Blog

vem

Vendo Artigos etiquetados em: vem

Vem Capoeirar: Festival de Arte, Cultura e Capoeiragem

Associação Sociocultural de Capoeira Regional Bimbaê, realizará nos dias 29 a 31 de Agosto de 2013, o “Vem Capoeirar: Festival de Arte, Cultura e Capoeiragem”, no município de Camaçari/BA, conforme programação anexa.

Dentro do evento, realizaremos o nosso I Concurso de Quadras e Corridos da Capoeira Regional. Os três primeiros colocados receberão premiações em dinheiro (totalizando R$ 800,00).

 

Inscrições e maiores informações: [email protected]

 

Você é nosso convidado!

Assista nosso vídeo convite:

{youtube}Xxvovzrvaes{/youtube}

Mestre cego inspira jovens na capoeira

Às vezes, um problema que parece intransponível é, na verdade, só um obstáculo que, quando se percebe, já passou. João Carlos, conhecido como mestre João Kanoa, é um mestre de capoeira do Rio de Janeiro que ficou cego aos 32 anos. “Nos primeiros seis meses ficava pensando “como vai ser minha vida agora”. Mas meus alunos me incentivaram a dar aula assim. A principio eu mesmo achei que era loucura, depois eu vi que dava pra fazer.”

João não sabe muito bem como faz essa proeza. “Como um cara cego dá aula de capoeira? Assim, uma explicação bem correta nem eu tenho. Eu sei que eu chego lá e dou aula”. Mas sabe muito bem de onde vem sua inspiração: “As crianças passam a energia deles para mim.”

E assim mestre Kanoa segue dando suas aulas e passando sua sabedoria a seus alunos. “Não existe um problema que ele não possa superar.”

Conheça mais essa história no Documento Yahoo!

 

  • http://br.noticias.yahoo.com/video/documento-yahoo-mestre-cego-inspira-120208011.html

Projeto de capoeira em Buriti do Tocantins vem fazendo a diferença entre a juventude local.

O berimbau toca. Os capoeiristas se reúnem em círculo ao seu redor. Após ser entoada uma ladainha, que pode ser uma exaltação à valentia do capoeira, um pedido de proteção ou um canto de lamento de um escravo com saudade de casa, dois adversários, ou “camarás”, como se diz na linguagem da luta, começam uma disputa de movimentos quase que coreografados. Um jogo de perguntas e respostas, de ataque e defesa, de ritmo e som.

Isso é a capoeira.

A teoria de que a capoeira foi desenvolvida por escravos há mais de 200 anos nas senzalas brasileiras é ainda a mais aceita por historiadores e estudiosos em geral. Estima-se que seja praticada por mais de 5 milhões de pessoas em todo o mundo. Graças à figura de Manoel dos Reis Machado, o mestre Bimba e Vicente Ferreira Pastinha, o mestre Pastinha, essa arte marcial que é um misto de dança e luta se difundiu pelo mundo, levando o legado brasileiro a países como Israel, Estados Unidos, França, Austrália e até China.

Na cidade de Buriti do Tocantins existe o projeto Educamará, que difunde a capoeirae a sua filosofia de vida. Liderado pelo professor Marcos Vinicius da Cruz Andrade, professorda rede estadual de ensino, o projeto, que é voluntario, atende a alunos da Escola VicenteCarlos de Sousa e também da comunidade em geral.

Atualmente com cerca de 20 alunos, são realizadas aulas três vezes por semana, onde os alunos aprendem os fundamentos dacapoeira, a tocar os instrumentos, cantar músicas e o principal: aprendem a conviver bemcom as outras pessoas. “Pratico capoeira desde os 12 anos e foi uma coisa que sempre gosteide fazer”, diz o professor Marcos. “Quando vim pra cá em 2008, vi muitos jovens ociosos edesestimulados na escola.

Achei que a capoeira poderia ensiná-los algo, como me ensinou”, completou.

Além dos treinos, os alunos assistem a palestras, filmes e documentários e quandopossível, realizam apresentações em Buriti e outras cidades.

Mesmo com todas as dificuldades, o projeto vem gerando bons frutos. Um dos pontos fortes é a diminuição da reprovação e evasão escolar. “Os alunos que participam das aulas de capoeira têm se mostrado mais participativos e vem apresentando melhora no desempenho escolar.” O professor acredita no potencial da capoeira como agente transformador social. “Seria interessante ampliar as ações do projeto, para atender mais crianças e adolescentes da cidade. Afinal, a capoeira é para todos, pois promove disciplina, saúde e inclusão social.” (Marcos Vinicius da Cruz Andrade)

 

Aconteceu: “DESTERRO CAPOEIRA EM FESTA”

Aconteceu no dia 30/10 (Sábado), DESTERRO CAPOEIRA EM FESTA, no Sede do grupo.

Onde foi comemorado o aniversário do Mestre Mancha e 2 anos de inauguração da Sede da Desterro Capoeira.

Vieram participar da Festa, alunos e pais de Santo Amaro da Imperatriz e Palhoça.

A festa foi o maior sucesso, mostrando que a Capoeira é um ótimo instrumento de integração social e que a família é a base de tudo.

A Desterro Capoeira vem há anos trabalhando em prol da família através da Capoeira, o trabalho vem crescendo a cada dia, preservando a união, paz , solidariedade, prevenção e combate as drogas, educando crianças e adolescentes para viver num mundo melhor.

Mestre Mancha e toda sua equipe, tem como objetivo principal a integração das famílias e comunidades da Grande Florianópolis, onde a intenção não é só formar capoeiristas, mas sim, cidadãos de bem.

Mestre Mancha convida à todos para vir conhecer o trabalho da Desterro Capoeira, e agradece aos familiares pelo apoio e confiança que vem depositando e acreditando no trabalho da Desterro Capoeira.

 

Saiba mais:

www.desterrocapoeira.com.br

http://desterrocapoeira.blogspot.com/

[email protected]

(48)8414 3336

Niterói: Capoeira atravessa a fronteira e ganha adeptos no restante do mundo

Em Niterói, a ginga afro-brasileira vem se misturando com sotaques estrangeiros desde 1995, quando foi fundado o Instituto Zezeu de Capoeira Livre, idealizado por Mestre Zezeu.

Séculos atrás, quando o Brasil ainda era colônia de Portugal, os negros foram trazidos da África para trabalharem como escravos à serviço do homem branco europeu. Além do trabalho forçado, os africanos também trouxeram seus costumes e cultura, que se manifesta até os dias atuais através de uma arte marcial que mistura música e ritmo a golpes mortais. Mais que isso, hoje a capoeira tornou-se patrimônio nacional, e é a grande responsável por difundir uma ideia que vem sendo cada vez mais explorada ao redor do mundo: a do intercambio cultural.

Em Niterói, a cantoria e ginga afro-brasileira vem se misturando com sotaques estrangeiros desde 1995, ano em que foi fundado o Instituto Zezeu de Capoeira Livre, iniciativa que conta hoje com cerca de dez a 15 estrangeiros aprendendo a luta. Idealizado por Mestre Zezeu, o capoeirista conta que o interesse de pessoas oriundas de outros países em entrar em contato direto com o mundo da Capoeira não é recente, porém sofreu um grande incentivo nos últimos anos.

“Isso sempre aconteceu, mas agora realmente aumentou muito. E é bom para todos, para Niterói, para o Brasil de modo geral e também para eles, que são muito bem recebidos pelos alunos. A recepção é excelente e o melhor é que é algo recíproco”, conta o professor, que vai além e diz que o principal objetivo do intercambio é o de promover uma integração entre culturas diferentes.

“Trabalhamos com todos os tipos de pessoas, com crianças, adultos, pessoas com necessidades especiais, sempre com todos participando da mesma roda de capoeira. O mais importante é acontecer essa integração entre todos”, completou.

Ginga europeia – O pensamento de Mestre Zezeu se traduz no ânimo que as tchecas Kristina Slezáková, de 32 anos, e Alice Brunova, 27, colocam em gingar ao som do berimbau. Mesmo separadas por um oceano de distância do Brasil, as duas conheceram a capoeira ainda na República Tcheca e se apaixonaram pela manifestação brasileira.

“Conheci através de um amigo que praticava capoeira na França. Como sou bailarina me interessei e quando ele começou a ensinar no meu país me juntei a ele”, diz Kristina, que fala português fluentemente. Alice, por sua vez, ainda não está familiarizada com o idioma, mas relata, em inglês, como foi seu primeiro contato.

“Um ex-namorado meu já praticava e foi natural o meu interesse em conhecer”, revelou. Apesar da adoração pela luta, elas contam que a capoeira ainda é algo pouco difundido em sua terra natal.

“A grande maioria das pessoas não tem opinião formada, elas encaram como apenas uma dança. Só quem está por dentro que conhece o que é de verdade”, diz Kristina.

Há ainda o caso da boliviana, descendente de palestinos, Yessica Abularach, que sempre viu a capoeira a seu alcance, mas, nunca havia encontrado a oportunidade de praticar. Seis meses após ter incorporado a arte marcial em sua rotina, ela destaca seus aspectos positivos. “Além dos benefícios físicos, como você melhorar o alongamento e trabalhar toda a musculatura, se sente muito mais confortável. É um desafio prazeroso. É um momento onde você quebra o ritmo, desestressa, relaxa”, destaca a economista de 25 anos.

Festival de Estilo Livre
A oportunidade de apresentar para estrangeiros um mundo completamente novo através da capoeira não limita-se apenas as aulas do Instituto Zezeu de Capoeira Livre. Em função da intensificação do interesse de pessoas do exterior pela arte marcial afro-brasileira, Mestre Zezeu promove, anualmente, um festival onde os amantes da luta podem aprender sobre as mais variadas manifestações dentro do universo do jogo. Batizado de Festival Interbairros de Capoeira Estilo Livre, o evento teve sua segunda edição no último sábado, e contou com a participação de capoeiristas de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Saquarema, Cabo Frio, entre outros locais, juntamente com estrangeiros.

A iniciativa, inclusive, premiou alguns mestres com o troféu Amigos da Capoeira, honraria concedida àqueles que ajudaram a promover o nome do esporte ao redor do mundo. Além disso, Mestre Zezeu revelou que em junho de 2011 Niterói irá receber a primeira Feira Internacional de Capoeira, realizado no Sesc e no Teatro Popular. O objetivo é tornar ainda mais forte o vínculo estrangeiro com todas as manifestações que envolvem a capoeira, a exemplo do maculelê e samba de roda.

O Fluminense – http://jornal.ofluminense.com.br/

Osasco: Tarde dos Cantadores

Estaremos realizando no dia 19 de Setembro mais uma edição da “Tarde dos Cantadores”, que ano passado levou um grande público, entre capoeiristas, simpatizantes, familiares e amigos, ao Clube Palmeiras. Este ano vamos levar a nossa festa a Osasco, contando com a presença de todos que ano passado engrandeceram a nossa festa.

Como no ano anterior toda a renda será revertida para a reconstrução do CEMB – Centro Educacional Mestre Bimba – as obras estão a todo vapor, muita coisa já foi feita, mas muita coisa ainda vem por ai. Venham celebrar a música da capoeira, a cultura brasileira!

Ingressos R$ 10,00

Toda a renda será revertida para a reconstrução do CEMB

Obs. Lançamento do CD do Boa Voz – 3 vol.

Local:
Centro de Eventos Pedro Bortolosso
Av. Visconde de Nova Granada, 513
Jd. Alvorada
Osasco – São Paulo – Brasil

Instrutor Lampanche
ABADÁ-CAPOEIRA

Dia Mundia da Atividade Física: A Capoeira vem mostrar o seu valor

11/04/2010 – DIA MUNDIAL DA ATIVIDADE FÍSICA: A CAPOEIRA VEM MOSTRAR O SEU VALOR

Atividade tem como objetivo difundir a capoeira, propor uma aula ao ar livre e conscientizar o público presente sobre a importância da capoeira como atividades física.

Estaremos oferecendo atividades culturais de capoeira, maculelê e jongo para todos que freqüentam o Parque Ecológico do Tietê.

Pretendemos reunir cerca de 150 pessoas de diversos bairros da zona leste que participarão das atividades orientadas pelos Instrutores da ABADÁ-CAPOEIRA.

A ABADÁ-CAPOEIRA, responsável por esta atividade, é uma entidade sem fins lucrativos que tem como objetivo a difusão da cultura brasileira através da capoeira. Seu exercício é um forte instrumento de integração social, pois trabalha com todas as classes e possibilita, também, a recuperação da noção de cidadania. Além disso, tem representação efetiva em todos os estados brasileiros e em 52 países.

Até mais,

Instrutor Lampanche

ABADÁ-CAPOEIRA

Assédio Sexual, o que fazer?

Há quem defenda que se o assédio sexual acontece em todo lugar, não precisa ser discutido no meio da capoeira. Porém, como mulher, acredito que se o assédio sexual deve ser discutido em todo lugar em que possa estar presente.

Embora não exista uma estatística a respeito, é fato que o assédio sexual é um dos motivos que levam mulheres à troca de grupos e até abandonar a capoeira.

Muito mais do que uma cantada inconveniente, o assédio sexual envolve constrangimentos, chantagens e até ameaças.

Infelizmente, a Lei número 10224, de 15 de maio de 2001 se aplica ao assédio apenas no ambiente de trabalho, portanto em outros ambientes cabe à mulher fazer o possível (e o impossível) para sair deste tipo de situação. Algumas atitudes podem ajudar:

* Procure manter distância do autor do assédio, quando for inevitável se aproximar, peça a um amigo ou amiga que lhe acompanhe;

* Diga ao autor do assédio com clareza que sua conduta a incomoda. Tentar por panos quentes com medo de parecer agressiva só prolonga a situação;

* Se o assédio vem de um colega do grupo, comunique seu mestre ou professor, com certeza ele pode ajudá-la;

* Se o assédio vem do próprio mestre ou professor, lembre-se que existem muitos mestres sérios, de conduta respeitável, portanto não se sinta obrigada a se submeter a este tipo de tratamento.

* Caso sinta que sua segurança está ameaçada, não pense duas vezes, faça uma denúncia na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher pois, embora a Lei 10224 se refira ao assédio no trabalho, os casos mais graves podem se enquadrar em outras questões legais.

 

Fontes:

Ajuda Emocional – http://ajudaemocional.tripod.com/rep/id78.html

Delas – http://delas.ig.com.br/assedio+sexual/n1237491675245.html

Vila Mulher – http://vilamulher.terra.com.br/assedio-sexual-saiba-seus-direitos-5-1-37-29.html

Wikipédia – http://pt.wikipedia.org/wiki/Ass%C3%A9dio_sexual

Neila Vasconcelos – Venusiana
capoeiradevenus.blogspot.com

Rio Claro: Aula de capoeira integra e diverte na escola Celeste Calil

Aula de capoeira integra e diverte na escola Celeste Calil em RC

A escola municipal Celeste Calil, do bairro Novo Wenzel, em Rio Claro, vem utilizando com sucesso a capoeira como elemento de integração entre os alunos da unidade de ensino.

As atividades com o esporte acontecem às terças e quintas-feiras das 18 às 19 horas e se estendem a outras pessoas do bairro, tornado-se, assim, mais um elemento de ligação entre a escola e a comunidade.

Segundo a direção da unidade de ensino, a capoeira também ajuda no dia-a-dia escolar dos alunos na medida em que o bom aproveitamento e a disciplina são condições básicas para se freqüentar as aulas.

Além disso, o esporte vem servindo como elemento de confraternização na escola Celeste Calil. Na última terça-feira (2), o professor Aguinaldo da Capoeira preparou comemoração aos alunos aniversariantes em evento que deve ser repetido mensalmente na escola.

Fonte: Canal Rio Claro http://www.canalrioclaro.com.br

A Mulher na Capoeira

Hoje em dia, é quase impossível assistir a uma roda de capoeira, em qualquer canto do mundo, onde não haja a presença feminina. As mulheres, com todo o direito, estão conquistando a cada dia, mais e mais espaço nesse universo que durante muito tempo foi predominantemente um espaço masculino.

A importância da mulher na capoeira vai muito além da graça e beleza que elas proporcionam a essa manifestação. A mulher sendo respeitada e valorizada numa roda de capoeira, garante que esse espaço seja cada vez mais um espaço democrático, onde a diversidade e a convivência harmoniosa entre os diferentes, significam um exemplo de tolerância e convívio social nesse mundo tão cheio de preconceitos e discriminações. Este exemplo é um dos ensinamentos mais importantes que a capoeira oferece às sociedades contemporâneas.

Além disso, a mulher é fundamental no trabalho de organização da capoeira. Não podemos pensar numa academia ou num grupo de capoeira, em que as mulheres não ocupem um papel estratégico nessa função. Talvez isso se dê pelo fato da mulher possuir essa capacidade de organização num grau mais desenvolvido que os homens, não sei. Só sei que sem as mulheres nessa função, a maior parte dos grupos de capoeira de hoje em dia não sobreviveriam por muito tempo.

Já temos também muitas mulheres com o título de “mestre” ou “mestra” de capoeira, como queiram. E são mulheres muito respeitadas no meio, que realizam trabalhos importantes e reconhecidos, apesar de ainda haver resistências por parte de alguns setores mais conservadores da capoeira. Mas é uma questão de tempo para que esse tipo de preconceito seja também superado.

Mas é bom lembrar que apesar do universo da capoeira ter sido predominantemente masculino, existiram muitas mulheres que deixaram seus nomes gravados na história da capoeiragem. Só para citar alguns nomes, a capoeira de outrora traz histórias impressionantes de valentia e destreza de algumas mulheres como: Maria Doze Homens, Salomé, Catu, Chicão, Angélica Endiabrada, Almerinda, Menininha, Rosa Palmeirão, Massú, entre muitas outras mulheres. Histórias que envolviam enfrentamentos com a polícia, brigas com navalha, e até mortes de valentões famosos como Pedro Porreta, que segundo algumas pesquisas indicam, foi de autoria da temida “Chicão”, conforme relatam jornais da época.

Vem jogar mais eu, mulher….vem jogar mais eu…que na roda de capoeira, o espaço também é seu !

 

Pedro Abib (Pedrão de João Pequeno) é professor da Universidade Federal da Bahia, músico e capoeirista, formado pelo mestre João Pequeno de Pastinha. Publicou os livros “Capoeira Angola, Cultura Popular e o Jogo dos Saberes na Roda”(2005) e “Mestres e Capoeiras Famosos da Bahia”(2009). Realizou os documentários “O Velho Capoeirista” (1999) e “Memórias do Recôncavo: Besouro e outros Capoeiras” (2008).