Blog

vento

Vendo Artigos etiquetados em: vento

De vento em Popa 2012

Mestre Jaime de Mar Grande e família Paraguassu convidam para o De vento em Popa 2012, entre os dias 4 e 8 de janeiro, quando será comemorado o sétimo aniversário da Associação Cultural de Capuêra Angola Paraguassu. Com o tema “O Centro da Roda é o Centro da Vida”, o De Vento em Popa, que é realizado anualmente na ilha de Itaparica, Mar Grande – Bahia é uma oportunidade de viver um universo cultural diferenciado, integrado com a comunidade local, de fazer novas amizades, além de desfrutar das belezas locais, conscientizando-se dos trabalhos de preservação e conservação ambiental na Ilha.

Em 2011, cerca de 300 pessoas de São Paulo, Rio Claro, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Maranhão, Salvador, nativos da Ilha e alguns estrangeiros visitantes passaram pelo evento. Para o ano de 2012, a ACCAAP oferecerá alojamento e área de camping aos amigos inscritos no evento.

Nos encontramos lá!

 

Forte abraço.

Mestre Jaime de Mar Grande

 

De Vento em Popa 2012 – O Centro da Roda é o Centro da Vida

 

Programação

 

Quarta 04/01/2012

18:00 – (Re)abertura: o Centro da Roda é o Centro da Vida

19:00 – O Paraguassú em Cena – retrospectiva 2011

20:00 – Roda de Abertura

23:00 – O Samba de Paraguassú na Linha do Mar

 

Quinta 05/01/2012

15:00 – Ritmo com Mestre Jaime.

16:30 – Ensaio com Nenete e o Terno de Rosas (Grupo tradicional da Festa de Reis)

19:00 – Cortejo de Berimbaus – saída da ACCAAP até a Praça de Mar Grande

20:00 – Roda na Praça de Mar Grande

22:00 – Samba de Paraguassú na Linha do Mar na Praça de Mar Grande

 

Sexta 06/01/2012

06:00 – Alvorada e Bateria do Paraguassú

08:00 – Café da manhã coletivo (gastronomia da Ilha)

10:00 – Visita a Associação Sócio-ambientalista Pró-Mar:

– Um trabalho de preservação e conservação local

(histórico, trabalho e visita às praias do entorno)

17:00 – Roda de Aniversário na sede da ACCAAP

20:00 – Saída do Terno de Rosas (cortejo local)

22:30 – Confraternização de Aniversário

 

Sábado 07/01/2012

10:00 – Visita a comunidade do Baiacú

(histórico local e roda de capuêra)

13:00 – Almoço

14:30 – Samba com a comunidade

20:00 – Apresentação do teatro das crianças

21:00 – Samba de partido Alto

22:00 – Palco Livre

 

Domingo 08/01/2012

14:00 – Mesa de frutas

15:00 – Roda de encerramento: só não pode é desequilibrar!

18:00 – Samba de Roda

20:00 – Palco Livre

 

Informações pelos telefones:

 

Mestre Jaime <jaimedemargrande@hotmail.com>

(71) 87204812 Oi

(71) 93046749 Tim

 

Budião

(71) 92529075 Tim

 

site: www.angolaparaguassu.com.br

email: accaparaguassu@gmail.com

DE VENTO EM POPA 2009 “Angola no Mundo”

 

Nosso grande amigo e parceiro mestre Jaime de Mar Grande, convida a todos para o DE VENTO EM POPA 2009 “Angola no Mundo”, que irá se realizar na deslumbrante Ilha de Itaparica, Bahia.

Realização: Associação Cultural de Capuêra Angola Paraguassu – Ilha de Itaparica/BA

Programação:

 

06/01 (Terça-Feira)
5h30 – Alvorada (Simbolizando a abertura do evento)
6h– Angola na Roda
9h –Coquetel gastronômico

16h – Trajetória da Paraguassu e “O Perfil de um Mestre”.
18h30 – Angola na Roda
21h30- Apresentação do Terno das Rosas
22h20 – Sambando na Roda: Grupo Dois de Julho
Local — Sede da Associação Cultural de Capuêra Angola Paraguassu (ACCAP)

07/ 01 (Quarta Feira)
Apresentação de trabalhos

* 16h -Analogia entre o Brincar na Cultura Popular e o Brincar na Educação: uma visão sensível sobre o ser humano
Com o Professor Vizinho Capuêra (Paraguassu/SP)

* 17h -Meio Ambiente e Aquecimento Global
Com a PROMAR

18h30 – Angola na Roda
21h – Sambando na Roda

08/ 01 (Quinta-Feira)
16h – Oficina de iniciação musical
Professor Titi (Grupo Bantus/Bh)
18h – Palestra: A Ilha de Itaparica e seus diversos aspectos
19h30 – Angola na Roda
22h30 – Sambando na Roda com o Grupo La Prata

09/01 (Sexta0Feira)
15h – Apresentação de Trabalho com a Professora Rosa Bauru/SP
17h – Oficina de canto, ritmo e formação de bateria do saudoso
Mestre Paulo dos Anjos
19h – Angola na Roda (Praça de Mar Grande)
22h – Entrega do Premio Cultural Paraguassu
22h30 – Sambando na Roda com o Grupo Paraguassu

10/01 (Sábado)
16h – Palestra “Espiritualidade na Capoeira”.
Mestre Jaime de Mar Grande
18h30 – Angola na Roda

21h – Sambando na Roda com Rimun e Mateiguinha

11/01 (Domingo)
15h – Angola na Roda
18h – Angola no Mundo

20h – Palco Livre: Expressão da liberdade dos participantes
23h – Encerramento

Alexandre Vizinho Capuêra
Cel: (11) 9560-3959

Ilha de Itaparica: DE VENTO EM POPA 2008

A Paraguaçu irá realizar entre os dias 3 e 6 de janeiro o De Vento em Popa. Evento que, como à exemplo do último ano, contará com a presença de mestres angoleiros, garantindo muita vadiação e, também a presença de outras tradições culturais locais, como o samba de viola com os mestres Rimum e Manteguinha e o Terno das Rosas conduzido por Nenete. Confira a programação!

Cartaz do Evento, clique para ampliar…

03/01/08

19 HORAS; Abertura do Evento
Palestra: A Ilha De Itaparica e suas Tradições
20h30 – Angola na Roda, com os convidados
22h – Samba de Roda e Coquitel
 
 04/01/08

19h – Palestra sobre o meio ambiente, ministrada pela PROMAR
20h30 – Angola na Roda, com mestres da antiga, incluindo os alunos antigos do mestre Paulo dos Anjos
22h30 – Samba de Roda com senhoras da Conceição, e o Grupo de Samba Paraguaçu
 
 05/01/08

16h – Angola na Roda (Participação das crianças pertencentes ao Programa O Pulo do Gato: Educação através da Cultura)

21h30 – Saída do Terno Das Rosas (Concentração casa de D. Chiquinha)

23h30 –  Entrega do Prêmio Paraguaçu pelo Mérito Cultural; Samba de roda com os mestres, Rimum e Manteiguinha
 
06/01/08 (Dia de Reis)

15h – Angola na Roda
19h30 – Apresentação do Terno das Rosas (Concentração na Associação Cultural Paraguaçu) e encerramento com samba de roda

 

Organização: Associação Cultural Paraguaçu e Grupo Paraguaçu de Capoeira Angola

Coordenação: Mestre Jaime de Mar Grande

Nota de falecimento: Mestre Marujo

Chora Capoeira… Capoeira Chora…
Chora Capoeira… Mestre Marujo foi-se embora…
 
Parte aos 45 anos, Mestre Marujo, que fazia parte do Grupo de Mestres Capoeiragem entre Camaradas, sofreu um infarto fuminante no dia 10 de Novembro de 2006 as 21hs, durante uma roda de capoeira no Rio de Janeiro.
 
O velório e o sepultamento foram realizados no sábado de 11 de Novemvro ás 17 hs
Estiveram presentes os familiares e amigos do Mestre.
 
Fica aqui nossa homenagem a este grande Mestre de Capoeira que agora foi vadiar com outros grandes e saudosos Mestres.
 
Vai na paz mestre Marujo e que o senhor continue com o movimento da "Capoeiragem entre Camaradas" ai, nesta roda no infinito…
Depoimento de uma aluna do Mestre:
 
"Eu joguei com o Marujo nessa roda e tenho muita lembrança boa dele, Marujo participou de uma das melhores lembranças que tenho de todos os esportes que já fiz. Me ensinou muito e me defendeu por muitas vezes em rodas estranhas.
Faço esta homenagem pelo homem que foi, pelo mestre, pelo amigo, pelo capoeira, pela dedicação total que sempre teve com a arte e também pelo cuidado com seus alunos que ele sempre teve, preocupação também com os alunos de amigos, como era o meu caso.
Mestre Marujo deixará infinitas saudades para os capoeiristas dedicados de corpo e alma.
 
Eterna lembrança de uma linda capoeira. Era tão capoeira de alma, que conseguia antingir o ponto aonde não sabíamos se ele estava jogando ou brincando e quando menos esperava ele te colocava em "cheque".
Mestre, vc fará falta mas estará (como sempre esteve) na lembrança de todos os seus amigos e irmãos da capoeira e fora dela também. Que papai do céu te receba com todo o carinho que vc merece. Sei que vai olhar pelos amigos daki da terra e sei também que sempre estará nas rodas ao pé do berimbau quando ouvir o gunga chamando."
 
Maria Fernanda Meza
"Iêêêê
o vento que venta no mar,
traga a sereia pra me ver cantar,
(coro)
o vento que venta no mar,
traga a sereia pra me ver jogar,
(coro)
o canto que eu canto na roda,
é pro capoeira jogar,
o capoeira é um cabra forte,
que joga versos no olhar,
na cantiga ele manda a mensagem,
no coração algo bom tem pra lhe dar,
ele aceita qualquer desafio,
pq não tem medo de lutar,
pq vale a pena correr o risco,
para seu grande amor n abandonar,
o vento que venta no mar,
traga a sereia pra me ver cantar,
(coro)
o vento que venta no mar,
traga a sereia pra me ver jogar,
(coro).."

Livro homenageia mulheres negras e afro descendentes em dia de evento internacional

No próximo dia 25 de julho, na Câmara Municipal do Salvador, será lançado em evento especial o livro Mulheres do Vento Mulheres do Tempo, para marcar o Dia Internacional de Luta da Mulher Negra da América Latina e do Caribe. A iniciativa em Salvador é da  produtora e microempresária Mônica Kalile, fundadora da entidade não governamental e cultural A Mulherada, associando-se com as manifestações que também ocorrerão em diversas cidades brasileiras, nas Américas e no Caribe.   O livro, organizado por Mônica e uma equipe de jornalistas e historiador , relaciona em sua primeira edição, 100 mulheres negras e afro descendentes  que se destacaram em suas atividades profissionais, desde as mais simples até as mais qualificadas.

Mônica define o livro como uma linha guia para a busca de informações, consulta escolar, pesquisas  e análise da ação discriminatória étnica, que ainda atinge as mulheres afro descendentes, mas que foi e tem sido superada por elas, não só conquistando espaços, como estendendo conquistas históricas para o beneficiamento da sociedade como um todo. Entretanto, observa,  muitas dessas mulheres não são olhadas em sua importância, minimizando-se ou desprezando a sua influência, quando não qualificadas folcloricamente, como personagens lendárias.

Dentre as 100 mulheres relacionadas como destaque do livro, estão jornalistas, artistas, empresárias, esteticistas, profissionais liberais, culinaristas, domésticas, comerciantes, líderes comunitárias, líderes sindicais, parlamentares e militantes políticas e religiosas, educadoras, dentre outros segmentos.

A edição de Mulheres do Vento Mulheres do Tempo tem o patrocínio da Fundação  Palmares e apoio da Fundação Gregório de Matos, Semur ( Secretaria Municipal da Reparação) , Comissão de Defesa  dos Direitos  da Mulher da Câmara de Vereadores e Superintendência Especial de Políticas para as Mulheres – SPM . É composto de 206 páginas contendo fotografias, resumo biográfico e entrevistas sobre fatos marcantes na vida das entrevistadas, que servem como estímulo na luta contra os preconceitos racial e de gênero e outras adversidades na construção de suas dignidades e da história em diferentes dimensões. É a realidade de vida de cada uma contada por elas mesmas, enquanto agente e paciente dos fatos.

Salvador, 18 de julho de 2006.

Contatos: Mônica Kalile: 3326-7166/ 9925-9529         E-mail:mokalile@terra.com.br

Apresentação

Mulheres do Vento Mulheres do Tempo, identificando 100 Mulheres Negras da Bahia, é como um espelho d´água de um imenso oceano de verdades que se mostram na superfície, impulsionadas pelo profundo.
Foi a trajetória na busca desse profundo que levou A Mulherada, através de Mônica Kalile, produtora cultural e fundadora da entidade, a trazer à tona essas Mulheres-Modelos cujas histórias de vida estão fundadas nos mesmos valores de A Mulherada: solidariedade; pioneirismo; transparência; vontade; responsabilidade; inovação.

Ao ressaltar os nomes dessas 100 Mulheres, A Mulherada reconhece todas as Mulheres Afrodescendentes que jamais foram anônimas em seu dia-a-dia, em sua luta, em sua escolha, com vidas e valores tão iguais, porque fundados na mesma verdade das ancestrais que chegaram ao Brasil, pelo maior porto de chegada dos povos do continente africano: Salvador.

A sabedoria e a perseverança das ancestrais apontam para tempos de bonança, para milhões de Mulheres afro-brasileiras que não vão esperar pela felicidade nem pela liberdade, mas que vão continuar buscando essas grandezas na luta plantada pelas ancestrais.
As Mulheres Negras descendentes estão valorizando a trajetória de seu povo, conscientes do sofrimento lhe foi impingido, sem precedentes na história da humanidade.  Essas Mulheres descendem de verdadeiras santas, por nós canonizadas, que ofereceram o amor à verdade e a luta pela dignidade como alicerces cravados nessa terra, raízes profundas que formam a alma do povo negro.
O Vento tem se encarregado de provocar e expandir o movimento das Mulheres, como as identificadas nesse belo livro.  O Tempo tem atualizado a luta contra toda a forma de discriminação, para a dignidade plena.  O Vento e o Tempo, juntos, vêm bradando aos quatro cantos do mundo a situação das Mulheres Negras na Bahia e no Brasil.  O Vento chegou!  O Tempo é agora!
Ana Maria Felippe
Coordenadora de Memória Lélia Gonzalez



PROGRAMAÇÃO:

18h00min: abertura da sessão
Composição da Mesa – Eron Vasconcelos, Valdenor Cardoso, Jaime Sodré, Ana Maria Felippe, Deise Benedito, Mônica Kalile
Apresentação de A Mulherada ( banda)
Fala: Mônica Kalile – Fundadora A Mulherada
Fala: Ana Maria Felippe ( Coordenadora Memorial Lélia Gonzáles) exibição de filme sobre a Lélia Gonzáles) – RJ
Recital poesia – Jocélia
Fala: profº Jaime Sodré
Fala: Deise Benedito – Presidente Fala Preta – SP
Apresentação musical – Rita Brás – Cantora Lirica
Encerramento
Coquetel
Autógrafos com distribuição gratuita do livro Mulheres do Vento Mulheres do Tempo
21h30min: show da Banda A Mulherada

Local: Praça do Terreiro de Jesus – Pelourinho – Palco do Projeto Pelourinho Dia e Noite

Read More

QUE É BARRAVENTO?

Em atenção ao e-mail de Claudio A. Sampaio Filho (sampaio@intercientifica.com.br)

Caro Mestre Decânio,
Obrigado pela orientação, já entrei em contato com o Mestre Itapoan.
Estava eu conversando com meu Mestre sobre a satisfação de ter me comunicado com V.Sas, via E-mail, quando ele me pediu para perguntar a V.Sas, uma dúvida que ele não conseguiu esclarecer até hoje com nenhum outro mestre.
Qual é o Toque de Barra-vento e em qual tipo de Jogo deve ser tocado ???
Mestre Pastinha se referiu a esse tipo de toque algumas vezes, nas músicas que cantava. Obrigado desde já, e se caso necessitar de algo aqui de São José dos Campos não deixe de me comunicar.
Sei que o Mestre Esdras é um dos membros do CEPAC, meu Mestre, Teófilo dos Santos, esta sempre em contato com ele.
Cláudio.

Se persistirem as dúvidas
Continue perguntando
Meditando sobre as respostas que for obtendo
Até que um dia
O Deus que habita o coração de cada um de nós
Subitamente lhe mostre
o caminho, a verdade e a luz que nos guia!

RESPOSTA… ?… !…

Inicialmente devo fazer alguns reparos à pergunta "Qual é o Toque de Barra-vento"… Qual é o toque só pode ser respondido com o berimbau… pelo que me limitarei a responder o que é o toque…
A seguir peço permissão para discutir um pouco a expressão " em qual tipo de Jogodeve ser tocado ???".
A música provoca u’a modificação do estado d’alma dos ouvintes, basta ouvir o toque de silêncio do corneteiro nas caladas da noite… a "Ave Maria" no obscurecer do crepúsculo… o ruflar dos tambores nu’a marcha forçada… o adarrum num terreiro de candomblé… a doçura dum ijexá durante o desfile de afoxé… o saracotear dum frevo… o balanço dum reggae.. o suave violão do Doryval Caimmi cantando a doçura do morrer no mar…. a negritude da Lagoa do Abaeté… ou o grito plangente da negra do acarajé marcando as "dez horas da noite"!
Assim podemos entender que o atabaque conduza o ser humano ao transe do orixá, que nada mais é que um estado modificado de consciência em que se manifesta a dinâmica do nosso corpo quando liberado dos padrões superficiais de comportamento impostos pela cultura em que crescemos e vivemos.
De modo similar o toque de berimbau conduz o praticante ao transe da capoeira, estado modificado de consciência em que o particante, livre os padrões de comportamento sociais, manifesta lvremente a sua resposta ao ritmo-melodia diretamente ligado ao íntimo de sua estrutura biológica, isto é, os fundamentos anatômicos e funcionais dos sistema nervoso e endócrino.
Não é o "tipo que jogo" que exige o toque, e sim, o "toque" através o ritmo, a melodia e o andamento, associados ao movimentos rituais e ao código de parceria, que induz o jogador de capoeira a um determinado comportamento motor. Por exemplo o "jogo de dentro", sob os toques de Banguelinha, Banguela e/ou São Bento Pequeno, é usado para a simulação duma com arma branca (faca, facão, punhal, navalha…), dentro das regras do jogo (ritual) dado brandura e lentidão do toque, o qual gera movimentos controlados e permite esquivas seguras, garantindo-se assim a integridade física dos parceiros.
Enquanto o toque de "Cavalaria", rápido e quente, acarreta um jogo rápido e mais violento.
Posto o que, podemos considerar o conceito e a definição de "barravento".

No "Dicionário Aurélio", encontramos:
Verbete: barravento S. m. 1. Bras. Toque predileto de Xangô, nos candomblés bantos. 2. Bras., BA. Ansiedade que domina a filha-de-santo antes da chegada do orixá.
Verbete: barlavento S. m. Mar. 1. Direção de onde sopra o vento. 2. Bordo da embarcação voltado para a direção de onde o vento sopra. [Antôn.: sotavento.]
Os pescadores do recôncavo baiano usam barravento como sinônimo de barlavento.
No candomblé, além destes significados, existe um toque denominado de "barravento", mais rápido e mais quente que o ijexá.

O samba do recôncavo baiano, manifestação coreográfica também fundamentada no ijexácomo a capoeira, encontramos duas variedades, diferenciadas pelo ritual e andamento dos toques:

  • em Santo Amaro da Purificação, santamarense (também conhecido por "samba de barravento" ou de "chula", mais lento, de ritual mais exigente, cada participante, deve cantar um chula, antes de começar a sambar e só dança sob acompanhamento exclusivo da orquestra, sem canto nem coro;
  • em Cachoeira de São Felix, o cachoeirano, ou "de corrido", de ritmo mais quente, cujo ritual permite a dança sob coro (corrido).

Dada a origem comum destas manifestações culturais, Mestre Pastinha usava esta denominação para caracterizar um ritmo mais rápido, cuja pauta não posso reproduzir, especialmente porque cada mestre impõe a sua personalidade aos seus toques, surgindo deste modo a infinita riqueza musical da capoeira.
A meu ver, o "barravento" em si não é um toque e sim um "andamento" do ijexá, nada impedindo, entretanto, que algum autor crie um toque e o batize de "Barravento"…
Acredito firmemente que o importante é escolher um toque tranquilo, suave, lento, que que desenvolva um jogo amistoso, prazeroso, respeitoso, em que cada um possa manifestar seu potencial atual sem risco de lesar ou ser lesado, capaz de selar uma amizade indissolúvel pelo Tempo e pela Morte, como a que ainda me une a Cisnando, Ruy Gouveia, Tiburcinho, Mané Rozendo, Compadre Luizinho, Compadre Brasilino,Caiçara, Ezequiel… e sobretudo aos Mestres Bimba e Pastinha!

A capoeira é um dialogo alegre
Sob o ritmo ijexá
De corpos fundidos num só NÓS
Pela magia do toque de berimbau
A teoria é mero jogo de palavras para a ginástica mental
O que importa é o jogo, a alegria
Os prêmios são a Felicidade e o Crescimento Interior!