Blog

curta

Vendo Artigos etiquetados em: curta

Curta sobre cultura afrobrasileira faz avant premiere em encontro de Capoeira Angola

“ANGOLA: Capoeira Ancestral” 

O curta metragem “ANGOLA: Capoeira Ancestral” terá sua avant premiere na próxima quinta-feira, dia 07 de abril, às 13h, durante o 3º Encontro Nacional de Capoeira Angola. Ele será reexibido na sexta-feira, dia 08, no mesmo horário. O encontro, que acontece entre 5 e 9 de abril, na Funarte, com entrada franca, é realizado pelo Grupo Iuna de Capoeira Angola, com os recursos do Fundo Municipal de Cultura. Com rodas, palestras, seminários, oficinas de Capoeira Angola e mostras de filmes, o evento vem sendo realizado desde 1999 e tornou-se referência para a comunidade capoeirística de Minas Gerais.  Nesse ano serão homenageados os mestres Cavalieri, Boca e Dunga e vindos diretamente de Santo Amaro da Purificação, Recôncavo Baiano, os mestres Felipe e Ivan, e Mestre Lua, de Salvador. Confira a programação completa em http://grupoiuna.blogspot.com/.


SINOPSE: Apertem os cintos! Vamos embarcar numa viagem para o passado. O nosso passado, o do povo brasileiro e da capoeira angola. Um passado bem antigo, de bem mais de 400 anos atrás, quando começaram a chegar ao brasil os primeiros negros africanos. Visitaremos a áfrica antiga, as fazendas de cana da bahia, o quilombo do palmares, zumbi e o rei ganga zumba em alagoas. O trabalho duro nos portos de recife. No recôncavo baiano conheceremos o besouro de macangá, o samba e política das vilas e favelas no rio de janeiro, com suas “maltas” de capoeiristas. Veremos que o governo do brasil republicano teve medo da organização do negro liberto e por isso fez da capoeira um crime. E veremos, principalmente, que o povo negro é lindo! Que nossa liberdade não tem amarras, nem fronteiras. Ainda mais quando se sabe valorizar a sua cultura e a sua herança ancestral.


DESTAQUE: CRIANÇAS PRODUZIRAM A ANIMAÇÃO


O documentário é um dos oito produtos culturais do DVD “PAZ NO MUNDO CAMARÁ: a Capoeira Angola e a volta que o mundo dá”, co-produzido pela Associação Cultural Eu Sou Angoleiro e ATOS Central de Imagens. “ANGOLA: Capoeira Ancestral” é resultado da Oficina de Animação e Contação de Histórias, da qual participaram dez crianças do programa Escola Integrada da E. M. Hugo Werneck (comunidade do Morro do Cascalho, bairro Morro Alto, Belo Horizonte, MG). Eles foram selecionados para ajudar a construir uma parte da narrativa do documentário “PAZ NO MUNDO CAMARÁ: a Capoeira Angola e volta que o mundo dá” e criaram cenas que remontam 400 anos da Capoeira no Brasil. A oficina atuou como uma ferramenta de resgate dessas memórias não registradas e um instrumento de interação e reflexão social. O projeto tem o patrocínio do Prêmio Capoeira Viva, Governo de Minas, Fundo Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais, BDMG, Petrobrás e Governo Federal; foi desenvolvido em parceria com o Ponto de Cultura Flor do Cascalho e a Casa Civil da Presidência da República; com o apoio do Pão de Queijo Notícias, Instituto Caribé e Gegê Produções.


PRÉ-LANÇAMENTO do DVD “PAZ NO MUNDO CAMARÁ: a Capoeira Angola e a volta que o mundo dá”


A avant premier do curta “ANGOLA: Capoeira Ancestral” integra as atividades de pré-lançamento do DVD “PAZ NO MUNDO CAMARÁ: a Capoeira Angola e a volta que o mundo dá”. Ele é o resultado de seis anos de trabalho e envolvimento da comunidade capoeirística angoleira de cinco estados brasileiros.

PAZ NO MUNDO CAMARÁ em números:
6 anos de produção;
Mais de 40 profissionais envolvidos;
5 estados pesquisados;
58 locações (15 MG, 25 RJ, 12 BA, 5 PE, 1 AL);
51 entrevistados: 25 mestres de capoeira angola;
18 mestres da cultura popular/agentes culturais;
8 pesquisadores;
25 alunos tiveram contato com o mundo audiovisual

Com 35% das verbas reais Realizamos 70% de nossos objetivos. 

Conteúdo do DVD:http://paznomundocamara.blogspot.com/

EDIÇÃO LIMITADA. Faça logo sua reserva:falecom@atosimagens.com.br

CONTEÚDO DO DVD: 
8 PRODUTOS CULTURAIS

VIDEOS:

1) “PAZ NO MUNDO CAMARÁ: a Capoeira Angola e a volta que o mundo dá” Documentario televisivo (52 minutos, Brasil: RJ, BA, PE, AL e MG); 
2) “PAZ NO MUNDO CAMARÁ: a Capoeira Angola e a volta que o mundo dá- Minas Gerais”, Curta metragem (19 minutos, Minas Gerais) – produzido pelos alunos da Oficina de Produção Audiovisual “Documentos de Si”;
3) Making Off da Oficina de Produção Audiovisual “Documentos de Si”– 13 capoeiristas capacitados em Audiovisual – 4 min;

{youtube}2TaQL9i5Wo0{7youtube}

FOTOS: 

4) Fotos de Cena (Still) no Brasil;
5) Referências Pesquisa Histórica;
6) Pesquisa iconográfica Arquivo Nacional; 

TEXTOS

7) Revista Angoleiro é o que Eu Sou!;
8) Encarte- Resumo da Pesquisa in loco em MG, BA, RJ, PE e AL sobre a capoeira angola no Brasil.

Conheça os outros sete produtos culturais do projeto:http://paznomundocamara.blogspot.com/

Esse projeto recebeu o Prêmio Capoeira Viva e possui patrocínio do Fundo Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais, BDMG, Governo de Minas, Petrobrás e Governo Federal. Foi desenvolvido em parceria com o Ponto de Cultura Flor do Cascalho e a Casa Civil da Presidência da República e possui apoio do Pão de Queijo Notícias, Instituto Caribé e Gegê Produções.

SERVIÇO


EVENTO:  Avant premiere do curta metragem “ANGOLA: Capoeira Ancestral” durante o 3º Encontro Nacional de Capoeira Angola

DATA: 7 e 8 de abril de 2011

HORÁRIO: 13h

LOCAL: FUNARTE,  R. Januária, 68, Floresta / BH/MG

INFORMAÇÕES: (31) 3483-5301 / 4063-9822

LINKS: http://paznomundocamara.blogspot.com/
www.atosimagens.com.br
www.eusouangoleiro.org.br
http://grupoiuna.blogspot.com/

Documentário de Carem Abreu: PAZ NO MUNDO CAMARÁ: a Capoeira Angola e a volta que o mundo dá MG

Ola amigos e colegas, com muita satisfação informamos que nosso curta documentario “PAZ NO MUNDO CAMARÁ: a Capoeira Angola e a volta que o mundo dá- Minas Gerais” iniciou sua “volta ao mundo” no circuito de mostras e festivais do Brasil.

Ele está sendo exibido hoje, quarta, dia 07/04, durante a programação da 1ª Mostra SESC de Cinema e Video Brasiliense.

Quem estiver em Brasilia poderá conferir o documentario às:

19h – Teatro Newton Rosi- SESC Ceilândia
20h – Teatro Silvio Babato- SESC Setor Comercial Sul
(Programação 1ª Mostra SESC de Cinema e Vídeo Brasiliense)

“PAZ NO MUNDO CAMARÁ: a Capoeira Angola e a volta que o mundo dá- MG” 15′, documentário, Minas Gerais

SINOPSE: A Capoeira Angola é mais do que uma série de movimentos, do que uma luta corporal. A luta da capoeira é mais social, mais histórica, mais cultural. Nesse curta metragem vários mestres angoleiros de Belo Horizonte (MG) resgatam a recente história da capoeiragem da cidade E mais: nos convidam para uma visita as danças afro e contemprânea, ao samba, ao congado, ao camdomblê e ao teatro. O que essas expressões culturais têm haver com Capoeira Angola? Veja nesse documentário que é muito mais do que uma forte vontade de valorizar toda a africanidade incrustada no jeito brasileiro de ser.

DIRETORA:CAREM ABREU
PRODUTOR:JOÃO VALADARES e JOSIANE BRAGA
PRODUTORA EXECUTIVA:CAREM ABREU

O documentario foi produzido pelos alunos capoeiristas da Oficina de Produção Audiovisual “Documentos de Si”.

“OFICINA DE PRODUÇÃO AUDIOVISUAL: DOCUMENTOS DE SI”: foram capacitados 15 angoleiros , de 14 a 35 anos, de diversas frentes de trabalho da ACESA em funções audiovisiais como roteiristas, produtores, assistente de direção, fotógrafos de cena (Still), cinegrafistas e editores. Como prática de estudo eles produziram o curta “PAZ NO MUNDO CAMARÁ: a Capoeira Angola e a volta que o mundo dá – Minas Gerais”, que compõe o documentário de 55 minutos acima mencionado. A Oficina de Produção Audiovisual “Documentos de Si” aconteceu na ATOS Central de Imagens e potencializou as atividades culturais e a utilização dos equipamentos audiovisuais do recém-inaugurado Ponto de Cultura Flor do Cascalho (Morro das Pedras), da ACESA. De setembro de 2008 a abril de 2009 eles tiveram aulas e realizaram seu primeiro curta sob o olhar de quem vivencia e pratica o tema abordado: a Capoeira Angola. Neste documentário locais como a Comunidade da Pedreira Prado Lopes, Alto Vera Cruz, Saudade, Morro da Cascalho, Bairro Nacional foram abordados sob a perspectiva cultural e social, ao contrário do viés denotativo da violência e do tráfico de drogas.

CORPO DOCENTE:
Narrativas Documentais –  ATHAIDES  BRAGA
Projeto DVD Paz: importância da pesquisa histórica na construção de um documentário – CAROLINE CÉSARI
Pesquisa histórica- DIMAS DE SOUZA
Roteiro documental-  CAREM ABREU
Direção de Produção-  MARY RODRIGUES
Fotografia e Prática Still – LUIZA VIANNA
TOM AMÂNCIO – Cinegrafista (handcam Sony)
Cinegrafista (camera HVX200- profissional) – LUCAS EMOREIRA
Edição –  CELSO LEMBI e LOURENÇO VELOSO

PROFISSIONAIS
Coordenador Técnico / Mestre de Capoeira – MESTRE JOÃO ANGOLEIRO
Produtora Executiva/Roteirista / Diretora – CAREM ABREU
Direção de Fotografia/ Cinegrafistas – LUCAS EMOREIRA e  DIOGO RAMOS
Produtor Belo Horizonte –  PEDRO VALADARES
Tecnica de Som – MILAGROS VAZQUEZ
Assistente de Coordenação / Assistente de Produção – MARILENE SANTOS

ALUNOS
Assistente de Direção –  FLAVIA SOARES
Coordenação de Produção –  JOSIANE BRAGA
Assistentes de Produção – SERGIO PEREIRA DE OLIVEIRA/ DAVIDSON FELIPE DOS SANTOS RIBEIRO
Roteiristas – CLEVES HENRIQUE DE ABREU SILVA / OTAVIO AUGUSTO CHAVES
Cinegrafistas – ANGELO AUGUSTO DE OLIVEIRA SANTOS/ CLAUDINEI SILVA SANTOS
Editores –  CARLOS RENATO /JOÃO ALVARO MORAES DE MELO
Still – JOSIANE BRAGA / JACK LUCAS MACHADO DINIZ / WARLEN MOTA  –

ENTREVISTADOS: 1-Mestre Rogério- Associação Cultural Angola Dobrada – ACAD – Santa Tereza; 2- Mestre Jurandir- Fundação Internacional de Capoeira Angola- FICA  – Bairro Bonfim; 3- Mestre Primo – Grupo Iúna  de Capoeira Angola – Bairro Saudade; 4- Mestre Leo – Grupo Meninos de Palmares  – Alto Vera Cruz; 5- Mestre Dunga – Grupo Senzala Eu Bahia – Praça Sete; 5-Mestre João –  Associação Cultural Eu Sou Angoleiro – Centro; 6- Treinél Ricardo Manaus – Flor Do Cascalho- Morro das Pedras; 7- Treinel Gino – Grupo ILÚ AIÊ – Bairro Nacional; 8- Contra Mestre Medonha  – Alto Vera Cruz; 9- Contra Mestre Renê – Grupo Camujerê – Parque Municipal; 10- Mestre Márcio Alexandre ( Dança Afro ) – Parque Municipal; 11- Junia Bertolino (Dançarina Afro) – Parque Municipal; 12- Marilene (Dança Afro) Parque Municipal; 13- Flavia Soares(Dançarina Afro) Parque Municipal; 14- Negoativo – Capoeirista e músico(Berimbrow) – Bairro Maria Goreti; 15- Mauricio Tizumba, ator interpretou Besouro de Mangangá – Praça de Santa Tereza; 16- Rui Moreira (Cia de Dança Será que) – Teatro Alterosa ; 17- Alexandre Partideiro (fez samba de roda com a capoeira) – Pedreira Prado Lopes; 18- Dona Elisa (velha guarda do samba de BH) Pedreira Prado Lopes; 19- Mestre Conga (Velha guarda do samba de BH) Pedreira Prado Lopes; 20- Candomblé de dona Efigenia – Floresta; 21- Congado – Reinado de dona Isabel – Bairro Concórdia

AGUARDEM: em agosto ESTREIA “PAZ NO MUNDO CAMARÁ: a Capoeira Angola e a volta que o mundo dá- BRASIL”

“PAZ NO MUNDO” EM NÚMEROS
Entre janeiro e março de 2009 realizamos as gravações do documentário em cinco estados: Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ), Salvador e Santo Amaro da Purificação (BA), Recife e  Olinda (PE) e Quilombo dos Palmares (Serra da Barriga- AL). Ao todo entrevistamos 25 mestres de capoeira angola (os mais expressivos/ importantes de cada estado);  18 mestres da cultura popular e ou agentes culturais; gravamos em 65 locações (12 BA, 25 RJ, 15 MG; 1 AL; 12 PE); Nossa equipe técnica contou com 30 profissionais e instruimos 23 alunos em nossas oficinas.


CAPOEIRA PARA ALÉM DO BESOURO

Mais do que a valorização dos golpes, da ênfase à luta, enfocada no filme “Besouro” o documentário “PAZ NO MUNDO CAMARÁ” propõe uma reflexão da capoeira para além do movimento corporal. O movimento da capoeira angola é um movimento de revolução pessoal e social. É uma luta, mas pela valorização de nossa ancestralidade, de nossas raízes e pela liberdade, realizadas nos terreiros da cultura popular em todo o Brasil.


O QUE É “PAZ NO MUNDO CAMARÁ: a Capoeira Angola e a volta que o mundo dá”

Nosso projeto consiste principalmente na produção de um documentário televisivo de 55 minutos sobre os 400 anos da Capoeira Angola no Brasil. Através de uma ampla pesquisa realizada nos estados do Rio de Janeiro, Bahia (Salvador e Recôncavo Baiano), Pernambuco (Recife e Olinda), Alagoas (Parque Nacional Quilombo dos Palmares – Serra da Barriga) e Minas Gerais, buscamos compreender como a Capoeira Angola conseguiu em menos de um século, transformar- se de uma luta praticada pela “escória social”, o primeiro crime terror dos republicanos oitocentistas, em um “instrumento de inclusão social e paz no mundo” – palavras do Ministro da Cultura Gilberto Gil, proferidas em conferência na ONU/Genebra em 2004.

O documentário televisivo “PAZ NO MUNDO CAMARÁ: a Capoeira Angola e a volta que o mundo dá”, foi idealizado pela ATOS Central de Imagens, em 2005 e desde 2007 vem sendo realizado em parceira com a Associação Cultural Eu Sou Angoleiro. Ele ficará pronto em 2010 e será veiculado no Canal Brasil, na TV América Latina (TAL), além de TVs abertas e fechadas exibidoras desse gênero, e em mais de 60 festivais e mostras de cinema no Brasil e no mundo. Serão produzidas 200 cópias desse produto cultural que poderá ser utilizado como um novo material didático, criado para subsidiar a implantação da Lei nº 10.639/03 em escolas de Minas Gerais, e também distribuído para imprensa, formadores de opinião, embaixadas e patrocinadores.

TODOS OS PRODUTOS CULTURAIS do projeto PAZ NO MUNDO CAMARÁ: a Capoeira Angola e a volta que o mundo dá”:
1- Revista “Angoleiro É o que Eu Sou!” – Edição 3;
2- reformulação do site www.eusounagoleiro. org.br/portal200 9;
3- Oficinas de Produção Audiovisual “Documentos de Si” e de “Animação e Contação de Histórias”;
4- Exposição fotográfica;
5- curta metragem 15 min: “ PAZ NO MUNDO CAMARÁ: a Capoeira Angola e a Volta que  o mundo dá- MG”;
6- documentário televiso, 55 min, “PAZ NO MUNDO CAMARÁ: a Capoeira Angola e a Volta que  o mundo dá”.

MS: Cine Moreninhas apresenta Maré Capoeira

 

 

Cine Moreninhas apresenta “Curtas infantis 2”

Na próxima sexta-feira (22), a partir das 18h30, fechando a programação de férias das crianças da região da região das Moreninhas, a Fundação de Cultura de Mato Grosso de Sul (FCMS) promove mais uma exibição audiovisual no Cine Moreninhas, com a exibição do “Curtas Infantis 2”.

O Cine Moreninhas é um ponto de exibição da Programadora Brasil, um programa do Ministério da Cultura (Minc) que disponibiliza obras audiovisuais para circuitos não comerciais de difusão pública. Com conteúdo em todos os formatos (curta, média e longas-metragens), diversificado em várias categorias, (animação, documentário, experimental e ficção), os filmes são de épocas e regiões geográficas diferentes, o que atende diversos públicos e respeita a diversidade da produção audiovisual brasileira.

O Cine Moreninhas fica no Centro Comunitário das Moreninhas I e II, na Rua Anacá, 175. A entrada é gratuita.

Sinopse

O Programa “Curtas Infantis 2” traz quatro ficções protagonizadas por crianças e adolescentes. “Maré Capoeira” e “Caçadores de Saci” foram produzidos a partir do “Curta Criança”, edital infanto-juvenil do Ministério da Cultura. “D. Cristina Perdeu a Memória” discute o esquecimento de uma idosa através de sua relação com um menino de oito anos, enquanto “Paisagem de Meninos” mostra os dilemas de um grupo de garotos que querem assistir a um seriado no cinema, nos anos 30.

“Maré Capoeira”, dirigido por Paola Leblanc, tem 15 minutos de duração e conta a estória de Maré, apelido de João, um menino de dez anos que sonha ser mestre de capoeira como seu pai, dando continuidade a uma tradição familiar que atravessa várias gerações. O curta mistura ficção e documentário para contar uma pequena história de amor e guerra.

 

 

 

“Caçadores de Saci” foi filmado na chácara da pacata família de Onofre, que vem sendo assombrada por saci: a pipoca não arrebenta, o ovo não choca, o leite sempre azeda, o feijão vive queimando na panela, entre outros estranhos acontecimentos. Para resgatar a tranquilidade da casa, Onofre resolve contratar os serviços de Valdevino, o maior caçador de sacis do sertão. O curta tem a direção de Sofia Frederico.

Ana Luiza Azevedo dirige o curta “Dona Cristina Perdeu a Memória”, uma senhora de 80 anos, que conta histórias sempre diferentes sobre a sua vida para Antônio, um menino de 8 anos, pois acredita que o menino pode ajudá-la a recuperar a memória perdida.

“Paisagem de Meninos” é uma ficção de Fernando Severo filmado numa cidade do interior do Brasil, nos anos 30, cinco meninos tentam superar um grande obstáculo que pode impedi-los de assistir ao último capítulo de um seriado de aventuras, Haroldo, o Homem Relâmpago, ansiosamente aguardado durante semanas.

 

Maré Capoeira

DigiBeta, 15 min, Cor / P&B/ Rio de Janeiro, dezembro 2005

Sinopse:

Maré é o apelido de João, um menino de dez anos que sonha ser mestre de capoeira como seu pai, dando continuidade a uma tradição familiar que atravessa várias gerações. O curta mistura ficção e documentário para contar uma pequena história de amor e guerra.

A Diretora:

Paola Barreto Leblanc nasceu em 1971 no Rio de Janeiro, onde atualmente vive e trabalha como diretora, produtora e roteirista. Começou a fazer filmes em super 8 no ginasial da escola EDEM e em 1986 representou o Brasil no Jury Infantil do Festival International du Film Pour l´Enfance et la Jeunesse, em Paris. Antes de “Maré Capoeira” dirigiu dois premiados curtas infantis: “O Sumiço do Amigo Invisível” (2002) e “O Filme dos Porquês” (2003) exibidos em Barcelona, Miami, Buenos Aires, Montevideo e Santiago, entre outros Festivais; além do documentário “Me Erra!” veiculado no canal a cabo GNT e nos Festivais de Havana, Sevilla, e É tudo Verdade. Atualmente trabalha na série de documentaries curtos “É Campeão” que versa sobre crianças e esportes e está sendo apresentada a canais de TV no Brasil e no exterior.

Ficha Técnica:

Direção: Paola Barreto Leblanc – Roteiro: Fabiana Egrejas, Paola Leblanc, Ferradura, Rosane Svartman – Fotografia: Mauro Pinheiro Jr., ABC – Edição: Daniel Garcia – Edição de Som: Aurélio Dias – Trilha sonora: ArpX – Som Direto: Vampiro – Figurino: Fernanda Fabrizzi – Direção de Produção: Patricia Barbara – Produção Executiva: Ailton Franco Jr. – Cia Produtora: PB Filmes e AR Produções – Elenco: Felipe Santos, Isabela Fabirezza, Mestre Chaminé.

Premiação:

Prêmio Especial do Jury Amazonas Film Festival 2006
Prêmio Melhor Documentário – Nueva Mirada, Buenos Aires 2006
Prêmio do Jury Infantil – Hamburgo 2006
Prêmio do Jury Infantil – Oberhausen 2006
Prêmio Curta Criança – Minc/ TVE 2005

Participação em festivais e mostras :

IDFA – Festival Internacional de Documentários de Amsterdam, Holanda 2006
Mostra Internacional do Filme Etnográfico – Rio de Janeiro, 2006
Festivalzinho Vitória Cine Vídeo 2006
Amazonas Film Festival 2006
Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 2006
Festival Nueva Mirada Buenos Aires, Argentina 2006
Festival Internacional Calgary, Canadá 2006
Festival Internacional de Cinema Infantil de Chicago, USA 2006
Centro Cultural La Casa Encendida – Madrid 2006
Goiânia Mostra Curtas 2006
Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo 2006
Jornada Internacional de Cinema da Bahia 2006
Femina – Festival Internacional de Cinema Femnino 2006
Mostra de Cinema Universitário 2006
Festival Latinoamericano de Cortometrages de Caracas, Venezuela 2006
Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis 2006
FAM – Audiovisual Mercosul 2006
Festival Internacional de Curtas de Hamburgo, Alemanha 2006
Festival Internacional de Curtas de Oberhausen, Alemanha 2006
Festival Internacional de Curtas Metragens do Rio de Janeiro 2005

Contato: A.R. Produções – Ailton Franco Jr.
Praia de Botafogo 210 – Cob 01 – 22.240-050 – Botafogo – Rio de janeiro – RJ
Telefone: 21 2553 8918 – Fax: 21 2554 9059 – e-mail; a.franco@arproducoes.com.br Este endereço de e-mail está sendo protegido de spam, você precisa de Javascript habilitado para vê-lo

Leia Mais sobre o curta – Maré Capoeira:
http://www.portalcap…tent&task=view&id=937&Itemid=301

Campo Grande – MS: Cinema – Maré Capoeira

Cinemarco e Cinemoreninhas terão sessão de cinema

Campo Grande (MS) – Neste domingo (2/3), a Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul promove mais uma sessão de cinema no Cinemarco e no Cine Moreninhas, os mais novos pontos de difusão audiovisual de Campo Grande. No Cinemarco, localizado no Museu de Arte Contemporânea de MS (Marco), a exibição será às 15 horas, e no Cine Moreninhas, localizado no Centro Comunitário das Moreninhas I e II, a sessão é às 18h30. A entrada é gratuita.

O CineMarco vai exibir o filme “Terra Estrangeira”, dirigido por Daniela Thomas e Walter Salles, o mesmo diretor de Central do Brasil. Terra Estrangeira conta a historia de Paco, um jovem estudante paulista que vê com o confisco do dinheiro do governo Collor e a morte de sua mãe o fim do sonho de ser ator. Decide sair do país e, para isso, aceita levar um objeto contrabandeado para Lisboa. Lá conhece Alex (Fernanda Torres) e se envolve numa trama policial surpreendente e apaixonante. O filme foi premiado nos festivais de Sundance, Paris, Bergamo, Bruges, Rotterdam, Londres, San Francisco e San Sebastian.

Já o Cine Moreninhas vai apresentar quatro filmes de curta-metragem infantis, em uma seleção na verdade capaz de agradar qualquer idade. São histórias que vêm do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná, cada uma com seu sotaque e suas particularidades culturais.

“Maré Capoeira” é narrado pelo garoto Maré, começando com uma roda de capoeira que se torna o centro da narrativa. O curta mistura a história da família de Maré, uma linhagem de capoeiristas, e sua amizade com a menina Tatuí, que também participa da roda, com preciosas informações sobre a origem e a história da capoeira no Brasil.

“Caçadores de Saci” brinca com a lenda brasileira do Saci Pererê, em uma divertida história que se passa no interior de Minas Gerais. O saci, ou melhor, cinco deles, infernizam a vida da família de um pequeno lugarejo na roça, fazendo o feijão queimar, o milho da pipoca não estourar, o café ficar salgado… A família resolve contratar um famoso caçador de sacis e todos partem, sob suas ordens, para a caçada bem-sucedida. “Dona Cristina Perdeu a Memória” aborda as dificuldades que uma pessoa idosa enfrenta quando começa a ter problemas de memória.

Fonte: Última Hora – Campo Grande

 

 

Diretora de “Maré Capoeira” em relato exclusivo ao Portal Capoeira

Leia a Matéria e assista ao Filme:
 

Maré é o apelido de João, um menino de dez anos que sonha ser mestre de capoeira como seu pai, dando continuidade a uma tradição familiar que atravessa várias gerações. O curta mistura ficção e documentário para contar uma pequena história de amor e guerra.
 
Paola Barreto Leblanc nasceu em 1971 no Rio de Janeiro, onde atualmente vive e trabalha como diretora, produtora e roteirista. Começou a fazer filmes em super 8 no ginasial da escola EDEM e em 1986 representou o Brasil no Jury Infantil do Festival International du Film Pour l´Enfance et la Jeunesse, em Paris. Antes de “Maré Capoeira” dirigiu dois premiados curtas infantis: “O Sumiço do Amigo Invisível” (2002) e “O Filme dos Porquês” (2003) exibidos em  Barcelona, Miami, Buenos Aires, Montevideo e Santiago, entre outros Festivais; além do documentário “Me Erra!” veiculado no canal a cabo GNT e nos Festivais de Havana, Sevilla, e É tudo Verdade. Atualmente trabalha na série de documentaries curtos “É Campeão” que versa sobre crianças e esportes e está sendo apresentada a canais de TV no Brasil e no exterior.
 
Paola Barreto Leblanc em relato exclusivo ao Portal Capoeira, nos conta como foi o processo de criação e desenvolvimento do curta "MARÉ CAPOEIRA" e busca apoio para seu novo projeto "É Campeão!":
Minha motivação veio a partir de meu filho mais velho, Antonio, que pratica Capoeira desde os 06 anos de idade (hoje ele está com 10) com o Mestre Chaminé na escola Lycée Moliere, no Rio de Janeiro.
Eu sou documentarista, já tinha realizado dois curtas sobre o universo infantil, e fui procurada por uma amiga e parceira, a cineasta Rosane Svartman, que tinha uma idéia junto com a roteirista Fabiana Egrejas, de fazer uma pequena história da Capoeira para crianças. Juntas, desenvolvemos o roteiro de um curta e enviamos a um concurso para producão de filmes curtos para crianças promovido pelo MinC e a TVE.
Fomos um dos projetos selecionados e com o prêmio obtido, iniciamos em maio de 2005 através da A.R. Produções, a produção do filme.
 
Saí a  procura de crianças para o filme aqui no Rio de Janeiro e tive a sorte de conhecer o Ferradura, que faz um trabalho bem legal de ensino de Capoeira em colégios da cidade, além de ter um olhar bom pra cinema também. O Ferradura colaborou com a pesquisa e a redação final do roteiro, ajudando a formatar de maneira mais clara e eficiente nosso roteiro. Escolhemos as chulas, de acordo com a evolução da narrativa, ensaiamos muito com as criancas e fizemos uma vasta pesquisa iconográfica.
Depois de testar várias crianças, acabamos escolhendo o Felipe Santos, que é um menino maravilhoso que eu já conhecia de outros curtas que tinha feito, e que pratica no planetário com o Nestor.
 
Sempre tive como meta realizar uma pequena introdução que procurasse apresentar a Capoeira em sua amplitude, sem incentivar dissidências  entre as diferentes formas de jogar, tentando armar no filme uma roda com espaço para todos os tipos de  jogo, dos mais acrobáticos aos mais mandigueiros, dos velozes aos de dança elaborada, da angola ao regional. Montamos uma roda bem variada, com homens, mulheres, crianças, gordinhos, parrudos, atletas, enfim, gente de tudo que é tipo, uma forma de colocar a Capoeira ao alcance de todos e não limitada a figuras-estereótipo.
Escolhi rodar no Largo de São Francisco da Prainha, aqui no Rio de Janeiro, porque é um local de carga histórica  enorme – negros chegados do tráfico negreiro eram negociados ali – além de visualmente remeter às fotos incríveis que Pierre Verger fez de Capoeiristas. O chão de paralelepípedos pesados, o casario ao redor, tudo contribui com informação visual relevante e pertinente ao imaginário e à iconografia da Capoeira.
 
Definido o elenco e o local, agendamos 2 dias de filmagens.
Em um dia fizemos a roda, utilizando apenas luz natural. O Fotógrafo Mauro Pinheiro Jr., parceiro de tantos projetos, abraçou com carinho a idéia, e fizemos reuniões onde estudamos fotos, jogos e meios não didáticos, mas poéticos de filmar a Capoeira. Nossa intenção não era simplemente registrar os jogos, mas evocar, por meio de imagens fragmentadas, o sentimento da roda, filmando com planos fechados detalhes do que se passa num jogo, uma perna que passa, uma ginga de lado, enfim com sutileza construir uma imagem cinematográfica dos instantes e não um teatro filmado.
Em um dia fizemos as cenas na praia e os retratos de família.
 
Filmamos em agosto de 2005, montamos em 2 meses no meu computador e finalizamos em mais um mês com um trabalho sonoro muito elaborado feito pela trilha do Estúdio ArpX e a edição de som da Artesanato Digital. Com o apoio da Link Digital finalizamos primorosamente o curta, e em dezembro do mesmo  ano estreamos no Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro. Desde então o filme já participou de mais de 20 Fetivais Internacionais de Cinema, e ganhou prêmios na Alemanha, Argentina e Brasil.
Faz parte da programação "Curta Criança" da TVE e está disponível no site www.portacurtas.com.br – recebendo sempre comentários elogiosos.
Fico muito feliz e grata pela repercussão que o filme vem obtendo, é um estímulo para a gente insistir em trabalhar com arte e cultura, apesar de todas as dificulades de ordem financeira que são obstáculos a se trasnpor.
 
Atualmente tenho um projeto de uma série de filmes curtos sobre esporte para crianças, "É Campeão!", que vai apresentar de maneira divertida alguns dos esportes do PAN às crianças. Estamos a procura de parceiros para desenvolver este projeto em 2007.
 
ABs
 
Paola
 
{jgtabber}[tab ==Parte 1==]{youtube}xMUVYryARrk{/youtube} [/tab][tab ==Parte 2==]{youtube}ZA7RbdlZYxc{/youtube} [/tab]{/jgtabber}
Maré Capoeira
 
DigiBeta, 15 min, Cor / P&B/ Rio de Janeiro,  dezembro 2005
 
Sinopse:
 
Maré é o apelido de João, um menino de dez anos que sonha ser mestre de capoeira como seu pai, dando continuidade a uma tradição familiar que atravessa várias gerações. O curta mistura ficção e documentário para contar uma pequena história de amor e guerra.
 
A Diretora:
 
Paola Barreto Leblanc nasceu em 1971 no Rio de Janeiro, onde atualmente vive e trabalha como diretora, produtora e roteirista. Começou a fazer filmes em super 8 no ginasial da escola EDEM e em 1986 representou o Brasil no Jury Infantil do Festival International du Film Pour l´Enfance et la Jeunesse, em Paris. Antes de “Maré Capoeira” dirigiu dois premiados curtas infantis: “O Sumiço do Amigo Invisível” (2002) e “O Filme dos Porquês” (2003) exibidos em  Barcelona, Miami, Buenos Aires, Montevideo e Santiago, entre outros Festivais; além do documentário “Me Erra!” veiculado no canal a cabo GNT e nos Festivais de Havana, Sevilla, e É tudo Verdade. Atualmente trabalha na série de documentaries curtos “É Campeão” que versa sobre crianças e esportes e está sendo apresentada a canais de TV no Brasil e no exterior.
 
Ficha Técnica:
 
Direção: Paola Barreto Leblanc – Roteiro: Fabiana Egrejas, Paola Leblanc, Ferradura, Rosane Svartman – Fotografia: Mauro Pinheiro Jr., ABC – Edição: Daniel Garcia – Edição de Som: Aurélio Dias – Trilha sonora: ArpX – Som Direto: Vampiro – Figurino: Fernanda Fabrizzi – Direção de Produção: Patricia Barbara – Produção Executiva: Ailton Franco Jr. – Cia Produtora: PB Filmes e AR Produções – Elenco: Felipe Santos, Isabela Fabirezza, Mestre Chaminé.
 
Premiação:
 
Prêmio Especial do Jury Amazonas Film Festival 2006
Prêmio Melhor Documentário –  Nueva Mirada, Buenos Aires 2006
Prêmio do Jury Infantil – Hamburgo 2006
Prêmio do Jury Infantil – Oberhausen 2006
Prêmio Curta Criança – Minc/ TVE 2005
 
Participação em festivais e mostras :
 
IDFA – Festival Internacional de Documentários de Amsterdam, Holanda 2006
Mostra Internacional do Filme Etnográfico – Rio de Janeiro, 2006
Festivalzinho Vitória Cine Vídeo 2006
Amazonas Film Festival 2006
Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 2006
Festival Nueva Mirada Buenos Aires,  Argentina 2006
Festival Internacional  Calgary,  Canadá 2006
Festival Internacional de Cinema Infantil de Chicago, USA 2006
Centro Cultural La Casa Encendida – Madrid 2006
Goiânia Mostra Curtas 2006
Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo 2006
Jornada  Internacional  de Cinema da Bahia 2006
Femina – Festival Internacional de Cinema Femnino 2006
Mostra de Cinema Universitário 2006
Festival Latinoamericano de Cortometrages de Caracas, Venezuela 2006
Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis 2006
FAM – Audiovisual Mercosul  2006
Festival Internacional de Curtas de Hamburgo, Alemanha 2006
Festival Internacional de Curtas de Oberhausen, Alemanha 2006
Festival Internacional de Curtas Metragens do Rio de Janeiro 2005
 
Contato: A.R. Produções – Ailton Franco Jr.
Praia de Botafogo 210 – Cob 01 – 22.240-050 – Botafogo – Rio de janeiro – RJ
Telefone: 21 2553 8918 – Fax: 21 2554 9059 – e-mail; a.franco@arproducoes.com.br
 
 

Festival Internacional de Curtas: A Capoeira na Grande tela

Depois de Mestre Bimba a Capoeira Iluminada do Diretor Luiz Fernando Goulart é a vez do Curta de Paola Barreto Leblanc: Maré Capoeira ser apresentado na grande tela!
 
É nossa capoeira sendo difundida pelos 7 mares através da 7ª Arte…
Sucesso e muito axé a toda equipe de Maré Capoeira!!!
Luciano Milani

O Festival Internacional de Curtas de Oberhausen inicia-se, nesta quinta-feira (04/05), com 136 filmes provenientes de 48 países. Em 2006, cinco curtas brasileiros foram selecionados.

Nesta quinta-feira (04/05), inicia-se a 52ª edição de um dos mais antigos e mais renomados festivais de curtas-metragens do mundo, promovido pela cidade de Oberhausen, na Renânia do Norte-Vestfália.

Dos 5768 trabalhados enviados, neste ano, foram selecionados 136 curtas provenientes de 48 países, concorrendo em quatro categorias: internacional, curta alemão, infanto-juvenil e clip musical alemão. No ano passado, o curta brasileiro Man.Road.River, do mineiro Marcellvs L., foi premiado na competição internacional com sete mil e quinhentos euros.

Em 2006, cinco curtas-metragens brasileiros foram selecionados para participar do festival de Oberhausen, três na competição internacional – Dormente, de Joel Pizzini, Jonas e a Baleia, de Felipe Bragança e Mestre Humberto, de Rodrigo Savastano, e dois na categoria infanto-juvenil – Maré Capoeira, de Paola Barreto Leblanc e Tudo o que é solido pode derreter, de Rafael Gomes.

Dormente

Estações ferroviárias, trilhos e linhas de transmissão de energia elétrica constituem o cenário noturno de Dormente. Formas infinitas, forças paralíticas, gestos que se repetem, lembranças, auto-retratos e a escuridão da nossa viagem diária nos são revelados no filme do carioca Joel Pizzini.
 
Jonas e a Baleia

Jonas possui uma arma, um par de sapatos e uma motocicleta. Um dia, ele se apaixona e mata um homem.
Jonas e a Baleia, curta do carioca Felipe Bragança filmado em 2006, será mostrado pela primeira vez ao público no Festival de Curtas de Oberhausen deste ano.
 
Mestre Humberto
 
O enredo de Mestre Humberto, do cineasta carioca Rodrigo Savastano, trata de um delicioso passeio pelo centro histórico do Rio de Janeiro e pela África.
O passeio é acompanhado dos amigos e das lembranças de um experiente observador da vida chamado Humberto de Souza.

Maré Capoeira
 
A também carioca Paola Barreto Leblanc traz para Oberhausen Maré Capoeira.
O curta conta a história de Maré, apelido de João, um garoto de dez anos de idade que sonha em ser mestre de capoeira como o pai, seguindo uma tradição de família.
Tudo o que é sólido pode derreter

Débora, aos 15 anos de idade, divide com Hamlet os mesmos medos e dúvidas de tornar-se adulta. Por ser capaz de sentir os medos do príncipe Hamlet, começa a analisar sua dor e aprende a se posicionar.
Tudo que é sólido pode se derreter é a contribuição do paulista Rafael Gomes para a competição infanto-juvenil de Oberhausen.


Forte presença latino-americana

 

Com curtas provenientes da Argentina, Brasil e Chile, a presença latino-americana na competição de curtas infanto-juvenis deste ano, em Oberhausen, é excepcionalmente forte, segundo ressaltou a organização do festival.

Uma outra novidade do festival é que será apresentada, pela primeira vez em Oberhausen, uma seleção de 12 das mais importantes associações de filmes experimentais e de arte. O Brasil está representado pela mostra da Associação Cultural Videobrasil, do Rio de Janeiro.

Obras de Alex Gabassi, Rafael França, Wagner Morales, Fabiana Werneck e Marco del Fiol farão parte da mostra Videobrasil a ser apresentada nesta quinta-feira (05/05), em Oberhausen.

O Festival de Curtas de Oberhausen vai até 09/05, quando serão anunciados os nomes dos curtas vencedores da competição internacional, alemã e infanto-juvenil.