Blog

Janeiro 2010

Vendo Artigos de: Janeiro , 2010

Professor de capoeira é preso fazendo sexo com aluna de 10 anos

ABUSO: Foi com enorme repulsa que recebemos a notícia da prisão em flagrante do Mestre de Capoeira, Ailton Leonardo da Silva (Mestre Careca), de 54 anos, por crime de carater sexual contra uma de suas alunas com apenas 10 anos de idade

Fica a matéria retirada do conceituado Jornal do Estado do Rio de Janeiro: O Globo (Ver texto original) para que nossa comunidade reflita e comente sobre o terrível acontecimento que infelizmente acontece em nossa sociedade não só nas academias de capoeira mais em todos os lugares imagináveis, até nos menos suspeitos…

Luciano Milani

Professor de capoeira é preso fazendo sexo com aluna de 10 anos (O Globo)

RIO – Um professor de capoeira foi preso na noite desta sexta-feira ao ser flagrado fazendo sexo com uma de suas alunas, de apenas 10 anos, dentro do carro, na Avenida Meriti, em Vicente de Carvalho, na Zona Norte. Ailton Leonardo da Silva, de 54 anos, foi abordado por policiais do 16 BPM (Olaria) no momento em que a criança praticava sexo oral.

Segundo o delegado Felipe Curi, que registrou o caso na 22 DP (Benfica), o professor dá aulas de capoeira no condomínio da vítima, também em Vicente de Carvalho. Ele convidou a menina para ir a uma lanchonete e, no caminho, começou a aliciá-la. Pressionada, a menor concordou em praticar sexo oral.

Ailton responderá pelo crime de estupro de vulnerável (antigo atentado ao pudor) e, se condenado, ficará de oito a 15 anos na cadeia.

Fonte: http://oglobo.globo.com

Batuque de cearense conquista holanda

Grupo criado em 1995 ajuda a divulgar a cultura e os costumes brasileiros em solo holandês e já tem sede em 10 cidades

Que os cearenses estão espalhados pelos “quatro cantos” do planeta, exercendo diferentes atividades, isso não é mais novidade. Tanto que na Holanda um legítimo “cabeça-chata”, Vladimir Frama, conquistou os nativos desse país divulgando a arte da capoeira, considerado um esporte genuinamente brasileiro.

Frama, que criou o Grupo Batuque para legitimar o seu trabalho como capoeirista naquele país, atualmente encontra-se em Fortaleza, juntamente com um grupo de holandeses, para festejar as “bodas de cristal” (15 anos) do grupo que hoje já conta com 300 integrantes.

Origem

Sob o barulho das ondas arremetendo contra os pilares da Ponte Metálica, na Praia de Iracema, um dos cartões postais da nossa Capital, Frama falou da origem do Batuque e da sua vida na Holanda. “O Batuque Capoeira é um grupo que existe há 15 anos na Holanda. E neste mês, como celebração de mais um ano de fundação, estamos trazendo vários alunos para conhecer mais a capoeira e a cultura brasileira”, informou Vladimir. “A gente conseguiu formar na Holanda um dos maiores grupos de capoeira, conseguimos atuar dentro da sociedade local e penetrar em lugares que antes não eram possíveis com a capoeira”, disse o mestre Frama.

Diversificação

Segundo Vladimir, no Batuque “ministramos aulas para crianças, jovens, realizamos trabalhos sociais junto a famílias com crianças carentes – árabes, por exemplo -, trabalhamos em prisões, em hotéis também, então é um leque aberto que é incrível, chega a ser surpreendente essa penetração que nós onseguimos levar para a capoeira em termos de divulgação e respeito, claro”. Frama ressaltou que “a capoeira, sem dúvida, hoje, é o grande cartão postal do Brasil na Europa. O nosso País é muito visto lá fora pela violência nos morros do Rio de Janeiro, tráfico etc, e a capoeira veio para limpar essa imagem. É incrível como ela atrai, seduz, transforma. O europeu começa treinando capoeira, depois quer aprender o português, ouvir música brasileira, ler livros, quer conhecer a história, vir ao Brasil, age como imã”.

Mágica

O fundador do Grupo Batuque salientou que “a capoeira é muito mágica. Ela é um misto de esporte, cultura, dança, luta, é muita coisa envolvendo. O aluno que está fazendo capoeira está ocupado com muitas atividades, o cérebro não para, é uma terapia incrível. Uma gama de vários aspectos, desde chutes na cabeça até acrobacias de pernas para cima, que mudam toda uma perspectiva de mundo”.

Início na capoeira

“A capoeira entrou na minha vida aos 12 anos de idade”, confessou Vladimir Frama. “Morava no Henrique Jorge e treinava no Centro Social Urbano César Cals, com mestre Everaldo, grande personagem do esporte no Ceará. E mesmo com a família dizendo ´pare com isso, não continue que isso é coisa de vagabundo etc eu prossegui. E a capoeira foi e é minha grande escola. Eu hoje sou mestre, fotógrafo profissional, músico também, concluí a Faculdade de Música e cheguei a tocar nas noites de Fortaleza, mas a minha grande escola é a capoeira. Ela me abriu as portas na Europa, no Brasil, sem a capoeira eu seria outra pessoa”, reconheceu o coordenador do Batuque.

Volta por cima

“Tanto minha família quanto a sociedade da época via a capoeira como uma coisa de vagabundo. Não era um esporte de ponta, de elite, bem visto”, admitiu o mestre Frama. “Mas graças à sua força, pois ela é uma coisa muito mágica, a capoeira superou os preconceitos no Brasil e lá fora também. Hoje em dia minha família adora a capoeira”, ressaltou mestre Vladimir.

Hierarquia

Na capoeira há um sistema hierárquico de graduações. “No início temos apenas o aluno, depois esse aluno passa a instrutor, professor, contramestre, até finalizar com o título de mestre”, acrescentou Vladimir. Mas até conseguir se firmar com o Grupo Batuque Capoeira em solo holandês, o mestre cearense “comeu o pão que o diabo amassou”. E ele explicou: “Viajei com a cara e a coragem. Na bagagem pouco dinheiro e o conhecimento do inglês. Morei vários anos como ilegal e por isso estava sempre mudando de local. Mas consegui superar todas as dificuldades, até criar o Grupo Batuque. Porém, valeu a pena todo sacrifício”, concluiu Frama.

Saiba mais

Fundação

Grupo Batuque Capoeira foi fundado em 1995, na Holanda, pelo cearense Vladimir Frama e hoje tem 300 integrantes

Área de atuação

Atualmente, o Batuque, conta com sedes em 10 cidades: Den Haag, Utrecht, Oss, Nijmegen, Arnhen, Breda, Amersfoort, Leiden, Malden e Den Bosch

Integrantes

Frama e o grupo de holandeses do Batuque permanecem em Fortaleza por quatro semanas. O mestre e seus alunos participarão de rodas de capoeira com outros grupos e visitarão Canoa Quebrada

MOACIR FÉLIX
REPÓRTER

Fonte: http://diariodonordeste.globo.com/

Aconteceu: IV Festival Internacional de Capoira em Itabira

Ontem, 10 de Janeiro de 2010, foi realizado a 4ºedição do festival internacional de Capoira em Itabira – MG.

Com o intuito de dar continuidade ao projeto “capoeira da Rua para o Futuro” (que atende mais de 400 crianças em 10 bairros de Itabira)

O evento trouxe diversas atrações como palestras, oficinas entre outras.um dos organizadores, Ronaldo Capoeira, participantes de Belo Horizonte, Sete Lagoas, São João Del Rey, Nova Serrana, Carbonita, Santa Maria de Itabira, João Monlevade, Ipoema, Timóteo, Pará de Minas, dos estados da Bahia, São Paulo e de países como Panamá, Colômbia, Estados Unidos participaram do evento nos 2 dias.

Mais informações: (31) 8783-9725 – Ronaldo (Capoeira); (31) 3834-8976
Romério (Guajamun); (31) 3835-5429 – Juarez (Xingu).

Acesse: veja as fotos – www.afrominas.com.br

 

Fonte: Lucas Moraes – Jornal Imprensa Jovem EDITORA

Gerontocapoeira: Conhecendo as vivências

Uma abordagem da Educação Física Gerontologica no município de Tabatinga-Am.

 

Nos últimos anos, profissionais de diversas áreas da ciência interessam pela Gerontologia. Na Educação Física, estudar e entender o idoso com qualidade e respeito é uma “nova tendência”. Na Capoeira temos muitos praticantes com mais de 60 anos de pratica e outros que estão apenas iniciando no mundo da Capoeira, agora na terceira idade. A novidade agora é que os da idade tardia podem iniciar a arte da Capoeira de acordo com as suas qualidade física e habilidades, aqui considerados Gerontocapoeiristas.

A contribuição relevante a este tema, foi a minha observância quanto praticante desta modalidade desportivo-cultural, a capoeira, por mais de 24 anos de pratica no ano de 2009, onde dos 24, há 14 anos ensinando a arte da capoeira, nesta caminhada tive vários alunos idosos, mesmo empiricamente mantive todos os cuidados necessários e não tive problemas com nenhum deles. Agora há uma necessidade de ampliar há mais idosos interessados, já com uma visão cientifica na área de Educação Física enquanto acadêmico (LIBEF/UEA 2008-2011) e abrir vagas para aqueles que não tiveram a oportunidade de aprender e conhecer profundamente a arte da Capoeira.

Segundo Puga Barbosa (2003, p. 21), “como conceito total de gerontologia temos o estudo do envelhecimento em toda e qualquer enfoque. É necessário bojo que temos subdivisões a Educação Física, desta feita adaptada a pessoa em fase de envelhecimento”.

Ao observar um Mestre de Capoeira de vanguarda jogar capoeira é admirável, encanta e assusta, devido a grande saúde corporal mostrado por ele. Temos como exemplo o Mestre de Capoeira Angola João Pequeno de Pastinha, com 92 anos de idade (uma criança de 92 anos), deixa muitos jovens para trás e no chão. Suas histórias e experiências fazem e dão vontade de promover a gerontocapoeira como uma alternativa para aqueles que muitas vezes tem obstáculos sociais e familiares. Mestre João Pequeno tem uma vasta experiência e é um grande exemplo de vida para muitos praticantes de Capoeira.

Para Puga Barbosa (2000) apud Puga Barbosa (2003, p. 21):

educar para o envelhecimento, e a da base da educação física gerontologica, preocupa-se em adequar a seus clientes, cada vez mais individuais em suas características heterogêneas, os conteúdos da profilaxia e das questões sociais do envelhecimento se aliando a dança, ginástica, jogo, recreação e esporte, acatando os princípios pedagógicos e biopsicossociais.

Há uma preocupação muito grande com os gerontocapoeiristas, por isso é necessário antes de tudo observar o acompanhamento médico para prevenir qualquer situação e uma integração de vários profissionais que trabalham com os idosos. Como exigência, o exame de saúde e o acompanhamento médico se fazem necessário, pois assim, poderemos verificar o tipo de atividade capoeirística e as limitações para cada indivíduo.

Já Moreira (2001, p. 17) afirma que,

o envelhecimento e a expectativa de vida, em todas as populações do mundo, constituem um problema emergente nos vários segmentos sociais. O ritmo de crescimento na população idosa, segundo Passarelli (1997, p. 208), relaciona-se diretamente com a diminuição das taxas de natalidade e mortalidade infantil, a melhoria no tratamento das doenças infecciosas e condições de saneamento básico, e o acesso aos serviços de saúde para um número maior de indivíduos.

Toda segurança possível é necessário. Por isso, qualquer atividade deve ser planejada e observada as restrições. O aquecimento – alongamento antes do treino é sempre necessário, essas aulas de gerontocapoeira devem sempre esta ligada as áreas abertas de boa circulação de ar, com uma preocupação planejada de exercícios físicos antes, durante e depois do treino (aula de gerontocapoeira). O lugar onde é feito os movimentos (chão) deve ser acolchoado ou um lugar com grama macia.

No projeto de pesquisa antes da aplicação da gerontocapoeira em 2008, na cidade de Tabatinga, Estado do Amazonas, com o apoio da Associação de Capoeira Ave Branca e de Estudantes do Curso de Licenciatura e Bacharelado em Educação Física da Universidade do Estado do Amazonas, o objetivo maior foi entender quais os níveis de flexibilidade que dependem da articulação para a pratica da gerontocapoeira, sem lesões aos ligamentos dos tendões, músculos e pele.

Observamos também, a mobilidade articular e a elasticidade muscular durante a pratica da capoeira para a terceira idade; a realidade de cada indivíduo; se os requisitos práticos da capoeira poderiam ou não prejudicar o iniciante; verificamos até que idade cada idoso poderia realizar determinado movimento e a sua motricidade do idoso. Foi assim observamos as vontades, as evoluções de cada praticante e que tudo depende da individualidade biológica para cada idade.

Como metodologia, tivemos o desenvolvimento do projeto inicialmente por meio de reconhecimento ao espaço físico e primeiro contato com os idosos. Depois construímos uma seleção de movimentos de capoeira de maneira gradual e com bastante observação na execução de cada movimento de acordo com a motricidade de cada indivíduo e foi uma grande experiência.

Apresentamos aqui nosso programa de Gerontocapoeira está fixado nas seguintes situações: Fundamentos; Técnicas e Exercícios de respiração; Relaxamento; Alongamento e Etc.

O objetivo da Gerontocapoeira é a valorização da idade tardia, onde todos participam integralmente, integradamente e gradualmente das técnicas de estimulação no jogo de capoeira (gerontocapoeira), a percepção de si próprio e a relação interpessoal, com base nos fundamentos apresentados.

 

Fundamento teórico biológico:

– Sistema muscular;

– Sistema ósseo;

– Sistema nervoso;

– Sistema cardiorrespiratório (freqüência máxima e mínima);

– Sistema circulatório;

– Degeneração articular;

– Prevenção de acidentes na Capoeira (na Gerontocapoeira).

 

Fundamento teórico social:

– Conceituação;

– Fatos da diminuição das costelas sociais;

– Independência social;

– Expectativa da sociedade.

 

Fundamentos teóricos capoeirísticos:

– Conceituação;

– O que é Gerontocapoeira;

– História da Capoeira;

– Grandes nomes da Capoeira;

– Musicalidade da Capoeira (Cânticos e instrumentos musicais da capoeira);

– Estilos de Capoeira (Angola e Regional);

– Roda.

 

Técnicas individuais e interpessoais:

– Avaliação do seu EU;

– Dificuldades em relação ao quadril, joelho e tendões;

– A importância do trabalho de flexibilidade, habilidade e força;

– Situação físico-motor;

– Níveis de flexibilidade que depende da articulação para a pratica da gerontocapoeira sem lesões aos ligamentos dos tendões, músculos e pele;

– Ginga; golpes, esquivas e movimentos capoeirísticos.

Os itens expostos acima devem ser indicados com base em exames médicos e acompanhamento por um profissional da educação física.

Portanto, para entender melhor o tema é necessário fazer uma vivencia pratica com os anciãos, onde proponho a pesquisa e a implementação nos Programas da Terceira Idade em todo o Brasil, como exemplo da cidade de Tabatinga. È necessário essa aplicação para que mais pessoas possam ter um envelhecimento saudável através da pratica da capoeira, mais precisamente da gerontocapoeira.

As entidades capoeirísticas também podem adotar este sistema de ensino de capoeira (gerontocapoeira) para a terceira idade em seus estabelecimentos, não esquecendo de buscar integrar outros profissionais, como médicos, psicólogos, assistentes sociais, profissionais da educação física, nutricionistas, mestres de capoeira e outros que poderão contribuir com os nossos anciãos.

 

Referencias

CAPOEIRA, Dedão. Gerontocapoeira: Capoeira para a terceira idade. Tabatinga: Associação de Capoeira Ave Branca, 2008.

PUGA BARBOSA, Rita Maria dos Santos (Org.). Educação Física Gerontologica: Construção sistematicamente vivenciados e desenvolvidos. Manaus: EDUA, 2003.

MOREIRA, Carlos Alberto. Atividade Física na Maturidade: avaliação e prescrição de exercícios. Rio de Janeiro: Shape, 2001.

 

* Edney da Cunha Samias, é Licenciado em Geografia pela Universidade do Estado do Amazonas; é Pesquisador amazonólogo pelo Núcleo de Estudos Estratégicos Pan-Amazônicos; é estudante de Licenciatura e Bacharelado em Educação Física na Universidade do Estado do Amazonas; é Mestre de Capoeira pela Associação de Capoeira Ave Branca do Distrito Federal do Mestre Kall; conhecido no mundo da Capoeira como Mestre Dedão; E reconhecido por muitos Mestres de capoeira como Pai da Gerontocapoeira. Atua na cidade de Tabatinga-Amazonas e faz supervisão nas filiais da Associação de Capoeira Ave Branca na Colômbia e no Peru.

Contato: Celular: (97)9153-4944       E-mail: [email protected]

Web: http://www.avebrancacolombia.es.tl

http://avebranca.esporteblog.com.br

Endereço para correspondência:

Beco Marechal Rondon, 5, Portobras, CEP 69640-000, Tabatinga-Am.

Artigo apresentado a Associação de Capoeira Ave Branca, 2010.

Mestre Pelé, o Gogó de ouro da Bahia

“Iêêêêêêêê!” O chamado de Natalício Neves da Silva, o mestre Pelé, aliado aos primeiros acordes do berimbau, é experiência que, quem viveu, não esquece. Sua voz expressiva é capaz de nos conduzir por 500 anos de história e de nos conscientizar do poder libertador que a roda de capoeira representa.

Mestre Pelé nasceu em 1934. É do tempo em que se jogava capoeira nos finais de feira e nos dias de festa. Também fez parte de uma geração dividida entre a marginalizada capoeira de rua à institucionalizada capoeira nas academias.

Primeira roda – Na infância, Pelé ajudou o pai na luta pela sobrevivência. Fazia carvão, colhia mandioca e tratava a terra. Depois, vendia as mercadorias na capital baiana. Foi assim que chegou à rampa do Mercado Modelo, próxima à igreja Nossa Senhora da Conceição da Praia, onde encontrou a nata da capoeira. “Conheci a capoeira aos 12 anos de idade, quando ia às feiras e às festas populares do recôncavo baiano. Eu ia com meu pai a Muritiba, São Félix e Cachoeira vender carvão. No final do dia, chegavam os ‘senhores’ de toda a região e começavam a brincar para se divertir. Era o povo que dava para o capoeirista o título de mestre, que disputava o título ali no jogo, jogo duro”, lembra. Foi numa dessas rodas que Pelé diz ter conhecido o lendário Besouro Mangangá. E confirma a lenda: “Ele sumia quando queria”.

Lendários – Para o mestre, era entre a Igreja da Conceição e a rampa do Mercado que rolavam as melhores rodas de capoeira da época. Em sua memória estão personagens como Valdemar da Liberdade, Caiçara, Zacarias, Traíra, Angolinha, Avani, Bel e Del (irmãos), Onça Preta, Sete Mola, Cabelo Bom e Bom Cabelo (gêmeos) e Bugalho, que o teria encantado com sua agilidade. “Tinha muita gente importante, naquela época, além de Bimba e Pastinha. Os alunos deles não jogavam muito na rua. Eles evitavam por causa das brigas, não queriam ficar difamados. O pau quebrava e a polícia na cavalaria vivia ‘escarreirando’ os capoeiras; acabando com as rodas. Os capoeiristas, por sua vez, quebravam a polícia no cacete. Bimba e Pastinha queriam evoluir, acabar com essa imagem do capoeira”.

Capoeira de Rua – O aprendizado da maioria dos capoeiristas dessa época era mesmo nas grandes rodas na rampa do Mercado Modelo e nas chamadas festas de largo, que começavam na festa de Nossa Senhora da Conceição da Praia – coração da cidade baixa, próxima ao elevador Lacerda – no dia 1º de dezembro e se prolongavam até o dia 8 do mesmo mês. Depois, vinha a festa de Santa Luzia, freqüentada pelos estivadores (trabalhadores do cais do porto), muitos deles, capoeiristas. “Era o dia todo: banho de mar, samba de roda, samba de viola – que era uma tradição. Todos os ritmos vindos do recôncavo baiano. Nestas festas, reuniam-se os melhores mestres de capoeira e os melhores tocadores de berimbau. Foi num desses momentos que comecei a cantar e a tocar”, relembra.

Foi Bugalho, carregador de embarcações que, nas horas de descanso e nas noites de lua-cheia, ensinou o menino Natalício a gingar nas areia da Praia da Preguiça. “Segui a tradição do meu mestre, Bugalho, um grande tocador de berimbau. Ele era um dos melhores, tocava muito bem o São Bento Grande, principalmente quando era noite de lua. Sentávamos na areia da praia e, quando ele tocava, era possível ouvi-lo na cidade alta”.

Além das rodas da Liberdade nas tardes de domingo, em que o guarda civil Zacarias Boa Morte “tomava conta”, Pelé mostrava sua arte nas rodas de Valdemar da Liberdade, num galpão de palha de dendê, cercado de bambu. “Eu era ligeiro, tinha um sapateado que ajudava muito. Eles não me pagavam. E, quando eu chegava nas rodas da invasão do Corta Braço, no bairro de Pero Vaz, mestre Valdemar dizia: Lá vem Satanás!”

Experiência – Durante 25 anos Pelé deu aulas de capoeira  e, também, no V Batalhão da Polícia Militar. “Naquele tempo, era comum a polícia treinar capoeira”. Além dessas atividades, mestre Pelé participou, ao mesmo tempo, de importantes grupos folclóricos da Bahia como o Viva Bahia. Fez apresentações com o grupo de mestre Canjiquinha, no Belvedere da Praça da Sé, shows para turistas, onde mostrava a capoeira, o maculelê, a puxada de rede e o samba de roda.

Sorrindo muito, Pelé explica que “na capoeira, tudo sai da ginga. A ginga, o molejo e a flexibilidade são importantes para o capoeirista, tanto para defesa quanto para o ataque. Capoeira é uma dança também: a chamada capoeira de compasso, que tem a meia-lua de compasso, um movimento baixo, diferente do rabo de arraia (mais alto e rápido); a ponteira, movimento com a ponta do pé, de baixo para cima, até o queixo; o martelo, atingindo o ombro; a ponta de costela, que é um martelo mais baixo; a benção, que atinge o peito; o giratório – o capoeirista cai para trás e sai girando; o parafuso: giro no solo com a cabeça; caminhada de caranguejo, movimento para frente e para trás, de papo para o ar e com as pernas abertas; canivete – com uma das mãos no chão, encolhe-se o corpo todo na direção das mãos; relógio, gira-se sobre a queda de rim; o coice de burro, que é cair com as duas mãos para frente, levantando os dois pés etc.”.

Retorno – Mestre Pelé ficou longe da capoeira por vinte anos. Foi trazido de volta às rodas pelo projeto de resgate e valorização de mestres antigos, criado pela Associação Brasileira de Capoeira Angola (ABCA). Hoje, ele integra o Conselho de Mestres da associação e participa de eventos importantes. Recentemente, emocionou, com sua voz, quem esteve presente no enterro dos mestres Caiçara, Bom Cabrito e Zacarias Boa Morte, e na missa de sétimo dia de Caiçara.

Na ABCA, Pelé espera conseguir viabilizar o projeto de aposentadoria para mestres com mais de 65 anos de vida e 35 anos de capoeira. “O ministro da Previdência, Waldec Ornelas, já votou a aposentadoria das mães e pais de santo que, como os capoeiristas, também tiveram suas atividades proibidas e perseguidas. Além disso, também vamos conseguir provar que Capoeira Angola é cultura popular, e não arte marcial” finaliza o cantador.

 

Lucia Correia Lima – Jornalista e Diretora de Projetos e Comunicação Social da ABCA

 

Fonte: Revista Capoeira

Referências: http://abca.portalcapoeira.com/

O filho de Xangô, Mestre Tabosa, lança seu livro

Agora muito mais pessoas poderão conhecer esse fenômeno chamado Helio Tabosa de Moraes, mais conhecido como Mestre Tabosa…

Eis que o Mestre resolveu nos brindar com seu livro que, aliás, tal qual o autor, é cheio de surpresas e de uma diversidade enorme de assuntos e de informações, que com certeza preenchem uma triste lacuna que tínhamos, quanto ao registro da vida e obra deste ícone da capoeira e da História do Distrito Federal, seja pela perspectiva da capoeira, da arte em geral e de tudo que diga respeito à identidade que essa cidade já produziu.

Mestre Tabosa representa essa fascinante cultura que Brasilia hoje consagra, que abrange muito mais do que grandes ídolos globalizados em novelas ou no teatro, mas que fixa sua marca no terreno da produção cotidiana, face a face com as pessoas, cidadãos aparentemente comuns e ao mesmo tempo ídolos inquestionáveis de toda uma geração pioneira, fundadora das bases da nossa urbus brasiliensis, que a cada dia deixa menos dúvida sobre a sua maioridade histórica, cultural e identitária.

Mestre Tabosa é uma dessas pessoas raras que a cada século nascem muito poucas! Suas habilidades de capoeirista já viraram lendas da cidade e da capoeira para todos os que tiveram o privilégio de ve-lo em suas performances capoeiristicas…

Dotado de muitas competências distintas, Hélio Tabosa é polivalente de uma maneira muito ampla no que diz respeito aos seus conhecimentos e produções na capoeira.

Foi ele sem dúvida através da Academia Tabosa que promoveu a estação primeira da capoeira em nossa cidade, tornando-se rapidamente o elo de ligação com todo o cosmo capoeirístico mundo afora…

Em 1993, numa viagem a Portugal, adquiri um CD de músicas de Capoeira gravado nos Estados Unidos da America, onde uma música percorriu os diversos Estados do Brasil, mencionando dentro da sua letra os mestres consegrados de cada um desses locais.

Ouvindo bem a letra, na época muito raros os CDs de capoeira, vi que o autor da música, Mestre Deraldo, que vivia na cidade de Boston, Machachussets (tomara que o nome seja assim!), quando diz “axé Brasília, Mestre Tabosa!” me reporta a uma pergunta que tempos depois fiz ao Mestre, levando pra ele uma copia em fita K7 (coisa antiga já, né??!), pois naquele tempo era muito caro fazer-se uma copia de CD: voce conhece esse Mestre aqui, Tabosa? Conheço não!, respondeu o Mestre…

Nesse tempo, Tabosa já estava dividido entre muitos outros assuntos na sua relação com o esporte em sua academia e em diversas outras coisas que fazia. Mas seu nome já havia se consagrado como capoeirista e como mestre de capoeira, nome de Brasilia nos quatro cantos do mundo e da capoeira que por esses cantos se espalhava com a força de um vendaval, ao som dos berimbaus de capoeiristas de diversos Estados brasileiros, em particular Bahia, naturalmente; Rio de Janeiro; São Paulo e de alguns outros lugares em menor escala…

O Mestre Deraldo, por exemplo, é de uma linhagem de capoeira de Santos, do Mestre Sombra de Santos, fundador do Grupo Senzala de Santos, que já havia iniciado o trabalho no exterior através de diversos alunos seus. E ali já se achava o nome do Mestre Tabosa…

O tempo passou. Sempre acontece isso… Mas nada mudou em relação ao nome e a representatividade que Hélio Tabosa traz em sua marca registrada e em sua História de vida. E isso se confunde sempre com a história de Brasilia e da capoeira em geral!

Falar por onde começou a acontecer capoeira em Brasilia, onde tantas coisas se deram, como aulas em salas de escolas publicas; mulheres e homens em turmas mistas fazendo capoeira; treinamento localizado dentro da aula de capoeira, movimentos lindissimos de uma capoeira pura e leve como o vento, tudo isso teve nomes de Brasilia associado e o sobrenome Tabosa estava junto!!

O mais importante evento do início da segunda metade do século XX aconteceu no Rio de Janeiro, o Festival Berimbau de Ouro de Capoeira, surge ali o conceito que se expandiu por todos os rumos por onde andou os ventos da transformação da capoeira em grupos… os grupos assumiram a capoeira. Até então tinha outros nomes, as escolas, os mestres, as linhagens, as divisões de angola e regional, etc., mas o conceito de “grupo” surge ali, com o Grupo Senzala e com ele a inclusão de nomes de Brasilia dentro desse contexto!

Brasilia ganhou a mesma notoriedade que o grupo ganhador do Berimbau de Ouro (na verdade os tres anos que tiveram o concurso). Mas não participou apenas como convidados. Foram decisivas as participações de nossos capoeiristas ali: Tabosa, Cláudio Danadinho, Fritz e Adilson, não eram apenas convidados. Fizeram diferença! Criaram um bloco concorrendo junto com o Grupo Senzala que tornou-se grande parceiro e isso trouxe uma verdadeira revolução para a capoeira desde então.

Parte dessa (r)evolução Brasília desprezou e particularmente o Mestre Tabosa sempre foi contra, que foi a “filiação” de grupos e pessoas de outros lugares ao grupo-matriz, criando assim uma verdadeira indústria dentro da capoeira e expandindo-se em verdadeiras instituições globalizadas em muitos paises, sob a grife daquele grupo ou daquele mestre.

Mestre Tabosa abraçou um fundamento legado pelo seu próprio Mestre, o Mestre Arraia, que era o ensinamento direto, olho no olho, ginga com ginga, como forma de ensinar a capoeira. Ele passou então a ser um combativo crítico das patologias que se seguiram dentro e fora das rodas de capoeira, a violência em primeiro plano e em menor impacto a perda de identidade, o desprezo por tradições fundamentais, particularmente o jogo sem jogo, onde a distancia foi aumentando entre os capoeiristas, deixando a capoeira de ser um diálogo para ser um monólogo simultâneo de dois jogadores. A violência passa a substituir a eficiência, em que Tabosa sempre foi um Mestre!

Aí ele se torna um expectador. Um crítico na roda maior da capoeira, que é a própria vida de todos os seus pares, fora das rodas de jogo, mas inexpugnavelmente dentro das verdadeiras rodas de capoeira de Brasilia. Um observador atento e um Conselheiro para quem o procurasse, sempre equilibrado e sempre demonstrando que a sua Mestria não era de pernas somente, braços e golpes, era e sempre será de um grande líder,que agrega, coordena, une, pondera, e tem sempre propostas sensatas e novas alternativas onde as crises se instalam…

Tabosa se torna referência em outras modalidades de esporte, como no triatlon, na localizada e em outras formas de produção artística e cultural, como no cinema, na música, nas iniciativas governamentais como braço forte e sempre conciliador entre todas as forças e interesses, dentro de um ambiente quase sempre envoltos em nuvens de discórdias, de competição, de jogos sutis ou declarados pela obtenção de destaques ou de privilégios… Tabosa sempre foi um justo e imparcial juiz diante dos conflitos que sempre existiram e sempre existirão na capoeira, enquanto ela for praticada por seres humanos normais, como todos nós!

No seu livro, que é o grande mote deste nosso blogspot, ele além de contar diversas Histórias e estórias acerca da capoeira no DF e em eventos Brasil afora, ele incursiona na História da Afracanidade e da escravidão e mais uma vez é um Mestre que dá lição!

Depoimentos emocionados o exaltam e o consagram.

Fotos que marcaram época na História da capoeira vem de quebra no livro, que se torna assim uma quase enciclopédica epopéia capoeiristica, que ninguém envolvido com a capoeira ou interessando na cultura em geral pode deixar de ter.

Mestre Tabosa É Brasilia. Brasília É Mestre Tabosa…

Ah, e uma ultima coisa, antes de apresentar alguns de seus marcos históricos, não posso deixar de dizer e de registrar, por interesse próprio, que me perdoem os que consideram isso uma atitude interesseira ou não isenta minha: Hélio Tabosa, o Mestre Tabosa, é e sempre será o meu Mestre na Capoeira!

Saiba um pouco sobre o Mestre Tabosa

Hélio Tabosade Moraes, advogado, mais conhecido como Mestre Tabosa, iniciou sua vida profissional como bancário, mas abandonou para ser autônomo,
seguindo sua profissão de talento e coração, a educação.

Estudou várias artes marciais como judô, sumô e esgrima .
Formou os melhores mestres de capoeira e os melhores professores de ginástica de Brasília.
Sua trajetória abrangeu também a ginástica estética que ele chama de “ginástica localizada brasileira” um diferencial na área esportiva, notoriamente conhecida em Brasília.

Em 1964 ingressou na capoeira.
Em 1965 implantou a capoeira na UnB. Em 1967, 1968 e 1969 recebeu, junto com o Grupo Senzala – RJ, o Berimbau de Ouro, a maior honraria de um mestre de capoeira, até hoje talvez não superado ainda.

capoeira; participou como técnico no “Campeonato Brasileiro” realizado em São Paulo.

Em 1978 apresentou aula sobre a capoeira na Escola Aliança Francesa.
Em 1981 recebeu a faixa preta do 1º DAN, de judô.

Em 1983 completou em 10º lugar o “I Triátlon” no Rio de Janeiro; participou da “Meia-Maratona” Bradesco/Correio Braziliense/GDF-DF-DEFER e mais duas “Maratonas” no Rio de Janeiro.

Em 1984 participou do curso do “Ginástica Estética de Academia” do Governo do Distrito Federal, Departamento de Educação Física, Esportes e Recreação.

Em 1987 participou do “Short Triátlon Brasiliense”. A partir de 1988, coordenou várias edições dos JEB (Jogos Escolares Brasileiros) na área da capoeira.

Em 1990 coordenou o 1º Projeto “Jogos Abertos de Brasília de Capoeira”. Atuou como técnico dos primeiros campeonatos da Confederação Brasileira e proferiu palestras sobre a capoeira; aplicou vivência de capoeira na Fundação Cidade da Paz; participou do “Encontro Mundial do Meio Ambiente e os 500 Anos do Descobrimento da América”.

Em 1991 foi jurado no “II Jogos Abertos” do DF; formou a 1ª Mestre de Capoeira mulher.

Em 1992 participou de diversos simpósios de capoeira; colaborou nas “Diretrizes da Capoeira no Brasil”; representou o Brasil no “Encontro Mundial de Artes Marciais”
na Alemanha; foi palestrante do “GEISPORT”; apresentou, de sua autoria, o regulamento que regeu os JEB de capoeira, “Roda de Capoeira Competitiva”;
proferiu palestra para professores do “Programa Escola Comunidade de Ginástica nas Quadras”; manifestou-se pelo resgate da capoeira.

Em 1993 declarou-se contra o clímax da brutalidade entre gangues de Brasília; participou da “Jornada Contra a Violência”,
convidado pela Câmara Legislativa do Distrito Federal; apresentou uma aula sobre a capoeira na “Faculdade de Artes Dulcina de Moraes”.

Em 1997 recebeu, da “Federação de Capoeira do Distrito Federal”, o diploma de honra ao mérito de “Pioneiro na Divulgação da Capoeira no Distrito Federal”.

Em 1996 participou da gravação do CD “Tantas Canções” de Muriel Tabb e Paulo André Tavares;

em 1997 participou do filme “O sonho não acabou” com Lucélia Santos e contracenou com Miguel Falabela e do filme “No Coração dos Deuses” da Aquarela Produções Culturais – um filme de Geraldo Moraes – roteiro longa-metragem sobre a saga dos Bandeirantes. Participou do 114º Aniversário do Sonho-Visão de Dom Bosco com a peça “Brasília Paralelo 15”;

em 2002, Tabosa gravou canções de sua autoria no CD da cantora Muriel Tabb, intitulado “Olhos d´água”.

Hélio Tabosa dividiu o palco com Muriel Tabb e Tico de Moraes, mais de uma vez, na Sala Cássia Eller – FUNARTE, nas salas Villa Lobos e Martins Penna, do Teatro Nacional, na Biblioteca Demonstrativa de Brasília e na Livraria Cultura.

E no apagar das luzes de 2009, somos surpreendidos com essa matéria:

MESTRE TABOSA

Voto de Aplauso foi requerido também, pelo senador Arthur Virgílio, para Hélio Tabosa de Moraes, pela publicação do livro O Filho de Xangô, a respeito da história e prática da capoeira no Brasil.

“Mestre Tabosa, como é conhecido – disse o senador – é figura das mais representativas na área da capoeira. Estudou várias artes marciais, como judô, sumô e esgrima e formou os melhores mestres de capoeira e os melhores professores de ginástica de Brasília. Foi também o responsável pela implantação do ensino da capoeira na Universidade de Brasília (UnB).”

É somente um pouco a respeito de Mestre Tabosa.

Para saber mais, leia o livro…!!

Fonte: http://www.filosofianacapoeira.blogspot.com/

I Batizado e Entrega de Cordas do Projeto Gingando pela Paz no Haiti

Após um ano de labuta realizamos o I Batizado e Entrega de Cordas do Projeto Gingando pela Paz no Haiti. Sem dúvida um momento que irá permanecer em nossas lembranças. Dentre os momentos mais emocionantes, a caminhada pelo bairro de Bel-Air, considerado zona vermelha pela ONU, e o batizado dos nossos alunos, que teve início com o batizado do pequeno Bimba. filho de haitiano e francesa, o pequeno foi registrado com o nome do grande mestre após seus pais assistirem ao documentário, exibido no Centro Cultural do Brascil no Haiti. Um momento marcante.

Mais infomações sobre o evento

Este primeiro ano foi repleto de lutas, muito trabalho, muitas dificuldades, foi sim. Porém, cheio de alegrias e realizações. As dificuldades serviram para testar nossa capacidade de seguir acreditando em nossos sonhos; nossas quedas, para nos ensinar a levantar, sacudir a poeira e seguir caminhando e nossas vitórias para nos mostrar que estamos no caminho certo e que nunca, “nunca-em-tempo-algum”, devemos desistir dos nossos sonhos (recordando Augusto Cury). Devemos seguir reinventando, recriando. Pois cada dia é novo, cada luta é nova e nos renova; cada sede é nova ( inspirado em belo, belíssimo poema de Elisa Lucinda). Devemos seguir nos apaixonando pela vida, pelo bem, pelo desejo de fazer o bem, renovando a nossa fé a cada instante, essa deve ser a nossa oração, sempre, estejamos caídos ou de pé.

Que este ano seja repleto de lutas, pois sem elas não há vitórias, realizações… E que o Grande Arquiteto do Universo nos permita ter sabedoria para elas; que saibamos a hora de pegar em armas e de esperar. E que nossas armas sejam:

C oragem: para arriscar

A stúcia: para enfrentar os obstáculos sem ir de encontro a eles.

P aciência: qualidade essencial para quem deseja ser um vencedor.

O uvir: pois a palavra é prata, mas o silêncio é ouro.

E sperança: sem ela não existe sonhos.

I nteligência: para transformar os momentos difícies em oportunidades de aprendizado.

R esponsabilidade: consigo e com os outros.

A mor: esta Energia maravilhosa capaz de realizar os maiores milagres, de mover a maior de todas as montanhas: a nossa própria vontade.

E, claro, muita Ginga pela Paz, pela Harmonia, pelas coisas bonitas (inspirado em música da Fernandinha Abreu)

Fraternal Abraço a todos em nome da família Gingando pela Paz!

Saudade
Contramestre em Capoeira
Coordonnateur Projet Gingando pela Paz
www.vivario.org.br
Mobile: (509) 38540202
http://flaviosaudade.wordpress.com

Palmares recupera símbolo da religiosidade africana e reinagura Praça dos Orixás

Fundação investe R$ 550 mil na recuperação das peças e atenta para a responsabilidade da manutenção do patrimônio público

A Fundação Cultural Palmares, vinculada ao Ministério da Cultura, investiu R$ 730 mil reais na recuperação das estatuas dos Orixás do escultor baiano Tatti Moreno e no evento de reinauguração da Praça dos Orixás, em Brasília. O presidente da Fundação, Zulu Araújo, representará o Ministro da Cultura, Juca Ferreira, no evento que começa a partir das 18h no dia 31 de dezembro. Antes da abertura religiosa com o cortejo a Yemanjá, terá apresentação dos grupos Filhos de Gandhy e Banda Ase Dudu.

As estátuas são réplicas das esculturas instaladas no Dique do Tororó, em Salvador, e foram decapitadas e queimadas em forte indicio de intolerância religiosa. A depredação começou ainda em 2005, mas em 2007, 12 das 16 estátuas foram destruídas.

“É um momento histórico para os adeptos das religiões de matriz áfrica, para os negros, para a Palmares, para o Ministério da Cultura e mais, é um momento histórico para o exercício da cidadania e da democracia em nosso País”, afirma Zulu Araújo.

Para Zulu a restauração das estatuas e a reinaguração da praça representa uma resposta ao ato de vandalismo de quem deveria manter a paz, a harmonia e o respeito ao próximo. “É uma clara manifestação de segmentos religiosos neopentecostais. “O direito ao culto religioso é uma garantia da Constituição Federal e destruir símbolos das religiões africanas não é um desrespeito apenas a fé das pessoas, mas sim a nossa Constituição”.

O processo demorou quase dois anos, explica Zulu. “Foi uma grande batalha a disponibilização de recursos para cumprir nosso papel de enfrentar a intolerância religiosa. Conseguimos o dinheiro, recuperamos os símbolos e agora é preciso que o Governo do Distrito Federal (GDF) cumpra também o seu papel, que é defender o patrimônio público e punir os atos de vandalismo como eles devem ser punidos. Queremos o mesmo tratamento que é dado aos outros espaços públicos, como a Igrejinha da asa Sul, por exemplo, quando ela pegou fogo o GDF deu um jeito de garantir sua recuperação e a praça dos Orixás deve ter o mesmo tratamento e ser qualificado urbanisticamente, com segurança, iluminação, limpeza”.

Além de Zulu Araújo, estarão presentes da solenidade de reinaugaração da Praça dos Orixás, o Ministro da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Paulo Vannchi e os presidente da FBEUC, mãe Marinalva, do Ilê Asé Ode, pai Ribamar e da Sociedade Religiosa Ilê Oxum Opó Afonjá Oni Xangô, pai Raimundo.

Local:

Ponte Costa e Silva (Prainha)

Programação:

18h – Solenidade de reinauguração da Praça

19h – Apresentação dos Filhos de Gandhy

20h – Apresentação cultural da Banda Ase Dudu

21h – Abertura religiosa – cortejo a Yemanjá

Valores:

Recuperação das peças – R$ 550 mil

Reinauguração da Praça dos Orixás – R$ 180 mil

Assessoria de Comunicação
Fundação Cultural Palmares
Ministério da Cultura
(61) 3424 0166 / 0162
(61) 9773 6006
www.palmares.gov.br

Clube Nacional de Gymnastica: Uma grande Promessa

Diário de Notícias, RIO, 1º de setembro de 1931

Realizámos um verdadeiro “tour de force”, arrancando de Agenor Sampaio alguns dados sobre a sua longa e proficua actividade sportiva. Muito tempo gastámos em convence-lo, em arranjar argumentos capazes de remover a sua resistencia passiva, porém, diffícil de ser vencida. Triumphámos, finalmente. Assim, podemos offerecer aos nossos leitores algo sobre a vida de Agenor Sampaio.

UM ATHLETA QUE SURGE

Comecei a minha vida sportiva – disse o Sinhôzinho, preliminarmente – em 1904, no Club Esperia de S. Paulo; como socio-alumno. Ahi me mantive até 1905, quando fui para o Club Athletico Paulistano, que foi o primeiro club do Brasil que teve piscina.

Houve um movimento dissidente no football de então, de modo que me transferi para a Associação Athletica das Palmeiras, que havia feito fusão com o Club de Regatas São Paulo. Ahi, em companhia de Itaborahy Lima, José Rubião, Hugo de Moraes e mais alguns amigos, comecei a praticar com enthusiasmo a gymnastica, tendo por exemplo Cícero Marques e Albino Barbosa, que eram, naquelle tempo, os maiores athletas do Brasil.

A CONTRIBUIÇÃO DO CELEBRE AVIADOR EDÚ CHAVES

– Mais tarde ” prosseguiu o nosso entrevistado ” com a vinda de Edú Chaves da Europa, novos ensinamentos nos foram ministrados, dos quaes a luta greco-romana, box francez (savata) e a gymnastica em apparelhos foram os mais importantes.
Em 1907, ingressei no Club Força e Coragem, que obedecia à direcção do professor Pedro Pucceti. Continuei os exercícios que sabia e outros mais, que aprendera com o referido mestre.

OS PRIMEIROS TRIUMPHOS EM LUTA ROMANA

– E praticou desde logo a luta romana?
– Sim, em 1907, obtive os meus primeiros sucessos nesta luta e tive occasião de vencer o torneio da minha categoria.

RIO, CIDADE AMIGA E HOSPITALEIRA

– Em 1908, mudei-me para esta capital, de onde jamais me afastei. O Rio é uma cidade encantadora pelos seus recursos naturaes e captivante pela lhaneza dos cariocas, que são extremamente hospitaleiros.
Fui um dos fundadores do Centro de Cultura Physica Enéas Campello, que teve o seu período de fastigio no sport carioca. Ali, ao lado de João Baldi, Heraclito Max, Jayme Ferreira e o saudoso Zenha, distingui-me em diversas provas em que tomei parte.

Nota complementar:
Para saber mais sobre Mestre Sinhozinho, recomendamos o livro “Capoeiragem do Rio Antigo – Rudolf Hermanny e Mestre Sinhozinho” – 2002, de André Luiz Lace Lopes.

Fonte: www.jornalexpress.com.br

Piracicaba: Capoeira para todos

Capoeira para todos: Crianças e adolescentes Interesse por atividade amplia em cerca de 250% a participação em aulas desenvolvidas na periferia

O projeto Capoeira na Periferia fechou o ano de 2009 com um índice positivo em seus atendimentos. A média, que no ano de 2008 era de 50 crianças e adolescentes, no ano passado chegou entre 180 e 200 asssistências.

No balanço geral, José Manuel do Nascimento, coordenador do programa, conta que a procura pelas atividades aumentou consideravelmente, mas que ainda há muito trabalho a ser feito. “Aumentou o interesse pela capoeira, hip-hop, pop, axé e break. As pessoas passaram a tomar conhecimento da entidade e isso é muito gratificante”, afirmou Nascimento.

COMEMORAÇÃO. Na festa de encerramento das atividades do projeto, realizada esta semana, Nascimento falou sobre as boas perspectivas para o projeto, que ganhará mais força em 2010. A ideia é proporcionar aulas gratuitas de reforço escolar em diversas disciplinas. “O reforço será para alunos do ensino fundamental – até a 5ª série. Os professores são voluntários e irão receber apenas uma pequena ajuda de custo. Essa é mais uma vitória para os nossos jovens”, afirmou o coordenador.

Ele disse ainda que o projeto segue em 2010 com aulas de coral de flautas doces, capoeira, hip-hop, pop, axé e break e ganha também a modalidade funk consciente. “Sem aquelas letras que só ensinam bobagem para os jovens”, frisa.

Alunos trocam de cordão

Os alunos do projeto participaram de um dia especial para marcar o encerramento das atividades de 2009. Durante a festa, foram entregues cordões de capoeira para alunos já preparados.

Para a aluna de capoeira, Daizy Caroline Fernandes, 11, as atividades são oportunidades únicas para os jovens da comunidade, que não teriam a mesma chance se não fosse pelo projeto. “Comecei a fazer capoeira em setembro, venho depois do colégio e agora estou ainda mais feliz com a ampliação das atividades.”

Um dos mais animados era Rafael Lima de Melo, 8, que recebeu o cordão verde. “Estou super feliz!”

ASSISTÊNCIA

200 crianças e adolescentes foram atendidos em 2009

PRISCILLA PEREZ
Da Gazeta de Piracicaba
[email protected]

Fonte: http://www.gazetadepiracicaba.com.br