Blog

capoeiragem

Vendo Artigos etiquetados em: capoeiragem

Nato Azevedo: 1990 – REGISTRO HISTÓRICO

“A CAPOEIRA, filha da Terra, está sendo esmagada de pé!”
mestre NATANAEL, 1972, SP

Escrevo às 3 da manhã desta quinta-feira, já no final de um ano que só trouxe tristezas para todos, principalmente para quem votou em 2018. Escrevo ainda impactado pela filmagem de evento de 30 ANOS atrás que, pela ordem natural das coisas, nem deveria existir… mera fita VHS, perdida entre 20 outras, em maleta que nossos gatos decidiram transformar em impróprio “mictório”. Por mais de 30 dias nos assaltou a dúvida: as imagens nela teriam resistido ao Tempo, “devorador” de tudo ?! Pois aí está, graças mais uma vez ao Grupo MUZENZA — que trouxera à vida filmagem nossa de 1975/77 no Rio — esse registro da Capoeira “de Belém” em 1989/90, no então bairro de Marituba, pertencendo naquele tempo a Ananindeua. Na verdade, apenas pequena parte dos jogadores nessa fita era da Capital. Anote-se o fato de que o “Batizado” de Capoeira de mestre “BETO”, no qual virou mestre de fato, foi muito concorrido… não sei se houve outro com tantos professores, contramestres na época, um ou outro já se afirmando mestre. 

Eu tinha visão depreciativa de alguns deles enquanto praticantes… me penitencio com 3 décadas de atraso, vi-os em suas Academias num dia em que não estiveram bem. Nessa fita estão todos MAGNÍFICOS !Você que DETESTA Capoeira, que a julga sem conhecê-la, “coisa de vagabundos, de quem não tem o que fazer” — no dizer de nosso prefeito, evangélico, no início de 1989 — tem a obrigação de ver esse vídeo, admirar a extrema habilidade dos então professores e surpreender-se com o aproveitamento de alunos de 7, 9 ou dez anos, enfrentando sem temor alguns oponentes bem mais velhos.

Foi essa Capoeira — com esta qualidade ímpar — que sonhamos mostrar em junho de 1988 no CENTUR, inaugurando um Centro Cultural que só nos trouxe decepção e frustrações. Era essa Capoeira, essas imagens, que seriam enviadas ao Exterior na época, para vários países, pessoas do Canadá, Polônia e Alemanha, que nos escreveram curiosas para conhecer a Capoeira “do Brasil”. E essas imagens estariam ainda em cadernos, toalhas, postais, onde pudesse… sonhos que evaporaram, não tendo ficado nem as cartas do CCCP que, segundo soube ontem de noite, os cupins devoraram. Com isso, perdi a chance de identificar com exatidão a data da “formatura” do admirado “Beto”, benquisto por todos. Tentara eu conseguir junto a deputada federal Socorro Gomes — na época em campanha eleitoral aqui — ajuda que diminuísse as despesas do mestre, num tempo em que o professor arcava com o peso da compra das diversas cordas, com fotos, salgadinhos, refrigerantes, aluguel do espaço, etc. Talvez só ela, se viva fôr, possa esclarecer a data exata, provavelmente entre setembro e novembro de 1989 (período eleitoral), para a qual enviei 2 ou 3 cartas com a “chancela” do CCCP, pedindo apoio para o Grupo de Capoeira “ESCRAVO BRANCO”. Como ficou “me cozinhando em banho-maria” mandei ela e seu dinheiro às favas, porque “para o LIXO que era a Política ela não hesitava em gastar, doar”! Hoje, 2020, com dinheiro federal a rodo, continuo vendo a Capoeira FORA de todas essas benesses, esses projetos de auxílio, essa ajuda oficial. Não mudou coisa alguma em 30 anos, quem diria !


Mas, estamos bem pagos ! Ouvimos o registro emocionado de mestre DILSON BRITO, sempre em Marituba, se vendo quase menino, com todas as recordações que as imagens lhe trouxeram, trarão a quantos as assistirem. Resposta do côro segura, festa sem confusão, jogos belíssimos, inesquecíveis quase todos, com movimentos antigos lindamente recuperados. Surpresas de todo tipo, pessoas que nunca mais vimos, alguns poucos largaram a Capoeira ou morreram ! 

A registrar, um certo MAX, aluno do Imar naqueles tempos, hoje mestre “MAR”, com seu Grupo (no SESC em 1990) se expandindo Pará a fora. Adiante, o tal Max iria para o MMA, com carreira curta mas expressiva, para a Capoeira não tinha muito jeito. Minha contribuição nessa histórica fita foi levar o escritor Carlos Ano Bom para registrar o evento. Ao final, falo minuto e meio — que ninguém ouviu — e tem-se o raro registro de meu irmão “Carioca” / “Leiteiro” (em 1h13 min. da filmagem) jogando… sabe-se lá o quê, meio Angola, meio Regional, muito “Lua Rasta”, quase uma “xerox” do famoso Mestre, aluno que foi.  ASSISTAM!

Embora o assunto me entristeça (e aborreça), preciso esclarecer — com 3 DÉCADAS de atraso — equívoco que eu mesmo provoquei, ao declarar ao jornal DIÁRIO DO PARÁ em 4/jan. 1990 o recebimento “em breve” de 1 MILHÃO de cruzeiros da época, algo entre 120 e 150 mil reais hoje. Era o “trôco” que eu dava porque certo Ministro de Collor viera ao nosso bairro e distribuíra 32 contratos de verba para diversas ONGs (nem tinham esse nome), meras farsas boa parte delas, além de Centros (ditos) Comunitários que sequer possuíam mesas ou cadeiras, 1 TV velha para distração, pingpong, jogos de dama ou dominó de 5 reais… NADA, absolutamente nada, só “funcionando” em época eleitoral, ou seja, a cada ano e meio. Devo ter dado enorme susto ao tal Ministro, que acordou certa manhã vendo/lendo página inteira de projetos PARA A CAPOEIRA, êle que nada destinara à atividade. Mesmo assim não negou a “doação” fantasma, “cacifou” a “fake news” a seu favor ! Entretanto, com a gente morando numa “favela” do Icuí (“invasão”, aqui no Pará) julgaram alguns que os gêmeos cariocas “estavam nadando em dinheiro” e que o tal Centro – CCCP… “era só bandalheira, safadeza e picaretagem”.

São águas passadas que nem valem a pena recordar… curtam pois estas belas imagens produzidas graças ao contramestre SAN, deem LIKE no canal CTC SAN MUZENZA, ( https://youtu.be/qMaob-RI1Ss ) divulguem, compartilhem. E aguardem que vem mais aí, há dúzia e meia de fitas VHS esperando a hora de serem reveladas, Tem muita surpresa para chegar !

Esse RESGATE da História da Capoeira paraense necessita continuar e ampliar-se sempre mais !   

“NATO” AZEVEDO (em 17/dez. 2020, 3hs)

OBS: por suprema ironia do Destino, a pessoa que mais criticamos (e combatemos em 90/92) é a que mais impressiona, com um jogo objetivo e criativo, fazendo jus ao título / corda / graduação de MESTRE, que lhe negávamos naquela época.

Como essa filmagem o engrandece… ESTAMOS QUITES ! (NATOAZEVEDO

Capoeiragem Musical: Live contará com os mestres Reinaldinho e Tonho Matéria

Capoeiragem Musical: Live contará com os mestres Reinaldinho e Tonho Matéria

Artistas se unem em prol da capoeira e dos mestres antigos em evento que acontecerá no próximo dia 8 de novembro

Pela primeira vez, uma iniciativa promove encontro de dois ícones da música baiana, que também são capoeiristas. Reinaldinho e Tonho Matéria se apresentam em prol da capoeira e dos mestres antigos.

A live Capoeiragem Musical: abrace um mestre antigo, acontecerá dia 08 de novembro (domingo), às 14h, no canal do Youtube do ex vocalista do Terra Samba.

Esta é uma iniciativa da Linha Capoeiragem da Sport Brazil, que tem como parceiros os mestres Balão e Reinaldinho. A ideia surgiu este ano, durante a pandemia, em conversas e reuniões. Uma forma de uma marca esportiva trabalhar uma causa social e colaborar com aqueles que foram os principais responsáveis pelo crescimento da capoeira em âmbito internacional.
Os dois mestres pensaram juntos a live e para o projeto convidaram o também mestre de Capoeira Tonho Matéria que além de cantor, compositor e publicitário, é fundador da Associação Cultural de Capoeira Mangangá e do Bloco da Capoeira. O show contará com o apoio e participação de alguns grupos de capoeira locais, CTE Capoeiragem, Porto da Barra, Topázio e Engenho.

Capoeiragem Musical: abrace um mestre antigo vai mostrar o lado social, artístico e cultural da capoeira, um pouco da sua história, influências e músicas, por duas horas.

A capoeira está em mais de 170 países, uma das principais ferramentas educacionais do mundo, reconhecida como patrimônio imaterial da Humanidade, pelo IPHAN, em 2008 e pela UNESCO, em 2014. Muitos vídeos feitos por mestres de Capoeira do mundo todo e artistas já estão circulando nas redes sociais.

Muitas pessoas não sabem, mas esses artistas de sucesso internacional iniciaram a vida com a capoeira, Reinaldinho teve seu primeiro contato nas rodas de rua do Engenho Velho de Brotas, se aprimorando depois nas areias do Solar do Unhão, até conhecer seu primeiro mestre de Capoeira, Piauí. Tonho Matéria, filho de vendedora de acarajé e vendedor de laranjas, fabricador de ladrilhos, desde cedo estabeleceu um vínculo com a arte, quando começou a frequentar as aulas de capoeira, nas manifestações populares da Bahia, organizadas pelo saudoso mestre Caiçara, no Mercado Modelo, em Salvador.

Capoeiragem Musical: Live contará com os mestres Reinaldinho e Tonho Matéria Capoeira Eventos - Agenda Portal Capoeira

 

Está cada vez mais próximo o lindo show…Não fique de fora da “live” CAPOEIRAGEM MUSICAL – ABRACE UM MESTRE ANTIGO.

Vai passar amanhã, domingo (8), às 14h (horário do Brasil), no canal do YouTube de Reinaldinho…

Acesse o link que está indo na mensagem seguinte. Se inscreva no canal e já deixe seu comentário lá!

Vai rolar muita música boa (MPB, Axé Music, Samba antigo da Bahia) que a Capoeira influenciou nas composições, além de ser um evento de valorização, imaterial e material, da Velha Guarda da Capoeira, os mestres antigos.

Teremos várias surpresas…Chame seus familiares e amigos para curtimos juntos esse lindo show!
Um abraço

 

Serviço:
Live Capoeiragem Musical, abrace um mestre antigo
Quando: 08/11
Horário: 14h
Local: Canal do Youtube/Reinaldinho
Contados: Flavia Veiga (71) 982435434

Entrevista Mestre Canjiquinha 1960

Entrevista Mestre Canjiquinha 1960, gravada por Janice Marie Smith.

Compilação de videos e imagens, com audio incidental da entrevista de 1960 de Washington Bruno da Silva -Mestre Canjiquinha.

 

(entrevista começa +- 1:30 mins)

 

Nascido em setembro de 1925, filho de alfaiate José Bruno da Silva e de lavadeira Amália Maria da Conceição, em Salvador Bahia.

Aprendeu a arte da capoeiragem com Mestre Raimundo “Aberrê” em Matatu Pequeno, na Baixa de Tubo, Brotas – BA.

Era contra-mestre de Mestre Pastinha, goleiro do Ipiranga e participou no filmes: O Pagador de Promessas e Barravento. Gravou CDs e escreveu o livro “A Alegria da Capoeira”, publicado em 1989.

Em 1988 criou a “Academia de Canjiquinha e Seus Amigos”, no bairro Colina do Mar – Bahia.

Entrevista Mestre Canjiquinha 1960 Capoeira Portal Capoeira

Imagem por: Velhos Mestres

Ver Mais:

Portal Capoeira: Notícias, Artigos, Crônicas e Downloads “MOVIDOS POR UMA INCONDICIONAL PAIXÃO PELA CAPOEIRAGEM…”

 

Agradecimentos:

Teimosia e alexlilico pelos videos. (youtube)

Mestre Cobra mansa pelo audio da entrevista.

Mestre Cobra Mansa: O outro lado da moeda…

O outro lado da moeda

Mestre Cobra Mansa, emitiu um comunicado oficial sobre a “denúncia de Dandara Baldez”. Após diversas conversas, aceitou nosso convite para o diálogo.

O Portal Capoeira, como um dos mais relevantes e democrático meio de comunicação especializado, pública em primeira mão o comunicado oficial, com o objetivo de entender a situação através dos olhos e dos sentimentos de “Cobrinha Mansa”.

Acreditamos que toda história deve ser contada e ouvida…

COMUNICADO OFICIAL MESTRE COBRA MANSA

Peço apenas que me ouçam (antes de me julgar)

Eu reconheço a luta das mulheres, pois tenho a convicção e conhecimento de que lutam por uma causa legítima, no sentido de impedir que atuem como coadjuvantes quando, em verdade, deveriam também ser protagonistas.

Isso não quer dizer que consegui me livrar totalmente dessa cultura machista na qual fui educado desde pequeno.


Gente, em relação ao assunto que diz respeito à Dandara, tudo não passou de um grande mal entendido. Foi um erro de julgamento meu, e só. O erro de julgamento veio do contexto no qual nos encontrávamos, que eu não quero tornar público para não expor mais pessoas e causar a estas pessoas o mesmo dano pelo qual venho sofrendo diante das conclusões e indagações completamente equivocadas.

Mestre Cobra Mansa

Nunca pensei que passaria por um “julgamento social” sem sequer ser ouvido; será que hoje sou eu quem precise lutar para comprovar minha idoneidade, que sou uma pessoa íntegra?! Pois bem, o contexto no qual se deu o mal entendido pode explicar a situação pela qual me julgam sem saber, mas admito, nunca adotei, nem insisti, em qualquer postura inapropriada que viesse a ferir a honra da Dandara.

É fato que nós homens precisamos escutar nossas irmãs e companheiras, e tento escutar. Como é que nós mudamos?  Como é que podemos juntos mudar essa cultura de masculinidade falsa? 

Eu não sei as respostas certas, mas eu sei que é o trabalho de todos nós, e como mestres e mestras, temos mais responsabilidades, inclusive para não disseminarmos a cultura do ódio e do banimento social sem que antes seja dada a oportunidade do diálogo, e não do monólogo.

Então não omito que houve um grande mal entendido com a Dandara, de modo que este mal entendido foi rapidamente corrigido, tanto assim que tivemos uma reunião com ela e três outras pessoas em 2017, na qual demos o assunto por encerrado, mas neste momento – quase 03 anos depois -, começou essa campanha contra mim, por razões que não me parecem idôneas. Estão me transformando num assediador sistemático. Até pessoas que não me conhecem estão me julgando e me massacrando.

Se coloquem no lugar do outro, usem a empatia; vocês gostariam desse tipo de julgamento sem ao menos serem ouvidas, sem que os fatos fossem apurados? Claro que não!

A pergunta que eu gostaria de colocar para quem me conhece: De todos os eventos que eu participei ao longo de muitos anos, de todos os mestres e mestras que organizaram esse eventos… tem alguma mestra ou mestre que pode reclamar do meu comportamento com suas alunas?

Peço que se manifestem para que as pessoas que estão me julgando possam ouvir outras vozes. Eu tenho plena consciência do que realmente aconteceu, e do que são acusações falsas.

Agradeço sua atenção e a possibilidade de falar a minha versão dos eventos.

Mestre cobra mansa

Bahia: Festival Internacional de Capoeiragem

Bahia: Festival Internacional de Capoeiragem

Festival Internacional de Capoeiragem está com inscrições abertas

Estão abertas as inscrições para 8ª Edição do Festival Internacional de Capoeiragem, que acontece de 29 de janeiro a 2 de fevereiro, no Forte da Capoeira, no bairro de Santo Antônio Além do Carmo, no Centro Histórico de Salvador.

O evento é promovido pelo Centro de Treinamento e Estudos da Capoeiragem, liderado pelo Mestre Balão, e vai oferecer ao público diversas rodas de capoeira, apresentações, oficinas, vivências, palestra, um tour capoeirístico pelo Centro Histórico de Salvador, entre outros.

 

RODA ABERTURA 7° FESTIVAL INTERNACIONAL CTE CAPOEIRAGEM Capoeira

 

Segundo os organizadores, está prevista a participação de capoeiristas, mestres, pesquisadores de mais de 20 países.

As inscrições podem ser feitas pelo Sympla.

ELE GINGA QUE NEM BRASILEIRO!”: TRANSNACIONALIZAÇÃO CULTURAL E A NEGOCIAÇÃO DOS ESPAÇOS DE SUBJETIVIDADE NA ALEMANHA

“ELE GINGA QUE NEM BRASILEIRO!”: TRANSNACIONALIZAÇÃO CULTURAL E A NEGOCIAÇÃO DOS ESPAÇOS DE SUBJETIVIDADE NA ALEMANHA

 

RESUMO:

O artigo visa contribuir com o debate sobre o processo de transnacionalização cultural na contemporaneidade, como também a produção de identidade e as subjetividades deles possíveis, utilizando como foco o universo da capoeira e o seu deslocamento para a Alemanha. Movimento que teve início na década de 1970, com as apresentações de capoeira na Europa e Estados Unidos, influenciando os rumos desta prática cultural.

O desafio deste artigo é lançar mão das experiências dos capoeiristas em seus processos de reconstrução de si e dos discursos sobre a capoeira, porém sem perder de vista as forças hegemônicas que atuam e impõem as “regras do jogo”. Dentro de uma visão interdisciplinar, foi priorizada uma abordagem qualitativa, tendo o método etnográfico como base metodológica de onde os tópicos mais significativos emergiriam como “fios” a serem puxados e aprofundados. Sendo assim, foi considerado como ponto fundamental os discursos dos próprios sujeitos da pesquisa, dos nossos diálogos e da minha experiência de campo de onde as disciplinas como Antropologia, História e Estudos das Migrações serviriam como suporte epistemológico para uma melhor contextualização das experiências vividas e significados produzidos, ou seja, para melhor dar conta dos lugares de fala apresentados.

Os resultados da minha pesquisa apontam a uma exaustão do conceito de nação para definir identidades e culturas na contemporaneidade. Baseado em minha experiência e análise, defendo também que os alicerces do universo da capoeira são estabelecidos e legitimados como um espaço relacional de negociação simbólica “in Between”. Ao mesmo tempo me apropriei do termo “Capoeiragem” para denominar um modus operandi que seria o aspecto fundante do universo da capoeira que paradoxalmente, por seu posicionamento de fronteira, produz e mistura culturas.

Palavras-chave: Antropologia. Migrações Contemporâneas. Capoeira. Capoeiragem.
In between. Subjetividades.

 

Autor: Fabio Araujo Fernandes

Berlin – Integração e muita capoeiragem

Berlin – Integração e muita capoeiragem

Como sempre, esta complexa e multicultural capital Europeia, proporciona experiências únicas… Reencontrar amigos… Sentir os sons, saborear as cores… Digerir o ímpar e prolixo emaranhado sócio cultural… Berlin sempre Berlin!

Terra de muita vadiação… terra das diversas tribos… terra de capoeira, candomblé, afoxé e muito axé!!!

No meio de tanta pluralidade Berlin se destaca pelo vasto leque de opções pela sua ofegante e prolixa disritimia do CAOS… por suas rodas movidas por pernas… e pelas pernas movidas por rodas…

Mestre Saulo, que já reside em Berlin há mais de 30 anos foi o criador de um conceito de evento de capoeira que só poderia vir de dentro deste ser humano ímpar… o NOSSO ENCONTRO, por seu formato único e informal, inspirou até o mestre Umoi a “importar” o formato para Portugal, na cidade de Évora.

Agora quem segura o leme do Encontro em Berlin, é o meu grande amigo e parceiro Mestre Bailarino, que deu nova roupagem e um novo nome: INTEGRAÇÃO BERLIN.

Fica aqui algumas imagens e momentos do encontro…

Bichinho da Roda

Na capoeira temos de ter aquele bichinho… Aquele que tem fome de jogo… Aquele que se alimenta da energia da Vadiação… As vezes temos de ter a ousadia de pedir aqueles que admiramos, por tudo aquilo que já fizeram e ainda irão fazer para e pela capoeiragem, um simples: “Mestre me dá a honra de dar um pulinho”… As vezes é mais do que suficiente para que esse mesmo bichinho seja alimentado da forma intensa e verdadeira… Obrigado Mestre Bocka Bocka, Capoeira Angonal, pela capoeira eu poder jogar…

 

 

Roda de encerramento do evento. Contramestre Milani, Professor Fungui, Professor Dackour, Professor Caranguejo, Chino. #capoeira #capoeiragem #naestrada #berlin #roda #rodaboa

Bahia: Festival Internacional de Capoeiragem – CTE

Santo Antônio Além do Carmo recebe Festival Internacional de Capoeiragem

Evento será de 18 a 21 e terá participação da nação mundial da capoeira.
Atividades e oficinas gratuitas serão realizadas durante programação.

A Capoeira é hoje uma das mais importantes manifestações da cultura afro-brasileira. É para celebrar esse rico legado que o Instituto CTE Capoeiragem (Centro de Treinamento e Estudos da Capoeiragem) realiza a 6ª edição do ‘Festival Internacional de Capoeiragem’. Do dia 18 a 21 de janeiro de 2017, acontecerão diversas rodas de capoeira, apresentações, oficinas, vivências, bate-papo, oficina de percussão e espaço criança, com a participação de capoeiristas, mestres, pesquisadores e interessados de, mais de 20 países.

O local não poderia ser mais apropriado, Forte da Capoeira, no histórico bairro Santo Antônio Além do Carmo.

O evento, que reúne mestres renomados e capoeiristas de 20 nacionalidades, é promovido Instituto Centro de Treinamento e Estudos da Capoeiragem (CTE) em parceria com a Caderno 2 Produções.

“A capoeira está em mais de 170 países. Austrália,Estados Unidos, Bélgica, Alemanha são alguns deles”, afirma Ricardo Santos Carvalho, conhecido no mundo capoeira como Mestre Balão, idealizador e anfitrião do Festival.

“Salvador é a capital da capoeira. Os grandes mestres vieram daqui”, conta o mestre que luta capoeira há cerca de 32 anos.

 

As inscrições para as Oficinas de Capoeira, vivências e tour capoeirístico podem ser feitas por meio da internet. Parte do recurso arrecadado com as inscrições será revertido para as ações sociais do Instituto CTE Capoeiragem.

 

PROGRAMAÇÃO:

Dia 18/01 (quarta)
Abertura oficial do 6º Festival Internacional de Capoeiragem
Horário: 19h
Local: Forte da Capoeira

19/01 (quinta)
Oficina 1 – 16h às 17h30
Oficina 2 – 18h às 19h30
Mestres Oficineiros: Nenel e Paulinho Sabiá
Vivência “Os Mestres da Bahia e suas cantigas” – 20h às 21h30
Mestres: Pelé da Bomba, Gajé (Mercado Modelo) e Jairo (Terreiro de Jesus)
Local: Forte da Capoeira

Atividades gratuitas
Oficina de Percussão – 15h às 16h

Aulas para crianças “Espaço Criança” – 16h às 17h e 17h às 18h

20/01 (sexta)
Oficina 1 – 16h às 17h30
Oficina 2 – 18h às 19h30
Mestres Oficineiros: Nô e Balão
Vivência “A Capoeira e o Samba do Recôncavo” – 20h às 21h30
Mestres: Felipe e Nelito de Santo Amaro
Local: Forte da Capoeira

Atividades gratuitas
Oficina de Percussão – 15h às 16h
Aulas para crianças “Espaço Criança” – 16h às 17h e 17h às 18h

21/01 (sábado)
Tour Capoeirístico
Horário: 9h às 12h
Local: Centro Histórico de Salvador
*Ponto de encontro no Elevador Lacerda, saída às 9h.

Batizado/Troca de graduação/Formatura
Horário: 15h

Encerramento
Horário: 18h

Nas atividades como aulas de percussão, aulas para crianças no “Espaço Criança”, shows de abertura e encerramento, serão de acesso gratuito para maiores de idade ou menores devidamente acompanhados pelos responsáveis legais.

 

Fontes:

http://g1.globo.com/
http://atarde.uol.com.br/

https://www.facebook.com/FestivalCapoeiragem/

“A Victoria do Jogo Brasileiro: Capoeira Versus Jiu-Jitsu”

Estávamos em 1909. A Marinha de Guerra do Brasil tinha acabado de contratar, diretamente do Japão,  um grande campeão e professor de jiu-jitsu, o Senhor Sada Miako. Foi o que bastou para despertar, em atuante grupo de acadêmicos de medicina, a idéia de um tira-teima com a capoeiragem brasileira. Apresentaram, como oponente ao japonês, o campista (Município de Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro), o Senhor Francisco da Silva Cyríaco, mais conhecido como Cyríaco Macaco Velho. Francisco da Silva,  mestre de vários desses universitários,  era considerado um dos maiores, senão o maior capoeira brasileiro da época.

Depois de natural relutância, autoridades (inclusive autoridades militares) e o Sr. Pachoal Segreto, proprietário-administrador do  Pavilhão Internacional, resolveram aceitar o desafio.

Em muito pouco tempo, Brasil e Japão tomaram conhecimento do resultado da luta.   Cyriaco, com surpreendente rabo-de-arraia  vencera o campeão que, perplexo, não aceitou a revanche que, ainda no tablado, lhe foi oferecida pelo capoeira.

Dentre as diversas reflexões que o episódio e os registros fotográficos sugerem, neste momento, destaco quatro:

1. Se houve  luta pública de capoeira, aprovada e presenciada por autoridades civis e militares, como continuar afirmando que a Capoeira só foi liberada (?) pelo Presidente Getúlio Vargas, décadas mais tarde,  através de decreto específico (e fantasma), logo após o presidente assistir roda exemplar?

2. A adoção de um grande capoeirista por grupo de acadêmicos de medicina, coincidência ou não, voltou a acorrer algumas décadas mais tarde, em Salvador. Talvez um grupo menor de acadêmicos, mas extremamente dedicado e competente, sendo impossível e injusto não destacar a importância de dois deles:1. O cearense José Cisnando Lima, estudioso também de  outras lutas e conhecedor, como Bimba, do precioso livro  de Annibal ZUMA Burlamaqui); e 2. Ângelo Decânio Filho, também praticante de judô, que hoje em dia, forte e atuante, no alto de seus 83 anos, é considerado a mais importante fonte de informação e intérprete da chamada Luta Regional Baiana.

3. Pelo tipo de ginga e pela  distinção dos trajes de Cyriaco realmente faz sentido considerar, como fez o Jornal do Capoeira (com muito humor), se esta não seria a linhagem do sempre elegante Mestre Leopoldina.

4. A deplorável insensibilidade crônica da grande maioria dos mestres, contramestres e pesquisadores do Rio de Janeiro para a importância da Capoeira do Rio Antigo em geral, e da capoeira de Cyriaco em particular. Pena que tenha faltado um Decânio no grupo de alunos de Cyriaco, pois, neste caso, ele não estaria tão esquecido pelos cariocas, fluminenses e brasileiros em geral (com as raras e honrosas exceções de sempre). Em que pese, é claro, o histórico movimento que fizeram os alunos de Cyriaco que culminou no confronto em tela.

A victoria do jogo brasileiro: capoeira versus jiu-jitsu

Ironicamente ouço falar mais deste passado heróico do Rio de Janeiro quando viajo. Foi o que aconteceu em visita recente a Aracaju, Sergipe (para detalhes recomendo navegada no Jornal do Capoeira, editado pelo Miltinho Astronauta), onde fui agraciado com valioso presente: um pacote de revistas antigas, publicadas no Rio, então capital federal e distribuídas por todo Brasil. Por elas, entre outras preciosidades, verifico que o famoso conjunto de fotos publicado na Revista Careta (sobre Cyriaco), foi também publicado, em várias outras. Com mais ou menos fotos.  Como está havendo crescente interesse para esta parte ainda encoberta da História da Capoeira, aproveito essa crônica para publicar uma variante do famoso conjunto de fotos feito por ocasião da histórica vitória do  Capoeira sobre o Campeão de Jiu-Jitsu:

“Cyriaco, como todos sabem, venceu em poucos minutos, no tablado do Concerto Avenida, o até então invencível Miaco, professor japonez da luta jiu-jitsu. Cyriaco, natural de bom gênio, mas destro e conhecedor de capoeiragem como poucos quis repetir a dose, no que não consentiu o japonez vencido. Isto vem provar mais uma vez as vantagens da capoeiragem como exercício, que há longo tempo preconizamos pelas columnas do Jornal do Brasil, vantagens que subiriam mais se fosse methodizado o exercício, expurgados os golpes misteriosos e mortaes”. (Revista da Semana, 30 de maio de 1909 – Domingo – Anno IX – 472)

André Luiz Lacé Lopes – Fórum Virtual – fevereiro/2006