Blog

síndrome

Vendo Artigos etiquetados em: síndrome

Aulas de capoeira na Fundação Síndrome de Down

Aulas de capoeira na Fundação Síndrome de Down, no distrito de Barão Geraldo

A Fundação Síndrome de Down, oferece a partir do mês de julho Capoeira para iniciantes. As aulas, com início no dia 07, serão realizadas às segundas e quartas-feiras, das 19h às 20h, na sede da entidade, localizada à Rua José Antônio Marinho, 430, distrito de Barão Geraldo, Campinas/SP.

Para participar, os interessados devem fazer a matrícula na sede da entidade e pagar taxa de mensalidade no valor de R$50,00. As aulas são aberta a qualquer pessoa interessada e visam utilizar a arte da capoeira para trabalhar e estimular ritmos, musicalidade e autoconfiança.

Informações com Jaqueline, pelo telefone: (19) 3289-2818.

Fundação Síndrome de Down

A Fundação Síndrome de Down, que atua em Campinas desde 1985, tem como missão promover o desenvolvimento integral da pessoa com síndrome de Down nos aspectos físico, intelectual, afetivo e ético. Sua equipe técnica interdisciplinar é formada por profissionais de assistência social, psicologia, fonoaudiologia, fisioterapia, pedagogia, terapia ocupacional e neuropediatria. A Fundação conta ainda com a consultoria de profissionais especializados nas áreas da psiquiatria, além de manter permanente contato com referências nas áreas de organização de serviços para pessoas com síndrome de Down e inclusão no mercado de trabalho.

Serviço:

Aulas de Capoeira

Datas: Às segundas e quartas-feiras – a partir do dia 07 de julho

Horário: 19h

Local: Rua José Antônio Marinho, 430, distrito de Barão Geraldo, Campinas/SP

Informações: (19) 3289-2818, com Jaqueline.

 

Foto: .andréa rêgo barros.

Fonte: http://www.fsdown.org.br/

Senado comemora Dia Internacional da Síndrome de Down com exposições, capoeira e dança

Os senadores Eduardo Suplicy (PT-SP), Rosalba Ciarlini (DEM-RN) e Romeu Tuma (PTB-SP) participaram da solenidade em homenagem ao Dia Internacional da Síndrome de Down, no Salão Negro do Senado Federal. Cerca de 40 crianças e jovens atendidos pela Associação de Amigos dos Portadores de Deficiência do Distrito Federal – APAE-DF e pelo Instituto Meta Social estiveram no Salão Negro, para acompanhar a abertura da exposição de fotografias e artes plásticas, além de uma exibição de capoeira pelo Grupo Gingado e de dança pelo grupo EuDanço.

Suplicy, inclusive, chegou a participar da exibição de capoeira do Grupo Gingado. Ele também apresentou às crianças e adolescentes convidados, em discurso, seu projeto de lei que cria uma renda mínima para todos os brasileiros. A senadora Rosalba Ciarlini, presidente da Comissão de Assuntos Sociais (CAS), disse que é preciso integrar cada vez mais as pessoas que possuem algum tipo de deficiência, porque todos são igualmente importantes e úteis à sociedade.

O senador Romeu Tuma elogiou o esforço do Senado para oferecer condições de trabalho e de circulação para todos, por meio do Programa Senado Inclusivo, coordenado pela chefe do cerimonial da Presidência da Casa, Mônica Freitas, que organizou a solenidade no Salão Negro.Ficam em exibição até amanhã (26), às 18 horas, no Salão Negro, sete quadros a óleo de Melina Pedroso, que é portadora de down, e 12 fotos de Renata Podolski.O Dia Internacional da Síndrome de Down é celebrado em 21 de março, uma referência ao fato de pessoas com a síndrome possuírem, na sequência genética, três genes, em vez de dois, no par 21.

Fonte: http://www.senado.gov.br/

Mato Grosso do Sul comemora Dia Mundial da Síndrome de Down com Dança e Capoeira

O Dia Mundial pela Síndrome de Down, comemorado dia (21/03), será marcado por atividades de conscientização e disseminação do conhecimento da síndrome em Campo Grande (MS). Para celebrar a data, Uma Rede de Supermercados  em parceria com a Escola de Desenvolvimento Especial Juliano F. Varela, especializada em acolher portadores da Síndrome de Down, realiza pela primeira vez na Capital uma festa especial com apresentações de danças e distribuição de folders educativos.
 
A coordenadora pedagógica da escola, Roberta Navarrete Ribeiro, explica que na ocasião cerca de 80 alunos da Escola Juliano Varela apresentará ao público campo-grandense habilidades na capoeira e na dança do ventre. “Eles também estarão entregando folhetos informativos sobre as atividades desenvolvidas pela Escola Juliano Varela e sobre a importância da inclusão social”, ressalta a coordenadora.
 
Atualmente, a Escola Juliano Varela atende cerca de 120 alunos com os programas de estimulação precoce, educação infantil e ensino fundamental, atividades extras curriculares, como a capoeira, educação no trânsito e inserção no mercado de trabalho, além do grupo de dança formado pelos alunos da escola. Ela é mantida através de doações e de convênios com o governo federal, estadual, municipal e doações de empresas e particulares.
Síndrome de Down
 
O Dia Mundial da Síndrome de Down foi escolhido pela Associação Internacional Down Syndrome International, em alusão aos três cromossomos no par de número 21 (21/3) que as pessoas com síndrome de Down possuem. A síndrome de Down não é um defeito nem uma doença. É uma ocorrência genética natural, que no Brasil acontece em 1 a cada 700 nascimentos e está presente em todas as raças. Por motivos ainda desconhecidos, durante a gestação as células do embrião são formadas com 47 cromossomos no lugar dos 46 que se formam normalmente.
O material genético em excesso (localizado no par de número 21) altera o desenvolvimento regular da criança. Os efeitos do material extra variam enormemente de indivíduo para indivíduo, mas pode-se dizer que as principais características são os olhinhos puxados, o bebê ser mais molinho e o desenvolvimento em geral se dar em um ritmo mais lento. Com apoio para seu desenvolvimento e a inclusão em todas as esferas da sociedade, as pessoas com síndrome de Down têm rompido muitas barreiras.
Em todo o mundo, e também aqui no Brasil, há pessoas com síndrome de Down estudando, trabalhando, vivendo sozinhas, escrevendo livros, se casando e até chegando à universidade.

III Encontro de Capoeira e Síndrome de Down

Será realizado hoje, em Campo Grande, o III Encontro de Capoeira e Síndrome de Down. A abertura do encontro será às 8h, no Teatro da Federação do Comércio, rua Almirante Barroso 52, bairro Amambaí.
 
O evento terá, durante a parte da manhã, duas palestras com o tema: A Capoeira como atividade física para Síndrome de Down: aspectos motores, cognitivos e sociais e, Benefícios e cuidados na realização dos exercícios de capoeira.
 
Na parte da tarde o evento acontece no Sesc Camilo Boni, onde haverá apresentação dos Mestres em Capoeira e um aulão de capoeira.
 
As inscrições podem ser feitas com 1 brinquedo educativo, na escola Juliano Varela.
 
Informações pelo telefone 3321-8882.
 
Fonte: Campo Grande News – www.campogrande.news.com.br

Portadores de síndrome de Down participam de grupo de capoeira

Em clima de festa popular em praça pública, cerca de 60 crianças, adolescentes e adultos com deficiência participaram, no Salão Negro do Congresso Nacional, de apresentação de capoeira com o grupo da Escola Especial 01, da Fundação Educacional do Distrito Federal, e com o grupo Raízes.
 
Esse trabalho do grupo de capoeira com alunos da escola especial existe desde 1996. Para incluir a capoeira como atividade curricular dos alunos, a escola teve que enviar um projeto para o MEC.
 
– O que anima essa meninada aí é a parte musical e a dança da capoeira – disse o capoeirista Fábio Ferreira dos Santos, professor formado em educação física que pertence ao quadro docente da Fundação Educacional do Distrito Federal.
 
Como parte do projeto, portadores de síndrome de Down não só jogam capoeira, como tocam tambores, atabaques, caxixi e até berimbau – instrumento mais difícil para eles, segundo Fábio, por exigir maior coordenação motora.
O show no Salão Negro faz parte da programação da Semana de Valorização da Pessoa com Deficiência. No mesmo local, a peça de teatro de mamulengo, O Casamento de Chiquinha, Filha do Coronel João Redondo, com Tião sem Sorte, apresentado pelo mestre Josias W. da Silva, também atraiu o público.
 
Depois do show, alunos de escolas públicas e privadas de Brasília formaram filas para experimentar o Túnel Sensorial – uma instalação que permite às pessoas que enxergam vivenciar a experiência do deficiente visual.

SÍNDROME DE DOWN – Contactos

Simone, face seu e-mail,

< Olá, Sou fisioterapeuta e gostaria de saber se vocês possuem algum material a respeito da prática da capoeira com portadores de Síndrome de Down?Realizamos um trabalho com crianças com Síndrome de Down através da prática da capoeira, avaliando o equilíbrio e a coordenação das mesmas antes e depois da prática das aulas de capoeira durante um período. Gostaríamos de mais informações sobre a capoeira para deficientes mentais ou deficientes físicos.
Agradeço antecipadamente a atenção e aguardo resposta.
Estou a inteira disposição para maiores esclarecimentos.
Simone – São Bernardo do Campo – S.Paulo >

aproveito para divulgar informações colhidas a propósito da Síndroma de Down, esperando que Vs., que fazem um trabalho muito bonito e de grande valor humano, troquem informações.

  1. Informações fornecidas por Esdras Magalhães Santo , rua Frederico Fibieg, 128 – Bosque dos Eucaliptos – São José dos Campos/SP Fone (012)3164870
    1. Mestre Ponciano Carlos Santos de Almeida, Prof. de Educação Física, Centro de Educação e Esporte Cordão de Ouro de Guaratinguetá, Rua Vigário Martiniano, 34 – Centro – Guaratinguetá/SP Fone (012)5329074 CEP12500-000
      trabalha há mais de 20 anos com atletas portadores de Síndroma de Down.
    2. Dr. Antônio Moreira, psiquiatra, Fone(012)3228556, acompanhou os trabalhos iniciais de Esdras "Damião", discípulo direto do Mestre Bimba, introdutor da Luta Regional Baiana em S. José dos Campos/SP, com excepcionais logo da fundação da Academia Mangangá, a 1a no Estado de S. Paulo e entusiasmou-se com os efeitos sobre o comportamento e atividade motora dos mesmos.

  2. Informações pessoais
    1. O "APAE" desenvolve em Salvador/BA um trabalho intenso com portadores de Síndroma de Down em vários núcleos, como Pituba, Obras Sociais Irmã Dulce, onde devemos procurar pelo Mestre Marcelo.
    2. Manoel Nascimento Machado "Nenel", (071)3457329, filho de Mestre Bimba, ocupa-se também com excepcionais, sendo notável um paraplégico que joga capoeira de modo impressionante. Conta com o auxílio de Mestre Souza, fone (071)3453155 (residência) e (071)2406342 (academia) Vale das Pedrinhas, Salvador/BA.
    3. Mestre Renê, do Retiro, Salvador/BA, dirige um grupo que também inclui portadores de Síndroma de Down
    4. Mestre Faisca, (071)3452311, do Vale das Pedrinhas, Salvador/BA, ensina a excepcionais, especialmente Síndroma de Down.
    5. Willer Miranda Guimarães "Marujo" e Márcia Célia Silva Guimarães "Tijubina", r. Castro Alves, 67 – Vila Nova- Goiânia/GO, Fone (062)2224709, CEP74640-205, desenvolvem trabalho similar.
    6. Mestre Robson, Prof. De Educ. Física, Natal/RN,(084)2364304, falar com sua filha "Menininha", também ocupa-se com a Síndroma de Down.