Blog

Janeiro 2009

Vendo Artigos de: Janeiro , 2009

Mundial dá a Pipoquinha direito de disputar o Campeonato Europeu

Garoto de 11 anos coloca Rio Claro no mapa da capoeira mundial. Marcos Matheus, o Pipoquinha, conquistou no último fim de semana, no Rio de Janeiro, o 5º Campeonato Mundial Aberto de Capoeira Muzenza na categoria infantil – até 12 anos.

O jovem atleta rio-clarense foi eliminando um a um, em jogos mata-mata, os 63 concorrentes vindos de 15 países do mundo todo e de oito estados da federação. A disputa aconteceu em dois ritmos: Bengala e São Bento Grande.

Tal façanha lhe deu o direito de jogar o 3º Campeonato Europeu de Capoeira, que acontece na Espanha de 24 a 26 de abril. Pipoquinha vai à terra das touradas acompanhado do mestre Luís Roberto “Guerreiro”, seu professor no grupo Muzenza de Rio Claro, localizado no Arco-Íris.

Apesar dos 11 anos de idade, Pipoquinha já é veterano na capoeira. Começou a praticar a modalidade aos três anos, incentivado pelos pais. E hoje, oito anos depois, leva o nome da Cidade Azul mundo afora. Ele tem apoio da Café com Leite Moda Jovem, Mateco Materiais para Construção, Drogaria São Miguel e Academia Visual.

FSM aborda impactos e disputas no território quilombola

“A política para os negros no Brasil e no mundo e os impactos causados no território quilombola” foi o tema de uma palestra ontem (29), na Universidade Rural do Pará (UFRA). A atividade reuniu entidades negras de todo o país, como a Associação das comunidades negras rurais quilombolas do Maranhão (Aconeruc-MA) e o Quilombo de Jambuaçú, do município paraense de Mojú.

Durante o evento o professor Kabemgele Munanga, que nasceu na República Democrática do Congo e que há 35 anos vive no Brasil e ministra as disciplinas de Antropologia e Relações Raciais na Universidade de São Paulo falou sobre a demarcação do território quilombola e das leis que legitimam a posse dessas terras, ressaltando que a questão é polêmica.

“Entre a lei e o cumprimento existe um abismo, apesar de em alguns estados as famílias já terem a titulação. Mas, existem cerca de 2000 comunidades quilombolas no Brasil e menos de 10% tem o registro das terras. Ter o registro da terra não resolve muita coisa porque faltam escolas, saneamento básico, energia elétrica e muitos já foram expulsos por falsos donos e vivem sob ameaças de empresários”, conta.

De acordo com Benedito Cunha, coordenador da Aconeruc-MA, nos anos 80 o governo federal desapropriou do município de Alcântara terras de 300 famílias de 10 comunidades, para a implantação de um centro espacial. Atualmente, existem 22 mil habitantes distribuídos em 162 comunidades quilombolas nas imediações do centro, que lutam para receberem o título das terras, já que existe o projeto para a construção de uma base para lançamentos de foguetes no local.

Benedito Cunha, Coordenador da Aconeruc, falou sobre a luta pelas terras das comunidades quilombolas do Maranhão:

“Várias famílias foram deslocadas para propriedades menores e inférteis e sem terem emprego tiveram que ir para a capital morar em bairros periféricos. Interditamos as obras da base, tirando as máquinas e o Incra já fez o levantamento e nos deu a possa das terras, mas nosso medo é que tenhamos que sair por causa dos impactos, já que o centro fica praticamente nos nossos quintais”, esclarece.

Benedito Cunha ressalta ainda que “a empresa responsável pelas obras da base culpa as comunidades quilombolas, dizendo que elas atrasam o desenvolvimento do país”. “O Roberto Amaral, que é dono da empresa binacional ACS, que surgiu por causa de uma acordo firmado entre o Brasil e a Ucrânia tem espaço na mídia para dizer que somos culpados pelo atraso nas obras, mas queremos apenas nossos direitos”, destaca.
 
 
Texto e Fotos: Emanuelle Oliveira
Jornalista e integrante da Cojira-AL

Fonte:  www.cojira-al.blogspot.com

Salete: Incentivo ao esporte

No último domingo aconteceu em Salete o “Batismo” dos integrantes do grupo de capoeira Sol da Liberdade. O mestre Santana de Balneário Piçaras é o idealizador do grupo que existe há mais de 40 anos.

Segundo o mestre Santana “o mundo hoje requer conhecimento, e esse é o objetivo do grupo de capoeira. Tiramos as crianças das ruas, das drogas, do vicio, da prostituição e a devolvermos a família.” Para participar do grupo basta ter vontade, não é cobrado nenhuma mensalidade, basta gostar de praticar esportes. “O grupo não forma lutadores, forma guerreiros preparados para a batalha da vida. Todos podem participar, pessoas de 2 anos a 102 anos.” completou o mestre Santana.

O diretor de esportes do município, Alicio Rigueira esteve presente e afirmou que “O grupo de capoeira tem o apoio do prefeito Juares, pois esporte é vida, toda prática de esporte é bem vinda. Isso é cuidar das pessoas, apoiar todos os esportes que possam trazer o beneficio de uma vida mais saudável ao cidadão saletense” encerrou.

Quilombolas entram na pauta do Fórum Social Mundial 2009

Fundação Cultural Palmares participa de oficina sobre Programa Brasil Quilombola

Os Quilombolas serão assunto de discussão e reflexão no Fórum Social Mundial (FSM) 2009, que começa nesta terça-feira (27), em Belém, PA. O presidente da Fundação Cultural Palmares, Zulu Araújo, vai participar da mesa-redonda que reúne dez debatedores sobre o Programa Brasil Quilombola e a Agenda Social Quilombola no dia 30 de janeiro, às 13h30, no Espaço Cultura e Saúde.

 

A mesa faz parte de uma oficina que visa promover o debate sobre as políticas públicas de promoção da igualdade racial e também pretende promover a troca de experiências e a visibilidade do Programa Brasil Quilombola, instituído pela Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir).

 

Vão participar da oficina lideranças quilombolas do Pará, dez representantes de comitês gestores do Programa Brasil Quilombola em outros estados, comunidades quilombolas em geral, militantes do Movimento Social Negro, representantes dos movimentos sociais, pesquisadores e simpatizantes da temática e gestores públicos. A oficina é aberta ao público em geral.

 

A oficina inicia-se no turno da tarde. A segunda etapa vai ser destinada aos encaminhamentos, que vão ser sistematizados em um painel final. Também está programada para as 9h da manhã uma roda de debates com a presença dos parceiros colaboradores e patrocinadores do Espaço Cultura e Saúde, entre eles a Seppir, com a participação do intelectual e sociólogo da Universidade de Coimbra Boaventura de Sousa Santos.

 

Os eixos temáticos norteadores são: Eixo I – Acesso à Terra, a produção da Riqueza e a Reprodução Social, Eixo II – Infra-Estrutura e Qualidade de Vida, acesso às Riquezas e a Sustentabilidade, Eixo III – Inclusão Produtiva e Desenvolvimento Local, a partir da perspectiva da afirmação da Sociedade Civil e dos Espaços Públicos e Eixo IV: Direito e Cidadania, Poder Político e Ética na Nova Sociedade. Tais temas vão conduzir as reflexões em torno do contexto do Programa Brasil Quilombola na atualidade e a otimização da Agenda Social Quilombola enquanto política pública.

 

Programa Brasil Quilombola – Foi criado em 2004 pelo governo federal, por meio da Seppir, como uma política de Estado para as áreas remanescentes de quilombos. O programa mantém uma interlocução permanente com os entes federativos e as representações dos órgãos federais nos estados, no intuito de descentralizar e agilizar as respostas do governo para as comunidades quilombolas.  As áreas de atuação do programa envolvem a terra, a promoção da igualdade racial, a segurança alimentar, o desenvolvimento e assistência social, a saúde, a infra-estrutura, a geração de renda, o gênero, os direitos humanos, o meio ambiente, os esportes e a previdência social.

 

Fórum Social Mundial – É um espaço aberto de encontro, que estimula de forma descentralizada o debate, a reflexão, a formulação de propostas, a troca de experiências e a articulação entre organizações e movimentos engajados em ações concretas, do nível local ao internacional, pela construção de um outro mundo, mais solidário, democrático e justo. Este ano, Belém do Pará sedia o FSM. As três primeiras edições do FSM, bem como a quinta edição, aconteceram em Porto Alegre, Rio Grande do Sul (Brasil), em 2001, 2002, 2003 e 2005. Em 2004, o evento mundial foi realizado pela primeira vez fora do Brasil, na Índia. Em 2006, sempre em expansão, o FSM aconteceu de maneira descentralizada em países de três continentes: Mali (África), Paquistão (Ásia) e Venezuela (Américas). Em 2007, voltou a acontecer de maneira central no Quênia (África).

 

Programação:

 

 

 

Manhã

Composição

Temática

 

9h

 

Roda de Debate:

Dr. Boaventura de Sousa Santos;

Min. Edson Santos;

Min. Da Saúde;

Min. Da Educação;

Representante Movimentos Sociais;

Conselho Nacional de Saúde, etc.

 

 

  • Saúde, Cultura e Democracia;

 

 

Tarde

Composição

Temática

13h30

 

Atividade Cultural

 

Mesa:

Problematização/sensibilização

 

Presidente Zulu Araújo – Fundação Palmares;

– Paulo Paim – Comissão de Direitos Humanos do Senado Federal;

– Sra. Josefa Maria da Silva santos (Zefa da Guia) – Quilombola Parteira;

– Mãe Flávia da Casa do Perdão (RJ);

– Representante da CONAQ;

– Representante da CONEN;

– Representante da UNEGRO;

– Sr. Onir Araújo – Advogado OAB/militante do MNU;

 

Coordenadores: Sr. Alexandro Reis – Subsecretário SUBCOM & Sra. Ivonete Carvalho – Diretora de Projetos SUBCOM

 

·      O Programa Brasil Quilombola e a conjuntura Nacional;

 

 

 

·      A Agenda Social Quilombola, possibilidades, avanços e desafios.

 

16hs

Debate

Debate

18h

Definição de prioridades e encaminhamentos

Sistematização do material gerado através das discussões das mesas e debates;

 

Assessoria de Comunicação
Inês Ulhôa – assessora de imprensa (9966-8898) ines.ulhoa@palmares.gov.br
Jacqueline Freitas – jacqueline.freitas@palmares.gov.br
Marília Matias de Oliveira – marilia.oliveira@palmares.gov.br
Marcus Bennett – marcus.bennett@palmares.gov.br
Telefones: (61) 3424-0165/0166    Fax: (61) 3424-0164
wwww.palmares.gov.br

X-9 Paulistana promete arrasar com Carolina Soares na Avenida

Num local onde faz sucesso quem estiver com menos roupa, Carolina Soares, 29 anos, é exceção. Mesmo com um vestido longo que chegava a tocar a sua sapatilha, ela chamava atenção no ensaio técnico da X-9 Paulistana realizado no sábado (24) no Sambódromo.

Numa área geralmente dominada pelos homens, ela fará sua estreia na avenida neste ano e já vem com muita responsabilidade.

Ao lado de cinco vozes masculinas, ela será a intérprete feminina do samba-enredo “Amazônia…conseguimos conquistar com o braço forte…do esplendor da Havea Brasiliensis à busca pela terra sem males”, com que a X-9 promete levantar o público do Anhembi.

E como driblar o nervosismo? “Eu sou uma pessoa muito tranqüila, mas só até a hora que atravessar aquela linha da entrada da avenida. Aí, nada pode dar errado”, diz, empolgada.

Os ensaios já estão acontecendo há três ou quatro meses. “Tem sido uma experiência única e agradável e que me proporciona muita aprendizagem também.”

Ela afirma que, no começo, havia uma certa cobrança pelo fato de ser mulher e cantora de MPB, além do receio de que não tivesse pique para aguentar o percurso todo. “Mas eu tenho bastante fôlego e eles logo viram isso. Está sendo bastante tranqüilo”, garante.

Ela conta que a Portela é a sua escola de coração e que, em São Paulo, ainda não tinha uma escola favorita, mas que a X-9 a conquistou. “Eu brinco que foi a escola que me escolheu e, agora, já virei fã.”

Casada há 11 anos e mãe de dois meninos, Pedro, de 9 anos, e Francisco, de um ano e oito meses, ela é, há cinco anos, cantora do Bar Brahma, tradicional reduto boêmio no Centro de São Paulo.

“Comecei no samba pela capoeira”, lembra Carolina, que tem cinco CDs de música de capoeira gravados. “Gosto de resgatar grandes nomes de cantores e compositores do samba, além das divas precursoras do ritmo”, afirma.

Entre os seus favoritos estão Jamelão, com quem já se apresentou no Bar Brahma, Elisete Cardoso e Clara Nunes, a quem, aliás, é muitas vezes comparada por causa da voz.

Quem quiser conferir a voz da moça, deve ficar atento à sexta escola que desfilará no Anhembi no dia 20 de fevereiro.

Fonte:

Capoeira na Nova Zelândia

O Grupo de Capoeira Cordão de Ouro, representado pelo professor de Capoeira e pedagogo Ely Alves e mais quatro alunos, participa do Brazilian Arts Festival em Christchurch, maior cidade da Ilha Sul da Nova Zelândia. Eles passarão fevereiro dando aulas e fazendo apresentações no País. Também participarão de um final de semana de apresentações em Wellington, capital da Nova Zelândia, a convite da Embaixada Brasileira.

O trabalho do grupo começou em Brasília com projetos que atendiam crianças e adolescentes em situação de risco social em abrigos da cidade. A capoeira é usada para promover a inclusão social desses jovens. Os alunos da ONG que representarão o Brasil no evento estão indo com recursos próprios.

Londrina: Vila Cultural Brasil realiza roda de Capoeira Angola

A Vila Cultural Brasil, que teve convênio prorrogado junto ao Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic) e continua recebendo os recursos municipais, promove, durante três dias da semana, rodas de Capoeira Angola. As aulas contam com a participação de média de 15 pessoas, e são realizadas no local as segundas, quartas e sextas-feiras, das 19h às 21h30. “Temos um público fiel, mas o evento é aberto para toda a comunidade. O interessado pode entrar em contato com a vila e obter mais informações pelo telefone [43] 3324-8056, no período da manhã”, explicou o coordenador do espaço e professor de Capoeira Angola, Marcelo Pinhatari.

Ele afirmou que, além dele, as aulas são ministradas pelo mestre baiano, da cidade de Salvador, João Pequeno. “A Capoeira Angola existe em Londrina há oito anos e, é feita na Vila Cultural Brasil, há três deles”, comentou. Pinhatari ressaltou que o grupo recebe o treinamento durante a semana e participa, nos sábados, às 19h, das rodas de capoeira, também promovidas no espaço cultural. “É um espaço da modalidade para que os alunos possam se apresentar e interagir com a comunidade”, citou.

De acordo com o coordenador, a Capoeira Angola é uma manifestação da cultura popular brasileira. “Ela guarda muito da história do Brasil que não foi contada na história oficial”, ressaltou Pinhatari. Segundo ele, por preservar uma história que não foi contada, a capoeira se torna um movimento de resistência e de resgate da cultura brasileira. “Nela encontramos elementos que condizem com a nossa realidade.”

Conforme o professor, a Capoeira Angola manifesta a cultura e a história por meio da expressão corporal e da história passada “de mestre para discípulo”. “A maioria da população do Brasil é negra. A história da escravidão é algo que se manifesta na capoeira de angola porque cria uma identidade com esse povo. Por isso, o objetivo é preservar essa cultura que não está escrita em lugar algum, mas foi passada de geração para geração, de mestre para discípulo”, destacou.

Pinhatari é o precursor dessa modalidade de capoeira em Londrina. Em 2000, após morar três anos em Salvador, trouxe para o município o novo estilo. De lá para cá vem difundindo a cultura em Londrina com aulas e as oficinas anuais com gente de várias partes do Brasil. “A Capoeira Angola é mais de raiz e promove o resgate cultural. É jogada mais no chão, rasteiro, além de ser mais lenta do que a tradicional. Procura preservar as origens da capoeira”, explicou.

Marcelo Pinhatari informou, ainda, que a Vila Cultural Brasil realizará apenas as aulas de capoeira durante este mês, para planejar as próximas atividades que estão por vir. “Vamos contatar os agentes culturais e começar a programar a agenda deste ano. O espaço promove um trabalho comunitário que beneficia significativamente as pessoas que participam das oficinas e dos cursos oferecidos”, enfatizou. (NC/PML)

Besouro: Superprodução brasileira sobre capoeira para 2009

Depois do enorme sucesso de Mestre Bimba a Capoeira Iluminada (Luiz Fernando Goulart), agora é a vez de Manoel Henrique, Besouro Mangangá ou Besouro Cordão de Ouro , um lendário capoeirista da região de Santo Amaro, Bahia aparecer na grande tela…

Os fãs de cinema em geral – e de capoeira em particular – podem começar a especular. Já caíram na internet, através do site You Tube, as primeiras imagens oficiais do filme “Besouro”, de João Daniel Tikhomiroff, cotado para ser a maior produção do cinema nacional em 2009 e uma das maiores de todos os tempos. Trata-se da primeira peça promocional do filme – uma co-produção da Mixer, da Globo Filmes e da Buena Vista inspirada na vida de Besouro Mangangá, o maior capoeirista de todos os tempos. O vídeo, de dois minutos, revela um pouco da mirabolante coreografia de lutas do filme, em que os personagens literalmente voam em cena, sustentados por cabos, guindastes e outras técnicas inéditas no cinema brasileiro.

 

Veja aqui o vídeo Oficial de Besouro, publicado no You Tube:
{youtube}W2QgxB5xw-k{/youtube}

Conheça o Blog do Besouro, com informações, fotos e vídeos em tempo real sobre a produção .

Produzida ainda durante os primeiros dias de filmagem, para ajudar no processo de captação de investidores estrangeiros, o vídeo promocional tem narração em inglês e mostra alguns dos principais personagens do filme em ação, em cenas ainda sem edição final e desprovidas de efeitos digitais.

Besouro” levará para o cinema uma adaptação livre das aventuras sobre o legendário capoeirista, que viveu na Bahia nos anos 20 e, antes de morrer num confronto com a polícia, aos 23 anos de idade, tornou-se uma espécie de símbolo da luta dos negros recém-libertos da escravidão contra a pobreza, o preconceito e a exploração de sua mão-de-obra nas fazendas da região.

Depois de contar em linhas gerais a sinopse do filme, o vídeo que foi parar no You Tube também faz uma pequena apresentação dos profissionais que integram a produção. Além de João Daniel – diretor brasileiro de publicidade recordista de premiações em Cannes, que faz sua estréia na direção de longas – Besouro conta ainda com o diretor de fotografia equatoriano Enrique Chediak, vencedor do prêmio de melhor fotografia em Sundance pelo filme “Hurricane Streets”, de Morgam J. Freeman, e com o coordenador de cenas de ação chinês Huen Chiu-Ku, responsável pelas lutas aéreas que encantaram audiências do mundo inteiro no filme O Tigre e o Dragão, de Ang Lee, e Kill Bill, de Quentin Tarantino.

Filmada em locações na Chapada Diamantina e no Recôncavo Baiano, a produção de Besouro contou com mais de 150 profissionais. Além das esperadas cenas de luta aérea, o filme conta também com tomadas subaquáticas, feitas nas águas cristalinas de cavernas submersas e poços da Chapada.

Besouro MangangáTodo o dia a dia da produção está sendo documentado pelo Blog do Besouro , que traz fotos, vídeos de bastidores e reportagens com o diretor, atores, técnicos e produtores.

Fonte: http://oglobo.globo.com/

Fotos:
Os atores Aílton Carmo e Sergio Laurentino, protagonistas do filme Besouro, de João Daniel Tikhomiroff / Foto de divulgação: Christian Cravo
Cena de ação em Besouro: Atores voam com auxílio de cabos e guindastes ocultos / Foto: Divulgação

VII ANO DO 1° BLOCO DE CAPOEIRA DO MUNDO

BLOCO DO BERIMBAU

Carnaval em Pernambuco… Carnaval em Recife… Carnaval em Olinda…

Como nossas tradições bem pedem, estamos na folia… Folia do Rei Momo, do Galo da Madrugada, dos Quatro Cantos…!

É das velhas raízes, das bandas de músicas, dos passistas em meio ao frevo rasgado e dos nossos capoeiras que vem o Bloco do Berimbau – Primeiro Bloco de Capoeira do Mundo – fundado em maio de 2002 pelo então Mestre Ulisses Cangaia (Grupo Lua de São Jorge). Inicialmente, o Bloco tinha como objetivo principal a culminância das ações sociais do Grupo Lua de São Jorge, mas tomou uma proporção cultural significativa, quando, de sua manifestação de maior essência – a capoeira, os capoeiristas juntaram-se, outros grupos passaram a somar energias, lá estava o Bloco emancipando a nossa arte!

Mantendo uma tradição singular, o Bloco vem desfilando e anunciando a festa da capoeira, berimbaus entoando O SEU LOUVOR pelas ladeiras da Salve, Capoeira Olinda!

O bloco nasceu para fortalecer e difundir a capoeira, assim como aproximar as culturas presentes no âmbito carnavalesco. Colocando pelo 7° ano nas ruas de Olinda uma capoeira de paz, de união, de berimbaus ao alto anunciando a chegada dos capoeiras – mestres entre os foliões – sai em todo domingo de carnaval o Bloco do Berimbau… Sua concentração, na Igreja do Rosário dos Homens Pretos (em Olinda), às 9 hs, marca o início de um percurso que vem sendo histórico, que passou a incluir obrigatoriamente a agenda cultural da nossa OLINDA!

Ritmos são tocados, rodas são formadas e lá vem o estandarte anunciando: SALVE O BLOCO DO BERIMBAU…!!!!

O MESTRE ULISSES CANGAIA – MESTRE DE CAPOEIRA, MÚSICO, RABEQUEIRO E POETA – VEM TRAZENDO, JUNTAMENTE COM O BLOCO DO BERIMBAU, UM TRABALHO DE POLARIZAÇÃO DA CAPOEIRA ENQUANTO INSTRUMENTO DE CONSTRUÇÃO SOCIAL

"ESTE ANO O BLOCO DO BERIMBAU VESTE SUA CAMISA EM COMEMORAÇÃO AOS 50 ANOS DO MESTRE JUAREZ", UM GRANDE COLABORADOR DA NOSSA ARTE E UM DOS FUNDADORES DO BLOCO!

Maiores informações: Mestre Ulisses Cangaia

Contato: (081) 9165.4938 / 8701 – 2413 / 34386978

E-mail: osretalhos@hotmail.com

Brasil mobiliza-se pela Liberdade Religiosa – Atos em Salvador, POA, Sampa e RJ

Da Sereia de Itapoã, em Salvador ao Largo Zumbi dos Palmares, em POA, passando pelo Rio e São Paulo, religiosos mobilizam-se pela liberdade no Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa

SÃO PAULO – SP

DATA: 21/01
HORA: DURANTE TODO O DIA
LOCAL: Ilê Axé Oyá Ogun

Os filhos de santo do babalorixá Flávio de Yansã reúnem-se num protesto silencioso pelo fechamento do barracão pela Prefeitura de Sâo Paulo, em agosto de 2008. A casa foi lacrada pela com alegação de que está situada em zona residencial. Nenhuma outra isntituição religiosa do bairro foi alvo deste tipo de atuação. A casa funciona há 25 anos no mesmo local, com a documentação e legalização toda em dia.
O processo de insconstitucionalidade e a denúncia de intolerância religiosa por parte do município tramitam no TJ-SP e na Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República

Serviço:
Pai Flávio de Yansan – Tel: 11.50718912 / 35424319

SALVADOR – BAHIA

DATA: 21/01
HORA: 9h
LOCAL: Sereia de Itapoã – Salvador

Católicos, evangélicos, judeus, espíritas, umbandistas e budistas unem-se aos filhos de santo de Mãe Gilda – mãe de santo que sofreu enfarte fulminante ao ver sua publicada na Folha Universal com o título de charlatã e cuja a data da morte é lembrada como o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, por força de Lei Federal – para uma grande caminhada em defesa da Liberdade Religiosa, nesta quarta (21/01), às 9h, na Sereia de Itapoã. A caminhada segue pela orla de Salvador em direção a Lagoa do Abaeté. No local, onde localiza-se até hoje casa de Mãe Gilda (Abassá do Ogun), será feito o lançamento da Cartilha Ecológica, além de apresentações culturais e atos religiosos. A pastoral da Juventude e a Arquidiocese de Salvador apóiam o evento.

Aprsentações Culturais
Boloc Afro Malê de Balê
Malezinho
As Ganhadeiras de Itapuã
Grupo de Percurssão e Dança do Terreiro Oxumarê

Serviço:
Mãe Jacyara de Oxum – Tel: 71.32851769 / 88044528

RIO DE JANEIRO – RJ

DATA: 21/01
HORA: 10h
LOCAL: Cine Odeon – Praça da Cinelândia / Centro

Lançamento nacional da Cartilha da Liberdade que vai orientar as polícias no devido enquadramento de crimes de intolerância religiosa. O evento reúne lideranças religiosas, autoridades, artistas e intelectuais num evento pela Liberdade. Presenças confirmadas: Muniz Sodré, Luis Paulo Horta, Denise Tredler (desembargadora, representando o presidente eleito do TJ-RJ, Luis Szveiter), Carlos Vereza e diversos outros artistas.
O evento acontece durante todo o dia e ás 18h terá o lançamento do DVD da I Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa. A entrada é franca e a cartilha e o DVD serão distribuídos gratuitamente.

Serviço:
Comissão de Combate à Intolerância Religiosa
Tel: 21.22733974 / 97958867

PORTO ALEGRE – RS

DATA: 21/01
HORA: 16H
LOCAL: Largo Glênio Peres, Centro – POA

Lideranças religiosas da umbanda e do candomblé reúnem-se ás 16h, Largo Glênio Peres para a I Marcha Estadual Contra a Intolerância Religiosa e Pela Vida. A caminhada está prevista para iniciar às 18h, com saída do Mercado Público (com homenagem ao Bara do Mercado) seguindo pela Borges de Medeiros até o Largo Zumbi dos Palmares, onde acontecerá um ato público. Haverá também uma atividade no Gasômetro, em que religiosos de matriz africana entregarão um presente às divindades das águas.
Neste dia, os religiosos entregarão um Ação de Incosntitucionalidade na Assembléia Legislativa contra uma lei que impede as casas de matriz africana de realizar seus cultos.

Serviço:
Baba Diba de Yemonja: (51) 9986.9719 – 3333.9224 – 3333.9736

Mais informações:
Comissão de Combate à Intolerância Religiosa
Rosiane Rodrigues
Tel: 22733974 / 97958867