficava localizada no Largo do Cruzeiro do São Francisco, na Rua do Meio do LargoTerreiro de Jesus. Pastinha dizia: "A capoeira tem muitas coisas.Primeira parte; a capoeira tem seu dicionário; segunda parte: tem seu dicionário; terceira parte : tem seu dicionário e quarta parte ; tem seu dicionário ".
Ensinava que quando alguém fosse falar sobre a capoeira dissesse somente o que sabia, "não vá dizer que a capoeira é o que ela não é , nem vá contar o que não viu ninguém falar , então, não vá contar aquilo que não pode contar. Não é todo mundo que vá abrir a boca e dizer eu conheco a capoeira, a capoeira é isso.Nem todos mentais, nem todos sujeitos pode abrir a boca para cantar o que é capoeira não."
Mestre Pastinha era uma pessoa bem humorada, descontraída, bastante receptivo , rico em conhecimento, seu saber transcendia as rodas de capoeira. Era uma pessoa do mundo ideal, camarada amigo, pai e irmão dos discípulos.Viveu intensamente seus longos anos dedicados à capoeira de Angola, classificou-se na história da maladragem, da malícia, como ás. Manteve em sua academia de Angola, a originalidade da eficiência da luta em momento algum fora perdido na Academia de Pastinha.
Ele contribuiu categoricamente com o seu talento e dedicação à capoeira para que a sociedade baiana e brasileira percebessem a capoeiragem como uma luta-arte imbatível, guerreira, que está além dos paupérrimos preconceitos que há na sociedade.Vicente Pastinha, foi filmado ,fotografado , entrevistado , gravou disco e deixou um livro , a capoeira nunca mais poderá esquecer este ás, o guardião da capoeira d’Angola.
Foi lá na casa 19, no Largo do Pelourinho, que funcionava a sua academia, o Centro Esportivo de Capoeira Angola fundada em 1941.
Milhares de pessoas estiveram na academia, ficavam impressionadas com as cantorias, com o som dos berimbaus , pandeiros e agogôs e principalmente, com os jogos que lá rolavam.
Por fim, foi feita uma reforma no sobrado, disseram ao Mestre que ele não tinha com o que se preocupar, após terminadas as obras, ele voltaria para lá, seu lar, sua academia.
Nunca mais se ouviu a voz de Pastinha dentro do sobrado, o povo não mais assistiu a uma maravilhosa roda de capoeira de Angola naquele velho sobrado.
O Mestre Pastinha não voltou, morreu na escuridão de um quarto decadente no bairro Pelourinho em Salvador.

Mestre Pastinha

Mestre Pastinha
 

Mestre Pastinha, nasceu em 5 de abril de 1889, descendente de pai espanhol e mãe baiana, foi batizado em 1889 com o nome de Vicente Joaquim Ferreira Pastinha na cidade de Salvador-Ba. Conta-se que o princípio de sua vida na roda de capoeiragem aconteceu quando tinha 8 anos, sendo seu mestre o africano Benedito,
o que ao vê-lo apanhar de um garoto mais velho, resolveu ensinar-lhe as mandingas, negaças, golpes, guardas e malícias da Angola. O resultado veio logo aparecer, Pastinha nunca mais fora importunado por ninguém.
Mestre Pastinha serviu na Marinha de Guerra do Brasil, onde permaneceu por um período de 8 anos. Mestre Pastinha de tudo fez um pouco, trabalhou como pedreiro, pintor, entregava jornais, tornou conta de casa de jogo; no entanto, o que mais gostava de fazer era ensinar "a grande arte".
Pastinha conhecia a capoeira, sabia como era importante continuar aquela cultura, aconselhava que era preciso ter calma no jogo "quando mais calma melhor pró capoeirista", e que a capoeira "ela é o pai e mãe de todas as lutas do Brasil". Sabia muito bem os fundamentos e os segredos
existentes na capoeiragem, cantava, tocava os instrumentos e ensinava como um verdadeiro mestre deve fazer.

Read More