Blog

bienal

Vendo Artigos etiquetados em: bienal

Angola Bienal – 2013

 

Aos Senhores, Mestres, Professores, alunos e ao público em geral, venho através deste convida-los para o evento ANGOLA BIENAL 2013, que acontecerá na cidade de Salvador Bahia, entre os dias 08 e 13 de Janeiro.
O evento será organizado e realizado pela Academia João Pequeno de Pastinha – CECA que funciona no Bairro do Rio Vermelho na comunidade do vale das pedrinhas com a direção do Mestre Faísca.
Nesta Angola Bienal – 2013, trataremos do tema: “Mestre João Pequeno de Pastinha, transmissão da cultura popular”, onde discutiremos o legado do Mestre João Pequeno de Pastinha, enquanto genuinamente a voz da cultura Popular. Teremos uma programação extensa, com Oficinas de Capoeira Angola sob a técnica do Mestre João Pequeno de Pastinha, Palestras, oficinas de construção de instrumentos e de Samba, exposições fotos, entrega de carteiras a novos alunos, festa baiana, etc…. O evento conta sempre com a presença da velha guarda da Bahia e toda juventude capoeiristica nacional e internacional.
A Angola Bienal, é um evento de grande cunho social e cultural na Bahia, sem fins lucrativos. Sua presença não só engrandecerá o evento, mas será uma oportunidade para fortalecemos os valores da Capoeira Angola, Cultura Popular e compreender melhor o legado do Mestre João Pequeno, Mestre Pastinha e da missão do Mestre Faísca, que é um ativista sócio-cultural com resultados relevantes na comunidade do Vale das Pedrinhas e preservador da técnica de Mestre João Pequeno de Pastinha.
Continuaremos em contato, enviando novas informações!
Um forte abraço e vibrações Positivas,
Mestre Faísca

 

Livro “A ginga dos mais vividos” é lançado na Bienal de Salvador

Não há limite de idade para a prática da capoeira. Esse é o tema do livro “A ginga dos mais vividos”, de autoria do jornalista brasiliense Mano Lima, colunista do Portal Capoeira e editor da revista Capoeira em Evidência.  O escritor está autografando a obra de 24 a 26 de abril de 2009, na Bienal do Livro, das 16 às 20 horas, no Centro de Convenções de Salvador (Bahia).

A obra aborda experiências de inclusão social com idosos a partir da capoterapia, terapia criada por Mestre Gilvan, baseada na capoeira e desenvolvida em vários estados brasileiros.  O livro está à disposição no estande da Editora IMEPH (estande 140).

Durante a sua permanência, na capital baiana, Mano Lima, que também é autor dos livros “Eu, você e a capoeira” e “Dicionário de Capoeira”, estará à disposição para participar de rodas e eventos de capoeira e divulgar suas obras.

Contatos com o autor: (71) 9158 7898, (85) 8796 3290, (85) 9981 0221, recados com Lucinda ou José. E-mail: mano.lima@yahoo.com.br.

Encomende e receba em casa meu livro “A ginga dos mais vividos” (capoeira na 3a. idade) Mano Lima – (61) 8407 7960

Editor da Revista Capoeira em Evidência. Colunista dos sítios  www.temnoticia.com.br e www.portalcapoeira.com
 
Blog:http://comunicacao.org.br/jk/content/blogcategory/42/41/

 

Fortalecimento da cultura nacional

O ministro da Cultura, Juca Ferreira, recebeu em seu gabinete, na manhã dessa terça-feira, 10 de março, o primeiro ministro de São Tomé e Príncipe, Joaquim Rafael Branco, que veio convidá-lo para a abertura da Bienal de São Tomé e Príncipe, que se realizará em 2010, e pedir apoio para a produção do filme Batepa, que será dirigido por um diretor angolano e um produtor brasileiro. O encontro aconteceu na sede do Ministério da Cultura, em Brasília.

Também participaram da reunião, o presidente da Fundação Cultural Palmares, Zulú Araújo, o secretário do Audiovisual, Silvio Da-Rin, o diretor de Relações Internacionais, Marcelo Dantas, representantes do MinC, do ministério das Relações Exteriores e de São Tomé e Príncipe.

ORIENTAÇÕES

Juca Ferreira disse que o ministério da Cultura vem seguindo a orientação do presidente Lula no sentido de fortalecer as relações com os países da África. Ele garantiu dar total apoio à Bienal e disse que o MinC irá participar do evento nas mais diversas áreas como: música, cinema, dança, dentre outras. O ministro também reafirmou a intenção de cooperação na execução do filme, especialmente na finalização do projeto e de mixagem, por meio da secretaria do Audiovisual (SAv/MinC) e da Fundação Cultural Palmares (FCP/MinC).

Além desta parceria, Ferreira sugeriu trocas de conteúdos audiovisuais, por meio das TVs públicas e instalar, em breve, um Pontão de Cultura, que será discutido ainda este ano com representantes da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Portugal.  Ele propôs também a instalação de bibliotecas públicas, com o apoio da Coordenação Geral de Livro e Leitura, e pediu ao país africano que intensificasse o uso da língua portuguesa, no âmbito do Acordo Ortográfico. O secretário Silvio Da-Rin sugeriu a exibição de filmes sobre a capoeira, nas formas prática e teórica, durante a Bienal de São Tomé e Príncipe.

O presidente da FCP/MinC, Zulú Araújo, falou do Portal da CPLP na Internet e pediu a participação do país africanos, junto aos outros países participantes, “tendo em vista que temos representantes na Europa, na Ásia, na África e na América”. Propôs a capacitação de três técnicos em São Tomé e Príncipe para inserir no site informações sobre a nação africana para que haja interação maior entre os países de língua portuguesa.

Bienal Afro-Brasileira do Livro será lançada em Salvador

Acontece no dia 07 de fevereiro de 2009 (sábado), às 10h, na Câmara Municipal de Salvador – Pça. Tomé de Souza, o lançamento da Bienal Afro-Brasileira do Livro – Educar para a Diversidade. O evento traz à tona, com grande ênfase, a cultura afro-brasileira situando, além do foco nas produções literárias independentes, produções literárias do mercado editorial com prioridade no corte racial e outras manifestações culturais resultantes da trajetória de resistência dos afro-descendentes.

Durante a Bienal, a Secretaria de Educação do Estado da Bahia – SEC, faz lançamento do edital para seleção publica de material didático em Historia e Cultura Africana e Afro-brasileira e Educação das Relações Étnico Raciais para professores e alunos da rede estadual de educação. A programação do evento conta com: Colóquio Intelectual, mesas temáticas, exposição de artes plásticas e livros temáticos.

CONCEITO – Foi compreendendo que é necessário valorizar, sem disfarces, a luta e a história do povo negro na formação da identidade e cultura da sociedade brasileira que a Bienal Afro chega à conclusão que contribuir para ajudar a minimizar a desigualdade racial não é apenas resolver seus aspectos puramente econômicos, plasmar leis, mas é também educar a família, a comunidade, o professor e, nessa educação, reconstruir a educação nos parâmetros edificados pelos seus principais protagonistas.

Para que a pessoa, indistintamente, não seja só um ente social, mas que seja também capaz de viver, difundir e contribuir para o desenvolvimento da cidadania plena, esse caminho é, portanto, a preparação das novas gerações para a vida em sociedade plenamente democrática, justa e conhecedora da sua formação histórica, e, consequentemente transformadora, para que, de fato, sejamos gigantes pela própria natureza humana, rica em sabedoria.

A Bienal Afro-Brasileira vem de encontro às políticas públicas que visam o combate à discriminação racial, à igualdade de oportunidades e às reparações.

“A história é um processo, prossegue, e todos nós, conscientes ou inconscientemente, por atos ou omissões, participamos dela”.

OBJETIVOS

– Dar visibilidade às produções independentes, cujos conteúdos editoriais valorizem a História da África e a Cultura Afro-Brasileira, aproximando-os do mercado editorial e/ou auxiliando-os na criação de Cooperativa Editorial para concretizar as suas produções literárias.

– Oferecer essas produções aos Educadores de todos os níveis, cada um ao seu turno, para suprir a ausência de material didático para ser difundido nas salas de aula.

– Auxiliar as instituições de ensino na construção da identidade étnica dos alunos, pais, funcionários e comunidade.

– Fazer a discussão e tornar visível a temática racial para o conjunto da sociedade, através das manifestações culturais resultantes da trajetória de resistência: capoeira, samba, tambor de criola, ciranda, música, congada, reisado, boi-bumbá, etc.; além dos instrumentos musicais: atabaque, agogô, caxixi, cabaça, chocalho, etc.; exibição de vídeos e filmes; culinária de origem africana de todas as regiões do Brasil; moda; beleza; exposições artísticas; exposições fotográficas; artesanato; religiosidade de matriz africana e outras intervenções culturais relacionadas ao tema do evento.

– Introduzir a comparação do sistema brasileiro de inclusão racial e social, no contexto de uma economia transacional , com outros países desenvolvidos, emergentes e subdesenvolvidos, demonstrando o impacto de diferentes ambientes culturais, político-econômicos e normativos sobre a natureza da diversidade.

Serviço

O quê? Lançamento da Bienal Afro-Brasileira do Livro – Educar para a Diversidade

Quando? 07 de fevereiro de 20009 (sábado), a parti das 10h.

Onde? Câmara Municipal de Salvador – Pça. Tomé de Souza – Salvador/Ba.

Quanto? GRATUITO

PROGRAMAÇÃO:

Manhã:

-10h, Abertura
 

Mesas Temáticas

– Invisibilidade do Negro na Literatura Afro-brasileira

– Impacto da lei 10.639 no combate as desigualdades

– Lançamento do edital para seleção publica de material didático em Historia e Cultura Africana e Afro-brasileira e Educação das Relações Étnico Raciais para professores e alunos da rede estadual de educação

Almoço

Tarde:

– Apresentação do Conselho Consultivo da Bienal Afro-BrasileirA do Livro

-Visitação Publica ao pôr-do-sol no Forte São Marcelo

-Show intimista com artistas locais

 

Noite:

– Noite da Beleza Negra no Ilê Aiyê

Mais informações:

Samuel Azevedo

(71) 87090312 – aseydou@hotmail.com
 

Hamilton Oliveira (Dj Branco) – Assessor de Comunicação

(71) 9151-0631 – cmahiphop@hotmail.com

Mostra Bienal 2009 do CECA Rio Vermelho

Nosso camarada, Mestre Faisca (Salvador – Bahia), diretor da Academia João Pequeno de Pastinha – C.E.C.A. localizada no Bairro do Rio Vermelho, nos escreve desejando boas festas e convidando para a Mostra Bienal 2009 do C.E.C.A. Rio Vermelho. Uma ótima oportunidade para vadiar e estar perto do "Velho Capoeira* ", mestre João Pequeno.

Jah vive!
Caro Milani, Vamos realizar nossa Mostra Bienal 2009 do C.E.C.A. Rio Vermelho de 16 a 18 de janeiro em Salvador / Bahia.

Quero parabeniza-lo pelo grandioso trabalho e contribuição que vc e sua equipe tem feito em prol da capoeira e de um Brasil melhor com o Portal do Capoeira, aproveito e convitdo vc e toda equipe para nossa Mostra Bienal 2009 de 16 a 18 de janeiro em Salvador / Bahia, e que em breve será divulgado a programação no Portal e todos veiculos de comunicação que tivermos acesso, será um prazer em recebe-los – desde já, desejo a todos um feliz Natal e prospero Ano Novo!

Vibrações Positivas,

Mestre Faísca
AJPP-CECA – Rio Vermelho tel: (71) 8813-9060
http://www.ceca-riovermelho.org.br

 

Mostra Bienal 2009 do C.E.C.A. Rio Vermelho

 

Quem Somos

A Academia João Pequeno de Pastinha – Centro Esportivo de Capoeira Angola / Rio Vermelho, é uma Organização Não Governamental, inscrita no CNPJ sob o nº 06.109.443/0001-00, sem fins lucrativos, cujo diretor-presidente é Mestre Faísca. Constitui-se em um espaço cultural e educativo para a comunidade da periferia urbana de Salvador.

Missão

Preservar a cultura afro-brasileira, através da Capoeira Angola sob a técnica de Mestre João Pequeno de Pastinha e demais manifestações artísticas, utilizando-a como elemento de mudança sócio-educativa e inclusão social.

Estátua símbolo de Bruxelas ganha roupa de capoeirista

O Manneken-Pis, monumento mais célebre de Bruxelas, capital da Bélgica, se vestiu de capoeirista nesta sexta-feira para celebrar a Independência do Brasil e promover a primeira Bienal de Artes Plásticas Brasileiras do país.
 
Será a primeira vez que a pequena escultura de bronze, símbolo da capital européia, portará um traje típico brasileiro.
 
O petulante menino de 55 centímetros de altura, que guarda uma antiga fonte pública da cidade fazendo xixi e completamente nu, só leva roupas em homenagem a ocasiões especiais, uma tradição que começou em 1747 por iniciativa do rei Luís 15.
 
Este ano ele já foi Elvis Presley, Nelson Mandela e Mozart por um dia.
As diminutas roupas depois são expostas no Museu da Cidade de Bruxelas, que reúne 780 fantasias de diferentes origens já utilizadas pelo Manneken-Pis.
 
Cultura brasileira
 
"Ter o Manneken-Pis vestido de brasileiro é uma grande honra e dará um caráter mais popular e mais lúdico à bienal", afirmou à BBC Brasil a artista plástica Inêz Oludé da Silva, organizadora da Bienal de Artes Plásticas Brasileiras.
 
"Escolhi o abadá da capoeira porque é uma boa maneira de mostrar essa cultura de resistência. Cada vez estão chegando mais brasileiros à Bélgica e é importante mostrar que também somos portadores de cultura, que não estamos aqui unicamente para invadir, para extrair algo, mas também para aportar coisas."
 
Esse é também o objetivo por trás da bienal, que entre 14 e 30 de setembro mostrará nas Casa das Culturas de Saint Gilles, em Bruxelas, uma seleção de telas, fotografias, vídeos e instalações de 14 artistas brasileiros residentes na Europa.
 
Ao total, serão 70 obras expressando "o sentimento dos brasileiros que fazem parte da Europa". "Eu tinha um grande desejo de divulgar algo mais sobre o Brasil além dos clichês comuns aos europeus: Carnaval, futebol, favelas ou pessoas carentes", conta a organizadora, que vive na Bélgica há 31 anos.
 
Os artistas que participam da bienal foram selecionados por dois curadores independentes a partir de um edital publicado nas embaixadas brasileiras da Europa.
 
 
Enviado por: Bruno "Teimosia"