Blog

espanha

Vendo Artigos etiquetados em: espanha

Mestre Capixaba enfrenta uma velha sina capixaba

Quem esteve no Sítio Histórico Porto de São Mateus em 2007 se emocionou com uma histórica roda de capoeira. Dentro jogavam dois monumentos: João Grande e João Pequeno. Este faleceu em 2011. João Grande, que em fevereiro fez 80 anos, há muito vive em Nova Iorque, ensinando a luta brasileira na multicultural Manhattan.

Essa bela página da história da capoeira foi escrita durante a primeira edição do Encontro Internacional e Jogos Abertos Acapoeira, organizado pelo Mestre Capixaba. Apesar disso, seis anos depois, o encontro chega à quinta edição tropegamente.

O evento deste ano, que acontece em Itaúnas (Conceição da Barra) entre os dias 21 e 25 de agosto, recebeu um único apoio oficial, oriundo da Secretaria de Estado da Cultura. Mesmo assim, via emenda parlamentar (do deputado estadual Sérgio Borges, do PMDB).

Realizado desde 2007, o encontro reflete uma interessante característica de seu organizador: o trânsito que ele tem por mais de 30 grupos. Por uma questão, digamos, cultural, grupos de capoeira são como que organizações que tendem a não estabelecer laços entre si. Os integrantes de um grupo só jogam com seus pares.

Mas aí, para Capixaba, não há vivência. Desde aluno, em meados dos anos 70, ele se movimentava entre os grupos rivais de Vitória. Hoje ele trabalha para a aproximação entre os grupos, processo que o encontro catalisa. Sua filosofia sustenta que laços mais estreitos significam intercâmbio cultural e, portanto, enriquecimento da capoeira.

Por isso o Encontro Internacional e Jogos Abertos atrai praticantes do Brasil e do mundo inteiro, de vários grupos, sem discriminar graduação. Já veio gente da EUA, Canadá, Alemanha, Áustria, Suécia, Espanha, Suíça, França, Hungria, República Techa, Colômbia.

Para esta edição estão previstas as participações de mestres e professores dos EUA, Áustria, Suíça, Espanha, Alemanha, Colômbia e Hungria: Mestre Preguiça (EUA), Professor Tapioca (Áustria), Professor João de Barro e Professora Bela (Suíça), Professor Bala (Espanha), Professor Pit Bull e Professora Pérola (Alemanha), Instrutor Tigrinho (Colômbia), Mestre Paulão (Hungria).

A principal atração será a formatura dos professores Rafael (Rio de Janeiro) e Sururu (Minas Gerais). É sempre comovente o solene momento em que as portas da capoeira se abrem para novos mestres. Rafael e Sururu acompanham Mestre Capixaba há quase três décadas. A ideia, agora, é viajar com os dois para alguns países e aprimorar com eles o ensino da capoeira.

Entre o final de maio e o final de junho deste ano Mestre Capixaba iniciou pela Espanha sua peregrinação de 30 viagens anuais. Grécia, Holanda e Alemanha vieram a seguir. De volta ao Brasil, mais avião: Rio Grande do Sul, São Paulo, Piauí, Roraima e Fortaleza. No final de setembro, já há compromisso agendado nos Estados Unidos.

Mestre Capixaba é um dos capoeiristas mais requisitados do mundo. Ao lado dos mestres João Grande (EUA), Camisa (RJ), Preguiça (EUA), Itapoã (BA), Tabosa (DF), Di Mola (Suécia) e Sabiá (BA), é um dos principais difusores dessa arte marcial genuinamente brasileira.

São 35 anos enfrentando viagens longas e rotinas exaustivas para levar um patrimônio imaterial brasileiro aos quatro cantos do globo – ele não sabe quantos países já visitou – e a incontáveis cantos e recantos do Brasil. Mas se diz cansado. Tanto que planeja um 2014 diferente: programou apenas duas viagens ao exterior, Austrália e Inglaterra, dois países ainda não visitados.

Fosse apenas as viagens que lhe provocassem os achaques do cansaço, ok, ótimo. Mas não. O mestre é mais uma ilustre vítima de um mal genuinamente capixaba. Fora das fronteiras estaduais, banham-lhe em honras, láureas, reconhecimento e respeito. Cá dentro, paira o silêncio.

O mestre é ao mesmo tempo causa e efeito do fenômeno internacional em que se transformou a capoeira: hoje são cerca de 10 milhões de praticantes no mundo e um dos mais praticados no Brasil. É um dos muitos capoeiristas que deixaram a terra natal para semear as sementes da capoeira mundo afora. E, aí, cada lugar o levou a outro e mais outro e mais outro.

Ano que vem Mestre Capixaba celebra 40 anos de devoção à capoeira. Aprendeu os primeiros golpes com o irmão mais velho, numa época em que Vitória era dividida em grupos (Praia do Canto, Centro, Jucutuquara, agregando ainda Vila Velha), de capoeiristas ou não, que não podiam se cruzar. Do contrário, era briga.

Quem amainou as disputas e de certa forma aproximou os grupos chama-se Diabo-Louro, mestre baiano que chegou ao estado no início dos anos 70. Diabo-Louro transitava entre os grupos, dando aula em Jucutuquara e no Praia Tênis Clube. Outra iniciativa que quebrou o gelo foi a organização do 1° Campeonato de Capoeira.

Foi embora pouco depois, em meados da década, e deixou alunos para Mestre Binho, seu aluno mais graduado. Binho foi o primeiro mestre de Capixaba.

Quase 40 anos depois, Mestre Capixaba ainda insiste para que o santo de casa faça milagre. Mesmo experimentando o gosto da glória que o gênero conheceu de algumas décadas para cá, como expressão cultural legitimamente brasileira (algo que o mundo globalizado adora, como o samba, o choro, o carnaval), ele ainda não conseguiu.

Mestre Capixaba conhece os dois lados da capoeira: a marginalização e a celebração. No Espírito Santo, parece viver os séculos em que cada meia-lua escrevia no ar a história animalesca da escravidão colonial-imperial ou do preconceito republicano, quando em 1890 um decreto federal proibiu a capoeira, situação que só teve bom termo em 1935.

Demorou bastante para essa arte-marcial nascida nas senzalas e quilombos cativar os milhões pelo mundo que hoje a praticam. Esse é o lado bom da história, que Mestre Capixaba felizmente conhece bem. A ponto de ter vivido episódios marcantes no exterior.

Em Israel, a capoeira só perde para o Krav Magá em número de praticantes. Há alguns anos, uma universidade de Israel precisava da assinatura de um mestre de brasileiro para autenticar a cadeira de capoeira. Mestre Capixaba foi o responsável. O país não lhe era estranho: o grupo que integrava possuía representantes ministrando cursos e workshops por lá, dada a popularidade da capoeira em Israel.

Em 1989, a atriz Brook Shields, então um dos rostos mais venerados de Hollywood, lançou Brenda Starr, filme de aventura em que vive a destemida repórter homônima à película. Parte da história se passa no Brasil e a produção queria capoeiristas.

Jelon Vieira, pioneiro na introdução da capoeira nos Estados Unidos, mostrou um vídeo com Mestre Capixaba e Mestre Boneco (o ex-ator global Beto Simas). Assim Capixaba fez uma ponta no filmão hollywoodiano, distribuindo pernada em grandalhões russos.

Ainda nos Estados Unidos, ministrou workshop na respeitada academia de luta de Dan Inosanto, discípulo direto de Bruce Lee.

A longa experiência internacional conferiu a Mestre Capixaba o privilégio de ter discípulos atuando em diversos países. Nos Estados Unidos, os mestres Ary Ranha, Carioca e Bom Jesus; na Espanha, o Professor Bala; na Alemanha, os professores Arisco, Pitbull, Tapioca, Papa Léguas; na Áustria, o Professor Paçoca; na Suécia, o Professor Tim-Tim; na França, o professor Ticum; na Colômbia, o professor Felino; no Chile, o professor Urutum. Sem contar outros tantos instrutores.

Embora seja um dos grandes semeadores da capoeira no mundo, Mestre Capixaba optou por permanecer na terra natal. Mora em São Mateus, no norte do estado, desenvolvendo projetos sociais em escolas do município e da vizinha Conceição da Barra. A confiança nos benefícios físicos e morais da capoeira inspira ainda projetos em Itaúnas e nos quilombos de Angelim e São Domingos, tudo em Conceição da Barra.

A residência em São Mateus recobre-se também de um ato de reverência. Ali viveu o escravo Tedororinho Trinca-Ferro, apontado como criador da Capoeira Angola, ainda quando o município, como todo um naco do norte capixaba, pertencia à Bahia. Não deixa de ser uma atitude de resgate da ideia de que a Capoeira Angola carrega DNA capixaba.

 

Capoeirista, que não sabe quanto países já visitou, é um dos mais solicitados do mundo, mas ainda é ignorado na terra natal

 

Fonte: http://www.seculodiario.com.br

Conferencia Cultural Afro-Brasileira – Espanha 2012

Partecipação especial:

Mestre João Grande (USA)

Mestre Plínio (Brazil)

 

Preço

Forma de pagamento:

Ate o dia 15 de Novembro – 120 € (60 € antecipado / 60 € no dia do evento) por 4 dias.

Depois o dia 15 de Novembro – 150 € por 4 dias.

Depois o dia 15 de Novembro – 50 € por 1 dia.

 

Para pagar o 60 € anticipado utilizar a conta:

 

Daniele Bolletta

IBAN – IT92C0301503200000002615527

Email – daniz@nacao-zumbi.com

 

O preço inclui aulas e hospedagem (levar saco de dormir).

 

Programação

Em breve.

 

Hospedagem

Levar saco de dormir.

 

Translado

Desde do aeroporto de Alicante, sera organizadas caronas no valor de 5 € por pessoa. Para reservar uma vaga, escrever a info@nacao-zumbi.com.

Desde da estação de onibus de Alicante, consultar o site: www.agost.es.

 

Information

Mail – info@nacao-zumbi.com

Alfonso (Espanha) – +34 630 545 531

Daniele (fora da Espanha) – +353 862 652642

 

(EN) Afro Brazilian Culture Conference – Spain 2012

Mestres and Professores

Special partecipation:

Mestre Joao Grande (USA)

Mestre Plinio (Brazil)

 

Payment

Payment method:

 

Until the 15th of November – 120 € (60 € in advance / 60 € the day of the event) for 4 days of event.

After the 15th of November – 150 € for 4 days.

After the 15th of November – 50 € for 1 day.

To pay the 60 €, please use the folowing account:

 

Daniele Bolletta

IBAN – IT92C0301503200000002615527

Email – daniz@nacao-zumbi.com

The price icludes workshop and hospitality (bring sleeping bag).

 

Agenda

Soon.

 

Hospitality

Bring your sleeping bag.

 

Transfer

From Alicante airport, rides will be organized for € 5 per person. To reserve a place, write info@nacao-zumbi.com.

From the bus station in Alicante, visit: www.agost.es.

 

Information

Mail – info@nacao-zumbi.com

Alfonso (Spain) – +34 630 545 531

Daniele (outside Spain) – +353 862 652642

Aconteceu: Evento internacional de Capoeira em Matosinhos e Porto

Matosinhos e o Porto foram palco de 8 a 10 de Junho do 6º Evento Internacional de Capoeira, que contou com a participação de convidados e professores de países como Portugal, Espanha, França e Brasil.

O encontro iniciou na sexta-feira (8 de Junho), pelas 18 horas, com uma “Roda de Abertura”, que decorrerá em frente à Câmara Municipal de Matosinhos.

O Pavilhão da Escola Augusto Gomes, em Matosinhos, será palco, no dia seguinte, de um “Aulão”, que decorrerá das 9,30 horas às 14 horas. A partir das 16 horas, terá lugar na Praça D. João I, no Porto, uma exibição de capoeira. Depois das 18 horas e até escurecer, terá lugar no “Calçadão” de Matosinhos, em frente à Praia do Titã, uma roda e muita diversão. No domingo, terá lugar o Evento Internacional propriamente dito, a partir das 11 horas, no Mar Shopping, que incluiu o “batismo e graduação”, estando o encerramento marcado para as 15,00 horas.

Entre os convidados, contam-se o Mestre Macaco (Brasil), o Mestre Pernalonga (Porto), o Mestre Barão (Porto), o Mestre Neguinho (Lisboa) e o Contra-Mestre Fantasma (Porto). Participam também os Professores Lesma e Papilon (Lisboa), o Professor Stress (Porto), o Professor Oriazambi (Espanha), o Professor Tijolo (Porto), o Professor Zezinho (Lisboa), o Formado Gavião e o Instrutor Gerbinho (França), o Graduado Jamanta (França), entre outros.

Capoeira é uma verdadeira Arte Marcial Mista com múltiplos aspetos: desportivos, educacionais, lúdicos, terapêuticos, artísticos, culturais, místicos, filosóficos e folclóricos. Distingue-se de outras artes marciais pelo processo de formação e estruturação que abrange características de um sistema de defesa e ataque. É uma Arte que pode ser utilizada como luta, jogo ou dança.

É a única modalidade de luta marcial que se faz acompanhada por instrumentos musicais. O ritmo a flexibilidade, agilidade e destreza que estão sempre presentes nesta arte desportiva proporcionam a quem a pratica um alegre prazer e a quem assiste, um verdadeiro espetáculo.

O grupo Zumbi Portugal, que organiza este evento internacional, tem sede em Matosinhos e tem vindo a fazer um trabalho de divulgação da Capoeira organizando diversas apresentações por todo o país, promovendo a interação com outros grupos desportivos e dando a conhecer a todos uma “nova” forma de estar no desporto e na vida.

http://grupozumbi.com/

Conferência Cultural Afro Brasileira – Nação Zumbí

Mestres e Professores

Participação especial:

Mestre Jogo de Dentro (Brasil)

Mestre Plinio (Brasil)

Convidados:

Mestre Jai Carrasco (Espanha)

Mestre Olho Blanco (Espanha)

Professor Careca (Portugal)

Professor Capacete (Espanha)

Professor Dudu (Grecia)

Professor Thiago (Francia)

Professor Indio (Brasil)

Professor Geraldo (Holanda)

Professor Maia (Alemanha)

Professor Julio (Espanha)

Professor Papagaio (Espanha)

Preço

Forma de pagamento:

      • Ate o dia 15 de Junho – 85 € (35 € anticipado / 50 € no dia do evento).
      • Depois o dia 15 de Junho – 95 €.

Forma de pagamento para pesoa fora da Espanha.

        • Ate o dia 15 de Junho – 70 € (35 € anticipado / 35 € no dia do evento).
        • Depois o dia 15 de Junho – 80 €.

Para pagar o 35  € anticipado utilizar a conta:

Daniele Bolletta

IBAN – IT92C0301503200000002615527

Email – daniz@nacao-zumbi.com

O preço inclui camisa, workshop, hospedagem (levar saco de dormir).

Hospedagem

Levar saco de dormir.

Informação

Muzenza: Encontro Internacional de Capoeira – Portugal/2011

É com grande satisfação que convidamos os AMIGOS para mais um Encontro Internacional de Capoeira – Portugal/2011, que estaremos realizando no Shopping Dolce Vita Tejo, dia 04 de Junho, com início às 17h.

 

Programação:

Data

Local

Actividades

Domingo, 29 de Maio

16h

Parque Salgueiro Maia

Massamá

  • Roda aberta

6ª feira, 3 de Junho

20h

Real Sport Clube

Massamá

  • Roda aberta

Sábado, 4 de Junho

10h

Shopping Dolce Vita Tejo

  • Aulas

Sábado, 4 de Junho

17h

Shopping Dolce Vita Tejo

  • Shows
  • Batizado e troca de graduação dos alunos

 

Contaremos com as presenças especiais do Mestre Burguês (Presidente do Grupo Muzenza), Mestre Madona (Mexico)  Mestre Wellington (Grupo BerimBrasil – Brasil), Mestre Abdula (França), Mestre Nikimba (Espanha), Mestre Feijão (Espanha) e a participação de contra-mestres, professores, instrutores, monitores e graduados que desenvolvem seus trabalhos no Grupo Muzenza – Europa, bem como os AMIGOS de outros grupos.

Estamos contando com a participação de todos para que essa iniciativa seja um sucesso.

Contacto para confirmações: 00351 963 548 283 (Mestre Sargento)

    *Estaremos dedicando a realização desse evento em MEMÓRIA do Mestre Artur Emídio e do Mestre Peixinho (Grupo Senzala).

     

    Informações:

    http://www.rabodearraia.com

    Home

    http://www.muzenza.com.br

    Aluá Capoeira promove Pernada Carioca

    A cidade espanhola de Valencia será palco do 5º. Encontro Internacional de Capoeira, nos dias 30 e 31 de março e 1 e 2 de abril. A realização é do grupo Aluá Capoeira, dirigido por Wellington Siqueira, o Mestrando Cinzento. Durante o evento acontece a tradicional Pernada Carioca.

    O encontro tem o apoio da Fundación Pública Municipal Per a la Cultura, L`Educación, La Joventut I L`Esport Del Puig e visa a integração e a transmissão da arte “capoeira”, com ênfase nos aspectos culturais e marciais dessa arte-luta.

    Em novembro de 2011 tive a oportunidade de conhecer, como jornalista, a pujança do trabalho do Aluá desenvolvido em outras cidades espanholas, como Alicante. Isso é uma demonstração que a capoeira brasileira pisou firme na pátria de Cervantes.

    De acordo com Cinzento, a Capoeira na Europa, precisamente na Espanha, tem se expandido para outros âmbitos e segmentos, sem perder seu conteúdo social e desportivo. “A Capoeira na Espanha não é somente um esporte, mas una ferramenta de Socialização, que atua favorecendo aqueles que têm deficiências psíquicas e motoras, contribuindo para integrar muitos espanhóis se imigrantes que vivem nos pais.”, afirma Cinzento.

    Informações: Facebook: aluacapoeira, Orkut: aluacapoeira, Youtube: aluacapoeira, Blogspot: aluacapoeira.blogspot.com

    Marburg: Workshop com a Mestra Janja

     Marburg: Workshop com a Mestra Janja

    Acontecerá nos dias 10,11 e 12 de Julho, na cidade de Marburg, Alemanha, um Workshop com a Mestra Janja do Grupo Nzinga de Capoeira Angola.

    O evento é organizado pelo Grupo Nzinga de Capoeira Angola, núcleo Marburg, e faz parte das comemorações dos 04 anos do mesmo grupo.

    Inscriçôes e maiores detalhes sâo encontrados no próprio convite.

     Ngunzo e esperamos a todas/os.

    Grupo Nzinga Marburg”

     

    Pedro A. V. Gonçalves

    (xx34) 676-730-331
    Barcelona – Espanha

    O Camará – Congresso Mundial de Capoeira/2009

    O Camará – Congresso Mundial de Capoeira/2009, que será um evento aglutinador de praticantes da capoeira e áreas afins, provenientes de todo os continentes, no período de 31/08 a 13/09 de setembro, em Salvador e Livramento -Bahia, promovendo palestras, competições, festivais, cursos e vivências ministradas pelos maiores mestres desta arte no Brasil.

    A elaboração deste congresso, é fruto da parceria estabelecida entre a Associação Cultural GUETO, Colégio Oficina, UNIJORGE e a UNIRB, que juntos darão o suporte técnico-pedagógico para realização deste evento, tendo como intuito principal o fortalecimento do elo de ligação entre a capoeira, o esporte e a Educação formal, possibilitando um maior intercâmbio entre as culturas populares e a produção científica, enfocando o trabalho com a cultura corporal em escolas, o processo de ensino-aprendizagem da capoeira, bem como suas relações no desenvolvimento histórico e social, possibilitando desta maneira a ampliação do nível de informação dos profissionais que atuam nesta área e ainda o aprimoramento técnico – desportivo dos praticantes de capoeira.

    Vale a pena ressaltar, que o Camará – Congresso Mundial de Capoeira/2009, também se firma como um importante evento cultural – desportivo, que vem trazer entretenimento, informação e lazer para as cidades de Salvador, Vitoria da Conquista e Livramento de Nossa Senhora, além de proporcionar a possibilidade de mostrar as belezas naturais da capital baiana e da Chapada Diamantina, com visitas programadas aos seus pontos turísticos, estimulando o turismo e comercio da região do evento, promovendo a divulgação das cidades e de nossos patrocinadores.

    Inscrições gratuitas para professores, contramestres e mestres de capoeira (acompanhando grupos a partir de 5 pessoas).

    Inscrição por pessoa
    Pacote Total | 3 Etapas | R$270,00

    – Camisa Promocional
    – Passagem ônibus- Salvador-Livramento / Livramento – Vitória da Conquista / Vitória da Conquista – Salvador
    – Passeio Turí­stico em Rio de Contas
    – Participação na Copa Camará
    – Hospedagem 5 dias em Livramento com alimentação inclusa
    – Alojamento 5 dias em Salvador
    – Alojamento e alimentação 2 dias em Vitória da Conquista
    – Participação em todos os cursos e oficinas do evento
    – Ingresso para cerimônia de batismo em Salvador

    Inscrição por oficina
    Valor – R$20,00

    Condições especiais para grupos a partir de 5 pessoas!

    Delegações já confirmadas!

    | Bogotá – Colombia
    | Cali – Colombia
    | Guayaquil – Equador
    | Kanazawa – Japão
    | Glenoble – França
    | Buenos Aires – Argentina
    | Caracas – Venezuela
    | Manreza – Espanha
    | Forte Ventura – Espanha
    | Brasil 
    – São Paulo
    – Natal
    – Rio de Janeiro
    – Ceará
    – Pernambuco 

    Maiores Informações: www.guetocapoeira.org.br | guetocapoeira@msn.com |

    Tel: 55 71 33634568 | 81092550

    Capoeira, prostitutas e ronaldinhos

    Nesta matéria retirada do conceituado Jornal O Estado de São Paulo, Mônica Manir, faz uma dura critica a atual situação de rispidez” e o “espiríto da xenofobia e intolerância” que reina entre o Brasil e a Espanha. A jornalista ainda faz uma analogia ao estereótipo cultural brasileiro, produto de exporação e coloca a Capoeira junto com a MPB como nossa principal diplomata.

    Leiam o texto e reflitam…

    Luciano Milani

    Para estudiosa da xenofobia, a imagem do País lá fora pode influenciar decisões na alfândega

    Mônica Manir – O Estado de S.Paulo

    SÃO PAULO – A professora da Unesp Dalva Aleixo Dias morou na Espanha de dezembro de 1996 a agosto de 1999. Foi fazer doutorado em ciências da informação, cujo foco era “imprensa e imigrantes, a questão da xenofobia e do racismo”. Confirmou o que supunha: muitos jornais associavam manchetes negativas ao imigrante, ainda que o imigrante estivesse apenas fazendo uma ingênua festa de aniversário na sua comunidade. Por uma ingenuidade, Dalba, como era oficialmente chamada, quase foi extraditada depois de uma resposta atravessada a um funcionário da estrangería, que desabafou: “Não preciso de documento algum seu, só quero que vocês todos voltem para o seu país”.

    Conseguiu ficar até o final dos estudos. Conseguiu, inclusive, fazer amigos na Espanha. A lição que aprendeu é que a cultura da xenofobia contamina o institucional, principalmente em tempos de desemprego e de eleição no país de destino. Ainda que se cumpram as regras para passar pela fronteira, sobrevive uma imagem petrificada, que pode contaminar o futuro do imigrante. No caso do Brasil, a prostituição, o mundo do entretenimento e o futebol ainda compõem a moldura do nosso espelho. Que, aparentemente, deu uma trincada. Dalva reclama que só conhece acordos feitos para proteger o país de destino. “Tirando o dos exilados, não sei de um tratado que se preocupe com os imigrantes.”

    A Espanha barrou a entrada de aproximadamente 950 brasileiros em pouco mais de dois meses, quase um terço do total de deportados ao longo de todo o ano passado. Há uma perseguição espanhola contra os brasileiros?

    Existe uma lista de documentos que precisa ser preenchida quando se viaja para um determinado país. Ela deve ser cumprida, daqui para lá e vice-versa. A triagem, aliás, deveria ser feita no próprio consulado. Melhor do que deixá-la na mão de um funcionário da alfândega, que tem poder de polícia e pode barrar um imigrante durante 27 horas até a entrevista ou mesmo chamá-lo de cachorro (filhote) ou perro (cachorro). Muitas vezes esse funcionário não conhece a cultura do estrangeiro e baseia o aval ou a deportação numa visão preconceituosa.

    Qual é a imagem dos brasileiros na Espanha?

    Não somos vistos como latino-americanos, e sim como uma mescla de indígenas com africanos, junção de homem selvagem com homem irracional. Lembro de um documentário espanhol sobre o Brasil em que se lia a carta de Pero Vaz de Caminha com mulatas de fio dental ao fundo. Esse é o estereótipo. Quando vêem que alguns de nós têm traços que fogem ao padrão, recorrem a nossa ascendência para nos enquadrar como europeus. Vale a lei do sangue. Dizem: “Você não é mulata nem dança samba, então não é brasileira”. Mostrar que temos várias identidades, que as mulheres brasileiras podem, por exemplo, fazer faculdade, mestrado, doutorado parece inconcebível.

    Contribui para esse estereótipo o fato de as brasileiras serem prostitutas muito requisitadas lá?

    Sim, elas são as prostitutas mais bem-sucedidas. Recebem cerca de 20 salários mínimos por mês. Conheci cubanas que se faziam passar por brasileiras para conseguir mais clientes. A maioria já era prostituta no Brasil, algumas delas com filhos e muitas delas migrantes internas. Saem do Nordeste, do Norte e do Centro-Oeste em direção ao Rio e São Paulo atrás de um lugar para ganhar o pão. Quando requisitadas para trabalhar na Europa, vão contratadas legalmente como dançarinas. Trabalham de março a dezembro, das 22h às 5h, na sala de fiestas, onde fazem shows seguidos de programas. Ganham bem, mas à custa de uma vida socialmente clandestina.

    Elas não são donas de seus passaportes?

    Não. O passaporte é retido pelo proprietário da boate, para quem elas já partem daqui devendo o dinheiro da passagem. Vivem sob vigilância cerrada. Até mesmo o taxista que as leva para o apartamento onde moram é contratado pelo dono da sala. As prostitutas não saem por nada, não convivem com a comunidade, compras de supermercado chegam até elas. Passam o dia assistindo à televisão, onde a imagem que se vê do Brasil é das piores.

    Saem enganadas daqui?

    O jogo para elas é claro. E as condições ruins nas quais sempre viveram as mantêm, de certa forma, conformadas com a nova situação. Mas acalentam o sonho de comprar uma casa para a família que ficou no Brasil e de casar com um europeu que aceite seu filho.

    Há muitos garotos de programa também?

    Sim, embora eu saiba de mais garotos de programa em Portugal. São contratados como animadores de festas na Espanha. Vi muitos com 18, 20 anos. As prostitutas têm entre 21 e 32 anos, média de idade dos jogadores de futebol.

    As brasileiras que seguem os jogadores na Espanha acentuam esse rótulo de “mulheres fáceis”?

    Eu diria que é o contrário: as espanholas é que ficam doidas pelos jogadores brasileiros. O que acontece é que muitos desses jogadores também passam a imagem de escravos. Em geral ganham mais do que ganhavam no Brasil, mas sofrem uma pressão terrível – desde o processo de contratação, quando a imprensa noticia que um clube está oferecendo certa quantia, mas o outro pode cobrir a oferta milionária. Ao chegar, precisam mostrar forma física impecável e corresponder de imediato ao investimento. Como as prostitutas, também ficam isolados, concentrados, longe de sua cultura, de sua comida, da mãe e do pai. A gaiola parece de ouro, mas é uma gaiola.

    Como vive o grande número de músicos que migra para a Espanha?

    A MPB entrou no circuito do jazz, da elite. O samba é sinônimo de alegria, de liberação. A música é a nossa maior diplomata, ao lado da capoeira. Muita gente aprende o português só para jogar com os capoeiristas. A capoeira se expandiu na modalidade angolana e numa mais rápida, que envolve saltos mortais, lembrando o circo chinês. Os capoeiristas se apresentam em hotéis de luxo com maculelê, tudo bem bonito, mas depois fazem uma performance com danças tribais africanas. Estamos literalmente ligados à África, de novo. Vale lembrar que esses capoeiristas, quando se machucam, não têm apoio nenhum do governo nem de quem os contratou.

    A Comissão Européia estuda um pacote de leis para penalizar quem emprega imigrantes ilegais até com a prisão. A senhora acredita que ela levará isso adiante?

    A clandestinidade não interessa a ninguém, a não ser àqueles que se beneficiam da mão-de-obra barata. Se estão dispostos a legalizar os imigrantes, parabéns! A Europa precisa de trabalhadores estrangeiros para crescer, seja na agricultura, nos trabalhos ditos domésticos, na pesquisa científica. Há lista de espera de mais de seis meses na Espanha para contratar um pedreiro. Falta mecânico, encanador, empregadas domésticas, babás, até enfermeiras. Se legalizadas, essas pessoas passariam com dignidade pelas fronteiras, diminuiria o preconceito social. Elas poderiam dizer: eu contribuo, no mínimo, com a seguridade social, não sou um peso para seu país.

    Fonte: Mônica Manir – O Estado de S.Paulo – http://www.estadao.com.br/suplementos/not_sup140915,0.htm

    Espanha: Capoeira Valencia “Uma Festa de Camaradas”

     

    O Festival apresenta a Comunidade Valenciana toda a riqueza da cultura Brasileira, tendo a Capoeira como transmissora da mesma. Durantes os 4 dias de festival são realizados cursos, palestras, espetáculos, rodas, dentre outras atividades realizadas por convidados vindos do Brasil e diversas partes do mundo, alguns dos mais representativos nomes da arte-luta brasileira se encontram, fazendo com que Valencia seja o centro das atenções da capoeira na Espanha.
    De 17 a 20 de Abril

    Programação:

    Quinta 17 de abril

    19:00 a 21:00 hrs (Oficina de Capoeira Regional )
    21:00 a 22:00 hrs (Roda de Bienvenida)

    Sexta 18 de abril

    19:00 a 22:00 hrs (Oficina de Capoeira Regional e Contemporanea)
    23:00 hrs (Roda de Rua – Plaza de la Virgen, Valencia)

    Sabado 19 de abril

    11:00 a 12:00 hrs (Oficina de Berimbau)
    13:00 a 14:00 hrs (Roda de Rua – Benaguasil, Valencia)
    16:00 a 21:00 hrs (Oficina de Capoeira Regional, Angola e Contemporanea)
    21:30 a 22:30 hrs (Roda de Rua – Lliria, Valencia)

    Domingo 20 de abril

    12:00 a 14:00 hrs Festa do Batizado e Troca de Graduação (Auditori de la Unió Musical de Benaguasil – Benaguasil, Valencia)

    Convidados e Ministrantes

    Mestre Bamba: Associação de Capoeira Mestre Bimba – Salvador, Bahia, Brasil
    Mestre Boca do Rio: Grupo de Capoeira Angola Zimba – Salvador, Bahia, Brasil
    Mestrando Cinzento: Aluá Capoeira – Valencia, Espanha
    Professor Biriba: Escola de Capoeira Regional Remanescentes – Salvador, Bahia, Brasil
    Professor Luciano Milani: Portal Capoeira, Capoeira Mogadouro – Mogadouro, Portugal
    Crá Rosa – Percussão – salvador, Bahia, Brasil
    Wilton Batata: Percussão – Salvador Bahia, Brasil

    Centro Cultural Capoeira Baiana – C.C.C.B.

    Formado Jamaica: Stavanger, Noruega
    Instrutor Estudante: Rimini, Italia
    Instrutor Grande Preto: Estepona, Espanha
    Instrutor Samuray: La Safor, Espanha
    Estagiaria Mascarada: Valencia, Espanha
    Estagiaria Dendê: Buñol, Espanha
    Estagiaria Moderna: Montreal, Canadá
    Estagiaria Asfixiante: Montreal, Canadá

     


    Contato: Careca

    Tel.: (34)654 23 24 64
    carecaregional@hotmail.com