Portal Capoeira A memória como projeto: tensões e limites da patrimonialização da capoeira
Download
Download is available until [expire_date]
  • Version
  • Download 29
  • File Size 4.3 MB
  • File Count 1
  • Create Date 2 de Julho, 2022
  • Last Updated 2 de Julho, 2022

A memória como projeto: tensões e limites da patrimonialização da capoeira

A memória como projeto: tensões e limites da patrimonialização da capoeira

CID, Gabriel da Silva Vidal, A memória como projeto: tensões e limites da patrimonialização da capoeira. 2016, 193f. Tese (Doutorado em Sociologia) – Instituto de Estudos Sociais e Políticos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016. O objetivo da tese é discutir as dinâmicas existentes entre grupos de capoeira, localizados no Rio de Janeiro e as ações do Ministério da Cultura que, a partir de 2006, voltaram-se para a patrimonialização da prática da capoeira.

Em seu processo histórico, a relação entre políticas públicas e práticas da capoeira passou por diversas mudanças. Ao longo dos séculos XVIII e XIX, houve uma forte repressão sobre os capoeiristas.

Nas primeiras décadas do século XX, já no período republicano, não só a repressão arrefeceu, como surgiram projetos que procuraram compreender e transformar as práticas existentes em atividades esportivas e culturais. Neste sentido a capoeira passa ao longo do século XX por processos de identificação na sociedade brasileira, determinando identidades possíveis à mesma.

Estes processos acontecem em meio a tensões imersas no interior do próprio grupo, mas em constante debate com intelectuais e as ações do Estado que atuam sobre a prática. Em 2008 outro giro acontece com o reconhecimento da capoeira como patrimônio cultural imaterial do Brasil, trazendo o Estado para o interior da prática com novos termos. Visando compreender este processo, a tese, inicialmente, faz uma exegese das ações para o patrimônio cultural, inserindo-as de forma ampliada nas políticas para a cultura, sendo necessário um debate da influência da ideia de Estado-nação e cidadania na definição de bens que representam determinado grupo social.

Posteriormente o texto busca a interpretação das ações no âmbito das políticas culturais voltadas à capoeira entre os anos de 2003 e 2016, período entendido como de inflexão nas políticas culturais no Brasil. Estas ações foram analisadas com base no acompanhamento do processo de patrimonialização no âmbito do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Palavras-chave: Políticas Culturais. Patrimônio Cultural. Capoeira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.