Blog

besouro

Vendo Artigos etiquetados em: besouro

Capoeirista “Besouro” leva lenda de herói negro ao Festival de Berlim

Berlim, 15 fev (EFE).- A lenda do capoeirista Besouro, herói da tradição negra brasileira pela luta em favor dos ex-escravos, chegou hoje ao Festival Internacional de Cinema de Berlim pelas mãos do cineasta João Daniel Tikhomiroff.

O filme “Besouro”, estreado na seção Panorama, fora de competição, chegou ao festival após ter sido um sucesso no Brasil, com bilheteria de mais de 500 mil espectadores.

“Para mim era importante mostrar esta história primeiro aos brasileiros, dos quais 95% não sabe que Besouro existiu de verdade e não é apenas um mito. Depois preferi ensiná-la ao resto do mundo”, explicou Thikomiroff à Agência Efe.

A história do lendário capoerista, apelidado de “Besouro”, chegou ao cineasta pelo romance “Feiojada no Paraíso” de Marcos Carvalho sobre a figura de um homem que se transformou em herói popular por seu empenho em praticar a capoeira, embora estivesse proibida, e em defender à população negra das discriminações.

“É um personagem fantástico que, além disso, permite refletir sobre a realidade social do início do século XX. Embora a escravidão já tivesse sido abolida, os negros ainda eram marginalizados e discriminados”, apontou.

Manoel Henrique Pereira, conhecido como “Besouro”, nasceu em 1897 em Santo Amaro da Purificação (Bahia) e passou ao imaginário popular como valente capoerista que enfrentava os armados patrões dos engenhos de açúcar com base em força e habilidade na luta.

O filme opta por um duplo enfoque: o da lenda, com um super Besouro capaz de se transformar em besouro e voar – estimulado pelos deuses da natureza dos Orixás – e o clássico, com dois amigos enfrentados pelo amor de uma menina, um malvado pistoleiro e uma terrível traição.

“Quis transitar entre esses dois mundos, entre o real e o imaginário. É o que faz esta história fascinante, a dúvida de se o que um está vendo é sonho ou realidade. Essa é a beleza do filme”, apontou o cineasta.

Para o papel protagonista, Thikomiroff escolheu Aílton Carmo, um jovem professor de capoeira, sem experiência interpretativa, mas a quem podia “ensinar a viver” a transição do jovem, de rapaz rebelde a fonte de inspiração para outros, mas que tivesse aptidões reais para a dança e para a luta.

Segundo o cineasta, é uma “pena” que nos últimos 20 anos não se tenham feito filmes sobre a capoeira, declarada bem cultural, que neste caso está “no coração” da história.

Carmo decidiu embarcar no projeto porque, desde criança, sonhava em demonstrar a sua mãe que podia fazer um filme de ação com um protagonista negro e que lutasse a ritmo de capoeira, igual aos filmes de Arnold Schwarzenegger, explicou à Agência Efe.

Jessica Barbosa atua no filme como Dinorá, a amiga de infância do protagonista, e na Orixá Iansã, deusa do vento e da chuva. “Em outros países existem o Batman e o Homem-Aranha. No Brasil, temos o Besouro, que é nosso próprio herói nacional”, ressaltou.

Para o cineasta, quase 100 anos depois da história, a realidade brasileira tem 55% de população negra “que continua vivendo algum tipo de discriminação”.

“Este filme mostra uma bela história sobre esse coletivo”, acrescentou. EFE

 

Fonte. O Globo – http://g1.globo.com

Capoeira, Sincretismo, Santos e Orixás

A presença e a ligação dos Santos e Orixás com a Capoeira é sentida em diversas cantigas e ladainhas…

O Brasil sempre foi um país envolvido e mergulhado no sincretismo religioso, no misticismo… uma das maiores dadivas de nosso povo é a miscigenação… a misturas de raças, de culturas e religiões.

A capoeira nasceu em meio disso tudo, ela própria nasceu de misturas…

Existem diversas vertentes e estudos sobre isso… é sabido a influencia de lutas oriundas da África como o N´golo, a Dança da Zebra o Batuque…

A “camuflagem” da capoeira escrava em dança com intenção manhosa e maliciosa de iludir o feitor e o Senhor… foi o segredo da sua existência e permissão de prática no meio das Senzalas…

“A Capoeira, tem origens e raizes africanas…seu ventre, sua mãe… é conhecida como cultura negra… seu pai a liberdade… mais nasceu e foi criada no Brasil, algures no reconcavo Baiano… cercada de malandragem e brasilidade…”

…Bahia terra de todos os Santos… e Orixás…

É inegável a presença religiosa dentro da Capoeira… que em sua essência é um ritual… cheio de manifestaçãoes e referências a uma força maior… Iêêê viva meu Deus…

Este Deus representa a a força e a energia divina… que pode assumir diversos nomes, tão conhecidos por todos…

Ala… Buda… Deus… Brahma … e tantos outros…

Luciano Milani – Setembro de 2005

Segue o texto enviado pelo Mestre Decanio, sobre o tema:

Santos e Orixás o sincretismo na CapoeiraSantos e Orixás o sincretismo na Capoeira “Em “Falando em Capoeira” eu faço alusão a este fato e justifico: é conseqüência da capoeira ter sua raiz mística e musical no candomblé.

Os cânticos (oriki) louvam os atributos maravilhosos dos orixás. O sincretismo manhoso para evitar os preconceitos eclesiásticos leva ao uso de nomes de santos e trechos de orações, especialmente das ladainhas, em tentativas de lisonja dos censores.

São Bento é um santo a quem creditam uma vida mais próxima da Natureza e dos animais. Santo Amaro é o Protetor da área portuária onde surge a capoeira. Santo Antônio é associado a Ogum na Bahia e a Oxossi no Rio de Janeiro. São Lázaro é a Omolu (Obaluaê), (portador de varíola), na Bahia é representado por São Jerônimo no Rio .Oxalá é para fraseado pelo Senhor do Bonfim… São Jerônimo na Bahia é Xangô.

Tudo em busca de apaziguar a imagem do Diabo, Belzebu associada a Exu pelos cristãos. Santa Bárbara=Nhançã. Santa Maria pelo seu prestígio e interferência junto a Jesus Cristo (Oxalá) e Deus-Pai. De modo similar há referência a Lampião, Zumbi, Pedro Gordilho (Pedrito), Besouro Mangangá, Besouro e/ou mesmos personagens de lendas ou imaginários. Na verdade o importante é o efeito mântrico associado ao toque e sistema de rima poética tonal dos africanos, associado às modificações fonéticas das palavras e expressões para acoplamento à melopéa.”

 

Ser Capoerista é saber conviver… é saber respeitar… é ser acima de tudo um cidadão de espírito livre…
Combater as descriminações e as intolerâncias… dentro ou fora da roda. 

* Imagens enviadas pelo Mestre Decanio

Histórias do Recôncavo

O Recôncavo Baiano é mesmo uma região muito particular. É como se lá o tempo tivesse parado. A modernização, o progresso desenfreado, trânsito engarrafado, violência urbana, vizinhos que não se conhecem… essas coisas tão comuns na nossa vida cotidiana, lá no Recôncavo têm outra dimensão.

As pessoas têm mais tempo para as coisas, a vida é mais simples, todos se conhecem e se ajudam, há mais cooperação, solidariedade, alegria. Você ainda vê pelas ruas carroças puxadas por jegues, senhores bem vestidos com chapéu na cabeça, feiras livres onde tudo se compra, se vende, ou se troca, senhoras sentadas conversando na porta de casa enquanto crianças brincam no meio da rua…Lá o tempo passa mais devagar.

Muitos moradores juram de pé junto que a capoeira nasceu no Recôncavo. Talvez tenha nascido mesmo, como nasceu em outras partes do Brasil também, mas isso não importa pois a capoeira não tem certidão de nascimento ! O que importa é o significado que essa manifestação da cultura afro-brasileira possui para todos nós que aprendemos a amá-la e respeitá-la.

Muitos capoeiristas famosos vieram de lá, disso não tenham dúvida: Cobrinha Verde, Traira, Najé, Siri de Mangue, Neco Canário Pardo, Noca de Jacó, Gato, Atenilo, Santugri, entre tantos outros, sem falar no mais famoso de todos, o lendário Besouro Mangangá, que até bem pouco tempo não se sabia se ele tinha realmente existido, fato que foi comprovado recentemente, com a descoberta de alguns documentos que citam seu nome e seus feitos.

Há muito mistério também no Recôncavo. Muitas histórias envolvendo magia, quebrantos, patuás, corpo fechado, rezas de proteção, pessoas que se transformam em bicho ou planta. Tudo isso faz parte desse universo mítico-religioso de origem afro-brasileira que possui uma ligação muito forte com a capoeira. Não dá para compreender a capoeira de forma mais profunda, sem aprender a respeitar esse universo.

Durante as gravações do documentário “Memórias do Recôncavo: Besouro e outros capoeiras” que produzimos recentemente, tivemos a oportunidade de conviver com muitos desses personagens e muitas dessas histórias. Como por exemplo seu Aurélio, 96 anos, morador de Iguape, uma pequena cidade remanescente de um quilombo, localizada no coração do Recôncavo. Durante o seu depoimento na beira do rio, seu Aurélio se mostrou resistente em responder algumas perguntas que eu fazia, sobretudo aquelas relacionadas ao mistério que envolvia a capoeira.

Mas por sorte, eu sou daqueles admiradores de um botequim e de uma boa cachaça e quando terminamos a gravação naquele dia, a equipe de produção foi toda descansar numa pousada na cidade, enquanto eu e o cinegrafista, meu amigo Alexandre Basso – também um admirador do “espírito forte”, como a cachaça é conhecida entre os mais antigos – resolvemos ir beber a saideira justamente no bar do seu Aurélio. Já era noite e à medida que íamos nos aprofundando nas infusões de cachaça com ervas que seu Aurélio nos oferecia, a conversa foi ficando mais solta. E num dado momento, seu Aurélio nos chamou para o fundo do bar. Alexandre, muito atento, ligou a câmera e atendemos ao chamado do velho mandingueiro. Num ambiente de penumbra, somente com a fraca luz de um lampião, seu Aurélio nos revelou alguns segredos muito íntimos, mostrou-nos seu patuá, explicou-nos como fazia para “fechar” o corpo e nos revelou algumas orações de proteção que ele utilizava. Foi um dos momentos mais fortes que vivenciamos durante o longo período de pesquisa e gravação desse documentário.

Mas é assim mesmo: os mestres e velhos guardiões da cultura popular, não entregam os seus segredos assim, facilmente e a qualquer um. Eles é que decidem o que, quando, como e a quem vão revelar. E a nós, cabe ter a paciência, o respeito e a sabedoria de esperar a hora e a ocasião certa de recebermos esses ensinamentos. Essa é mais uma lição que a capoeira nos ensina

 

Pedro Abib (Pedrão de João Pequeno) é professor da Universidade Federal da Bahia, músico e capoeirista, formado pelo mestre João Pequeno de Pastinha. Publicou os livros “Capoeira Angola, Cultura Popular e o Jogo dos Saberes na Roda”(2005) e “Mestres e Capoeiras Famosos da Bahia”(2009). Realizou os documentários “O Velho Capoeirista” (1999) e “Memórias do Recôncavo: Besouro e outros Capoeiras” (2008).


Coluna: “Crônicas da Capoeiragem” por Pedro Abib

Mais um envolvente texto da Coluna Crônicas da Capoeiragem, sob a tutela do nosso grande camarada e parceiro, Pedro Abib, que de modo ímpar nos descreve os causos e histórias do Recôncavo Baiano e seus “Personagens” as vezes quase lendários… Pedrão, como prefere ser chamado nos leva de modo solto e intuitivo ao universo da capoeiragem com uma narrativa simples e repleta de mandigagem…

Luciano Milhoni*

* (Pedrão em referência a um tipo/marca de cachaça e fazendo analogia ao grande camarada Plínio – Angoleiro Sim Sinhô, que em sua envolvente e alegre presença sempre brincava com o termo “teimando” em chamar-me pelo nome da cachaça, pela qual ambos, Pedrão e Plínio tem imenso apreço, apesar de eu ser um eterno abstêmio.)

Produção nacional “Besouro” estreia em cinema de Maringá

Produção nacional que conta a história do lendário capoeirista baiano ‘voador’ chega às telas da cidade; lutas de ‘Besouro’ são do mesmo coreógrafo de ‘Matrix’ e ‘Kill Bill’

Besouro pousou em Maringá e vai voar nas telas da cidade. O primeiro filme de artes marciais brasileiro – focado na capoeira – estreia na cidade quase um mês depois de sua badalada estreia nacional. E no primeiro final de semana nas telas de Maringá, “Besouro” terá, às 20h30, rodas de capoeira com o Grupo Muzenza na entrada do Circuito Cinemas do Shopping Cidade.

O longa, dirigido pelo estreante João Daniel Tikhamiroff, já havia feito história ao se tornar um fenômeno da internet antes mesmo do seu lançamento. O tra iler do filme foi visto por meio milhão de pessoas no You Tube.

Como os filmes de kung fu se tornaram uma referência e ajudaram a popularizar a arte marcial chinesa no mundo, “Besouro” tem as mesmas possibilidades. Como em muitos dos clássicos de kung fu, “Besouro” bebe na fonte de uma das lendas desta arte marcial brasileira e nas acrobacias e movimentos coreografados, muitos deles distantes da realidade.

Besouro (o guia de turismo e capoeirista baiano Aílton Carmo) foi um capoeirista baiano dos anos 20 e é uma lenda da capoeira. Ele, que dizem que podia até voar, utiliza sua habilidade na luta para combater a injustiça e a opressão no Recôncavo Baiano, numa luta contra coronéis e a exploração da mão-de-obra de ex-escravos.

Na trama, também há um triângulo amoroso entre Besouro, Quero-Quero (Anderson Santos) e Dinorah (Jéssica Barbosa).

Read More

Capoeirista questiona exclusão de Curitiba na rota de exibição do filme Besouro

Um dos mais famosos capoeiristas do Brasil, o baiano Manuel Henrique Pereira, conhecido como Besouro Mangangá inspirou o longa-metragem dirigido por João Daniel Tikhmiroff, nome premiado em comerciais na América Latina. Em seu primeiro final de semana de exibição, Besouro – O Filme teve mais de 130 mil expectadores em todo Brasil, que o credenciam a ser um dos líderes em bilheteria no país este ano.

Diante do sucesso e da importância desta produção na valorização da cultura negra, expectadores da região Sul fazem um apelo para que Curitiba seja incluída na rota de exibição do filme. “Apenas Porto Alegre está exibindo o filme aqui na região Sul, uma situação lamentável e que nos envergonha porque esta era uma estréia muito aguardada não apenas pelos praticantes da capoeira, mas também por aqueles que acreditam na imensa contribuição que a população negra trouxe para o nosso estado”, disse Mestre Déa, fundador da Associação de Capoeira Kauande.

Mestre Déa destaca que o filme conta, inclusive, com a participação de uma paranaense em seu elenco. A londrinense Geisa Costa, radicada em Curitiba desde 1993, interpreta Zulmira, mentora espiritual de Besouro. “Era grande a expectativa para a estréia aqui em nosso estado. Temos uma das maiores populações negras da região sul e milhares de adeptos da capoeira em nosso território. Gostaríamos de entender o porque de não podermos prestigiar nas nossas telas do cinema este filme”, questiona o capoeirista.

Indignado, o capoeirista lembra que o filme seria grande contribuição para aplicação da Lei 10.639, que determina o ensino da história e cultura africana nas escolas brasileiras. “Este filme destaca a capoeira e história do negro em nossa sociedade e certamente, vai ser bem melhor recebido no exterior do que aqui”, destaca Mestre Déa. Para ele, que é mestre e educador da capoeira, arte que mais divulga nossa história e a língua portuguesa no mundo, a situação é um desrespeito. “Lamento profundamente em nome de todos os capoeiristas paranaenses que o estado sequer tenha previsão para exibição do filme, o que por outro lado incentiva a pirataria”, questiona Mestre Déa.

BESOURO – O FILME

Manoel Henrique Pereira viveu entre 1897 e 1924 na região de Santo Amaro, na Bahia. Conhecido como Besouro Mangangá ou Besouro Cordão de Ouro, ele era trabalhador nas usinas e tinha um comportamento rebelde, pois não aceitava os maus tratos dos patrões. Ficou famoso por causa de sua habilidade como capoeirista. Com as pernas ou com objetos e facas, sempre conseguia sair vivo nos confrontos com a polícia e os jagunços. Diversas lendas atribuem poderes sobrenaturais ao herói, que era abençoado por orixás e teria o corpo fechado e a habilidade de voar como um inseto.

Sua história é contada no livro Feijoada no Paraíso: A saga de Besouro, o capoeira, de Marco Carvalho, e também foi adaptada para o teatro, em um musical com texto de Paulo César Pinheiro e direção de João das Neves. O personagem também aparece em livros como Mar morto, de Jorge Amado. Manoel Henrique ainda era músico, autor dos versos do Canto do besouro, cuja letra foi aproveitada em duas canções dos compositores Noel Rosa e Paulo César Pinheiro (Quando eu morrer/ Não quero choro nem vela/ Quero uma fita amarela/ Gravada com o nome dela).

 

Fontes:

http://www.paranashop.com.br

novoconceito.ass@gmail.com

São Paulo: Pré-estréia do filme BESOURO NASCE UM HERÓI

Aconteceu, no dia 20 de Outubro de 2009, no cinema Kinoplex em São Paulo, o coquetel e a pré-estréia do filme BESOURO-NASCE UM HERÓI.

O evento contou com a participação especial da equipe de show RABO DE ARRAIA, que apresentou um verdadeiro show de capoeira e convidou os artistas Besouro (Ailton Carmo) e Quero-quero (Anderson Santos de Jesus)  a participarem da roda que foi embalada pelas palmas do público. Besouro já com o espírito da Capoeira que habita seu corpo, não queria mais sair da Roda,  porém a pedido de Dinorah foi reencaminhado para a seção de fotos e entrevistas com a imprensa.

A energia foi tanta que acabou por quebrar o piso de granito em um dos vários saltos mortais e movimentos dos atletas da Rabo de Arraia que pareciam voar em alguns momentos, era a força da Capoeira sendo mostrada com toda a sua vitalidade.

Como não podia faltar em uma grande pré-estréia, os mestres consagrados da capoeira Brasileira marcaram presença no evento entre os mais de 100 convidados da Rabodearraia e do Portal Capoeira, entre eles estavam Mestre Brasilia, Burguês, Pinatti, Gladson, Zumbi, Gege, Ze Antonio , Ponciano, Flavio Tucano, Meinha, Helinho, Pequeno, Valdir, Chocolate e muitos outros.

Logo após a exibição do filme podia  se notar nos rostos dos mestres e convidados a alegria imensa de ver nas telas uma das maiores produções envolvendo a Capoeira, a confraternização acontecia embalada ao Coquetel oferecido aos convidados marcando um momento impar para a capoeira, uma verdadeira confraternização de Profissionais que escreveram e escrevem a historia da Capoeira, todos juntos celebrando “Besouro”, em um momento mágico! Hoje com o enorme crescimento da Capoeira é muito difícil unir todos estes nomes em uma local devido a Agenda cotidiana cheia de compromissos destas personalidades, uma tarefa dificil mais não impossivel destas pra nos lembrarmos e carregarmos conosco para sempre!

E como tudo sempre na Capoeira acaba com capoeira o encerramento do Coquetel se deu ao som novamente de uma roda de capoeira improvisada no saguão do cinema tendo ate mesmo o diretor João Daniel Tikhomiroff e o Coronel Venâncio (Flavio Rocha), jogando Capeira com Besouro, Quero quero e os Mestres convidados.

A estréia oficial do filme aconteceu dia 30/10/2009 em todos os cinemas do Brasil.

Não percam a oportunidade de conhecer esta maravilhosa história.

Salve a CAPOEIRA!
Salve BESOURO!

Read More

Besouro estréia nesta sexta-feira 30-10-09 nos cinemas

Protagonizado por um herói negro do século passado e ambientado no universo da capoeira e do candomblé, Besouro chega sexta-feira aos cinemas disposto a derrubar vários preconceitos do público brasileiro de uma vez só. Centrado na história de Besouro Mangangá, tido como o maior capoeirista que o Brasil já conheceu, o longa-metragem de estreia do publicitário carioca (radicado em São Paulo) João Daniel Tikhomiroff desembarca no circuito respaldado por uma inédita e bem-sucedida de campanha na internet, que atraiu milhares de pessoas para um blog e um link no YouTube, repleto de vídeos de bastidores e trailers da produção. Empurrão essencial para uma produção de R$ 10 milhões, em parte consumidos em efeitos especiais que lembram as coreografias de filmes como O tigre e o dragão (2000), e protagonizado por um elenco de desconhecidos do grande público.

– A internet alçou o voo de Besouro. Foi uma ferramenta importantíssima para nossa comunicação, que continuará mesmo depois da estreia do filme – avisa o diretor de 59 anos, em entrevista ao Jornal do Brasil.

Em que momento a ideia de uma campanha virtual para o filme tomou forma?

Um pouco antes do início das filmagens, no segundo semestre de 2008, traçamos o plano de comunicação e percebemos que, por se tratar de uma produção repleta de peculiaridades, deveria ser compartilhada de alguma forma com o público. Foi então que nasceu a ideia de fazer um blog do filme, com registro de todas as etapas do processo. O diferencial do blog se deu com o seu formato. O conteúdo não era feito pelo diretor e equipe, mas por um jornalista que acompanhou as oito semanas de filmagem. Com o lançamento do blog, começamos a sentir a expectativa do público e, por isso mesmo, exploramos as redes sociais ao máximo. Criamos uma verdadeira legião de seguidores de Besouro, de tribos diversas: de amantes da capoeira a estudantes de cinema. Em 10 dias no ar, o trailer quebrou recorde de acesso de filmes nacionais. Sem contar as solicitações de estrangeiros perguntando sobre o seu lançamento no exterior. A internet alçou o voo de Besouro. Foi uma ferramenta importantíssima, que continuará mesmo depois da estreia do filme.

Não teme que a curiosidade gerada pela internet não se esgote nela mesma?

De forma alguma. Na semana passada tivemos um bom exemplo nesse sentido. Um site especializado em cinema promoveu uma pré-estreia do filme em São Paulo, seguida de debate. Segundo o diretor do site, foi a pré-estreia mais concorrida feita em cinco anos. E durante o debate, o próprio público fazia as perguntas. Várias pessoas chegavam ao microfone somente para fazer um agradecimento, queriam parabenizar a equipe por ter feito Besouro, um divisor de águas para o cinema. Esses agradecimentos eram emocionantes, houve gente que chorou. Outra pergunta recorrente tinha a ver com a continuação do filme. O que a internet fez com Besouro é algo que me impressiona. Fiquei emocionado.

‘Besouro’, que fala de um herói negro, tem no elenco atores desconhecidos do público. Isso pode ser um complicador, do ponto de vista mercadológico?

O filme pedia esses elementos. Trabalhar com não-atores foi uma opção, já que eu precisava no filme de capoeiristas de verdade. Seria infinitamente melhor encontrar professores de capoeira, como é o caso do protagonista, Ailton Carmo, e ensiná-lo a vivenciar o personagem do que trabalhar com um ator famoso e ensinar a esse profissional a arte da capoeira. Isso não daria a veracidade que gostaria de ver nas telas. Sobre a questão de a narrativa falar de um herói negro, do século passado, isso me encanta. O Brasil é um país plural em todos os sentidos, inclusive na raça. Por que não homenagear os negros, a capoeira no cinema? Explorei os negros de forma diferente, pelos aspectos da beleza nunca feito antes no cinema nacional.

‘Besouro’ tem capoeira jogada ao estilo da ação de ‘O tigre e o dragão’. As lutas foram coreografadas por um especialista estrangeiro. É uma forma de dar uma roupagem internacional a um filme brasileiro?

Como comentei antes, a capoeira seria o fio condutor da trama mas não o objeto principal dela. Precisava então que ela tivesse tanto elementos reais quanto toques de fantasia. Nada melhor do que trazer um especialista em cenas de ação para tornar possível esse desejo. Foi por isso que contatamos o chinês Huen Chiu Ku, o Dee Dee. Já havia visto algumas cenas de filmes sob o cuidado dele, como O tigre e o dragão, Kill Bill e O clã das adagas voadoras. Ele se incumbiu da missão de inserir cenas áreas ao universo da capoeira retratada em Besouro, o qual, segundo a lenda, é cercado de magia e misticismo. O resultado transmite realidade e emoção ao filme.

O filme mistura ação, romance e grandes doses de fantasia. Até que ponto ele é fiel ao livro que o originou?

O filme baseia-se em Feijoada no paraíso, do Marco Carvalho, mas não se prende a ele e nem aos personagens reais que fizeram parte da vida de Manoel Henrique Pereira, o Besouro. Trata-se de um filme sobre as lendas que cercam a época em que Besouro viveu, mas não é uma reconstituição histórica. É um filme de fantasia.

Muitos publicitários que fazem cinema trazem ‘vícios’ da publicidade. Isso é inevitável?

Diria que a publicidade me ajudou bastante na direção de Besouro. Justamente por ter passado 35 anos contando histórias em 30 segundos, aprendi o poder da síntese, tive oportunidade de experimentar recursos nos comerciais e trazê-los para o cinema. A publicidade me deu a maturidade para dirigir longas.

‘Besouro’ consumiu R$ 10 milhões e pelo menos uns quatro anos de sua vida. Pretende continuar fazendo filmes? Já tem algum novo projeto em vista?

Sim. Já tenho um próximo filme a caminho, estamos na fase de roteiro. O que posso adiantar é que não tem absolutamente nada a ver com Besouro. Será um romance satírico, contemporâneo, e que se passa no Sul do Brasil.

Pré-estréia de Besouro em São Paulo: Presença de Vários Mestres e personalidades da Capoeira

Pré-estréia de Besouro em São Paulo: Presença de Vários Mestres e personalidades da Capoeira

Fonte: http://jbonline.terra.com.br
Carlos Helí de Almeida, Jornal do Brasil – RJ

Pré-estréia de Besouro em São Paulo: Diretor e o atores na roda de capoeira

Pré-estréia de Besouro em São Paulo: Diretor e o atores na roda de capoeira

* Em breve matéria especial sobre a Pré-estréia do Filme em São Paulo, acompanhada por uma espetacular galeria de fotos!!!

Se quer ganhar ingressos para assistir ao Filme Besouro, visite o site de nosso Parceiro Oficial: RabodeArraia.Com

 

Fotos Roger Spock – www.rogerspock.com

Porto Alegre: Pré estréia do filme Besouro

No último dia 26 / 10 aconteceu a pré-estréia do filme Besouro em Porto Alegre na  ocasião  a  CGC – Confraria Gaúcha  de  Capoeira ,  foi  convidada  para  estar
presente e organizar uma apresentação de Capoeira nos momentos que antecediam a estréia.

A CGC , se fez representada pela sua diretoria , Presidente Mestre Delmar Perroni, Vice Presidente Mestre Carson Siega, Secretário C.Mestre Fabinho, Tesoureiro
Mestrando Grande, Diretor de Marketing Profº Salsicha e Diretor de Educação Profº Cabeleira, ao qual coordenaram a apresentação e prestigiaram o lançamento do filme.

Atenciosamente

Mestre Delmar Perroni
Confraria Gaúcha de Capoeira – CGC

Protagonista de BESOURO pensou que não conseguiria fazer filme

Capoeirista Ailton Carmo, de 22 anos, estreia sua carreira como ator em filme de João Daniel Tikhomiroff

Com o jeito simples de quem não sabe que está prestes a ser conhecido na rua a cada esquina, Ailton Carmo – protagonista do filme “Besouro” – confessa que depois de ter passado no teste, pensou em desistir. Antes de cogitar estar no primeiro longa de João Daniel Tikhomiroff, ele era “apenas” um grande lutador de capoeira, além de guia turístico na cidade de Lençóis, na Bahia.

“Para mim foi uma experiência nova (estar em um filme). Eu nunca havia sonhado com isso. Depois de passar no teste e ser informado de que seria o protagonista, cheguei para a Fátima (Toledo, preparadora de elenco) e disse que não ia dar para fazer. Ela só me respondeu que seria difícil, mas não impossível”, contou, ressaltando que ficou alegre e nervoso ao mesmo tempo. “Ela estava confiando em mim.”

Capoeira e efeitos especiais podem fazer de Besouro o novo heroi brasileiro 

Após as aulas de interpretação e coreografias com o chinês Dee Dee ( “Kill Bill”), ele ainda não sabe se quer seguir a carreira adiante. Ele, que já deu aulas de capoeira na Bélgica, agora tenta oportunidade de viajar para a Polônia. “Penso em me desenvolver como ator, mas precisarei estudar muito.”

Segundo Ailton, de todos os esportes que já fez, a capoeira é o único que não larga. “Nela, você não tem apenas o esporte, também há o instrumento, a música, a dança… Até mesmo com o pé quebrado você pode participar. Quero ver você lutar boxe com o pé quebrado.”

Atores não decoraram textos

Para todos os atores participantes de “Besouro”, um dos grandes desafios foi trabalhar com a preparadora de elenco Fátima Toledo. Ela e o diretor fizeram com que nenhum dos intérpretes tivessem textos. “A Fátima trabalha a partir do ator vivendo a história. Não há um texto. Quando eu me dei conta, já estava me comportando como os meninos. Eles até falavam `fecha essas pernas!”, diverte-se Jéssica Barbosa, que faz a personagem Dinorá e Iansã no longa.

Quem também participou dessa preparação foram os atores Flávio Rocha (Coronel Venâncio) e Irandhir Santos (Noca de Antônia), ambos integrantes da minissérie “A Pedra do Reino” (Globo). “Para mim, o desafio foi não enxergar as belezas da capoeira. Me distanciava do grupo deles. Tinha que encontrar meu lado mau nos palavrões, no cuspe, no vômito…”, revela Irandhir.

“Passei por má pessoa para alguns colegas de elenco. Isso porque passava boa parte do tempo guardando energias ruins para o personagem. Outra coisa que fiz foi andar com um punhal e furar tudo que via pela frente. Precisei encarar meu inimigo na vida real”, completou Flávio.

Lista de Convidados: “CAÇA AO BESOURO”

Quer assistir ao Filme mais esperado do Ano, ao lado de mais de 80 dos mais conceituados profissionais de capoeira do Brasil, em uma pré-estréia exclusiva apenas para convidados VIP’s???

Se sua resposta é SIM!!! Então você está convidado para a “CAÇA AO BESOURO”

O Portal Capoeira e a Rabo de Arraia se unem e fortalecem sua parceria para proporcionar esta fantástica experiência para você!!!

Os visitantes, amigos e parceiros da RabodeArraia.com e do PortalCapoeira.com, terão acesso a uma ação promocional exclusiva  que irá distribuir 6 vale-ingressos até o dia 15 de Outubro de 2009, os ingressos são pessoais e intransferíveis e válidos somente para a pré-estreia exclusiva de Besouro em São Paulo no dia 20 do corrente mês.

 

Caça ao Besouro:

Iremos  transformar a pré-estreia de Besouro, em uma data diferencial  para a comunidade capoeirística, oferecendo oportunidade mágica para os mais conceituados e relevantes profissionais da capoeira, de assitir todos juntos a pré estreia de Besouro da Capoeira nasce um heroi.

Lista de profissionais da Capoeiragem confirmados:

01.    Mestre Suassuna
02.    Mestre Burguês
03.    Mestre Joel
04.    Mestre Valdenor
05.    Mestre Pinatti
06.    Mestre Gegê
07.    Mestre Fume
08.    Mestre Natanael
09.    Mestre Wellington
10.    Mestre Gladson
11.    Mestre Catitu
12.    Mestra Mara
13.    Mestre Maurão
14.    Mestre Sarara
15.    Mestre Nanico
16.    Mestre Gunga
17.    Mestre Plínio
18.    Mestre Tucano Preto
19.    Mestrando Peixe-cru
20.    Mestre Brasília
21.    Mestre Santana
22.    Mestre Dinho Nascimento
23.    Mestre Volney
24.    Mestre Valdir
25.    Mestre Tião
26.    Mestre Xavier
27.    Mestre Sampaio
28.    Mestre Helio
29.    Mestre Bigo
30.    Mestre Lobão
31.    Mestre Ponciano
32.    Mestra Morena
33.    Mestre Zé Antonio
34.    Mestre Ricardo
35.    Mestre Cícero Tatu
36.    Mestre Meinha
37.    Mestre Zambi
38.    Mestre Jaguará
39.    Mestre Gaguinho
40.    Mestre Flavio Tucano
41.    Mestre Pequeno
42.    Mestre Bradesco
43.    Mestre Rosa
44.    Mestre Paulo
45.    Mestra Vanusa
46.    Mestre Flavio
47.    Mestrando Giltemberg
48.    Mestrando Armandinho
49.    Contra Mestre Mi
50.    Contra Mestre Paulo Renato
51.    Contra Mestre Cenorinha
52.    Contra Mestre Ulisses
53.    Contra Mestre Monise
54.    Contra Mestre Wandola
55     Contra Mestre Kibe
56     Contra Mestre Onça
57.    Professor Cobrinha
58.    Professor Coruja
59.    Professor Ere
60.    Professor Pepe
61.    Professor Caca
62.    Professor May-thai
63.    Professor Nego d`agua
64.    Professor Caca
65.    Professor Piter
66.    Professor Mau
67.    Professor Lobsomem
68.    Professor Busca longe

Uma boa Pré estreia a todos!!!

Com os melhores cumprimentos, desejando muito axé.

Na mídia, a promoção será divulgada por chamadas e ações na internet, nos sites da Rabo de Arraia e Portal Capoeira, com o apoio de mala-direta.

Mecânica da Promoção: Como Participar

Durante os próximos dias (08/10/09 até 15/10/09) serão publicadas 3 chamadas (dicas) no site Portal Capoeira, as dicas serão numeradas de 1 até 3 e poderão estar em qualquer lugar do site. Cada uma destas dicas irá vos levar até uma segunda dica no site da Rabo de Arraia, com o mesmo número, somente em posse das duas dicas você irá reunir as condições para descodificar a mensagem e o mapa que o guiará para a “CAÇA AO BESOURO”, uma verdadeira “caça ao tesouro” nas ruas de São Paulo.

A “CAÇA AO BESOURO”, será a etapa final para conseguir conquistar o seu lugar para assistir a pré-estreia de BESOURO, e consiste em encontrar o VALE INGRESSO e os outros brindes, que estarão escondidos em pontos-chaves de São Paulo, nas coordenadas obtidas através das DICAS (chamadas) obtidas nos sites PortalCapoeira.com e RabodeArraia.com

Como Ganhar

Os três primeiros CAÇADORES a encontrar o ponto-chave, munidos da informação obtida nas dicas da campanha, deverão se dirigir ao nosso STAFF, que estará no local, e dizer a seguinte frase: “Besouro, da capoeira nasce um herói”, os dois primeiros caçadores serão os felizardos convidados para a pré-estréia do fime do diretor João Daniel Tikhomiroff sobre Besouro Mangangá, o lendário herói da capoeira brasileira. Ainda serão oferecido outros prêmios  (CD’s, Livros e DVD´s) para os tres primeiros caçadores, ao todo serão distribuidos 6 vale-ingressos e 9 outros prêmios.


Objetivo e Justificativa:

Iremos  transformar a pré-estreia de Besouro, em uma data diferencial  para a comunidade  capoeirística com o objetivo do esforço da comunicação promocional e da simbiose entre a mais antiga loja de capoeira da internet e um dos mais visitados e conceituados meios de comunicação direcionados para a comunidade capoeirística, oferecendo a seis felizardos uma oportunidade mágica de estar ao lado dos mais conceituados e relevantes profissionais da capoeira do estado de São Paulo e também, consolidar a parceria positiva entre meios, baseado conceitualmente na associação entre bom atendimento, bons produtos, coerência e responsabilidade na veiculação das notícias e informação para um público especializado e cada vez mais exigente.

É por isto que lutamos e batalhamos juntos aos nossos parceiros e colaboradores para proporcionar para “nossa gente”, formas diferenciadas e direcionadas para o crescimento e divulgação dentro contexto da capoeiragem.

Uma boa CAÇADA a todos!!!

 

Com os melhores cumprimentos, desejando muito axé

 

Portal Capoeira

RabodeArraia.com

 

Agradecimentos especiais a toda equipe envolvida, direta e indiretamente na produção do filme Besouro, da capoeira nasce um herói

http://www.besouroofilme.com.br