Blog

brasileiros

Vendo Artigos etiquetados em: brasileiros

Permangolinha 2010

Permangolinha , uma pequena intervenção Agropercologica , capoeira Angola , construção natural ,pintura e técnica de adobe , taipa telada além de construção de um pequeno tanque de captação para agua de chuva com Terra cimento e a casa ecológica . Permacultura: Criada na Austrália na década de 70 e atualmente difundida pelo mundo, Permacultura reúne conhecimento tradicional e novas técnicas no intuito de criar soluções permanentes

Permangolinha: De 5 a 8 agosto de 2010

Presenças Confirmadas:

  • Mestre Lua santana (Oca da minhoca)
  • Serelepe (Ipoema)
  • Isabel Modecri (abelhas)
  • Cabelo e Tizza (fazenda ouro verde )
  • Leandro (energia renovável)

 

Contribuição:

Brasileiros $ 150 reais ate o dia 30 de junho com direito a 3 refeicoes e local para acampamento (depois do dia 30,de junho será R$ 200 reais

Estrangeiros – Europa e USA : 150 dolares As inscrições devem ser realizadas por e-mail e com o depósito de R$ 50,00 em conta corrente com comprovante de pagamento scaneado.

O pagamento da inscrição garante a vaga no curso.

As vagas são limitadas

 

E-mail: cobramansa@hotmail.com

deposito em Nome de Cinezio Feliciano Pecanha

Banco -Bradesco
Agencia 03666-8
Conta corrente n. 0523008-0

cpf 3571278335-68

por favor me avisar assim que for depositado obrigado

A Revolução de 2 de Julho de 1823

Às margens do Ipiranga nada. Foi no Recôncavo que o Brasil se libertou.

Se não fosse pela Bahia, a independência do Brasil não teria ocorrido. Duvida?

Em 7 de setembro de 1822, quando D. Pedro lançava para a História o seu famoso mote, apenas um pedaço do país podia se considerar de fato livre. “Independência ou morte” ainda era a sangrenta aspiração de várias outras províncias. As batalhas tomaram conta da Bahia em fevereiro daquele ano, e só terminariam em 2 de julho de 1823.

Por que, então, os baianos deveriam celebrar o Sete de Setembro? Dois de Julho é sua festa oficial — a maior e mais popular. As comemorações têm início no município de Cachoeira, onde é acesa uma tocha simbólica em homenagem aos heróis. Prosseguem pelas cidades de Saubara, Santo Amaro da Purificação, São Francisco do Conde, Candeias e Simões Filho até chegar ao bairro do Pirajá, em Salvador, ainda no dia 1º. Ao amanhecer do dia 2, o cortejo segue para a Lapinha onde ocorre o “encontro dos caboclos”. Após percorrer as ruas do Centro Histórico, terminam no Campo Grande, com o acendimento da pira dentro do Parthenon, junto aos restos mortais do general Pedro Labatut – mártir da independência.

Em 2008, pela primeira vez a capital do estado é transferida simbolicamente para Cachoeira, principal núcleo de resistência às tropas de Lisboa. Lá, o governador se reúne com representantes dos municípios que à época reconheceram a autoridade soberana do príncipe D. Pedro. Para os próximos anos, a transferência da capital está incorporada ao calendário da festa.

E o sol da liberdade, em raios fúlgidos, brilha mesmo é no céu do Recôncavo.

O exelente texto de Filipe Monteiro e Mariana Benjamin ( Revista de História da Biblioteca Nacional), acima apresentado, foi a inspiração para acionar o amigo e parceiro, sediado em Salvador, prof. Acúrsio Esteves o qual acompanhado pelo Prof. Luciano Meron nos brindou com esta fantástica reflexão sobre o contexto histórico e a Independência da Bahia.

Matéria Especial de Aniversário.

 

A Revolução de 2 de Julho de 1823

Prof. Acúrsio esteves / Prof. Luciano Meron – Julho 2009

A Missão

Recebi de Milani a tarefa de verificar possíveis indícios de participação de capoeiristas nas lutas pela independência da Bahia. Diligente, fui pesquisar nas bibliotecas de Salvador e no Instituto Histórico e Geográfico da Bahia, presidido pela historiadora professora Consuelo Pondé, e não encontrei um registro sequer de tal participação de forma organizada ou reconhecida, como foi na Guerra do Paraguai.

É óbvio, porém, que as batalhas acontecendo em Salvador e recôncavo baiano, – Cachoeira, São Félix, Maragogipe, Santo Amaro, Itaparica, São Francisco do Conde dentre outras cidades – berço dos capoeiristas mais famosos da Bahia, eles estavam com certeza presentes nas referidas contendas. Esta certeza se dá porque as tropas brasileiras eram compostas de pessoas comuns, brasileiros baianos que se revoltaram com a situação de jugo e literalmente “partiram pra cima” dos lusitanos. Entre eles, é claro, devia haver muitos capoeiras.

Porém, não temos elementos factuais, históricos, para afirmar que esta participação foi resultado de uma ação organizada dos capoeiras. Eles também estavam lá como o lavrador, o boiadeiro, o sapateiro e o escravo.

Porém, temos a certeza de que se não tivesse havido a revolta dos baianos contra os portugueses que insistiam em permanecer no Brasil após o grito de independência dado por D. Pedro I às margens do riacho Ipiranga, o mapa do nosso país seria hoje muito diferente do que é.

Um Pouco de História

Madrugada de 2 de julho de 1823. As tropas portuguesas que permaneceram no Brasil ocupando a Bahia após o “grito de independência” dado por D.Pedro I em 7 de setembro de 1822, desocupam a cidade do Salvador e evadem pelo porto. Depois de 18 meses de batalhas os cidadãos baianos voltam a ter controle sobre sua capital, a segunda mais importante cidade do Brasil no século XVIII. As tropas de Madeira de Melo perdiam a batalha.

Os gritos de independência ecoavam na Bahia décadas antes do movimento separatista de 1822. A Conjuração Baiana, de 1798, já conclamava a população a lutar pela independência. A ebulição política provocada pelo retorno de D. João VI, em abril de 1821, a Portugal e a posição das elites lusitanas de manter o Brasil como colônia ressuscitaram o velho ideal separatista.

À medida que se formava um bloco político ao redor de D. Pedro I, no intuito de consolidar os interesses nacionais, as relações entre portugueses e brasileiros se deterioravam. Autoridades portuguesas, especialmente militares, se colocavam abertamente contra lideranças brasileiras que criticavam o domínio lusitano. Na Bahia os atritos chegariam às ruas e confrontos entre unidades militares portuguesas e brasileiras começaram a ocorrer. Populares baianos apedrejavam portugueses em ruas da cidade. O clima era tenso.

Prevendo o pior, as autoridades portuguesas modificam o comando das forças estacionadas na Bahia, em janeiro de 1822. É nomeado o brigadeiro Inácio Luís Madeira de Melo como Comandante das Armas da província. Este procuraria apoio nos portugueses que viviam na cidade, especialmente comerciantes, que eram favoráveis á manutenção da dominação. Os primeiros atritos ocorreriam neste período, com a guarnição do Forte de São Pedro se rebelando e tiroteios sendo deflagrados pela cidade. À caça de revoltosos, tropas portuguesas invadiriam o Convento da Lapa, acarretando na morte da abadessa Joana Angélica.

Os conflitos provocaram o esvaziamento da cidade e a chegada de tropas – vindas do Rio de Janeiro – para reforçar as unidades lusitanas apressaram o processo. A guerra estava a um passo.

Cachoeira: Adesão à D. Pedro

A tensão política e os primeiros conflitos na Cidade do Salvador culminaram com a ruptura em relação à metrópole. A vila de Cachoeira manifesta-se favorável a que a Bahia passasse para a regência de D. PedroI, no Rio, ato que é logo seguido por outras vilas do recôncavo.

Uma Junta Conciliatória de Defesa é formada na cidade, aonde voluntários vindos do interior passam a ser treinados e defesas começam a ser organizadas em pontos estratégicos. As tropas profissionais que havia no Brasil eram predominantemente portuguesas, o que criou uma série de dificuldades para os separatistas. Era necessário treinar homens sem a menor experiência militar para lutar contra soldados experimentados e protegidos por fortalezas que cercavam a cidade. Daí a razão para a contratação de militares estrangeiros, como o oficial francês Pierre Labatut.

Ainda no recôncavo baiano seriam travados combates e escaramuças do tipo guerrilha, onde estes voluntários teriam grande importância. É nesta época que surge a figura de Maria Quitéria, que se travestiria de homem para se juntar às unidades que combatiam os portugueses.

Ainda em Cachoeira é organizado um novo governo, para comandar a resistência, a 22 de setembro de 1822, sob a presidência de Miguel Calmon do Pin e Almeida, futuro Marquês de Abrantes.

A Luta por Salvador

O Gen. Madeira de Melo tinha a vantagem de ter o porto como uma porta de entrada e saída da cidade em seu poder, mas, em contra partida tinha a península sob a ameaça das forças que vinham do recôncavo.
Neste contexto, dominar a Estrada das Boiadas era fundamental para sitiar a cidade. Esta estrada ligava Salvador ao norte da Bahia, num ponto em que hoje é conhecido como Pirajá, além disso, o domínio dessa região permitiria controle sobre a enseada de Itapagipe.

Desenho alusivo à Independência da Bahia, representando a participação do nativo brasileiro nas batalhas que levaram este estado à completa emancipação de Portugal. A Mesmo mal armados, com tropas heterogêneas _ contanto até com escravos _ predominando pessoas do povo, as forças patrióticas resistiram e aos poucos fecharam o cerco sobre a cidade. Soldados convergiam de várias áreas no esforço contra as unidades lusitanas, que tinham a confiança na vitória, já que predominava a inexperiência entre os brasileiros.  

No início de novembro de 1822, Madeira de Melo tentou romper o cerco: Ao amanhecer de 8, a Infantaria portuguesa desembarcou em Itacaranha e Plataforma; Ao mesmo tempo outras tropas atacaram Cabrito, ameaçando a retaguarda brasileira. Após cinco horas de violentos combates, sem um resultado decisivo, as tropas brasileiras começaram a recuar. Temiam um envolvimento e, conseqüentemente, um cerco. Neste instante ocorreu um fato duvidoso, mas extremamente curioso. O corneteiro Luis Lopes ao invés de tocar o recuo, ordenou o avanço da cavalaria com o som de “avançar e degolar”.

As forças lusitanas se aterrorizaram, acreditando haver reservas de cavalaria entre os nacionalistas. A confusão foi geral. Os oficias brasileiros perceberam a oportunidade de passaram à posição ofensiva, forçando as unidades de Madeira de Melo a abandonarem o campo de batalha.

Desesperado e na defensiva, Madeira de Melo ainda tentaria um assalto à Ilha de Itaparica, em janeiro de 1823, mas as forças locais resistiram ao assalto das embarcações de guerra e da infantaria lusitana. No mês seguinte algo parecido seria tentado pela região de Itapoã, mas, mais uma vez, as forças sitiadas fracassaram. O fim era uma questão de tempo.

A reviravolta se deu plenamente com a chegada de uma frota, vinda do Rio de Janeiro, com oito embarcações que apoiariam os baianos. Como ocorreu com o exército patriótico, a força naval necessitava de homens e oficiais experimentados, assim à frente dessa pequena esquadra estava o almirante inglês Lord Thomas Cochrane.

Com um cerco de mais de 11 mil homens e vários navios, Madeira de Melo se via sem alternativas. Em fins de junho decide por abandonar a cidade e aproveitando brechas no cerco naval evacua seus homens. Salvador passava novamente às mãos dos brasileiros e o Brasil, verdadeiramente livre.

 


  • Outras Informações (Fontes Externas):

Personagens Relevantes:

Caboclo e Cabocla:

Estas figuras simbólicas foram criadas para homenagear os batalhões e os heróis de 1823 que, pela bravura e coragem, lutaram pela liberdade do Brasil. A história conta que o povo resolveu fazer sua própria comemoração e, em 1826, levou uma escultura de um índio para representar as tropas, já que não poderia ser um homem branco, porque lembrava os portugueses, nem os negros que, na época, não eram valorizados. Vinte anos depois, a Cabocla foi incluída nas comemorações.

Maria Quitéria:

A maior heroína nas lutas pela independência do Brasil, na Bahia. Maria, ao ficar sabendo das movimentações sobre as lutas da independência, conseguiu uma farda do exército e se alistou para combater as tropas portuguesas. Participou de diversas batalhas e foi consagrada solenemente na chegada do exército à Salvador.

Joana Angélica:

Abadessa no convento da Lapa, Joana tentou proteger os soldados brasileiros contra a invasão do convento, mas acabou sendo morta.

Brigadeiro Ignácio Luiz Madeira de Mello:

Vindo de Portugal, assumiu o governo das Armas por imposição portuguesa. Tomou posse utilizando a força bruta e dominando a cidade de Salvador. Fortaleceu a relação entre Portugal e Bahia. Lutou contra o exército brasileiro.

General Pedro Labatut:

Foi quem assumiu o exército brasileiro das mãos do coronel Joaquim Pires de Carvalho e começou a enfrentar o exército português. Um homem duro, Labatut conseguiu reestruturar as tropas e reerguer a vontade pela liberdade do Brasil.

Coronel José Joaquim de Lima e Silva:

Assumiu o comando geral do exército brasileiro depois da prisão do general Pedro Labatut. Fez uma intensa ofensiva às tropas portuguesas. Conseguiu derrubar Madeira de Mello e assumir de volta a cidade de Salvador, vencendo a guerra.

 

O Brasão:

Com a independência política da Bahia foi necessário criar um Brasão de Armas. Ele tinha que representar os valores materiais e simbólicos da conquista, sem esquecer das batalhas e lutas que foram necessárias. Muitos estudos foram realizados e o povo teve a oportunidade de interferir. As idéias populares tornaram-se projetos na Assembléia Legislativa, em 1947.

Depois de analisados os projetos, a Câmara dos Deputados teve,em mãos, um projeto que reunia todos os pontos de vista, quer heráldico, político, espiritual ou tradicional e assim foi criado o Brasão ao 2 de Julho.

Curiosidades:

Uma luta tão duradoura, tão visceralmente ligada às aspirações de um povo, deixou um variado legado no folclore.

O historiador José Calasans registrou algumas quadrinhas que eram cantadas, de ambos os lados (portugueses e brasileiros):

Alegoria do “Caboclo”
* Dos portugueses, parodiando o Hino do Brasil:

Brava gente brasileira
Do gentio da Guiné
Que deixou as cinco chagas
Pelos ramos do café.

“cinco chagas” referia-se à bandeira portuguesa
“ramos do café”, alusão à bandeira adotada por Pedro I.

* Dos brasileiros, contra seus adversários, as quadrinhas:

Labatut jurou a Pedro,
Quando lhe beijou a mão,
Botar fora da Bahia
Esta maldita nação!

O Madeira queria
se coroar!
Botou uma sorte,
Saiu-lhe um azar!

 

Fontes:

http://www.revistadehistoria.com.br

http://ibahia.globo.com/especiais/2dejulho/

Capoeira do Acre no Peru

Grupo chama a atenção de turistas de vários lugares do mundo durante Semana da Amazônia Brasileira em Cusco mostrando o esporte como ferramenta para integração

Não foram somente debates, seminários, exposições e rodadas de negócios que promovem o intercâmbio entre brasileiros e peruanos durante a Semana da Amazônia Brasileira, realizada em Cusco pelo Governo do Acre. O esporte também é uma ferramenta importante como incentivo à integração e esteve presente na agenda de atividades. Desde a última segunda-feira, 25, o Grupo Cordão de Ouro realiza apresentações e oficinas na Praça Regocijo, no centro da cidade peruana.

A altitude não ajuda muito os atletas. O ar rarefeito típico das regiões altas, pesa e diminui a pressão da atmosfera, causando grande dificuldade de respiração. A sensação de cansaço e falta de ar é grande. Mas não foi suficiente para tirar a disposição e a alegria típica de uma roda de capoeira.

O Mestre Francisco Alexandre, conhecido como Xandão, está à frente do grupo que durante essa semana apresenta um pouco da riqueza desse esporte tipicamente brasileiro. A capoeira, segundo ele, sempre atrai a atenção de pessoas do mundo todo por seu ritmo e gingado. “Hoje estamos com unidades do grupo também aqui no Peru, abrindo turmas aqui, porque há um interesse grande pelo esporte”, afirmou.

Para o professor, participar da Semana da Amazônia Brasileira em Cusco foi um momento importante, e a capoeira contribuiu para o objetivo de promover a integração. Prova disso foram as rodas, sempre no fim da tarde, que reuniram pessoas de diferentes nacionalidades, seja para jogar ou simplesmente assistir batendo palmas. E depois da apresentação, quem quisesse, ainda podia participar da oficina de capoeira realizada na praça mesmo, ao ar livre. “O Governo do Estado está de parabéns pela iniciativa, e o esporte é sem dúvida um importante instrumento de integração. Apesar do cansaço, a gente não consegue ficar muito tempo na roda, mas isso não tira nossa satisfação e alegria em participar”.

A turista Sophia Laurant veio da França para passear em Cusco e não resistiu a uma parada na roda de capoeira. “Conheço muitos brasileiros na França que praticam o esporte. Por isso já conheço o esporte. Eu acho um esporte bonito porque é uma luta que mistura dança, e tem uns passos diferentes”.

O brasileiro Celso Bess mora em Cusco onde é professor de português. Ele disse que já esperava esse momento de integração entre os moradores dos dois países. “Não tem como não acontecer. E a partir de agora esse movimento vai acontecer muito mais rapidamente com a abertura da estrada no próximo ano e com iniciativas como essa, de promoção de conhecimento entre brasileiros e peruanos. Eu não conheço o Acre, mas com certeza irei em breve”, disse o professor após ter participado da roda. “Até eu que já estou acostumado com a altitude me cansei. Mas foi divertido”. 

* Pessoas de diferentes nacionalidades participaram da roda em praça pública (Foto: Sérgio Vale/Secom)

Fonte:  Agência de Notícias do Acre – http://www.agencia.ac.gov.br/

Guerreando pra sorrir

13 de maio, Abolição da Escravatura e Dia Nacional de Denúncia contra o Racismo

  “Guerreando pra sorrir”
 A lição do meu avô, que casou com minha avó e pariu a minha mãe

Abolição, palavra carregada de sentidos, dores, afetos e interpretações as mais diversas. Palavra que incendiou corações e mentes no século XIX e estimulou discussões apaixonadas sobre a vida, a liberdade e o futuro da humanidade. Símbolo que titulou movimentos libertários e tornou-se o principal combustível para a entrada do Brasil no século XX. Conteúdo concreto que povoou os sonhos de milhões de brasileiros ao longo de quase 400 anos. Mas, apesar de tudo isso, há uma forte inquietação quanto ao seu significado nos dias de hoje.

Vivemos momentos de perplexidade diante de tanta polêmica e reações indignadas por parte de setores da sociedade brasileira. Isso, por causa das políticas públicas, implementadas para a promoção da igualdade racial no Brasil, mais conhecidas como políticas de ações afirmativas. Por isso, vale perguntar: Para que conquistamos a Abolição? Que idéia ou sentido de liberdade gerada por este ato deve orientar nossas ações nos dias de hoje?

O poeta José Carlos Capinam, ícone do movimento tropicalista nos anos 1960, nos dá uma pista. Com versos poéticos e precisos, no poema/canção Abolição, ele nos ensina: “Acabar com a tristeza, com a pobreza e o apartheid, não fazer da humanidade, a metade da metade, parte branca, parte negra”. Pois bem, é com esses versos na cabeça e um tanto de emoção, que gostaria de responder às indagações acima.

Abolição para que a sociedade brasileira conquiste a cidadania plena, o desenvolvimento econômico e social, para que todos seus filhos, independente da cor da pele, de sua origem social ou opção religiosa possam ser tratados com dignidade e igualdade, conforme a Constituição. Mas também para que, em seu nome e em nome de milhões de brasileiros e brasileiras, que empunharam essa bandeira com coragem e distinção, impeçamos que a desigualdade, o racismo e a discriminação, gerados por séculos, naturalizem-se em nosso cotidiano, como parte do nosso jeito mestiço de ser.

Abolição para sensibilizar e conscientizar os homens e mulheres que dirigem o país, em especial aqueles que nos representam na Justiça e no Parlamento, de que a promoção da igualdade racial não pode ser apenas o recheio mágico de discursos vazios sobre a beleza da mestiçagem, o encanto das mulatas etc. Ainda mais quando estudos e pesquisas apontam para a iniqüidade das relações raciais no Brasil, a exemplo do uso do critério da “boa aparência”, que leva à exclusão milhões de brasileiros e dificulta a eles o acesso a determinados nichos do mercado de trabalho, como a publicidade, a moda e a televisão.

Abolição para impedir que o conservadorismo e o medo que latifundiários impingem ao campo, sempre que tratamos de regularização da terra, nos leve a ignorar a presença de milhões de remanescentes de quilombos, que, apesar de tanta dor e indiferença, continuam resistindo nos rincões do país, com a viva esperança de que a abolição os alcance de fato e assim possam ter acesso àquilo que lhes pertencem por justiça e direito.

Abolição para superarmos a abissal diferença entre a qualidade do ensino público e privado e a exclusão de um enorme contingente de jovens brasileiros do ensino superior. Afinal, o Brasil contemporâneo, aberto, criativo e plural não pode entregar à própria sorte parte da juventude brasileira a grupos de extermínio e a narcotraficantes. Reconhecer esse direito e possibilitar a reparação histórica por meio da ampliação do acesso desses jovens às universidades públicas é mais que um dever, é um compromisso com o futuro do país.

Portanto, a celebração desses 121 anos da abolição da escravatura no Brasil, só tem sentido se, de um lado, debelarmos a hipocrisia que grassa na sociedade quanto à questão racial (todos consideram que existe racismo no Brasil, mas ninguém se intitula enquanto agente de tal crime), e, de outro, dermos conteúdo real às aspirações de mais da metade da população brasileira. Ou seja, é preciso instaurar a abolição definitiva da discriminação, que ainda persiste no Brasil, por meio de ações concretas que levem à promoção da igualdade racial e social. E nada melhor que o poeta Capinam para nos inspirar: “Abolir essa careta, que esconde a Natureza e que me faz ser teu irmão. Abolindo a velha intriga e guerreando pra sorrir”.

Zulu Araújo
Presidente da Fundação Cultural Palmares

Capoeira, prostitutas e ronaldinhos

Nesta matéria retirada do conceituado Jornal O Estado de São Paulo, Mônica Manir, faz uma dura critica a atual situação de rispidez” e o “espiríto da xenofobia e intolerância” que reina entre o Brasil e a Espanha. A jornalista ainda faz uma analogia ao estereótipo cultural brasileiro, produto de exporação e coloca a Capoeira junto com a MPB como nossa principal diplomata.

Leiam o texto e reflitam…

Luciano Milani

Para estudiosa da xenofobia, a imagem do País lá fora pode influenciar decisões na alfândega

Mônica Manir – O Estado de S.Paulo

SÃO PAULO – A professora da Unesp Dalva Aleixo Dias morou na Espanha de dezembro de 1996 a agosto de 1999. Foi fazer doutorado em ciências da informação, cujo foco era “imprensa e imigrantes, a questão da xenofobia e do racismo”. Confirmou o que supunha: muitos jornais associavam manchetes negativas ao imigrante, ainda que o imigrante estivesse apenas fazendo uma ingênua festa de aniversário na sua comunidade. Por uma ingenuidade, Dalba, como era oficialmente chamada, quase foi extraditada depois de uma resposta atravessada a um funcionário da estrangería, que desabafou: “Não preciso de documento algum seu, só quero que vocês todos voltem para o seu país”.

Conseguiu ficar até o final dos estudos. Conseguiu, inclusive, fazer amigos na Espanha. A lição que aprendeu é que a cultura da xenofobia contamina o institucional, principalmente em tempos de desemprego e de eleição no país de destino. Ainda que se cumpram as regras para passar pela fronteira, sobrevive uma imagem petrificada, que pode contaminar o futuro do imigrante. No caso do Brasil, a prostituição, o mundo do entretenimento e o futebol ainda compõem a moldura do nosso espelho. Que, aparentemente, deu uma trincada. Dalva reclama que só conhece acordos feitos para proteger o país de destino. “Tirando o dos exilados, não sei de um tratado que se preocupe com os imigrantes.”

A Espanha barrou a entrada de aproximadamente 950 brasileiros em pouco mais de dois meses, quase um terço do total de deportados ao longo de todo o ano passado. Há uma perseguição espanhola contra os brasileiros?

Existe uma lista de documentos que precisa ser preenchida quando se viaja para um determinado país. Ela deve ser cumprida, daqui para lá e vice-versa. A triagem, aliás, deveria ser feita no próprio consulado. Melhor do que deixá-la na mão de um funcionário da alfândega, que tem poder de polícia e pode barrar um imigrante durante 27 horas até a entrevista ou mesmo chamá-lo de cachorro (filhote) ou perro (cachorro). Muitas vezes esse funcionário não conhece a cultura do estrangeiro e baseia o aval ou a deportação numa visão preconceituosa.

Qual é a imagem dos brasileiros na Espanha?

Não somos vistos como latino-americanos, e sim como uma mescla de indígenas com africanos, junção de homem selvagem com homem irracional. Lembro de um documentário espanhol sobre o Brasil em que se lia a carta de Pero Vaz de Caminha com mulatas de fio dental ao fundo. Esse é o estereótipo. Quando vêem que alguns de nós têm traços que fogem ao padrão, recorrem a nossa ascendência para nos enquadrar como europeus. Vale a lei do sangue. Dizem: “Você não é mulata nem dança samba, então não é brasileira”. Mostrar que temos várias identidades, que as mulheres brasileiras podem, por exemplo, fazer faculdade, mestrado, doutorado parece inconcebível.

Contribui para esse estereótipo o fato de as brasileiras serem prostitutas muito requisitadas lá?

Sim, elas são as prostitutas mais bem-sucedidas. Recebem cerca de 20 salários mínimos por mês. Conheci cubanas que se faziam passar por brasileiras para conseguir mais clientes. A maioria já era prostituta no Brasil, algumas delas com filhos e muitas delas migrantes internas. Saem do Nordeste, do Norte e do Centro-Oeste em direção ao Rio e São Paulo atrás de um lugar para ganhar o pão. Quando requisitadas para trabalhar na Europa, vão contratadas legalmente como dançarinas. Trabalham de março a dezembro, das 22h às 5h, na sala de fiestas, onde fazem shows seguidos de programas. Ganham bem, mas à custa de uma vida socialmente clandestina.

Elas não são donas de seus passaportes?

Não. O passaporte é retido pelo proprietário da boate, para quem elas já partem daqui devendo o dinheiro da passagem. Vivem sob vigilância cerrada. Até mesmo o taxista que as leva para o apartamento onde moram é contratado pelo dono da sala. As prostitutas não saem por nada, não convivem com a comunidade, compras de supermercado chegam até elas. Passam o dia assistindo à televisão, onde a imagem que se vê do Brasil é das piores.

Saem enganadas daqui?

O jogo para elas é claro. E as condições ruins nas quais sempre viveram as mantêm, de certa forma, conformadas com a nova situação. Mas acalentam o sonho de comprar uma casa para a família que ficou no Brasil e de casar com um europeu que aceite seu filho.

Há muitos garotos de programa também?

Sim, embora eu saiba de mais garotos de programa em Portugal. São contratados como animadores de festas na Espanha. Vi muitos com 18, 20 anos. As prostitutas têm entre 21 e 32 anos, média de idade dos jogadores de futebol.

As brasileiras que seguem os jogadores na Espanha acentuam esse rótulo de “mulheres fáceis”?

Eu diria que é o contrário: as espanholas é que ficam doidas pelos jogadores brasileiros. O que acontece é que muitos desses jogadores também passam a imagem de escravos. Em geral ganham mais do que ganhavam no Brasil, mas sofrem uma pressão terrível – desde o processo de contratação, quando a imprensa noticia que um clube está oferecendo certa quantia, mas o outro pode cobrir a oferta milionária. Ao chegar, precisam mostrar forma física impecável e corresponder de imediato ao investimento. Como as prostitutas, também ficam isolados, concentrados, longe de sua cultura, de sua comida, da mãe e do pai. A gaiola parece de ouro, mas é uma gaiola.

Como vive o grande número de músicos que migra para a Espanha?

A MPB entrou no circuito do jazz, da elite. O samba é sinônimo de alegria, de liberação. A música é a nossa maior diplomata, ao lado da capoeira. Muita gente aprende o português só para jogar com os capoeiristas. A capoeira se expandiu na modalidade angolana e numa mais rápida, que envolve saltos mortais, lembrando o circo chinês. Os capoeiristas se apresentam em hotéis de luxo com maculelê, tudo bem bonito, mas depois fazem uma performance com danças tribais africanas. Estamos literalmente ligados à África, de novo. Vale lembrar que esses capoeiristas, quando se machucam, não têm apoio nenhum do governo nem de quem os contratou.

A Comissão Européia estuda um pacote de leis para penalizar quem emprega imigrantes ilegais até com a prisão. A senhora acredita que ela levará isso adiante?

A clandestinidade não interessa a ninguém, a não ser àqueles que se beneficiam da mão-de-obra barata. Se estão dispostos a legalizar os imigrantes, parabéns! A Europa precisa de trabalhadores estrangeiros para crescer, seja na agricultura, nos trabalhos ditos domésticos, na pesquisa científica. Há lista de espera de mais de seis meses na Espanha para contratar um pedreiro. Falta mecânico, encanador, empregadas domésticas, babás, até enfermeiras. Se legalizadas, essas pessoas passariam com dignidade pelas fronteiras, diminuiria o preconceito social. Elas poderiam dizer: eu contribuo, no mínimo, com a seguridade social, não sou um peso para seu país.

Fonte: Mônica Manir – O Estado de S.Paulo – http://www.estadao.com.br/suplementos/not_sup140915,0.htm

Terreiro realiza Maratona de Capoeira em Guadalajara

Capoeiristas brasileiros e mexicanos participam de um importante intercâmbio cultural e esportivo, que acontece de 15 a 25 de novembro, no México. É a tradicional Maratona 13 Horas de Capoeira México, evento promovido pela Companhia Terreiro, com o apoio da Universidade de Guadalajara. A Terreiro foi fundada e é presidida por Reginaldo Silveira da Costa, Mestre Skysito, e há 13 anos atua no México.

Entre os convidados da Maratona estão o Mestre Tambor, de Tocantins e capoeiristas dos grupos Abadá e Raízes do Brasil. Como representante deste site, provavelmente estarei no evento, fazendo a cobertura on-line da programação, que inclui oficinas, curso de percussão e o tradicional batismo. E farei o lançamento dos meus livros “Dicionário de Capoeira” e “Eu, você e a capoeira”.

A unidade mexicana da Terreiro é sediada em Guadalajara, cidade que ficou famosa no Brasil, por sediar a final da copa de 1970, quando a seleção Canarinho foi tricampeã. Hoje, é a ginga da capoeira que faz a terra vibrar na cidade que abriga o famoso Estádio Jalisco.

A coordenação do núcleo de capoeira do Terreiro no México está a cargo do professor Ganso, que deixou o seu Tocantins, para ensinar capoeira na terra de maias e astecas. A Companhia Terreiro tem núcleos de atuação, também, em vários estados brasileiros e em países como Angola, Alemanha e Irlanda.

Informações:

Mestre Skysito (Brasil)
e Instrutor Ganso gansocapoeira@hotmail.com (México)

INSTITUTO TERREIRO

Sede: SHGN 712 bloco L apt. 203, Brasília, Brasil

Telefone: 0055 (61) 9211 0147

Estátua símbolo de Bruxelas ganha roupa de capoeirista

O Manneken-Pis, monumento mais célebre de Bruxelas, capital da Bélgica, se vestiu de capoeirista nesta sexta-feira para celebrar a Independência do Brasil e promover a primeira Bienal de Artes Plásticas Brasileiras do país.
 
Será a primeira vez que a pequena escultura de bronze, símbolo da capital européia, portará um traje típico brasileiro.
 
O petulante menino de 55 centímetros de altura, que guarda uma antiga fonte pública da cidade fazendo xixi e completamente nu, só leva roupas em homenagem a ocasiões especiais, uma tradição que começou em 1747 por iniciativa do rei Luís 15.
 
Este ano ele já foi Elvis Presley, Nelson Mandela e Mozart por um dia.
As diminutas roupas depois são expostas no Museu da Cidade de Bruxelas, que reúne 780 fantasias de diferentes origens já utilizadas pelo Manneken-Pis.
 
Cultura brasileira
 
"Ter o Manneken-Pis vestido de brasileiro é uma grande honra e dará um caráter mais popular e mais lúdico à bienal", afirmou à BBC Brasil a artista plástica Inêz Oludé da Silva, organizadora da Bienal de Artes Plásticas Brasileiras.
 
"Escolhi o abadá da capoeira porque é uma boa maneira de mostrar essa cultura de resistência. Cada vez estão chegando mais brasileiros à Bélgica e é importante mostrar que também somos portadores de cultura, que não estamos aqui unicamente para invadir, para extrair algo, mas também para aportar coisas."
 
Esse é também o objetivo por trás da bienal, que entre 14 e 30 de setembro mostrará nas Casa das Culturas de Saint Gilles, em Bruxelas, uma seleção de telas, fotografias, vídeos e instalações de 14 artistas brasileiros residentes na Europa.
 
Ao total, serão 70 obras expressando "o sentimento dos brasileiros que fazem parte da Europa". "Eu tinha um grande desejo de divulgar algo mais sobre o Brasil além dos clichês comuns aos europeus: Carnaval, futebol, favelas ou pessoas carentes", conta a organizadora, que vive na Bélgica há 31 anos.
 
Os artistas que participam da bienal foram selecionados por dois curadores independentes a partir de um edital publicado nas embaixadas brasileiras da Europa.
 
 
Enviado por: Bruno "Teimosia"

A CAPOEIRA É DO BRASIL? A CAPOEIRA NO CONTEXTO DA GLOBALIZAÇÃO

Introdução
 
Este artigo analisa o processo de globalização da capoeira no contexto da reestruturação produtiva do capitalismo. O campo empírico das investigações concentrou-se em experiências com capoeira em seis países da Europa (Portugal, Itália, Espanha, Inglaterra, Polônia e Noruega). A investigação se materializou a partir de um estágio de doutoramento, realizado entre 05 de abril e 31 de agosto de 2003, no Instituto de Ciências Sociais (ICS), da Universidade de Lisboa.
Ao longo dos últimos anos, a capoeira vem se inserindo vertiginosamente nos mais diferentes espaços institucionais das médias e grandes cidades do Brasil e em vários países do exterior, consolidando um avanço histórico controvertido. Se, por um lado, à época da escravidão, era associada às lutas de negros escravizados em busca da liberdade, por outro, atualmente, ela tem sido vinculada majoritariamente à lógica do mercado.
 
O desenvolvimento da capoeira apresenta contradições importantes que se expressam pela visível expansão e deslocamentos que ela vem operando no contexto nacional e internacional. Nos últimos anos, constatamos a saída de expressivo número de capoeiras para o exterior em busca de melhores condições de sobrevivência que, além de contribuírem, efetivamente, com o seu processo de expansão no mundo, influenciam também na inversão dos fluxos migratórios. No exterior propagam apaixonantes discursos que realçam a capoeira à condição de prática “exótica”, “tropical”, “brasileiríssima”.
 
Objetivo
 
O principal objetivo desse artigo é analisar o processo de internacionalização da capoeira a partir de experiências sistematizadas em seis países da Europa.
 
Metodologia
 
Foi adotada uma combinação de observações participantes com entrevistas semi-estruturadas, através das quais procuramos interagir e compartilhar com o cotidiano dos sujeitos, observando e registrando suas ações. Foram observadas aulas práticas e teóricas, intercâmbios, comemorações, exibições e confraternizações. Foram entrevistados os líderes de grupos que já desenvolvem trabalhos sistematizados no exterior há mais de três anos. 
Ciente da complexidade do processo de análise de dados qualitativos, convém destacar que procedemos a análise e a interpretação dos dados numa perspectiva não-linear, atentando para os critérios relativos à credibilidade, transferibilidade, consistência e confirmabilidade, durante toda a investigação, através de teorizações progressivas em um processo interativo com a coleta de dados.
 
A Internacionalização da Capoeira: De Símbolo de Brasilidade a Patrimônio Cultural da Humanidade
 
Quando muitos capoeiras brasileiros começaram a sair do país, a partir do início da década de 1970, para trabalhar em grupos folclóricos no exterior, em busca de apoio e reconhecimento, não tinham idéia da magnitude que esse fenômeno viria a ter três décadas mais tarde. No início, tudo era muito difícil e a rua era, freqüentemente, o único espaço que eles encontravam para expressar sua arte ou para manter contatos com outros artistas do cotidiano, como palhaços e malabaristas das mais diversas origens.
 
O principal motivo da saída do Brasil de uma avalanche de mestres, professores e iniciados em capoeira para o exterior é determinado por fatores econômicos e está relacionado com a busca de melhores opções de trabalho, reconhecimento e prestígio. Se, no Brasil, a mensalidade para se fazer aulas de capoeira três vezes por semana oscila em torno de R$ 30,00 (trinta reais, o equivalente a US$ 10 – dez dólares), nas principais cidades americanas e européias este valor corresponde a apenas uma hora de atividade. Para fazer uma aula de capoeira na Academia Alvin Alley Ballet, em Nova York, com a Mestra brasileira Edna Lima, o interessado tem que pagar US$ 20 (vinte dólares) (SANTANA, 2001, p. 7).
 
Esse movimento de expansão traz conseqüências inusitadas para a capoeira e é visto, por muitos, como algo sedutor, embora venha causando inquietações por parte de alguns preocupados com a “manutenção” das suas tradições. Se, por um lado, muitos alegam que isso vem contribuindo para um certo distanciamento dos princípios e valores que delegaram à capoeira um emblema de “luta de resistência” contra a exploração, por outro, muitos consideram que esse processo está contribuindo para a valorização das referências culturais africanas e para despertar um interesse maior pelo Brasil e pela cultura brasileira.
Muitos analistas apregoam que, nos EUA, a capoeira tem contribuído, também, para revitalizar o elo entre os negros americanos e a África, cuja relação foi abalada pelo processo violento de segregação desencadeado em séculos passados. Na busca desse “elo perdido”, muitos americanos vêm para o Brasil com o objetivo de “beber na fonte” e procuram conhecer os mestres mais representativos desta arte-luta.
 
Convém destacar que o grande interesse dos estrangeiros pela capoeira se desdobra imediatamente em dois desejos, conhecer o Brasil e falar o português. Muitos mestres e professores que ministram aulas no exterior, em busca de um apelo ao mais “tradicional”, fazem questão de se expressarem no idioma português. Falar português nas aulas de capoeira é um requisito que opera como uma espécie de “selo de qualidade” e vem contribuindo para abrir campos de trabalhos antes impensáveis. O Hunter College, uma das mais tradicionais faculdades de Nova York, já oferece cursos regulares de português, em decorrência da demanda provocada pela capoeira (Nunes, 2001, p. 3).
 
O movimento de difusão da capoeira no contexto mundial é mais visível e intenso em direção aos Estados Unidos e à Europa. Com raras exceções, comprometidas politicamente em desenvolver trabalhos de “retorno” dessa arte-luta à África, a maioria das iniciativas se destina aos países centrais do capitalismo.
 
Essa exportação não convencional (na forma de um símbolo étnico), que se expressa pelo movimento de saída de capoeiras do Brasil para trabalharem em outros países, assume dimensões complexas e controvertidas.
 
Neste movimento complexo, a capoeira vem se inserindo de forma cada vez mais abrangente em vários setores da comunidade internacional. Como conseqüência, algumas “bandeiras” cultivadas e defendidas por seus precursores, como a oralidade, o improviso, a “mandinga”, a resistência cultural, são subestimadas, para darem lugar a outras categorias mais “sintonizadas” com o momento atual, tais como: “mercadoria étnica”, “folia de espírito”, “malhação” e “espetacularização” etc. (VASSALLO, 2003).
 
O abandono de determinados rituais considerados “tradicionais” é outro aspecto que intriga experimentados capoeiras incomodados com os lampejos de modernidade que, freqüentemente, desconstroem procedimentos rudimentares, mas que, para muitos, exercem um poder simbólico muito eficiente nesse contexto.
 
Estamos presenciando a construção de uma diáspora brasileira, e a capoeira insere-se, indubitavelmente, como um dos carros chefes desse processo. O fato é que ela vem se expandindo em escala geométrica por todo o globo, e o incremento desse movimento de internacionalização tem ocorrido em comunhão com outros símbolos da cultura brasileira, como o carnaval, o samba, o pagode etc. É possível afirmar que essa diáspora brasileira se constrói sob os ditames da “globalização econômica” que produz uma brasilidade idealizada, construída por cima e ao largo das gritantes diferenças culturais e econômicas que moldam a realidade concreta do povo brasileiro.
 
Acompanhando e Analisando Experiências Significativas de Capoeira pela Europa
 
Por ocasião das nossas investigações, visitamos importantes instituições de ensino e pesquisa, em especial, faculdades de Educação Física em diferentes países. Em algumas delas, existem trabalhos sistematizados de capoeira que funcionam como projetos de extensão ou como atividades extracurriculares, em que professores brasileiros são contratados por tempo determinado para ministrarem atividades aos que se interessarem. Geralmente, os discípulos pagam taxas que oscilam entre vinte e cinqüenta euros por mês (que corresponde entre sessenta e cento e cinqüenta reais) e, é do montante dessas taxas que provém o pagamento do professor de capoeira, como é o caso dos projetos do Estádio Universitário da Universidade de Lisboa, da Universidade de Varsóvia e da Universidade de Oslo.
 
O primeiro trabalho de ensino sistematizado de capoeira na Europa foi empreendido pelo reconhecido Mestre Nestor Capoeira . Embora alguns capoeiras brasileiros tenham realizado espetáculos pela Europa desde 1951, foi Nestor Capoeira quem iniciou o processo de ensino sistematizado desta manifestação na Europa, na London School of Contemporary Dance, Inglaterra.
 
A partir do Mestre Nestor Capoeira, milhares de workshops e oficinas pipocaram por toda a Europa. Em entrevista, o referido Mestre declarou que, embora tenha sabido da passagem de Mestre Artur Emídio pela Europa, para participar de shows e ministrar oficinas, foi ele que, em 1971, começou a ministrar aulas sistemáticas de capoeira no Velho Continente.
 
Ao longo dos últimos trinta anos, o movimento da capoeira na Europa intensificou-se significativamente, fazendo com que ela adquirisse expressiva densidade, mas no começo, tudo era muito difícil pela falta de informação sobre o que realmente significava esse misto de dança-luta-jogo.
 
O depoimento do Mestre Barão, que desenvolve um conhecido trabalho de capoeira em Porto, ao norte de Portugal, serve para ilustrar esse complexo e conflituoso movimento:
Eu nasci perto de Aracaju (capital do estado de Sergipe-Brasil), em Itaporanga da Juda, lá no meio do mato, numa família humilde, mas honesta também. Depois fomos para Santos-SP, morar lá no Nova Sintra, no morro. A gente morava numa casinha humilde, morava num quarto onde todo mundo dormia junto. Depois eu ia estudar, depois das aulas eu ia vender doce no ponto final dos ônibus, em Santos. Vender bananinha para ajudar minha família, né. Depois eu parei de vender doce e fui trabalhar com um português, carregando lavagem nas costas de domingo a domingo. Depois fui trabalhar na oficina, aprender a função de mecânico. Aí, estudei. Depois fiz um concurso, entrei nas docas. Aí, ganhei uma passagem e vim cair aqui em Portugal. Cheguei aqui em 1994. Tenho nove anos aqui. E faço também um trabalho social porque eu gosto de ajudar as crianças mais carentes porque é importante você fazer uma criança sorrir, não só no Natal, mas também no ano todo (…) (Mestre Barão, comunicação pessoal, 08 de junho de 2003).
 
Mestre FalcãoMestre Umoi, que há treze anos reside em Portugal, destacou que, no início, teve que dar aula na rua para convencer as crianças a fazerem capoeira. Dizia que iria ensiná-las a “dar pernadas”. Segundo ele, precisou utilizar dessa possibilidade para levar os “miúdos” a se interessarem pelas “pernadas do Brasil”.
Quando eu cheguei aqui, em agosto de 1990, pelo menos na região da Grande Lisboa, onde eu me instalei, não tinha capoeira. Ninguém tinha conhecimento do que era capoeira e, claro, eu vim pra cá na tentativa mesmo de ensinar a capoeira. Comecei a procurar as academias aqui e a primeira reação dos donos das academias geralmente era que não queriam nada com galinheiros aqui em Portugal, porque capoeira aqui em Portugal significa galinheiro. Então isso dificultou muito o início do trabalho aqui (Mestre Umoi, comunicação pessoal, 27 de junho de 2003).
 
 Os trabalhos dedicados e ininterruptos de muitos mestres e professores deram continuidade à iniciativa implementada por Nestor Capoeira e contribuíram para que essa manifestação adquirisse grande densidade, diversidade, visibilidade e prestígio social.
 
Na Europa, essa densidade expressa-se pelo rico acervo cultural embutido nos seus gestos, cantos e história, que extrapolam as referências de sua baianidade e edificam uma brasilidade, embora idealizada, à medida que não leva em consideração as evidentes diferenças culturais (e econômicas) presentes neste país de dimensões continentais. Essa “desbaianização” e “brasilização” concomitante da capoeira é resultado dessa mobilidade visível que se expressa pela saída de capoeiras das mais diferentes cidades brasileiras, em direção ao Velho Mundo e à América do Norte. Esse movimento contribui para ampliar as referências culturais dessa manifestação e ornamentar esse carimbo de brasilidade. Um professor norueguês nos afirmou que: “hoje em dia, as pessoas já conhecem bem o que é a capoeira e querem a capoeira (…) Quem procura a capoeira já tem uma idéia que é uma coisa brasileira e querem isso!” (Professor Torcha, comunicação pessoal, Oslo, Noruega, 18 de agosto de 2003).
 
O fato é que a capoeira, com esse “carimbo” de Brasil, embutido em suas cantigas, comportamentos, ramificou-se e expandiu-se significativamente e tem servido, atualmente, como veículo de agregação de povos de vários cantos do mundo, adquirindo, assim, uma identidade supra-nacional. O Mestre Umoi, já citado, nos afirmou:
A capoeira está quebrando a barreira do oceano que divide o Brasil, a África, a Europa, a América do Norte. A capoeira é do capoeirista. E a gente já tem muitos bons capoeiristas aqui na Europa. Você vê muito angoleiro alemão jogando uma Angola tão boa e até melhor do que muito capoeirista que nunca saiu de Salvador, que nunca saiu do Brasil. Aí você fala. Ah!  é porque é alemão? Não, é porque é capoeirista (Mestre Umoi, comunicação pessoal, Amsterdã, 18 de agosto de 2003).
O que movimenta milhares de europeus nas rodas de capoeira, em suas mais diversas formas, são os sistemas de representações significativas, construídos e usufruídos coletivamente em relação ao que se convencionou chamar de “fundamento” da capoeira. O alimento para esses sistemas de representações pode ser encontrado nos uniformes, nas estampas das camisetas, nos sítios da internet, nas cantigas ecoadas nas rodas etc.
 
Ao fazer análise das experiências dos capoeiras em Paris, Vassallo (2003) afirma que esse fundamento está articulado com o que consideram ser a cultura brasileira. Essa articulação incluiria “o domínio da língua portuguesa, bem como as danças, o ritmo e, sobretudo, a visão de mundo característicos daqui” (VASSALLO, op. cit., p. 8 e 9).
Sem considerar que muitos professores mudam de país com certa freqüência, contabilizamos, no primeiro semestre de 2003, a presença de 35 (trinta e cinco) professores, entre mestres, contramestres e instrutores de capoeira, em atividade sistemática, somente em Portugal. 
 
A maioria dos mestres e professores de capoeira que atua na Europa é proveniente do Nordeste Brasileiro, em especial, das cidades de Recife e Salvador, mas existem professores de praticamente todos os estados brasileiros trabalhando com esta manifestação no Velho Continente.
 
Desde o início da década de 1970, Paris vem recebendo muitos capoeiras de diversos grupos brasileiros. A professora Úrsula, há mais de dez anos radicada na França, argumenta que, quando lá chegou, poucas pessoas conheciam a capoeira. Atualmente, apesar de muitos “caloteiros” que chegam lá dizendo que são mestres, sem nunca terem passado por uma academia, a capoeira já é bastante difundida e, freqüentemente, “as mulheres são maioria nas aulas” (CARVALHO, 2002, p. 17).
É fato inconteste também, que os capoeiras, na Europa, caminham para uma espécie de “profissionalização” moldada por trabalhos freqüentemente desregulamentados, instáveis, dispersos e ocasionais. Essa condição laboral precária, freqüentemente clandestina, em que se inserem os brasileiros responsáveis pela disseminação da capoeira no exterior,  diferencia-se, frontalmente, das carreiras previsíveis, de rotinas estáveis que, até pouco tempo, caracterizavam os postos convencionais de trabalho.
 
A luta pela sobrevivência e o desejo de reconhecimento a partir de novas experiências são os principais motivos que levam tantos professores de capoeira a deixar o Brasil e a se “jogar” em promessas incertas de “vida boa” no exterior. Entretanto, o que eles freqüentemente encontram são opções de trabalhos dispersos, desregularizados, fluídos e “invisíveis”, tal como os fiddly jobs (expressão de MACDONALD apud MACHADO PAIS, 2001, p. 21), ou como free lancer, que se caracterizam como vias alternativas para “ganhar a vida”.
 
 A chegada dos professores de capoeira na Europa, geralmente, é marcada por muita frustração e dificuldade. O depoimento do Mestre Matias, mineiro, que se mudou para a Suíça em 1989 e, atualmente, desenvolve trabalhos em várias cidades daquele país, faz coro com muitas outras experiências de mestres e professores que se “jogaram” em busca de melhores horizontes.
Foi muito dura a chegada na Suíça, ralei muito, toquei berimbau na neve, nas estações de trem, entendeu, porque os capoeiristas que tinham lá não faziam roda de rua. Eu ia para a rua sozinho, às vezes tocava o meu berimbau, tentava saltar, às vezes fazia coisas malucas e também era um modo de me libertar. O berimbau era o meu companheiro. Era o modo de eu me livrar daquela angústia, daquela saudade, daquela vontade de estar no Brasil, no meio dos alunos, dos colegas. Aquele país frio, você chega e toma aquele choque, não conhece ninguém, porque a língua é outra. Então foi uma barra enorme que eu enfrentei, mas, graças a Deus, eu superei tudo isso e hoje eu não vou dizer que falo perfeito o alemão, porque eu moro na parte alemã, mas falo bem (Mestre Matias, comunicação pessoal, Madrid – Espanha, 29 de junho de 2003).
 Com as novas e severas leis adotadas pelo serviço imigratório dos países europeus, passar pela alfândega é uma vitória aclamada em conversas de bastidores de eventos. Geralmente, os professores imigrantes chegam nos aeroportos com vistos de turistas e muitos apetrechos de capoeira (berimbau, pandeiros, uniformes etc.) que, via de regra, causam desconfiança da polícia alfandegária.
 
Para aqueles que conseguem passar por essa primeira barreira, se deparam com outras dificuldades similares a do Mestre Umoi, cujo depoimento explicita uma atribulada realidade.
 
Então, foi assim. No início foi uma fase muito negativa que eu tive aqui em Portugal. Porque juntou tudo. O meu pai morrendo lá no Brasil, eu aqui desempregado, vivendo sem dinheiro e veio aquela fase que eu já te contei ontem – a do pãozinho com água. Que foi uma fase que hoje em dia eu conto isso com piada, com graça, porque, realmente, é uma escola, é um exercício de humildade. Mas, aqui em Portugal, eu comi pão com água! Não era água com açúcar porque não tinha açúcar. Era pão com água mesmo. Mas, assim… acreditando que essa bodega podia um dia dar certo (Mestre Umoi, comunicação pessoal, Lisboa – Portugal, 27 de junho de 2003).
 
O fato é que, a despeito de freqüentes desesperos e até deportações, muitos professores de capoeira vislumbram a possibilidade de conquistar, no exterior, o status e o reconhecimento que provavelmente jamais conseguiriam no Brasil. “Eu sou um pássaro”, “ninguém me segura”, “já me sinto lá”, eram frases prontas, freqüentemente proferidas por um dinâmico professor recifense, que, apesar de ter sido deportado pelo serviço alfandegário de Portugal, retornou, via Espanha, para as terras lusitanas, e vem levando a vida como uma grande aventura mesclada de flutuações e incertezas nebulosas, mas com muita arte e alegria contagiante.
 
O que me tirou do Brasil foi a violência, não foi a falta de dinheiro. A violência da política, a violência da televisão, a violência das drogas, a violência da rua. Foi isso que me afastou do meu país. Não foi pra buscar dinheiro aqui na Europa não, porque o dinheiro você ganha lá também. Tem pessoas superfelizes com capoeira no Brasil dando aula que não precisaram sair do Brasil para ir a lugar nenhum. Hoje eu estou aqui, ando para todos os lados, não tenho preocupação com nada. Se eu vou acordar amanhã bem ou mal. Mas é isso ai… O que me fez vir par Europa foi justamente isso. No Brasil, a gente anda muito inseguro, dentro do ônibus, dentro do cinema, dentro do shopping, numa praia. Aonde você vai, você tem insegurança. E aqui na Europa você tem total segurança e liberdade. É só isso. (Instrutor ET,  comunicação pessoal, Lisboa – Portugal, 25 de agosto de 2003). 
 
Na Europa, os capoeiras brasileiros “querem ser mais brasileiros do que são”. Assim afirmou uma capoeira italiana que fez intercâmbio no Brasil,  “apaixonou-se” pela arte e está, atualmente, fazendo uma tese no campo da Antropologia, sobre o “espírito” da Capoeira Angola. É bem verdade que no exterior, os professores brasileiros terminam essencializando o Brasil a partir da supervalorização de “fundamentos brasileiros” da capoeira, contribuindo, dessa forma, para promover, além das clássicas hierarquias já presentes no universo da capoeira (graduações), uma hierarquia entre os praticantes não brasileiros, baseada no domínio dos nossos símbolos. Em busca desses fundamentos, alguns são criticados por se arvorarem a falar sua língua nativa com sotaque abrasileirado. 
 
Para Vassallo (2003), essa naturalização da brasilidade da capoeira é discriminatória, e o aprender capoeira se transforma num ideal inatingível, já que os brasileiros conteriam os seus “fundamentos” no sangue. A capoeira não seria, portanto, uma construção social, mas uma substância naturalizada nos corpos e no sangue dos brasileiros.
 
É importante destacar que os professores de capoeira que saíram do Brasil para trabalhar na Europa encontram-se numa condição menos desconfortável em relação aos demais imigrantes, vez que não disputam com os “nativos” um posto de trabalho. Terminam gozando de reconhecido prestígio, à medida que são possuidores de uma habilidade, de uma especialidade “made in brazil”, que funciona como um selo de qualidade muito requisitado pelos jovens europeus, em geral. São portadores, portanto, de saberes “exóticos” e “culturais” que, de certa forma, desafiam os modos tradicionais de entrada no campo produtivo e terminam redefinindo o sentido do trabalho, atualmente caracterizado por turbulência, flexibilidade e instabilidade.
Alguns poucos conquistam certa segurança, a partir de contratos com instituições públicas e privadas sólidas. Um mestre que trabalha em Portugal relatou-nos, durante um evento na Noruega, que se sente muito valorizado como “professor de capoeira” de uma instituição pública. Na oportunidade em que ele demonstrava o seu orgulho, mostrando a carteira que lhe concedia essa habilitação, ele questionava: “Será que no Brasil eu teria condições de ter uma carteira dessas?” Ele mesmo responde: “Jamais!”. E complementa, ressentido: “no nosso país, a cada esquina, tem uma roda de capoeira, em cada esquina tem um mestre de capoeira, mas que, infelizmente, não têm valor. Morrem de fome, morrem na pobreza e são esquecidos”. (Mestre Ulisses, comunicação pessoal, Oslo, Noruega, 17 de Agosto de 2003).
 
Outro aspecto a destacar a partir das experiências dos capoeiras brasileiros na Europa diz respeito ao fato desta manifestação cultural aglutinar, por intermédio dos concorridos eventos, pessoas oriundas de diferentes camadas sociais em um mesmo espaço de convívio. Em geral, um mestre ou professor alterna trabalhos em espaços nobres com os chamados “trabalhos sociais”. Via-de-regra, nos finais de semana, ou nos eventos, os integrantes desses diferentes “espaços” encontram-se e se confraternizam em movimentadas rodas.
 
O mestre Barão transita, com suas aulas de capoeira, em universos aparentemente inconciliáveis da Cidade do Porto, no norte de Portugal.
Eu dou aula no bairro Lagarteiro, um bairro bem complicado. É um bairro social que o pessoal chama aquilo lá de inferno. Dou aula também para ciganos num outro bairro também complicado do Porto. Eu estou lá fazendo um trabalho social com eles. Saio desse bairro social e vou para um ginásio que treina só ricos, que é só empresários (Mestre Barão, Comunicação pessoal, 08 de junho de 2003).
 
Constatamos que o processo de mundialização do capital não elimina “símbolos tradicionais”, mas incide sob suas formas de tratamento e explicita a heterogeneidade e a diversidade cultural que caracterizam as sociedades complexas. 
O fato é que nesse movimento, a capoeira, com todas as implicações que uma manifestação cultural engendra, afirma-se como manifestação de expressiva densidade à medida que, mestres e professores “ensinam” os seus “fundamentos” para pessoas provenientes das mais diferentes origens e culturas e, com isso, vêm contribuindo para a quebra de tabus e estereótipos construídos no interior do seu próprio movimento histórico. Se a capoeira “é brasileira”, se “está no nosso sangue”, como ela pode ser ensinada a pessoas que não têm o sangue brasileiro nas veias? Travassos (1999, p. 266) questiona: “Como se poderia ensinar algo que está inscrito no sangue, nos corpos e nas mentes de uns e não de outros?”
 
Conclusões
 
Da análise desse intrincado e rico movimento de internacionalização da capoeira, é possível formular três considerações fundamentais: a) a capoeira adquiriu, nos últimos dez anos, grande densidade, visibilidade e poder simbólico, e se transformou em um dos principais cartões postais do Brasil no exterior; b) o significado que os sujeitos apreendem de suas práticas, emocionalmente compartilhadas, está vinculado com a intensidade das interações e com a plenitude da experiência. Nessas práticas intersecionam as dimensões ético-políticas, históricas, culturais e econômicas da vida em sociedade, e c) a capoeira insere-se no modelo cultural capitalista e está sujeita, portanto, a estratificação social própria de uma sociedade dividida em classes, expressando-se em possibilidades diversificadas de acordo com as classes sociais onde está inclusa.
 
 Pudemos verificar que, tal como outras práticas significativas, a capoeira é condicionada por valores e regras sociais que podem transformá-la em heroína ou vilã. Como construção social, que permanentemente se manifesta, e como manifestação cultural que permanentemente se constrói, ela é influenciada pelo tempo histórico em que se situa, mas também, edificada a partir dos interesses e das ações dos sujeitos que, através dela, atuam e disputam poder na sociedade.
 
Embora uma parcela significativa da capoeira a trate como símbolo étnico (capoeira é brasileira! capoeira é africana! capoeira é afro-brasileira!), esta análise nos leva a pensá-la como uma manifestação com status de patrimônio cultural da humanidade e, por esse motivo, um direito social inalienável de qualquer ser humano que se sinta atraído pelo seu “axé”. Nessa perspectiva ela não teria pátria, embora carregaria símbolos de sua inquestionável brasilidade.
As análises aqui efetuadas nos levam a depreender que os dilemas particulares engendrados numa determinada prática relacionam-se com os dilemas mais amplos presentes na sociedade. A principal luta do capoeira, nos dias de hoje não deve ser contra um determinado feitor, individualmente, como acontecia antigamente, nem tampouco, contra outros praticantes de capoeira; a luta da capoeira deve coletiva e emplacada contra todo e qualquer tipo de opressão, discriminação e pela construção de uma sociedade universal efetivamente justa, livre e democrática.
 
Referências
 
CARVALHO, L. C. Na roda com a mulher. Revista Praticando Capoeira. São Paulo, ano II, n. 17, 2002.
MACHADO PAIS, J. Ganchos, tachos e biscates: Jovens, trabalho e futuro. Âmbar: Porto, 2001.
NUNES, V. Capoeira made in NYC. Correio Braziliense. Brasília-DF, Caderno Coisas da Vida, p. 1 e 3, 13 mar. 2001.
SANTANA, J. Velhos mestres. Correio da Bahia. Salvador: Caderno Correio Repórter, p. 1-7, 15 abr. 2001.
TRAVASSOS, S. D. Negros de todas as cores: capoeira e mobilidade social. In: BACELAR, J. & CAROSO, C. (Orgs.). Brasil: um país de negros? Rio de Janeiro: Pallas; Salvador-BA: CEAO, p. 261-271, 1999.Mestre Falcão
VASSALLO, S. P. A transnacionalização da capoeira: etnicidade, tradição e poder para brasileiros e franceses em Paris. In: Anais da Quinta Reunião de Antropologia do Mercosul.  Florianópolis-SC, 30 de novembro a 03 de dezembro de 2003.
 
Endereço do autor:
 
JOSÉ LUIZ CIRQUEIRA FALCÃO
Servidão das Vassouras, nr. 65, Canto da Lagoa
00862-272 – Florianópolis-SC
Fone (48) 234 7558
falcaox@cds.ufsc.br

Revista Praticando Capoeira Edição Especial – CD Carolina Soares

A Revista Praticando Capoeira acaba de lançar uma edição especial com um CD da Cantora Carolina Soares. A revista pode ser encontrada nas principais bancas  de Jornais da grande São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Curitiba, Florianópolis, Goiânia, Santos e Ribeirão Preto. Além do CD de pout-pourri de Capoeira, vocês vão curtir uma super Revista Pôster onde poderão conhecer um pouco mais sobre a história e o trabalho da Cantora Carolina Soares em uma entrevista exclusiva.
 
        Com uma voz afinadíssima e grande sensibilidade artística, Carolina Soares vem ganhando cada vez mais espaço no coração dos Brasileiros e estrangeiros.
 
        Maiores informações pelos sítios www.carolinasoares.com.br e www.editoradt.com.br
 
 
Miltinho Astronauta
Jornal do Capoeira – http://www.capoeira.jex.com.br/
jornaldocapoeira@yahoo.com.br