Blog

viva

Vendo Artigos etiquetados em: viva

Resultado: Capoeira Viva 2007

 

1.286 projetos inscritos e 122 projetos contemplados

O ministro da Cultura interino, Juca Ferreira, anunciou, no dia 4 de abril, os vencedores do Edital Capoeira Viva 2007. A solenidade aconteceu na Sala dos Espelhos do Palácio Rio Branco, em Salvador.

Nesta edição, o total de recursos oferecidos foi de R$ 1,2 milhão, distribuído em quatro categorias, para as quais foram selecionados 122 dos 1.286 projetos inscritos.

Com o apoio do MinC, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, a iniciativa tem o objetivo de fomentar políticas públicas para a valorização e a promoção da Capoeira como bem constituinte do patrimônio cultural brasileiro. Também visa incentivar ações relacionadas à manifestação por meio de atividades socioeducativas, pesquisas e constituição de acervos e produção de mídias e suportes digitais, eletrônicos e audiovisuais (filmes, vídeos, exposições, instalações, sítios, portais e jogos eletrônicos, software livre, dentre outros recursos).

Idealizado pelo Ministério da Cultura e promovido pela Fundação Gregório de Mattos (FGM), com patrocínio da Petrobras, o projeto Capoeira Viva tem como objetivo fomentar políticas públicas para a valorização e promoção da capoeira como bem constituinte do patrimônio cultural brasileiro, apoiando uma das diretrizes da política cultural da atual gestão do Ministério da Cultura.

Esta chamada pública, de promoção e fomento, tem âmbito nacional, garantindo aos interessados de todo o País a mais clara e ampla possibilidade de acesso aos recursos financeiros captados junto à Petrobras e destinados a cada uma das modalidades de apoio. Permitirá, ainda, o mapeamento de diferentes experiências e iniciativas ligadas à capoeira em todas as regiões brasileiras e, eventualmente, no exterior.

Para mais informações, visite o site do Capoeira Viva: www.capoeiraviva.org.br

 

Lista dos projetos contemplados

 

 

Resultado: por categoria

Categoria Apoio a Ações Sócio-educativas
Total do Fomento: R$ 561.935,00

INSCRIÇÃO

NOME DO PROJETO

RESPONSÁVEL

CIDADE

UF

PRÊMIO (R$)

35873

Encontro e Vivência – Capoeira um Veiculo Educacional 3ªedição

Antonio Cesar de Vargas

Rio de Janeiro

RJ

6.000

35911

Tem Capoeira na Praça !!!

Alethéia Silva Fernandes

Rio de Janeiro

RJ

4.000

35918

Projeto Maculelê

Genival Soares dos Santos

Nova Olímpia

MT

5.000

35946

Projeto Afro Brasileiro

Flavio Ramos da Silva

Montes Claros

MG

4.000

35948

Malungo No Quilombo

Valmir Moreira Goulart

Guimaraes

MA

8.000

35949

Comunidade Capoeira

Walter dos Santos Dias

Teresina

PI

10.000

35991

Projeto Cultural e Social "Nossas Raízes"

Aldeci Gomes da Silva

Cachoeiro de Itapemirim

ES

4.000

35993

Roda Grande Capoeira nos Bairros

Luiz Carlos Ataide de Faria

Aparecida de Goiânia

GO

5.000

36000

Projeto Cultural A Arte de Ser Feliz

Maria Helena Zago Bragueto Moreira

Iracema do Oeste

PR

7.000

36029

Santa Capoeira

Sergio Augusto Sacramento

Rio de Janeiro

RJ

4.000

36040

Casa Mestre Ananias – Centro Paulistano de Capoeira Tradicional, Convivência e Cidadania

Rodrigo Bruno Lima

São Paulo

SP

8.000

36095

Ginga & Dança Capoeira

Eliseu Riscarolli

Tocantinopolis

TO

5.000

36125

Crescer Gingando

Wellington Carlos de Almeida

Belo Horizonte

MG

6.000

36174

Casa da Capoeira De Araguaina

Francisco Felix dos Anjos Carreiro

Araguaina

TO

7.000

36208

Educando Na Capoeira

José Maria Medeiros das Neves

Pesqueira

PE

8.000

36209

Projeto Resgantando A Cultura Afro-Brasileira – Instrumento de Inclusão Social

José Rodolfo Carrinho Viana

Canoas

RS

4.000

36215

Arte de Capoeirar

Rejane Maria de Sousa Pereira Oliveira

Palmas

TO

5.000

36240

Vem Capoeirar II

Valdernilson de Lima Gomes

Tarauacá

AC

7.000

36241

Projeto Capoeira no Morro das Pedras

Armando Maciel Pereira

Belo Horizonte

MG

4.000

36253

A Capoeira Como Objeto Educacional para A Inclusão e Diversidade

Leandro Ferreira Tomé

Janduís

RN

8.000

36256

Capoeira: Dança, Música, Arte e Educação

Heleno Emiliano da Silva Neto

Janduís

RN

8.000

36265

Projeto Cultural Renascer Capoeira Angola

Rubens Bezerra Oliveira

Brasília

DF

6.500

36275

Ginga Brasileira – Coquinho Baiano

Geusa Roberta Pinto

Campinas

SP

12.000

36315

Gingando no Itapoã

Reinaldo Ferreira Lima

Sobradinho

DF

7.935

36342

Construindo Cidadãos

José Leopoldo Ribeiro da Silva

Janaúba

MG

6.000

36343

Quilombo de Angola

Gustávio da Silva Pinheiro

Goiás

GO

6.500

36344

Projeto Capoeira No Campo

Francikelly Silva Andrade

Timon

MA

7.000

36347

Projeto Capoeira E Formação Cidadã

Marco Antonio Santos da Silva

Maceió

AL

5.500

36374

Capoeira É Nossa Cor: O Berimbau e O Caxixi

Maria Luisa Bastos Pimenta Neves

Lauro De Freitas

BA

6.500

36397

Escola de Capoeira "Manoel de Hilário"

Idelmar Gomes Cavalcante

São Francisco Do Piauí

PI

5.000

36429

Projeto Imagem Comunitária – Resgate da História E da Cultura de Povo Através da Capoeira

Josiane Soares Cardoso

Porto Alegre

RS

7.000

36446

Gingando Pela Paz

José Carlos Almeida Santos

Laranjeiras

SE

8.000

36487

Projeto-Sócio Cultural Quilombola "Capoeirando com As Crianças e Adolescentes"

Valdemiro Pereira Filho

Florianopolis

SC

7.000

36496

Projeto Educando Através do Esporte

Aloisio de Souza Piton

Curitiba

PR

5.000

36503

Capoeira de 8 A 80

Edeltraut Edith Rueckl

São Bento do Sul

SC

7.000

36515

Projeto Gente Feliz

Odete Rigato Mioto

Ji-Parana

RO

5.000

36521

100%Capoeira Cultura Brasileira

Eveton Alfaia Moraes

Belém

PA

5.000

36525

Capoeira Angola, Roda Mundo em Jogo de Rodas Vivas: Ancestralidade, Educação e Cultura

Jaime Martins dos Santos

Salvador

BA

6.000

36542

Capoeira Angola Mabaça

Carlos Alberto Martins Alves

Goiânia

GO

8.000

36544

Vivenciando a Capoeira para um Novo Mundo Melhor

Mariza Maia Guimarães

Senador Canedo

GO

5.000

36560

Potencial Capoeira

Denivan Costa de Lima

Maceió

AL

8.000

36571

Ventos de Liberdade

Francisco Flávio Pereira Barbosa

Fortaleza

CE

7.000

36586

Capoeiragem Mirim: e do pequeno que se faz o grande

Augusto Bonatto Alves de Sousa

Belo Horizonte

MG

6.000

36597

Capoeira pela Vida

Raimundo Inaldo Alves Araujo

Missão Velha

CE

5.000

36610

Capoeira no Bom Pastor II

Marcelo de Lima Schitz

Caxias do Sul

RS

4.000

36612

Projeto Social "Capoeira Na Roda da Vida"

Douglas Martins

São José

SC

7.000

36624

Palmares em Nós

Ivanildes Teixeira de Sena

Salvador

BA

6.000

36629

Muzenza, Capoeira pra Todos

Elias Sebastião da Silva

Paulista

PE

5.000

36633

Capoeira Angola – Estudos e Prática

Jorge Estevão Ferreira

Olinda

PE

5.000

36635

Grupo Aún Chibata de Capoeira

José Wanderson Nascimento Saraiva

São Luis

MA

5.000

36641

Capoeira ART-VIDA

Jeime Gleidso do Nascimento Soares

Morada Nova

CE

8.000

36642

Capoeira No Quilombola: Contribuindo com o Resgate da Cultura Crioula a Partir da Capoeira Na Escola

Flaviano Ribeiro da Silva

João Pessoa

PB

6.000

36654

Projeto de Educação e Cultura – "Terra Brasil"

Raphael Alves Vieira da Silva

Palmas

TO

6.000

36683

Preservarte Capoeira Viva

Estela Maris Casara

João Neiva

ES

6.000

36690

Grupo Cultural Esquiva de Capoeira

Joao Alves de Souza

Lapão

BA

6.500

36737

Capoeira Cidadã

Valter da Rocha Fernandes

Rio de Janeiro

RJ

6.000

36739

Meninos da Ilha de Mar Grande

Gilson Fernandes

Salvador

BA

12.000

36749

O Brilho Tem Capoeira

Eduardo André Silva dos Santos

Palmeiras

BA

12.000

36750

Capoeirando e Educando

Odailton Pollon Lopes

Osasco

SP

8.000

36757

Capoeira – Instrumento de Cidadania

Josefa Marlene Dantas Souza

Macaiba

RN

5.000

36799

Capoeira: Um Salto Para O Mundo

Cleyton José Da Silva

Olinda

PE

5.000

36811

Capoeira Integração Social Ma Capuava

Cecilia Maria Borges

Goiânia

GO

5.000

36816

Capoeira – Resistência, Tradição e Preservação

Evangivaldo Palma Azevedo Filho

Vera Cruz

BA

6.500

36817

Capoeirança

Lindomar Dantas da Silva

Aparecida

PB

5.000

36830

“O Futuro Depende de Nós”

Ir. Maria Hubertina Lijnen

Cabedelo

PB

5.000

36866

Projeto Capoeira Na Escola

Sandra Regina Prudêncio

Goiânia

GO

5.000

36877

Projeto "O Quilombola": Implantação E Fortalecimento da Capoeira Angola Na Comunidade Quilombola de Retiro

Ananda Bermudes Coutinho

Vitória

ES

6.000

37026

Grupo Muzenza Mirim de Capoeira

Eleusa das Graças Gomes

Uberaba

MG

6.000

37050

Capoeira na Escola

Antônio Marcos da Silva

São Gonçalo do Amarante

RN

5.000

37058

IV Encontro de Capoeira & Síndrome de Down

Josimar Flor de Araújo

Campo Grande

MS

8.000

37068

Caá Puêra na Terra de Zumbi

Severino Cláudio de Figueiredo Leite

Maceió

AL

7.000

37073

Arte da Criança: A Prática da Capoeira No Ensino Infantil

Rosilene Cristina da Silva Carvalho

São Luis

MA

5.000

37104

“Intervenções Culturais: Formação Cidadã dos Filhos do Solar”

Cecília dos Santos de Brito

Salvador

BA

12.000

37112

Capoeira e Inteligências Múltiplas

Marcelo Pertussatti

Xaxim

SC

6.000

37126

Capoeira Como Resistência: Um Resgate Histórico e Cultural Em Jardim Catarina

Elisangela Bandeira Mendes

Rio de Janeiro

RJ

6.000

37128

Orquestra de Berimbaus “Mandingueiros do Amanhã”

Kleber Umbelino Lopes Filho

São Luís

MA

7.000

37142

Escolinha Conscienciarte

Lucivaldo Paz de Lira

Paracatu

MG

6.000

37159

Projeto Ação e Movimento

Roberto Rós Perez

Miranda

MS

8.000

37174

Projeto Capoeira São Luiz do Palmares

Luiz Carlos da Silva

Porto Nacional

TO

6.000

37192

Bimba, Buda e Eu…

Paulo Cristiano Marques Pereira

Campo Grande

MS

5.000

37217

I Encontro Infantil de Capoeira – EICA – Novo Horizonte Circularte

Leonardo Dutra Guedes

Florianópolis

SC

6.000

37271

Projeto Gunguerê, Negritude e Cidadania Dia-a-dia

Lázaro dos Prazeres Santos

Salvador

BA

12.000

37288

Movimento Capoeira Mulher

Gisele da Silva Figueira

Belém

PA

4.000

37331

Resgatando a Auto Estima dos Quilombolas

Laura Ferreira da Silva

Várzea Grande

MT

8.000

37426

Angoleiros Sim Sinhô

Renata Ribeiro dos Santos

São Paulo

SP

12.000

37477

"Orquestra Popular Do Tocantins

Davi Fernandes Nunes

Araguaína

TO

9.000


Categoria: Incentivo para projetos inéditos de estudos, pesquisas, inventários e documentação sobre o desenvolvimento da capoeira
Total do fomento: R$ 171.000

INSCRIÇÃO

NOME DO PROJETO

RESPONSÁVEL

CIDADE

UF

PRÊMIO (R$)

36020

Uma Vida Na Capoeira Regional: Os Seguidores de Mestre Bimba

Helio José Bastos Carneiro de Campos

Salvador

BA

9.000

36102

Mestre Pastinha: Fragmentos de uma vivência

Claudio Rocha de Cunto Lemos

Brasília

DF

12.000

36224

Livro – "A História da Capoeira de São Paulo: Contada Pelos Antigos Mestres."

Womualy Gonzaga dos Santos

Santo André

SP

12.000

36264

Livro: A capoeiragem no Recife Antigo – os valentes de outrora

Mônica Carolina de Albuquerque Beltrão

Recife

PE

12.000

36372

A História da Capoeira de Goiás Contada Por Seus Pioneiros: Mestre Osvaldo E Mestre Sabú

Elto Pereira de Brito – Mestre Suino

Goiânia

GO

12.000

36424

Raízes do berimbau: Hungu e M’bulumbumba

Cinezio Feliciano Peçanha

Salvador

BA

9.000

36514

Corpo, cultura e sociedade: memórias da capoeira na cidade do Natal/RN

João Carlos Neves de Souza e Nunes Dias

Natal

RN

12.000

36789

Em Busca das Raízes da Capoeira: Danças Africanas em Angola, Séculos XVI Ao XIX

Carlos Eugênio Líbano Soares

Salvador

BA

9.000

36790

Menino quem foi teu mestre: a capoeira em Salvador nas fotos de Pierre Verger

Angela Elisabeth Lühning

Salvador

BA

9.000

36858

A capoeiragem no Rio de Janeiro através do século

Jair Fernandes de Moura

Salvador

BA

12.000

36862

Mandinga Em Manhattan – O Livro

Maria Lucia Correia Lima de Souza

Salvador

BA

9.000

37059

Brabos, valentões, mas também brincantes – A capoeiragem em Pernambuco de 1890 a 1937 pelos olhos da imprensa local

Cristiane Amador Alves

Olinda

PE

9.000

37163

A CAPOEIRAGEM AMAZÔNIDA: a experiência social de mestres e praticantes da capoeira em Belém

Fabio Araújo Fernandes

Belém

PA

9.000

37200

HORALCAP: Conversando com Mestre de Capoeira em Feira de Santana

Maria Fulgência Bomfim Ribeiro

Feira de Santana

BA

12.000

37289

FEIRA DE CAPOEIRA – História em imagens fotográficas

Fabrício Souza Barboza

Feira de Santana

BA

12.000

37308

As Rodas de rua na capoeira do Maranhão da década de 1970

Roberto Augusto A. Pereira

São Luis

MA

12.000


Categoria: Apoio a Acervos Documentais
Total do fomento: R$ 200.000

INSCRIÇÃO

NOME DO PROJETO

RESPONSÁVEL

CIDADE

UF

PRÊMIO (R$)

35887

Acervo Mestre Itapoan

Raimundo César Alves de Almeida

Salvador

BA

25.000

36489

Acervo Frede Abreu – Instituto Jair Moura

Frederico José de Abreu

Salvador

Ba

20.000

36516

Memorial da Capoeira Pernambucana

João Ferreira Mulatinho

Recife

PE

40.000

36568

Acervo Mestre Camisa

José Tadeu Carneiro Cardoso

Rio de Janeiro

RJ

35.000

36928

Divulgando A Capoeira

José Carlos Alberto

São José dos Campos

SP

20.000

36983

MUSCAP – Museu da Capoeira do Paraná

Adegmar José da Silva

Colombo

PR

40.000

37220

Casa Mestre Ananias – Centro Paulistano de Capoeira e Tradições Baianas

Rodrigo Bruno Lima

São Paulo

SP

20.000


Categoria: Ações relacionadas à capoeira por meio de mídias e suportes digitais, eletrônicos e audiovisuais, incluindo filmes, vídeos, exposições, instalações, sítios, portais e jogos eletrônicos, software livre e produtos correlatos e iniciativas de produção e difusão
Total do fomento: R$ 270.160

INSCRIÇÃO

NOME DO PROJETO

RESPONSÁVEL

CIDADE

UF

PRÊMIO (R$)

36034

João Grande, Mestre de Capoeira Angola

Mari Travassos

Salvador

BA

20.000

36269

Pernas Para Voar

Ioná Pizzi Dourado

São Paulo

SP

20.500

36301

Pesquisadores da Capoeira

Antônio Liberac Cardoso Simões Pires

Muritiba

BA

15.000

36318

Capoeira de Cacete

Matthias Röhrig Assunção

Rio de Janeiro

RJ

17.660

36613

Gigante – O berimbauman

André Chaves Santos

Salvador

BA

25.000

36664

A difusão da capoeira Angola através do desenho animado e da produção de livro digital para pessoas cegas e surdas

Guimes Rodrigues Filho

Uberlândia

MG

22.000

36722

Olhar capoeirista sobre a capoeira

Anna Rosaura de Medeiros Trancoso

Rio de Janeiro

RJ

30.000

36726

Capoeira/teatro do Lua Rasta

Gilson Fernandes

Salvador

BA

20.000

36756

Besouro Zum Zum Zum

Elza Maria Montal de Abreu

Salvador

BA

20.000

36802

usina de revitalização negodotimbo apresenta:negros de briga em frevos de poeira

Wagner Porto Cruz

Garanhuns

PE

25.000

36823

PUNGA, MARIMBA E PERNADA – Aspectos da capoeiragem na cultura popular do Maranhão

Raimundo Muniz Carvalho

São Luís

MA

20.000

36844

Portal Angoleiros do Sul

Mário Augusto da Rosa Dutra

Porto Alegre

RS

15.000

36945

Mídias : PAZ NO MUNDO CAMARÁ – A CAPOEIRA ANGOLA E A VOLTA QUE O MUNDO DÁ

Carem Cristini Nobre de Abreu

Belo Horizonte

MG

20.000

Fonte: Capoeira Viva: www.capoeiraviva.org.br

 

Premiados do Capoeira Viva 2007 serão conhecidos em 04 de abril

Premiados do Capoeira Viva 2007 serão conhecidos em 04 de abril

O Projeto Capoeira Viva 2007 divulgará os premiados pelo edital, através de pronunciamento do Ministro interino da Cultura, Juca Ferreira no dia 04 de abril. O Evento acontecerá, às 16h30, no Salão dos Espelhos da Fundação Pedro Calmon – Palácio Rio Branco, Salvador – Bahia, contando ainda com apresentações de Grupos de Capoeira na Praça Tomé de Souza.

A lista dos projetos contemplados ficará disponível nos sites da Fundação Gregório de Mattos www.cultura.salvador.ba.gov.br e do Projeto Capoeira Viva 2007 www.capoeiraviva.org.br.

 

Convite: DIVULGAÇÃO DOS PROJETOS PREMIADOS “CAPOEIRA VIVA 2007”

Confirmar presença com: cleusmar.fernandes@minc.gov.br

Seminário de Estudos e Pesquisas em Capoeira – Capoeira Viva 2007

 Seminário de Estudos e Pesquisas em Capoeira – Capoeira Viva 2007.
 Esse resultado também será divulgado via internet e imprensa.
 O evento será aberto ao público.

Programação:

9h – Mesa de abertura

10h – Mesa redonda – Capoeira, Educação e Comunicação
Muniz Sodré (Rio de Janeiro)
Luís Felipe Machado (Pernambuco)
Pedro Abib (Bahia)
Anselmo Accurso (Rio Grande do Sul)
Álvaro Malaguti (Distrito Federal)

14h – Mesa redonda – Capoeira, História e Cultura
Flávio Gomes (Rio de Janeiro)
Oswald Barroso (Ceará)
Luiz Augusto Leal (Pará)
Luiz Renato Vieira (Distrito Federal)
Letícia Vidor (São Paulo)

17h30 – Pronunciamento do Secretário Executivo Juca Ferreira

18h – Lançamento do livro: A Política da Capoeiragem, de Luiz Augusto Leal

Local:
Sol Victoria Marina – Salão Ilha de Maré
Av. Sete de Setembro, 2068 – Vitória.
Salvador – BA

Paraná: Crianças se encantam com capoeira no Viva o Verão

Entre as diversas atividades artísticas, culturais e esportivas da programação da Paraná Esporte no Viva o Verão, a aula de capoeira, todas às terças, quintas-feiras e aos sábados, na arena em Caiobá, tem chamado a atenção do público, principalmente o infantil.

Alguns participantes estão presentes nas aulas de capoeira desde o início de janeiro e já pensam freqüentar uma academia, ao retornar das férias. Este é o plano de Patrícia Beatriz, de 7 anos e que se diz muito feliz por ter conhecido a capoeira. “Nunca imaginei que era fácil e que exige da gente concentração e persistência para gingar o corpo conforme o ritmo da música”, disse.

O professor de educação física e capoeirista Adegmar José da Silva, conhecido como Candieiro, participa do Viva o Verão pela primeira vez e afirma estar satisfeito com os resultados obtidos das aulas de capoeira, implantadas este ano nas ações do Viva o Verão.

“A capoeira é mais que uma luta marcial, é uma arte que engloba várias artes como a música, a dança, o canto, construção de instrumentos musicais, história, cultura etc.”, destaca o Candieiro.

“A Paraná Esporte, através do seu diretor-presidente, Ricardo Gomyde e toda a equipe, está de parabéns pela implantação da capoeira na programação do Viva o Verão, pois tem sido um sucesso junto ao público e uma forma de quebrar o preconceito que existe por parte de algumas pessoas”, enfatiza Candieiro.

MEIO AMBIENTE – “Não jogue lixo nas praias, jogue capoeira”, este é o slogan da campanha de conscientização ambiental do Centro Cultural Humaitá, em parceria com o IAP (Instituto Ambiental do Paraná), no projeto Viva o Verão.

A ação tem o objetivo conscientizar as pessoas da necessidade em preservar e cuidar do meio ambiente. Dia 3 de fevereiro, a partir das 9 horas da manhã, na frente do palco em Caiobá, haverá uma conversa sobre conscientização ambiental e um aulão de capoeira com grupos do litoral, Curitiba e região metropolitana. Após isso, sairá um mutirão para recolher lixo em toda a orla, de Matinhos a Caiobá”.

“A idéia é repetir esse aulão e mutirão todos os anos, no mês de fevereiro. Queremos que isso tenha um efeito multiplicador e se estenda para as outras praias”, espera o professor Candieiro.

O evento estima reunir aproximadamente 300 pessoas e contará também com a presença de mestres da velha-guarda da capoeira paranaense como Sergipe, Kuntakinté da Bahia, Bacicco, Kuinkas e Pitón.

Fonte: Agência Estadual de Notícias – Curitiba – BR
http://www.aenoticias.pr.gov.br

Aracaju e São Luis recebem oficina do Prêmio Capoeira Viva 2007 nos dias 19 e 20

A Representação Regional Nordeste do Ministério da Cultura (RR/NE MinC) está realizando oficinas gratuitas de capacitação e estímulo à participação no Prêmio Capoeira Viva 2007 nas capitais do Nordeste. Na próxima segunda (19), a oficina de capacitação para participar do Prêmio Capoeira Viva acontece em Aracaju (SE), e no dia seguinte (20), em São Luis (MA). A capacitação é destinada a capoeiristas, mestres, contra-mestres, pesquisadores, gestores públicos, produtores culturais organizações não-governamentais, pontos de cultura, instituições culturais sem fins lucrativos e demais interessados no edital.
 

Em Aracaju (SE), a oficina será ministrada por Mauro Lira (RR/NE MinC). A atividade acontece das 14h às 17h, no Centro de Criatividade Gov. João Alves – Rua Saturnino de Brito, s/n, Bairro Getúlio Vargas. Em São Luís (MA), a oficina será ministrada por Vinicius Pacheco, assessor do Secretário Executivo do MinC, Juca Ferreira. A atividade acontece das 14h às 17h, na Casa da Festa no Auditório Rosa Mochel – Rua Giz, 221, Centro.

 

Já foram realizadas capacitações sobre o edital no Recife (PE), João Pessoa (PB), Teresina (PI), Salvador (BA), Fortaleza (CE) e Natal (RN). A caravana termina no próximo dia 26, em Maceió (AL).

 

O edital Capoeira Viva, que está na segunda edição, foi idealizado pelo Ministério da Cultura (MinC), e está sendo promovido pela Fundação Gregório de Mattos (BA) com patrocínio da Petrobrás. O objetivo do edital é fomentar políticas públicas para a valorização e promoção da capoeira como bem constituinte do patrimônio cultural brasileiro. O valor total da premiação será de até R$ 1, 2 milhão, a ser distribuído de acordo com os critérios estabelecidos pela comissão de avaliação. As inscrições vão até 17 de dezembro.

 

Podem concorrer as premiações indivíduos e organizações e instituições sem fins lucrativos com propostas de projetos sócio-educativos; centros de referência; estudos, pesquisas, inventários e documentação; e produção, difusão e registro por meio de mídias e suportes digitais, eletrônicos e audiovisuais, incluindo filmes, vídeos, exposições, instalações, sítios, portais e jogos eletrônicos, software livre e produtos correlatos. O edital está disponível na página www.capoeiraviva.org.br.

 

Outras informações podem ser obtidas na RR/NE MinC pelo telefone (81) 3224-5562. Contatos locais: Aracaju: (79) 3179-1930 | 8811-4957 e São Luis: (98) 3218-9910 (ramal 243) | 8843-0200

 

Ascom RR/NE MinC

Videoconferência – Edital Capoeira Viva 2007

MINISTÉRIO DA CULTURA
Representação Regional Nordeste
Recife, 23 de outubro de 2007.

CONVITE

Videoconferência – Edital Capoeira Viva 2007 – dia 30 de outubro

O Ministério da Cultura – através da Representação Regional Nordeste, convida Vossa Senhoria, para participar da videoconferência de explanação do Prêmio Capoeira Viva 2007, no próximo dia 30 (terça-feira), das 14h às 18h, nas salas do Banco do Nordeste (BNB) em todas as capitais no Nordeste e em Brasília, conforme endereços abaixo.

O Prêmio Capoeira Viva 2007 foi idealizado pelo Ministério da Cultura e promovido pela Fundação Gregório de Mattos, com patrocínio da Petrobrás.

Informamos que as inscrições para os interessados em participar da videoconferência devem ser feitas através do e-mail videoconferenciamincne@gmail.com até às 19h do dia 29/10/07 (segunda), informando nome completo, número do RG e a cidade de onde assistirá a transmissão.

A coordenação local está sendo feita por Mauro Lira ( mauro.lira@minc.gov.br ) e a assessoria de imprensa por Flora Norberto (floranoberto@gmail.com ). Outras Informações podem ser obtidas pelo telefone (81) 3224.5562. O edital está disponível na página www.capoeiraviva.org.br

Endereço das Salas de Videoconferência / BNB

 

São Luis

R. de Santana, 465 – Centro

98 3218 9600

Teresina

R. Rui Barbosa, 163 – Centro

86 3216 8608

Fortaleza

Av. Paranjana, 5700 – Passaré

85 3299 3395

Natal

Av. Antonio Basílio, 3006. Ed. Lagoa Center,Lj 35C/ Lagoa Nova

84 3133-3201

João Pessoa

Av. Pres. Epitácio Pessoa, 1251 – 12º Andar – Ed. Empresarial Epitácio Pessoa – Bairro dos Estados

83 3216 9400

Recife

R. Antônio Lumack Dumont, 96 – 9° Andar – Ed. Empresarial Center II – Boa Viagem

81 3464 9800

Maceió

R. da Alegria, 407 – Centro

82 3216 4570

Aracajú

R. Itabaianinha, 44 – 3º Andar – Centro

79 2107 5659

Salvador

Av. Estados Unidos, 346/12º Andar/Ed. Prof. Miguel Calmon Sobrinho – Comércio

71 3254 6428

Brasília

SCS Quadra 2/Bloco "C" – Lote 115, Ed. Paulo Sarasate/1º Andar

61 2102 7600


Atenciosamente,

Tarciana Portella

Chefe da Representação

A MORTE DA FIGURA PÚBLICA MESTRE LEOPOLDINA

Faleceu o Mestre de capoeira Leopoldina ás 16:30h do dia 17/10/2007, na cidade de São José dos Campos/SP, Brasil[1].
 
Abro a caixa de e-mails e lá está a notícia encaminhada por meu amigo Pedro[2].
Morreu o Mestre Leopoldina.

É de sentir o falecimento de uma figura dessas… Leopoldina, embora não tenha qualquer ligação direta com a "nossa" capoeira da Bahia, é seguramente dos últimos representantes (no Rio, acho que o mais emblemático) de um certo "ser" capoeirístico, de uma certa maneira de tocar a vida típica da "fina flor" da malandragem dos tempos de outrora (na Bahia ou no Rio). E é uma pena que a conveniência política me impeça de arrolar outros exemplos vivos na Bahia, que é meu território… [3]

Leopoldina era o símbolo acabado de uma "delicadeza já perdida"[4] ou de uma "malandragem provinciana", poética; malandragem vaidosa, elegante e criativa. Um conceito, portanto, contingencial de "malandro". E é por essa via que posso compreender o quanto orgânicas, intuitivas e legítimas tinham de ser as tão propaladas "negaças", "mandingas", "manhas" e “malícias”[5] que, pela capoeira, nossos ancestrais (categoricamente representados por figuras como Leopoldina) legaram uma perspectiva de mundo, uma maneira de driblar – com elegância e originalidade – carências materiais tão aparentes para nós, míopes repetidores dos inócuos, sabidos e ressabidos discursos sociais.
 
Trata-se, pois, de atentar para aquilo que subjaz, que está por trás, porque no que toca a miséria e abandono sofridos por Cartola, Pastinha ou Waldemar, muito já sabemos e pouco agimos[6]. É quando jogar capoeira, levar um samba, vestir-se de branco impecável ou cumprir suas obrigações transcendentes engendra dignidade na pessoa humana. É disso que não nos apercebemos e é isso que morre, não tão lentamente quanto possa parecer, quando morre um Leopoldina. Dignificar-se pelo seu modo de ser e proceder é tão importante quanto a dignidade humana de que nos falam os jornais e revistas, dignidade enfaticamente material. São direitos humanos que “dignificam” com padrões pré-moldados e classificam por índices econômicos, mas excluem o único sustentáculo efetivo daquilo que faz dos Leopoldinas da vida Mestres de verdade: a capacidade de aplicar a sabedoria de um povo a um instrumental artístico-cultural que se renova criativa e ludicamente com riqueza intrínseca inabalada[7]. Leopoldina não era mestre de capoeira porque tinha muitos alunos. Também não o era porque dominou as técnicas[8] sofisticadas. Era mestre porque fez capoeira como extensão do seu modelo de viver e ver as coisas, matriz de uma cultura que não busquei quando me matriculei na academia; mas com a qual, a partir das primeiras experiências naquela coletividade, pude me identificar e inebriar. O olhar mágico de capoeirista que estava me tornando levou-me a rever preconceitos e aprender com aqueles que infelizmente não compreenderão estas linhas, mas que insisto em chamar de Mestres e assisti-los com atenção. Mas não por humildade e sim em razão da esperteza malandra que eles mesmos me ensinam. Malandragem “que já não é normal”[9], que já se esvai antes mesmo de contagiar, deixando-nos carentes de certas sutilezas não apenas romanticamente bonitas, mas talvez enormemente relevantes para a chance de nos fazer melhor. E quando perdemos isso declinamos também de uma maneira historicamente capoeirística de sermos felizes. Felizes na simplicidade digna que nos leva a repensar a importância[10] dos mega-batizados, dos grupos colossais ou das aparições na TV. É isso que representa a morte do Mestre Leopoldina: a perda de algo que parece afixado ao tempo passado, estéreo, sem continuidade ou proliferação, mas desesperadamente essencial.
 
MALANDRAGEM[11]
 

Antigamente,
Tudo era diferente,
No Rio a gente era gente,
Que beleza de lugar,
Ali na Lapa ,
Tinha toda a malandragem,
Do Samba e da capoeira,
Vale a pena recordar,
A malandragem,
Não era como hoje em dia,
Havia mais poesia,
No jeito de malandrar,
O bom malandro,
De branco era boa praça,
Cantava e fazia graça,
Era um tipo popular,
Mas respeitado,
Porque bom da capoeira,
Derrubava de rasteira,
Sem nem mesmo se sujar,
E de noitinha,
Embaixo dos lampiões,
Lindas moças ruquiões
Olhavam onde passar,
Lá pelos arcos,
Desenhando de beleza,
O céu que a mãe natureza
Reservou pra esse lugar,
O céu que a mãe natureza
Reservou pra esse lugar,
O céu que a mãe natureza
Reservou pra esse lugar,
O céu que a mãe natureza
Reservou pra esse lugar,
Ê viva meu Deus
Iê viva meu Deus camará
Iê que me ajudou
Iê quem me ajudou camará
Iê viva meu Mestre
Iê viva meu Mestre camará

 

 
 

Esforço-me para acreditar naquilo que, certa ocasião, na Gamboa de Baixo[12], depois de ter “mordido uma cachaçinha”[13] com o M. Bola Sete, disse-me o mesmo amigo Pedro (do e-mail) – que curiosamente é professor, doutor, documentarista, intelectual e sei lá mais o quê: “Sempre haverá uma resistência. Por mais que a aculturação dominadora se apresente com toda a sua força, toda sua sedução, setores continuarão desenvolvendo maneiras e maneiras originais e ricas, de preservar sua identidade, de ser (existir)”. Esforço-me… muito esforço.

Benício Golfinho tem 24 anos, é branquelo, flácido, católico, não conheceu Leopoldina pessoalmente, não tem nenhum compromisso científico, trabalha com roupa social e nunca morou no subúrbio (nem dos ricos nem dos pobres). Mas agradece ao mundo descortinado pela capoeira e capoeiristas por cada segundo que joga nas rodas de rua, por ter aprendido a respeitar o samba como algo musicalmente fantástico, por cada ida ao terreiro (sem exotismo racista no olhar), por andar gingando, por não ver a “nega do balaio grande” como depósito de esperma, por negacear com o cotidiano e por todos os momentos de pura felicidade que desfrutou longe dos seus colegas e perto de seus amigos, malandramente.

 

[1] http://www.capoeirajogoatletico.com/blog/?p=627

[2] Decididamente a coincidência é só no nome, porque ele não parece com o amigo de Raulzito.

[3] Sim, porque a vontade é de dizer “Vão! Corram e procurem, façam documentários, escrevam livros sobre essa gente, ‘o tempo urge’!”

[4] Expressão aproveitada do vídeo “O País da Delicadeza Perdida” (Chico Buarque)

[5] “A capoeira é mandinga, é manha, é malícia (…)” (Pastinha)

[6] Ajamos, portanto.

[7] É evidente que louvar nostalgicamente a representavidade de tal cultura – personificada na figura pública do Mestre – não significa rejeitar os avanços da atualidade. Significa alertar que tais avanços não devem implicar na extinção absoluta daquilo que nos é mais sagrado: nossa tradição. Treinemos nas academias, mas não pensemos que para aprender capoeira só levantar bem as pernas basta.

[8] Aliás, o conceito de “técnica” na capoeira deveria ser mais estudado pelos pesquisadores, porque foi indubitavelmente com esteio nela e em suas mutações que toda a estética capoeirística foi se desenvolvendo, enquanto a capoeiragem fazia suas migrações (da clandestinidade para o Mercado Modelo dos gringos, do cais para a rua, do preto para o branco, da rua para os Balés Folclóricos, da rua para a academia, do Brasil para o mundo, do mundo para o Brasil, do Brasil multicultural para a africanidade resgatada etc).

[9] Trecho da música “Homenagem ao Malandro”, de Chico Buarque: “Eu fui a Lapa e perdi a viagem / que aquela malandragem não existe mais / Agora já não é normal o que dá de malandro regular, profissional / (…) Mas o malandro para valer, não espalha / aposentou a navalha, tem mulher e filho e tralha e tal / Dizem as más línguas que ele até trabalha / Mora lá longe chacoalha, no trem da central”

[10] “Importância” no sentido de imprescindibilidade, não de rejeição com algo em si negativo, mas apenas desnecessário.

[11] Ladainha cantada por M. Peixinho no dicos do Centro Cultural Senzala.

[12] Bairro (ou pequena comunidade) de Salvador-BA.

[13] Expressão por ele cunhada no mesmo dia.

Regional do MinC faz oficina sobre prêmio Capoeria Viva 2007

Na próxima segunda-feira (22), das 13h às 17h, a Regional Nordeste do Ministério da Cultura (MinC) realiza, gratuitamente, no Forte das Cinco Pontas, no Recife, uma oficina de capacitação e estímulo à participação no prêmio Capoeira Viva 2007, edital da Secretaria da Diversidade e Identidade Cultural (SID). O Capoeira Viva visa premiar indivíduos, organizações e instituições sem fins lucrativos cujo foco seja a promoção da capoeira como patrimônio da diversidade cultural brasileira.

O valor total da premiação será de até R$ 1, 2 milhão, a ser distribuído de acordo com os critérios estabelecidos pela comissão de avaliação (edital disponível na página www.cultura.gov.br).

O Secretário-Executivo do MinC, Juca Ferreira, explica que a política atual para o setor busca promover e valorizar a arte sem deixar de priorizar o apoio às atividades dos mestres de capoeira. "Este já é o nosso quarto edital voltado para a área. Todos eles com o mesmo objetivo: fortalecer, patrocinar, fomentar e reconhecer por meio dessa política de apoio, a importância da capoeira", afirma.

VIDEOCONFERÊNCIA
Na próxima terça-feira (30), das 14h às 18h, acontece uma videoconferência de explanação do Prêmio Capoeira Viva 2007 nas salas do Banco do Nordeste (BNB) em todas as capitais no Nordeste e em Brasília. A coordenação local será feita por Mauro Lira, da Regional Nordeste MinC. Outras Informações pelo tel. (81) 3224.5562.

Fonte: http://pe360graus.globo.com/

Edital Capoeira Viva 2007

O Ministério da Cultura e a Fundação Gregório de Mattos, com o patrocínio da Petrobrás, convidam para o lançamento do Edital Capoeira Viva 2007, que será realizado no dia 09 de outubro, às 10:00 h, no Palácio Rio Branco – Sala dos Espelhos, Salvador, Bahia, Brasil.

 

 

 

Cleusmar Fernandes

Assessor Técnico Secretaria Executiva – Ministério da Cultura
Tel.: 55(61) 33162095.

cleusmar.fernandes@minc.gov.br

Lançamento da segunda edição do Prêmio Cultura Viva

“Mobilização do sentimento, da imaginação, da compreensão da nossa relação com o mundo, os outros e a natureza, prazer estético, reconhecimento social e econômico: esses são os benefícios da cultura e da arte a que temos pleno direito. A cultura é viva, porque multiplica os espaços e as chances de cada indivíduo. Oportunidades de voz, de comunicação e de vida. Cultura Viva.”
 
Gilberto Gil, Ministro da Cultura
Prêmio Cultura Viva terá evento de lançamento na capital gaúcha no dia 18 de abril, às 19h, no Santander Cultural
 
O Prêmio Cultura Viva, idealizado pelo Ministério da Cultura (MinC), com patrocínio da Petrobras e coordenação técnica do Cenpec – Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária, terá o evento de lançamento da segunda edição no dia 18 de abril, às 19h, num edifício histórico totalmente restaurado na capital gaúcha. O Santander Cultural, do Santander Banespa,  localizado no centro de Porto Alegre, RS, é parceiro e cenário desse evento, que conta também com o apoio do Canal Futura.
 
 
O que é? 
 
O Prêmio Cultura Viva é uma das ações do “Programa Nacional de Cultura, Educação e Cidadania – Cultura Viva”, que tem como objetivo estimular e dar visibilidade a iniciativas culturais que ocorrem em todo o território brasileiro.
 
A segunda edição do Prêmio Cultura Viva busca mobilizar e dar visibilidade a iniciativas que atuam na articulação entre os campos da  cultura, da educação e da comunidade, por meio de práticas culturais e educativas desenvolvidas na e com a participação da comunidade.
 
Esta nova edição é dirigida a iniciativas que desenvolvam práticas culturais e educativas nas áreas do patrimônio cultural, da comunicação cultural e das artes, que compreende as linguagens artísticas: artes cênicas, audiovisual, artes visuais, artes musicais  e
artes da palavra (literatura, cordel, lendas, mitos, dramaturgia e contação de histórias).
 
Essas iniciativas poderão ser inscritas pelos seguintes públicos:
 
• Escolas Públicas de Ensino Médio
• Fundações e Instituições Empresariais
• Gestores Públicos
• Grupos Informais.
• Organizações da Sociedade Civil sem fins lucrativos
• Pontos de Cultura
 
Os números
 
• 38 dias para inscrever as iniciativas de todo o país. O período de inscrições terá início às 21 horas do dia 18 de abril e se estenderá até às 18 horas do dia 25 de maio de 2007 (horários de Brasília).
 
• 2 são as formas de se inscrever:
 
Inscrição por ficha em papel
 
O Regulamento e a ficha de inscrição estarão disponíveis para retirada nos Pontos de Cultura e nas representações regionais do Ministério da Cultura e deverão seguir as orientações contidas no Regulamento e ser encaminhadas, preferencialmente, por SEDEX com aviso de recebimento, ao endereço:
 
CENPEC – Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária
2ª edição do Prêmio Cultura Viva
Rua Dante Carraro, 68
São Paulo – SP
CEP: 05422-060
 
Inscrição via Internet:
 
A ficha de inscrição e Regulamento também estarão disponíveis no site do Prêmio Cultura Viva – www.premioculturaviva.org.br.
 
Todas as inscrições são gratuitas.
E os prêmios?
 
• As 18 (dezoito) iniciativas premiadas, sendo 3 (três) em cada categoria, receberão um troféu e os seguintes prêmios em dinheiro:
 
1º lugar = R$ 30.000,00
2º lugar = R$ 20.000,00
3º lugar = R$ 10.000,00
 
• As 120 iniciativas melhor avaliadas receberão o “Selo Prêmio Cultura Viva”, representativo de cada etapa do processo seletivo. Um representante de cada uma dessas iniciativas será convidado para participar de atividades realizadas durante o Encontro Nacional de Cultura, Educação e Cidadania/Teia 2007, promovido pelo Ministério da Cultura, com o patrocínio da Petrobras.
 
Integrando ações
Buscando aproximar-se de outras ações do Programa Cultura Viva, do Ministério da Cultura, a segunda edição do Prêmio Cultura Viva incorporou a Ação Escola Viva. As 200 (duzentas) melhores práticas culturais e educativas desenvolvidas pelos Pontos de Cultura, Pontões, Redes de Pontos ou organizações vinculadas às Redes, identificadas pelo processo seletivo da 2ª edição do Prêmio Cultura Viva participarão automaticamente do Prêmio Escola Viva, conforme edital que será publicado no Diário Oficial da União pelo MinC.
 
Qual o significado do Prêmio Cultura Viva?
Na primeira edição do Prêmio Cultura Viva foram 1.532 iniciativas vindas dos quatro cantos do país. Por meio de um processo seletivo dividido em quatro etapas, e que contou com a participação de cerca de 130 avaliadores, foram analisadas iniciativas de grupos informais e de organizações legalmente constituídas que atuam com o envolvimento e a mobilização das comunidades, na transmissão e atualização de práticas culturais tradicionais, promovendo o empoderamento e o protagonismo local.
 
Sobre o Prêmio, o coordenador do Grupo Teatro da Laje, do Rio de Janeiro, Antonio Veríssimo dos Santos Júnior, selecionado na primeira edição, comentou: “este foi nosso primeiro prêmio e foi recebido com grande euforia pelos integrantes, pois significou um passo decisivo para a consolidação do grupo. Conseguimos tirar o grupo da informalidade e hoje somos uma Associação Cultural sem fins lucrativos. Podemos nos inscrever em programas e editais, como o Programa Petrobras Cultural, no qual nos inscrevemos e cujo resultado deverá sair em junho”. 
 
“Significou também um esforço positivo do MinC no sentido de dar visibilidade à produção cultural que padece nas sombras e no anonimato”, avalia o coordenador do Grupo Teatro da Laje.
 
O Fumproarte (Fundo Municipal de Apoio à Produção Artística e Cultural), um dos mecanismos mais antigos de financiamento público às artes em atividade no Brasil, criado por lei em 1993, nesse ano destinará aos artistas gaúchos uma verba recorde de R$ 2,218 milhões. A iniciativa do Fundo Municipal de Cultura ficou entre as 5 finalistas na primeira edição do Prêmio Cultura Viva. Segundo o gerente do Fumproarte Álvaro Santi: “o prêmio foi muito importante como reconhecimento do trabalho desenvolvido pela Prefeitura de Porto Alegre, que por incrível que pareça não é plenamente conhecido mesmo em Porto Alegre. Foi importante também para uma maior valorização interna. Basta citar que o orçamento do fundo foi aumentado em 70% pelo Município para este ano”.
 
Dúvidas podem ser esclarecidas pela Central de Atendimento ao Público do Prêmio Cultura Viva que funciona de 2ª a 6ª feira, das 9 às 18 horas (horário de Brasília) pelo número 0800-707-9209. Consulte também o site www.premioculturaviva.org.br ou envie e-mail para premioculturaviva@cenpec.org.br
 
Serviço:
Lançamento da segunda edição do Prêmio Cultura Viva
Dia 18 de abril, quarta-feira, às 19h – para convidados
Santander Cultural
Rua Siqueira Campos, 1.125
Centro – Porto Alegre – RS
 
Nessa ocasião será lançada a publicação referente à 1ª edição do Prêmio Cultura Viva e a Ação Escola Viva.
 
Maiores informações para Imprensa
 

Cultura em Ação – Assessoria de Imprensa
Jornalista responsável: Thereza Dantas
fone: 11- 3039-3060 – celular: 11-8317-6850 
thereza@revistaraiz.com.br