Blog

acre

Vendo Artigos etiquetados em: acre

Pontos de Cultura do Acre

FEM assina convênio de repasse financeiro com mais quatro instituições da sociedade civil, como parte da edição estadual do Programa Mais Cultura

Mais quatro convênios para repasse financeiro a iniciativas culturais foram assinados na manhã desta quarta-feira, 12, pelo presidente da Fundação de Cultura e Comunicação Elias Mansour, Daniel Zen, e pelos presidentes das associações beneficiadas com a edição estadual do Programa Mais Cultura – Pontos de Cultura do Ministério da Cultura.

Participaram da assinatura os representantes da Associação de Aposentados de Plácido de Castro, da Associação Cultural e Desportiva Candeias de Capoeira Acre, da Rede Acreana de Jovens em Ação (REAJA) e da Liga de Quadrilhas Juninas do Acre, que foram contempladas com o repasse no valor de R$ 180 mil correspondente a três anos de realização das atividades, totalizando o valor dos recursos aos quatro Pontos de Cultura em R$ 720 mil. Ao todo, foram contemplados com o programa 15 Pontos de Cultura.

A parceria entre o Ministério da Cultura (MINc) e o Governo do Estado, através da Fundação Elias Mansour, tem como ação a expansão do Programa Cultura Viva, que se baseia na descentralização de recursos orçamentários. O programa, que já contempla o projeto Culturalizando o Quinari, tem como objetivo apoiar os projetos de instituições da sociedade civil sem fins lucrativos, de caráter cultural ou com histórico de atividades culturais; instituições que atuem na produção artístico-cultural há pelo menos dois anos, contribuindo para a inclusão social, a construção da cidadania, seja através da geração de emprego e renda, seja por meio de ações de fortalecimento das identidades culturais.

Valorizando as histórias de Plácido – Para Marinete Oliveira de Araújo, presidente da Associação de Aposentados de Plácido de Castro, não só a inclusão social e a continuidade das atividades são frutos importantes do Ponto de Cultura Pacatuba Cultural, mas principalmente a valorização da cultura do município.

“Com esse projeto nós pretendemos não só promover oficinas e atividades para os idosos, que são nosso público alvo, embora a sociedade em geral também seja atendida, mas permitir, principalmente, que eles ajudem a reafirmar a cultura local, através das contações de histórias e dos conhecimentos populares que eles tanto sabem.”

Além do incentivo a leitura, o projeto Pacatuba Cultural de Plácido de Castro promove ainda atividades em outras áreas, como Artes Cênicas através de teatro e dança, Cultura Afro com a capoeira recreativa e Cultura Popular promovendo a quadrilha junina e o forró pé-de-serra.

Capoeira e cidadania

Com uma proposta mais voltada para a inclusão social, a Associação Cultural e Desportiva Candeias do Acre pretende, através do projeto Portas Abertas Capoeira e Cidadania, atender moradores e crianças que estão em situação de rua com escolinhas de capoeira. Não só estimular a prática do esporte é o objetivo do projeto, mas também incentivar a participação escolar dessas crianças e jovens.

“Para participar das escolinhas é necessário que o jovem esteja estudando ou, se não, que pelo menos firme o  compromisso de entrar na escola. E nós estaremos sempre incentivando para que isso se torne verdade.”, explica Janosson da Silva Carvalho, o Falcão, presidente da Associação Cultural e Desportiva Candeias de Capoeira Acre.

Música e luteria

Já o Ponto de Cultura Som Nativo, da Rede Acreana de Jovens Em Ação (REAJA), é voltado para a música feita por jovens acreanos. “Com a assinatura do convênio, o REAJA, além de produzir oficinas de iniciação musical  e de luteria, que é a construção de instrumentos de corda, vai incentivar a  produção de música independente através do estúdio que será construído com o repasse financeiro do Programa Mais Cultura” , relata Francisco Marnilson Neris da Silva,  presidente do REAJA.

Liga de Quadrilhas

Segundo Aurimar Aragão, presidente da Liga de Quadrilhas Juninas do Acre a partir desse convênio a Liga vai poder se organizar mais como representante de todos os grupos de quadrilhas do estado. “Desde a criação de adereços até a  formação de produtores culturais, o Ponto de Cultura ‘Cultura é Popular’ pretende fomentar a cultura das quadrilhas capacitando não só dançarinos e aderecistas mas, principalmente, multiplicadores que possam estender esse trabalho para todos os municípios”.

Sobre o Programa Mais Cultura, Aurimar Aragão acredita ser uma parceria muito vantajosa para a sociedade, uma vez que ela atinge diretamente a massa. “O Programa  dá oportunidade para a sociedade civil, que é a quem mais tem conhecimento sobre as suas precariedades, para desenvolver soluções que supram esse deficit de cultura, chegando nos mais distantes bairros, dentro da comunidade”, explica.

Acre: Capoeira da Gente todos os sábados na Difusora

Programa valoriza a modalidade esportiva, cada vez mais praticada no Acre

Com o objetivo de levar a cultura da capoeira a todos os 22 municípios do Estado, suas aldeias e seringais, a Liga Acreana de Capoeira, em parceria com a Rádio Difusora Acreana, realiza todos os sábados, a partir das 10 horas da manhã, o programa Capoeira da Gente, com apresentação de Ithamar da Silva, o presidente da Liga Acreana de Capoeira e convidados.

O programa Capoeira da Gente leva até as pessoas informações sobre a capoeira, sua cultura, dança, estilos de luta e as principais características desse esporte, que já está presente em todos os municípios do Acre e possui adeptos no mundo inteiro. Cada edição também traz uma entrevista especial sobre essa modalidade. A capoeira faz parte da identidade cultural brasileira, tornando-se patrimônio cultural.

“A programação musical do Capoeira da Gente será composta exclusivamente por canções que contagiam e animam as rodas e brincadeiras dos capoeiristas acreanos”, explica Ithamar. Tudo isso com intenção de levar o gingado e o encanto da capoeira para todas as localidades do Acre. A capoeira é uma expressão cultural brasileira que mistura luta, dança, cultura popular, música, esporte, artes marcais e brincadeira, desenvolvida no país por escravos africanos e seus descendentes.

A Liga

Fundada no dia 28 de março de 2001, a Liga Acreana de Capoeira contava com a participação de cinco grupos na sua fundação – atualmente a Liga possui 11 grupos filiados dos 12 existentes no Estado: Senzala, Candeias, Acrebrasil, Aruanda, Axé Capoeira, No Toque da Banguela, Mameluco, Acre Capoeira, Guanabara, ABADÁ e Cordão de Ouro.

A Liga Acreana de Capoeira é uma entidade de direito privado, voltada à prática cultural e desportiva da capoeira, que propõe congregar academias, associações e grupos de capoeira, além de outras entidades, bem como os capoeiristas, promovendo torneios, festivais, simpósios, seminários, cursos, oficinas, copas e campeonatos de capoeira. Propõe ainda preservar as tradições e valores culturais da capoeira, promover e fomentar estudos e pesquisa referente a esse mundo.

Fonte. http://www.agencia.ac.gov.br

Batizado Arrepiado Capoeira Cordão de Ouro Acre

A capoeira na Apae – Ac, nasceu de um programa da Secretaria de Esporte do Estado, mas só durou um ano. Desde então atendo os alunos especiais de forma voluntária. Durante seis mêses do ano, o projeto ganha um incentivo da Prefeitura de Rio Branco, através da Lei Municipal de  Incentivo à Cultura, mas para isso escrevo um projeto com todas as exigências do edital.

Esse ano vamos trazer o Mestre Brasília. Ele nunca veio ao Acre, está muito ancioso. O Professor Espirrinho já veio 3 vezes (com essa).

O legal deste ano é que o evento caiu na mesma data da Consciência Negra, que também é bem difundida pelas entidades do movimento e apoiadas pela Prefeitura e Estado. Com certeza vai ser um grande evento!

A capoeira na APAE tem um foco diferente, mais específico. Por ser multidisciplinar e multicultural, a modalidade se relaciona bem com os alunos, que se expressam sempre de maneira sincera e bem expontâneas. Isso mostra que com eles não se brinca, mas oportuniza-se as formas de brincar, com a ludicidade própria da capoeira. Vemos que a cada dia suas limitações viram possibilidades, da forma que bem entenderem e antes, suas “classificações”, viram qualificações.
Temos então um leque, extenso e variado de formas de trabalho através da prática da capoeira, com seus rituais, cantos e códigos. O batizado é o ponto alto do trabalho, um momento de confraternização. Colocam em evidência tudo o que conseguiram aprender durante o ano de treinamento. Toda sociedade vem prestigiar, eles dão entrevistas, tiram fotos, brincam, jogam, cantam, são vistos e isso para eles faz com se sintam incluídos, mesmo que por um dia, pois sabemos que a realidade é bem diferente.

Mesmo assim vale a pena, pois damos um alição de superação, uma verdadeira inspiração para uma maior valorização da vida.
Esse é o meu trabalho, minha vida. Não faço outra coisa a não ser trabalhar com projetos (especiais e crianças em risco social). Se não tenho apoio, trabalho mesmo assim. Tenho 28 anos e 20 de capoeira, faço parte da família Cordão de Ouro.

Um grande abraço.

Axé

Everton Silva Leodegário
CM. Arrepiado
Rio Branco-Acre

Programação do Evento CDO CM. Arrepiado – Acre
(Supervisão Mestre Suassuna CDO-SP)

Dias 20 e 21 de novembro

V – Batizado e Troca de Cordas “Capoeira na APAE – AC”.
I – Batizado “Academia CDO CM. Arrepiado”
I – Batizado de Capoeira “Espaço Cultural Neném Sombra”

Presença confirmada do Mestre Brasília, um dos renomados Mestres que fundaram o Grupo Cordão de Ouro!

E Instrutor Espirrinho, de São Paulo.

Programação

Dia 20 de novembro (sexta-feira)
Escola APAE-AC (Conj. Esperança)
Hora: 9h Cerimônia de entrega de instrumentos e uniformes.
Roda e mesa de frutas

Mercado Velho
Hora: 18h  Em homenagem ao Dia Nacional da Consciência Negra a Academia CDO CM. Arrepiado fará uma programação Especial em parceria com entidades ligadas ao movimento Negro de Rio Branco.

Aulão, Roda e muito AXÉ!

Dia 21 de novembro (sábado)
Usina de Arte  
Hora: 17h
V – Batizado e Troca de Cordas “Capoeira na APAE – AC”.
I – Batizado “Academia CDO CM. Arrepiado”
I – Batizado de Capoeira “Espaço Cultural Neném Sombra”
Rodas, palestras e muito mais!

Contatos:
9977-4990
arrepiadocdoacre@hotmail.com

Apoio:
Lei Municipal de Incentivo a Cultura – FGB

Patrocínio:
Banco do Brasil
Hotel João Paulo
ABRASEL

Capoeira do Acre no Peru

Grupo chama a atenção de turistas de vários lugares do mundo durante Semana da Amazônia Brasileira em Cusco mostrando o esporte como ferramenta para integração

Não foram somente debates, seminários, exposições e rodadas de negócios que promovem o intercâmbio entre brasileiros e peruanos durante a Semana da Amazônia Brasileira, realizada em Cusco pelo Governo do Acre. O esporte também é uma ferramenta importante como incentivo à integração e esteve presente na agenda de atividades. Desde a última segunda-feira, 25, o Grupo Cordão de Ouro realiza apresentações e oficinas na Praça Regocijo, no centro da cidade peruana.

A altitude não ajuda muito os atletas. O ar rarefeito típico das regiões altas, pesa e diminui a pressão da atmosfera, causando grande dificuldade de respiração. A sensação de cansaço e falta de ar é grande. Mas não foi suficiente para tirar a disposição e a alegria típica de uma roda de capoeira.

O Mestre Francisco Alexandre, conhecido como Xandão, está à frente do grupo que durante essa semana apresenta um pouco da riqueza desse esporte tipicamente brasileiro. A capoeira, segundo ele, sempre atrai a atenção de pessoas do mundo todo por seu ritmo e gingado. “Hoje estamos com unidades do grupo também aqui no Peru, abrindo turmas aqui, porque há um interesse grande pelo esporte”, afirmou.

Para o professor, participar da Semana da Amazônia Brasileira em Cusco foi um momento importante, e a capoeira contribuiu para o objetivo de promover a integração. Prova disso foram as rodas, sempre no fim da tarde, que reuniram pessoas de diferentes nacionalidades, seja para jogar ou simplesmente assistir batendo palmas. E depois da apresentação, quem quisesse, ainda podia participar da oficina de capoeira realizada na praça mesmo, ao ar livre. “O Governo do Estado está de parabéns pela iniciativa, e o esporte é sem dúvida um importante instrumento de integração. Apesar do cansaço, a gente não consegue ficar muito tempo na roda, mas isso não tira nossa satisfação e alegria em participar”.

A turista Sophia Laurant veio da França para passear em Cusco e não resistiu a uma parada na roda de capoeira. “Conheço muitos brasileiros na França que praticam o esporte. Por isso já conheço o esporte. Eu acho um esporte bonito porque é uma luta que mistura dança, e tem uns passos diferentes”.

O brasileiro Celso Bess mora em Cusco onde é professor de português. Ele disse que já esperava esse momento de integração entre os moradores dos dois países. “Não tem como não acontecer. E a partir de agora esse movimento vai acontecer muito mais rapidamente com a abertura da estrada no próximo ano e com iniciativas como essa, de promoção de conhecimento entre brasileiros e peruanos. Eu não conheço o Acre, mas com certeza irei em breve”, disse o professor após ter participado da roda. “Até eu que já estou acostumado com a altitude me cansei. Mas foi divertido”. 

* Pessoas de diferentes nacionalidades participaram da roda em praça pública (Foto: Sérgio Vale/Secom)

Fonte:  Agência de Notícias do Acre – http://www.agencia.ac.gov.br/

Acre: FECAP acontece hoje na Usina de Artes João Donato

Festival é realizado pelo gupo de capoeira Besouro Mangangá

Capoeiristas e acadêmicos do curso de Educação Física da Universidade Federal do Acre (Ufac) reúnem-se hoje, às 16 horas, na Usina de Artes João Donato, para participar do 2º Festival de Capoeira do Acre (Fecap), realizado pela Ufac e pelo grupo de Capoeira Besouro Mangangá.

O Fecap celebra uma parceria que já acontece há dois anos entre o grupo e os acadêmicos e que proporciona a ambos a troca de informações e capacitação para atuar com segurança na modalidade. Há um ano a matéria Capoeira está sendo oferecida para os alunos do quarto período como optativa, porém não forma capoeiristas.

“Essa integração proporciona aos capoeiristas conhecimento específico e didática para ensinar crianças com responsabilidade e aos acadêmicos uma base para trabalhar a capoeira nas escolas”, afirma Carlos Cavalcante, coordenador do projeto.

Dentro da programação estão sendo oferecidas, desde ontem, oficinas específicas para os capoeiristas sobre: primeiros socorros; metodologia do ensino aplicado a capoeira; canto e música; movimentos e floreios; Folguedos da Capoeira (maculelê, puxada de rede, samba de roda e dança guerreira).

Também será realizado um batizado para as mais de 80 crianças que fazem parte do projeto “Capoeira na Ufac” que há dois anos beneficia crianças dos bairros adjacentes a universidade com a prática gratuita do esporte. Serão entregues 50 certificados “O Amigo da Capoeira” para grupos de capoeiras, autoridades locais, lideres religiosos e empresários.

“O certificado é uma forma de agradecermos a todos que apóiam a capoeira no Estado e trabalham na divulgação da cultura Afro-Brasileira”, ressalta Carlos.

 

Fonte: http://www2.uol.com.br/pagina20

Acre: Uma proposta social de capoeira

Manifestação da cultura afro-brasileira como instrumento para a inclusão social e para uma vida saudável
 
Contemplado pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura, o projeto “Uma Proposta Social de Capoeira”, realizado pelo Mestre Xandão, propõe a acesso a uma vida mais saudável e produtiva por meio da prática da capoeira. O projeto acontece a 15 anos, com uma história bem próxima à história da capoeira no Acre, construído em função de comunidades carentes, envolvendo principalmente adolescentes, jovens e adultos em situação de vulnerabilidade social. A Proposta Social de Capoeira consiste na promoção de aulas de capoeira, cursos, encontros e outros meios de formação a fim de difundir manifestações da cultura afro-brasileira e proporcionar aos envolvidos a capacitação para geração de renda a partir da cultura.
Segundo o realizador, o projeto exerce o papel de manter os atendidos longe da violência e dos perigos gerados pelo uso e/ou tráfico de drogas, livres do risco de contração de doenças geradas pelas condições sociais e econômicas desfavoráveis. “Prova disso é o fato que 15 dos instrutores que trabalham hoje na sede e nos núcleos existentes na cidade tiveram seu primeiro contato com a capoeira através dos projetos como esse”, explica Xandão.
 
Hoje, o espaço da Associação Cultural e Desportiva Cordão de Ouro – Acre / CDO-AC é uma referência para comunidades de baixíssima renda – a maioria absoluta de alunos é não-pagante. “Com isso buscamos continuamente meios para garantir o atendimento desse público cada vez mais crescente e que já se apropriou do lugar. A Lei Municipal de Incentivo à Cultura é uma alternativa para fortalecer o projeto”, diz.
 
Valorizando e preservando a cultura
 
O Mestre salienta que a capoeira e outras manifestações da cultura afro-brasileira, como os folguedos (maculelê, samba de roda, puxada de rede), as danças e os cantos, são cada vez mais usados como ferramentas sócio-educativas, para correção de males sociais perversos provocados pelas desigualdades, males esses que geram o preconceito, a intolerância, a violência, a exclusão. “A importância de nosso trabalho cresce por ter como eixo a promoção de ações que visam não só a inclusão social e o sucesso dos nossos alunos – desfavorecidos socialmente e em situação de vulnerabilidade social, mas também a preservação e a manutenção de bens materiais e imateriais da cultura afro-brasileira, cuidando para preservar suas características ideológicas, históricas e culturais por meio do uso do aprendizado e da valorização”.
 
As aulas e os ensaios acontecem nas terças e quintas-feiras, das 17h30 às 20horas e aos sábados, das 14h às 19horas, no espaço da Cordão de Ouro, localizado na Rua José de Melo, 448, no Bairro Bosque. Mais informações pelo telefone: 99780818.
 

Acre: Incentivadores da Capoeira recebem certificado

I Amigos da Capoeira se reúnem no Theatro Hélio Melo
 
Incentivadores do esporte ganham certificado de reconhecimento
 
Representantes de entidades, empresas, secretarias e pessoas que incentivam a prática da capoeira no Estado, estiveram reunidos na manhã de ontem no teatro Hélio Melo para participar do I Amigo da Capoeira. Na oportunidade, foram entregues certificados – como forma de reconhecimento ao apoio cedido aos projetos de extensão da modalidade.
 
A iniciativa é da Universidade Federal do Acre (Ufac), que por meio do professor do departamento de Educação Física da instituição, Carlos Roberto, desenvolve desde 2004 o Projeto Calafate, que incentiva a prática da capoeira no bairro, resgatando tradições culturais e promovendo a auto-estima de crianças e adolescentes.
 
Roberto conta que este é um projeto multidisciplinar, que envolve acadêmicos, coordenadores e professores de vários cursos da Ufac. “Nós levamos as experiências teóricas que são aprendidas dentro da faculdade para serem aplicadas no aspecto prático, em benefício do Projeto Calafate”, ressalta.
 
Ele revela que o programa atinge atualmente 80 crianças do bairro, porém, mas de 600 jovens já passaram pelo projeto e a cada ano aumenta o alcance da iniciativa.
 
Para o secretário Extraordinário do Esporte, José Alicio, um dos agraciados com o certificado, a parceria entre governo do Estado, prefeitura de Rio Branco e Ufac em prol da modalidade é essencial. “Com este programa de inclusão social, as crianças e adolescentes do Calafate são beneficiados com educação, saúde e cidadania, o que reflete no afastamento destes jovens, que possivelmente estariam no mundo das drogas e da prostituição”, ressalta.
 
Ao todo, mais de 20 certificados foram distribuídos aos incentivadores da capoeira no Acre.
 
Página 20 – Rio Branco, Acre – http://www2.uol.com.br/pagina20

Acre: Projeto Iê Camará vai divulgar a arte da capoeira

Lá do Norte temos tido muitas notícias e muitos frutos estão sendo plantados…
Importantes eventos tem movimentado esta rica região do Brasil,  mestres de renome tem se destacado na forma participativa e interativa na implementação de seus trabalhos.
Entre os dis 17 e 20 de Agosto estará acontecendo um evento importante em Manaus, sob a responsabilidade e direção do Instituto Terreiro do Brasil.
Do Acre, mais precisamente da Liga Acreana de Capoeira, recebemos esta notícia que remonta ao uso correto da Lei de Incentivo à Cultura, usufruindo e fazendo valer a voz da capoeira…
 
Aos capoeiristas da região Norte do País fica a dica para participarem e somarem com os camaradas, buscando sempre um melhor entendimento e entrosamento da capoeiragem
 
Luciano Milani

 
A Liga Acreana de Capoeira vai realizar no período de 30 de agosto a 1º de setembro, no Memorial dos Autonomistas, o 4º Projeto Iê Camará. O evento faz parte das atividades aprovadas pela Lei de Incentivo à Cultura e tem como objetivo divulgar a arte da capoeira, valorizar os profissionais da área e capacitar professores e instrutores.
 
Durante o período, a Liga vai apresentar uma avaliação dos resultados do trabalho feito com as crianças de famílias carentes, provenientes de bairros como o Conquista, Nova Estação e Baixada do Sol, entre outros.
 
De acordo com o mestre Caju, do grupo Besouro Preto Mangangá, cerca de 2,5 mil crianças e adolescentes são atendidas pelos instrutores. “É um trabalho que visa a inclusão social dos meninos e meninas por meio da arte da capoeira”, explicou.
 
A Liga Acreana é formada por seis grupos, sendo eles: o Besouro Preto Mangangá, Cordão de Outro, Mameluco, Senzala e Cadeias. Durante a realização do projeto, será desenvolvido um ciclo de palestras sobre o desenvolvimento da capoeira no Acre, além de oficinas e cursos de toque de berimbau, atabaque, os movimentos acrobáticos da luta e os folguedos da capoeira.
 
“O público vai poder contar ainda com apresentações de samba de roda, maculelê, puxada de rede, dança e do fogo”, ressaltou Caju. Os cursos serão ministrados pelos professores e mestres acreanos. O nível de técnica deles é igual ao aplicado pelos profissionais dos grandes centros, não havendo a necessidade de trazer nomes de fora do Estado. O projeto está sendo patrocinado pelo Lojão dos Parafusos.
 
 
Página 20 Online – http://www2.uol.com.br/pagina20
Rio Branco-AC