Professor de capoeira desaparece ao tentar socorrer vítimas de deslizamento em Guarujá
04 Mar 2020

Professor de capoeira desaparece ao tentar socorrer vítimas de deslizamento em Guarujá

Professor de capoeira desaparece ao tentar socorrer vítimas de deslizamento em Guarujá A assistente social Antônia Marques, 51 anos, caminhava no início

04 Mar 2020

Professor de capoeira desaparece ao tentar socorrer vítimas de deslizamento em Guarujá

A assistente social Antônia Marques, 51 anos, caminhava no início da tarde desta terça-feira (3), em meio ao alagamento de uma avenida em Guarujá (86 km de SP), para buscar água potável e notícias de conhecidos que sumiram durante o temporal que provocou o deslizamento de parte do morro do Macaco Molhado —as chuvas no litoral sul paulista provocaram a morte de 16 pessoas e outras 33 estão desaparecidas.

Antônia afirmou que sua casa, que fica no morro, foi invadida por água até a altura da cintura, por volta das 2h desta terça-feira. “Só tive tempo de salvar mantimentos. O restante de minhas coisas, perdi tudo”, disse.

Ela contou que conhecia uma das pessoas desaparecidas. Seu amigo, o professor de capoeira Rafael Rodrigues, idade não informada, sumiu no meio do barro e de escombros quando tentava ajudar a retirar pessoas soterradas no local, segundo Antônia. “Até agora não acharam ele. Isso é uma tragédia”, afirmou. 

A filha da assistente social, a recepcionista Tainá da Silva, 27, afirmou conhecer duas vítimas que morreram soterradas.

“Acharam o corpo da Tatiana [amiga dela] e do filhinho dela, 1 ano, agora pela manhã”, afirmou, sem saber informar o sobrenome e a idade da conhecida.

O porteiro Yago Wesley Gonçalves, 27 anos, mora no bairro Vila Elma, ao lado do morro. Ele contou que quando soube do desmoronamento, entre 1h30 e 2h, correu para lá.

“Vi que tinha um braço para fora do barro. Gritei e quatro pessoas [incluindo um bombeiro] vieram ajudar a desenterrar [com as mãos]”, relembra.

O açougueiro Djalma Valentim, 23, foi uma das pessoas que auxiliou.

Gonçalves afirmou que pelo fato de de o barro estar muito instável, usaram tábuas para conseguir até onde estava soterrado o cabo dos bombeiros Rogério de Moraes Santos, 43 . “Levamos uns dez minutos para desenterrar o bombeiro com as mãos”. O bombeiro morreu no local.

A reportagem apurou que por volta das 15h30 desta terça começou a vazar gás de um botijão de uma das casas destruídas pelo desmoronamento. Por isso, a rede elétrica de alguns pontos da comunidade foi cortada, para evitar eventuais explosões.

Na tarde desta terça, 23 voluntários ajudavam bombeiros com três baldes de 20 litros cada, que eram passados de mão em mão, para retirada de lama do morro.

O trabalho voluntário foi interrompido pouco antes das 15h, por ordem dos bombeiros, por causa de dois pequenos desmoronamentos de terra.

Um funcionário da Defesa Civil afirmou que técnicos encontraram, durante sobrevoo, uma cratera no morro. Segundo ele, há novo risco de desabamento.

Quatro cães farejadores da Polícia Militar ajudam na busca por desaparecidos.

 

Fonte: https://agora.folha.uol.com.br/

por Alfredo Henrique

Leave a comment
Mais Artigos
comentários
Comentário

Specify Instagram App ID and Instagram App Secret in Super Socializer > Social Login section in admin panel for Instagram Login to work

Eu aceito a Política de Privacidade

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.