Capoterapia, a capeira da 3ª idade
10 Jun 2006

Capoterapia, a capeira da 3ª idade

Jornal Laboratório do Curso de Comunicação Social- Universidade Católica de Brasília É muito importante a prática esportiva para quem está na terceira

10 Jun 2006
Jornal Laboratório do Curso de Comunicação Social- Universidade Católica de Brasília
É muito importante a prática esportiva para quem está na terceira idade. A capoterapia, uma atividade desenvolvida especialmente para idosos, vem ganhando cada vez mais adeptos.
O Brasil será um país de idosos. Conforme projeção do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), até o ano de 2020, o Brasil terá uma população de 32 milhões de idosos. A cada ano que passa a expectativa de vida do brasileiro aumenta. Diante disso é preciso valorizar essa fase tão especial da vida. Idosos necessitam de carinho, atenção e atividades físicas para manter o corpo e a mente sã.
 
A capoeira é considerada patrimônio da Cultura Brasileira, com isso, todos os brasileiros deveriam ter acesso a ela. Foi com este pensamento que Mestre Gilvan, da Associação de Capoeira Ladainha, sediada em Taguatinga, criou em 1998, o projeto “Capoeira para todos”. O objetivo era levar a capoeira, por meio de apresentações, para o maior número de pessoas e lugares. O projeto levou a arte para restaurantes, quadras residenciais, congressos, praças, escolas, entre outros, atingindo um público de 44 mil pessoas em um ano.
 
Grupos de idosos que assistiram e participaram das apresentações, sugeriram ao Mestre que continuasse ensinando-lhes a arte. Depois de se especializar nas práticas físicas para a 3ª idade, surgiu em 1999, a terapia por meio da capoeira, mais conhecida como Capoterapia. Ginástica feita com movimentos e jogos lúdicos da capoeira, respeitando os limites e as potencialidades dos idosos. A musicalidade da capoeira funciona como elemento de descontração e interatividade dos movimentos psicomotores. A atividade também abrange a ressocialização do idoso, muitas vezes, ocioso, e também abandonado por suas famílias e pela sociedade. O ócio é um dos grandes motivadores de doenças na velhice.
 
A grande maioria dos idosos que faz a capoterapia nota melhora na saúde, na coordenação motora, na disposição e na vontade de viver. É o caso da aluna Irani Maria Barbosa, 60 anos, dona de casa, “antes não comia e nem dormia direito, só sentia dor de cabeça, asia e mal-estar. Agora não sinto mais nada, ganhei um monte de amigos e voltei a ser ativa, não consigo ficar parada. A capoterapia é o meu remédio, é o meu doutor”. Outro elemento bastante ressaltado é a conquista de amizades, o aposentado Olvídeo Alves, 74 anos, ressalta: “venho de uma cidade do interior onde todos se conheciam, moro há 43 anos na mesma rua  e tem vizinhos que não conheço, sentia muito falta desse convívio, a capoterapia me ajudou a fazer novas amizades”. Nas aulas também os idosos recebem noções de cidadania e aprendem a reconhecer seus direitos e deveres.
 

Curso de Capoterapia 27-28 e 29 de junho 2006
 
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
 
Unidade didática
· Histórico da capoterapia
· Terapia do Abraço através da Capoterapia;
· Princípios básicos do condicionamento físico;
· Metodologia, prescrição, controle e avaliação física;
· Laboratório prático com a terceira idade;
· Depoimentos dos praticantes da capoterapia;
· Cantigas de roda e corridos da capoterapia;
· Dinâmicas interativas;
·DVD em documentário;
· Mercado de trabalho;
· Dentre outros.
 
TEL. (0XX61) 475-2511/2160 ou 9962-2511 Mestre Gilvan
E-MAIL: ladainha.capoeira@globo.com
Leave a comment
Mais Artigos
comentários
Comentário

1 × quatro =