Blog

filme

Vendo Artigos etiquetados em: filme

Imagens do Filme

Várias imagens fantásticas do filme: Mestre Bimba a Capoeira Iluminada

Fly Away Beetle (O Voo do Besouro) disponível no i-Tunes

Fly Away Beetle (O Voo do Besouro)

Finalmente disponível no i-Tunes o premiado filme Capoeira: Fly Away Beetle!

Sinopse:

Três renomados mestres (Olavo dos Santos, Boca Rica e Cobra Mansa) reúnem-se neste documentário para contar sobre as condições histórico-culturais que ajudaram a dar forma à Capoeira. Apresentando diferentes perspectivas, seus depoimentos falam desde a violência na Capoeira durante os seus primórdios até os benefícios que a mesma oferece na atualidade à jovens vítimas da exclusão socioeconômica.

O documentário também conta a história real de Roque Batista, um ex-menino-de-rua que encontrou na Capoeira a chance de escapar da pobreza e da violência das ruas. Em sua luta para melhorar de vida, Roque se torna um professor de Capoeira com a missão de ajudar outros jovens em situação de risco.

Alternando entre entrevistas, filmagens raras e exibições contemporâneas de Capoeira, Fly Away Beetle conta as histórias desses indivíduos e, ao fazê-lo, conexões com a escravidão, Candomblé e magia são trazidas à tona. Alusões ao legendário Besouro Preto nos levam a um encontro com esta figura mística e enigmática, tão lenda quanto personagem histórico, detentor dos segredos da magia africana.

Fly Away Beetle é um daqueles filmes que mescla lindas imagens, ação e documentação à uma mensagem relevante e pertinente, não só aos capoeiristas, mas à sociedade como um todo. Para além de um documentário em formato tradicional, Fly Away Beetle nos leva para dentro da vida desses indivíduos, de forma que possamos perceber, ao menos por um breve momento, o que realmente é a Capoeira. Mais do que um relato histórico, é uma penetração artística na Capoeira.

O filme pode ser adquirido via i-Tunes no seguinte link:

https://itunes.apple.com/us/movie/capoeira-fly-away-beetle/id619870821

UFMT exibe dois documentários em Cuiabá sobre a história da capoeira

Exibição faz parte do projeto de extensão ‘Quilombo Angola’ da UFMT. Interessados também podem se inscrever para praticar capoeira angola.

Dois documentários sobre capoeira foram exibidos gratuitamente segunda-feira (18) no campus de Cuiabá da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). A exibição, que faz parte do projeto de extensão “Quilombo Angola – Capoeira Antiga da Angola”, ocorreu as 18h no Centro Cultural da UFMT. O primeiro filme será “A capoeiragem de um mestre e seu bando anunciador” e, o segundo, “Mestre Felipe e Faca de Ticum”, ambos dirigidos por Gabriela Barreto.

No primeiro filme a diretora aborda a trajetória de Gilson Fernandes, o mestre Lua Rasta, que iniciou na capoeira com o mestre Bimba e depois viajou o mundo difundindo a cultura baiana. Além de mestre de capoeira, Lua Rasta também é artesão e pesquisador de instrumentos de percussão, músico e desenvolveu sua experiência de utilização da capoeira como linguagem teatral. Já o documentário “Mestre Felipe e a Faca de Ticum” retrata a tradição cultural de Santo Amaro e mostra a atmosfera em que o Mestre Felipe vive.

Durante todo este ano, o projeto de extensão Quilombo Angola apresentará toda primeira segunda-feira de cada mês um filme ou documentário que conta a história da capoeira e de seus principais mestres. O projeto é coordenado pelo professor Éverton Medeiros, que além de fazer exibições, abre oportunidades aos interessados de praticar capoeira angola mediante inscrições prévias.

Os candidatos em praticar capoeira angola e participar do projeto de extensão devem procurar o professor Éverton Medeiros no Centro Cultural da UFMT, às segundas, quartas ou sextas-feiras, a partir das 17h30.

 

http://g1.globo.com

Animações de Capoeira

Animação refere-se ao processo segundo o qual cada fotograma de um filme é produzido individualmente, podendo ser gerado quer por computação gráfica quer fotografando uma imagem desenhada quer repetidamente fazendo-se pequenas mudanças a um modelo (ver claymation e stop motion), fotografando o resultado. Quando os fotogramas são ligados entre si e o filme resultante é visto a uma velocidade de 16 ou mais imagens por segundo, há uma ilusão de movimento contínuo (por causa da persistência de visão).

A construção de um filme torna-se assim um trabalho muito intensivo e por vezes entediante. O desenvolvimento da animação digital aumentou muito a velocidade do processo, eliminando tarefas mecânicas e repetitivas. A produção da animação consome muito tempo e é quase sempre muito complexa. Animação limitada é uma forma de aumentar a produção e geração. Esse método foi usado de forma pioneira pela UPA e popularizada.

Já existem diversos videos de animação espalhados pela internet, alguns bastante criativos tendo a nossa capoeira como pano de fundo… fiz uma pequena seleção para apreciação dos nossos visitantes:

 

Animações da Capoeira

 

{youtube}YtQhyWL0SVI{/youtube}

 

{youtube}UwTISdvSXYI{/youtube}

 

 

{youtube}QpRrg2wHrIs{/youtube}

 

{youtube}QJAxHDVy3gg{/youtube}

 

{youtube}BZ3kdf2ryOs{/youtube}

 

 

{youtube}QAh_aBW2zoo{/youtube}

 

{youtube}R-a1VpcYMTg{/youtube}

 

 

{youtube}VU5A-NYrz9k{/youtube}

 

{youtube}WYgB3nqjBak{/youtube}

 

 

Fontes dos Videos: Youtube

 

 

Mestre de Guarapuava produz filme sobre história da capoeira

Autor de vários projetos sociais no município, Ceará aparece entre capoeiristas do mundo todo contando a trajetória do esporte. Lançamento do festival cinematográfico acontece no Cine XV, neste domingo, mas a mostra será levada a vários Estados do país

O capoeirista Francisco Aloísio Teixeira Filho, conhecido como Mestre Ceará, deve colocar o município de Guarapuava, mais uma vez, no cenário internacional do esporte. Líder da Companhia Volta ao Mundo, ele ajudou a produzir um filme que vai contar a história da arte brasileira, além de relatar a trajetória dos nomes que atravessaram fronteiras para espalhar a modalidade a vários países.

O filme “Capoeira: a Arte que Encantou o Mundo” será exibido em primeira mão na cidade de Guarapuava, às 8h30 deste domingo, 9, no Cine XV. O festival cinematográfico, no entanto, será lançado já na sexta, 7, com batizados, troca de cordas e cursos na Escola Estadual Newton Felipe Albach, a partir das 15h. A organização é dos capoeiristas “Banin”, “Trilips”, Hait, Eddy e Bombom.

Durante o longa, são mostrados shows de capoeira em países como Canadá, Estados Unidos, Alemanha e Japão, além de projetos desenvolvidos no mesmo local por mestres brasileiros. Como já ministrou aulas e cursos em várias partes da Europa (Polônia, Bielorrússia, Bélgica, França e Suíça, entre outras), Ceará também aparece mostrando a expansão do esporte e da arte.

Ceará é fundador da companhia Volta ao Mundo e vem ajudando crianças e adolescentes da região com projetos sociais. No ano passado, foi reconhecido por uma instituição nacional pelo trabalho realizado com pessoas com deficiências físicas e mentais. O mestre realiza aulas em escolas públicas e na Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), entre outras instituições.

Em Guarapuava há quase uma década, Ceará já promoveu grandes eventos no município. O último deles, o Circuito Internacional e Jogos Abertos de Capoeira, aconteceu em junho.

O capoeirista iniciou a carreira aos nove anos de idade, em Fortaleza (CE) e, apesar dos problemas de saúde que teve na infância, se tornou um dos grandes nomes da arte no país. Ele cita como seus “formadores” os mestres Jair Correia (Grupo Marabaiano- Fortaleza), Antonio Carlos de Menezes (Muzenza-Curitiba) e Jamil Raimundo (Museu-Belo Horizonte).

 

Diário de Guarapuava

http://www.diariodeguarapuava.com.br

Lázaro Faria filma “A roda do mundo” em Macau e Hong Kong

Macau, China, 04 out (Lusa) – Macau e Hong Kong vão integrar um documentário sobre capoeira de Lázaro Faria, em rodagem nos vários continentes desde 2005 e com conclusão prevista em meados do próximo ano.

O projeto tem o título provisório de “A roda do mundo”.

“É um documentário sobre o encontro da cultura brasileira com o mundo, que é a continuação de um filme que já estou a fazer há algum tempo”, afirmou Lázaro Faria, ao explicar que o projeto esteve na origem de “Mandinga em Manhattan”, rodado em 2005 nos Estados Unidos.

O interesse sobre a forma como “a capoeira se espalhou no mundo”, e através desta a cultura brasileira, incluindo “a música, a culinária, e principalmente a língua portuguesa”, levou o cineasta brasileiro a filmar no Brasil (na Baía, onde reside, no Rio de Janeiro e em São Paulo), na Colômbia, nos Estados Unidos e em Itália.

Macau e Hong Kong surgiram no roteiro de “A roda do mundo” na sequência da participação de Lázaro Faria no DocBrazil Festival 2012 na China, que passou por Pequim e Xangai, e terminou em Macau no final de setembro.

“Estou a filmar alguns ‘capoeristas’ em Macau e Hong Kong, e pessoas a ensinar português a chineses. Estou a questionar porque é que as pessoas querem aprender português e outras expressões da cultura brasileira, como o samba, a culinária”, afirmou.

Lázaro Faria tem registado “um interesse muito grande” na capoeira nos vários pontos onde tem filmado e considerou que a China não é exceção.

“Foi muito interessante ver as famílias, os pais e as mães a levar os filhos para a aula de capoeira, e vê-los interagindo com a língua portuguesa, a cantar músicas de capoeira e outras músicas também”, disse, a propósito da rodagem em Hong Kong.

Lázaro Faria, que permanece até ao próximo fim de semana em Macau, onde está também a realizar uma oficina de cinema, promete nova incursão no continente asiático em fevereiro do próximo ano.

“Depois de Macau e Hong Kong vou à Malásia, Filipinas e provavelmente ao Japão. Já filmei bastante, na Europa, nos Estados Unidos, em Los Angeles, em Nova Iorque, e acho que só falta a Ásia realmente”, adiantou.

O realizador espera ter o documentário “A roda do mundo” concluído até meados do próximo ano, e voltar a Macau para o lançamento do filme.

 

RODA DO MUNDO

 

O que consiste o Projeto.

Produzir um filme de longa metragem, viajando ao redor do mundo viajando aos lugares onde a capoeira chegou, decifrando este mistério e contando como foi, e como esta sendo hoje este encontro, que encanta  pessoas de todos os niveis culturais, que cura jovens na periferia,  que atrai as belas mulheres, que tem um espírito onde todas as culturas se encontram, e que fala todas as línguas, mas que também  divulga a língua portuguesa, como diz Caetano Veloso, minha língua é minha Pátria.

Mostrar também a mescla e o encontro com as culturas locais, o que aconteçer de interessante nas viagens de avião, trem , vans, onibus tudo que um filme como este permite, usando as experiências de Mandinga em Manhatan e outro recente que fizemos em toda a Colômbia,

Que Paises Iremos.

A ideia seria que o filme começaria com tres historias paralelas, entre os tres personagens, de tres gerações de capoeiristas, mestre João Grande,  Mestre Cobrinha, e Eric Marinho capoerista praticante da capoeira comtemporanea, falando mais para os jovens.  Los Angeles, New York, e Bahia.Da Bahia os eles viajaram para o Rio de Janeiro, Rio Luanda, Maputo e  a capital da África do sul, depois Portugal, França, Inglaterra,  Alemanha, Moscou, Croácia, Paquistão,  Xangai, Hong Kong, Japao, Nova Zelândia, Austrália, Havai, Los Angeles, New York, Porto Rico, México, Cuba,  Nicarágua, Colômbia, Argentina , São Paulo e Bahia, quando se chegar a Bahia,  um evento no Mercado Modelo, que acontecera de verdade e estara dentro do filme, a ideia e termos vários monitores grandes de plasma, ligados a internet via IP ( tecnologia de trasmissão de imagens via internet), a que utilizamos quando usamos um sistema como skype com camera) conectando todos os locais do mundo onde estivemos, quando  Mestre João Grande pega o berimbau faz um discurso sobre a paz no planeta flexibilidade e tolerância entre os povos citando o exemplo da capoeira, o berimbau soa alto e começa uma roda em cada lugar simultanemente, fornado-se a RODA DO MUNDO um cinturão de AXE em todo o Planeta.

Portanto a ideia e fazer um filme de longa metragem uma serie de talves 10 ou mais capítulos para Televisão, um evento no Mercado Modelo, um livro de viagens e fotografias, um dvd com extras e tudo  que tem direito.

Barbacena sedia o I Fórum Regional de Capoeira

De sexta-feira (28) a domingo (30) Barbacena sedia o I Fórum Regional de Capoeira. A abertura acontece às 19h na UEMG, campus Barbacena, com uma palestra do Mestre Ray, de Belo Horizonte.

No sábado (29), rodas de capoeira no centro da cidade. A partir das 15h, cursos de capacitação de capoeira no Cefec com a presença de vários grupos da região e de outros estados.  As inscrições podem ser feitas no dia e no local do evento.

O ponto alto do sábado será a presença do ator e capoeirista Ailton Carmo, protagonista do filme “Besouro”. O longa conta a vida de Besouro Mangangá, um capoeirista brasileiro da década de 1920 a quem eram atribuídos feitos heróicos e lendários. A exibição gratuita do filme será no auditório da Fundac, a partir das 19h.

O encerramento do festival será no domingo  (30), a partir das 10h, na Epcar, com entrada gratuita. Na oportunidade serão graduados cerca de 30 novos alunos. A promoção é da equipe Oficina da Capoeira Barbacena. De acordo com Nicollas Guilarducci, o objetivo do festival é “divulgar a capoeira e a cultura afro-brasileira na cidade”.

 

BARBACENA

Conhecer Barbacena é conhecer uma das regiões mais importantes de Minas Gerais. A mais de 300 anos, Barbacena marcou presença em momentos decisivos na História.
A cidade possui uma média térmica de 17º C, um clima agradável, favorecendo a fruticultura e a floricultura, especialmente a de rosas.
Barbacena é conhecida em todo o Brasil, e também no exterior, como a “Cidade das Rosas”, em função da grande produção de primeira qualidade desta flor. No Brasil, o município também é conhecido como a “Cidade dos Loucos”, pelo grande número de hospitais psiquiátricos instalados no local. A cidade atraiu esses manicômicos em decorrência da antiga idéia, defendida por alguns médicos, de que seu clima ameno, com temperaturas médias bem baixas para os padrões brasileiros, faz com que os ditos “loucos” fiquem mais quietos e menos arredios, supostamente facilitando o tratamento.
Além disso abriga a EPCAR (Escola Preparatória de Cadetes do Ar), várias pousadas e chalés na Serra da Mantiqueira, além de um parque industrial bastante diversificado.

Menino Joel vai ganhar filme sobre sua vida

O pequeno capoerista, que morreu dentro de casa por bala perdida, ficou conhecido como garoto-propaganda em uma campanha do Governo do Estado

Lembra do pequeno Joel, que sonhava em ser mestre de capoeira assim como seu pai e morreu, aos 10 anos, dentro do próprio quarto, com duas balas perdidas, possivelmente vindas da polícia militar, no Nordeste de Amaralina? A história comovente deste baianinho, que fez o Brasil chorar com sua morte, vai virar o filme ‘Menino Joel’, assinado pelo cineasta Max Gaggino. No documentário, estão depoimentos do seu irmão e da mãe. 

“Um dia antes de falecer, ele acordou dizendo pra meu pai que ia estudar e que ia juntar a família dele e ia tirar daqui, porque aqui não tava dando pra viver mais; ele não queria crescer vendo o cotidiano da forma que estava sendo levado”, revela o irmão do garoto no filme.

Em um post na página oficial da produtora MaxFilmes, o diretor resume: “Gravação do documentário do Menino Joel…esperamos que seja algo revolucionário!”

{youtube}ZSEp6-e3Cb0{youtube}

Fabricando uma estética da Capoeira : uma visão do documentário Fly Away Beetle

Verificamos que tem havido, nos últimos anos, uma produção crescente de documentários e filmes sobre a capoeira. Contudo, essa produção desde sempre existiu, embora circunscrita ao âmbito nacional e quase sempre envolta a outras temáticas da cultura afro-brasileira. Não era de espantar que esse crescimento exponencial se verificasse se tomarmos em conta o processo acelerado de globalização da capoeira e as apropriações diversas que a indústria cultural faz da cultura popular no mundo.

Um dos melhores exemplos de difusão da capoeira através dos meios audiovisuais foi o filme Only the Strong, lançado em 1993 e que no Brasil ganhou o nome de Esporte Sangrento. Visto em todo mundo, por milhares de jovens, o filme inspirou uma geração de praticantes que, não tendo acesso ao ensino formal da capoeira, deram início à sua prática através do filme. Mas não é isso que nos interessa de todo no filmes sobre a capoeira, se não a sua capacidade de gerar uma estética performativa que prende-se à invenção de um certo exotismo, de uma etnicidade, de uma tradição e uma certa tropicalidade que se reinventa ao longo dos tempos. O que seria do samba sem a figura eminente de Carmén Miranda, que ajudou a projetar o estilo musical por além-fronteiras e subscrever-lhe a certidão de nascimento como símbolo nacional brasileiro. Na década de trinta a cantora realizou, entre outros, dois filmes importantes, A voz do Carnaval e Banana da Terra, onde canta a celebre canção “O que é que a baiana tem?”, de Dorival Caymi. O mesmo ocorreu com o tango, que reforçou a sua argentinidade com os filmes realizados por Carlos Gardel na primeira metade do século XX. Nos exemplos citados do samba e do tango, observamos que, já em tempos idos, as indústrias cinematográfica e fonográfica andavam de braços dados na fabricação de símbolos e imaginários de uma certa estética da cultura popular que se, por um lado, levava audiências ao cinema, por outro, vendia discos. No que toca a capoeira, as trocas simbólicas tem favorecido, por conveniência, ambas as partes. Em verdade, podemos dizer que, de uma maneira geral, as artes visuais sempre se valeram da capoeira como elemento de exploração artística e estética ao mesmo tempo que fabricavam uma esteticidade para a capoeira. Veja-se os exemplos das pinturas de Carybé e as fotografias de Pierre Verger, tão famosas, hoje, em todo mundo.

Poderíamos aqui trazer um elenco muito vasto de filmes nacionais e internacionais que trataram a capoeira: Barravento, O pagador de Promessas, Dança de Guerra, Cordão de Ouro,, Pastinha: uma vida pela capoeira, Capoeira Iluminada, Mandinga in Manhattan, Besouro, entre outros tantos que escapam a essa lista. Fly Away Beetle surge na sequência desses filmes e, de uma certa forma, como uma extensão de todos, sobretudo os de caráter documental, embora na sua linguagem estética se afaste deles.

O documentário traz o depoimento de alguns mestres respeitados como guardiões, ainda vivos, da capoeira, a exemplo de Boca Rica, Olavo dos Santos e Cobra Mansa. Para além disso, traça o percurso de vida de Roque Batista, jovem que tendo saído dos meios mais desfavorecidos da capital baiana, foi resgatado da marginalidade para tornar-se um professor de capoeira. O enredo não é de todo desconhecido para nós capoeiristas: a capoeira como prática de resgate dos mais desfavorecidos e a capital baiana, abrigo dos principais interlocutores da tradição da capoeira, em verdade a Meca da capoeira para alguns e epicentro da cultura afro-brasileira.

Para além dos renomados mestres e de Roque Batista, destacamos que o filme tem muitos outros personagens secundários que, apesar da sua pouca visibilidade, desempenham um papel importante no discurso que o filme apresenta em suas entre-linhas. Falo dos capoeiristas que, em visualização mais acelerada, deferem golpes num bailado típico da capoeira contemporânea. A exibição dos corpos e dos cenários urbanos da capital baiana ressaltam uma estética da capoeira morena e tropical. Chama a atenção que grandes partes das tomadas são feitas ao ar livre, nas praças, Igrejas e locais públicos onde se joga bola, onde a baiana vende seus produtos e coexiste a capoeira. São essas mesmas cenas que, em  Fly Away Beetle, contrastam com os depoimentos dos mestres mais antigos, Boca Rica e Olavo dos Santos, os quais, por meio de suas próprias histórias, nos transportam para uma época de uma capoeira marginal, violenta, perseguida, desvalorizada, repudiada pela sociedade. É através dessa relação que Fly Away Beetle nos apresenta um paradoxo e ,certamente, o que o filme trás de mais importante. A capoeira, prática desenvolvida no Brasil por escravos africanos e seus descendentes diretos – assim como o samba e outras manifestações de matrizes africanas, até pouco tempo relegadas ao status de “coisa de preto” – completou a sua transição entre polos opostos, deixando de ser vista pelas elites como “um dos fatores da nossa inferioridade como povo”, alcançando os meios artísticos e constituindo, hoje, um dos símbolos da nossa identidade nacional. No entanto, a história de Roque Batista aparece no filme para nos lembrar que, apesar da capoeira ter chegado em Hollywood, a população afro-brasileira continua confinada à marginalidade, à pobreza e à miséria, carentes de projetos sóciais ou de uma tábua-de-salvação como o samba, o futebol ou a capoeira, que lhes resgate da exclusão social.

No mais, vale a pena estabelecer uma relação entre Fly Away Beetle e o filme Besouro, lançado no ano passado. Besouro, cuja história se passa na velha Bahia, trás a figura de Mestre Alípio, que tal como os Mestres Olavo, Boca Rica e Cobra Mansa, representam o mestre ancião, guardião das tradições, mestre de Besouro. Recordamos também que Besouro passa grande parte do tempo na mata selvagem, onde entranha-se com os seres da floresta e a sua tropicalidade espiritual. O Besouro de Fly Away Beetle é Roque e a sua mata é a selva urbana de Salvador, recheada de perigos que conduzem o homem a desordem social, ao caos e a entropia. O seu elemento de metamorfose de homem em inseto voador é a capoeira, mágica, negra, mestiça, tropical, ancestral, ritualizada num mundo cada vez mais secularizado.

Apesar da obviedade e da natural desconstrução que se impõe, não posso deixar de enfatizar que em grande parte a capoeira tem de fato estado a serviço da cidadania e do resgate da cultura afro-brasileira. Roque Batista é um entre tantos brasileiros a quem a capoeira deu existência, seja por que tornou-se um dos divulgadores da arte, seja por que o filme inventou-lhe o personagem na vida e em particular no mundo da capoeira.

A conversão do popular em objeto estético é uma magia que o cinema bem sabe fazer, adoçada pelas imagens da não menos mítica capoeira, em tempos pós-modernos. Não espanta que a estreia do filme na Europa fez-se em duas grandes metrópoles pós-coloniais como Lisboa (Universidade de Lisboa) e nos auditórios de Londres, onde as platéias globalizadas consomem o que na periferia mundial se produz. Roque and roll, afinal, são produtos globais.

Ricardo Nascimento

Geógrafo

Mestre em Sociologia da cultura

Doutorando em Antropologia

Professor de capoeira

Tekken o filme

O famoso Eddy Gordo que começou com o grande Mestre Marcelo Caverinha que vive na California, e colocou todos os seus movimentos de sua capoeira plástica e eficiente, nos deixando o maravilhoso jogo para video game, que a melhor jogabilidade é com este personagem o Eddy, que agora no filme é protagonizado por Lateef Crowder *.

O foco do filme é em Heihachi Mishima, o líder da organização corrupta Tekken que está sendo investigado por assassinato. Em 2039, ele inicia um torneio de artes marciais para eleger o “Rei do Punho de Ferro”, lutador que ganhará a chance de se tornar seu guarda-costas pessoal. Porém, conforme alguns lutadores se reúnem, percebem que estão ligados por algo mais que seu desejo em parar com o reinado de Mishima.

Read More