A Capoeira da Sociedade Liquida
20 Mar 2020

A Capoeira da Sociedade Liquida

A Capoeira da Sociedade Liquida Para Zygmunt Bauman, a sociedade atual, pela volatilidade das “coisas”, perdeu parte de suas referencias/costumes, dando lugar

20 Mar 2020

A Capoeira da Sociedade Liquida

Para Zygmunt Bauman, a sociedade atual, pela volatilidade das “coisas”, perdeu parte de suas referencias/costumes, dando lugar a um “mar” de angústias e incertezas. Desta forma, foi possível perceber o surgimento de uma nova perspectiva para a vida em comunidade, centrada no individualismo exagerado e movida pelo consumismo, a partir da ressignificação do capitalismo global, tornado tudo “liquido”.

A tal “liquidez” se expressa para caracterizar um dado formato para as atuais relações sociais, negando a “solidez” de outrora e assumindo, pela multiplicidade de possibilidades, o “lugar nenhum”, ou seja, queremos ser “tudo”, mas não nos percebemos no exercício da vida cotidiana sendo o “nada” que tanto relutamos em perceber.

Em capoeira, invariavelmente, assumimos uma “liquidez” perigosa e travestida de respeito a autonomia decisória, pois, a todo o tempo temos dificuldades com aquilo que é fluido, volátil, desregulado e flexível. Neste sentido, percebemos que quando assumimos uma relação estável, de ordem profissional, amorosa ou de outra natureza, fica a sensação de que estamos perdendo as novidades que o mundo nos oferece, e ai se instaura a crise, pois já não sabemos lidar com escolhas, considerando que nos acostumamos com a ilusão de ter “tudo” sem viver absolutamente “nada” aprofundadamente, ou seja, se tenho uma dificuldade com meu mestre, ao invés de resolver enfrentando a situação dialogicamente, eu simplesmente troco de instituição ou crio um novo grupo, mesmo mantendo as “velhas” estruturas que geraram o conflito.

Quando Zygmunt Bauman afirma que “Vivemos em tempos líquidos. Nada foi feito para durar”, ele nos ajuda a refletir sobre a grande “dança das cadeiras” das pessoas nos grupos de capoeira e seus respectivos mestres, pois, atualmente a exceção virou regra geral, considerando que é difícil conhecer uma pessoa em capoeira que, ao invés de se perceber como “cliente” de uma instituição de capoeira, se veja como sendo a expressão viva do próprio grupo e/ou seu mestre. Assim, é fácil perceber como os conflitos sociais atuais influenciam a dinâmica da arte capoeira, pois somos incapazes de manter a mesma identidade por muito tempo, atestando uma “cultura do minuto” que fragiliza as relações humanos. Cadê a ancestralidade afrodescendente?

As relações agora se organizam em rede, negando a lógica da comunidade. Assim, os relacionamentos se transformam em conexões, podendo ser feitas, desfeitas e refeitas, com as pessoas se conectando e desconectando conforme a vontade de cada impulso, fazendo com que tenhamos dificuldade de manter laços a longo prazo, consequentemente, matando expressões populares que pressupõem tempo de convivo por sua condição iniciática.

É importante que fique evidenciado neste texto o objetivo de convocarmos a comunidade de capoeira para uma reflexão, sem qualquer apologia a repressão e sistemas de controle que inviabilizam a autonomia critica decisória de cada pessoa, pois os extremos são perigosos e inoportunos para uma sociedade mais democrática, portanto, o que desejo é que, a partir de uma autocrítica, possamos nos perceber sendo cooptados por uma lógica perversa e excludente, que, paulatinamente, vem asfixiando as possibilidades da cosmovisão latente que habita em nós, esmagando a nossa africanidade capoeirana.

 

Vamos nos conectar pela rede social “UBUNTU”? Quantos “LIKES” eu mereço por isso?

Axé.:

Mestre Jean Pangolin

Leave a comment
Mais Artigos
comentários
Comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.