Blog

Cidadania

Vendo Artigos de: Cidadania (categoria)

Ações & Repercussões: Coronavírus – COVID-19

Ações & Repercussões: Coronavírus – COVID-19

Uma das definições mais utilizadas na capoeiragem para descrever a essência da nossa arte: CAPOEIRA É PERGUNTA E RESPOSTA…

Sempre acreditei na preservação e na valorização da arte e da cultura popular, acredito que o universo da capoeira é parte integrante deste contexto, um elemento “vivo” e multifacetado, envolto na mágica e no mistério da oralidade, entranhado no corpo e na memória de todo brasileiro… acredito também que  “A toda ação sempre há uma reação de mesma intensidade e direção, porém sentidos opostos.”

Terceira Lei de Newton (princípio da ação e reação): 

Quando um capoeirista “negaceia ou aplica um golpe”, ele consegue mudar a trajetória/comportamento do companheiro de jogo pois exerce uma força/ação sobre ele. No entanto é razoável pensar que outro capoeirista também exerce uma força/ação sobre o 1º capoeirista, afinal ele sente o impacto ou reage ao “movimento”, criando um novo contexto e uma infinidade de possibilidades daquilo que entendemos por “PERGUNTA E RESPOSTA”.  Ao sentar sobre uma cadeira, a gravidade exerce uma força sobre nós da mesma forma que cadeira também o faz, pois não atravessamos a cadeira e caímos no chão – a cadeira nos “segura”.

Então, podemos concluir que cada vez que um corpo A exerce uma força sobre um corpo B, este mesmo corpo B exerce uma força sobre o corpo A. Essa, então é a Terceira Lei de Newton (ou princípio da ação e reação ou capoeirísticamente falando “PRINCIPIO DA PERGUNTA E RESPOSTA”).

É claro que esta reflexão nos leva ao outro lado da moeda: Toda a expansão da capoeira, que encontrou um amplo nicho de mercado, a ser explorado pelos grupos de capoeira, que em meados da década de 70 iniciaram o processo de “internacionalização da capoeira” que incluia rodas, apresentações e shows, em hotéis, pousadas, resorts e praças públicas, culminou em uma massiva globalização da nossa cultura e da nossa arte-luta. Hoje somos milhões de praticantes e estamos espalhados pelos quatro cantos do mundo… grande parte desta enorme comunidade (os profissionais), vive exclusivamente da capoeira (eventos, aulas, viagens, workshops, etc…).

SERÁ UMA DURA BATALHA SOCIAL E ECONÔMICA PARA TODOS NÓS!

Nossa capoeiragem é patrimonio imaterial… é cultura… é desporto… é cidadania… é social… é digital… é tradição… é amor… enfim a capoeira é VIVA…

Toda nossa comunidade tem agora um duro e importante passo pela frente: TEMOS DE LUTAR COM AFINCO, GINGAR E NEGACEAR, PARA CONTER O SURTO E A PANDEMIA DO COVID-19.

Chegou o momento de dar uma resposta clara, de agir com ética e responsabilidade social!!!

 

Fica a reflexão, na certeza que depois da tempestade virá a calmaria e melhores dias virão…

Luciano Milani

 

 

A RESPOSTA:
Ações & Repercussões: Coronavírus – COVID-19

Ações & Repercussões: Coronavírus - COVID-19 Capoeira Portal Capoeira

 

Por todo o mundo nossos amigos e companheiros vem dando sua “RESPOSTA”, agindo de forma coerente e responsável… parabéns a todos os profissionais que estão lutando e fazendo sua parte para ajudar nesta luta contra o coronavírus.

Nota Oficial:

A Associação Herança Cultural Capoeira tem acompanhado as notícias sobre o COVID-19 (Coronavírus), e seus impactos na rotina e saúde de todos. Focada na segurança e no bem-estar não só de seus participantes, mas de toda a comunidade com quem também a associação está bastante preocupada estamos seguindo os conselhos e orientações da Organização Mundial da Saúde, do Ministério da Saúde e da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo.
Neste sentido segundo decreto nº 64.862, de 13 de março de 2020 de São Paulo o governador JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições legais e considerando a existência de pandemia do COVID-19 (Novo Coronavírus), nos termos declarados pela Organização Mundial da Saúde, Decreta:

Artigo 4º – No âmbito de outros Poderes, órgãos ou entidades autônomas, bem como no setor privado do Estado de São Paulo, fica recomendada a suspensão de: Ver tópico

I – aulas na educação básica e superior, adotada gradualmente, no que couber; Ver tópico

II – eventos com público superior a 500 (quinhentas) pessoas. Ver tópico

Assim, por ser o XIV Encontro Associação Herança Cultural Capoeira um espaço que reunirá número expressivo de participantes, por ter a participação de alguns dos grupos de risco da pandemia como Mestres com mais de 60 anos de idade o conselho de Mestres da Associação, na pessoa de seu presidente senhor Carlos Alberto Lanatovitz, Mestre Catitu, vem com pesar por meio desta nota informar que o XIV Encontro Associação Herança Cultural Capoeira está ADIADO.

 

A Associação prima pela saúde e bem-estar de todos e está comprometida em encontrar uma nova data para realização desta festa, que é tão importante no cenário da capoeira. Adotamos as medidas necessárias, e seguiremos tomando decisões de acordo com as diretrizes dessa associação.

Qualquer dúvida ou informação, favor entrar em contato pelos emails: [email protected] e [email protected], telefones: (11) 983818056 e (11) 9 84549924.

Atenciosamente,

Associação Herança Cultural Capoeira

 


 

Espero que estejam todos bem…

Temos um grande problema e uma enorme responsabilidade pela frente…

Todos somos diretamente responsáveis por este processo e devemos ter muita atenção e coerência…

Atitudes, que segundo aquilo que acredito, devem ser tomadas de imediato:

  • Cessar imediatamente as aulas
  • Cancelar todo e qualquer tipo de evento.
  • Deixar de viajar.
  • Respeitar as remomendacões da OMS e do Governo local.
  • Nas próximas semanas restringir ao máximo os contatos sociais.

Sei que tudo isso é algo muito difícil de digerir e implementar, visto que nossa classe profissional depende em sua grande maioria desta relação aula/evento/viagens para ganhar o sustento diário.

Estamos passando por uma fase nuclear e muito complicada… Tenho quase a certeza de que ainda vai piorar antes de melhorar… (historicamente documentado).

Cabe a cada um de nós fazer a nossa parte…

Atitudes corajosas e responsabilidade social… Este é nosso norte!

Parabéns aos amigos e aos responsáveis por trabalhos que já se posicionaram de forma coerente…

Todos vamos sofrer e não será fácil, mas tenho a certeza que estamos unidos em prol da superação…

Axé

CAL – Capoeira Arte e Luta
Luciano Milani

 


 

Por motivos de prevenção e de aconselhamento por parte das entidades competentes, as aulas e treinos de Capoeira Regional do CCCB-GMR em Guimarães, Portugal estão encerradas a partir de “12 de Março” (Quinta-Feira) até que a situação do Covid-19 se estabilize. Relembramos a todos que é importante seguir as orientações da Direção Geral da Saúde, neste momento difícil que estamos a atravessar, adotando medidas básicas de prevenção tais como:

-Desinfectar e lavar bem as mãos com álcool 70 ou desinfetante apropriado.
– Evitar locais fechados e aglomerações de pessoas.
Se tiver sintomas suspeitos, tais como febre ou tosse, mantenha-se em casa em resguardo e ligue para a linha saúde 24 do SNS (808 24 24 24), para que lhe sejam dadas as devidas orientações, caso tenha dificuldades respiratórias dirija-se as urgências mais próxima de si e evite o máximo o contato com outras pessoas, principalmente idosos.

Em breve mais informações sobre o retorno das atividades. Tentaremos compensar todos os alunos quando retomarmos o normal funcionamento.

Obrigado pela compreensão.

Att,

Centro Cultural Capoeira Baiana-CCCB
Mestre Careca
Guimarães, Portugal

 

Todos somos responsáveis!!! Faça sua parte!!!

 

Ver também: OMS https://www.who.int/

O triste fim de um Mestre(a) de Capoeira

O triste fim de um Mestre(a) de Capoeira

“Pastinha… Pastinha você tá aí??? Pastinha o que é que voce está sentindo agora???”

“Quando ele moreu mandaram um caixão de indigente!!!!”

Vicente Ferreira Pastinha (Salvador, 5 de abril de 1889 — Salvador, 13 de novembro de 1981), foi um dos principais mestres de Capoeira da história.

Parece uma sina.

Parece uma sina… Aconteceu com Bimba, Pastinha, Waldemar, Cobrinha Verde, Gigante e tantos outros… anonimos ou ícones da nossa capoeiragem, morrem na pobreza, sem o devido amparo, respeito e dignidade da comunidade e reconhecimento governamental.

 

Iêêêêê…. já foram embora…. camará….
Iêêêêê…. não voltam mais…. camará….
Iêêêêê…. já foram embora….  E AGORA camará?!?!?

 

A história se repete…

Mestra Saruê foi a primeira mulher capoeirista de Ribeirão Preto, prestou serviços em prol das comunidades de sua região uma vida inteira.

O triste fim de um Mestre(a) de Capoeira Capoeira Portal Capoeira

Mestra Saruê – Ana Lúcia Graciano Lopes da Silva – Ribeirão Preto / SP

Atualmente se encontra desempregada por motivos de saúde e perto de perder sua casa de cohab, precisando de ajuda urgentemente de amigos e simpatizantes da causa.

É conhecida como uma grande capoeirista e uma das mais velhas em todo território brasileiro.

Mas assim como grandes mestres, esta passando dificuldades extremas, pois não tem ajuda do governo, o INSS ainda não foi liberado, mesmo tendo trabalhado por mais de 30 anos e estando com problemas sérios de saúde, o que acarretou em grandes dificuldades, gerando muitas dividas por exemplo de sua casa.

Prestes a perder a casa, vem pedir ajuda! Qualquer colaboração será de grande feito nessa causa, contamos com a ajuda e sensibilidade de todos os capoeiristas, amigos, colegas, conhecidos e simpatizantes.

Fica aqui a sensibilização e o link para quem quiser participar deste movimento de cidadania e ajuda ao próximo.

SOLIDARIEDADE / PESSOAS / SAÚDE / CARIDADE

https://www.vakinha.com.br/vaquinha/ajuda-para-nao-perder-a-casa-ana-lucia-graciano-lopes-da-silva

 

 

  • VER TAMBÉM:

Mestre Pastinha – Revista Placar Dezembro 1979

Revista Placar 505 – 28 Dezembro 1979

Se liga capoeira!!! Fica a reflexão…

Carioca nota 10: Mestre Ferradura

Carioca nota 10: Mestre Ferradura

À frente de organização que prepara e certifica novos professores, mestre de capoeira oferece aulas gratuitas a moradores em situação de rua

O berimbau é um dos elementos cruciais da capoeira. Ele comanda a roda, dita o ritmo e o estilo de jogo. Ao produzir diferentes texturas de sons, o instrumento guia movimentos precisos de ataque, defesa e esquiva. Para jogar capoeira, é preciso ter desenvoltura e habilidade, sim, mas não é só isso que está em jogo. Misturando elementos de luta, dança e música, a modalidade promove a interação social, melhora a autoestima e evidencia a importância da defesa — e não do ataque. Apostando nesses valores, Omri Breda, mais conhecido como Mestre Ferradura, 44 anos, criou, há dois anos, o projeto Capoeira de Rua, dedicado à população sem teto do Rio.

“Pela sua própria natureza, o olho no olho, o contato físico, a integração com o grupo, a relação com a música, com a religiosidade e a cultura negra, a capoeira faz com que essas pessoas se sintam menos invisíveis dentro da nossa sociedade”, diz o mestre, à frente do Instituto Brasileiro de Capoeira-Educação, organização que prepara e certifica novos professores.

Mestre Ferradura

Mestre Ferradura: “Capoeira ajuda a fazer com que algumas pessoas se sintam menos invisíveis dentro da nossa sociedade” Leo Lemos/Veja Rio

 

As aulas acontecem três vezes por semana, logo após o café da manhã oferecido pelo Projeto Voar.

Às segundas, o encontro é no Aterro do Flamengo; às quartas, na Praça São Salvador; e às quintas, na Praça Paris. Por dia, cerca de quinze pessoas costumam frequentar as rodas, e a ideia do Mestre Ferradura é ir muito além da atividade recreativa:

“Busco fazer com que os alunos sintam que são capoeiristas e que podem se apropriar disso para buscar novas oportunidades”.

Está dando certo. Dois alunos do projeto, ex-­moradores de rua, já conseguiram reestruturar a vida depois que entraram na capoeira. O professor também dá aulas para crianças do Instituto Benjamin Constant e jovens do Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase) e faz parte do grupo Gingando pela Paz, que desenvolve ações em diversos países, como o Congo e o Haiti.

No caso do Capoeira de Rua, mais seis voluntários se revezam no comando das aulas, que acabam de ganhar mais um ponto na cidade, o Museu de Arte Moderna.

 

Fonte: https://vejario.abril.com.br/cidade/capoeirista-aulas-populacao-situacao-rua/

 

Mais:

 

“Responsabilidade Social” é um programa da TV ALERJ voltado à projetos que fazem a diferença no Rio de Janeiro.
Na última semana o programa focou nos projetos realizados na rua, especialmente o Yoga de Rua. Como parceiro, o @capoeiraderua1 também entrou na dança!

“Responsabilidade Social” 

 

Ver também:

https://portalcapoeira.com/tag/ferradura/

https://capoeirariodejaneiro.com.br/

https://capoeiraibce.com/

https://brincadeiradeangola.com.br/

Guarujá-SP: Uma comunidade à procura do mestre

Guarujá-SP: Uma comunidade à procura do mestre

Um exemplo de ser e estar… Capoeira uma escola de cidadania… Um verdadeiro MESTRE na arte da capoeiragem e da vida!!!

Nos trabalhos de resgate do Morro do Macaco Molhado, no Guarujá, no litoral de São Paulo, chama a atenção a presença de jovens na faixa dos 20 anos. Grande parte está ali à procura daquele a que se referem como “padrinho”, “irmão” ou “mestre”, com quem aprenderam sobre a capoeira, a cultura afro-brasileira e a vida: o líder comunitário Rafael Rodrigues, de 33 anos, um dos desaparecidos no temporal que atingiu a Baixada Santista. Até a noite desta quarta-feira, 4, eram 25 os mortos na Baixada Santista por causa das fortes chuvas.

Rafael estava preocupado com os efeitos da chuva desde a noite de segunda. Naquele dia, às 23h59, fez a última publicação em uma rede social, na qual alertava sobre a situação, e saiu de casa em plena madrugada para ajudar no resgate de vítimas em uma encosta do bairro vizinho, no Morro do Macaco Molhado, também chamado de Morro Bela Vista.

O professor de capoeira Rafael Rodrigues subiu o morro, em Guarujá, no dia do temporal e tentava ajudar pessoas soterradas. Houve um segundo desmoronamento e ele foi um dos atingidos. No mesmo morro, outro Rafael, marido de Gisele, também perdeu a vida tentando salvar outras pessoas. Ele levou os 7 filhos para um lugar seguro e decidiu voltar para ajudar os demais moradores.

Chuvas na Baixada Santista: conheça a história de duas vítimas que tentaram ajudar outras pessoas

Foi atingido por um segundo deslizamento com outro voluntário e dois bombeiros, os cabos Moraes e Batalha. Com exceção de Moraes, os demais estão desaparecidos, soterrados sob a lama e o entulho.

Rafael se tornou o mestre de outros tantos meninos e meninas ainda adolescente, quando começou a dar aulas de capoeira em um abrigo há mais de 20 anos. O projeto cresceu e mudou de nome algumas vezes até se tornar a Associação Cultural Afroketu, de capoeira, percussão e danças afro-brasileiras, que atende hoje mais de cem crianças e adolescentes. “Ele é um pai para todo mundo, um amigo, irmão. Dá conselho, briga quando precisa, faz tudo”, diz mestre Sandro, de 41 anos, outra liderança do Afroketu. “Vieram (pessoas do projeto para o resgate) porque ele sempre se doou para todo mundo.” Hoje professor do Afroketu, Daniel de Moura, de 28 anos, começou como aluno há 12 anos. “(A associação)é uma família, um pelo outro até hoje. E o Rafael é um pai para todo mundo.”

Atuação

Produtor cultural, Rafael tem filhos e estava no último ano da graduação em Direito. É assessor de Políticas Públicas Para a Juventude na prefeitura do Guarujá há três anos. “Encontrei com ele na última semana e estava feliz, empolgado com os conhecimentos que ganhava (no curso de Direito), em como isso poderia ajudar mais a comunidade”, diz a professora Roseli Alexandre, de 54 anos, que acompanha o trabalho de Rafael desde a adolescência. “Todo dia, passava às 21, 22 horas na frente da sede do projeto e via aquela gente toda envolvida. Agora nem imagino como vai ser.”

Também professor, Luiz Alexandre, de 60 anos, diz que Rafael tem atuação que vai além do Guarujá, envolvendo-se em projetos em outras cidades da Baixada e do Estado. “É um verdadeiro Zumbi da modernidade, ele nos dignifica, nos representa. Um cara que não espera acontecer.”

 


TRAGÉDIA: Guarujá registra 26 mortes

Na Baixada Santista, foram contabilizados 32 óbitos e 47 desaparecidos

A Defesa Civil do Estado informa que as chuvas extremas que incidiram sobre a região da Baixada Santista na madrugada de terça-feira, 3 provocaram, até o momento, 32 óbitos e 47 não localizados, nos seguintes municípios: Guarujá (26 óbitos e 42 não localizados), Santos (4 óbitos e 4 não localizados) e São Vicente (2 óbitos e 1 não localizados). O número atual de desabrigados é de 249 em Guarujá e 185 em Santos.

Foram disponibilizadas 30,5 toneladas de materiais de ajuda humanitária aos municípios afetados, sendo: 15,6 toneladas (colchões, cobertores, cestas básicas, roupas, água sanitária, kits de limpeza, kits de higiene e água potável) para o depósito do Fundo Social de Santos de onde serão distribuídos, mediante solicitação, às defesas civis municipais; 11 toneladas (colchões, kits higiene, vestuário e limpeza, cestas básicas, água potável e fita de isolamento) a Guarujá; 2,9 toneladas (colchões, cestas básicas, kits de higiene, limpeza e vestuário) a Peruíbe; 1 tonelada (colchões) a Santos.

Além disso, foram disponibilizados equipamentos de proteção individual (luvas de raspa e capacetes) e baldes para o mutirão de voluntários que está atuando em apoio às equipes de salvamento nos cenários de ocorrência de Guarujá.

O Diretor do Departamento Estadual de Proteção e Defesa Civil, Tenente-Coronel PM Henguel Ricardo Pereira, e equipe, permanecem na região, em reuniões com o Gabinete de Crise, avaliando as necessidades e a atuação das equipes de salvamento.

No Diário Oficial do Estado do último dia 4, o Governador João Doria homologou sumariamente os decretos municipais de situação de anormalidade de Guarujá (estado de calamidade pública), Santos e São Vicente (situação de emergência). No dia seguinte, esses decretos foram reconhecidos sumariamente no Diário Oficial da União.

Nas últimas 24 horas, a contar das 6h de hoje (6), foram registrados mais 2mm em Guarujá (65mm em 72h), 12mm em Santos (46mm em 72h) e 7mm em São Vicente (53mm em 72h).

A sexta-feira (6) começou com sol na Baixada Santista. No entanto, devido aos ventos úmidos que continuam soprando do oceano em direção à costa, continua a previsão de chuva fraca no período da tarde e noite, porém sem risco de temporais e grandes acumulados. Já para amanhã (7), a mesma condição permanecerá e, no período da noite, haverá condição para chuviscos bem isolados por toda a região.

Detentos do Complexo do Curado são graduados em capoeira

Detentos do Complexo do Curado são graduados em capoeira

Catorze reeducandos do Presídio Juiz Antônio Luiz Lins de Barros (Pjallb), no Complexo do Curado, receberam graduações em capoeira, na manhã desta quarta (15). Durante o evento foram entregues certificados pela corda verde (para iniciantes) até a amarela e branca, destinadas aos professores do Projeto Liberdade da Ginga.
O projeto existe há seis anos e conta com 21 inscritos. Mais de 100 detentos do Pjallb já participaram do grupo desde a sua criação. O mestre Ubiraci Lima, 43 anos, recebeu o título dentro da unidade prisional e durante o evento desta quarta graduou dois professores. Conhecido como Timaia, Ubiraci ganhou a liberdade em novembro de 2019 e deseja ver todos darem continuidade ao Liberdade da Ginga.
“É muito gratificante ver tudo isso porque foi onde eu encontrei pessoas de boa índole, onde fiz amizades e abri minha mente”, contou.
Gestor do Pjallb há mais de cinco anos, José Sidney Souza, 58, considera a capoeira uma arte disciplinadora e afirma que quase 100% dos que participam não se envolvem em problemas. “Por ser um evento coletivo, baixa a tensão e o ócio criando uma irmandade. Mostra outro mundo, outras possibilidades”, destacou.
Durante a cerimônia, Sidnei recebeu do grupo um certificado de agradecimento. “Sou um cara durão e gosto das coisas certas. Nem sempre conseguimos tudo o que queremos, mas é preciso tentar. Procuro disseminar companheirismo, respeito, disciplina e principalmente crença na ressocialização”, disse. Foi homenageada também a equipe do setor Psicossocial, sob supervisão do policial penal Helder Leite.
O professor de capoeira, Williams Oliveira, 32, cumpriu pena de um ano e seis meses e ganhou a liberdade em 2016. “Eu era instrutor de capoeira quando fui convidado para dar aula. No início, eu era mais parado, ficava com raiva quando chegava a hora da aula, mas depois isso se tornou meu passatempo. Os alunos me fortaleceram”, afirmou. Do batizado, àquele momento em que o iniciante recebe a sua primeira corda, participou Amaro José, 37 anos, há dois anos e oito meses.
Detentos do Complexo do Curado são graduados em capoeira Capoeira Portal Capoeira

A prática é desenvolvida há seis anos no Presídio Juiz Antonio Luiz Lins de Barros (Pjallb) e contempla 21 detentos. (Foto: Divulgação/Seres.)

Projeto oferece aulas gratuitas de capoeira para crianças de Maracajá

Projeto oferece aulas gratuitas de capoeira para crianças de Maracajá

Em Santa Catarina, um projeto oferece aulas gratuitas de capoeira para crianças de Maracajá. O esporte tem ajudado no desenvolvimento físico e social dos alunos.

 

Projeto Brambila Ginga Capoeira

Esse projeto oferece aulas gratuitas de capoeira para crianças em Maracajá, buscando melhorar o desenvolvimento delas e da sociedade. O projeto é uma iniciativa privada de uma rede de postos de gasolina.

Fonte:

Repórter Brasil: http://tvbrasil.ebc.com.br/

Movimento CAPOEIRA JOGA LIMPO

Movimento CAPOEIRA JOGA LIMPO

O Movimento CAPOEIRA JOGA LIMPO convida à participação na limpeza de praia e acção de sensibilização ambiental a realizar na praia de ALBARQUEL (Arrábida/Setúbal), no próximo dia 14 de Setembro, sábado, pelas 9h.

Uma limpeza de praia é muito mais do que deixar um local mais bonito. Este tipo de ações permitem afastar os resíduos do mar, nomeadamente, o plástico, que com o tempo se transforma em microplásticos. Estas partículas minúsculas podem ser ingeridas por peixes e mariscos e assim chegar ao nosso prato.

Convidamos assim a contribuirem para reduzir este flagelo pela vossa ação e pelo exemplo dado.

Para tal, gostaríamos de convidar toda a comunidade a participar, após a ação de limpeza iremos realizar uma roda de Capoeira no jardim da praia da Saúde, DESAFIAMOS os participantes a trazer o seu Berimbau

O grande objetivo desta atividade é sensibilizar a comunidade para o grave problema do lixo marítimo.

Tragam luvas reutilizáveis, pinça de apanhar lixo e camaroeiro (se tiverem). Tragam também um amigo e boa disposição. Caso traga uma pequena merenda, optem por fruta e água numa garrafa reutilizável

Lixo Zero, CLARO!

 

Aproveitamos também para pedir o vosso melhor apoio na divulgação do evento, para que esta seja uma ação muito positiva, como sempre!

Organização: CECAB (Capoeira Agua de Beber) ICR (International Capoeira Raiz)
Professores Boca e Goiaba

Link do evento do Facebook AQUI

Evento gratuito.

 

Uma iniciativa muito interessante,um movimento de cidadania… Parabéns meus amigos Goiaba e Boca… Desejo incondicional de muito sucesso e que este movimento sensibilize a comunidade…

Luciano Milani

Brasília – DF: Grupo leva capoeira a escolas públicas e fala sobre cultura negra

Brasília – DF: Grupo leva capoeira a escolas públicas e fala sobre cultura negra

A história da África e a luta dos negros do Brasil ensinadas de uma maneira diferente. Para sensibilizar crianças e adolescentes sobre a cultura negra brasileira, o grupo Grito de Liberdade leva a escolas públicas do Distrito Federal o espetáculo “Quilombo da liberdade, raízes”. A caravana está na nona edição.

O presidente do grupo, Luiz Cláudio França, 38 anos, conhecido como Minhoca, atualmente é o principal responsável pelo projeto. O mestre capoeirista destaca a satisfação após as apresentações: “Chegamos a alcançar pessoas que estavam no mundo do crime e, por conta do projeto, já superaram o problema”, ressalta.

A intenção é ampliar os horizontes dos alunos. “Quanto mais contato tiverem com a cultura, eles se tornarão pessoas mais conscientes e com uma visão de mundo mais ampla”, acrescenta Luiz.

Atividade procura abordar o papel do negro na formação da identidade brasileira e apresentar a cultura de origem africana

As apresentações são realizadas por meio de cantos e danças de capoeira, com um toque especial de circo e poesia. Por meio da arte, o grupo aborda os mais variados temas cotidianos, entre eles racismo, agressões em ambiente escolar e machismo.

“Diante do aumento da violência nas periferias do Distrito Federal, é fundamental que a comunidade escolar contribua com seu olhar sobre as causas e consequências do envolvimento de jovens e crianças com o álcool e outras drogas”, diz diretor da peça, Ankomárcio Saúde, que compara: “Até onde os ônibus lotados de hoje não são os navios negreiros de ontem, e as favelas, quilombos urbanos?”.

O espetáculo leva aos jovens mitos e ritos dos afrodescendentes numa mescla de capoeira regional e angola e das danças de puxada rede, dança do bastão e maculelê, em que os negros são protagonistas. “Uma fusão em que a beleza dos movimentos junto a plástica do figurino prende a atenção de todos os alunos para aprenderem sobre a história negra do país como processo formador de nossa identidade”, explica Ankomarcio.

Brasília - DF: Grupo leva capoeira a escolas públicas e fala sobre cultura negra Capoeira Portal Capoeira 1

Experiência positiva

Para os educadores, a iniciativa é mais do que importante para o crescimento dos estudantes. Rivailda Muniz, professora do 5º ano da Escola Classe Kanegae (Riacho Fundo I), ficou feliz com a oportunidade e também entrou na roda para gingar.
“É um projeto muito bom, inclusive pelo fato de eles virem até a escola. A inciativa é maravilhosa porque nossos alunos têm poucas chances de vivenciar isso”, considera a docente.

E, para os pequenos, a experiência foi única e de pura alegria. “É muito legal a gente ver e experimentar coisas novas. Foi a primeira vez que eu ‘dancei’ capoeira”, disse um dos alunos do 5º ano. Colega do garoto, Ana, 8 anos, também entrou na brincadeira. “Os meninos conseguem dar ‘mortais’ muito mais rápido do que nós meninas. Eu já tentei e nunca consegui, mas gostei muito de o tio ter ensinado a gente a gingar”, afirmou.

Quase 40 anos de história

Há 38 anos o grupo Mestre Cobra trabalha a capoeira como forma de perpetuar a história das culturas de matriz africana. Os capoeiristas se reúnem na Candangolândia desde os anos 1980, época em que a capoeira era alvo de preconceito na região e praticada às escondidas, no mato. Em 1994, Mestre Cobra começou a desenvolver seu trabalho no Riacho Fundo, onde deu início ao grupo Grito de Liberdade.

Luiz Cláudio França está na equipe há 30 anos e representa o Mestre Cobra por todo o DF. Além de Brasília, as apresentações já chegaram até a Bahia, Rio Grande do Norte e Pernambuco, onde foi assistida por mais de 10 mil pessoas. Neste ano, 20 mil alunos serão atingidos.

Uma das principais características da capoeira é a possibilidade de qualquer pessoa poder participar. A arte não faz distinção de situação financeira ou crença: qualquer um pode interagir com o grupo. “Às vezes alguém tem dificuldade em fazer as manobras no momento do gingado, mas ao mesmo tempo se identifica com a música ou instrumentos que utilizamos. Tudo é válido”, destaca o mestre Minhoca.

 

Tainá Morais – [email protected]

http://www.jornaldebrasilia.com.br

“Maior é Deus, Grande é João”

“Maior é Deus, Grande é João”

O “Maior é Deus, Grande é João” é um movimento mundial
de valorização e reconhecimento ao Mestre João Grande.

 

"Maior é Deus, Grande é João" Capoeira Cidadania Eventos - Agenda Portal Capoeira

MAIOR É DEUS, GRANDE É JOÃO!

Só um mestre que há mais de 60 anos empenha-se na preservação e divulgação da cultura da capoeira pelo mundo, pode inspirar um movimento mundial de reconhecimento à contribuição que ele dedica até hoje a essa arte.

João Oliveira dos Santos, Mestre João Grande, hoje aos 85 anos, é o capoeirista que há mais tempo está em atividade no mundo, ícone vivo da capoeiragem tradicional. Considerado o mestre dos mestres pela comunidade capoeirística, é detentor de conhecimentos seculares, que vem repassando com humildade e entusiasmo ao longo de todos esses anos.

 

Sua atuação é um marco no ressurgimento e expansão da capoeiragem angola, que se livrou de ser extinta graças aos esforços de alguns mestres, entre eles e com destaque João Grande, um obstinado em manter sua estrutura inicial e ensinamentos elementares. Ele saiu do Brasil para abrir novas fronteiras para esta arte tão brasileira, o que beneficiou direta e indiretamente centenas de capoeiristas brasileiros que hoje trabalham no exterior.

A paixão com que João Grande abraçou a capoeira vem motivando praticantes e amigos dessa comunidade no mundo inteiro a abraçá-lo também. Assim nasce o movimento “Maior é Deus, Grande é João”, que envolve, no dia 29 de setembro, a realização de eventos de capoeira em mais de 15 cidades do mundo para arrecadação de fundos que irá premiá-lo por tudo que representa para a capoeira no mundo.b

A rotina de viagens do Mestre João Grande é exaustiva e compromete a sua saúde, por isso os capoeiristas se uniram para assegurar que o Mestre continue, no ritmo adequado à sua idade, a espalhar seus ensinamentos sem comprometer a sua qualidade de vida. O objetivo do fundo é possibilitar que o mestre, no país em que hoje reside, EUA, possa repassar suas lições de vida com tranquilidade e segurança.
O movimento “Maior é Deus, Grande é João” também irá disponibilizar plataforma de crowdfunding durante três meses para que qualquer pessoa que se sensibilize com a causa, possa fazer sua contribuição online. Idealizado coletivamente, o fundo de arrecadação nasce em respeito à vida do Mestre João Grande.

Os eventos de capoeira que integram a campanha contam com a participação de grandes mestres de diferentes linhagens da capoeira. A contagem da arrecadação acontecerá a 29 setembro às 17h de cada país, quando haverá a divulgação do valor. O lançamento oficial da campanha acontecerá em NY, mas o abraço ao Mestre João Grande é tão imenso quanto a sua importância para a capoeira, por isso eventos também acontecerão em Paris e Bordeaux (França), Porto e Lisboa (Portugal), Zurique (Suiça), Viena (Áustria), Rio de Janeiro, São Paulo e Bahia (Brasil), Athenas (Grécia), Roma (Itália), Belgrado (Sérvia), Barcelona (Espanha), Estugarda (Alemanha), dentre outros.

 

Eu valorizo. Eu acredito. Eu apoio. Dê o seu abraço no Mestre João Grande!

 


 

GOD IS GREAT, JOÃO IS GRAND!


Only a master who has been involved in the preservation and dissemination of capoeira culture throughout the world for more than 60 years can inspire a worldwide movement in recognition of the contribution he has made to this art to this day.

João Oliveira dos Santos, Mestre João Grande (Master “Big John”), aged 85, the eldest living active capoeira practitioner in the world, is an icon of the traditional form of capoeira. Considered to be the master of masters by the capoeira community, he is a holder of secular knowledge which he has shared with humility and enthusiasm throughout all these years.

His practice is a milestone in the resurgence and expansion of the Angola style of capoeira, which persists thanks to the efforts of several masters, but especially thanks to João Grande, who was determined to maintain its pure form and elementary teachings. He left Brazil to open new frontiers to this quintessential Brazilian art, and hundreds of Brazilian capoeira practitioners, who work abroad today, have benefited from this move either directly or indirectly.

The passion with which João Grande embraced capoeira has motivated practitioners and friends of this community around the world to embrace him as well.  This is how the “God is Great, João is Grand” movement emerged.

September 29, 2018, marks the kick-off for capoeira fundraising events in more than 15 cities around the world, which will honor him for everything he represents to capoeira in the world.

Mestre João Grande’s travel routine is exhausting and compromises his health. For that reason, capoeira practitioners will unite to ensure that Mestre can continue to spread his teachings at a pace appropriate to his age, without compromising his quality of life.  The purpose of the fund is to enable the master to teach his life lessons in peace and safety in the United States, the country in which he now resides.

The “God is Great, João is Grand” campaign will provide a crowdfunding platform in the three months following September 2018, so that anyone who is moved by this cause can make their contribution online. Organized collectively, the fundraising idea originated out of respect for the life of Mestre João Grande.

The capoeira events unfolding throughout the campaign rely on the participation of other great masters of differing styles of capoeira. A tally and unveiling of monies raised will be held at on September 29 at 5pm in each country.

The official launch of the campaign will take place in New York, but as our embrace of Mestre João Grande has been as massive as his importance to capoeira, events will also take place in Paris and Bordeaux (France), Porto and Lisbon (Portugal), Zurich (Switzerland), Vienna (Austria), Rio de Janeiro, São Paulo, and Bahia (Brazil), Athens (Greece), Rome (Italy), Belgrade (Serbia), Barcelona (Spain), and Stuttgart (Germany), among other locations.

I value him. I believe in him. I support him. Honor Mestre João Grande!

 

Veja Também:

https://www.facebook.com/maioredeusgrandeejoao/

https://www.gofundme.com/maior-e-deus-grande-e-joao

m.me/maioredeusgrandeejoao

Unesc oferece aulas gratuitas de capoeira para a comunidade

Unesc oferece aulas gratuitas de capoeira para a comunidade

Aulas ocorrem nas segundas e quartas-feiras na Universidade.

Disciplina, coordenação motora, condicionamento físico, socialização. São diversos os benefícios que a capoeira traz aos seus participantes. Entretanto, a sua essência vai muito além do esporte e da movimentação do corpo, ela está presente na arte como manifestação cultural, parte da história brasileira e mundial. E para disseminar esse conhecimento e resgatar raízes, a Unesc oferece o projeto Capoeira, gratuito para a comunidade, com aulas direcionadas a todas as idades.

O coordenador do projeto, Alex Sander da Silva, ressaltou a importância de disseminar elementos como esse, que fazem parte da cultura nacional. “A iniciativa é vinculada ao NEAB (Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros, Indígenas e Minorias) da Unesc, e parte da premissa de resgatar as tradições da cultura afro-brasileira. O interessante é que qualquer pessoa pode participar, não há pré-requisito para aprender capoeira. Crianças, jovens e adultos, todos estão convidados”, comentou.

Dentre os participantes, pai e filho seguem juntos nas aulas. O pai, Leandro Daros, praticava a capoeira na adolescência, e segundo ele, essa foi a oportunidade de levar o filho a apreciar a arte. “Com a capoeira eu aprendi a ser uma pessoa melhor, com os professores como mentores me trazendo conselhos. Cresci muito na capoeira, e trazer meu filho para participar é ainda mais especial”, comentou.

O professor, Filipe Alexandre Create, comentou sobre os benefícios do esporte, que contribuem para a saúde, mas também para a educação do participante. “A capoeira ensina regras, fornece disciplina, além da musicalidade, do canto, e de tantos outros elementos.”, ressaltou.

PARTICIPE

Os interessados em participar do projeto podem se inscrever no momento da aula, que ocorre todas as segundas e quartas-feiras, das 17h30 às 19 horas, na Sala de Dança da Unesc. Informações pelo telefone 3431-2724.

 

Fonte: https://www.portalveneza.com.br/