Blog

desenvolvido

Vendo Artigos etiquetados em: desenvolvido

ACADA: Reeducando através da Capoeira

CONVITE ESPECIAL

Associação de Capoeira Arte e Dança Afro – Acada, têm a honra de convidar Senhor(a)para conhecer o Projeto Conhecendo a Escola na P1 no dia 16 de julho de 2010.

O Projeto Conhecendo a Escola tem por finalidade, mostrar aos reeducandos desta unidade o que acontece na Escola, entre o projeto de teatro, capoeira, CDI e os ensinos: Alfabetização, Fundamental e Médio. E também o encerramento do 1º semestre das atividades escolares.

Cada atividade desenvolvida na escola terá seu espaço para a apresentação, o foco principal é apresentar aos reeducandos, a nova peça de teatro desenvolvida na unidade que aborda o tema DST/AIDS, A Chegada de Marculino ao Purgatório. As atividades terão a apresentação da história da capoeira e de oficinas de capoeira, o CDI e a Escola apresentarão o que fora desenvolvido nesse semestre, através de murais como uma exposição de artes, e também com a apresentação do projeto com os monitores e alunos que estejam a fim de apresentar seus trabalhos, e por fim a peça de teatro. Assim poderemos atingir o objetivo de mostrar como funciona a escola o que é desenvolvido na mesma despertando interesses nos reeducandos para participarem da escola.

CRONOGRAMA:

9h30: Roda de Capoeira

11h30: Almoço.

13h00: CDI, ESCOLA.

13h30: Teatro: A Chegada de Marculino ao purgatório. (DST/AIDS)

.

* Obs Por Favor enviar o Nome completo e Rg Até Dia 8 de julho para participar

 

MARCÃO ACADA CAMPINAS CAPOEIRACADA: [email protected]

Projeto Anastácia realizará Semana Municipal da Capoeira em Paulínia

Depois que foi votado o Projeto de Lei instituindo a Semana Municipal da Capoeira, Paulínia tem vivenciado mais de perto a prática deste esporte. Pelo terceiro ano consecutivo, atletas se reúnem para a complementação do trabalho que é feito junto às oficinas socioeducativas, e apresentar a comunidade paulinense o trabalho e o desempenho desenvolvido pelo programa.

O Projeto Anastácia é desenvolvido pela Associação Rainha do Engenho que está presente no município desde 1974, e trabalha em parceria com a Associação Criança Feliz, tem como objetivo oferecer as pessoas, a oportunidade de praticarem exercícios físicos, trabalhar a dinâmica em grupo, a musicalidade e o convívio social, além de divulgar a tradição e a valorização da nossa cultura afro-brasileira.

Apesar do preconceito que ainda existe, e que muitas pessoas acham que capoeira está ligada a religião, fazendo com que alguns pais tirem os filhos das aulas, salientamos que isso é apenas folclore, e falta de conhecimento da prática do esporte.

O tema da III Semana da Capoeira que acontecerá de 26 de setembro a 3 de outubro, será “Não Jogue Com a Vida, Jogue Capoeira, de uma Rasteira nas Drogas”. O tema foi escolhido de acordo com o que os educadores têm presenciado nos bairros; “encontramos muitas crianças e adolescentes envolvidos no mundo das drogas, e inocentemente são iludidos e usados como “mula” (nome dado as pessoas que transportam drogas), e na prática da capoeira procuramos orientar as crianças e adolescentes o perigo que elas oferecem, argumentou o coordenador do Projeto Mestre Domingos. Ele também enfatiza a importância da participação do Poder Público, apoiando as ações do Projeto, na disseminação da cultura e do esporte, uma cidade só agrega valores com iniciativas como esta”, concluiu o coordenador.

As aulas de capoeira são ministradas no Ginásio do João Aranha, no bairro Parque da Represa, e também na APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), e tem mais de 300 participantes entre crianças, jovens, adultos e Terceira Idade.

Fonte: Assessoria de Imprensa – http://www.paulinianews.com.br

Presos participam de apresentação na prisão no Piauí

Os internos da Colônia Agrícola entraram na roda de capoeira e interagiram com o grupo

A apresentação do grupo de Capoeira Abadá marcou o início das atividades do I Encontro de Arte e Cultura na Colônia Agrícola Major César Oliveira, em Altos. A unidade penitenciária abriga 214 internos que cumprem pena em regime semi-aberto. Oito capoeiristas jogaram capoeira durante a apresentação do grupo Abadá Capoeira.

Os internos da Colônia Agrícola entraram na roda de capoeira e interagiram com o grupo. Antes da apresentação, o diretor da Colônia Agrícola, capitação Flávio Pessoa, orientou os apenados a assistirem as apresentações culturais levadas ao estabelecimento pelos professores do projeto Educando para a Liberdade. Ele pediu a colaboração dos internos para auxiliarem na realização das atividades culturais.

A coordenadora de Educação nos Presídios, professora Carla Maia, falou sobre as conquistas do "Projeto Educando para a Liberdade", desenvolvido pela Secretaria da Justiça, através da Diretoria de Humanização e Reintegração Social. O projeto leva educação da rede pública de ensino para dentro dos presídios. Durante a apresentação foram expostas as peças artesanais feitas pelos internos, tais como abajus, portas-retratos e outros.

Fonte: Jornal Diário do Povo – Edição: Sávia Barreto

Uberaba – Capoeirista diz ser o verdadeiro autor de projeto premiado

Conforme o Jornal da Manhã noticiou no dia 10, após ser selecionado pelo Ministério da Cultura como um dos grupos vencedores do Prêmio Capoeira Viva 2007, o Muzenza Mirim de Uberaba ganhou do governo federal
R$ 6 mil. No entanto, Wagner Borges Silva, coordenador da equipe, afirma que o dinheiro não chegou ao grupo.

De acordo com ele, o projeto vencedor nem mesmo estava em prática na cidade. "Trata-se de uma parceria que tínhamos com a Prefeitura, em que dávamos aulas de capoeira nas escolas municipais da cidade. Porém, desde 2004 esse projeto está parado", explica.

O coordenador conta, ainda, que o projeto atendeu em torno de 1.880 crianças, em15 escolas, durante os quatro anos em que foi desenvolvido. "Realmente é um bom projeto, pois, para participar, a criança tinha que estar estudando. Então, nossa equipe ia para a escola fora do horário de aula dos alunos e ensinava as técnicas da capoeira", relembra.

Tanto tempo depois do encerramento das atividades, Silva conta que se surpreendeu com a notícia de que o projeto havia sido selecionado. "Nós não o inscrevemos. Ficamos assustados em saber que ele havia sido escolhido. De cara, percebemos que havia algo errado", relata.

No entanto, o coordenador confessa que a surpresa foi ainda maior ao descobrir que o projeto estava inscrito em nome de outra pessoa, segundo ele, uma mulher que não faz parte do grupo. "Nunca ouvi falar no nome dela. É uma farsante utilizando o nosso grupo e, agora, vai pegar esse dinheiro", conta.

Como o projeto era desenvolvido em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, o capoeirista conta que se reuniu, no começo da semana, com representantes do órgão, na tentativa de resgatarem o prêmio e descobrir quem está por trás da farsa. "Após a reunião, marcamos uma reunião com o Ministério da Cultura, que será realizada na semana que vem. Vamos desmascarar essa mulher e processá-la", diz.

Ministério. Na Secretaria de Incentivo e Fomento à Cultura (Sefic), do Ministério da Cultura, foi confirmada a inscrição do projeto em nome de Eleusa das Graças Gomes, que teria apresentado toda a documentação exigida. Seu nome consta, inclusive, no site oficial. No entanto, na Secretaria, não souberam informar se o prêmio já havia sido resgatado. Diante da denúncia, a situação deverá passar por análise.

Jornal da Manhã – Uberaba
http://www.jmonline.com.br

Projeto que usa capoeira como meio de inclusão social é lançado em Brasília

Aliar valores do esporte como disciplina e espírito coletivo à cidadania e ao desenvolvimento humano é a idéia do projeto Ginga Brasil, lançado hoje pela Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir).
 
O projeto, desenvolvido em parceria com a Confederação Brasileira de Capoeira, também tem como meta aproximar esse esporte das crianças e adolescentes que moram em comunidades quilombolas e nas periferias das cidades brasileiras.
 
Para o professor de capoeira Hugo Rocha, essa é uma forma de desenvolver o caráter do jovem, além de promover a cultura brasileira. “A capoeira é uma ferramenta de integração cultural das mais diversas raças do povo brasileiro”.
 
Além do Ginga Brasil, acordos para o lançamento de mais três projetos foram assinados em uma cerimônia que marcou os quatro anos de existência da Seppir. O objetivo é garantir recursos para o desenvolvimento sustentável e a geração de renda nas comunidades remanescentes de quilombos. Integram os projetos empresas, entidades sociais e ministérios.
 
O Energia Quilombola, desenvolvido em parceria com a Eletrobrás, é um deles. A ação prevê, na primeira fase, o incentivo à criação de aves na Bahia, o estímulo ao artesanato e à agricultura em Minas Gerais e a construção de usinas de beneficiamento de arroz no Maranhão.
 
Durante a ministra Matilde Ribeiro disse que, para os próximos anos, a Seppir pretende continuar e ampliar os programas iniciados. “Nós temos ações com quase todos os ministérios, com governos estaduais e municipais. Acho que o presidente Lula acertou em criar a secretaria em 2003, e agora ela tem que ser fortalecida”.
 
Ainda nesta quarta-feira, a comunidade quilombola Mel da Pedreira recebeu o título de propriedade de terra. A área fica no município de Macabá (AP).
 
Agência Brasil

Rio Preto é a primeira colocada em Encontro Estadual de Capoeira

A equipe de capoeiristas da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer conseguiu a primeira colocação no 14º Encontro Estadual de Capoeira em Catanduva.

Os atletas trouxeram à cidade o troféu de 1º lugar na classificação geral da competição. Participaram do evento 32 alunos do Projeto Cidadão, para crianças de 7 a 14 anos. As lutas aconteceram no ginásio de esportes do Gaviolli.

Os atletas rio-pretenses treinam nos núcleos do João Paulo 2º, Planalto e Eldorado. Pelo Projeto Cidadão, desenvolvido pela Prefeitura de Rio Preto, as crianças são atendidas diariamente em horário contrário ao escolar, recebendo alimentação, reforço escolar, atividades culturais, esportivas e musicais.

Participaram da competição atletas de cidades como Frutal, Tabapuã, Matão, Fernandópolis, e outras.