Blog

berimbau

Vendo Artigos etiquetados em: berimbau

A capoeira desde o descobrimento do Brasil – A Origem da Capoeira

A CAPOEIRA DESDE O DESCOBRIMENTO DO BRASIL: A CAPOEIRA sem sombras de dúvidas é uma arte genuinamente brasileira, ou seja, uma arte criada no Brasil.

Embora seja uma arte riquíssima que existe nela, música, dança, luta, artezanato, composição, poesia, literatura, história, filosofia de vida e muito mais valores, tem a sua origem despersa, onde estudiosos no assunto buscam respostas para essa questão, A ORIGEM DA CAPOEIRA.

Em várias revistas, livros, sites de grupos de capoeira, podemos observar um texto de autoria desconhecida que diz o seguinte:

“A discussão é interminável: pesquisadores, folcloristas, historiadores e africanistas ainda buscam resposta para seguinte questão: a Capoeira é uma invenção africana ou brasileira? Teria sido uma invenção do escravo com fome de liberdade? Ou uma invenção do indígena?

As opiniões tendem para o lado brasileiro e aquí vão alguns exemplos: no livro A Arte da Gramática da Língua mais usada na Costa do Brasil, do Padre José de Anchieta, editado em 1595, há uma citação de que “os índios tupi-guarani devertiam-se jogando Capoeira”. Guilherme de Almeida no livro Música no Brasil, suatenta serem indígenas as raízes da Capoeira. O navegador português Martim Afonso de Souza observou tribos jogando Capoeira. Como se não bastasse, a palavra Capoeira (Caá-Puera) é um vocábulo tupi-guarani que significa “mato ralo” ou “mato que foi cortado”…”

Fui a campo para pesquisar as referências do texto, e tive acesso a obra original do Jesuita, o livro A ARTE DA GRAMÁTICA DA LÍNGUA MAIS USADA NA COSTA DO BRASIL, editado em 1595, desta primeira edição, impressa em Coimbra por Antonio de Mariz, são conhecidos doze exemplares, lí o livro umas quarenta veses, trata-se de um livro escrito em um portugues muito antigo, além de várias citações em Latim, tem apenas 60 páginas, e trata-se de um livro espécie de dicionário traduzindo e ensinando a língua Tupi guarani, que na época do descobrimento era um dialeto falado pela maioria dos povos indígenas, só que a citação que índios divertiam-se jogando capoeira não existe, algo que me espantou, por eu ser um defensor de que a capoeira seja dos índios brasileiros, e sempre ter usado tal referência em debates sobre a origem. Procurei então pesquisar o navegador Martim Afonso de Souza que também é citado no texto, e descobri que todos os detalhes sobre a primeira expedição colonizadora, fora relatado pelo irmão do navegador e não por Martim Afonso de Souza, e os relatos encontram-se no diário de bordo de Pero Lopez, onde algumas veses é relatado o contato com os índios, mas em nenhum momento ele relata sobre tribos jogarem Capoeira, mas uma vez fiquei espantado pelo que não achei, e então fui até a casa Guilherme de Almeida no bairro de Sumaré em São Paulo/SP para pesquisar o livro Músicas no Brasil, e fui informado que não existe nenhuma obra do autor com esse tema, por fim uma coisa é certa sobre o texto acima, a palavra CAPOEIRA, é sim de origem Tupi guarani, mas preciso descobrir agora além da Origem da CAPOEIRA, o autor de tal texto que usou tais inexistentes referência, como sou um jóvem historiador com apenas 18 anos de pesquisas sobre a origem da capoeira, venho através deste artigo, esclarecer esses fatos citados, e ainda dizer que vestígios indígenas sobre a origem da capoeira, encontrei muitos, mas nenhum com certeza absoluta, e de certeza absoluta, apenas minha opinião de que a capoeira já existia no Brasil na época do descobrimento, essa opinião, é pelo fato de que além de historiador, sou também capoeirista, e quando pesquiso livros antigos, artigos, cartas, tudo que possam me levar a alguma pista, observo com olhar técnico de conhecedor da arte Capoeira, onde encontrei inclusive, no que se diz a certidão de nascimento do Brasil, ou seja, a Carta do escrivão Pero Vaz de Caminha, alguns indícios relatado por ele, que para mim possa ser Capoeira.

Não posso deixar de citar, que houve no Brasil, mais de 200 anos de escravidão indígena, e abolida inicialmente pelo Marques de Pombal, mas no início da colonização do Brasil, os colonos portugueses escravizaram os índios, e de 1556 a 1567, ocorre a primeira grande guerra em terras brasileiras, conhecida na história por CONFEDERAÇÃO DOS TAMOIOS, onde a maioria dos Tupinambás, que foram os primeiros índios a serem escravos no Brasil, são dizimados quase que no total, e os poucos índios sobreviventes da guerra foram feitos escravos, e é nessa época que inicia-se a diáspora africana para o Brasil, pois os portugueses achavam que os negros eram mais dóceis para lidar do que os indígenas, e índios e negros são colocados juntos nas senzalas.

Em livros históricos sobre A CONFEDERAÇÃO DOS TAMOIOS, também encontrei vestígios sobre a presença da capoeira, e novamente olhando com olhares técnicos, nota-se isso no livro Duas viagens ao Brasil, escrito por Hanz staden, publicado orinalmente em 1557, Hanz Stadem foi um alemão que ficou refém dos Tupinambás por quase dois anos. este livro conheceu sucessivas edições onde existem descrições de costumes exóticos e rituais antropofágicos.

Por outro lado e lógica quando afirmo que a CAPOEIRA SEJA UMA ARTE GENUINAMENTE BRASILERIA E QUE JÁ EXISTIA NO BRASIL NA ÉPOCA DO DESCOBRIMENTO, a começar é pela própria palavra que é de origem indígena, pois se fosse oriunda da Africa ou de misturas de artes africanas, a lógica é que a CAPOEIRA teria também um nome africano, coisa que não ocorre, outro aspecto muito lógico também, é que as etnias de negros trazidas para o Brasil para serm escravos, também foram levados para vários outros países para também serem escravos, e a capoeira nunca veio a se manifestar em algum outro lugar a não ser no Brasil, além de que nunca existiu CAPOEIRA na Africa, a não ser atualmente que existe, devido a brasileiros terem levados a CAPOEIRA para lá.

Algumas outras lógicas interessantes: Queixada, que é um golpe de capoeira, tem seu nome originado também do Tupi guarani, e significa aquele que corta, bem típico do movimento, IÊ, que é uma palavra muito usada em rodas de capoeira como um alerta, também é uma palavra oriunda do Tupi Guarani, e seu sigificado é o mesmo das rodas de capoeira, significa: Olhe, veja, preste atenção, interessante isso, e além todas estas lógicas, pessoas ainda buscam a origem do berimbau, que é o instrumento principal das rodas de capoeira, onde sua aparição em rodas também não sabe-se ao certo, e muitas teorias surgem sobre a semelhança com o URUCUNGO que é um instrumento africano, mas tocado parecidamente como se toca um violino, então o violino teria que ser oriundo do urucungo e não o berimbau, pois berimbau sempre foi berimbau e nunca derivou de nenhum outro instrumento, e berimbau também é uma palavra Tupi guarani, que significa do morro furado.

Embora as lógicas são tantas, infelizmente ainda ensistem brasileiros com falta de conhecimento e patriotismo, que preferem falar que a nossa rica CAPOEIRA seja oriunda de transformações de culturas vindas da africa.

 

Douglas Tessuto (PROFESSOR PELICANO, Historiador da arte CAPOEIRA)

 

Agradecimentos ao Mestre Wellington pela oportunidade de expôr este assunto tão polêmico que é a origem da CAPOEIRA.

 

Fonte: http://www.rabodearraia.com/capoeira/blog

3 de Agosto, Dia do Capoeirista, repercussões…

Dia do Capoeirista, repercussões…

Minha caixa de email está mais cheia do que o habitual…

são diversas mensagens de parabenização e congratulações pelo dia do capoeirista…

Mais do que nunca sinto uma forte alegria por saber que a capoeira continua crescendo e se expandindo… ao mesmo tempo fico preocupado mais sempre confiante no ser humano, no “SER CAPOEIRISTA” pois a responsabilidade e o peso de carregar esta bandeira chamada capoeira é uma missão diária,  de todo e qualquer capoeirista e não apenas em uma data…

De repente recebo uma mensagem da qual irei tratar em uma matéria em separado devido a importância e a surpresa que foi para nós do Portal Capoeira receber tamanha homenagem e consideração…. no dia do capoeirista. De São Paulo chegam mais novidades… os camaradas se organizando e se unindo para um fim comum… comemorar o “dia do capoeirista” Do Rio o pessoal da Tamanduá Capoeira (RJ) logo se apresenta para colaborar com as matérias… Da Parnaíba – Piauí, o camarada Shion e a turma da Munzenza também entra na roda… Aqui em Portugal a conversa com camaradas… a aula durante a noite e a palestra sobre o tema para os alunos…

E como num jogo de capoeira como que regidos pelo berimbau… todo este balé de informações toda esta ginga de recursos… vai tomando forma!

Muito Obrigado a todos que participaram de forma direta ou indireta neste processo.

Muito Obrigado a todos os (as) CAPOEIRISTAS  do Mundo!!!

 


Abaixo duas mensagens recebidas de dois grandes camaradas que tem a capoeira no coração:

Milani,
Fizemos ontem uma paralisaçâo e um aulâo aberto na praça central de nossa cidade, onde contamos com aproximadamente 200 capoeiristas entre crianças, jovens, adolecentes, senhoras e senhores, estaremos mandando fotos e relatos para avaliaçao e possivel divulgaçao no portal.
Mestre Urso.

(Nós do Portal Capoeira e todos os nossos leitores e visitantes iremos aguardar este material)

Caro Amigo Milani,
Hoje, para todos nós que amamos a capoeira, é um dia de muita festa. Mas deve também ser um dia de muita reflexão sobre essa manifestação cultural/esporte/jogo e tudo o mais que quisermos, que em um momento das nossas vidas nos chamou para o pé do berimbau. O seu crescimento mundial é muito grande e vem se dando de forma rápida e quase ao sabor dos ventos apenas. Mas será que é isso o que queremos? Se é uma manifestação cultural genuína e pura do povo brasileiro, por quê a ensinamos para estrangeiros? Se a vocação da capoeira é internacional, por quê não nos organizamos, de forma democrática e ampla antes que os gringos o façam? Se todo o capoeirista é irmão e tem um só ideal, por quê preferimos às vezes destruir as coisas que muitos constroem ou tentam construir em vez de nos juntarmos para que a capoeira cresça como um todo? Se muitos de nós exigimos que nos chamem de Mestres, por quê nem sempre queremos as imensas responsabilidades que um título como esse nos traz?

É apenas uma proposta de auto-reflexão, não acho que devamos responder publicamente a essas questões, mas a nós mesmos, nesse dia tão importante para a capoeira e para o capoeirista. Se a cada dia 3 de agosto pensarmos um pouquinho na capoeira e menos nas pessoas dentro dela que nos incomodam, estaremos crescendo e ajudando-a a crescer ainda mais. FELIZ DIA DO CAPOEIRISTA  a todos que se orgulham de pertencer ao mundo da capoeira.
Um forte abraço do amigo

Luiz Fernando Goulart
MESTRE BIMBA, A CAPOEIRA ILUMINADA

Nota de Falecimento: Mestre Peixinho – Senzala

“Mestre Peixinho: Agora uma Lenda”

Até assim ele foi capoeira, nos deu uma” finta” do seu golpe no dia 15-05-2011, quando da primeira noticia, mas desferiu seu  golpe mortal em todos nós capoeiras, amigos e irmão , nesta madrugada do dia 16-05-2011.

A capoeira chora: Mestre Peixinho, nosso camarada, passa para o plano astral se consagrando definitivamente  uma ESTRELA.

Nosso camarada, ele que sempre conseguiu transitar num mundo de luta sem criar inimigos… com seu jeito de jogar a capoeira técnicamente perfeito, capaz de superar sempre a violência.

Há apenas dois dias num telefonema meu, tive como retorno, uma receptividade de quem sabia dar a volta do mundo na doença que o acomedia.

Mas esse tal de câncer, consegue separar para sempre, Mestre de alunos, amigo de amigo, irmão de irmão.

Agora meu irmão, você tem a grande chance de jogar uma capoeira de alto astral, com mestre Bimba, mestre Pastinha e muitos outros que são iluminados por essa luz que nós mortais chamamos de “ESTRELA”.

Boa viagem meu irmão,  abraços, axé e Salve.

 

Mestre Peixinho nasceu em Vitória, Espírito Santo, em 1947. Iniciou a capoeira em 1964, entrando para o grupo que veio a ser denominado Grupo Senzala, em 1965, sendo um de seus fundadores. Participou do torneio Berimbau de Ouro em 1967, 1968 e 1969. Ministrou aulas de capoeira na UFRJ de 1973 a 1980, na UERJ de 1979 a 1983. Participou de exibições e shows no teatro Municipal (1971) e Sala Cecília Meireles (1969), Festival Internacional na Ilha de Reunion (1977), Projeto Brasil em Preto e Branco, durante seis meses na Europa, em 1987, organizador dos primeiros encontros europeus de capoeira a partir de 1987 e dos Encontros Escandinavos de Capoeira, a partir de 1990.

Mestre Peixinho coordenava um extenso grupo de professores que ensinam em diversas cidades brasileiras, européias e americanas do norte.

 

O Grupo Senzala constituiu-se nos anos sessenta. Cresceu procurando aperfeiçoar-se por meio de contactos com outros capoeiristas, através do treinamento intensivo e na procura dos fundamentos com a “Velha Guarda da Capoeira”, passando vários períodos em Salvador, Bahia.Foi em 1967, que o grupo à procura de outras experiências, se inscreveu no torneio “Berimbau de Ouro”. Para surpresa geral, venceu o torneio, e repetiu o feito por três anos consecutivos. Além de maturidade, ganhou o respeito e destaque nacionais ( Brasileiros ). Mais tarde, o grupo descentralizou-se, com seus membros ensinando em diferentes clubes, academias e universidades, e a reunir-se aquando da formação de novos ‘Mestres” e graduação de alunos.Actualmente, está representado em todo o Brasil e em muitos outros países e apesar de ter tido milhares de alunos durante esse período, formou pouco mais de dez “Mestres”. É esta exigêcia de qualidade e nível técnico, aliada à dedicação consciência dos valores históricos da Capoeira que tem feito e mantido o nome “Senzala”, como grande referência no Brasil e em todo Mundo.

 

Nos do Portal Capoeira assim como toda a comunidade capoeirística deseja a toda a família “Peixinho” e a todos os amigos e parceiros do Grupo Senzala muita força e harmonia para superar este momento tão delicado…

Desejamos paz e muita luz para este grande homem e capoeira: Mestre Peixinho

Brasileiros criam robô que aprende a tocar berimbau com inteligência artificial

Autores da façanha alegam que autômato consegue reconhecer e reproduzir as músicas através de inteligência artificial.

Ivan Monsão e Paulo Libonati são dois projetistas que vivem em Salvador, na Bahia. As primeiras modificações datam de 2006, mas o robô demorou cinco anos para ficar pronto. Ele é capaz de tocar o instrumento berimbau, conhecido por estar presente em rodas de capoeira.

Segundo o site Hack a Day, os autores alegam que o Berimbô, como ficou conhecido o autômato, é o primeiro berimbau robótico do mundo.

Monsão e Libonati afirmam que a principal novidade introduzida na última versão do protótipo é que ao invés de programar as músicas, o robô recebeu inteligência artificial para aprender a distinguir e reproduzir as notas musicais, bem como o movimento da cabaça (esfera oca que serve para reverberar o som) e do caxixi, uma espécie de chocalho feito com palha e conchas do mar.

Todavia não foi possível verificar nenhuma evidência dessa funcionalidade no vídeo publicado pela dupla:

{youtube}24GUKRheXDc{/youtube}

Fica a esperança e a dica de uma nova demonstração exibindo o processo de aprendizagem em ação.

E, para quem joga ou gosta da cultura da capoeira: Iê, camará.

 

Fonte: http://toad.geek.com.br/

IV FESTIVAL BATUQUEIRA

OFICINA DO BERIMBAU E DO CAIXIXI – A CONSTRUÇÃO ECOLÓGICA DE UM INSTRUMENTO MUSICAL

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE COIMBRA: 26 DE MARÇO DE 2011

O Festival Batuqueira, é um pequeno evento anual, que serve de agente de promoção a cultura Lusófona, em especial, da cultura brasileira e dos países africanos de língua oficial portuguesa.

Na 4ª edição deste evento propomos a Oficina do Berimbau e do Caixixi – A Construção Ecológica dum instrumento musical. Com esta proposta incentivamos a curiosidade cultural, social e musical dos participantes aos instrumentos da Capoeira. Esta proposta é dirigida aos praticantes de Capoeira, aos estudiosos da música e ao público em geral, interessados em descobrir a musicalidade e o desporto a que se associa o Berimbau. Por outro lado, aproveitamos a ocasião para sensibilizar o público as questões ecológicas e ao uso criativo de materiais recicláveis.

Aprenda a tocar Berimbau!

Depois do sucesso da 1ª edição da Oficina do Berimbau em que oferecemos um workshop de construção ecológica do Berimbau, propomos em 2011 o ensino dos toques mais comuns da Capoeira.

Caixixi; A Construção Ecológica dum instrumento musical
É uma oportunidade única aos participantes de aprenderem a forma como se constrói um instrumento musical.
O Caxixi é um pequeno chocalho de cesta que é conhecido por ser tocado a acompanhar o Berimbau.

ROTEIRO DE APRESENTAÇÃO DO PROJECTO:

Proposta: OFICINA DO BERIMBAU E DO CAIXIXI: A Construção Ecológica dum Instrumento Musical

Data e local de realização: 26 de Março, no Conservatório de Música de Coimbra (Escola Quinta das Flores por detrás do Coimbra Shopping)

Valor de pagamento:
Opção 1 – 10€ / atribuído a concretização do curso
Opção 2 – 60€ / opção de compra de berimbau com direito ao curso (O participante que adquirir um Berimbau junto da equipa do Grupo Muzenza de Capoeira – Coimbra
fica com direito a participação gratuita na Oficina de Berimbau e do Caixixi)

Público a quem se dirige: Atletas de Capoeira; Músicos (amadores ou profissionais); público em geral (actividades para crianças a partir dos 6 anos)

Actividades:
10h – 13h » Início á construção manual do Caxixi. Apresentação dos materiais usados na sua confecção.
15h -18h » O Berimbau e a Capoeira – A importância do Berimbau no desenvolvimento da modalidade;
» Análise aos vários tipos de Berimbau e iniciação rítmica
» Jogos Didácticos – Desafio colocado aos participantes.

Professor Convidado:
Márcio Cruz Damião “Pena” Professor do Grupo Muzenza de Capoeira (Algarve)

Organização a cargo:
Grupo Muzenza de Capoeira – Coimbra
Associação Mandinga de Iúna – Associação Desportiva e Cultural de Capoeira

Parcerias:
Conservatório de Música de Coimbra
Instituto Português da Juventude
Câmara Municipal de Coimbra

Contactos:
Tel. (+351) 918 182 024 / 963 412 090
Email: associacao.mandinga.iuna@gmail.com


Grupo Muzenza de Capoeira – Coimbra
Mandinga de Iuna – Associacao Desportiva e Cultural de Capoeira

Quinta D. João Lt11, 3º Esq.
3030-020 Coimbra
Tlm: 918182024 / 963412090

Documentário: Slum, Drums and Capoeira

É com satisfação que anunciamos em anunciar que o Kabula estará exibindo o documentário “Slum, Drums and Capoeira” (Favela, Percussão e Capoeira). Esta festa se destina a todos os membros do Kabula e também a toda comunidade da capoeira em Londres e UK. O intuito maior dessa celebração visa a arrecadação de fundos para o projeto do Kabula no Reino Unido, o Projeto JINGA.

Slum, Drums e Capoeira conduz você a uma viagem única de descoberta dentro do universo dessa antiga arte. Desde suas origens até a favela mais famosa do Rio de Janeiro e assim vivendo o espírito da capoeira no Brasil moderno.


Na Rocinha – maior favela do Rio de Janeiro, que tem suas ruas estreitas manchadas com o sangue de tráfico de drogas, encontramos

Tiane, uma capoeirista talentosa e jovem, que perdeu seu irmão para a violência. Nós seguimos a sua jornada mostrando como ela luta para estabelecer uma escola de capoeira na favela para proporcionar as crianças a possibilidade de caminho alternativo.

Sua história está entrelaçada com a dos antigos mestres de Salvador um dos berços da Capoeira no Brazil. Com imagens raras de Mestre Bimba e Mestre Pastinha (os pais da moderna Capoeira) e entrevistas dos mestres mais respeitados de hoje (Mestre Curió, Nenel, Bamba, Moraes Bola Sete e muitos mais). Favela, Percussão e Capoeira capta a verdadeira essência da capoeira no Brasil de hoje.


Após a projeção, termos uma performance com uma orquestra de berimbau (por isso, por favor traga o seu próprio berimbau se você pretende participar). Em seguida acontecerá uma roda e também um festa com DJs tocando uma mistura eclética de música brasileira. Cópias do filme também estarão disponíveis para venda em DVD em £10 (normal price £ 15), com 50% das vendas revertidas ao Kabula.

O Projeto Kabula JINGA projetado para escolas e espaços comunitários para jovens, refugiados e público em geral tem como finalidade maior utilizar a capoeira como uma ferramenta para a transformação pessoal e social, inspiradas na filosofia da capoeira Angola.

Esperamos que você possa para participar conosco deste evento especial … se inspirar, se divertir e contribuir para uma boa causa.



O quê? Projeção de filme e festa de angariação de fundos para o projeto Kabula Jinga!


Onde: Favela Chic (Londres)

Quando: 06 de dezembro

Horário: das 7pm em diante

Custo: doação de £ 3 (recomendado)

 

 

Film Screening: “Slums, Drums and Capoeira” & Fundraising Party

 

(Link: http://slumsdrums.com/)

We’re delighted to announce that Kabula will be hosting the premier screening of the documentary film Slums, Drums and Capoeira. This will be a party for Kabula members and the wider capoeira community and others to raise funds for the work of Kabula in the UK and Brazil.
Slums, Drums and Capoeira takes you on a unique journey of discovery into this ancient art form. From its origins in Salvador to Rio’s most notorious slum, we see the spirit of capoeira alive in modern Brazil.
Rocinha – the largest slum in Rio de Janeiro, where the narrow alleys are stained with the blood of drug trafficking. Here we meet
Tiane, a gifted young capoeirista who lost her brother to the violence. We follow her journey as she fights to establish a capoeira school in the slum to provide the kids with a different path.
Their story is interwoven with that of the old masters from Salvador the home of Capoeira. With rare footage of Mestre Bimba and Mestre Pastinha (the fathers of modern day Capoeira) and interviews from today’s most respected masters (Mestre Curio, Nenel, Bamba, Moraes Bola Sete and many more). Slums, Drums and Capoeira captures the true essence of capoeira in today’s Brazil.
After the screening we will have a berimbau orchestra (so please bring your berimbau if you want to play), a roda and a party with great DJs playing an eclectic mix of Brazilian music. Copies of the film will also be available for for sale on DVD for £10 (normal rrp £15), with 50% of sales going to Kabula.
Kabula works in schools and community settings with young people, refugees and the general public to use capoeira as a tool for personal and social change, inspired by the philosophy of capoeira Angola.
We hope you can attend this special event, be inspired, have fun and contribute to a good cause.

What: A film screening & fundraising party for Kabula!

Where: Favela Chic (London)
When: 6th Dec.
Time: from 7pm onwards
Cost: Recommended donation £3 to Kabula

Ceará: Capoeira como terapia

Grupo vai às praças e áreas de lazer para ensinar o esporte

Muita gente está superando o cansaço e o estresse fazendo capoeira. Em Fortaleza, um grupo vai às praças e áreas de lazer para ensinar as técnicas. Quem frequenta as aulas, fica surpreso com a experiência.

A nova função da capoeira não conhece idade, classe social ou porte físico. As aulas, comandadas pelo Mestre Rato, são um convite para liberar o estresse.

Em uma turma, por exemplo, o objetivo não é aprender a lutar ou se tornar um profissional de capoeira. O importante é trabalhar a auto-estima e dar um novo ritmo à vida.

Praticantes por terapia

A dona de casa Fátima Carvalho, de 49 anos, conheceu a capoeira no bairro onde mora. Ela fez a primeira aula há 3 anos e nunca mais parou.

Sandra começou com o filho adolescente, que acabou desistindo, mas ela, não. Continua firme e forte há 2 anos.

A médica Virlênia Barros diz que recomenda a atividade para os pacientes, e não é só por causa do esforço físico.

Ao som do berimbau, eles buscam a sensação de liberdade na dança dos escravos.

Serviço: a sede do projeto funciona na avenida Pessoa Anta, 218, ao lado do Dragão do Mar. O contato é com o Mestre Rato no telefone (85) 8866 – 5835. O próximo encontro, aberto ao público, é no domingo (24), às 18h.

 

http://tvverdesmares.com.br/

Lançamento do 1º CD da Orquestra de Berimbaus do Morro do Querosene

A Orquestra de Berimbaus do Morro do Querosene lança seu primeiro CD, Sinfonia de Arame, com berimbaus cuidadosamente afinados e agrupados em naipes (berimbau gunga ou berra-boi com som grave, berimbau de centro com som médio e o berimbau viola ou violinha com som mais agudo), com o berimbum, criação de Dinho Nascimento de som super-grave tocado com arco de violoncelo, e o berimbau de lata também tocado com arco, parecendo uma rabeca.

Vozes entoam os versos das ladainhas, corridos, chulas, samba e samba-de-roda. Alguns instrumentos como o guimbarde ou trump (berimbau de boca), kalimba, caixa do divino, agogô, pandeiro, reco-reco, ganzá, triângulo, atabaque, matraca, efeitos diversos e palmas completam a sonoridade.

A Orquestra mostra a versatilidade do berimbau interpretando toques da capoeira e ritmos da música brasileira, com arranjos e regência de mestre Dinho Nascimento.

Este CD promove a acessibilidade do deficiente visual possuindo escrita em Braille, desenvolvida para leitura dos cegos através do tato.

Convidados muito especiais participam em Sintonia de Arame: a Orquestra de Tambores de Aço (na música Amazonas), o Quarteto Pererê (em Peixinhos do Mar), Tião Carvalho (em Puxada de Rede) e Toninho Carrasqueira (em Toque de Mestre e Sertão de Caicó).

 

Read More

Jundiaí: História de vida em roda de capoeira

Um dos capoeiristas mais respeitados da cidade, que fez história nos EUA, mestre Rã demonstra paixão e envolvimento com o esporte

A correria da rua do Retiro esconde um recanto de paz e espiritualidade. O ritmo agitado de pessoas pela rua é bem marcado pelo berimbau e pandeiro da Academia de Capoeira do Mestre Rã, um dos maiores nomes do esporte na cidade.

O jundiaiense  é referência na capoeira nacional e internacional, sendo professor nos Estados Unidos.

A história de Cássio Martinho, o nome de batismo do mestre, com a capoeira começou logo cedo. Aos 14 anos, quando ele e mais dois amigos, um deles capoeirista, resolveram fugir de casa.

“O objetivo era ir para o Acre para virar índio. Nós éramos contra o sistema”, conta o mestre, que não chegou ao estado do Norte – o seu máximo foi morar na Bahia.

A ‘loucura’ durou poucos meses, depois voltou para Jundiaí, mas o amor pela capoeira já tinha tomado conta do jovem. “Gostava muito de assistir as rodas de capoeira.”

De volta à terrinha jundiaiense, mestre Rã conheceu o seu mentor e um dos ícones do esporte na cidade, o mestre Galo, fundador da primeira academia de capoeira de Jundiaí.

“Ele me atraiu pelas suas atitudes”, afirma.

Entretanto, mestre Rã não apreciava a prática da capoeria dentro das academias. “Eu achava que era coisa de homens frouxos”, lembra.

Com o passar dos anos, mestre Rã foi crescendo no esporte e foi dar aulas junto com o seu mentor. “Ele era um cara das ruas, como eu. Me ensinou várias coisas”, recorda.

APELIDO/ Se falarmos Cássio Martinho, pouca gente deve conhecer, no entanto mestre Rã tem muita história para contar. Esse apelido ele ganhou de mestre Galo no dia em foi batizado em uma cerimônia no Grêmio. Ele lembra que naquela noite estava muito nervoso e ansioso para sua luta.

“Minha estreia foi bem marcante. Eu entrei na roda pulando e dando piruetas. E o pessoal na hora começou a tirar sarro falando que eu parecia uma rã. Aí o apelido pegou”, brinca.

Saltando de lá para cá, Mestre Rã chegou até aos Estados Unidos, onde coordena cursos e participa de eventos de batismo de outros capoeiristas. A princípio ele iria ficar só três semanas no exterior, mas fez seu nome em 17 anos lá fora.

Quem é e o que faz:
Nome_ Cássio Martinho
Idade_ 51 anos
Profissão_ mestre de capoeira
Clubes_ Academia de Capoeira do Mestre Rã

Capoeira toma conta  dos Estados Unidos
A vida do mestre Rã começou a tomar rumos diferentes em 1988, quando o Grupo de Capoeira Cordão de Ouro o chamou para ministrar um curso sobre o esporte nos Estados Unidos.

A princípio, Mestre Rã iria ficar fora do país somente por três semanas. “Esse era o meu pensamento. Dar as aulas e voltar”, lembra.

Mas não foi bem assim que aconteceu. “No final fiquei mais de 17 anos.”

Nos Estados Unidos, Mestre Rã – antes de se tornar um famoso capoeirista -, fez de tudo um pouco. Trabalhou em diversos setores muito diferentes do esporte. “Fiz trabalhos de turista mesmo”, lembra.

Como em uma roda de capoeira em que se cai e levanta, mestre Rã conheceu um outro capoeirista, o mestre Arcodeon, com quem fez grande parceria e difundiu o esporte em solo americano.

“Nós fazíamos um espetáculo legal, com danças tipicamente brasileiras”, diz.

E nos arcordes do berimbau a capoeira se espalhava pelos Estados Unidos e mestre Rã, acostumado a formar professores, estava jogando a capoeira com um pouco mais de sotaque, mas sem perder a ginga de um bom brasileiro.

“Os americanos têm ginga, isso é mito. Só falta um pouco da malandragem”, afirma.

O sucesso do esporte africano foi enorme. Mestre Rã ajudou a fundar várias academias de capoeira pelo país, em diversos estados e  cidades importantes.

“Eu vou umas cinco vezes por ano para os Estados Unidos, para os batizados”, diz o mestre que já tem passagem comprada para dezembro deste ano.

“Vou ver o pessoal de Miami, eles têm uma academia linda”, diz o professor, que também promoveu o intercâmbio entre as culturas. “Uma vez eu trouxe para cá 78 capoeiristas americanos”, conta.

 

Projeto Social

De volta ao Brasil em 2005, mestre Rã também usa a sua academia na rua do Retiro para promover ações sociais com crianças carentes de Jundiaí.

“Eu uso a capoeira como formação do caráter da pessoa. Esse é um dos objetivos do esporte”, afirma.

Ao todo, ele auxilia mais de 60 crianças de vários bairros da periferia  e percebe o desenvolvimento dos jovens.

“Dá para ver que a criança se esforça e consegue fazer os movimentos. Isso é muito legal”, afirma. Para o trabalho, o mestre conta com a ajuda de voluntários.

Mestre Rã aproveita também para cobrar uma ajuda da prefeitura nesse projeto social. “A prefeitura poderia ao menos dar o transporte. Isso já ajudaria muito”, afirma.

Mestre Rã está dividido entre os seus alunos e sua filha Joana Idalina, de seis meses. Segundo ele, a filha já tem a capoeira no sangue. “Trago ela em todas as aulas, ela gosta muito do clima”, afirma. A pequena Joana, desde cedo, está se acostumando com os instrumentos típicos da capoeira, como o berimbau e o pandeiro.

“Quando o berimbau para de tocar ela chora”, comemora o pai.

RJ: 10º Batizado e Encontro Ecológico de Capoeira

O nosso X BATIZADO e ENCONTRO ECOLÓGICO DE CAPOEIRA ocorrerão nos dias 18 e 19 de setembro no Clube do Condomínio Novo Leblon e no Bosque da Barra, ambos situados na Barra da Tijuca.

O ENCONTRO ECOLÓGICO é um evento cultural e de educação ambiental, criado pelo professor Feinho em 2001 e visa despertar valores como a preservação e valorização da cultura popular bem como dos indivíduos da sociedade e do meio ambiente.

O BATIZADO é um evento tradicional onde o aluno iniciante é reconhecido como capoeirista pela comunidade da capoeira. No evento, mestres e professores são convidados para batizar os alunos, reconhecendo os esforços dedicados por este à capoeira. O Batizado ocorre juntamente com a troca de graduações (corda), que indica o nível do aluno nesta arte.

Juntamente com o BATIZADO e o ENCONTRO ECOLÓGICO, faremos um SHOW DE CULTURA POPULAR PARA A PAZ no Restaurante do Clube do Condomínio Novo Leblon logo após o Batizado.

No domingo teremos uma RODA em comemoração às novas graduações recebidas por nossos aprendizes. À tarde acontecerá uma atividade extra, nós faremos parte do evento Aldeya Jacarepaguá, na Escola SESC de Ensino Médio, onde ministraremos uma oficina de berimbau (cada participante construirá e levará o seu berimbau para casa – vagas limitadas –

 

inscrições através do e-mail assessoriadeculturaesem@gmail.com

 

PROGRAMAÇÃO:

18/09 – Sábado

Manhã

Encontro Ecológico – Bosque da Barra

9:00 – Chegada

9:15 – Oficina de Cultura Popular  Brasileira

( p/pais e filhos)

10:30 – Lanche

10:45 – Aula de Capoeira c/ M.Peixinho p/ adultos

e Prof Renata p/ crianças.

11:45– Roda das manifestações populares brasileiras

12:40 – Encerramento manhã

Tarde

Batizado e Troca de Cordas – Novo Leblon

15:00 – Batizado e Troca de Graduações

17:00 – Lanche e Entrega de Certificados

18:00 – Show de Cultura Popular para a Paz

19/09 – Domingo

Manhã

Praia da Barra Posto 7

10:00 ás 12:00 –  Roda Comemorativa

Tarde (Atividade Extra)

Escola SESC de Ensino Médio – Aldeya Jacarepaguá

14:00 – Oficina de Berimbau  

(vagas limitadas)