Projeto transforma geladeiras velhas em bibliotecas
22 Jun 2015

Projeto transforma geladeiras velhas em bibliotecas

Movimento Periferia&Cidadania busca incentivar leitura em comunidades carentes do Grande Recife de forma simples O que faz uma geladeira colorida em uma

22 Jun 2015

Movimento Periferia&Cidadania busca incentivar leitura em comunidades carentes do Grande Recife de forma simples

O que faz uma geladeira colorida em uma academia de capoeira, em Jardim Brasil II, em Olinda? O eletrodoméstico, grafitado pelos próprios alunos, crianças com idade entre 6 e 13 anos, desperta a curiosidade de quem entra no Centro Cultural Dinda. “Eu digo que tem água. O que mais poderia ter numa geladeira? Mas aí eles abrem e se surpreendem”, diz o mestre Arquimedes Nogueira, responsável pelo local. O conteúdo, realmente, é para um tipo diferente de sede e fome: a do saber. Cerca de 100 livros e gibis ficam guardados ali, usados pelos meninos e meninas que praticam capoeira, provenientes de comunidades carentes. A ação faz parte do projeto Geladeira Cultural, desenvolvido pelo movimento Periferia&Cidadania, e tem o objetivo de incentivar a leitura de uma maneira simples.

A ideia é do técnico em microscopia eletrônica do Departamento de Física da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Sergio Santos, 41 anos. Quando tem tempo livre, ele compra as geladeiras em ferro-velho e recolhe doações de livros infantojuvenis. “Levo os eletrodomésticos para associações de moradores e sedes de movimentos sociais em comunidades carentes do Grande Recife. Também estão no Colégio Militar e no IFPE (Instituto Federal de Pernambuco). A última geladeira foi entregue à comunidade Vila Santa Luzia, na Torre (Zona Oeste recifense). A ideia é promover o gosto pela leitura. Depois de instalada, deixo as crianças personalizarem do jeito que quiserem, com grafite”, revela.

O Centro Cultural Dinda recebeu uma das 27 geladeiras-bibliotecas há um ano e meio, para alegria da criançada. Luiz Henrique da Silva, 14, aluno de capoeira, acredita que os livros ajudaram no aprendizado. “Quando o professor atrasa, a gente pega um gibi para ler. Acho muito bom, porque tenho dificuldades para ler. Na minha escola, não tenho biblioteca”. O mestre Arquimedes mantém o espaço no quintal da casa desde 2010 e atende a 25 crianças. Ele reconhece a importância do equipamento. “Quando chegou, foi uma febre. A meninada pega pra ler e adora. Eles não têm outro acesso à leitura. Procuro incentivar”, comenta.

O maior desejo de Sérgio Santos é levar o projeto para escolas públicas. “Já apresentei a ação no III Fórum Mundial da Educação a pessoas de 22 países e a ideia foi adotada em outros sete Estados brasileiros, mas não consigo mostrar o projeto para a gestão local. Não demanda muito espaço, ajudaria a diminuir o déficit de 130 mil bibliotecas no País”, lamenta. A maior dificuldade é arrumar livros. “Compro o eletrodoméstico por R$ 30, algumas recebo como doação. Arco com muitos custos e não tenho condições de comprar muitos livros”, explica. Segundo dados do Censo Escolar realizado em 2013 pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), apenas 36% das 9.861 escolas públicas e privadas da educação básica em Pernambuco dispõem de bibliotecas. 

Quem quiser ajudar pode fazer doações na Associação de Moradores de Jardim Brasil II, na Praça Alvorada, bloco N, apartamento 102, ou na sede do 29º Grupo de Escoteiros do Mar (Gemar) Exército da Salvação, na Rua Conde de Irajá, nº 108, bairro da Torre. Para entrar em contato, basta ligar para o telefone (81)98804-9745. 

 

Fonte: http://jconline.ne10.uol.com.br/

Leave a comment
Mais Artigos
comentários
Comentário

16 + 16 =