Blog

capoterapia

Vendo Artigos etiquetados em: capoterapia

Mestre Gilvan promove curso de capoterapia para capoeiristas do RJ

O criador da Capoterapia – capoeira da terceira-idade – e presidente fundador da Associação Brasileira de Capoterapia, Mestre Gilvan estará com sua equipe no Rio de Janeiro nos dias 28, 29 e 30 de novembro. O objetivo da visita é ministrar o curso Prático e Teórico de Capoterapia.

Participam da caravana 50 idosos que freqüentam os grupos de Capoterapia em centros de saúde e ongs do Distrito Federal. O curso é aberto a capoeiristas e não capoeiristas. A organização do evento está a cargo do Mestre Gilvan (61) 9962 2511 e do jornalista Mano Lima (61) 8407 7960. A atividade tem o apoio dos mestres Bogado, Hulk e Teacher e de entidades de capoeira do RJ.

PROGRAMAÇÃO

Instrutor – Gilvan Alves de Andrade, Mestre Gilvan, Fundador da Associação Brasileira de Capoterapia e idealizador da Capoterapia

Carga Horária – 20 horas, sendo 16 práticas e 4 teóricas.

Público-Alvo: capoeiristas, professores de educação física, terapeutas corporais, arte-educadores e demais profissionais que atuam com terceira-idade.

Idade mínima: 16 anos

Local: Praia de Copacabana (à altura do hotel Copacabana Palace)

Dias: 28 e 29/11 (praia de copacabana) e 30/11/2008 (parte teórica no SMEL BARRA)

Inscrição: Capoeiristas são isentos. Os demais interessados devem pagar R$ 120,00 reais no local.

Certificado que habilita pra o exercício da atividade de capoterapeuta: r$ 120,00 (para capoeiristas e não capoeiristas)

Informações: Mano Lima – (61) 8407 7960, mestre em Educação, www.dicionariocapoeira.com. Coordenador do Canal E. Repórter do "Caderno Educação", www.temnoticia.com.br e www.portalcapoeira.com.

Mano Lima – (61) 8407 7960, mestre em Educação, www.dicionariocapoeira.com. Coordenador do Canal E. Repórter do "Caderno Educação", www.temnoticia.com.br e www.portalcapoeira.com.

Capocabana: idosos do DF fazem aulão na orla carioca

Associação Brasileira de Capoterapia realiza o curso para capoeiristas que desejam atuar com terceira idade

Uma caravana de grupos de terceira idade do Distrito Federal visita o Rio de Janeiro de 28 a 30 de novembro. Mas não é apenas mais um passeio turístico. Eles participarão da demonstração prática do curso de Capoterapia, que será ministrado por Mestre Gilvan, idealizador dessa terapia e presidente da Associação Brasileira de Capoterapia (ABC).

Com 15 horas de duração, o curso terá a participação de 50 idosos que freqüentam, na capital federal, oficinas de capoterapia em centros de saúde, ongs e instituições de ensino. Durante o curso, serão qualificados e licenciados para atuação, profissionais interessados em difundir a proposta da capoterapia em sua região.

Promovido pela ABC, o Capocabana – como está sendo chamado o curso – acontecerá na orla carioca e nas dependências do Sesc Ramos, onde ocorre a parte teórica. O evento tem o apoio da Federação de Capoeira Desportiva do Rio de Janeiro. Confira a programação e conheça mais o trabalho da ABC no site www.capoterapia.com. Inscreva-se e não deixe de participar desse importante curso.

Programação do Curso Teórico e Prático de Capoterapia

28 de novembro, sexta

18 h – Aulão de Capoterapia em Copacabana (em frente ao Copacabana Palace)

Dia 29 de novembro, sábado

9 as 12 h – Aulão de Capoterapia em Ipanema (em frente ao Barril)

14 às 19 h – Curso de Capoterapia no SESC Ramos

Dia 30 de novembro, domingo

9 às 12 h – Capoterapia em Copacabana (em frente ao Copacabana Palace)

Informações e inscrições

GILVAN ALVES DE ANDRADE
Presidente da ABC (61) 9962 2511 – 3475 2511

MANO LIMA
Assessor de Comunicação da Associação de Capoeira Ladainha
(61) 8407 7960 – [email protected]

Capoterapia melhora aspectos físicos e psicológicos de idosos

A técnica é uma mistura da atividade física aliada à capoeira através do som do berimbau

Uma nova técnica tem chamado a atenção das pessoas que estão participando da programação da Semana Do Idoso: a capoterapia. A prática tem se revelado como poderoso instrumento para proporcionar um bem estar físico e espiritual aos idosos que estão participando do evento organizado pela Secretaria Municipal de Trabalho Cidadania e Assistência Social – SEMTCAS.

A técnica é uma mistura da atividade física aliada à capoeira através do som do berimbau e tem garantido a participação em massa de todos. "A participação dos idosos tem sido muito boa. Eles exercitam todo o corpo e a mente. Além disso, o processo é todo adaptado às limitações físicas dos idosos", explicou Silvan Cesar, capoterapeuta que está desenvolvendo a atividade na Semana do Idoso.

Silvan Cesar acrescenta que a atividade pode trazer vários benefícios para quem pratica. "As pessoas adquirem noção espacial, melhora a coordenação motora, melhora a respiração, a circulação sanguínea e eleva a auto-estima. É uma atividade completa que só traz benefícios para as pessoas que praticam", pontua.

Uma das atividades realizadas na capoterapia é a técnica do abraço, do riso. "E acima de tudo, como respeitar o próximo e a si mesmo. Tudo isso desperta nas pessoas a alegria de se sentir que está vivo", esclarece.

Um dos fatores apontados pelo capoterapeuta é a importância do poder público municipal estar proporcionando o acesso a essas atividades. "É um passo muito importante. As pessoas estão tendo o conhecimento sobre a técnica e a riqueza da capoeira, assim podem participar e conferir os benefícios. Todos podem participar das sessões que estão acontecendo na Semana do Idoso", convida.

A capoterapia é realizada em vários projetos da Prefeitura de Teresina., como no Lineu Araujo, no Centro de Convivência Marli Sarney, no Núcleo de Atenção Intergeracional do Promorar. São doze profissionais envolvidos na realização das atividades. " Só quem participa pode compreender a "limpeza na alma" que a técnica da capoterapia proporciona", finaliza Silvan César.

Fonte: Ascom Edição: Luana Sena

Parnaíba: Participação de capoeirista renomados no Festival Arte Brasil

A Fundação Arte Brasil Capoeira iniciou nesta quinta-feira, 05, o I Festival de Capoeira Arte Brasil, segundo o coordenador do grupo em Parnaíba, Nataniel Ribeiro Santos (Contra-Mestre Montanha), o evento está sendo um sucesso tanto de público quanto pela presença dos mestres convidados e capoeirista de vários estados do norte e nordeste do país.

O criador da capoterapia, Mestre Gilvan, ministrou aulões de capoterapia para a terceira idade durante todo o dia, o presidente da Fundação Arte Brasil, Mestre Pedro, deve chegar à Parnaíba no sábado para particpar do evento de encerramento do festival, já o angoleiro do estado da Bahia, Mestre Jogo de Dentro, iniciou na noite desta quinta-feira o curso de capoeira angola.

O I Festival de Capoeira Arte Brasil encerrará no sábado, 07, com batizado e a troca de cordas na quadra do Sesc Beira-Rio. Na ocasião será lançada, também, a campanha: Capoeira que Tem Sangue na Veia. O festival de capoeira está sendo transmitido em tempo real pela internet, através do endereço – http://www.artebrasilcapoeira.net/

Fonte: http://www.tvcanal13.com.br

Francisco Brandão E-mail: [email protected]

Aconteceu: 3ª CBC – Conferência Brasileira De Capoterapia do Distrito Federal

A CAPOTERAPIA é uma terapia utilizando o lúdico da capoeira, idealizado pelo Mestre Gilvan, em Brasilia DF Devido ao sedentarismo dos grandes centros, aliado às doenças cardiovasculares e respiratórias, ser o grande responsável pela mortalidade entre os mais vividos. Doenças como a arteriosclerose e a artrite, entre outras, podem ser evitadas, ou mesmo tratadas, a partir da prática orientada de exercícios físicos. A prática de esportes, com ênfase nos seus aspectos terapêuticos e de estímulo à prática socializante, tem se revelado como um poderoso instrumento para proporcionar o bem estar físico e espiritual e a própria felicidade aos idosos, num momento tão particular de suas vidas, onde o convívio familiar lhes impõe um certo isolamento natural. A capoeira, em particular, trabalhada na perspectiva de respeitar as condições físicas próprias da terceira idade, pode se converter num eficaz meio de valorização da vida social dos idosos, fazendo do seu ambiente um pólo catalisador e irradiador de cidadania. Período de implementação da Capoterapia: O Projeto Capoeira para Terceira Idade nasceu em 1998, através do Projeto “Capoeira para Todos”, adaptando-se os movimentos da modalidade esportiva e musical (capoeira) para a Capoterapia. Nestes seis anos vem se expandindo pelas cidades de Ceilândia, Taguatinga e através de Oficinas, em outras cidades do Distrito Federal e entorno. “Saúde não é tudo, mas tudo não é nada sem saúde. (Schopenhaver).
Para compreendermos o significado da Capoterapia é muito importante conhecermos as suas raízes históricas, vinculadas à capoeira.

Não há nada que tenha mais a cara deste país do que a capoeira. Ela é a pura ginástica brasileira, estruturada na história escravista, escrita com sangue e suor, e promovida como arte marcial, esporte, desporto e luta.

"O impossível é apenas mais um desafio"

Mestre Gilvan

 

 

 

 

 

 

 

 

PROGRAMAÇÃO

DIA 22/08 quarta-feira às 9h
ATIVIDADE: Sessão solene alusiva à III CBC
LOCAL: Plenária da Câmara Legislativa do Distrito Federal
PROPOSTA: Dep. Distrital Érika Kokay

Às 15:00 h ATIVIDADE: Entrega de lenços da turma da Capoterapia / Deficientes Mentais
LOCAL: Hospital São Vicente de Paula – Taguatinga Sul

Às 19:30 h ATIVIDADE: Laboratório e troca de experiências da Capoterapia com participantes do evento.
LOCAL: Sede da Ladainha, Av. Helio Prates, QNL 30 Cj A Lt 31/33 Taguatinga Norte.

DIA 23/08 quinta-feira às 8:30h
ATIVIDADE: 3º Seminário de Capoterapia
LOCAL: Auditório dos Pioneiros da Administração Regional de Taguatinga
PALESTRANTES: Regina Caetano / SESC; Prof.º Ronaldo Rodrigues / UCB; Dr.º Giovanne / Geriatra; Vera / GVI; Mª. Nazaré / Hospital São Vicente de Paula; Biblioteca Braille; Projeto “Vida Saudável” / Ministério do Esporte e Ministério da Cultura;

Às 14h ATIVIDADE: Vivência da Capoterapia
LOCAL: SESC Taguatinga Norte

Às 16h ATIVIDADE: Entrega de lenços dos alunos(as) da Biblioteca Braille / DV – “Enxergando Melhor com a Capoterapia”.
LOCAL: Teatro da Praça – Taguatinga Centro

Às 19:00 h ATIVIDADE: Exposição da Fotogaleria
às 19:30 h ATIVIDADE: Vivência da Capoterapia c/ tema Terapia do Abraço
Às 20:00 h ATIVIDADE: Roda de Capoeira com grupos do Distrito Federal e entorno
LOCAL: Taguatinga Shopping – Pistão Sul

DIA 24, 25 e 26/08
ATIVIDADE: 1º Encontro Nacional da Capoterapia
LOCAL: Hotel Villas diRoma – Caldas Novas GO

DIA 24/08 SAÍDA: sexta-feira às 7:00 h Nene´s Shopping Taguatinga Centro
CHEGADA : 13:00 h
19:00 h – Vivência da Capoterapia c/ tema Terapia do Abraço no Centro de Convenções do Hotel;
21:00 h – Seresta

DIA 25/08 sábado
7:30 h – Hidrocapoterapia na piscina do Hotel
10:00 h – Oficina de Maculelê
12:00 h – Almoço
14:00 h – LIVRE
17:00 h – Laboratório e troca de experiências com os participantes do evento
20:00 h – Vivência da Capoterapia na Feira do Artesanato – Centro
21:00 h – Seresta
DIA 26/08 Domingo
7:30 h – Hidrocapoterapia na piscina do Hotel
10:00 h – Aulão de capoterapia com todos os participantes
11:00 h – Avaliação e entrega de certificados aos participantes
12:00 h – Almoço
13:30 h – SAÍDA do Hotel
18:00 h – CHEGADA em BSB

www.capoterapia.com
http://www.8p.com.br/capoterapia/flog/

SECRETARIA NACIONAL

Associação de Capoeira Ladainha e Associação Brasileira de Capoterapia
Av. Helio Prates, QNL 30 Conjunto “A” Lotes 31/33 Taguatinga Norte / DF CEP:72162-301 Telefones 0xx61 34752511/2160/9962-2511 Mestre Gilvan
[email protected]

Brasilia: Capoterapia ajuda no equilíbrio

O som do berimbau é o sinal de que a aula vai começar. As palmas dos alunos revelam a motivação para o que vem a seguir. Em pouco tempo, todos já estão de pé, prontos para formar um círculo e fazer, durante cerca de 40 minutos, os exercícios da capoterapia. Criada por Gilvan Alves, subsecretário de Cultura de Taguatinga, a terapia adapta movimentos da capoeira para os alunos do curso, todos deficientes visuais.
Há cerca de dois meses, a aula é realizada às quintas-feiras, na Biblioteca Braile de Taguatinga, próxima à Praça do Relógio. Alongamento, música e canto fazem parte das atividades propostas pelo Mestre Gilvan, como é chamado pelos alunos. Todos os exercícios remetem a atividades corriqueiras, como lavar roupas e estender as peças no varal. “A terapia não exige tecnicamente os movimentos da capoeira”, afirma o criador da modalidade. Mas são suficientes para alegrar os alunos que participam da dança.
“A dificuldade do deficiente visual para fazer atividade física é muito grande”, afirma Rosilene Caires, aluna de capoterapia. Ela conta que os exercícios que aprendeu ajudaram a dar mais equilíbrio ao corpo. Desde que as aulas começaram, Rosilene não perdeu uma sequer. A animação da aluna pode ser percebida em poucos minutos: após o alongamento inicial, ela já coloca os sapatos de lado e se concentra nos exercícios seguintes.
 
“Além de melhorar o desempenho físico, é uma família que a gente ganha”, afirma Nelci Maria Mota, integrante do grupo da terceira idade que também tem aulas de capoterapia. No final da aula, o mestre recita um pequeno texto sobre a importância do abraço: “Abraçar rejuvenesce, não tem efeitos colaterais indesejáveis e é um remédio milagroso”. A aula de termina com um longo abraço entre os alunos.
 
 
Fonte: Tribuna do Brasil – http://www.tribunadobrasil.com.br
Data: 27 de abril de 2007

Brasilia: Câmara faz homenagem à capoterapia

Aproveitando a ocasião da II Conferência Brasileira de Capoterapia, realizada em Brasília, a Comissão de Direitos Humanos, Cidadania, Ética e Decoro Parlamentar da Câmara Legislativa realizou, nesta manhã, sessão solene em homenagem a essa terapia fundamentada nos princípios da capoeira.
A capoterapia utiliza elementos da capoeira adaptados para pessoas da terceira idade, respeitando as condições físicas e características psicológicas próprias dessa faixa etária, com ênfase nos abraços e cantorias entre os participantes. Essa metodologia foi criada e vem sendo desenvolvida pelo Mestre Gilvam, instrutor de capoeira e presidente da Associação Brasileira de Capoterapia e da Associação de Capoeira Ladainha.
 
De acordo com a deputada Erika Kokay (PT), a capoterapia é uma atividade que deve ser apoiada oficialmente, devido aos "ganhos inquestionáveis que traz para os idosos. Já ouvi depoimentos de pessoas que praticam a capoterapia e agora têm mais gosto pela vida, relatando, inclusive, a melhora de dores de cabeça, reumatismos, disposição física e principalmente a melhora da auto-estima e da inibição", afirma.
 
Para o idealizador da terapia, Mestre Gilvam, somente agora o trabalho é devidamente reconhecido pelo Poder Público. "Há mais de 20 anos que procuramos apoio e somente no governo Lula fomos ouvidos e, mais importante, conseguimos firmar parceria com o Ministério do Esporte", comemora Gilvam. "Também estamos contentes por ajudar os nossos capoeiristas, que em muitos casos precisavam sair do País para sobreviver de sua arte", acrescenta.
Serviço:
 
Oficina Aberta de Capoterapia. Brasília/DF
 
100 vagas gratuitas A Associação Brasileira de Capoterapia oferece 100 vagas gratuitas de Capoterapia DIAS: todas as quartas-feiras de 9 às 10h LOCAL: Universidade Católica de Brasília Bl. "G" Tag. Sul CLIENTELA: acima de 50 anos PROF.º: Mestre Gilvan O QUE É CAPOTERAPIA? É uma terapia utilizando elementos da capoeira adaptada para pessoas da terceira idade, respeitando a condição física, as potencialidades, os limites e as características psicológicas individuais da clientela. A metodologia da Capoterapia foi criada e vem sendo desenvolvida pelo mestre em capoeira Gilvan Alves de Andrade, baseado na experiência, estudos , congressos, oficinas e fóruns sobre a modalidade esportiva, onde a equipe de instrutores é aperfeiçoada. "Saúde não é tudo, mas tudo não é nada sem saúde. (Schopenhaver) Associção Brasileira de Capoterapia
 
Associação de Capoeira Ladainha e Associação Brasileira de Capoterapia –  Av. Hélio Prates, QNL 30, Conjunto A, Lotes 31/33, Taguatinga Norte.
Telefones: 3475-2511 / 3475-2160
E-mail: [email protected]
Site: www.capoterapia.com

Dourados: II Encontro Nacional de Capoeira

O II Encontro Nacional de Capoeira, que acontece neste final de semana na cidade não terá apenas um cronograma de graduação, roda de capoeira e batizado. Uma das sensações e até então novidade para os capoeirista e até para a comunidade, será a terapia do abraço.
Um dos nomes de grande aceitação no meio dos capoeirista, o Mestre Gilvan, de Brasília/DF estará presente neste encontro. Mestre Gilvan é o criador da Capoterapia, um sucesso em Brasília e que está sendo realizado em Dourados pelo Formado "Montanha" que traz o Encontro para Dourados.
 
A Capoterapia é uma nova dinâmica voltado para a terceira idade. É a capoeira adaptada para este setor. E desde que começou a trabalhar a Capoterapia, muitos idosos tem participado.
 
A abertura oficial do II Encontro Nacional de Capoeira, será neste Sábado, às 18h na Escola Estadual Floriano Viegas Machado. Porém, às 15h, os capoeiristas se reúnem no Parque do Ipês onde apresentam uma roda livre. Às 19h30, acontece a Terapia do Abraço em seguida acontece o batizado e troca de graduação.
 
No domingo, às 8h30 começa o torneio até o final da tarde onde acontece o encerramento e entrega de premiação.
Encontro terá terapia do abraço 
Criador da Capoterapia, Mestre Gilvam, de Brasília, vai estar participando do Encontro Nacional de Capoeira 
Fonte: O Progresso – http://www.progresso.com.br

16º. ENCA EM BRASÍLIA Novos horizontes para Capoeira

A capital federal, palco de eventos nacionais e internacionais, sediou o 16º. ENCA – Encontro Nacional de Capoeira. O evento foi promovido pela Associação de Capoeira Ladainha, presidido pelo Mestre Gilvan Alves Andrade, capoeirista há 20 anos, que, em parceria com o Ministério do Esporte e Governo do Distrito Federal, mobilizou cerca de 2.500 capoeiristas entre mestres, contra-mestres e convidados.
 
O ENCA, que já é tradição entre os capoeiristas brasileiros, atraiu delegações do Piauí, Rondônia, Minas Gerais, Mato Grosso, Ceará e Goiás, estados com maior participação no evento, cujo maior mérito, segundo informa o Mestre Gilvan, é a confraternização entre os amantes da Capoeira e o 24 Horas de Capoeira, evento-síntese do ENCA no qual, por 24 horas ininterruptas, soou o som dos Berinbaus, Atabaques e Caxixis marcando a roda de Capoeira no palco da rodoviária de Brasília, por onde passam diariamente, 600 mil pessoas.
 
Convidados do mundo artístico, político, social e cultural visitaram o evento na rodoviária de Brasília para receber homenagem da Ladainha, por serviços prestados em prol da cultura brasileira representada pela Capoeira. O ex-ministro do esporte, Agnelo Queiroz e o ex-governador do Distrito Federal, Benedito Domingos, os deputados Wasny de Roure e Érika Kokay, apoiadores do evento, foram aplaudidos pelos capoeiristas e agraciados com o Mérito Ladainha. Também esteve no palco da rodoviária o atual secretário de esportes João Guisone; Fredo, candidato a deputado federal e Risomar Carvalho, candidato a deputado distrital. O arquiteto José do Egito, criador do projeto Taguapark foi outro que visitou o 24 Horas de Capoeira e, impressionado com a habilidade dos capoeiristas, comentou: “Eles desafiam a lei da gravidade com o próprio corpo.”
 
HISTÓRICO – O ENCA teve sua primeira edição em 1990 cuja maior motivação, segundo explica o criador, Mestre Gilvan, era mostrar às autoridades locais e nacionais e à sociedade, que a Capoeira poderia ser um excelente instrumento de socialização e inclusão social e econômica. O fato de ser esporte, luta, dança e arte, torna a Capoeira atraente a todos – independentemente de idade, condição social, cor ou raça. “A Capoeira brasileira é o esporte com o menor custo-benefício. Para sua prática bastam apenas um espaço pequeno, um Berimbau e disposição para jogar, não exigindo infra-estrutura, equipamentos ou qualquer recurso que demande investimento.” Explica Mestre Gilvan destacando que a Capoeira brasileira é praticada atualmente em 150 países, o que contribui para a promoção da imagem positiva do Brasil no exterior e atrai turistas interessados em conhecer as raízes brasileiras além, claro, de abrir aos mestres capoeiristas, as portas do mercado de trabalho no exterior.
 
Gilvan Andrade explica que ao criar o ENCA, tinha em mente ajudar o Brasil a conhecer melhor a Capoeira, demonstrar que sua prática era viável a todos e sensibilizar os governos a investir na divulgação e na promoção da Capoeira até torná-la um esporte acessível a todos que quisessem praticá-la. Graças ao ENCA, Gilvan explica que hoje a Capoeira tornou-se conhecida e admirada em escala nunca antes vista com a participação no evento, de mestres, contra-mestres, estudantes de educação física e praticantes de rua.
 
O resultado, hoje, é visível. O deputado petista Wasny de Roure, a pedido do Mestre Gilvan, levou a Capoeira para a Câmara dos Deputados e para o Senado Federal onde os parlamentares receberam capoeiristas em sessões plenárias e viram, de perto, a luta e seus benefícios para a saúde dos praticantes. Imediatamente, após as plenárias da Capoeira, o Ministério do Esporte entendeu que a Capoeira teria que constar na pauta das suas atividades e, acatando a solicitação coletiva dos capoeiristas, incluiu-a no Programa Segundo Tempo, possibilitando a 300 mil crianças aprender Capoeira, conhecer a cultura brasileira e os códigos dessa luta-referência nacional. Outros órgãos do Governo Federal, entre estes a Petrobrás, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Ministérios da Saúde, Cultura, Turismo e Educação adotaram nas suas atividades, a Capoeira como atividade capaz de ajudar nos programas sociais desenvolvidos por eles.
 
Com os resultados positivos proporcionados pela Capoeira, o Ministério do Esporte incluiu nos seus programas, a Capoterapia para atender à 3ª. Idade, parcela significativa da população brasileira que exige investimentos altíssimos em políticas de saúde, cujos os resultados estão longe do ideal. A Capoterapia – prática que mistura atividade física com práticas lúdicas, nascida da Capoeira e criada pelo Mestre Gilvan – foi desenvolvida para beneficiar exclusivamente aos mais vividos. Os resultados foram tão satisfatórios que a Capoterapia passou a integrar a pauta do Ministério do Esporte e, voltada para os idosos, ajudou o Ministério do Esporte a atender, conforme está no Estatuto do Idoso, a parcela menos favorecida pelo governo com políticas públicas de saúde.
 
PROGRAMA VIDA SAUDÁVEL – Graças à Capoterapia, o Ministério do Esporte encontrou a alternativa ideal para atender idosos conforme determina o Estatuto do Idoso, na sua necessidade de praticar esportes compatíveis com sua condição física. A Capoterapia, praticada há oito anos no Distrito Federal com resultados excelentes para idosos de até 75 anos, foi incorporada ao Programa Vida Saudável. Voltado para idosos, este programa tem na Capoterapia sua maior referência e será estendido a milhares de pessoas idosas no Brasil, gerando trabalho e renda para centenas de profissionais capoeiristas..
 
MERCADO DE TRABALHO PARA CAPOEIRISTA – A partir da inserção da Capoterapia no Programa Vida Saudável, surge para os profissionais capoeiristas, um novo mercado de trabalho em todos os Estados brasileiros. As estatísticas mostram que a idade média do brasileiro aumentou de 60 para 66 anos obrigando os governos municipais, estaduais e federal a investirem mais dinheiro nas ações públicas previstas no Estatuto do Idoso. De olho nesse mercado, a Associação Brasileira de Capoterapia oferece cursos para capoeiristas interessados em atuar como capoterapeutas habilitados para atuar com a 3ª. Idade. É um amplo mercado de trabalho para profissionais da capoeira. “Basta assimilar os conhecimentos e técnicas próprias da Capoterapia, organizar turmas e ganhar dinheiro com a Capoterapia.” Declara Mestre Gilvan, o criador da mais nova modalidade derivada da Capoeira: a Capoterapia.
 
O EVENTO – O Encontro Nacional de Capoeira também serve de laboratório para estudantes universitários pesquisar junto ao público presente na Rodoviária de Brasília, o que representa a Capoeira para o esporte e para a cultura brasileira. A imagem da Capoeira nem sempre é positiva junto ao público. Isso ocorre justamente porque a mídia sempre foca a Capoeira de forma tendenciosa com reflexos sobre a opinião popular. Ao tomar conhecimento das origens da Capoeira o público se emociona e muda rapidamente de opinião. A Capoeira é luta mas é também tradição e cultura e, por usar elementos da cultura africana, emociona a quem assiste uma roda de Capoeira. Foram estas as principais contribuições do 16o. ENCA. Ao mostrar na Rodoviária de Brasília esta arte genuinamente brasileira, o ENCA foi vitrine para a promoção de uma luta que também é esporte e terapia para idosos, crianças, jovens e adultos. No dia seguinte ao evento, milhares de pessoas interessadas em conhecer e praticar Capoeira, telefonaram para a Secretaria Nacional do ENCA para se informar sobre os locais, no Distrito Federal, onde se poderia aprender Capoeira. A exposição da Capoeira desperta nas pessoas o interesse por sua prática e estimula a expansão de escolas, centros e clínicas especializadas em Capoeira. Justifica o idealizador, Mestre Gilvan, que antecipa o convite a todos os amantes da Capoeira espalhados pelo Brasil e pelo exterior, para, em 2007, participar o 17º. ENCA e contribuir para a consolidação do evento no calendário nacional de eventos voltados para a promoção da Capoeira que, mais que um esporte, é uma opção de vida na qual se preserva a história dos antepassados, o respeito ao ser humano e à natureza e exalta valores como solidariedade, reciprocidade e liberdade.
 
MESTRES DA CAPOEIRA – Nascida da necessidade dos escravos fugitivos das senzalas se defenderem dos seus perseguidores, a Capoeira foi estigmatizada durante muitos anos já que alguns dos golpes eram mortais. Proibida sua prática, a Capoeira foi por anos, condenada como prática de gente vadia, sem ocupação e sem profissão definida.
Graças aos Mestres Bimba e Pastinha, a Capoeira foi promovida à condição de luta, dança e arte. Foram eles que ordenaram, através de publicações ilustradas e comentadas, a prática da Capoeira, inicialmente como luta de rua, depois como arte e dança e posteriormente incorporada pelas academias até ser levada para a Europa e América do Norte, de onde foi difundida para outros países até ser focada pelo cinema em filmes de lutas e artes marciais. Graças aos mestres pioneiros, hoje a Capoeira é celebrizada e praticada em 150 países nos cinco continentes.
 
A CAPOEIRA SOCIAL – Desde sempre a Capoeira foi instrumento de socialização e inclusão dos menos favorecidos economicamente. E, ao contrário do que a maioria pensa, a Capoeira como atividade econômica, não tem dado aos seus mestres, o devido retorno financeiro. A prova é a história de vida de alguns dos mais conhecidos mestres que nunca obtiveram lucros significativos ensinando Capoeira. Os maiores mestres, Bimba e Pastinha, morreram pobres, mesmo tendo promovido a Capoeira ao nível de luta nacional.
 
Atualmente um dos maiores e mais respeitados Mestres de Capoeira, Mestre Sabú, conhecidíssimo em Goiás e na Bahia, passa por dificuldades financeiras e enfrenta uma situação dificílima não dispondo de recursos financeiros para cuidar da saúde. Durante toda a vida, Mestre Sabú atuou voluntariamente atendendo meninos e meninas de rua em Goiânia. Num depoimento para o Documentário Mestres da Capoeira, realizado pela Associação de Capoeira Ladainha, emocionado, Mestre Sabú pediu socorro aos capoeiristas de todo o Brasil, para ajudá-lo com qualquer quantia em dinheiro, que lhe possibilite pagar uma operação na perna esquerda, atacada por problemas de circulação, resultado do estresse – doença que ataca o sistema nervoso e provoca danos ao corpo.
 
Mestre Sabú se emocionou ao contar sua trajetória de vida tirando das ruas de Goiânia, adolescentes em situação de risco social proporcionando a eles, acesso a informação e formação profissional abrindo-lhes perspectiva de vida, de ascensão social e econômica. Agora, já com a idade avançada, o velho mestre tem que recorrer à ajuda humanitária para cuidar da saúde, já que o governo o abandonou à própria sorte, negando a ele um tratamento justo para preservar sua saúde.
 
Para contribuir com o Mestre Sabú, deposite qualquer quantia na conta 70.006 – 1 Bradesco, em nome de MANOEL PIO DE SALES – O Mestre Sabú. Infelizmente é assim que o Brasil trata seus mestres. E, cabe a nós, que amamos e respeitamos a Capoeira, ajudá-lo nesse momento.
 
 
Leão Hamaral. Jornalista – 0xx61-8464.1820

Capoterapia, a capeira da 3ª idade

Jornal Laboratório do Curso de Comunicação Social- Universidade Católica de Brasília


É muito importante a prática esportiva para quem está na terceira idade. A capoterapia, uma atividade desenvolvida especialmente para idosos, vem ganhando cada vez mais adeptos.
O Brasil será um país de idosos. Conforme projeção do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), até o ano de 2020, o Brasil terá uma população de 32 milhões de idosos. A cada ano que passa a expectativa de vida do brasileiro aumenta. Diante disso é preciso valorizar essa fase tão especial da vida. Idosos necessitam de carinho, atenção e atividades físicas para manter o corpo e a mente sã.
 

A capoeira é considerada patrimônio da Cultura Brasileira, com isso, todos os brasileiros deveriam ter acesso a ela. Foi com este pensamento que Mestre Gilvan, da Associação de Capoeira Ladainha, sediada em Taguatinga, criou em 1998, o projeto “Capoeira para todos”. O objetivo era levar a capoeira, por meio de apresentações, para o maior número de pessoas e lugares. O projeto levou a arte para restaurantes, quadras residenciais, congressos, praças, escolas, entre outros, atingindo um público de 44 mil pessoas em um ano.
 
Grupos de idosos que assistiram e participaram das apresentações, sugeriram ao Mestre que continuasse ensinando-lhes a arte. Depois de se especializar nas práticas físicas para a 3ª idade, surgiu em 1999, a terapia por meio da capoeira, mais conhecida como Capoterapia. Ginástica feita com movimentos e jogos lúdicos da capoeira, respeitando os limites e as potencialidades dos idosos. A musicalidade da capoeira funciona como elemento de descontração e interatividade dos movimentos psicomotores. A atividade também abrange a ressocialização do idoso, muitas vezes, ocioso, e também abandonado por suas famílias e pela sociedade. O ócio é um dos grandes motivadores de doenças na velhice.
 
A grande maioria dos idosos que faz a capoterapia nota melhora na saúde, na coordenação motora, na disposição e na vontade de viver. É o caso da aluna Irani Maria Barbosa, 60 anos, dona de casa, “antes não comia e nem dormia direito, só sentia dor de cabeça, asia e mal-estar. Agora não sinto mais nada, ganhei um monte de amigos e voltei a ser ativa, não consigo ficar parada. A capoterapia é o meu remédio, é o meu doutor”. Outro elemento bastante ressaltado é a conquista de amizades, o aposentado Olvídeo Alves, 74 anos, ressalta: “venho de uma cidade do interior onde todos se conheciam, moro há 43 anos na mesma rua  e tem vizinhos que não conheço, sentia muito falta desse convívio, a capoterapia me ajudou a fazer novas amizades”. Nas aulas também os idosos recebem noções de cidadania e aprendem a reconhecer seus direitos e deveres.
 

Curso de Capoterapia 27-28 e 29 de junho 2006
 
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
 
Unidade didática
· Histórico da capoterapia
· Terapia do Abraço através da Capoterapia;
· Princípios básicos do condicionamento físico;
· Metodologia, prescrição, controle e avaliação física;
· Laboratório prático com a terceira idade;
· Depoimentos dos praticantes da capoterapia;
· Cantigas de roda e corridos da capoterapia;
· Dinâmicas interativas;
·DVD em documentário;
· Mercado de trabalho;
· Dentre outros.
 
TEL. (0XX61) 475-2511/2160 ou 9962-2511 Mestre Gilvan
E-MAIL: [email protected]