Blog

Gingando na Lusofonia: A institucionalização da capoeira em Portugal

Gingando na Lusofonia: A institucionalização da capoeira em Portugal

 Resumo

A capoeira é uma prática cultural e esportiva de origem afro-brasileira que chega a Portugal no final dos anos oitenta com a emigração brasileira e hoje é praticada em todo país. O presente artigo pretende analisar o impacto decorrente do processo de institucionalização da capoeira em Portugal, iniciado pelo Estado português em 2010, junto à comunidade luso-brasileira de praticantes. Tenciona ainda: verificar as contradições do processo no que toca à compreensão dos diversos atores sobre o que é a capoeira e como deve ser concebida, bem como perceber as relações de poder entre o Estado e as instituições desportivas representativas dos capoeiristas. A fim de realizar esta tarefa, foram entrevistados os diferentes atores envolvidos e analisada a documentação referente ao tema.

Palavras-chave: Capoeira. Esporte. Cultura. Institucionalização.

Dancin’ within Lusophony: capoeira’s institutionalization in Portugal

Abstract

Capoeira is a cultural and sports activity of african-Brazilian origin that arrived in Portugal in the late eighties with the Brazilian emigration and which is practiced today throughout the country. This article aims to analyze the impact of the capoeira institutionalization process in Portugal, initiated by the Portuguese state in 2010 together with the Luso-Brazilian community of practitioners. It intends to: (a) verify the contradictions of the process regarding the understanding of the various actors about what capoeira is and how it should be conceived, as well as (b) identify power 1 Professor-Doutor do Instituto de Humanidades e Letras da Universidade da Integração Internacional e da Lusofonia Afro-brasileira (UNILAB), Brasil.

 

Keywords: Capoeira. Sports. Culture. Institutionalization.

 

ricardonascimento@unilab.edu.br RICARDO NASCIMENTO

 

Religiosidade na Capoeira: a capoeira e seus aspectos religiosos em São Miguel do Guamá

Objetivo deste trabalho foi analisar os aspectos religiosos e sua importância para que a identidade cultural da capoeira continue intacta, dando um destaque para capoeira vivida em São Miguel do Guamá:

Identificar os elementos religiosos presentes na capoeira; Identificar quais as religiões que influenciam na capoeira; Proporcionar o entendimento melhor dos rituais que irá acontecer dentro da capoeira, tendo como símbolo berimbau e sua influência do cristianismo e conhecer melhor sobre as divindades existente dentro da capoeira, como por exemplo, Orixás.

 

Thais Sampaio – thais-sampaio2011@hotmail.com

Roda dos Saberes do Cais do Valongo

“Esse livro documenta uma experiência singela. Acontece no cais do Valongo desde julho de 2012. O Valongo, lugar de desembarque de centenas de milhares de africanos escravizados entre 1774 e 1831, passou em seguida quase dois séculos encoberto e esquecido pelos habitantes do Rio de Janeiro e seus visitantes. Como era inconveniente lembrar desse lugar de sofrimento e de profunda injustiça, os donos do poder carioca o encobriram, primeiro com outro cais, depois com um largo chamado de “Jornal do Commercio”, o que evoca notícias de uma atividade decente e normal, não um crime contra a humanidade…”

Matthias Röhrig Assunção – Essex, 23 de novembro de 2014

Revista Gingando para Cidadania

Ginga Brasil lança Revista Gingando para Cidadania

A Associação Cultural Ginga Brasil Capoeira, coordenada em Portugal pelo Contra-Mestre Bola, lançou a primeira edição da Revista Gingando para a Cidadania. Trata-se do registo impresso do projecto que decorreu durante o último verão nas cidades de São João da Madeira e Taillinn, na Estónia, e que reuniu cerca de 100 capoeiristas de diversos países. “Este projecto refletiu os objectivos principais de nossa associação, que são a inclusão de jovens com menos oportunidades e o desenvolvimento do diálogo intercultural.

Foi uma ótima oportunidade para reunirmos os professores dos núcleos de nosso grupo fora de Portugal. Os jovens que participaram do intercâmbio adoraram e aprenderam bastante”, comenta Contra-Mestre Bola.

O projecto foi viabilizado devido ao apoio do Programa Juventude em Acção (www.juventude.pt) e foi composto por duas fases. Na primeira, 13 jovens da Estonia vieram até Portugal e participaram de uma série de actividades organizadas pelo núcleo português do Ginga Brasil.

Na segunda etapa, 20 jovens portugueses foram a Estónia apoiar o trabalho do Professor Alpino. Mais informações sobre a iniciativa podem ser obtidas no blog www.gingandoparacidadania.blogspot.com

A capoeira do Rio de Janeiro do século 19 e a capoeira de Salvador das décadas de 1930 e 1940

Artigo escrito especialmente para o I Simpósio de Capoeira de São Bernardo do Campo, a convite do Womually que ajudou na organização deste encontro promovido pela Prefeitura de São Bernardo.

A capoeira do Rio de Janeiro do século 19 e a capoeira de Salvador das décadas de 1930 e 1940

Autora: Letícia Vidor de Sousa Reis

Bacharel em História e Doutora em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente, é professora da rede estadual em Piracicaba (SP) no Ensino Fundamental e no Ensino Médio.

Caxixi: Um Exemplar da Percussão Afro-Brasileira e sua contribuição para a Educação Musical

Caxixi: Um Exemplar da Percussão Afro-Brasileira e sua contribuição para a Educação Musical.

Resumo:

O foco deste artigo é o exemplar da percussão afro-brasileira, popularmente conhecido como “caxixi” e sua possibilidade de utilização na educação musical no ensino básico.  Trata-se de um chocalho de cesto originário da região africana do Congo-Angola, no qual era utilizado em funções rituais e cerimoniais, que adquiriu outros usos e funções no Brasil, ligados a práticas populares. A parceria do caxixi com o berimbau na capoeira é uma das expressões mais significativas que envolvem este instrumento, seguida pela sua utilização em manifestações da música popular brasileira. Ao reunir informações sobre aspectos da musicalidade do caxixi, pretende-se enriquecer o conhecimento e reflexão sobre a música brasileira em geral bem como sugerir a utilização deste instrumento em atividades de educação musical.

Priscila Maria Gallo

Universidade Federal da Bahia

Pós-Graduação em Música- Mestrado-Etnomusicologia

primariagallo@ig.com.br

Jogo de Discursos A disputa por hegemonia na tradição da capoeira angola baiana

Resumo da Dissertação

O trabalho debate as identidades angoleiras, ligadas a diferentes linhagens da capoeira angola. A identidade angoleira se constrói através de discursos sobre a tradição, que tende a reificá-la como um legado ancestral que se perpetua de modo fixo e imutável. Há, entretanto, intensas disputas dentro do campo angoleiro pelo poder de nomeação, pela definição de quem ou o quê é mais tradicional, puro e legítimo. Essas disputas frequentemente se materializam em sinais identitários, fronteiras que simbolizam o pertencimento a determinada linhagem, sejam elas uniformes, graduações, modelo de ritual e/ou códigos corporais. Essas fronteiras, entretanto, embora pretendam materializar uma ligação direta com o passado, se deslocam e transformam constantemente. O uso de cordões de graduação pelos angoleiros baianos na década de 80 é um bom exemplo disto, bem como as polêmicas em torno da fundação da ABCA (Associação Brasileira de Capoeira Angola). A dissertação enfoca alguns momentos históricos em que houve fortes disputas pela definição da capoeira angola, seus sentidos e fronteiras, caminhando ainda para a construção de um conceito nativo de tradição, a partir de entrevistas com cerca de vinte mestres angoleiros baianos.

 

Breve Currículo

Paulo Andrade Magalhães Filho bacharelou-se em Jornalismo pela UFMG, criando como Trabalho de Conclusão de Curso a revista “Angoleiro é o que Eu Sou”, com três edições lançadas pela Associação Cultural Eu Sou Angoleiro. Após ter cursado a Especialização em Educação e Relações Étnico-Raciais na UESC, com a monografia “Capoeira – Projetos Identitários, cultura popular e educação”, dedica-se atualmente ao Mestrado em Ciências Sociais na UFBA, em fase de conclusão, com o projeto “Jogo de Discursos – a disputa por hegemonia na tradição da capoeira angola baiana”. É Secretário da Associação Brasileira de Capoeira Angola e da Associação de Capoeira Angola Navio Negreiro. Foi consultor dos Encontros Pró-Capoeira realizados pelo IPHAN e membro da organização do I Seminário Baiano de Proposição de Políticas Públicas para a Capoeira.

 

Paulo A. Magalhães Fº
(71) 8741-1251 / 9273-7765