Patrimônio da Humanidade, Frevo merece mais reconhecimento no Brasil
17 Set 2018

Patrimônio da Humanidade, Frevo merece mais reconhecimento no Brasil

Patrimônio da Humanidade, Frevo merece mais reconhecimento no Brasil Com raízes nas cidades de Olinda e Recife, em Pernambuco, o frevo é

17 Set 2018

Patrimônio da Humanidade, Frevo merece mais reconhecimento no Brasil

Com raízes nas cidades de Olinda e Recife, em Pernambuco, o frevo é uma arte urbana surgida no final do século XIX. Trata-se de uma perfeita mescla de gêneros musicais, danças, capoeira e artesanato.

Em 2007, o  Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) declarou o frevo como Patrimônio Imaterial do Brasil. No dia 5 de dezembro de 2012, durante uma solenidade, na França, a UNESCO reconheceu o frevo pernambucano como Patrimônio Imaterial da Humanidade.

Patrimônio da Humanidade, Frevo merece mais reconhecimento no Brasil Capoeira Portal Capoeira

Em 14 de setembro é comemorado o “Dia Nacional do Frevo”. A data foi criada em homenagem ao dia do nascimento do jornalista Osvaldo da Silva Almeida, reconhecido como um dos criadores da palavra “frevo”. O termo tem origens na palavra “efervescência”, por causa da rapidez no movimento dos pés e do corpo, como se o chão estivesse a “ferver”. Esse ritmo musical acelerado é traduzido em uma dança que mistura a marcha, o maxixe, alguns elementos da capoeira e inconfundíveis movimentos de pernas.

Trata-se de uma das mais ricas expressões da inventividade e capacidade de realização popular na cultura brasileira. Possui a capacidade de promover a criatividade humana e também o respeito à diversidade cultural.

“Eu quero frevo, eu quero frevo!”

O ritmo mais pernambucano de todos continua embalando os foliões locais e também os que visitam o singular Carnaval que rola por aquelas bandas.

Como não poderia ser diferente, em Olinda e Recife, o “Dia Nacional do Frevo” novamente será comemorado em grande estilo. O público local vai celebrar a importância do frevo com diversas atividades, oficinas e apresentações. Em contrapartida, o restante do país não tem muito contato com uma manifestação cultural que é tão brasileira quanto o samba, a bossa nova ou o sertanejo.

Por obra de um rude descaso, mais uma vez, não há nada sobre celebrar o frevo nas agendas culturais de cidades como Belo Horizonte (MG) e Campo Grande (MS), por exemplo. Fica a reflexão para que possamos fazer o esforço de reconhecer e valorizar mais esse que é um dos pilares de nossa cultura.

Por um Brasil com mais frevo, já!

 

Fonte: https://www.cifraclubnews.com.br

Gustavo Morais

Leave a comment
Mais Artigos
comentários
Comentário

3 × 4 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.