O 13 de Maio e a Mulher Brasileira
02 Mai 2007

O 13 de Maio e a Mulher Brasileira

“A mulher escrava, ao menos podia  odiar  os seus algozes; a mulher fidalga tinha  de amar os dela”.  Vitória Gama *  A 

02 Mai 2007
“A mulher escrava, ao menos podia  odiar  os seus algozes; a mulher fidalga tinha  de amar os dela”.  Vitória Gama *
 
A  pessoa negra, durante a escravidão,  e a mulher da nobreza,   pode-se afirmar,    trilharam caminhos paralelos, próximos, por todo aquele período, avançando pela  vida da República. Apesar das suas agruras o negro foi dela  aliado, o único aliado. Sem do negro as crenças e a urdidura da  alcovitice, milhões de mulheres fidalgas não teriam conhecido um único instante de felicidade no amor, como alguns momentos prazerosos no dia a dia.
O 13 DE MAIO E AS LIÇÕES DO EXILIO.
 
A Lei Áurea já nos consumiu comemorações ruidosas, festas; escritos e considerações, por quase um século, atribuindo-lhe valores e utilidades que não teve. Que não tem.  Sua autoria “dada” à Princesa Isabel, teve o objetivo de  materializar  a gratidão da mulher ao negro: “ser a sua paga, única”. Feito o pagamento,  a mulher, induzida pelos mesmos “senhores”, vira as costas ao negro no seu abandono, dele.  A Lei Áurea, – no presente como no passado – uma ante-Lei. Em não criar punição de nenhuma espécie ou em não aventar com a indenização ao escravizado de quatro séculos, “se acaba com a escravidão, perpetua a figura do escravo”. Procede dizer, à Lei Áurea deve-se a continuidade de focos de trabalho escravo, em pleno Séc. XXI; e pior, sem punição alguma, sob o amparo da anterioridade. Ainda assim o negro, por longos anos o acolheu, o festejou. O ver a desimportância da Lei Áurea não se deve à “ingratidão do negro”: Não. Devemo-lo ao exílio! O exílio tem sido de grande importância para o negro brasileiro. 
 
-“A escassez de mulheres brancas gerou zonas de confraternização entre  vence-dores e vencidos, entre senhores e escravos”, constata o fidalgo Gilberto Freyre, quando no exílio em 1930, confraterniza-se com o negro, e começa a escrever Casa-Grande e Senzala, inaugurando a segunda fase dos estudos sociais do Brasil. Mas G. Freyre, no que pese todo o esforço, ver na História da Pátria, o conto de uma banda só – sem  o testemunho da mulher – “creio que não há publicado no Brasil um só diário escrito por mulher”, confidências  incompletas, trucadas ante o medo – comidas por cupins  nas madeiras dos confessionários; as completas de verdade foram enterradas com as mães pretas. E mais.
 
-“Desde os anos sessenta, as descrições fantasiosas do passado do Brasil eram refutadas por cientistas sociais como Florestan Fernandes e Fernando Henrique Cardoso, etc…. Em geral estes autores refutavam o significado do 13 de Maio…”  (Mario Giesti). Sabem onde se encontravam os dois? No exílio. Também no exílio Darcy Ribeiro esboçou o seu “O Povo Brasileiro”, de conteúdo épico e dissertação brilhante.  Prevendo futuro auspicioso sem apontar para a reparação dos erros do passado, como se fosse possível. Retrocederíamos, nesta linha a Nina Rodrigues. Médico e pesquisador dos mais brilhantes, sentia-se um “exilado”  dos prestígios. Nina fez o que lhe foi possível. Para fechar este tópico socorro-me do médico e historiador Luis Mir – (Guerra Civil Estado e Trauma):  A  história da escravidão, da abolição e da pós-libertação foi uma luta contínua pela  etnia dominante para evitar, em qualquer grau ou acordo, a reconciliação com as etnias  subjugadas”.
 
AÇÕES  DESENCONTRADAS PARA UM MESMO PROBLEMA
 
Nestas condições, 120 anos depois, em nada mudou a condição do negro, nem as relações sociais da mulher. A mulher, (no rigorismo da outra vítima),  é o que se pode chamar de vítima de si mesma; o negro, vítima da sociedade que ajudou a construir, como ninguém.  Sim, a mulher, é responsável pela criação e formação moral e social do homem de amanhã; também da futura  mulher – esta preparada para continuar a ser vítima; aquele  para continuar opressor. É bom lembrarmos de que o negro chegou ao Parlamento, o cerne do Poder, muito antes da mulher, ainda no Império. A mulher só o alcança na segunda metade do Séc. XX. A mulher não  “viu” o alcance  da universalidade do voto; o negro nunca pôde exercitá-lo. Com este rescaldo o Brasil não andou no construir da Nação. O Estado Republicano nunca teve vida superior a 20 anos, por não propiciar  uma única proposta com vistas a integração desta outra banda da nacionalidade, o negro.
 
Em toda a vida Republicana os esforços do Estado são para debitar a questão do negro nas necessidades sociais. Não há como extrair daquela a particularidade deixada pela escravidão. Enquanto ela não for totalmente sanada  a mulher brasileira continuará se esquivando a esmo, sozinha; o negro brasileiro lutando contando com suas crenças e suas artes, só, ou quase; as dores da Nação –  continuarão as mesmas – de entranhas:
“Como Deus foi servido que eu mandasse matar meu filho”, peça de defesa aos padres coadjutores, de um nobre, (dentre os pais da prostituição infantil), “traído” pela  manteúda e o filho mais moço, “lavagem de honra” levada a cabo pelo filho mais velho (1).
 “Senhores….. Meu filho! é mais, é meu filho”.  Tragédia no Lar, Castro Alves
 
A primeira mãe, matilha preta cobrindo a cabeça, obrigada a solidarizar-se com o marido, diante do corpo do filho “ingrato”.   A segunda,  escrava – “nem mais um passo cobardes!…. uma doida a gargalhar”, ao ter o filho arrancado dos braços para venda.   
      
“Ninguém luta só, ninguém dança só”  relembra o Ministro Gilberto Gil, apresentando na Europa a Capoeira – das manifestações mais vigorosas de resistência do negro brasileiro. – “Criada para o prazer e o combate”, ensina o Ministro.(2) Enquanto isto – Nas areias de Copacabana,  outrora  um alfinim, mulheres também outrora fidalgas rememoram, velam, choram seus filhos – “plantando um mar de rosas vermelhas…” 
“Uma bala perdida os achou…” – “estava na hora certa, no lugar errado”, justifica o mesmo sistema. Tanto faz, a Ministra Presidenta do STF, dá de ombros, solidária com os “senhores”  do Séc. XXI, no “direito e no dever de matar bandidos” pregamos, a Nação.
 
Extinta, ou esvaída a escravidão ficou a dívida: sim, porque a História não tem fim, é um processo. E esta dívida terá de ser paga. E esta paga será o menor dos preços e o menor dos custos. A mulher brasileira é o melhor e mais apropriado segmento para desfraldar a bandeira da Indenização do Negro Brasileiro.  Aquela mulher – que sem meios, com um aliado escravizado –  amargou as suas dores morais e de entranhas; (essa mulher) – hoje, com um aliado capaz de esboçar reações – não pode esconder-se, insular a si e ou aos seus,  ao invés de procurar uma solução pactuada.
Assim, o 13 de Maio toma o seu lugar na História:  Apenas um ato burocrático.
 
     
E, é isto aí  senhoras do Brasil; e, é isto ai meninas brasileiras, – à dança, à luta:
 
-“Capoeira é pra homem menino e mulher”.
* Da. Vitória Gama: mulher negra, garimpeira, Professora, rezadeira, cantadeira – da região do antigo Gentil D’Ouro, vale médio do São Francisco, na Bahia.
(1) Tristão de Alencar Araripe, “Pater-Famílias no Brasil dos tempos coloniais”
(2) Discurso  de Gil em  Genebra, Suíça, numa Roda – 19-08-2004         
                                         
                                      
André Pêssego –     
andrepessego@ibest.com.br
Leave a comment
Mais Artigos
comentários
Comentário

6 − 1 =