Blog

haiti

Vendo Artigos etiquetados em: haiti

Haiti: II Batizado e Entrega de Cordas do Projeto Gingando pela Paz

No mês de dezembro será realizado o II Batizado e Entrega de Cordas do Projeto Gingando pela Paz. Ocasião em que também será celebrado o segundo ano do projeto no país. A programação prevê aulas, apresentações e exibição de filme. O Batizado contará com a participação dos 380 alunos do projeto e alunos da classe do Centro Cultural do Brasil Celso Ortega Terra. O evento contará com a participação de mestres e capoeiristas de países como Brasil e República Dominicana.


II BATIZADO E ENTREGA DE CORDAS DO GINGANDO PELA PAZ

DE 5 A 10 DE DEZEMBRO DE 2010.

PORTO-PRÍNCIPE, HAITI

As atividades do projeto tiveram início em outubro de 2008 como parte do Programa Onè Respè pou Bèlè (Honra e Respeito por Bel-Air), da Ong Viva Rio. Inicialmente atendendo crianças e jovens provenientes das bases (guangues) que se auto-denominavam “soldados”. Após o dia 12 de janeiro, o número de alunos duplicou, assim como as atividades oferecidas. Dentre elas, a Formação de Jovens Liderenças: jovens que estão sendo preparados para se tornarem futuros educadores em capoeira, que além da pratica da capoeira participam de atividades que visam desenvolver a potencialidade, a consciência de comprometimento social e cursos de formação profissonal, através de parcerias com outros projeto do Viva Rio e com a Embaixada do Brasil no Haiti.

Em seu primeiro batizado, realizado em dezembro de 2009, foram realizadas diversas atividades, como Apresentações em hotéis e restaurantes, exibições de filme no Centro Cultural do Brasil no Haiti Celso Ortega Terra, apresentações em praças públicas, entre outras. 150 alunos foram batizados em um evento que contou com a participação de pais, amigos, do Embaixador Igor Kipman e sua esposa Roseana Kipman, do Coordenador Executivo do Viva Rio Rubem Cesar Fernandes, entre outros membros do Viva Rio e de outras instituições que atuam no Haiti.

Este ano, além das atividades do ano anterior, o evento contará com oficinas que serão realizadas pelos convidados do Brasil. Dentre elas, uma palestra que terá como tema: A capoeira como Ferramenta para a Construção da Paz em Áreas de Conflito, oferecida por Catharine Peres, capoeirista, pedagoga e Tecnica em Assuntos Educacionais da UFRJ. E uma aula especial realizada pela Mestra Borboleta/RJ que objetiva inspirar e fortalecer a participação das mulheres na prática da capoeira. Dentre os convidados ainda estão ainda os mestres Régis, Batata, o Professor Pernambuco, do projeto Luta Pela Paz, Maré/RJ e o Instrutor Kazan, da República Dominicana.

 

O Batizado, um importante momento para o capoeirista.

O Batismo é o momento em que o aluno é apresentado para a comunidade da capoeira, jogando em uma roda na presença de mestres e recebendo o seu apelido, que irá o acompanhar por toda vida. Este momento é como o nascimento de um filho para o mundo, que deverá ser orientado, amparado nos momentos de dificuldades. E, principalmente, inspirado a dar o melhor de si e acreditar no seu potencial para realizar os sonhos que trazem o seu coração.

 

Flávio SAUDADE
Coordonnateur Projet Gingando pela Paz
www.vivario.org.br

(509) 3854.0202

[email protected]

http://flaviosaudade.wordpress.com

Skype: fláviosaudade

 

VIVA RIO HAITI

#167, Blvd  Jn Jacques Dessalines

Pourt-au-Prince, Haiti (Zone Portail St. Joseph)

De Zumbis a Zumbi dos Palmares

ZUMBI dos Palmares

Neto de uma princesa do Congo, ele nasceu em 1655, no Quilombo dos Palmares. Aos 23 anos, tornou-se líder do povoado, que virou o grande foco de resistência dos negros á escravidão. Mas o mérito não foi apenas de Zumbi.

Palmares foi ajudado por um conflito que distraiu os portugueses.

A Invasão Holandesa em guerra com a Espanha, que era dona de Portugal, os holandeses começaram atacar o Brasil em 1630. Isso atrapalhou a repressão a Palmares e soltou milhares de escravos. Os holandeses não ficaram por aqui.

Mas aprenderam o bastante para se tornar uma potência colonial. Que chegaria ao que com Guilherme 3° em 1688, rei da Holanda invadiu a Inglaterra com seu exército. Assumiu o trono e partiu para cima da França, na chamada guerra dos Nove Anos. Não deu muito certo.Tanto que,em 1697, Guilherme 3° decidiu fazer
acordo de paz,cedendo aos franceses parte de uma ilha no Caribe.

Que ganharia o nome de Haiti ele logo se tornou campeão na produção de açúcar e também na escravidão. Mas, aconteceu la maior revolta de escravos da história do mundo. Os negros conquistaram independência e expulsaram os brancos do país. Isso fez com que Haiti desenvolvesse uma cultura quase 100% africana.

Cuja lenda mais célebre são os Zumbis os haitianos acreditam que os bruxos são capazes de ressuscitar os mortos e transformá-los em zumbis (“espíritos”) Daí o nome dado a Zumbi dos Palmares, que tinha fama de sobrenatural.

Os escravos só aceitaram que ele estava morto quando sua cabeça decapitada foi separada do corpo. Como os zumbis dos filmes.

 

Fonte: http://www.rabodearraia.com/capoeira/blog/  – Revista Super Interessante

FECABA: Campanha Capoeira Solidária o Haiti é Aqui

A Federação de Capoeira da Bahia dar um salto e sai na ginga solidaria a favor do povo do Haiti.

Capoeira solidária o Haiti é Aqui!

A campanha capoeira solidária o Haiti é Aqui! desenvolvida pela Federação de Capoeira da Bahia – Fecaba, tem como objetivo ajudar os sobreviventes do terremoto no Haiti. Esta campanha será de âmbito internacional e conta com o apoio de todos os seguimentos, seja artísticos, capoeirísticos, empresarial, governamental ou militar. O importante é a nossa contribuição com recurso financeiro depositado numa conta corrente, alimentos e agasalhos para o povo haitiano.

A federação de Capoeira da Bahia É uma entidade civil de direito privado, representativa dos interesses e desenvolvimento do desporto e da cultura da capoeira afro-brasileira em todo território do Estado da Bahia, que tem como objetivo apoiar, desenvolver, organizar, representar a capoeira da Bahia e tendo como missão disseminar a capoeira como instrumento de contribuição e construção cultural na Bahia e no mundo. Tornando-a conhecida do grande publico como os capoeiristas e turistas nacionais e internacionais, admiradores, investidores, empresários, empresas, etc. Tendo como visão ser vista como uma entidade que preserva a capoeira com sinceridade, respeito e acima de tudo valorização cultural e histórica. E como princípios e valores, a deferência aos grandes mestres tendo como sustentáculo um bom procedimento, para garantir a salvaguarda das tradições: Angola e Regional.

Seja você também um solidário

Faça a sua doação.

 

PROGRAMAÇÃO

Abertura com grupo de dança afro

Apresentação da nova diretoria da FECABA

Apresentação dos objetivos, missão, metas, visão e valores da FECABA

Debate com a plenaria

Apresentação da campanha Capoeira Solidária o Haiti é Aqui!

Roda de capoeira (só mulheres) em homenagem ao dia internacional das mulheres

Roda de capoeira mista

Samba de roda

 

TONHO MATÉRIA

DIRETOR DE MARKETING

Haiti em uma palavra? Esperança

Os tremores hoje são como acontecimentos quase que naturais. Agora há pouco foram dois; o primeiro aparentemente forte. Estava em minha mesa imprimindo alguns documentos, e por um momento pensei que fosse a impressora. Mas, ao olhar para a mesa ao lado e ver um monitor balançando, compreendi que não era a impressora e sai rapidamente. Por fim, não sei se a terra realmente está tremendo ou se o meu corpo é que não parou de tremer desde o primeiro.

No momento do tremor, a sensação é de que o cérebro automaticamente acessa as informações do primeiro, as lembranças chegam em uma fração de segundo. E com elas, o medo de que este seja tão forte quanto o primeiro, que alcançou 7.2 graus na escala Richter. E a diferença de força entre um e outro é bem grande; o de 7.2 chega a ser 22 vezes mais forte. Aparentemente, teremos de conviver por algum tempo com os tremores. Espero em Deus que não sejam tão fortes quanto o primeiro, pois isso iria ampliar os problemas para um grau que não podemos prever, como ainda não podemos prever a extensão das consequência do primeiro.

Aos poucos, notamos que algumas pessoas estão deixando a capital, indo para as províncias, para as áreas rurais. O que abre precedente para tornar a ajuda mais rápida. Talvez seja possível, ao invéis de centralizar toda ajuda em Porto-Principe, criar campos de apoio nestas cidades, com toda estrutura possível, e remover as famílas que hoje ocupam as praças. Isso ampliaria também o campo de trabalho para a remoção dos escombros e resgate das vítimas, bem como diminuiria as possibilidades de uma epidemia, um risco grande aqui.

Quanto a nós, seguimos com o trabalho, dentro das nossas limitações. Com o risco eminente, continuamos dormindo no quintal da casa; brasileiros, haitianos, noruegueses. Onde temos uma visão fantástica do céu, das estrelas. O sentimento em mim é de que não estamos sozinhos, nem desprotegidos. E parece que ouço uma voz dizer que tudo ficará bem…

Haiti, 21 de janeiro, 11:30 am

Aos poucos, a situação parece apresentar sinais de melhoria, apesar de muitos escombros estarem ainda por serem removidos. O volume de trabalho é grande, bem maior do que a infra-estrutura disponível no momento. Mas, já podemos ver que a situação é bem diferente de alguns dias atrás. Não tenho dúvida de que as equipes de resgate estão empenhando ao máximo as suas forças para tornar o trabalho mais ágil, e minimizar ao máximo o sofrimento dos que ainda ainda esperam por ajuda sob os escombros.

E ainda que existam aqueles que se valem da necessidade e da fome para promover a violência e o desespero, ferindo ainda mais a sua própria gente.

Ainda que existam aqueles que poderiam ajudar (fazer a diferença), mas que preferem assistir tudo de longe, entre as quatro paredes da sua sala refrigerada, cujo a proximidade maior do problema não vai além do alcance do seu controle remoto ou do cursor do seu computador.

Ainda que existam aqueles cruéis o bastante para de dizer que a raça ou o credo é o causador de tanto sofrimento…

Existem aqueles que movem todos os seus recursos e esforços para garantir o mínimo de segurança e dignidade para aqueles que sobreviveram, para minimizar o sofrimento das pessoas e cuidar de suas feridas.

Existem aqueles que deixaram seu país, o conforto e a segurança do seu lar, o carinho da família para estar ao lado de pessoas que sequer conheciam.

Existem aqueles que são humanizados o suficiente para exergar no próximo o laço incontestável da família terrena.

Existem aqueles “loucos” que acreditam, seguem em frente, e com a sua loucura contagiante arrebanha multidões para o bem.

E é por esses e outros que a confiança aumenta a cada dia, que a nossa força cresce. É através de exemplos como esses que seguimos acreditando que a  vida é ainda mais forte do que qualquer coisa e que a esperança sobrevive às piores provações.

Fonte: http://flaviosaudade.files.wordpress.com

 

Cidadania: Gingando pela Paz no Haiti – Relatos de um capoeirista em terras haitianas

O GINGANDO PELA PAZ nasceu de atividades realizadas ao longo de quatro anos em diversas comunidades do Rio de Janeiro que tinham como foco a mobilização popular para temas de interesse público. A inspiração surgiu com a participação do Contramestre Saudade, à época com 21 anos de idade e professor em capoeira, no Serviço Civil Voluntário, projeto oferecido pelo Viva Rio que objetivava ser uma alternativa ao Serviço Militar obrigatório, e estava direcionado para jovens em situação de risco social que ainda não tinham concluído o ensino fundamental. O contato com disciplinas como Direitos Humanos e Cidadania, a participação em ações voluntárias em comunidades como as Campanhas contra a Dengue e de Paz no Trânsito, somada a experiências internacionais em países como Zimbabwe, África do Sul, Alemanha e Espanha, levou-o a idealizar um projeto que objetivasse fortalecer a atuação da capoeira para o desenvolvimento social.

 

Haiti: Cenário é de guerra após terremoto

Haiti: Capoeira e Solidariedade

Segue narrativa do amigo e parceiro Flávio Saudade que desenvolve no Haiti um fantástico projeto social e cultural denominado GINGANDO PELA PAZ:

O GINGANDO PELA PAZ nasceu de atividades realizadas ao longo de quatro anos em diversas comunidades do Rio de Janeiro que tinham como foco a mobilização popular para temas de interesse público. A inspiração surgiu com a participação do Contramestre Saudade, à época com 21 anos de idade e professor em capoeira, no Serviço Civil Voluntário, projeto oferecido pelo Viva Rio que objetivava ser uma alternativa ao Serviço Militar obrigatório, e estava direcionado para jovens em situação de risco social que ainda não tinham concluído o ensino fundamental. O contato com disciplinas como Direitos Humanos e Cidadania, a participação em ações voluntárias em comunidades como as Campanhas contra a Dengue e de Paz no Trânsito, somada a experiências internacionais em países como Zimbabwe, África do Sul, Alemanha e Espanha, levou-o a idealizar um projeto que objetivasse fortalecer a atuação da capoeira para o desenvolvimento social.

 

Prezados,

Continuamos aqui na expectativa. Penso que eu, assim como milhares de pessoas daqui, estão com medo de entrar em suas casas; mesmo de ir ao banheiro. O corpo parece que ainda treme, aumentando ainda mais a preocupação. Dormimos fora da casa, no quintal. As pessoas com quem trabalho e um grupo de pesquisadores da Unicamp. Eles estavam no centro da cidade no momento do tremor e viram o Palácio do Governo destruído. É realmente inacreditável a situação aqui, inúmeras casas, prédios desabaram. igrejas, hospitais, supermercados, hoteis, lojas…

É impressionante que um povo que já sofre por tantas coisas, ainda tenha de sofrer mais este desastre. O número de vítimas deve ser grande, mortos, feridos; pessoas de todas as esferas sociais e diversas nacionalidades. Até agora ouvimos pessoas desesperadas, chorando pela rua…

Permaneço ansioso, pois a maior parte de nossos alunos e amigos são moradores de Bel Air, um dos bairros mais afetados. A grande maioria moram em pequenos barracos; em alguns deles famílias inteiras dividem um pequeno espaço… Em Porto Príncipe temos favelas nos morros. A maior parte das construções é feita com material de baixa qualidade, o que aumenta as chances de desabamentos.

Agora o momento é de trabalho. Da melhor maneira tentar minimizar o sofrimento dessas pessoas. O Haiti não tem estrutura para uma catástrofe dessas, e necessita de toda ajuda possível, com urgência. E mais ainda, precisa de coragem para reconstruir as suas vidas e renovar as suas esperanças, ainda que esta seja uma tarefa difícil.

Fraternal Abraço a todos.

Flávio Saudade

Brasileiro diz que cenário no Haiti é de guerra após terremoto

Ele e mais 15 pessoas estão abrigados em uma casa da ONG Viva Rio sem poder sair

O cenário na capital do Haiti, Porto Príncipe, é de guerra, de acordo com o ativista da organização não governamental (ONG) Viva Rio, Flávio Soares. Em entrevista à agência portuguesa Lusa, Soares disse que a cidade “está devastada, um caos”.

>>Detalhes da tragédia no Especial Haiti – http://www.abril.com.br/noticias/haiti-terremoto-desastre-tragedia/haiti-terremoto-desastre-tragedia.shtml

Ele e mais 15 pessoas, entre integrantes da ONG e pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), estão abrigados em uma casa do Viva Rio sem poder sair.

“Está um caos. Muitos prédios desmoronaram, tem muita gente disputando comida, os mercados fecharam, muitas pessoas estão nas ruas, feridas, pessoas mortas sendo carregadas. A população precisa de ajuda urgente, há pessoas ainda vivas sob escombros, uma tristeza só”, descreveu.

O brasileiro relatou ainda que o risco de saques é iminente. “O clima é de insegurança. Temos luz e conseguimos comprar água, mas estamos sem telefone e tentando comprar comida. Não temos uma grande quantidade de mantimentos”, afirmou.

Soares disse que ainda não conseguiu contato com a embaixada brasileira que também foi atingida no terremoto. “Estamos tentando entrar em contato com alguém da embaixada para avisar que estamos aqui e para ter alguma orientação. Pelo que parece, as tropas ainda não estão nas ruas”, relatou.

O brasileiro coordena um projeto de capoeira com jovens haitianos e disse não ter tido notícias de nenhum de seus alunos. Mesmo com a tragédia, Flávio Soares disse que vai ficar no Haiti e não pretende voltar ao Brasil.

“Não podemos abandonar as pessoas no momento em que elas mais precisam. Mais que comida e água, elas necessitam de solidariedade, que olhemos nos olhos delas e demonstremos que estamos juntos, que lutamos juntos”, declarou.

Desde 2007, o Viva Rio atua no Haiti em projetos integrados de segurança e desenvolvimento para a redução da violência e de desmobilização de grupos armados na capital, Porto Príncipe.

 

Flávio Saudade
Contramestre em Capoeira
Coordonnateur Sport et Projet Gingando pela Paz
www.vivario.org.br
Mobile: (509) 38540202
http://flaviosaudade.wordpress.com

I Batizado e Entrega de Cordas do Projeto Gingando pela Paz no Haiti

Após um ano de labuta realizamos o I Batizado e Entrega de Cordas do Projeto Gingando pela Paz no Haiti. Sem dúvida um momento que irá permanecer em nossas lembranças. Dentre os momentos mais emocionantes, a caminhada pelo bairro de Bel-Air, considerado zona vermelha pela ONU, e o batizado dos nossos alunos, que teve início com o batizado do pequeno Bimba. filho de haitiano e francesa, o pequeno foi registrado com o nome do grande mestre após seus pais assistirem ao documentário, exibido no Centro Cultural do Brascil no Haiti. Um momento marcante.

Mais infomações sobre o evento

Este primeiro ano foi repleto de lutas, muito trabalho, muitas dificuldades, foi sim. Porém, cheio de alegrias e realizações. As dificuldades serviram para testar nossa capacidade de seguir acreditando em nossos sonhos; nossas quedas, para nos ensinar a levantar, sacudir a poeira e seguir caminhando e nossas vitórias para nos mostrar que estamos no caminho certo e que nunca, “nunca-em-tempo-algum”, devemos desistir dos nossos sonhos (recordando Augusto Cury). Devemos seguir reinventando, recriando. Pois cada dia é novo, cada luta é nova e nos renova; cada sede é nova ( inspirado em belo, belíssimo poema de Elisa Lucinda). Devemos seguir nos apaixonando pela vida, pelo bem, pelo desejo de fazer o bem, renovando a nossa fé a cada instante, essa deve ser a nossa oração, sempre, estejamos caídos ou de pé.

Que este ano seja repleto de lutas, pois sem elas não há vitórias, realizações… E que o Grande Arquiteto do Universo nos permita ter sabedoria para elas; que saibamos a hora de pegar em armas e de esperar. E que nossas armas sejam:

C oragem: para arriscar

A stúcia: para enfrentar os obstáculos sem ir de encontro a eles.

P aciência: qualidade essencial para quem deseja ser um vencedor.

O uvir: pois a palavra é prata, mas o silêncio é ouro.

E sperança: sem ela não existe sonhos.

I nteligência: para transformar os momentos difícies em oportunidades de aprendizado.

R esponsabilidade: consigo e com os outros.

A mor: esta Energia maravilhosa capaz de realizar os maiores milagres, de mover a maior de todas as montanhas: a nossa própria vontade.

E, claro, muita Ginga pela Paz, pela Harmonia, pelas coisas bonitas (inspirado em música da Fernandinha Abreu)

Fraternal Abraço a todos em nome da família Gingando pela Paz!

Saudade
Contramestre em Capoeira
Coordonnateur Projet Gingando pela Paz
www.vivario.org.br
Mobile: (509) 38540202
http://flaviosaudade.wordpress.com

I Batizado e Entrega de Cordas do Projeto Gingando pela Paz no Haiti

Entre os dias 30 de novembro a 4 de dezembro de 2009 será realizado o I Batizado e Entrega de Cordas do Projeto Gingando pela Paz no Haiti. Ocasião em que também será celebrado o primeiro ano do projeto no país.

A programação prevê  apresentações em locais públicos, como a Praça Champ Mars, no centro da Capital Porto Príncipe, onde é grande a concentração de pessoas. O Batizado está marcado para o dia 4 de dezembro e contará com a participação dos 150 alunos do projeto, alunos da classe do Centro Cultural do Brasil Celso Ortega Terra, mestres e capoeiristas do Brasil, da República Dominicana, do contigente do Batalhão Brasileiro – BRABATT, autoridades, pais e responsáveis dos alunos e demais amigos.

As atividades do projeto tiveram início em outubro de 2008, inicialmente atendendo crianças e jovens provenientes das bases (guangues) que se auto-denominavam “soldados”, moradoras em sua maioria do bairro de Bel Air, que ficou conhecido pelos conflitos em meados do ano de 2004 e ainda é considerada Zona Vermelha pela ONU. Hoje o projeto conta com cerca de 150 alunos de diversas comunidades que, além de aprender o jogo da capoeira, recebem apoio para frequentar a escola através de uma parceria com outros projetos do Viva Rio.

Capoeira: Mais um fenômeno no Haiti.

Após atuar na mobilização de educadores no Rio de Janeiro, que culminou com a caminhada de cerca de 800 capoeiristas na Orla de Copacabana pela proibição do comércio de armas de fogo no Brasil, no ano de 2005, o projeto Gingando pela Paz leva a capoeira para o Haiti.

Com exeção das tropas do Batalhão Brasileiro – BRABATT, que sempre conta com algum capoeirista em seus contigentes, para a maior parte da população haitiana este é o primeiro contato com esta singular expressão da cultura brasileira. No primeiro momento a capoeira desperta estranhamento e fascínio. Mas, logo as pessoas se envolvem pela beleza do seu jogo e musicalidade. E não demora para ela cair no gosto do povo haitiano, e assim como o futebol brasileiro tornar-se um fenômeno neste país caribenho. Prova disso são as palavas de um pai de aluno em um dos encontros de responsáveis do projeto. Segundo ele, hoje as crianças de Bel-Air não sabem fazer outra coisa senão ficar com as pernas para o ar brincando de capoeira.

Com um grupo bastante coeso e diversas apresentações realizadas, o projeto caminha, ou ginga, embalados ao contagiante som do berimbau em direção à um futuro melhor.

 

Mais informações no blog: http://flaviosaudade.wordpress.com

Para vídeos no youtube basta pesquisar por: Gingando pela Paz no Haiti.

Flávio Saudade 
Coordonnateur Sport  
Coordonnateur Projet Gingando pela Paz 
www.vivario.org.br
Blog: http://flaviosaudade.wordpress.com

Classificação: V JOGOS MUNDIAIS DE CAPOEIRA – ABADÁ

V JOGOS MUNDIAIS DE CAPOEIRA

16 a 21 de Agosto
Rio de Janeiro – Brasil

Classificação

Geral
1º – Morceguinho
2º – Eberson
3º – Jabuti
4º – Diguinho

Feminino
1ª – Moema
2ª – Abelha
3ª – Juma

Estrangeiro
1º – Haiti
2º – Valdo
3º – Ator

Equipe
1º – Brasil
2º – Haiti
3º – Espanha

Melhor Jogo de Angola
Morceguinho e Jabuti

Melhor Jogo de Benguela
Morceguinho e Diguinho

Melhor Jogo de São Bento Grande
Morceguinho e Eberson

Melhor Jogo de Iúna
Morceguinho e Garnizé

Corda Marrom
1º – Eberson
2º – Montanha
3º – Paçoca

Corda Roxa-marrom
1º – Morceguinho
2º – Diguinho
3º – Goma

Corda Roxa
1º – Taquinha
2º – Tico
3º – Madorna

Corda Verde-roxa
1º – Jabuti
2º – Kikiu
3º – Ator

Corda Verde
1º – Garnizé
2º – Valdo
3º – Hispano

Corda Azul-verde
1º – Haiti
2º – Ferrugem
3º – Milho

Corda Azul
1º – Gado
2º – Bicudo
3º – Fruta Pão

Clique aqui para ver as fotos e todas as informações sobre o evento!

Fonte: http://www.abadadf.com.br/