Blog

capoeira

Vendo Artigos etiquetados em: capoeira

“Nos Jardins de Aruanda” – Capoeira de Besouro

“Nos Jardins de Aruanda” – Capoeira de Besouro

Um festival que traz consigo, uma alusão a tudo que somos hoje devido aos ancestrais. Que com muita honra, forca, coragem, personalidade e responsabilidade moral, nos deu como herança, o que hoje nos faz melhores seres humanos… CAPOEIRA DE CORPO E ALMA.

Convidado Especial: Mestre João Grande.

"Maior é Deus, Grande é João" Capoeira Cidadania Eventos - Agenda Portal Capoeira 1

Capoeira de Besouro

Capoeira de Besouro é um grito que surge em meio ao anti culturalismo adjacente no universo capoeira. Um efeito colateral de todo um sistema hierárquico, que tem como prioridade o medo e submissão do próximo.

Um grupo que surge em um processo de adversidade a ideologias de extrema covardia, praticada e aceita por ditos tutores. “Pseudos Mestres”, de organizações que servem apenas, para justificar toda uma covardia de abusos sem precedentes.

Abusos a incapazes de uma reação a altura de se fazer justiça.

Capoeira de Besouro não tem como o foco a capoeira , e sim pessoas. Aliás capoeira é algo criado por pessoas, e uma arma de extrema eficiência contra a opressão. Uma das, se não a maior forca contra o processo da escravidão no Brasil. A capoeira em todo o seu processo de criação, não teve a finalidade para oprimir, principalmente os aprendizes.

Capoeira de Besouro é um nome que representa sim o que defendemos: lutar contra opressores, sejam eles quem forem!!! Assim como Besouro Maganga. Não é um nome para vender logo marca nem muito menos um direcionamento, a transformar a capoeira em “fast-food globalizado”. Não importa o numero, não interessa a quantidade.

"Nos Jardins de Aruanda" - Capoeira de Besouro Capoeira Portal Capoeira

Capoeira de Besouro não se preocupa em justificar dogmas, fundamentos, estilos, ou qualquer outra razão que coloque a afinidade ao próximo em segundo plano. Então muito alem do que acreditamos e confiamos, por que isso pode mudar a qualquer momento. Somos o que fazemos. Por que é isso que vai ecoar amanha…

Dentro desse processo complexo e árduo nasce: “Nos Jardins de Aruanda”, um festival que traz consigo, uma alusão a tudo que somos hoje devido aos ancestrais. Que com muita honra, forca, coragem, personalidade e responsabilidade moral, nos deu como herança, o que hoje nos faz melhores seres humanos. CAPOEIRA DE CORPO E ALMA.

Com a finalidade de engrandecer nosso firmamento nesse processo de lucidez, nada melhor do que Mestre João Grande, a Maior referencia viva no universo da capoeiragem.

Mestre João Grande traz na bagagem toda uma forca ancestral que faz toda a diferença para aqueles que sim, tem a capoeira como filosofia de vida e não só como uma modalidade de reproduzir movimentos.

Mestre João Grande é nossa pergunta… é nossa resposta… a todos aqueles que fazem da capoeira uma cultura vazia, que tem apenas o egocentrismo como objetivo.

Sejam todos Bem vindos Ao Jardins de Aruanda

 

Thiago Ferreira (Eletrodo)

 

MAIS INFORMAÇÕES:

Our young group Capoeira de Besouro invites you all to our first big workshop in beautiful Hamburg:
NOS JARDINS DE ARUANDA from 28 November to 1 December 2019!

We have the honour to announce the presence of the GREAT MESTRE JOÃO GRANDE!

Don´t miss it!

GUESTS

Grande Mestre JOÃO GRANDE

Mestre Jose Antonio – Barracão da Capoeira
Irineu Nogueira – ABIEIE
Mestre Tyson – Movimento Simples
Mestre Poncianinho – Mojuba
Mestre Primo – Tunan Capoeira
Mestre Marcelo Finco – Angola Ngolo la Muanda
Mestre Pedigree – Malungos
Mestre Milani
Mestre Pepeto – Barracão da Capoeira Athenas
CM Capacete – Escola Matumbé Roma Italia
CM Gugu Quilombola – Quilombola de Luz
Professora Estrelinha – Cordao de Ouro
CM Rodrigo Maia – Angoleiro Sim Sinho
CM Toca Feliciano – FICA

More informations and registrations:

https://www.capoeiradebesouro.de/-/nos-jardins-de-aruanda-2019/registration/

Facebook: https://www.facebook.com/events/2168714833378128/

 

Casa do Axé

Sorbenstraße 22, 20537 Hamburgo
27/11 às 18:00 – 1/12 às 18:00

Batizado e Troca de Cordões de Capoeira da Casa da Criança de Capivari

Batizado e Troca de Cordões de Capoeira da Casa da Criança de Capivari

Neste sábado (26), 35 crianças em situação de vulnerabilidade receberão a primeira graduação infantil de capoeira. O evento acontece às 9h, no Lions Clube de Capivari e marca o batizado e troca de cordas de Capoeira da Casa da Criança de Capivari.

Essa graduação é fruto do trabalho desenvolvido pela parceria entre a Casa da Criança de Capivari e o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, IFSP – Câmpus Capivari, que oferece o curso de extensão Brincando de Capoeira: Arte, história e diversão (do IFSP) às crianças atendidas pela instituição.

A parceria teve início em julho deste ano, quando o presidente da Casa da Criança de Capivari, Marcos Marrocco, encaminhou uma carta ao IFSP demonstrando interesse de que o curso fosse ofertado junto às crianças e adolescentes atendidas pela instituição.

Diante da carta de interesse da comunidade e da anuência da direção geral, Gustavo Baptistella Leite da Silva, professor de capoeira do Grupo Expressão Paulista de Capoeira, coordenador do projeto de extensão Capoeira: Prática e Salvaguarda e servidor técnico-administrativo do IFSP Capivari, com auxílio do bolsista e aluno do IFSP, Lucas Vinicius da Silva Camilo, iniciou as aulas com aproximadamente 50 crianças inscritas pela Casa da Criança.

“O objetivo é, aos poucos, inserir as crianças no mundo da capoeira da forma mais natural possível e, para isso, precisamos deixá-las bem à vontade para se expressar. Acreditamos que obtivemos sucesso em turmas anteriores e, com isso, sentimo-nos respaldados para prosseguir em busca dos nossos objetivos”, explica Silva.

De acordo com os responsáveis pelo projeto, o evento só poderá ser realizado graças ao patrocínio de amigos particulares (patrocinadores anônimos) e empresas que entendem o esporte e a educação como fonte de esperança para o futuro dessas crianças e do nosso país.

“Por esse motivo, mais do que agradecer o patrocínio, faz-se necessário citar essas empresas: GL Calçados; Studio Pilates Camila Tobaldini; Comercial Raia; Super Centro e Lions Clube de Capivari”, reconhecem os envolvidos.

 

Fonte: https://www.jornalosemanario.com.br

Musica: Capoeira mundial, parceria de Margareth com Alfredo Moura e Mokhtar Samba

Musica: Capoeira mundial, parceria de Margareth com Alfredo Moura e Mokhtar Samba

O toque do berimbau que introduz Capoeira mundial, parceria de Margareth com Alfredo Moura e Mokhtar Samba, traz o disco de volta para a Bahia com a adesão vocal de Larissa Luz em samba que não chega a empolgar. Além de tocar bateria, Mokhtar Samba assina o arranjo e a direção musical da faixa.

 

Margareth Menezes vai de Jorge Vercillo a Gilberto Gil no álbum ‘Autêntica’

No disco, artista baiana abre parceria com filha de Jimmy Cliff e dá voz a músicas de Carlinhos Brown, Flavia Wenceslau e Luedji Luna. Com música inédita de Gilberto Gil (Paraguassu) entre as 13 composições do repertório, o 15º álbum de Margareth Menezes, Autêntica, tem lançamento agendado para 21 de outubro. A capa expõe a cantora e compositora baiana em foto de José de Holanda.

Até então inédita em disco, a música Paraguassu foi feita há anos por Gil para ser apresentada em edição do festival Percpan da qual participou Margareth. Na letra, o compositor baiano versa sobre a união da índia Catarina Álvares Paraguaçu (1503 – 1583) com o soldado Diogo Álvares Correia (1477 – 1557), conhecido como Caramuru.

Produzido por Tito Oliveira, sob direção musical da artista e do próprio Tito, Autêntica é o primeiro álbum de estúdio de Margareth Menezes em onze anos. O anterior, Naturalmente, foi lançado em 2008. O álbum Autêntica foi formatado entre estúdios de Salvador (BA), São Paulo (SP), Nova York (EUA) e Paris (França).

Entre regravações de composições de autoria de Jorge Vercillo (Por nós, parceria com Alexandre Rocha lançada por Vercillo em 2010 no álbum DNA) e de Flavia Wenceslau (Por uma folha, música lançada em 2017, em single, por essa talentosa compositora paraibana residente na Bahia), Margareth apresenta composições autorais como Vento sã – gravada com o toque da guitarra de Roberto Barreto, da banda BaianaSystem – e Amor e desejo.

Nessa safra autoral, Querera sobressai por ser música assinada por Margareth em parceria com Nabiyah Be, filha do cantor jamaicano de reggae Jimmy Cliff. Capoeira mundial, parceria de Margareth com Alfredo Moura e Mokhtar Samba, tem a participação da cantora baiana Larissa Luz. Já Minha diva, minha mãe é composição somente de Margareth.

As músicas inéditas Perfume de verão (Carlinhos Brown e André Lima), Mãe preta (Luedji Luna e Ravi Landim) e Mulher da minha vida (Gabriel Moura e André Lima) também integram o repertório do álbum Autêntica ao lado de Retrato 3×4 (Peu Meurray, Fabinho Alcantara, Aline Barr e Magary Lord) e de Peaceful heart (Ahmed Soultan, Samira Ammouri e Margareth Menezes).

Musica: Capoeira mundial, parceria de Margareth com Alfredo Moura e Mokhtar Samba Capoeira Portal Capoeira

No disco, Peaceful heart é faixa introduzida por citação de Uma história de Ifá (Elegibô) (Ythamar Tropicália e Rei Zulu, 1987), samba-reggae perpetuado na voz calorosa de Margareth Menezes em gravação de 1988.

Na sequência quase imediata do lançamento do álbum Autêntica em 21 de outubro, a cantora faz shows nas cidades de Salvador (BA) e São Paulo (SP), em 1º e 9 de novembro, para lançar o disco gravado com patrocínio do projeto Natura Musical e editado pelo selo da artista, Estrela do Mar.

3º Acampamento Internacional de Artes Marciais da Juventude – ICM UNESCO

3º Acampamento Internacional de Artes Marciais da Juventude – ICM UNESCO

Resumo do 3º Acampamento Internacional de Artes Marciais da Juventude!

 

 

Nossa capoeira esteve presente nesta edição do evento, organizado pela ICM – UNESCO.

A frente da jovem comitiva da capoeiragem estava meu querido amigo e parceiro de anos de capoeiragem: Mestre Wellington e Mestra Monise (Wellington Fernandes e Mosise Fernandes / Mooca – São Paulo). Os jovens capoeiristas viajaram para o Acampamento na Korea onde participaram diversas atividades ligadas as artes marciais e tiveram a oportunidade de conhecer outras culturas, além de carregar a imensa responsabilidade de mostrar a nossa capoeira para os outros jovens do acampamento.

About ICM

United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization(UNESCO) is a specialized agency of the United Nations system which is responsible for coordinating international cooperation in education, science, culture and communication. The main objective of UNESCO is to contribute to peace, sustainable development and security in the world by promoting collaboration among nations.

The International Centre of Martial Arts for Youth Development and Engagement under the auspices of UNESCO is the one and only Category 2 Centre under the auspices of UNESCO working in the field of martial arts

The International Centre of Martial Arts for Youth Development and Engagement under the auspices of UNESCO was launched based on the 37th UNESCO General Conference (Nov.16, 2013) and the agreement between the Government of the Republic of Korea and UNESCO (Dec.1,2015). The main objective of the Centre is to contribute to youth development and engagement by using martial arts philosophy and the values, positive attitudes, and personal development characteristics it engenders as the means of doing so. In order to fulfill its mandate, the centre will promote research and knowledge sharing, carry out capacity building programs, develop clearing house on martial arts and lastly, foster North-South cooperation. In addition, ICM projects aim to contribute to UNESCO’s priorties on women and sub-Saharan Africa. The Centre will strive to promote the equitable participation of young women in martial arts as facilitators, beneficiaries, and subjects of research. This is particularly important as martial arts are predomimantly masculine and there is an obvious need to increase the presence of female practitioners at all levels of martial arts.

According to the feasibility study report on the establishment of the centre, the value and the role of the centre is as below:

Establishment of ICM will bring about rather unique focus and specialized knowledge that will result in effective educational impact through martial arts. Such impact includes promotion of peace and establishment of non-violence, respect towards oneself and others, self-control, fair competition, resilience, and respect for cultural diversity.

Benefits of practicing martial arts include the following:

  • First: through martial arts, one’s culture, tradition, moral codes and ethics are transferred from one generation to another
  • Second: martial arts can help youth cope with the physiological and psychological changes that occur during adolescence

Indeed, martial arts are accredited with training of the mind and body, character building, and assisting in channeling one’s energy into positive action for the benefit of the community. Martial arts can also help youth cope with the phsiological and psychological changes that occur during adolescence and can assist them in building their self-confidence and cultivating the positive attitudes and nonviolent, peaceful dispositions which are needed to foster a culture of peace and non-violence.

ICM designs and implements various programs with the aim of fulfilling the following 4 objectives and functions of the centre.

  1. Promote research and knowledge sharing in the field of martial arts
  2. Contribution to youth development, leadership and community engagement through martial arts education and training in the field of capacity building
  3. Development of a clearing house on martial arts
  4. Fostering of cooperative relationship between developed and developing countries through martial arts

 

 

International Centre of Martial Arts for Youth Development and Engagement under the auspices of UNESCO
27339 5F, Eutteum-ro 21, Chungju-si, Chungcheongbuk-do, Republic of Korea
Tel:+82-43-845-6748 Fax:+82-43-850-7349 Email:unescoicm@unescoicm.org

 

Leia mais sobre o ICM – http://www.unescoicm.org/eng/

SP: Memorial da América Latina promoverá encontro nacional de capoeira

Memorial da América Latina promoverá encontro nacional de capoeira

Inscrições podem ser realizadas até 5 de novembro, pela internet; evento reunirá todas as correntes da modalidade do Brasil

No dia 20 de novembro, o Memorial da América Latina celebrará o Dia da Consciência Negra com um grande encontro nacional de capoeira, denominado “Um Gesto de Liberdade”. O evento reunirá, na capital, todas as correntes da capoeira brasileira para um dia com rodas, homenagens, exposição, shows e feira gastronômica.Na Praça Cívica, serão realizadas grandes rodas da modalidade, de todos os estilos: Regional, Angola e Contemporânea. Os interessados em participar devem se inscrever previamente por meio de um formulário, até o dia 5 de novembro.O cadastro está aberto a todos os grupos de capoeira do Brasil. A programação completa da iniciativa será divulgada em breve, de acordo com os organizadores.

 

Expressão cultural

A capoeira é uma expressão cultural brasileira que teve origem no século XVIII, ainda sob regime escravista. Misturando, em uma espécie de ritual, movimentos de artes marciais, dança e música, a modalidade se desenvolveu como forma de sociabilidade, solidariedade e estratégia de defesa entre os africanos escravizados.

Atualmente, trata-se de um dos maiores símbolos da identidade brasileira e está presente em todo o território nacional, além de ser praticada em mais de 160 países, em todos os continentes. Pela importância cultural e histórica, a Roda de Capoeira o Ofício dos Mestres de Capoeira foram reconhecidos como patrimônio cultural brasileiro pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em 2008.

Em 2014, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unesco) reconheceu a Roda de Capoeira como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade.

Serviço

Um Gesto de Liberdade – Memorial da América Latina
Data: 20 de novembro de 2019
Horário: a partir das 10h
Praça Cívica | Portões 2 e 5
Inscrições: https://forms.gle/QtDc5QvNpGw1j3Y9A
Entrada: Gratuita
Classificação: Livre

 

 

Fonte: http://www.saopaulo.sp.gov.br

Movimento CAPOEIRA JOGA LIMPO

Movimento CAPOEIRA JOGA LIMPO

O Movimento CAPOEIRA JOGA LIMPO convida à participação na limpeza de praia e acção de sensibilização ambiental a realizar na praia de ALBARQUEL (Arrábida/Setúbal), no próximo dia 14 de Setembro, sábado, pelas 9h.

Uma limpeza de praia é muito mais do que deixar um local mais bonito. Este tipo de ações permitem afastar os resíduos do mar, nomeadamente, o plástico, que com o tempo se transforma em microplásticos. Estas partículas minúsculas podem ser ingeridas por peixes e mariscos e assim chegar ao nosso prato.

Convidamos assim a contribuirem para reduzir este flagelo pela vossa ação e pelo exemplo dado.

Para tal, gostaríamos de convidar toda a comunidade a participar, após a ação de limpeza iremos realizar uma roda de Capoeira no jardim da praia da Saúde, DESAFIAMOS os participantes a trazer o seu Berimbau

O grande objetivo desta atividade é sensibilizar a comunidade para o grave problema do lixo marítimo.

Tragam luvas reutilizáveis, pinça de apanhar lixo e camaroeiro (se tiverem). Tragam também um amigo e boa disposição. Caso traga uma pequena merenda, optem por fruta e água numa garrafa reutilizável

Lixo Zero, CLARO!

 

Aproveitamos também para pedir o vosso melhor apoio na divulgação do evento, para que esta seja uma ação muito positiva, como sempre!

Organização: CECAB (Capoeira Agua de Beber) ICR (International Capoeira Raiz)
Professores Boca e Goiaba

Link do evento do Facebook AQUI

Evento gratuito.

 

Uma iniciativa muito interessante,um movimento de cidadania… Parabéns meus amigos Goiaba e Boca… Desejo incondicional de muito sucesso e que este movimento sensibilize a comunidade…

Luciano Milani

AQUILO QUE DEFINE UM BOM CAPOEIRA…

Muitos de nós já nos confrontamos com esta questão… Às vezes devemos parar e refletir sobre tudo aquilo que estamos fazendo… Fazer uma auto análise é fundamental para percebemos se estamos nos construindo, nos formando homens ou mulheres que em sua caminhada terão a responsabilidade, de transmitir a nossa arte de maneira digna…

Então, como é que podemos avançar nesta direção se nosso discurso não se aproxima dos nossos atos…???

“A NOSSA INCOERÊNCIA É A PRINCIPAL VILÃ, SOMOS NOSSOS PRÓPRIOS ALGOZES

Uma das primeiras demandas nesta árdua jornada é se manter fiel… Ético… Íntegro e lutar contra a tudo aquilo que não se encaixa nesta pintura!

Não é preciso muito, basta apenas bom senso e educação para se perceber toda esta temática.

Estamos vivendo momentos muito difíceis na nossa capoeiragem… Nossa comunidade tem sofrido diversas rupturas e crises…

Nossos problemas vão desde a “simples vaidade” até à imperdoável PEDOFILIA…

São tantos… Dos mais simples aos mais complexos…

Mas hoje eu venho falar sobre o “Saber chegar e o Saber estar…”

Dois saberes básicos que definem toda uma trajetória…

Então vamos refletir sobre ética e respeito… Fazer uma introspecção sobre aquilo que te move e motiva… Sobre como podemos estar juntos, trabalhando em prol daquilo que inegavelmente todos nós amamos…

Vamos começar por pequenas coisas… Pequenos passos… Como por exemplo: Gratidão.
Você consegue entender este sentimento…?

Avançamos então para o respeito… Uma das mais importantes referências sobre o carácter humano pode ser revelado apenas pelo respeito…

Comecei o texto falando sobre aquilo que define um bom capoeira… Porém na verdade sempre pretendi que esta reflexão fosse sobre o ser humano… Pois antes de sermos capoeiristas somos humanos, cheios de contradições, erros, acertos e uma inundação de outros sentimentos…

Para sermos bons capoeiristas temos antes de tudo de sermos melhores seres humanos…

RESPEITO, ÉTICA E COERÊNCIA…

 

  • SAIBA CHEGAR.
  • SAIBA ESTAR.
  • RESPEITE O OUTRO ASSIM COMO GOSTARIA DE SER RESPEITADO.
  • RESPEITE O TRABALHO DOS OUTROS.
  • SEJA GRATO SEMPRE QUE ALGUÉM O AJUDAR.

NENHUM HOMEM SE FAZ HOMEM SEM A COOPERAÇÃO DE OUTRO HOMEM *

* Vigotisky

Fica este desabafo e esta reflexão para nossa comunidade…

Então, vamos procurar sermos melhores capoeiristas?!?

Luciano Milani

 

REPERCUSSÕES:

 

 

Publicado a 03/09/2019

CAPOEIRAS: Plantando Abacaxi para colher banana

CAPOEIRAS: Plantando Abacaxi para colher banana

É preciso diminuir a distância entre o que se diz e o que se faz, até que num dado momento, a tua fala seja a tua prática. Paulo Freire A reflexão vale para todas as pessoas que desejam, no âmbito da capoeira, reconhecimento público de sua comunidade, pois o século XXI tem nos apresentado a armadilha do(a) capoeira “fake”, ou seja, aquilo que só parece ser, mas de fato não é absolutamente nada.

Neste sentido, propomos um diálogo sobre este tema nestas breves palavras. A capoeira, por ser uma arte iniciática, prima pelo conhecimento adquirido da experiência vivida, ou seja, o saber emerge de uma labuta cotidiana com o “fazer”, e deste “fazer”, criamos as condições para brotar, via reflexão, um dado conhecimento sobre aspectos da natureza humana, correlatos metaforicamente com as demandas sociais de cada tempo histórico.

O reconhecimento público na capoeira vem do transito de seus adeptos no toque dos instrumentos, no canto, no jogo, no trabalho pedagógico com a arte, no conhecimento filosófico da ritualística, dentre outros, portanto, não é possível avançar na arte sem a garantia destes aprendizados basilares. Atualmente, com relativa frequência, temos sido bombardeados por uma série de discussões de interesse social vinculadas a capoeira, e isso é muito interessante, contudo, o discurso engajado por si só não é suficiente para garantia de reconhecimento público dos(as) capoeiras, ou seja, não se deve confundir os conhecimentos específicos da capoeira com o exercício crítico da cidadania. Se você defende uma prática religiosa qualquer, isso é válido e oportuno para a capoeira, mas apenas esta defesa, alijada dos conhecimentos basilares da arte e do “fazer” cotidiano, não são suficientes para sua projeção e consequente reconhecimento no mundo da capoeira.

Se você defende a difusão do conhecimento pela escrita, isso é valido e oportuno para a capoeira, mas apenas esta defesa, alijada dos conhecimentos basilares da arte e do “fazer” cotidiano, não são suficientes para sua projeção e consequente reconhecimento no mundo da capoeira. Se você defende o conhecimento intelectual, isso é válido e oportuno para a capoeira, mas apenas esta defesa, alijada dos conhecimentos basilares da arte e do “fazer” cotidiano, não são suficientes para sua projeção e consequente reconhecimento no mundo da capoeira.

Se você defende o empoderamento feminino, isso é válido e oportuno para a capoeira, pois vivemos em uma sociedade desigual e a discussão de gênero carece de aprofundamento, mas apenas esta defesa, alijada dos conhecimentos basilares da arte e do “fazer” cotidiano, não são suficientes para sua projeção e consequente reconhecimento no mundo da capoeira. Se você defende um projeto político ideológico, isso é válido e oportuno para a capoeira, pois a politização de nossa comunidade é um importante exercício de cidadania, mas apenas esta defesa, alijada dos conhecimentos basilares da arte e do “fazer” cotidiano, não são suficientes para sua projeção e consequente reconhecimento no mundo da capoeira.

Se você defende o acesso à educação formal e possui títulos acadêmicos, isso é válido e oportuno para a capoeira, pois nos possibilita “abrir” novas portas e um diálogo com outros espaços sociais, mas apenas esta defesa, alijada dos conhecimentos basilares da arte e do “fazer” cotidiano, não são suficientes para sua projeção e consequente reconhecimento no mundo da capoeira.

Em suma, não plante abacaxi e espere colher banana, pois o reconhecimento da capoeira só chegará para aqueles que realmente possuem “serviços prestados a arte”, no toque dos instrumentos, no canto, no jogo, no trabalho pedagógico com novos aprendizes, no conhecimento filosófico da ritualística, dentre outros.

Desta forma, salvo melhor juízo, a maneira mais qualificada para exercício da cidadania a partir da capoeira, é entrelaçando as “bandeiras de lutas sociais” e o ativismo social a um berimbau bem tocado, a uma cantiga bem cantada, a um jogo cadenciado e referenciado nos antigos, a um conhecimento da ritualística, e acima de tudo, ao exercício constante do “fazer pedagógico” com seus discípulos em seu espaço de capoeira. Dedico esta reflexão em homenagem e gratidão ao Mestre Ferreira, meu amigo, meu mestre e minha inspiração.

 

Por: Mestre Jean Pangolin

Besouro Mangangá: o bamba da capoeira

Besouro Mangangá: o bamba da capoeira

Por: Letícia Vidor de Sousa Reis

Manuel Henrique Pereira, conhecido por Besouro, Besouro Preto, Besouro Mangangá ou Besouro Cordão de Ouro é atualmente considerado como um mito no meio da capoeiragem. Nasceu em 1895 na cidade de Santo Amaro da Purificação (BA). Lá nasceram também artistas famosos, como Caetano Veloso e Maria Bethânia. Filho de João Martins Pereira e Maria Auta Pereira, ambos africanos escravizados, aprendeu capoeira com Mestre Alípio, também africano escravizado, que o batizou como Besouro Mangangá (um gênero de besouro venenoso).

De acordo com a tradição oral (uma das principais fontes históricas da capoeira), este nome de capoeira lhe foi dado porque, quando se via cercado de policiais, ele “desaparecia”. Nas rodas de capoeira, Besouro até hoje é lembrado, por meio de muitas cantigas, como, por exemplo: Besouro Mangangá/era homem de corpo fechado/Bala não matava navalha /não lhe feria/Sentado ao pé da cruz/quando a polícia lhe seguia/desaparecia/enquanto o tenente dizia/Cadê o Besouro?/Chamado Cordão de Ouro? (Autoria: Fanho)….

Lutador com projeto social é o Madureira, personagem de “Malhação”, da vida real

Lutador com projeto social é o Madureira, personagem de “Malhação”, da vida real

Quando tinha 15 anos, Marcos Pakito já estava com a enxada na mão batalhando por um futuro melhor. Capinava os terrenos da vizinhança no Sargento Roncalli, em Belford Roxo. Fazia o serviço rapidinho e corria para a sede da associação de moradores. Lá, o garoto ficava sentadinho assistindo ao Mestre Ninguém dar aulas de capoeira. Um dia, o professor o convidou para participar da aula e ele explicou que não tinha dinheiro. A resposta do capoeirista mudaria toda a sua vida:

— Ele disse que eu podia fazer porque ninguém pagava nada, não. Ali eu pensei que eu queria ter um projeto social também para retribuir — conta o agora Mestre Pakito, de 45 anos, depois de um carreira como lutador profissional de muay thai e finalmente conseguir abrir a sua escolinha gratuita de luta, no bairro Andrade de Araújo.

Da capoeira, ele passou para o muay thai, aos 18 anos, e foi nessa modalidade que fez a vida. Foi bicampeão Brasileiro, teve 15 lutas profissionais com apenas três derrotas e depois passou a dar aula. Primeiro, ficou empregado nas academias. Mas aquilo o incomodava. Ele queria dar aulas de graça para quem precisava. Conseguiu há três anos, quando criou o Escola de Campeões.

— Eu tinha que ajudar a minha mãe, e aí não podia me dedicar somente ao projeto social. As coisas foram melhorando, consegui parceiros e agora posso me dedicar a esses alunos — conta Pakito, que também dá aulas gratuitas no Faixa Preta de Jesus, de Nova Iguaçu, um dos maiores projetos sociais da Baixada: — Agora meus garotos estão continuando a minha caminhada.

Lutador com projeto social é o Madureira, personagem de "Malhação", da vida real Capoeira Portal Capoeira

A história do lutador de Belford Roxo poderia ter inspirado a criação de Madureira, o personagem de Henri Casteli, na atual temporada de “Malhação”, da TV Globo. Na novela, o ator interpreta a vida do rapaz que venceu na vida após aprender muay thai com um mestre e, para retribuir, resgata jovens de áreas carentes com o esporte.

— Fui criado na periferia de São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, onde nasci e fui criado em volta de duas favelas. Já teve um momento em que policiais acharam que eu não morava lá. Falaram para mim: “Não era para você estar aqui. Não tem de se misturar”, tudo porque eu era louro de olho claro. Eu respondi que eles eram meus amigos da escola — conta Henri Casteli , que se mudou para Duque de Caxias no começo da carreira para a fazer os primeiros trabalhos como ator no Rio.

O Madureira da vida real conhece bem as dificuldades pelas quais passam os personagens adolescentes que chegam ao projeto social da “Malhação”. Pakito conta que tem orgulho quando vê um dos seus garotos mudando de vida através da luta.

—Eu seria o cara mais feliz do mundo se conseguisse colocar um aluno meu para lutar no Glory, o maior evento da modalidade. Mas eu não penso nisso. Se eu pegar uma criança dessa e ela virar um cidadão, já é a melhor coisa para mim — diz Pakito: — O que eu quero é recuperar a criança que vem da comunidade, do vício, de querer matar, roubar. Eu quero trabalhar a cabeça dela e mostrar que a vida não é isso. Tenho alunos assim, que agora são trabalhadores, estão no quartel. Essa é a ideia. É a melhor ideia do mundo para mim. Pensar que eu tirei do tráfico e hoje eles são pai de família respeitados.

Além de vencer na vida, os alunos da Escola de Campeões estão vencendo nos ringues. Walace Marcos, de 22 anos, o Mascote, já ganhou, entre outros, o Carioca, o Brasileiro e o Pan-Americano. Já Joyce Lima, também de 22, levou um estadual, uma Liga Carioca e uma série de campeonatos menores.

— Mas o esporte não é só para quem quer lutar, seguir carreira. O muay thai é ótimo para a saúde e o condicionamento físico. Mantém eles ativo, tira das ruas, afasta das drogas — conta Pakito: — Para quem quer perder peso e não quiser fazer academia também é ótimo porque os músculos ficam ativos. E não só para os jovens, mas todas as idades podem ser beneficiadas. A pessoa sedentária que começa a treinar vai querendo fazer cada vez mais.

Fonte: https://extra.globo.com/noticias