Blog

Novembro 2008

Vendo Artigos de: Novembro , 2008

Aconteceu: Fórum Paranaense de Capoeira

Aconteceu no último sábado e domingo a segunda edição do Fórum Paranaense de Capoeira, no Memorial da Curitiba, a partir das 9h. Organizado pelo Centro Cultural Humaitá, que trabalha pela valorização da cultura afro-brasileira, o evento vai ter ainda o Festival de Cantigas e o Forum Feminino.

Entre os convidados para falar estão os Mestres Bigo – que foi aluno de Pastinha -, Lito, Zumbi e a “velha guarda” da capoeira local. A Velha Guarda, explica Candiero, capoeirista idealizador do encontro e do Centro Cultural, foi listada na edição passada, numa primeira tentativa de mapear a capoeira no Paraná. “Sãos os Mestres mais antigos, vários deles responsáveis por trazer de suas terras a capoeira para o Paraná. Eles foram eleitos para ajudar a cuidar dessa cultura”, comenta. As manhãs dos dois dias serão em torno do tema mulher na capoeira, com aulões, inclusive.

Haverá debates sobre questões pertinentes à capoeira que, em 2008, foi reconhecida como patrimônio cultural do Brasil. Depois de quase ser cancelado por tensões com o Ecad – que queria cobrar direitos autorais das cantigas de capoeira que são de domínio popular – agora está tudo certo.Candiero está habituado a driblar a falta de apoio ao esporte de fortes raízes culturais. Sobre o Centro Cultural Humaitá, ele diz que é tudo ainda muito recente, estamos nos organizando juridiamente para poder buscar mais apoios em leis de incentivos.

Já ganhou um, o Capoeira Viva, do Ministério da Cultura, para o Museu da Capoeira Paranaense, adianta. A intenção do Forum Feminino, diz ele, é refletir sobre a presença da mulher. “Antigamente elas não participavam, mas hoje são muitas e isso exige mudanças de comportamento. É preciso lembrar que roda violenta afasta criança, mulher e idosos e a capoeira é para todos. Estamos chamando as pessoas pra jogar no campo das idéias”.

Fonte: http://www.bemparana.com.br

Capoeira revê cenário da escravidão em patrimônio histórico nos Jogos Abertos

Com um clima cultural, histórico e esportivo, em um dos barracões do Engenho Central de Piracicaba, durante todo dia de ontem cerca de 205 atletas se revezaram em duplas para mostrar o melhor da arte de jogar capoeira. Abrindo a competição, no segundo dia dos 72º Jogos Abertos do Interior (JAI) Horácio Baby Barioni, uma expressiva platéia observava atentamente os gingados de homens e mulheres que representavam 55 cidades.

Ao som do berimbau, comissão técnica, representantes de federações e amantes da capoeira, procuravam um espaço próximo das rodas para ver de perto os gestos e expressões de cada capoeirista que competia dentro das rodas.

Caracterizada como uma das expressões culturais mais significativas da história afro-brasileira, a capoeira remonta ao período de escravidão e opressão aos negros até o fim do século 19. Ainda ativa sob efeito dos valores que a criaram, a arte marcial vivenciou um profundo momento de revitalização histórica nos Jogos Abertos do Interior, em Piracicaba.

 

A competição foi sediada justamente dentro de um dos patrimônios históricos mais significativos da região: o Engenho Central, localizado às margens do rio Piracicaba. Desde sua construção, em 1881, o local tornou-se uma ponte histórica até o fim efetivo da atividade escravista no Brasil, sete anos mais tarde, com a criação da Lei Áurea.

As paredes de tijolo e os vidros quebrados em meio à área verde da região formaram o cenário ideal para a disputa competitiva da capoeira nos Jogos Abertos. O ambiente quente de um dos galpões adaptado de maneira rústica para receber o campeonato deu um charme extra ao torneio estadual.

"A capoeira é uma mistura de esporte e cultura. Ela tem esses dois lados. Levamos a modalidade ao Engenho para agregar esse lado esportivo com a cultura do local. Existe toda uma identificação com o esporte pela história do lugar e o que ele representa para a cidade", explicou Luiz Antônio Chorilli, diretor técnico da Secretaria de Esportes do município.

 

Jogos Abertos do Interior, em PiracicabaVinculada ao cultivo da cana em massa até o início do século 20, Piracicaba polarizou a economia da região no interior de São Paulo. O Engenho Central, fundado em 1881, foi o grande símbolo do desenvolvimento da cidade na época. Mais de um século depois, o local sobrevive como um patrimônio histórico e como anfitrião de eventos especiais, como festas e a própria disputa da capoeira nos Jogos Abertos.

O ambiente contagiou boa parte dos participantes, como o representante de Catanduva na categoria leve, Cícero Cerqueira Leite, de 27 anos. Experiente no assunto, o atleta perdeu o braço esquerdo em um acidente,12 anos atrás, quando cortava cana em uma ensiladeira (maquina picadora).

Apelidado de "Fera Negra" por sua persistência e por disputar a modalidade contra rivais sem deficiência, o capoeirista destacou a emoção de participar do torneio em um lugar de grande importância histórica para o açúcar brasileiro e, principalmente, a relação com as origens da capoeira, criada na época da escravidão.

"A capoeira é uma expressão de liberdade. Já sabia disso antes do meu acidente e percebi isso mais ainda depois dele. O esporte me ajudou muito e sou grato por poder ‘jogar’ de igual para igual com qualquer um em lugar como esse e em um torneio importante como os Jogos Abertos", declarou Cícero, momentos antes de ser eliminado da disputa pelos primeiros lugares.

Jogos Abertos do Interior, em PiracicabaO árbitro Orestes Ceroles concordou com o competidor. O juiz fez questão de destacar o aumento da popularidade da capoeira competitiva e defendeu que este tipo de integração histórica com o local da prática do esporte pode atrair ainda mais praticantes para a modalidade.

"É um esporte genuinamente brasileiro e é por causa do prestígio da capoeira que ela é disputada nos Jogos Abertos do Interior. Foi uma boa idéia trazer o torneio para cá. Aqui é tudo antigo e olha quanta gente atraiu", disse o árbitro, apontando para um grupo de oito pessoas que assistia ao torneio do lado de fora da entrada do galpão.

 

 

 

Fonte: http://esporte.uol.com.br/ – Gazeta de Piracicaba

RJ: WORLD FIGHT CAPOEIRA MUZENZA

Introdução

As cidades de Niterói e Rio de Janeiro foram escolhidas para o 5° Campeonato Mundial Aberto de Capoeira Muzenza / 2° World Fight Capoeira / 1° Festival Internacional de Cantigas de Capoeira / 1° Concurso de temas Livres de Capoeira. Não é só pela sua história de Capoeira na era colonial como pela sua posição geográfica estratégica possibilitando a vinda de capoeiristas do mundo inteiro. Sua beleza arquitetônica, suas belas praias, samba e a alegria do carioca nos faz chegar ao equilíbrio, portanto a presença dos mestres conhecidos mundialmente vem dar celebridade aos grandes eventos realizados pelo Grupo Muzenza.

Objetivo:

Promover o intercâmbio entre os vários segmentos da comunidade capoerística; A troca de conhecimentos e experiências sócio-culturais; O aprimoramento técnico-tático e estético-ritual da prática da Capoeira e demais interessados, que trabalham com a Capoeira.

Apresentação:

A Capoeira tem sido sempre objeto de grandes especulações e assim, como tudo que se refere as manifestações populares, ela tem a sua história marginalizada e descaracterizada.

Existem várias teorias sobre a origem de capoeira. A mais aceita é a que ela é uma mistura de diferentes danças, ritmos, lutas, instrumentos musicais, vindos de diferentes etnias e de diferentes partes da África, e que esse mistura ocorreu aqui, no Brasil, na época da escravidão; a capoeira é a brasileira, filha da mãe africana.

Após o período da escravidão, ela começa a ser tão perseguida e até ser posta fora da Lei pela constituição da república em 1890. É um período de grandes marginalidades. Mais ela surgiu marginalizada e “rica”, com um período fértil e um saldo de feitos e estórias que criaram verdadeiros mitos no mundo da capoeragem ou em qualquer outro lugar, onde a estórias fosse descritas pela ótica do povo e não a das classes dominantes.

Por volta de 1930, dentro de um contexto histórico de grande crise econômica e a necessidade política de amenizar as reivindicações e revolta dos populares, o governo se vê obrigado a ceder para não perder o controle. É o advento do “Estado Novo”, que cria sindicatos e libera uma série de manifestações populares, dentre essas a capoeira, enquadrada com normas e regras para sua prática no “folclore nacional”.

A capoeira se desenvolve, tecnicamente, ganha novas características e uma metodologia de ensino e no entanto, perde também, características fundamentais de sua essência.

O mundo da capoeira reage e o grupo Muzenza resolve fazer um trabalho, independente de regras e normas tão estranhas a seus valores e propósitos, buscando, no passado de lutas sociais e culturais (não pessoais), o caminho que dê à capoeira a sua verdadeira identidade.

Mestre Burguês

Programação:

Dia 17 de Janeiro de 2009

– Chegada das delegações

– Roda na praia

– 22h. visita a Escola de Samba

Dia 18 de janeiro de 2009

– Praia e muito surf.

– Roda nos Arcos da Lapa – Centro do Rio de janeiro

– Passeio Turístico

Dia 19 de janeiro de 2009

Local: CIEP Tancredo Neves – Rua do Catete 77 – Bairro Catete – Rio.

– Treinamento intensivo com Mestre Burguês

Dia 20 de janeiro de 2009

Local: CIEP Tancredo Neves – Rua do Catete 77 – Bairro Catete – Rio.

– Treinamento com os Mestres: Sargento (Portugal) – Feijão (Espanha) – Goiorê – Zambi (São Paulo)

– Mestre Sargento e Mestre Feijão – Seqüências de ensino do Mestre Burguês (Método Muzenza de ensinar)

– Mestre Goiorê – Seqüência de Mestre Bimba

– Mestre Zambi – Cintura desprezado do Mestre Bimba

Dia 21 de janeiro de 2009

Local: Clube Canto do Rio – Centro de Niterói, ao lado do Plazza Shopping – das 13h. às 24h.

– Curso com o Contra Mestre Fabinho (Espanha) – Recreação na Capoeira aplicada em escola.

– Curso de Maculelê – Mestre Edvaldo Baiano (Rio de janeiro)

– Curso com Mestre Arerê (Rio de janeiro) – Aula de introdução a Capoeira Angola

– Curso com Mestre King (Rio de janeiro) Capoeira Regional Contemporânea

– Curso com Mestre Levi (Rio de janeiro) – Aula de fundamentos, tradições e rituais da Capoeira tradicional

– Curso com Mestre Korvinho (Rio de janeiro)

– Palestra com Mestre Squisito

– Festival Internacional de Cantigas de Capoeira – Eliminatórias

Dias 22 de janeiro de 2009

Local Clube e Canto do Rio e SESC Niterói

– Das 10h. às 15h. Clube Canto do Rio

– Das 16h. às 21h. – SESC Niterói

– Mestre Carson (Porto Alegre – RS) – A importância do alongamento e da flexibilidade na capoeira – Finais

– Palestra com Mestre Itapoãn (Bahia)

– Palestra com Mestre Paulão (Rio de janeiro) – O Profissional de Capoeira e os conteúdos pedagógicos.

– Formatura dos novos Monitores, Instrutores, Professores, Contra-Mestres e Mestre do Grupo Muzenza

Dia 23 de janeiro de 2009

– Curso com Mestre Raimundo Dias (Salvador Bahia) – Capoeira Angola

– Curso com Mestre Pinatti (São Paulo)

– Curso com Mestre Boca Rica (Salvador Bahia)

– Curso com Suino (Goiânia Goiás)

– Palestra com Mestre Gladson (São Paulo)

– Aulão de Aeroginga (Carson – Porto Alegre)

– Eliminatórias do 5° Mundial Muzenza Aberto Individual Masculino e Feminino

Dia 24 de janeiro de 2009

– Roda de Mestres

– Finais do individual

– World Capoeira Fight Muzenza

E para abrilhantar o evento do Grupo Muzenza, aulas de surf e danças (axé, afro, funk e samba)

Clientela:

Professores

Capoeiristas em Geral

Professores de Ed. Física

Simpatizantes

Inscrições:

Fazer depósito:

Banco Bradesco – Ag. 49-3 – Conta Corrente 117336-7

Unibanco – Ag. 0325 – Conta Corrente 225348-3

Em favor de: ANTONIO CARLOS MENEZES (Mestre Burguês)

Após efetuar depósito envias fotocópia para o endereço: Av. Roberto Silveira, 348 Apto. 103 Bloco B – Icaraí – CEP 24230-161 – Niterói – Rio de janeiro – Brasil

Informações:

E-mails: grupomuzenza@hotmail.com

Fones: (21) 9824-0348 / (21) 9190-3234 / (21) 9364-3069

SITE: www.mundialmuzenza2009.com.br

www.worldfightcapoeira.com.br

 

Categorias

  • Galo – até 58 kg
  • Pena – 58,100 kg até 65 kg
  • Leve – 65,100 kg até 72 kg
  • Médio – 72,100 kg até 79 kg
  • Meio Pesado – 79,100 kg até 86 kg
  • Pesado – 86,100 kg até 93 kg
  • Super Pesado – acima de 93 kg
  • Absoluto: Qualquer peso pode lutar nesta categoria

 

 

Regulamento

1) Das Inscrições:

As inscrições: Deverão ser enviadas pelo Correio para o GRUPO MUZENZA:

Av. Roberto Silveira, 348 – AP. 103 Bl. B – Icaraí – Niterói – RJ – CEP 00000000

Obs.: não serão aceitas inscrições por e-mail.

Para inscrição deverá constar:

Nome:
Peso:
Apelido:
RG:

Para estrangeiros número de Passaporte:

Data de nascimento:
Nome do grupo que pertence:
Cidade:
Estado:
País:
Email:
Telefone:
Termo de Responsabilidade:

2) Das Categorias:

Galo – até 58 kg

Pena – 58,100 kg até 65 kg

Leve – 65,100 kg até 72 kg

Médio – 72,100 kg até 79 kg

Meio Pesado – 79,100 kg até 86 kg

Pesado – 86,100 kg até 93 kg

Super Pesado – acima de 93 kg

Absoluto: Qualquer peso pode lutar nesta categoria

2.1 – Só poderão competir atletas (comprovadamente) maiores de 18 anos de idade.

2.2 – Cada luta será de 3 rounds com duração de 1 min e meio por 1 de descanso.

2.3 – Em caso de empate, será decidido pelos jurados

2.4O piso será de material emborrachado para preservar a integridade dos atletas.

2.5 – Cada atleta poderá ser acompanhado por um técnico que poderá dar assistência nos intervalos das lutas.

2.6 – Cada atleta irá assinar um termo de responsabilidade onde reconhece todo regulamento, concordando e assumindo todas as responsbilidades pela inscrição na competição WORLD FIGHT CAPOEIRA MUZENZA.

2.7 – A pesagem será realizada com material (balança) da própria organização do evento, sendo realizado um dia antes da competição.

2.8 – Os Atletas poderão passar pela vistoria de anti-doping por sorteio realizada pela organização do evento.

2.9 – A competição será de 4 atletas por categoria que farão 2 lutas sendo considerado um único campeão e um vice-campeão por categoria.

3) Da Arbitragem:

3.1 – O sistema de arbitragem contará com: Um árbitro central que irá conduzir os combates tendo autoridade para parar ou repreender os atletas bem como desclassificar mediante as regras

3.2 – Serão 5 jurados que irão pontuar cada atleta.

3.3 – Será um Cronometrista que fará a contagem do tempo de combate e descanso.

4) Das regras e penalidades

4.1 – As avaliações feitas pelos jurados serão: ATAQUE – DEFESA – EFICIÊNCIA – VOLUME DE LUTA

4.2 – Serão permitidos golpes, quedas, floreios bem como toda a movimentação normal de uma roda de CAPOEIRA.

4.3 – Será penalizado (desclassificados) os atletas que:

• Pararem de gingar

• Caracterizarem outra luta

• Deixem a roda de combate com os dois pés por mais de 3 vêzes

• Desrespeitarem por intermédio de gestos obscenos ou palavras de baixo calão

• Desferirem golpes não permitidos: cabeçadas traumatizantes, dedo nos olhos, cotoveloadas, socos, agarrões (jiu-jitsu), joelhadas, chutar

quando estiver na negativa ou atingir o adversário no chão.

• Os atletas poderão usar joelheiras, cotoveleiras e tornozeleiras de material elástico pré liberado pela direção da organização.

• Os materiais proibidos para os atletas serão: óculos, cordões, anéis, relógios, tenis, sapatilhas etc

5) Das premiações

5.1 – As premiações serão dadas aos primeiros e segundos lugares por cada categoria:

1º Lugar: Cinturão e premiação em dinheiro

2º Lugar: Troféu e premiação em dinheiro

3º Lugar: Troféu

6) Do Congresso Técnico

6.1 – O Congresso Técnico Realizar-se-á logo após a pesagem

7) Ritmo

7.1 O toque a ser usado será de São Bento Grande da Regional

Na Semana da Consciência Negra, Quilombolas é tema de programa ao vivo e interativo

Na semana da Consciência Negra, o Sala de Convidados, do Canal Saúde/Fiocruz, debate ao vivo a situação das comunidades Quilombolas, terça (18), às 13h. Apesar de protegidos por lei, mais da metade ainda não conseguiu a propriedade da terra. Esse é apenas o primeiro problema. Falta também: água encanada, saneamento básico, escola e transporte públicos, energia elétrica… O que fazer para evitar que as novas gerações tenham de enfrentar todas essas adversidades? Participe ao vivo.

Conheça Saracura, um dos 244 Quilombolas do Pará. Localizado à uma hora de Santarém, é a casa de mais de 130 famílias, que tiram do rio Tapajós o seu sustento. E acompanhe como foi o 1º Encontro Estadual da Juventude Quilombola do Rio de Janeiro, realizado em outubro.

Participe: Assista na Embratel, NBR ou WEB (www.canalsaude.fiocruz.br) e dê sua opinião no chat ou pelo telefone 0800-701-8122. Antecipe suas perguntas pelo e-mail canal@fiocruz.br.

 Na Semana da Consciência Negra, Quilombolas é tema de programa ao vivo e interativo

Quilombolas – As comunidades quilombolas, formadas por remanescentes de quilombos, são grupos étnicos, predominantemente constituídos pela população negra rural ou urbana, que se autodefinem a partir das relações com a terra, o parentesco, o território, a ancestralidade, as tradições e práticas culturais próprias. Os territórios quilombolas tiveram seu primeiro reconhecimento com a Constituição Federal de 1988. No Brasil, existem mais de 2.500 comunidades quilombolas. Menos da metade oficialmente registrada. Boa parte delas não oferece condições básicas de sobrevivência.

Sala de Convidados – Na internet, acesse , clique na TV com a inscrição “ao vivo” e participe a partir do chat associado à transmissão. Se preferir, antecipe suas perguntas: canal@fiocruz.br. No caso da televisão, é necessária uma antena parabólica conectada ao aparelho. Pela Embratel, o programa será veiculado na freqüência do Canal Saúde (polarização horizontal 3.930 Ghz ou 1.220 Mhz). Para saber como sintonizar a NBR em sua cidade, acesse http://www.radiobras.gov.br/nbr/cidadesnbr_2004.htm ou http://www.radiobras.gov.br/estati-co/tv_nbr_sintonize.htm. A Sala de Convidados é apresentado por Renato Farias.

Canal Saúde/Fiocruz : Quilombolas: sonho e realidade. A conquista da terra ainda é o maior desafio. Conheça as outras prioridades

Terça (18), às 13h, ao vivo na NBR ou em www.canalsaude.fiocruz.br. Acesse e participe

Assessoria de Comunicação – Canal Saúde/Fiocruz

Marcelo de Castro Neves

(21) 2598-2703 / 2598-2472 / 2560-6818 / 0800-701-8122 / ascom@fiocruz.br
Canal Saúde/Fiocruz

Levando educação em saúde e cidadania para todo o Brasil

Bailarinos do Axé são convidados da Quinta da Dança

Crianças e adolescentes que integram o Projeto Axé Capoeira, serão a próxima atração do Quinta da Dança, projeto semanal na programação permanente do Pelourinho Cultural. A apresentação será na quinta-feira, dia 13, às 20h, no Largo Pedro Archanjo, sob a direção de Ivete Ramos da Cia. de Dança Gicá do Projeto Axé.

Intitulado Da Rua para a Lua terá, o espetáculo que será mostrado conta com a participação da Orquestra de Berimbau, formada por membros do Axé Capoeira com a supervisão de Gui Alcântara e sob a regência de Sylvia Britto.

O coreógrafo Eduardo Vieira reservou, ainda, uma mostra performática com alunos do projeto e a participação criativa de bailarinos da Escola de Dança do Axé Capoeira. Também a Cia. de Dança Gicá do Projeto Axé, titular do espetáculo, preparou três coreografias exclusivas para o Projeto Quinta da Dança, realizado em parceria com a Fundação Cultural do Estado da Bahia.

A noite contará com as apresentações das coreografias de Ivete Ramos, Nordeste Derradeiro e Capoeira Bicho. Para o encerramento, será encenada a performance que dá nome ao espetáculo, Da Rua para a Lua, coreografia de Marcelo Moacir, adaptada por Ivete Ramos.

Fonte: http://www.atarde.com.br

Aconteceu: Fórum Social de Capoeira

Foi realizado nos dias 06 a 09 de novembro de 2008, o Fórum Social de Capoeira, na cidade de Belém do Pará. Evento este que marcou a capoeira, pois trouxe inovações na maneira de se fazer eventos de capoeira no Estado. Com o objetivo de alcançar todas as classes na capoeira(Mestres, pais, alunos e etc), foram realizados 4 dias de muito capoeira, sendo iniciado na quinta – feira, dia 06 de novembro com palestra sobre o tema: Leis de incentivo a cultura, ministrada pelo chefe da representação do Ministério da Cultura(MINC), Delson Cruz. No qual mostrou as leis que incentivam a cultura em nosso país e sobre a importancia de como confeccionar bons projetos para a captação de recursos, também foi ensinado como legalizar as associações e os grupos de capoeira já existentes.

Na sexta – feira, foi realizado pela manhã, no museu Paraense Emiliu Goeld um passeio no qual o objetivo era a da preservação ambiental de nossa fauna e flora, após foi realizado uma oficina de maculelê e apresentações de capoeira angola. Pela tarde foi realizado a exibição do Filme: Mestre Bimba e a capoeira iluminada, longa-metragem que mostra a vida do criador da capoeira regional, com entrevistas com alunos de Bimba, filhos e esposas.

Segundo Nazaré Dias(Diretora do Espaço Cultural Cinema Olimpia), este evento foi pioneiro na historia da capoeira no Pará, pois possibilitou a exibição de um documentário/filme de capoeira no Estado, sendo que isso nunca havia acontecido antes, tendo um peso maior, pois o "Olimpia" é o cinema mais antigo em funcionamento do Brasil…esperamos que proxímas oportunidades apareçam(…) Após a exibição do filme foi realizada uma roda com as pessoas que foram prestigiar o evento.

No Sábado, dia 09 foi realizado passeio pelo Jardim Botânico de Belém(Bosque Rodrigues Alves), sendo realizada uma grande roda de capoeira nas ruinas de forte amazônico, a noite foi realizada o batismo e a troca de corda no centro histórico de Belém, a casa das 11 janelas e contou com a participação de vários capoeiristas.

Acho que o objetivo principal foi alcançado neste evento, pois trabalhamos o social como está no nome do evento, a cultura, tivemos atividades voltadas para crianças, professores de capoeira, Mestres e etc. Foi muito valioso este evento. Em 2009 todos estão convidados para o 2° Fórum Social de Capoeira, que será realizado sempre na segunda semana de novembro.

Axé a todos.

MAC IVER BECKMAN

Campinas: ZUMBIMBA – 2008

No dia 15 de julho de 2008, a Capoeira foi reconhecida como Patrimônio Cultural e registrada como Bem Cultural de Natureza Imaterial, confirmando ser importante manifestação brasileira. Nesta perspectiva, a Filhos de Bimba Escola de Capoeira comemorará a 17ª ZUMBIMBA, festa anual em homenagem ao Mestre Bimba e a Zumbi dos Palmares. Ambos, brasileiros negros que criaram estratégias de resistência e lutaram contra o apagamento ou marginalização de seus ideais, cultura e filosofia de vida, tornando-se assim grandes heróis da História do Brasil.

A ZUMBIMBA começa no dia 20 de novembro, dia Nacional da Consciência Negra e terminará no dia 23. São quatro dias de celebração. Nesta festa estarão presentes parentes e amigos dos capoeristas, alunos formados e professores de diversas partes do Brasil e do mundo e apreciadores da Capoeira. De acordo com a programação do evento, os dois primeiros dias ocorrerão no Forte da capoeira, no Santo Antônio Além do Carmo, a partir das oito horas da manhã. Nestes dias, serão realizadas rodas de capoeira, diversos cursos, apresentação da Turma do Bimba e das Tijubinas, além da entrega do certificado do “Regional do Ano”, prêmio dado ao capoeirista destaque nas rodas de sábado na escola. No terceiro dia – 22 de novembro – acontecerá a Formatura, a partir das 10h, na Fundação Mestre Bimba – FUMEB, no Pelourinho. No último dia – 23 de novembro – haverá uma roda de capoeira na Praça do Mestre Bimba em Amaralina, às 10h como homenagem ao aniversário do criador da Capoeira regional.

Todos os dias serão especiais para Capoeira, porém neste ano, como já foi dito, acontecerá a Formatura que, em seu sentido mais comum, é o fim do caminho, a linha de chegada. Todavia, para a Capoeira Regional é o momento mágico em que os alunos iniciam sua trajetória de capoeristas. É o começo, o ponto de partida. Segundo Mestre Nenel, Presidente da Fundação Mestre Bimba e Mestre responsável pela Filhos de Bimba Escola de Capoeira: a formatura é o momento em que o aluno já está preparado “para encarar tanto a capoeira na roda quanto a capoeira da vida”. É um momento ímpar em que os formandos são prestigiados em uma grande festa, acompanhada por muita música.Os discípulos do Mestre Bimba e outros capoeiristas fazem uma roda em homenagem aos formandos, ocorre apresentação de um belíssimo Show cultural, com direito a Samba de roda, Maculelê e Puxada de Rede. Os formandos assistem a tudo, mas o ponto alto do evento é quando estes podem demonstrar sua destreza e habilidade nas artimanhas da capoeiragem. Ao final recebem uma medalha que tem a mesma simbologia de um diploma.

Sem dúvida, estes serão dias de muita festa e alegria em que se celebrará a Capoeira Regional e suas tradições. Além disso, será possível divertir-se muito e conhecer um pouco mais da tão dinâmica e plural Cultura Brasileira. O evento é aberto ao público e não há necessidade de comprar ingressos. No sábado, dia da Formatura, a entrada será trocada por um quilo de alimento não perecível a ser doado a uma Instituição sem fins lucrativos.

Luciana Sacramento Moreno Gonçalves. Mestre em Educação pela Universidade do Estado da Bahia – Uneb.

Japão: Festival reúne participantes de 20 países em Kyoto

Os brasileiros também marcaram presença e a capoeira foi um dos destaques no Festival de Kyoto, Japão.

Na 4ª edição do Festival da União das Culturas no parque Okazaki em Kyoto, no dia 9, o que não faltou foi intercâmbio. Cerca de 800 pessoas de 20 países participaram do evento, que teve barracas de comidas típicas e artesanatos, workshops e apresentações de música e dança.

Crianças brasileiras participaram do workshop de capoeira com voluntários de Kansai.

A decoração ficou por conta da brasileira Luiza Ashida, que utilizou balões em vários formatos. A capoeira foi um dos destaques, e tanto a apresentação quanto a oficina reuniu pessoas de várias idades.

Fonte: ipcdigital.com

Mestre de capoeira recebe condecoração na Casa Branca

O baiano Jelon Vieira (mestre Jelon) foi agraciado com o National Endowment for the Arts – NEA, em Washington – DC

A National Endowment for the Arts – (NEA) anunciou em maio desse ano os agraciados com o NEA National Heritage Clubes, a condecoração do gênero mais alta do país. As 11 Eleven fellowships, which include a one-time award of $20,000 each, are presented to honorees from eight states and Puerto Rico.bolsas, que incluem um prêmio de US$ 20 mil cada, foram distribuidas entre residentes em oito estados, incluindo Porto Rico. Ente ano, entre os agraciados está o mestre de capoeira Jelon Vieira, radicado nos Estados Unidos desde meados da década de 70. A cerimônia de entrega dos prêmios ocorreu em setembro e teve lugar em Washington – DC, capital norte-americana.

The NEA National Heritage Fellowships program is made possible through the support of the Darden Restaurants Foundation and family of Red Lobster, Olive Garden, LongHorn Steakhouse, The Capital Grille, Bahama Breeze, and Seasons 52 restaurants.O NEA National Heritage Fellowships programa é possível graças ao apoio da Fundação Darden Restaurants & Family, Red Lobster, Olive Garden, Longhorn Steakhouse, O Capital Grill, Bahama Breeze, e Seasons 52 restaurantes.

These awardees were chosen for their artistic excellence and contributions to our nation’s cultural heritage.foram escolhidos pela sua excelência artística e contribuições ao património cultural da nação. They represent a cross-section of ethnic cultures and traditions including Native American, Peruvian, Ethiopian, Brazilian, and Korean and art forms ranging from saddlemaking and dance to bluegrass music and drum making. Eles representam uma mistura de culturas e tradições étnicas, incluindo nativos norte-americanos, peruanos, etíopes, brasileiros, e coreanos, variando desde a fabricação de selas para cavalos à confecções de tambores e composições musicais.

National Endowment for the Arts Chairman Dana Gioia said, “It is important to recognize the diverse traditional arts that enrich America’s cultural landscape and to award those whose dedication and artistry are so integral to the continuation of these art forms.”Dana Gioia, presidente da National Endowment for the Arts – (NEA), comentou que “é importante reconhecer que as diversas artes tradicionais enriquecem a cultura Norte-Americana e, por isso, é importante reconhecer aqueles que trabalham para a manutenção dessas formas de arte”.

Nascido na Bahia, Mestre Jelon Vieira estudou a arte afro-brasileira aprendendo capoeira com os mestres Giovanni Bussandri, Eziquiel, e Bobo, assim como dança afro-brasileira na Escola de Ballet Teatro Castro Alves. Since his arrival in the United States in the 1970s, Vieira has been at the forefront of promoting and presenting traditional capoeira through performing, teaching, and providing a wealth of knowledge and expertise on Brazilian culture to scholars and historians.Desde sua chegada nos Estados Unidos, na década de 1970, Vieira tem estado na vanguarda da promoção e apresentação de capoeira tradicional, realizando, no ensino, e proporcionando uma riqueza de conhecimentos e experiências sobre cultura brasileira para estudiosos e historiadores. In 1977, he founded DanceBrazil, a professional company of contemporary and traditional dancers and musicians that has performed throughout the US and abroad, including performances at the Festival of Vienna, Austria; Spoleto USA in South Carolina; South Bank Theatre in London, England; the Kennedy Center in Washington, DC; and Avery Fisher Hall in New York City.

Em 1977, ele fundou a DanceBrazil, uma companhia profissional de dança contemporânea e tradicional e músicos que tem se apresentado em todos os Estados Unidos e no exterior, incluindo performances no Festival de Viena, Áustria; Spoleto E.U.A. na Carolina do Sul; South Bank Theater, em Londres, Inglaterra; o Kennedy Center em Washington, DC; e Avery Fisher Hall, em Nova Iorque. Vieira also founded the Capoeira Foundation in the 1980s to promote Afro-Brazilian cultural forms —— particularly dance and music — through educational,presenting, and producing activities.

Vieira também fundou a Fundação Capoeira na década de 1980 para promover formas culturais afro-brasileiras – especialmente dança e música – através da educação, apresentando e produzindo atividades. Inherent in capoeira is the music that accompanies the movement. Inerente à capoeira é a música que acompanha o movimento. A gifted mover in his day, Vieira still performs the berimbau on stage. Um ágil capoeirista na adolescência, Jelon ainda toca o berimbau no palco, A single-stringed instrument that is an integral part of the art form, the berimbau is often referred to as the soul of capoeira.o único instrumento de-corda integrante da capoeira e algumas vezes referido como a “sua alma”. In 2000, Vieira was recognized by the Brazilian Cultural Center in New York City for being the “Pioneer of Capoeira in the United States.”

Em 2000, Jelon Vieira foi reconhecido pela Associação Brasileira Centro Cultural na cidade de Nova York por ter sido o “Pioneiro da Capoeira nos Estados Unidos.”

Capoeira inclusiva estimula crianças a superar limites

Capoeira inclusiva. É um projeto desenvolvido no município de Maranguape, na Região Metropolitana de Fortaleza, que reúne crianças de escolas públicas e da Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais

Meninos e meninas se organizam numa roda, batem palmas, gritam, cantam e assim começa o jogo. O movimento das pernas e braços acompanha o som que vem do berimbau, do atabaque, do caxixi. Os pequenos capoeiristas se divertem e mostram habilidade nas acrobacias próprias do jogo. No grupo, crianças muito especiais: surdas, autistas, com paralisia, Síndrome de Down e deficiências múltiplas. A garotada pratica, há um ano, capoeira inclusiva, na sede da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Maranguape.

É um projeto pioneiro no Pais batizado com esse nome pelo professor Eraldo Gabriel de Sousa, o Mestre Beija-Flor. O sergipano fica no meio da roda das crianças orientando, incentivando e consegue tornar o jogo da capoeira igual para todos. "O nosso trabalho sempre é feito com a perspectiva da inclusão. Ajudamos as crianças no seu desenvolvimento psicomotor, no seu equilíbrio, afetividade e socialização. A capoeira inclusiva trabalha desde a consciência corporal até a elevação da auto-estima", diz Mestre Beija-Flor, que já deu cursos, palestras e aulas em várias cidades do Brasil divulgando esse projeto de harmonia social.

"Aqui (em Maranguape), a Secretaria da Educação acreditou no projeto e o adotou, especialmente a coordenadora do Núcleo de Educação Especial, a professora Virgínia Queiroz. Estamos encerrando o contrato de um ano", relata Mestre Beija-Flor que, mesmo indo embora da cidade, deixa uma pessoa preparada para dar continuidade à capoeira inclusiva. Deu todas as orientações para Antonio Renato da Silva Oliveira, o Renato Gigante, que vai trabalhar com as crianças. Ao todo são 680 alunos de escolas municipais e da Apae de Maranguape.

A prática da capoeira inclusiva, segundo Eraldo Gabriel, já foi implantada em Sergipe, Pernambuco, São Paulo, Alagoas, Minas Gerais, Pará, Maranhão e Rio Grande do Sul. No próximo mês, após o II Encontro Maranguapense de Capoeira Inclusiva, na sede da Apae, Mestre Beija-Flor segue para Manaus (AM). Depois, anuncia, viaja para Portugal e países da América Latina para difundir o projeto terapêutico.

A capoeira inclusiva é feita com pessoas cegas, surdas, com hidrocefalia, paralisia cerebral, déficit de aprendizagem e com idosos. "Queremos quebrar preconceitos, enfrentar as barreiras que essas pessoas encontram. Estimular uma cultura de paz. Esse projeto já foi levado para universidades, foi motivo de cursos, fóruns e palestras". Segundo ele, a capoeira estimula as crianças a vencerem seus próprios limites. Eraldo diz que, por onde anda, forma multiplicadores para que trabalhem a inclusão dentro das escolas.

DICIONÁRIO

O caxixi é um instrumento idiofone do tipo chocalho, de origem africana. É um pequeno cesto de palha trançada, em forma de campânula (sino).

O atabaque (ou tabaque) é um instrumento musical de percussão. O nome é de origem árabe: at-tabaq (prato). Constitui-se de um tambor cilíndrico ou ligeiramente cônico, com uma das bocas cobertas de couro de boi, veado ou bode.

SAIBA MAIS

A capoeira é uma técnica esportiva e cultural desenvolvida na África e trazida para o Brasil pelos escravos. Por muito tempo foi proibida, porque no período colonial buscavam reprimir a cultura negra. Esse fato se agravou quando se deu a abolição da escravatura, pois os negros, sem condições de sobrevivência, organizavam bandos e esquematizavam roubos.

Em 1932, a capoeira foi renovada por Mestre Bimba. Ele acrescentou movimentos existentes nas artes marciais e levou a capoeira a ser conhecida sem apresentar ligações com marginais. O esporte se estendeu, ao longo do tempo, por todo o País.

Para jogar capoeira é necessária a música tocada pelo berimbau, pandeiro, atabaque, caxixi, agogô e cantada pelos capoeiristas da roda. A música determina o ritmo e o estilo do jogo.

Os movimentos básicos da capoeira são: ginga, aú, queda de quatro, cocorinha, negativa, queda de rim e resistência.

Os toques mais conhecidos são: Angola (São Bento Grande), São Bento Pequeno (Angolinha), Iúna (Lamento), Amazonas (Cavalaria), Santa Maria (Benguela), Idalina (Maculelê), Samba de Roda (Samba de Angola), São Bento Grande de Bimba (Samango), Valsa (Samba de Enredo) e São Bento Corrido (Choro).

FONTE: www.brasilescola.com

Foto: TALITA ROCHA