Blog

vivo

Vendo Artigos etiquetados em: vivo

Jornalista lança livros de capoeira no Museu Capixaba

Uma das obras instrumentaliza a capoeira na luta contra as drogas. Outra obra conta em 4 idiomas a história da capoeira no Brasil

O jornalista e mestre em Educação Mano Lima lança no dia 22 de janeiro, a partir das dezoito horas, no Museu Capixaba, o livro SEJA UM CRAQUE SEM PEDRA (a capoeira que dá rasteira nas drogas).

O evento é uma promoção da Federação de Capoeira do Espírito Santo, com o apoio da prefeitura municipal de Vitória.

Mano Lima é historiador e autor de outros livros, como o DICIONÁRIO DE CAPOEIRA, A GINGA DOS MAIS VIVIDOS (capoeira na terceira idade) e e “EU, VOCÊ E A CAPOEIRA”, que conta a historia da escravidao no Brasil e da capoeira, e foi editado em português, inglês, francês e espanhol.

Os livros do escritor já foram lançados em três continentes (Europa, Asisa e América) e em paises como Espanha, Holanda, Alemanha, Belgica, França, Portugal, Paraguai e Cabo Verde.

Além de escritor, o autor é diretor de jornalismo da TV Portal Capoeira e colaborador no mesmo site.

 

Serviço: O escritor está à disposição de outros grupos de capoeira para dar palestras e fazer o lançamento do seu livro. Para receber o livro, via correio, ou convidar o escritor para eventos de capoeira, no Brasil, ou exterior, os interessados podem fazer contato direto com o mesmo, nos telefones (61) 8101 0915 e (61) 9190 4256, ou no e-mail [email protected].

Aguardo seu contato.
MANO LIMA    Jornalista(61) 9190 4256      OI (61) 8101 0915      TIM(27)30192707

fecaes
(27)99825 0727 VIVO CABRAL
(27)98147 6343  VIVO  CABRAL
(27)99234 3490  secretaria da fecaes

1ª Semana de Integração Cultural Internacional de Capoeira

Grupo Abadá Capoeira e Fundação de Cultura contam a história do esporte

Até domingo, o grupo Abadá Capoeira seguem com a as atividades da 1ª Semana de Integração Cultural Internacional de Capoeira. O evento é em parceria com a Fundação de Cultura e acontece sempre na gare da Estação das Artes, que abriga diversas atividades culturais promovidas pelo grupo, entre elas aulas de rítmo e rodas de capoeiras com alunos de outras cidades da região e com integrantes da terceira idade.

A Estação das Artes também mantém aberta a visitação a exposição ‘E o negro chegou…’, que pode ser visitada até o dia 25 de agosto, de segunda à sexta-feira, das 10 às 18 horas. Aos sábados de 9 às 15 horas.

Durante toda a semana serão contadas histórias de capoeiristas, projeto denominado ‘Livro Vivo’. “Muita gente entrou na capoeira para se livrar das drogas e do mau caminho. Temos histórias lindas de vida e o grupo Abadá leva a cultura brasileira para vários lugares do mundo. Temos projetos em 56 países”, contou Luíz Carlos Rocha, o professor Pretinho, um dos responsáveis pelo grupo Abadá Capoeira.

Segundo o prefeito Jonas Marins, a capoeira não é apenas diversão e começa a ser mais valorizada no município. “Estamos dando apoio a esse evento, mas queremos fazer muito mais. Já estamos montando um projeto, em parceria com o grupo Abadá, com o objetivo de fazer de Barra Mansa a Cidade da Capoeira e montar um centro cultural, com um ‘capoeiródromo’”, anunciou Jonas, que já jogou capoeira na adolescência.

PROGRAMAÇÃO

Hoje

8 horas – Aulão da melhor idade

9h30min – Treinamento de jogos

14 horas – Apresentação do Livro Vivo

15 horas – Palestra ‘Desenvolvimento da Capoeira no mundo’ com professor Pretinho

15h30min – Apresentação de Taekwondo – Professor José Luiz

16 horas – Roda de capoeira dos Super Heróis

17 horas – Sorteio de brindes

18 horas – Apresentação de cinema

Amanhã

8 horas – Roda de capoeira caipira

9h30min  às 11 horas – Exposição de capoeira

14 horas – Roda de capoeira

16 horas – Sorteio de brindes

18 horas – Sopão da capoeira

Sábado

8 horas – Espetáculo teatral ‘No tempo da escravidão’ – ao lado da biblioteca municipal

Domingo

10 horas – Aulão de capoeira – Parque Centenário (Parque das Preguiças)

 

http://www.avozdacidade.com

Fundação Palmares transmite ao vivo Ciclo de Palestras Cultura Afro-brasileira

A Fundação Cultural Palmares realiza nesta quinta-feira (17), a segunda etapa do Ciclo de Palestras Cultura Afro-brasileira: nosso patrimônio. A atividade promovida pelo Centro Nacional de Informação e Referência da Cultura Afro-brasileira faz parte do Ano Internacional dos Povos Afrodescendentes e do Dia Nacional da Consciência Negra.

A palestra está sendo transmida ao vivo neste momento pelo Ministério da Cultura. Confira no endereço http://portal.mec.gov.br/transmissao/?secao=ciclodepalestras.

Aberto ao público, a iniciativa tem por objetivo promover a discussão de temas ligados às comunidades quilombolas, ao valor histórico das religiões de matriz africana, à gastronomia afro-brasileira, à valorização da capoeira, ao Estatuto da Igualdade Racial, à Lei nº 10.639/03, às ações afirmativas e ao negro nos meios de comunicação. As próximas cidades a receber o ciclo de palestras serão: Salvador, Brasília e Belém.

 

Confira a programação:

Palestra: Conheça mais… O que é capoeira?

Palestrantes: Mestres Camisa (José Tadeu Carneiro Cardoso) e Luiz Renato Vieira

Palestra: Conheça mais… Gastronomia afro-brasileira

Palestrante: Ana Ribeiro – Chefe Executiva em Gastronomia

Horário: 14h às 18h

Local: Auditório da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro – Av. Graça Aranha, nº 1, 13º andar – Centro – Rio de Janeiro/RJ

 

Palmares promove o Seminário Quilombo Vivo

Para discutir a promoção e proteção da cultura quilombola será realizado nos dias 14 e 15 de setembro o Seminário Quilombo Vivo: Promover e proteger o patrimônio cultural quilombola. Para participar, será necessário inscrever-se pelo site da Palmares, preenchendo este formulário. As vagas são limitadas a 150 participantes.

Direcionado a lideranças quilombolas, especialistas em políticas culturais e gestores públicos da área da cultura, o Seminário tem o objetivo de debater estratégias de ação para garantir o reconhecimento, a preservação e a promoção do patrimônio cultural das mais de 1.700 comunidades remanescentes de quilombos certificadas.

Com base nos artigos 215 e 216 da Constituição Federal de 1988, o Seminário pretende discutir maneiras de realizar as propostas do Estatuto da Igualdade Racial e do Plano Nacional de Cultura. O evento é resultado de uma parceria entre a Fundação e a Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados.

Entre os temas debatidos estão: as criações artísticas, os bens culturais e o registro da memória das comunidades quilombolas; o desenvolvimento da economia da cultura nessas comunidades; a participação e o controle social dessa população na formulação e implementação de políticas culturais; o financiamento, a descentralização e a implementação de políticas públicas culturais para as comunidades quilombolas.

Serviço

O quê: Seminário Quilombo Vivo – Promover e proteger o patrimônio cultural quilombola
Onde: Auditório Freitas Nobre – Anexo IV Subsolo – Câmara dos Deputados – Brasília
Quando: 14 e 15 de setembro
Inscrições: clique aqui

 

Programação

Dia 14/09/2011

9h – 12h
Painel 1: Reconhecimento, valorização, promoção e proteção do patrimônio cultural quilombola.
Painelistas:
Ana de Hollanda – Ministra da Cultura
Eloi Ferreira – Presidente da Fundação Cultural Palmares/MinC
Luiz Fernando de Almeida – Presidente do Iphan/MinC
Cynthia Martins – Professora da Universidade Federal do Estado do Maranhão

14h – 17h
Painel 2: A proteção e promoção das criações artísticas, dos bens culturais e dos registros da memória das comunidades quilombolas.
Painelistas:
Sérgio Mamberti – Secretário de Políticas Culturais/MinC
Ilka Boaventura Leite – Doutora em Antropologia, Professora da Universidade Federal de Santa Catarina e Coordenadora do Núcleo de Estudos sobre Identidades em Relações Interétnicas

Dia 15/09/2011

9h – 12h
Painel 3: O desenvolvimento da economia da cultura em comunidades quilombolas.
Painelistas:
Cláudia Leitão – Secretária da Economia Criativa/MinC
Henilton Parente de Menezes – Secretário de Fomento e Incentivo à Cultura/MinC
Mário Theodoro – Secretário Executivo da SEPPIR/PR

14h – 17h
Painel 4: O financiamento, a descentralização e a implementação de políticas públicas culturais para as comunidades quilombolas com participação e controle social.
Painelistas:
Bernardo Machado – Diretor de Programas Integrados da Secretaria de Articulação
Institucional / MinC
Albino Rubim – Secretário de Cultura do Estado da Bahia
Aniceto Catanhede Filho – Doutor em Antropologia e Professor da Universidade Federal do Maranhão

Bahia: Galo encaminha projeto que beneficia mestres de capoeira

O deputado estadual pelo partido dos trabalhadores (PT) Marcelino Galo, reuniu-se na tarde da quarta-feira (18) com membros da comunidade da capoeira baiana para apresentar o Projeto de Lei (PL) que estabelece auxílio previdenciário para os mestres da cultura popular – guardiões do patrimônio imaterial. No mês de abril, representantes de grupos, associações e federação de Capoeira da Bahia estiveram no gabinete para discutir as demandas do setor e agendou outro encontro para aprofundar o assunto.

 

A entrega oficial do PL está prevista para acontecer no dia 8 de junho, na Assembleia Legislativa, e contará com a presença dos membros da comunidade da capoeira da Bahia. Para isso, será lançada uma campanha que debaterá o conteúdo da lei, envolvendo a comunidade e que ajudará na celeridade da aprovação do projeto.

 

“A capoeira é uma das maiores representações da cultura baiana no mundo. Esses mestres, que dedicaram a maior parte de suas vidas ao ensino desses saberes, utilizam a arte como principal meio de vida. A falta de reconhecimento como profissional inviabiliza o acesso a políticas públicas e benefícios sociais”, avalia o deputado Marcelino Galo.

 

De acordo com o secretário da Associação Brasileira de Capoeira Angola (ABCA), Paulo Magalhães, o objetivo da Lei do Registro do Patrimônio Vivo é “reconhecer o trabalho dos mestres antigos e valorizar os saberes, preservando os aspectos da cultura tradicional ou popular de uma comunidade”.

 

Capoeiristas pedem debate sobre Lei do Registro do Patrimônio Vivo

 

Representantes de grupos, associações e federação de Capoeira da Bahia estiveram na manhã desta quarta-feira (13) no gabinete do deputado estadual Marcelino Galo. Além de entregarem ao mandato as resoluções do I Seminário Baiano de Proposição de Políticas Públicas para a Capoeira, discutiram a criação de um Projeto de Lei (PL) que estabelece pensões vitalícias para os mestres da cultura popular, guardiões do patrimônio imaterial.

 

Os membros foram recebidos pela chefe de gabinete, Ana Torquato, que ouviu as demandas e se comprometeu a encaminhar para o deputado todos os assuntos debatidos, confirmando uma próxima reunião para o dia 2 de maio.
Segundo o secretário da Associação Brasileira de Capoeira Angola (ABCA), Paulo Magalhães, no nordeste já existem cinco estados que estabeleceram a Lei do Registro do Patrimônio Vivo: Pernambuco, Rio Grande do Norte, Piauí, Alagoas e Ceará. “Esperamos que a Bahia avance na valorização da capoeira e que o Estado apoie devidamente os mestres antigos, que são guardiões da nossa cultura, dedicaram toda a sua vida à transmissão de seus saberes, mas têm sérias dificuldades de sobrevivência no dia a dia”, salientou.

 

Fonte: http://www.bahiatodahora.com.br

Samba Vivo Botequim homenageia Adoniran Barbosa

Estréia dia 08/12, a opção de começar a noite em alto estilo, em Itapuã, no Espaço Verde, sempre na 2ª quarta feira do mês, a partir das 19h.

O grupo Botequim retorna com o Samba Vivo, prestando uma homenagem aos grandes sambistas do Brasil, tendo como homenageado nessa noite de estréia o saudoso Adoniram Barbosa, em homenagem ao centenário de seu nascimento.

A partir de uma extensa pesquisa sobre a obra dos principais compositores de samba brasileiros, o Grupo Botequim, propõe o show “Samba Vivo” que prevê a realização de um espetáculo musical a cada mês, homenageando um grande sambista brasileiro, através da interpretação de suas músicas e também traçando um perfil do homenageado, contando histórias e fatos sobre sua vida e sua carreira.

Essa idéia nasceu no ano de 2005, idealizado por um dos integrantes do Grupo Botequim – o sambista e compositor Pedrão – e foi apresentado durante dois anos em alguns bares da cidade, onde os shows revisitaram a obra de sambistas como Cartola, Nelson Cavaquinho, Paulinho da Viola, Noel Rosa, Adoniram Barbosa, Batatinha, Chico Buarque, Candeia, Geraldo Filme, Ataulpho Alves entre muitos outros

O Grupo Botequim é formado por músicos experientes no universo do samba e tem se destacado na cena cultural da cidade de Salvador, por promover um movimento de rodas de samba que tem tido a participação de um público jovem e crescente, interessado em conhecer um pouco mais sobre os grandes clássicos do nosso samba. Recentemente o Grupo Botequim apresentou alguns shows, vencedores de editais públicos da FUNCEB, homenageando grandes sambistas, como o “Tributo à Batatinha”, na Sala do Coro do Teatro Castro Alves e na Praça Tereza Batista, e “Cartola no Botequim” no Teatro XVIII no Pelourinho. No Largo do Santo Antonio Além do Carmo, na última sexta feira do mês, tem Botequim, no Forte do Santo Antonio, com um público considerável de mais de 1500 pessoas.

Apareçam e comecem a noite com a festa viva do samba!!!

Portugal. Gravação Ao Vivo do Novo CD de Mestre Alexandre Batata

Um dos grandes cantadores da capoeira, mestre Alexandre Batata, está com tudo preparado para a gravação de seu novo CD. A novidade neste projeto é forma inteligente e interativa que o capoeirista concebeu para viabilizar a produção e a gravação ao vivo de seu CD que será realizado em Matosinhos, Portugal, com participação efetiva da plateia. Cada espectador irá pagar 10,00€ para assistir e participar da gravação e terá direito a uma cópia do CD que será enviada diretamente para a sua residência ou retirada em pontos a serem definidos pela organização. Vale a pena conferir e até investir nesta ótima idéia!!!

Luciano Milani

Gravação Ao Vivo do Novo CD de Mestre Alexandre Batata

Caro Luciano Milani

Depois de muito adiar chegou a hora de botar de novo a boca no mundo.

“A saudades no coração do capoeira é igual a uma rasteira, ou não.” (Mestre Tony Vargas e Caetano Veloso)

Pode não ser uma rasteira e sim fonte de inspiração, nestes nove anos longe do Brasil só me restou cantar para não morrer de banzo, e nestas cantorias nasceram algumas cantigas para roda de capoeira que muitos já conhecem e que agora vou editar.

É muito difícil, quando se tem auto-crítica, lançar um produto no mercado. Acho que todo mundo tem direito a lançar um cd, mas como  sou super crítico o medo me impediu até agora. Com a cara e a coragem vou fazer um trabalho de improviso  cantando músicas inéditas  e outras que plagiaram, assim como temas tradicionais e perpétuos no universo musical capoeirístico e fazer com que, quem esteja na gravação, no mínimo, saia de lá feliz.

Não vou tocar na Bateria, vai ser composta por amigos meus.

Escolhi fazer no Porto na academia de Mestre Chapão, o qual eu considero um grande cantador. E que, para meu orgulho, aprendeu a cantar ouvindo o Raízes D`ÁFRICA.

A ideia deste trabalho é sentir o coração bater a mil com a presença da galera num coro espontâneo e cheio de axé.

Serão três horas de gravação que depois serão mixadas em estúdio.

As pessoas que forem à gravação pagarão 10€. Preencherão uma ficha de cadastro e quando tiver o produto final, receberão o cd via seus Mestre, em casa ou nas festas de lançamento.

Espero que os capoeiras dividam comigo este momento.

Milani você é o reporter – acho que com isto você ponha uma azeitona na minha empada

Local: Disco e Restaurante Mantra

Av. Vila Garcia de Arosa,nº: 970 – Fonte Luminada, Matosinhos, Porto, Portugal.

Sábado, 24 de Abril de 2010

Começo da gravação: 20h

Chegar pelo menos 30 minutos antes

 

Parte de Uma das novas composições do Artista:

Eu e as lendas – Alexandre Batata

Na companhia, na beira do cais,
Eu ainda era rapaz, tremenda vadiação,
Berimbau dobrava
E eu me arrastava no chão,

Das pernadas de Ciriaco, – coro
Eu me arrastava no chão –  coro

E de tardinha, na praia avermelhada,
Pelo sol que ia embora
Atrás da lua amada,
Eu e Manduca, na areia era jogada

A mais linda capoeira,          – coro
E eu não pensava em nada   – coro

LAPINHA – Museu Vivo no mês da Abolição – Encontro de Cultura de Raiz

7º ENCONTRO DE CULTURA DE RAIZ

Entre os dias 28 e 30 de maio acontecerá a sétima edição do Encontro de Cultura de Raiz “LAPINHA – Museu  Vivo no mês da Abolição”, no município de Lagoa Santa, região metropolitana de BH. Nestes três dias o Teatro de Arena da Praça Dr. Lund, o Areão, a Igreja Nossa Senhora do Rosário e a Gruta da Lapinha serão cenário valorização e divulgação da Capoeira Angola e das manifestações culturais populares de raiz, como o congado, o candombe, a dança-afro e o boi da manta. O “LAPINHA Museu  Vivo no mês da Abolição” é o único evento do gênero no Estado, envolvendo mais de 300 agentes culturais da região metropolitana, com um público de mais de 1,5 mil pessoas por edição. Ele foi criado para promover para a população local o acesso à uma programação diversificada de cultura de raiz. Assim, durante os três dias do encontro, crianças e jovens de escolas públicas, e a população em geral, terão aulas gratuitas de capoeira angola, teatro, percussão, dança afro e educação ambiental. Anualmente o evento vem provando a importância da valorização da cultura popular e regional como um grande instrumento para a formação de cidadãos socialmente comprometidos. O encontro foi idealizado e realizado pela primeira vez em 2004 e é uma realização da Associação Cultural Eu Sou Angoleiro (Acesa), com a coordenação geral do Mestre João Angoleiro. A produção do evento fica por conta da frente de trabalho da Acesa “Irmandade Atores da Pândega”, de Lagoa Santa, coordenada pelo treinel Gercino Alves.

MANIFESTAÇÕES CULTURAIS – PROGRAMAÇÃO

Com uma programação eclética com shows de reggae, rap, samba e exibição de vídeos, o “Lapinha Museu Vivo” tem um público médio de mais de duas mil pessoas por edição. Um dos destaques do evento é a valorização da tradição oral e das trocas de saberes entre os mestres populares locais e mestres convidados de outros estados. No ano passado convidamos Mestre Moraes (Grupo Capoeira Angola Pelourinho- Gcap – Salvador/BA – responsável pela difusão da capoeira angola no Brasil a partir da década de 70), Mestre Manoel (Grupo Ypiranga de Pastinha – Conglomerado da Maré- Rio de Janeiro/RJ) e Mestre Gil Velho (Grupo Senzala- RJ). Também estiveram presentes os mestres mineiros Mestre Dunga e Márcio Alexandre (precursores da capoeira em Minas Gerais) além dos Mestres do Mamg (Movimento Angoleiro de Minas Gerais), do Candombe de Dona Mercês (Comunidade do Açude – Serra do Cipó) e da Mata do Tição (Jaboticatubas), os Reinados de Congo de Nossa Senhora do Rosário (da Lapinha) e o divertido e tradicional Boi da Manta, que mexeu com toda a criançada.

Uma semana antes do Evento (18 a 22 de maio) os capoeiristas, pesquisadores e educadores da Acesa estarão realizando nas escolas públicas de Lagoa Santa diversas oficinas atendendo 1.500 alunos, essas atividades serão acompanhadas também com uma oficina voltada para   professores, supervisores e diretores das escolas discutindo a importância das manifestações culturais na Construção da Identidade do povo brasileiro, atendendo também a Lei 11.645/07 ensino da história africana e afro-brasileira e indígena nas escolas. Outro destaque está para Mostra FórumDoc.MG: 3ª mostra itinerante do filme documentário e etnográfico, traz os mais expressivos filmes produzidos sobre a temática indígena e negra.

O Lapinha museu vivo no mes da abolição – 7º Encontro de Cultura de Raiz, em breve estará divulgando pelo site www.eusouangoleiro.org.br a programação completa para esse ano de 2010.

Axé Baba

 

Paulo A. Magalhães Fº

Jornalista, mestrando em Ciências Sociais
http://lattes.cnpq.br/9776286470259455

CECA Florianópolis – Ancestralidade na Roda

Convidamos todos vocês para o evento que estamos realizando em Florianópolis, com o tema Ancestralidade na Roda, sejam bem vindos.

Academia João Pequeno de Pastinha – Centro Esportivo de Capoeira Angola – Florianópolis na direção do Mestre Faísca promoverá Oficina de Capoeira Angola, com a temática “Ancestralidade na Roda”. A Oficina faz parte de uma série de vivências proporcionada pela passagem do Mestre Faísca na ilha de Florianópolis.  Nos dias 13 e 14 estará ocorrendo atividades abertas a comunidade, na qual no dia 13 haverá exibição de um Vídeo Documentário sobre a vida do Mestre Pastinha e sua importância para História da Capoeira; e no dia 14 a Oficina de Capoeira Angola. Após as atividades teremos oportunidade de dialogar e refletir junto às orientações do Mestre.

Diante de nossa cultura Ocidental em que se estimula exageradamente o imediatismo, e muitas vezes desprezam importantes referenciais históricos, que o contato com os mestres desta arte se faz indispensável e fundamental para a construção do conhecimento que tem como base de transferência a Oralidade. É no empenho de possibilitar essas vivências que focamos a questão histórica e Ancestral da Capoeira angola, e mais especificamente do Centro Esportivo de Capoeira Angola, no sentido da construção e fortalecimento dos valores e princípios preservados pelo mestre Pastinha, e mantidos vivos pelo Mestre João Pequeno

Os valores e princípios da capoeira angola fazem dela um instrumento poderoso de desenvolvimento pessoal e social. Sua prática ajuda a estimular a concentração, equilíbrio físico e mental, além de promover integração social. Neste universo cultural todos devem ser incluídos, pois sua ritualística acontece a partir da integração de um coletivo, e deve prevalecer uma dinâmica que possibilite uma interação comunitária para além das relações individualistas tão presentes na nossa sociedade moderna.

A Academia João Pequeno de Pastinha – Centro Esportivo de Capoeira Angola – Florianópolis existe desde meados de 2004, e tem o desafio de dar continuidade a semente do Mestre Pastinha e contribuir para mantê-lo vivo na roda da Capoeira Angola, dado a sua importância e riqueza para a história e cultura de nosso país. Vicente Ferreira Pastinha morreu no ano de 1981, e durante décadas dedicou-se ao ensino da Capoeira. Mesmo completamente cego, não deixava seus discípulos. Ele continua vivo nos capoeiras, nas rodas, nas cantigas, no jogo. Ele morre em corpo, mas vive em espírito, e deixa um legado que é referência para nós deste Centro. E como nesta cultura devemos respeitar e valorizar os mais experientes, celebramos o Dr. Mestre João Pequeno como referência maior da ancestralidade desta arte, já que há 28 anos ele vem tomando conta e supervisionando os fundamentos da Capoeira Angola, que foi confiado pelo Mestre Pastinha.

Mestre Faísca - Ancestralidade na Roda - Florianópolis“João, você toma conta disto, porque eu vou morrer mas morro somente o corpo, e em espírito eu vivo, enquanto houver Capoeira o meu nome não desaparecerá”. Mestre Pastinha

Vibrações Positivas,

Mestre Faísca

A.J.P.P. – C.E.C.A. – Rio Vermelho

www.ceca-riovermelho.org.br

tel: (71) 8813-9060

Lapinha Museu Vivo no Mês da Abolição: 6º Encontro de Cultura de Raiz

Entre os dias 22 e 24 de maio acontecerá a sexta edição do Encontro de Cultura de Raiz “LAPINHA – Museu  Vivo no mês da Abolição”, no município de Lagoa Santa, região metropolitana de BH. Nestes três dias o Teatro de Arena da Praça Dr. Lund, o Areão, a Igreja Nossa Senhora do Rosário e a Gruta da Lapinha serão cenário valorização e divulgação da Capoeira Angola e das manifestações culturais populares de raiz, como o congado, o candombe, a dança-afro e o boi da manta.

 

O “LAPINHA Museu  Vivo no mês da Abolição” é o único evento do gênero no Estado, envolvendo mais de 300 agentes culturais da região metropolitana, com um público de mais de 1,5 mil pessoas por edição. Ele foi criado para promover para a população local o acesso à uma programação diversificada de cultura de raiz. Assim, durante os três dias do encontro, crianças e jovens de escolas públicas, e a população em geral, terão aulas gratuitas de capoeira angola, teatro, percussão, dança afro e educação ambiental.  

 

Anualmente o evento vem provando a importância da valorização da cultura popular e regional como um grande instrumento para a formação de cidadãos socialmente comprometidos. O encontro foi idealizado e realizado pela primeira vez em 2004 e é uma realização da Associação Cultural Eu Sou Angoleiro (Acesa), com a coordenação geral do Mestre João Angoleiro. A produção do evento fica por conta da frente de trabalho da Acesa “Irmandade Atores da Pândega”, de Lagoa Santa, coordenada pelo treinel Gersino Alves.

 

MANIFESTAÇÕES CULTURAIS – PROGRAMAÇÃO

Com uma programação eclética com shows de reggae, rap, samba e exibição de vídeos, o “Lapinha Museu Vivo” tem um público médio de mais de duas mil pessoas por edição. Um dos destaques do evento é a valorização da tradição oral e das trocas de saberes entre os mestres populares locais e mestres convidados de outros estados. Neste ano convidamos Mestre Moraes (Grupo Capoeira Angola Pelourinho- Gcap – Salvador/BA – responsável pela difusão da capoeira angola no Brasil a partir da década de 70), Mestre Manoel (Grupo Ypiranga de Pastinha – Conglomerado da Maré- Rio de Janeiro/RJ) e Mestre Gil Velho (Grupo Senzala- RJ). Também está confirmada a presença dos mestres mineiros Mestre Dunga e Márcio Alexandre (precursores da capoeira em Minas Gerais) além dos Mestres do Mamg (Movimento Angoleiro de Minas Gerais), do Candombe de Dona Mercês (Comunidade do Açude – Serra do Cipó) e da Mata do Tição (Jaboticatubas), os Reinados de Congo de Nossa Senhora do Rosário (da Lapinha) e o divertido e tradicional Boi da Manta, que mexe com toda a criançada.

Uma semana antes do Evento (18 a 22 de maio) os capoeiristas, pesquisadores e educadores da Acesa estarão realizando nas escolas públicas de Lagoa Santa diversas oficinas atendendo 1.500 alunos, essas atividades serão acompanhadas também com uma oficina voltada para   professores, supervisores e diretores das escolas discutindo a importância das manifestações culturais na Construção da Identidade do povo brasileiro, atendendo também a Lei 11.645/07 ensino da história africana e afro-brasileira e indígena nas escolas.

 

Outro destaque está para Mostra FórumDoc.MG: 2ª mostra itinerante do filme documentário e etnográfico. Neste ano a Mostra traz os mais expressivos filmes produzidos sobre a temática indígena e negra, como “O casamento de Gina” (de Martin Marden, Nova Guiné) e “Os Mestres Loucos” (de Jean Rouch, França) e faz também a pré-estréia do documentário “Paz no Mundo Camará a Capoeira Angola e a volta que o mundo dá- Minas Gerais” (de Carem Abreu, produzido pela ATOS Central de Imagens em parceria com a Associação Cultural Eu Sou Angoleiro).

 

 

SERVIÇO:

 

Evento: “Lapinha Museu Vivo no Mês da Abolição: 6º Encontro de Cultura de Raiz”

Data: 22 a 24 de maio em Lagoa Santa

Local: Praça Central de Lagoa Santa (Dr. Lund), Areão, Gruta da Lapinha e Igreja Nossa Senhora do Rosário/Lapinha.

Realização: Associação Cultural Eu Sou Angoleiro (Acesa)

Inscrição: Sede da Acesa em BH – Rua da Bahia, 570 – 12º andar – Belo Horizonte/MG ou Site www.eusouangoleiro.org.br

 

  

Valor: R$ 35,00 (TRINTA CINCO REAIS) OU R$ 50,00 (CINQUENTA REAIS) (3 DIAS COM ALIMENTAÇÃO, OFICINAS, CAMPING, SHOWS + CAMISA).

 

Sede da Acesa em Lagoa Santa: Rua Melo Viana,420 B. Várzea – Lagoa Santa.

Informações: (31) 4063-9822 (FIXO) / (31)  88136692 (Gersino Alves), (31) 99982756 (Rosângela Silva) (31) e  93271557   (Matheus)

 

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO – Júnia Bertolino (0011097/MG) – (31) 99176762, Carem Abreu (31) 9297-1582/ 9751-6869 ,Luiz Gabriel Lopes (9791 4493),Daniel Iglesias e Liliane Martins (31) 8884-7476 

 

LINKS PARA O EVENTO:

 

PROGRAMAÇÃO

 

DE 18 A 21 DE MAIO

“LAPINHA NA ESCOLA” – PRÉ LAPINHA MUSEU VIVO NO MÊS DA ABOLIÇÃO

Local: Escola Municipal Prof. Mello Teixeira, UNIPAC/Escola Doutor Lund, Escola Municipal Herculano Liberato e Gruta da Lapinha

Horários: variados – conferir programação da Mostra FórumDoc, anexa.

Eventos: oficinas de capoeira angola, dança afro, percussão, Meio Ambiente e mostra de vídeos nas escolas e na Gruta da Lapinha.

 

MOSTRA FORUMDOC.MG

 

18 de maio – segunda-feira

19hs – Duas aldeias, uma caminhada

Escola Municipal Prof. Mello Teixeira – Bairro Santos Dummond

 

19 de maio – terça-feira

19h – O casamento de Gina

UNIPAC/Escola Doutor Lund  – Bairro Centro

 

20 de maio – quarta-feira

19h – Casca do chão

Escola Municipal Herculano Liberato  – Bairro Aeronautas

 

21 de maio – quinta-feira

10h – Vai ou racha, 20 anos de luta + Vamos à luta

Escola Estadual Cecília Dolabella Portela Azeredo  irro Várzea

 

 

 

DE 22 A 24 DE MAIO

LAPINHA MUSEU VIVO NO MÊS DA ABOLIÇÃO: 6º ENCONTRO DE CULTURA DE RAIZ

 

SEXTA-FEIRA – 22/05

ABERTURA

16h – Concentração na Praça Dr. Lund – Roda de Capoeira Angola

Centro – Lagoa Santa

 

18h – Cortejo

Saída: Praça Dr. Lund, sentido bairro Várzea.

Av. Getúlio Vargas, entre Rua Aquileu de Oliveira e Rua Tíbério Batista – Areão.

Participação de diversos grupos culturais, entidades e movimentos sociais.

 

19h – Mostra FórumDoc e shows

Exibição Crioulo doido -Areão – Bairro Várzea

 

SÁBADO – 23/05

9h – Oficinas e roda de conversa

Gruta da Lapinha – Lagoa Santa

 

18h – Shows

OCA – Tenda Armada

Rua do Rosário – 425

Próximo à Igreja de Nossa Senhora do Rosário – Lapinha – Lagoa Santa

 

19h – Mostra FórumDoc

Pré-estréia do filme

“Paz no Mundo Camará: a capoeira angola e a volta que o mundo dá – Minas Gerais”

 

Mestres Loucos

 

DOMINGO – 24/05

9h – Recepção das Guardas de Congo e Moçambique e dos Grupos de Candombe

Oficina com Mestre Moraes – Salvador/BA
Roda de conversa – Roda de Capoeira Angola

Igreja de Nossa Senhora do Rosário

Rua do Rosário – Lapinha – Lagoa Santa

Encerramento

 

QUEM SOMOS: A Acesa realiza em Belo Horizonte desde 1993 trabalhos de formação nas áreas de capoeira angola, dança afro, percussão e teatro com atividades nas 15 frentes de trabalho (Centro, Vila Acaba Mundo, Morro do Cascalho, Santa Tereza, Barro Preto, Pampulha, Santa Luzia, Jardim Canadá, Contagem, Betim, Ibirité, Lagoa Santa, Nova Lima, Codisburgo, Ribeirão das Neves e Coronel Fabriciano), atendendo mais de 300 alunos.

 

O QUE ACONTECE NO LAPINHA MUSEU VIVO : O encontro visa a valorização do patrimônio imaterial brasileiro através do intercâmbio cultural promovido entre grandes mestres da tradição oral. Assim, o evento tem trazido para Minas grandes mestres da Capoeira Angola, como os baianos e alunos diretos de Mestre Pastinha, Gildo Alfinete e Boca Rica (representantes da Associação Brasileira de Capoeira Angola) e João Pequeno (Academia João Pequeno de Pastinha, guardião da Capoeira Angola neste século). Esse intercâmbio promove a troca de experiências e saberes com outros mestres da Capoeira Angola e de outras manifestações culturais do Estado, como Dona Mercês do Candombe e Dona Isabel, Rainha Conga de Minas Gerais, do Reinado de Nossa Senhora do Rosário.  

 

MOSTRA FÓRUMDOC.MG

 

: A proposta do Forumdoc.mg – mostra itinerante do filme documentário e etnográfico – surgiu não apenas de uma vontade, mas da urgência em ampliar e democratizar o acesso à cultura em Minas Gerais. Há alguns anos a equipe do forumdoc.bh

 

e a equipe do Encontro de Cultura de Raiz firmam parceria, com exibições de filmes que aprofundam e diversi­ficam os pontos de debate sobre os modos da “cultura”. A parceria este ano está mais planejada, contudo sem perder aquilo que a gerou:  a possibilidade de pensar uma atuação cultural alheia à lógica utilitária e mercantil. A mostra não está limitada à exibição dos filmes, ela é permeada por  debates que serve como estímulo à reflexão.