Blog

capoeiristas

Vendo Artigos etiquetados em: capoeiristas

A IMPORTÂNCIA DO TRANSE CAPOEIRANO NO JOGO DE CAPOEIRA DA BAHIA

CONSIDERAÇÕES GERAIS

Há muitos anos, cerca de 40, venho comparando o comportamento dos capoeiristas durante o jogo de capoeira da Bahia e suas atividades habituais.
O convívio com os praticantes das artes marciais orientais, do espiritismo, do candomblé; o estudo do hipnotismo, do ioga, da parapsicologia, da fisiopatologia do sono, dos estados modificados de consciência e a prática da meditação nos permitiram analisar o comportamento e o potencial do ser humano em diversas estágios de consciência.
Os registros históricos, científicos e religiosos de condições de bilocação, teletransporte, telecinesia, materializações e desmaterializações, bem como os estudos de física subatômica, nos vem atraindo a atenção para o efeito dos sons e dos ritmos sonoros sobre os níveis e estados de consciência, bem como a correspondência entre os mesmos e as manifestações motora e comportamentais daqueles sob a sua influência.
É notória a influência da música sobre o estado de humor das pessoas, basta lembrar a tristeza do toque de silêncio, a ternura da Ave-Maria, a agitação do Olodum e dos trios elétricos, os movimentos suaves do balé no “Lago do Cisne”.
É evidente que os movimentos induzido pelo “reagge” são diferentes daqueles do samba, da valsa, do cancã ou do foxblue. Sem falar da marcha forçada sob o rufar dos tambores; da tranqüilidade do silêncio; da irritação pelos ruídos; do pânico ao bramir dos elefantes, do rugir do tigre, do estrondo das trovoadas; da sensação de bem estar e conforto trazida pelo ruflar da brisa suave na folhas…
A cultura africana encontramos o uso de música, ritmo e cânticos como gerenciadores, coordenadores, estimuladores de atividades comunitárias como pesca, caça, plantio, etc.
O candomblé oferece-nos uma variedade de toques de atabaques, com diversos ritmos e andamentos, capazes de desencadearem manifestações motoras padronizadas sob categorias de orixás.
É conveniente estudar as associações de toques, ritmos e andamentos com os padrões de comportamentos dos orixás e personalidades dos “filhos de santo” para melhor entendermos a influência dos toques, ritmos e andamentos nos desenvolvimento do jogo de capoeira, consoante a variedade de temperamentos e personalidades dos capoeiristas.
O exame das fotografias de Pierre Fatumbi Verger, de cenas de candomblé colhidas na África, documenta a identidade daqueles movimentos durante o transe dos orixás, que manifestam a atividade gerada pelos toques e ritmos musicais do candomblé e destes da capoeira.
É conveniente lembrar a associação dos estados de humor com as expressões faciais e posturas do corpo para compreendermos melhor as repercussões das modificações de estado de consciência e as manifestações motoras conseqüentes.
Todos reconhecemos os ombros caídos do desânimo, o olhar de tristeza, a vivacidade dos movimentos de alegria, a expressão corporal do animal prestes a atacar, etc.
Quantos outros quadros poderíamos citar?
Portanto, se a música pode alterar o estado de ânimo e as suas manifestações motoras estáticas e dinâmicas, forçosamente teremos que concluir que o andamento, ritmo, palmas e cantos também modificam o comportamento dos capoeiristas durante o jogo.

INFLUÊNCIA DO ARQUÉTIPO COMPORTAMENTAL

Ante um mesmo toque, ritmo e andamento, os diversos arquétipos manifestam sua identidade de modo particular, especifico para cada entidade comportamental (com nuanças especiais, intrínsecas a cada ser e cada momento histórico) de modo que o comportamento é praticamente imprevisível a cada instante, porém com um fluxo natural, espontâneo, ingênito, inato… instintivo como dizia Bimba.
Assim é o próprio Bimba conhecia o fato e afirmava “é o jeitcho dêle“, permitindo que cada um jogasse capoeira com suas características pessoais.
Fato muito notório em certos capoeiristas de movimentos muito lentos, porém dotados de grande mobilidade articular e elasticidade, como Prof. Hélio Ramos, “Cascavel,” Eziquiel “Jiquié”, “Caveirinha”, entre tantos. Assim é que “Atenilo” (jocosamente conhecido como “Relâmpago”) um dos mais antigos dos alunos do Mestre, jamais modificou seu estilo tardo, lerdo, ingênuo, de praticar a capoeira.


Entretanto, ainda hoje não consigo reconhecer ou identificar os vários arquétipos de capoeiristas, mas posso perceber de modo vago, as semelhanças que se repetem independentemente de mestres, momento histórico e localização geográfica.
Assim é que venho detectando similitude do que chamamos de “jogo” (estilo pessoal, jeito particular de jogar) em alunos de diferentes mestres e em regiões diferentes, i.e., encontrando “jogos” parecidos com alguns dos companheiros de meus tempos antigos em locais diversos, como em Natal/RN, Goiânia/GO, etc.
Fato mais surpreendente foi ver, recentemente, na Academia de Mestre João Pequeno de Pastinha, aparecer um rapaz, cujo nome e mestre não consegui identificar, cerca de 17 anos, negro, alto, longilíneo; pescoço fino, elástico e forte; com um jogo incrivelmente semelhante ao do meu Mestre (Bimba), a ponto de me sugerir a sua reincarnação.

TOQUES PACÍFICOS E TOQUES DE GUERRA

Os vários toques, ritmos, andamentos e cânticos de candomblé associam-se a modificações de estados de consciência (transe de orixás) específicos de cada arquétipo. Sendo o estado de transe provocado pela adequação, sinergia, sintonia, harmonia, da música com o arquétipo (sensibilidade do ente sob seu campo energético ou vibratório).
Assim é que uma pessoa, sujeita aos diversos tipos de vibrações orfeônicas em campo sonoro desta natureza, poderá permanecer indiferente a vários padrões orfeônicos ou exteriorizar sua sensibilidade por manifestações motoras ou psicológicas em algum momento ou padrão, com o qual seu arquétipo se harmonize.
Consoante o tipo sonoro, pacífico, belicoso, calmo, agitado, lento, vivo, moderado, rápido, a entidade em sinergia manifestará sua sintonia por movimentos calmos, majestosos, vivos, violentos, guerreiros, etc.
Dentre os toques calmos destaca-se o ijexá, pela paz, alegria, felicidade e requebro a que se associa, razão pela qual permite os movimentos do samba de roda, do afoxé, batuque e capoeira.
A importância atribuída pelo nosso Mestre ao toque era tal que o compelia a usar apenas a musica do berimbau (tocado pelo próprio), sem pandeiro, para que os aprendizes fixassem o ritmo-melodia em toda sua plenitude. A exclusão de todo e qualquer outro instrumento que não berimbau e pandeiro da orquestra também decorria desta premissa.
Freqüentemente, quando os alunos jogavam com muito açodamento e velocidade durante um toque de “banguela” o Mestre resmungava:

“Tô disperdiçandu minha banguela!
“Só merecem mesmu a cavalaria!”
E…
“virava” para o toque mais duro e bruto da “regional”…
impiedosamente mais adequado para os embrutecidos…
insensíveis e afobados.

O CAMPO ENERGÉTICO
DA ORQUESTRA, CANTO, PALMAS E JOGO

O capoeirista, como todos os demais participantes duma roda de capoeira, está encerrado num campo energético, com o qual interage e portanto sujeito a todos os seus fatores em atividade
Reflete, portanto, não só seu estado pessoal, porém aquele do complexo energético da roda, sofrendo a influência de todo o conjunto.
Toda a excitação ambiental envolve os jogadores e transtorna a condução do espetáculo, o qual poderá evoluir para um circo romano em toda sua barbárie.
Razão pela qual, a assistência do jogo da capoeira, antigamente, nas festas de largo, assistia silenciosa e respeitadora, como numa cerimonia religiosa, o desenrolar do jogo de capoeira, procurando guardar os detalhes de cada um dos lances à procura da descoberta do mais habilidoso, elegante, malicioso, inteligente, destro dentre os participantes.
O silêncio e a paz ambiental propiciam a melhor percepção da mensagem orfeônica, o desenvolvimento do transe capoeirano e portanto, o desenrolar do jogo.
As palmas, introduzidas pelo Mestre Bimba para enfatizar a participação da assistência e esquentar o ritmo, alcançam atualmente intensidade tal, que não mais permitem ouvir o toque do berimbau e muitas vezes, sequer os cânticos, desnaturando a capoeira no seu ponto mais nobre, a musicalidade, fonte do transe, ponto capital do jogo.
O atabaque, formalmente condenado pelo Mestre Bimba, durante todo o tempo em que acompanhei a sua rota, foi introduzido pelo Mestre Pastinha e ulteriormente usado pelos grupos folclóricos, a partir de Camisa Roxa, Acordeom, Itapoan, etc. para enfatizar a “africanidade” original. Tocado por quem de direito, suave e discretamente, como pelas orquestras de Mestre Pastinha e seus descendentes; conhecedores dos arcanos, fundamentos, segredos musicais africanos, marca o andamento e acompanha o toque do berimbau, instrumento-rei da capoeira, ao qual deve acompanhar e jamais suplantar, obscurecer.
Em mão desabilitadas, como ocorre na rodas da chamada regional atual, torna-se arauto de ritmo guerreiro e acarretam um transe violento, que vem matando, ferindo, lesando impiedosamente os seus praticantes, desde que provoca um transe agressivo, belicosos, guerreiro, desenfreado e deve portanto ser proscrito em nome da legitimidade da capoeira e da segurança dos seus praticantes.
O agogô e o , são excelentes marcadores de compasso, indispensáveis nas orquestras de candomblé, embora não aceitos pelo Bimba, talvez por terem sido introduzidos por Pastinha, enriquecem as charangas dos seguidores do estilo de Mestre Pastinha e ajudam (e muito!) a manter a constância do andamento do toque.
O reco-reco, também introduzido pelo Mestre Pastinha, nos parece inócuo, sem maior expressão musical, dispensável, salvo para manter a tradição do estilo.
Aviola, hoje em desuso, de ausência lamentada pelo Mestre Pastinha em seus manuscritos, também encontrada no samba de roda, nos indica a origem comum da capoeira e do samba, como indicamos em nossos escritos sobre a família musical áfrico-brasileira.
Opandeiro, com redução dos guizos com recomendado pelo Mestre Bimba, marca o compasso e mantém a constância do andamento quando em mãos habilitadas. É comum no entanto que os mais afoitos (ou despreparados?) acelerem o ritmo ou se afastem do toque do berimbau, desde que não havendo treinamento adequado (ensaio) como fazem os descendentes de Mestre Pastinha ou responsável pela direção da orquestra ou charanga (fiscal no dizer de Mestre Pastinha) é comum alguém se apropriar indevidamente do manuseio deste instrumento.
Mestre Bimba dizia que “O pandeiro é o atabaque do capoeirista“.
Oberimbau é o instrumento-rei da capoeira, vez que somente o seu aparecimento na rodas de capoeira (antigamente citadas apenas como “ capoeira” pelo próprio Mestre Pastinha, algumas vezes referidas como “capoeira de Fulano de Tal“) é que marca o surgimento da capoeira como a reconhecemos atualmente, a capoeira da Bahia, seja o estilo “angola” seja o “regional”.
Torna-se portanto, indispensável ao bom desenvolvimento do jogo que seu toque predomine no ambiente, mantendo a uniformidade do ritmo e o entrosamento entre os parceiros duma “volta” ou “jogo”, sem o qual fatalmente existirão os desencontros e a violência.

TEXTOS CORRELATOS

ESTADO DE CONSCIÊNCIA MODIFICADO (TRANSE CAPOEIRANO)

 Sob a influência do campo energético desenvolvido pelo ritmo-melodia ijexá e pelo ritual da capoeira, o seu praticante alcança um estado modificado de consciência em que o SER se comporta como parte integrante do conjunto harmonioso em se encontra inserido naquele momento.
 O capoeirista deixando de perceber a si mesmo como individualidade consciente, fusionando-se ao ambiente em que se desenvolve o jogo de capoeira. Passando a agir como parte integrante do quadro ambiental em desenvolvimento. Procedendo como se conhecesse ou apercebesse simultaneamente passado, presente e futuro (tudo que ocorreu, ocorre e ocorrerá a seguir) e se ajustando natural, insensível e instantaneamente ao processo atual.
Decanio Filho, A. A. – in Fundamentos da capoeira (texto publicado em Capoeira da Bahia Online para download). 

BERIMBAU – A LIGAÇÏ ENTRE O MANIFESTO E O INVISÍVEL

O capoeirista para jogar capoeira não precisa de conhecer a história e a técnica da capoeira, por que o ritmo/melodia põe o ouvinte diretamente em sintonia com a “capoeira” abstrata, que abrange a fonte etérea dos movimentos, os paradigmas de jogos, os arquétipos de capoeiristas e talvez com a própria “tradição”. Por este motivo, poderemos aprender por ver, ouvir e dançar… como “Totônio de Maré” o fez no cais do porto de Salvador/BA.
“Itapoan” perguntou a “Maré” como aprendera capoeira e este respondeu:

“Vendo os outros jogarem. Gostei, entrei na roda e joguei!”

Conforme assisti em gravação VHS do acervo do Mestre Itapoan, em casa do mesmo.
E “Vovô Capoeira” fez o mesmo, aos 84 anos de idade, na roda de Mestre Canelão em Natal/RN.
Assim é que, aos poucos a conjugação da música com os movimentos relaxados vai orientando o capoeirista no caminho do transe que o conduzirá diretamente à fonte da capoeira, na face invisível da realidade, que não depende dos sentidos corpóreos.

COMPORTAMENTO HUMANO, VIBRAÇÃO SONORA E RITMO.

Em Ioga percebemos a importância dos mantras…
os gregos antigos atribuíram ao Logos o poder de organizar o Caos…
no Gênesis aprendemos a força do Verbo capaz de criar o Universo e a Vida…
… na África Antiga não foi diferente!

Os africanos ao divinizarem os seus ancestrais e cultua-los com ritmos e toques diferentes vinculados ou representativos de seus comportamentos, descobriram categorias fundamentais subjacentes ao nível de consciência, independentes de culturas e religiões, os arquétipos humanos, que denominaram de orixás.

O “SER” exposto às vibrações sonoras ritmadas oriundas dos atabaques entra em harmonia com as mesmas e passa a manifestar em movimentos rituais a sua consonância.
Tudo se passa como se o conteúdo musical dos toques de candomblé fosse aprofundando o nível vibracional do sistema nervoso central, especialmente do cérebro (tido como sede da consciência) e alcançando os níveis correspondentes ao arquétipo individual. Chegando a toldar a consciência e levando a um estado transicional em que o “SER” passa a manifestar, em movimentos rituais involuntários, atributos do arquétipo, através circuitos de reverberação medulo-espinhais como que gravados geneticamente na estrutura do seu sistema nervoso central.
Não é indispensável o conhecimento da doutrina e ritual do candomblé, bem como de componente genético africano para a sintonia com o ritmo do orixá correspondente, vez que já assistimos à chamada “incorporação” de entidades africanas em europeus em primeiro contacto com “exibição” de música de candomblé, portanto, fora do contexto religioso. Durante o tempo em que funcionei como “apresentador” do “show folclórico” de Mestre Bimba observei que alguns assistentes entravam em consonância ou harmonia com um determinado toque, não se deixando influenciar por outros, o que atribuí à correspondência orgânica ao arquétipo daquela pessoa, ao modo de categoria de comportamento em nível subconsciente.
Na capoeira, o ritmo ijexá, especialmente tocado pelo berimbau, conduz o ser humano a um nível vibratório, dos sistemas neuro-endócrino e motor, capaz de manifestar, de modo espontâneo e natural, padrões de comportamento representativos da personalidade de cada Ser em toda sua plenitude neuro-psico-cultural, integrando componentes genéticos, anatômicos, fisiológicos, culturais e experiências vivenciadas anteriormente, quiçá inclusive no momento.


Todos os capoeiristas conhecem o transe capoeirano, embora nem todos disto se apercebam, um estado de extrema euforia, e de integração ou acoplamento a outra ou outras personalidades participantes do mesmo evento, conduzindo a execução de atos acima da capacidade considerada como ‘normal”.

Trata-se dum estado transitório, em que não há perda total de consciência, porém existe uma liberação de movimentos reflexos, exaltação do potencial e ampliação do campo de influência vital de cada “SER”.
É interessante registrar que em outros membros da “família cultural da capoeira” (samba de roda, maculelê, afoxé, frevo, entre outros) encontramos estados transicionais assemelhados, em que os personagens ultrapassam suas limitações “normais”. De outro modo não assistiríamos a idosos desfilando em “escola de samba” ou saracoteando em frevo…
Assim cada capoeirista desenvolve um estilo pessoal, representativo do seu “EU”, manifestado de maneira imprevisível a cada jogo e a cada instante de cada jogo.

Consoante o arquétipo de cada praticante ou mestre, o momento histórico vivenciado, o contexto em que está se desenvolvendo, a capoeira pode assumir aspectos multifários, lúdicos, coreográficos, esportivos, competitivos, belicosos, educativos, corretivos, terapêuticos, etc.
Do mesmo modo e pelos mesmos motivos, cada tocador de berimbau manifesta a sua personalidade na afinação do instrumento, ritmo, andamento musical, impostação vocal e conteúdo do cântico.
Razões semelhantes criam a identidade de cada roda, a multiplicidade de estilos e impõe a alegria e a liberdade de criação como fundamentos da capoeira.

Por ser a própria Liberdade e a Felicidade de cada “SER” a capoeira não cabe, não pode ser enclausurada, em regulamentos e conceitos estanques, nem prisioneira de interesses mesquinhos, comerciais ou de outra natureza.
A capoeira oferece um gama infinito de representações motoras , comportamentais e musicais; de aplicações terapêuticas, pedagógicas, marciais e esportivas; além do aperfeiçoamento físico, mental e comportamental de cada praticante.
Cada um de nós cria uma capoeira pessoal, transitória e mutável, evolutiva, processual, como todos os valores humanos e poderá ser imitada, jamais reproduzida em clones, como produto industrial de fôrma, idêntico em todos detalhes.

É interessante o estudo do simbolismo dos constituintes da personalidade humana na arte iorubana que indica no mínimo a noção de níveis de consciência, pois entre os povos iorubanos a consciência (personalidade exterior) é representada pela coroa (ile ori), enquanto a personalidade íntima (ori inu) correspondente ao (subconsciente+inconsciente) é simbolizado pelo ibori, uma pequenasaliência no ponto mais alto da coroa.
Angelo A. Decanio Filhoo – Falando em capoeira, Coleção S. Salomão, CEPAC, Salvador/BA, pg: 51

https://portalcapoeira.com/downloads/transe-capoeirano

Teresina – PI: Berimbau de Renda

BERIMBAU DE RENDA é um espaço pensado para fortalecer o movimento de mulheres capoeiristas.

O evento se lança como o 1º festival brasileiro de músicas de Capoeira direcionado à voz feminina, a ideia é proporcionar uma maior visibilidade e engajamento das mulheres que cantam e emocionam nas rodas de Capoeira.

BERIMBAU DE RENDA propõe ampliar as possibilidades de cada vez mais nós mulheres ocuparmos um espaço que também é nosso que por vezes abrimos mão por insegurança, vergonha ou por não existir um incentivo geral para que o espaço da mulher na capoeira seja cada vez mais visto e explorado.

BERIMBAU DE RENDA tem um foco no festival de canto, que nessa primeira edição não será competitiva, porém as músicas participantes deverão ser inéditas, mas não obrigatoriamente autoral , o evento é também uma plataforma de encontros entre mulheres capoeiristas, onde toda a essência da capoeira será abordada por meio de conversas, aulas, rodas e muita música, é claro.

BERIMBAU DE RENDA é inovador e conta com todas as capoeiristas para que seja um evento lindo, cheio de perfume, cheio de cor e de muito amor pela Capoeira.

Missão:

BERIMBAU DE RENDA tem como objetivo valorizar a voz feminina nas rodas de Capoeira.

 

Festival de Canto e Encontro de Mulheres Capoeiristas
22, 23 e 24>>agosto>>2014
teresina>>piauí>>brasil
[email protected]

Embú das Artes: Capoeira ganha espaço e faz 1ª Conferência

São Paulo – Embú das Artes

A capoeira acaba de conquistar mais espaço na cidade. Neste ano de 2014, o Governo Municipal, por meio da Secretaria de Cultura, trabalhará direto com a Associação dos Capoeiristas de Embu das Artes, em busca até mesmo de captação de recursos para a promoção de atividades do esporte na cidade. O presidente da associação, Sérgio de Oliveira Cabrito, o Joca, do Ponto de Cultura Projeto Diversidades Culturais na Capoeira, que funcionam no Jardim Novo Campo Limpo, está otimista.

“Precisamos aprovar agora a Lei da Profissionalização da Capoeira dodeputado federal Carlos Zarattini”, diz Joca. O Projeto de Lei 2.858/2008, que aguarda sanção em Brasília, DF, dispõe sobre a regulamentação da atividade e cria o Dia Nacional da Capoeira e do Capoeirista, além de declarar sua importância como cultura, esporte e meio de inserção social. “Capoeira é o esporte mais completo que existe. Envolve cultura, esporte, educação, lazer e é a mistura de todas as artes marciais”, afirma Joca, 41 anos, 22 de prática. A capoeira é Patrimônio Imaterial da Cultura Brasileira, registrado pelo Instituto do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural (Iphan) e Ministério da Cultura (MinC), no governo Lula, em 2008.

 

DIA 22/2, NA CÂMARA

No encontro realizado em 25/1, entre capoeiristas, suas associações (há mais de 30 na cidade) e a Secretaria Municipal de Cultura, ocorreram dois fatos importantes: a formalização da Associação dos Capoeiristas de Embu das Artes e a indicação da cidade como sede da Conferência Regional de Capoeira, a qual será realizada no dia 22 de fevereiro, às 14h, na Câmara Municipal embuense (rua Marcelino Pinto Teixeira, 50).

A conferência é aberta a todos os interessados.

Fontes: http://www.embudasartes.sp.gov.br – http://capoeirajoca.blogspot.pt/

Grupo Cativeiro entrega alimentos arrecadados em Charqueada

O Grupo de Capoeira “Cativeiro” que iniciou suas atividades em Charqueada em Maio deste ano, realizou um importante trabalho social no município.

Por intermédio  de seu instrutor Reginaldo “Marrom” e sob a coordenação do contramestre Rodrigo “Fofão” o grupo de capoeira, reuniu seus alunos e arrecadou alimentos para serem doados  à  famílias carentes do município.

O resultado foi mais de 100 kg de alimentos de diversos tipos arrecadados e entregues para as representantes e assistentes sociais do CRAS de Charqueada, que irão distribuir os produtos para famílias necessitadas e cadastradas na entidade. Já a prefeitura, por meio  do próprio CRAS, doou nove uniformes para capoeiristas carentes do grupo, ou seja, uma grande parceria.

Para os interessados em fazer parte do Grupo de Capoeira “Cativeiro”, as aulas são gratuitas e ministradas às Terças e Quintas -feiras das 19:00h as 21:30h no NAPE do Jd. Bandeirantes, situado a Rua João Baptista Calegaro, n° 225.

 

Fonte: http://www.folhadesaopedro.com.br

Campanha busca redução da violência em Fortaleza

Campanha Capoeira pela Paz propõe ações para a redução da violência

Música, cultura, história e esporte. A capoeira possui diversos atributos capazes de transformar a vida de diversos jovens que engrossam as estatísticas da violência em Fortaleza. Há muito tempo essa arte vem atuando no combate à violência e atuando como agente de conscientização da população frente a este problema.

É com essa motivação social transformadora que os movimentos de capoeiristas de Fortaleza se organizaram na Rede de Desenvolvimento Sustentável da Capoeira do Ceará. E uma das ações da Rede é a campanha “Capoeira pela Paz”, que vai discutir as possíveis contribuições que a capoeira e outras manifestações culturais podem oferecer para a diminuição da criminalidade, em evento que deve contar com cerca de mil capoeiristas no próximo domingo (17 de novembro), às 16h, no aterro da Praia de Iracema. 

Também no domingo, será comemorado o mês da Consciência Negra e a Semana Municipal da Capoeira, evento anual que conta com o apoio da Prefeitura de Fortaleza. “A capoeira é um instrumento de cultura, esporte, de educação e também de disciplina. É uma importante ferramenta de socialização, bem como de formação de bons cidadãos. Todos devemos apoiar iniciativas como essas”, diz o vereador Evaldo Lima (PCdoB).

A Comissão Organizadora da Rede é formada por Mestre Ratto, Mestra Carla, Mestre Aramola, Mestre Piolho, Mestre Auricelio, Mestre Marrudo e Mestre Envergado. Segundo a Comissão, algumas das importantes consequências dessas ações é promover a revitalização de espaços públicos, a conscientização das comunidades e a recuperação de pessoas que se enquadrem na perspectiva de prática da violência.

Sobre a Rede

A Rede de Desenvolvimento Econômico da Capoeira Cearense é uma iniciativa coletiva que surgiu para discutir e promover ações de sustentabilidade econômica da capoeira em Fortaleza. Sempre em diálogo com grupos e capoeiristas da cidade, do país e do exterior, a organização da rede promove conversas sobre processos produtivos, financiamentos e construção de mercados e bens de serviços, produtos para empreendimentos e ações concretas incidentes sobre as cadeias produtivas contempladas pelo protagonismo da capoeira cearense.

Serviço

Capoeira pela Paz

Data: Dia 17 de novembro.
Horário: 16 horas.
Local: Aterro da Praia de Iracema

Fonte: Assessoria do vereador Evaldo Lima (PCdoB)


Facebook: https://www.facebook.com/pages/Rede-de-Desenvolvimento-Econ%C3%B4mico-e-Sustent%C3%A1vel-da-Capoeira-no-Cear%C3%A1/129248950566214

Capoeira na Palestina: uma turnê de resistencia da escravidão a ocupação

Coletivo de Capoeira Liberdade – Palestina está organizando uma turnê-evento com capoeiristas na semana entre 24 de Outubro e 1 de Novembro de 2013. A turnê-evento vai envolver oficinas, rodas e viagens pela Palestina, e será uma oportunidade rara para capoeiristas palestinos e do resto do mundo para se encontrar e interagir.

“Palestina sim sim sim… ocupação não não não não.” Para palestinos vivendo sob ocupação militar, a historia da capoeira de resistência soa como uma melodia especial. Como muito iniciantes no mundo da capoeira, muitos palestinos são atraídos pelos acrobáticos movimentos desta arte – mortais, au sem mãos, bananeiras.  Mas com o passar do tempo, a capoeira começa a ganhar uma dimensão e um significado mais profundo.

“Quanto mais eu aprendia sobre a historia, mais interessada eu ficava,” diz Zeina, que participa de um novo coletivo de palestinos praticando capoeira em Ramallah, a principal cidade da Cisjordânia. “Os temas abordados na capoeira ecoam a realidade que nós vivemos como palestinos: opressão, resistência,  ânsia por libertação”. Embora a vida sob ocupação militar não seja a mesma como na escravidão, Zeina explica que para todo povo oprimido, “é bom escutar sobre as lutas dos outros; aprender lições que outros aprenderam pelo caminho mais difícil.

Apoiar o turnê e o Coletivo de Capoeira Liberdade!

Como a capoeira continua a se expandir e crescer para alem das fronteiras brasileiras, vale a pena perguntar se o mundo da capoeira no século 21 tem aprendido estas lições – especialmente quando se trata da questão Palestina.

Ramallah fica no lado leste do que muitos chamam de ‘muro de apartheid israelense’, uma enorme barreira feita de cercas eletrificadas e colunas de concreto de até 8 metros de altura, cobrindo mais de 700 quilometros e se infiltrando em terras palestinas. Palestinos com carteira de identidade da Cisjordânia, incluindo a maioria dos membros do Coletivo de Capoeira Liberdade – Palestina, somente são capazes de atravessar o muro obtendo autorizações especiais, o que não são faceis de conseguir.

A rota do muro se infiltra profundamente no território ocupado, cortando acesso dos palestinos à suas famílias, terras cultiváveis, o Mar Mediterrâneo, e a cidade santa de Jerusalém. Para palestinos capoeiristas na Cisjordânia, o muro também significa que, sem autorização especial, eles não tem como participar dos vários grandes eventos e batizados que acontecem em Israel todo ano, que são regularmente atendidos por mestres e professores do Brasil e outros países.

Embora Israel alegue que o muro foi construído por razões de segurança, muitos dizem que Israel tem usado o muro para anexar ilegalmente enormes blocos de colonias localizados dentro da Cisjordânia. Hoje, mais de 600 mil cidadãos judeus-israelenses vivem em colonias em toda a Cisjordânia, incluindo a ocupada Jerusalém Oriental, no meio de mais de 2 milhões de palestinos sem cidadania. Colonos vivem em condomínios fechados e dirigem nas estradas israelenses que são geralmente fora do limite para palestinos da Cisjordânia. Eles são governados pelo Direito Civil israelense, ao contrário dos palestinos, que são governados por uma combinação de administração palestina e controle militar israelense. Colonos também tem acesso priveligiado a recursos escassos na região, como a água.

Capoeiristas de todo o mundo podem ficar surpresos de saber que, apesar de um crescente boicote internacional aos produtos e empresas baseadas nas colonias da Cisjordânia, várias das colonias ilegais de israelenses possuem aulas de capoeira, ligadas a grandes grupos de capoeira geralmente baseados em Israel. Uma lista recente inclui a mega-colonia de Ariel, e mais Oranit, Talmon, Givat Ze’ev e Alfe Menash.

A importância deste fato para o nome da capoeira – uma forma de arte que carrega consigo uma poderosa mensagem de liberdade – não pode ser substimada. Ao oferecer aulas nas colonias, os grupos de capoeira estão lucrando (talvez inadvertidamente) em cima da ocupação e confisco de terras palestinas, e ao mesmo tempo ajudando a normalizar a existência de colonias ilegais israelenses.

“Isto é uma ofensa para a capoeira”, diz Karam, membro do coletivo de Ramallah. “Simplesmente não faz sentido se você pensa sobre o que a capoeira representa.”

A exitência de capoeira nas colonias, com o apoio de vários dos principais grupos israelenses, levanta graves questões para o mundo da capoeira. Existem limites para a expansão mundial da capoeira? A ideia que a capoeira pode ser aprendida por todos –  exceto por “aqueles que não querem aprender”, como na frase famosa de mestre Pastinha – se aplica a ensinar capoeira em todo lugar? As mensagens de libertação da capoeira espalhadas abertamente vão alem da retórica? Será que o boicote internacional de produtos e empresas operando nas colonias ilegais deveria se extender para os grupos de capoeira?

Não existem respostas faceis aqui, mas se nós vamos levar a serio as lições da historia da capoeira, nos parece apropriado pensar seriamente nestas questões.

 

 

The Capoeira Freedom Collective – Palestine is hosting a week-long capoeira tour-event from October 24-November 1, 2013. The tour-event will involve workshops, rodas and tours throughout Palestine, giving capoeiristas both from abroad and the West Bank a rare chance to meet and interact.

“Palestina sim sim sim… ocupação não não não não.” For Palestinians under military occupation, capoeira’s history of resistance sings a special tune. Like many newcomers to the world of capoeira, many Palestinians are simply attracted to the more flashy sides of the art—mortais, au sem maos, bananeiras. But as time progresses, capoeira begins to take on deeper, more profound meanings.

“The more I learn about the history, the more interested I become,” says Zeina, a member of a new collective of Palestinians practicing capoeira in the West Bank city of Ramallah. “The themes in capoeira echo the reality we live as Palestinians: oppression, resistance, longing for liberation.” Though life under occupation is not the same as slavery, Zeina explains that for all oppressed people, “it’s good to hear about the struggles of others; to learn lessons that others learned the hard way.”

Contact [email protected] to join us on the tour.

As capoeira continues to grow and expand across borders, it is worth asking whether the capoeira world in the 21st century has learned such lessons—especially when it comes to the question of Palestine.

Ramallah lies on the eastern side of what many call the ‘Israeli Apartheid Wall’—an enormous barrier made up of electrified fencing and up to 8-meter high concrete columns stretching over 700 kilometers—snaking through Palestinian land. Palestinians with West Bank IDs, including most members of the newly formed Capoeira Freedom Collective – Palestine, are only able to traverse the Wall if they obtain special permits, which are not easy to get.

The Wall’s route runs deep into occupied territory, cutting Palestinians off from relatives, farmlands, the Mediterranean Sea, and the holy city of Jerusalem. For Palestinian capoeiristas in the West Bank, the Wall also means that, without permits, they are cut off from the many large-scale capoeira events hosted in Israel every year, which are regularly attended by mestres and other teachers from Brazil and elsewhere.

Although Israel claims that building the Wall was for security reasons, many say that Israel has used the Wall to annex large illegal settlement blocs located within the West Bank.  Today, over 600,000 Jewish-Israeli citizens live in settlements throughout the West Bank, including occupied East Jerusalem, amidst over 2 million non-citizen Palestinians. Settlers live in gated communities and drive on Israeli roads that are generally off-limits to West Bank Palestinians. They are governed under Israeli civilian law, as opposed to Palestinians who are ruled under a combination of Palestinian administrative and Israeli military law, and are provided with far superior access to scarce resources such as water.

Capoeristas around the world may be surprised to learn that despite a growing international boycott of settlement goods and companies that operate in West Bank settlements, several of the illegal Israeli colonies in the West Bank host capoeira classes, satellites of larger capoeira groups usually based in Israel. A recent list includes the mega-settlement of Ariel in addition to Oranit, Talmon, Givat Ze’ev, and Alfe Menashe.

The significance of this for the name of capoeira—an art form which carries with it such a powerful message of freedom—cannot be understated. By providing classes in settlements, capoeira groups are profiting (perhaps inadvertently) from the occupation and confiscation of Palestinian land while helping to normalize the existence of illegal Israeli settlements.

“It’s an offense to capoeira” says Karam, a collective member. “It simply doesn’t make sense if you think about what capoeira represents.”

The existence of capoeira in settlements with the support of several major Israeli groups poses serious questions to the capoeira world. Are there limits to capoeira’s worldwide expansion? Does the idea that capoeira can be learned by all—except by “those who don’t wish to,” as Mestre Pastinha famously said—apply to teaching capoeira everywhere? Do the widely espoused liberatory messages of capoeira go beyond rhetoric? Should the international boycott ofcompanies operating in the settlements extend to capoeira groups?

There are no easy answers here, but if we are to take the lessons of capoeira’s history seriously, it seems fitting that these questions be given some serious thought.

 

Para maiores informações: [email protected].

Alagoas: Capoeiristas protestam contra proibição de aulas no Cepa

Eles reclamam que aulas foram suspeitas sem justificativa. Grupo bloqueou avenida e afirma que está sendo vítima de discriminação.

Capoeiristas de Alagoas bloquearam um trecho da Avenida Fernandes Lima, em frente ao Centro Educacional de Pesquisas Aplicada (Cepa). Eles protestam contra a proibição das aulas de capoeira que eram ministradas gratuitamente na Escola Estadual Afrânio Lages, que fica nas dependências do Cepa.

A mobilização, denominada “Protesto do Berimbau Contra a Discriminação Institucional”, denuncia que a proibição é um preconceito à manifestação cultural. Segundo os capoeiristas, a atividade era oferecida de forma voluntária e foi proibida pela sem que houvesse uma justificativa para a medida.

O presidente da Federação de Capoeira do Estado de Alagoas, José Carlos Pereira, disse que o trabalho com cerca de cem alunos estava sendo feito há dois anos pela Associação Cultural Capoeira Brasil, entidade legalmente constituída. No dia 19 deste mês, eles foram informados pela diretora da escola que as aulas teriam que ser suspensas.

“As aulas eram voluntárias e ministradas por um professor formado em Educação Física e em escola de capoeira. Esse trabalho estava sendo muito importante para os alunos que passavam parte do tempo ocioso aprendendo uma arte. Não podemos admitir que atos de discriminação como esse aconteçam”, reclamou Pereira.

O professor Rodrigo Pedrosa de Freitas, conhecido por “Arapuá”, disse que quer um pedido de desculpa por parte da direção da escola. “Iremos ao Ministério Público denunciar essa situação. Desde que a Capoeira começou a ser difundida no estado sofre preconceito. Não vemos isso com outras atividades”, disse.

A técnica auxiliar do Núcleo de Rede do Cepa, Vânia Marciglia, informou que os capoeirisas não tinham autorização para ministrar aulas na escola. Ela disse ainda que os alunos da escola não participavam das aulas. “Eles têm que fazer uma proposta para a Secretaria de Educação. As aulas estavam acontecendo sem autorização e isso e ruim porque qualquer coisa que acontecesse não havia quem respondesse por isso”, falou.

A assessoria da Secretaria de Estado da Educação (SEE) informou que já está ciente do protesto e que vai encaminhar uma nota à imprensa.

5º Encontro Alagoano Feminino de Capoeira

A capoeira é uma manifestação cultural brasileira que reúne características muito distintas. Trata-se de uma mistura de arte-luta praticada ao som de instrumentos musicais como o berimbau, o pandeiro e o atabaque.

A capoeira vem tendo aprovação das comunidades sendo incentivada em todos os locais que se faz presente. Sua prática vem sendo muito difundida no Estado entre as mulheres e encontramos resistência em praticá-la, desconhecendo que a atividade pode ser uma alternativa eficaz na melhoria das condições gerais do indivíduo, podendo, ainda, contribuir para a auto-estima e formação do caráter e da personalidade de quem a pratica.

Diante destes benefícios, podemos afirmar que a sua prática realmente se constitui em Política Pública, promovendo o Controle Social, através de Saúde, Educação, Esporte, Lazer, Cultura e Cidadania, pois somente por meio de uma prática cultural e física, é possível sanar vários problemas, podendo ser empregada para resgatar àqueles que já estão doentes, evitando que jovens e crianças enveredem pelo caminho das drogas.

Nos dias 16, 17 e 18 de agosto de 2013, sexta-feira (noite), sábado (tarde) e domingo (integral), realizou-se o 5º Encontro Alagoano Feminino de Capoeira (5º ENAFEC) e o 2º Batizado e Troca de Cordas do Grupo Legião Brasileira de Capoeira, com a presença de capoeiristas e comunidades dos diversos bairros, onde alcançamos nosso objetivo que é a integração social e comunitária, já que tivemos a presença de capoeiristas dos Estados de Pernambuco, Paraíba, Piauí, Sergipe, Bahia e Ceará. Durante os três dias, passaram pelo evento cerca de 270 pessoas, entre capoeiristas e simpatizantes.

No sábado, foi realizado o campeonato feminino, onde foram classificadas as capoeiristas que irão participar do Campeonato Sergipano de Capoeira no mês de setembro: Instrutora Pequena do Capoeira Muzenza, Graduada Lua do Ginga Brasil e a Graduada Muda do Capoeira Raça. Estiveram presentes vários grupos de capoeira, entre eles: Grupo de Capoeira Raízes Negras, Grupo Legião Brasileira de Capoeira, Capoeira Candeias, Centro Cultural Senzala de Capoeira, Grupo Capoeira Lua de São Jorge e Capoeira Escola Herança Brasileira. Destacamos, ainda, os novos graduados: Monitor André e Monitora Linda.

PROGRAMAÇÃO

Dia 16 – Praia de Sete Coqueiros (Pajuçara)
19h00 – Roda de Abertura

Dia 17 – SESC Poço
16h00 – Seletiva Feminina de Capoeira
Seleção de equipe feminina para participar do Campeonato Sergipano de Capoeira (Aracajú/SE)

Dia 18 – SESC Poço
07h30 – Inscrições
08h30 – Roda de abertura
09h00 – Benguela – Professora Smuft (Grupo Legião Brasileira de Capoeira)
09h30 – Maculelê – Monitora Índia e Instrutora Preta (Grupo de Capoeira Raízes Negras)
10h00 – Aulão Aberto – Instrutora Pequena (Capoeira Muzenza)
10h30 – Dinâmica para Crianças – Professora Larissa (FAL)
11h00 – Acrobacias – Professor Tubarão (Grupo de Capoeira Candeias)
11h30 – São Bento – Monitora Barbie (Grupo Legião Brasileira de Capoeira)
12h00 – Roda de intervalo
14h30 – Abertura do Batizado e Troca de Cordas com apresentação dos capoeiristas mais graduados
15h00 – Roda de Contramestres, Mestrandos, Professores, Instrutores e Monitores
15h40 – Roda de Crianças
15h50 – Roda de Mulheres
16h00 – Início do Batizado e Troca de Cordas
17h30 – Roda de encerramento
18h00 – Encerramento

PATROCÍNIO:

Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas – DIPS/SUVISA/SESAU
Secretaria de Estado da Mulher, da Cidadania e dos Direitos Humanos – SEMCDH
Serviço Social do Comércio – SESC

APOIO

Toka do Tatu (tatuagens)
Centro de Treinamento Leão de Judá
Trator Terra
Quentex Marmitas (quentinhas)
Nilda Moto
Quitéria Cabelos
WS Confecções
PH Água e Gás
Estúdio do Corpo (academia)
Só Esporte Magazine
CEFA – Centro Educacional Francisco de Assis
FMAC – Fundação Municipal de Ação Cultural
Escola Estadual Ladislau Neto
TV Pajuçara – Programa Esporte Campeão

MATÉRIA: http://tnh1.ne10.uol.com.br/video/esporte-campeao/2013/08/10/5-encontro-alagoano-feminino-de-capoeira

VÍDEOS

{youtube}vAxOoGP7-f8{/youtube}

{youtube}i7T3tjSCwdo{/youtube}

{youtube}_9ozsrWzhC0{/youtube}

 

AGRADECIMENTO

A Coordenação, Direção, Oficineiros, Palestrantes e Participantes do 5º Encontro Alagoano Feminino de Capoeira (5º ENAFEC) e do 2º Batizado e Troca de Cordas do Grupo Legião Brasileira de Capoeira realizado nos dias 16, 17 e 18 de agosto de 2013 agradecem e manifestam seu reconhecimento aos FUNCIONÁRIOS que compõem a administração do SESC Poço, diante do compromisso, responsabilidade e empenho em prestar apoio e assistência ao evento, contribuindo para o pleno funcionamento e na garantia de um evento tranqüilo.

Livro: Entre a Vadiagem e a Academia

Entre a Vadiagem e a Academia – O Local e o Global na Capoeira de Belo Horizonte

Resumo ampliado

O livro adota a noção de mestiçagem no Brasil sob um ponto de vista que considera mais do que uma evidência empírica, demonstrando-a como valor constituído e constituinte de um repertório da capoeira acessível por meio da memória. Para isto, considera as “tradições inventadas” (HOBSBAWN; RANGER, 1984) na capoeira como reflexos das relações raciais no Brasil, apresentando a capoeira na cidade de Belo Horizonte (Minas Gerais) como estudo de caso. A discussão desenvolvida no livro também aborda o Turismo como articulador de relações entre as culturas, entendendo que as ressignificações simbólicas das culturas são influenciadas, mesmo que não sendo exclusivamente, pelo Turismo. O livro pretende demonstrar a capoeira na cidade de Belo Horizonte como estudo de caso para identificar a concepção de ‘afro-brasileiro’ e do afro-descendente na identidade local. A argumentação é embasada em pesquisa realizada pela autora para obtenção do título de especialista em Estudos Africanos e Afro-Brasileiros na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, em 2007. A pesquisa teve enfoque qualitativo, utilizando para coleta de dados a pesquisa de campo, a realização de entrevistas do tipo pessoal/formal/estruturada com mestres e alunos capoeiristas de dois grupos de capoeira: Fundação Internacional de Capoeira Angola (FICA) que se identificava como sendo de capoeira angola e Grupo Bantus Capoeira (GBC) que se identificava como sendo de capoeira regional/contemporânea na cidade de Belo Horizonte. Ambos os grupos mantinham fortes relações com o Turismo. Também foram utilizados formulários de entrevistas para coleta de dados com capoeiristas turistas brasileiros e estrangeiros que tiveram contato com a capoeira em Belo Horizonte, observação sistemática de rodas de capoeira da cidade, pesquisa bibliográfica e no acervo do Museu da Capoeira (idealizado e coordenado pelo Mestre Noventa) e entrevistas com os mestres Toninho Cavalieri (tido como principal precursor da capoeira em Belo Horizonte) e Primo (Grupo Iúna de Capoeira Angola). Partindo dos resultados da pesquisa, o livro aborda a percepção dos capoeiristas sobre o que seriam as características peculiares à capoeira local, bem como as concepções sobre as relações raciais e de gênero na capoeira da cidade. Aponta, também, a percepção dos capoeiristas sobre a influência do Turismo e do mercado global na capoeira local enfatizando as relações e ressignificações simbólicas que esta influência acarreta para o capoeirista turista e o capoeirista residente, demonstrando como a viagem torna-se um valor importante para os capoeiristas em Belo Horizonte e, como a viagem ao exterior para dar aulas de capoeira é um ideal profissional dos capoeiristas locais, inclusive como forma de busca pela independência econômica. Essa concepção de valorização da viagem aumenta a partir da interação destes capoeiristas através dos meios de comunicação de massa globais, as trocas culturais advindas do Turismo e de sua participação na indústria cultural mundial. Neste processo, os objetivos e buscas dos capoeiristas na prática da capoeira modificam-se, influenciando e sendo influenciados a partir das trocas culturais, ampliando as percepções sobre a cultura afro-brasileira e as percepções do afro-descendente em nível local e global.

Mini-currículo autora

Patrícia Campos Luce é turismóloga de formação (Centro Universitário Newton Paiva), especialista em Estudos Africanos e Afro-Brasileiros (PUC/MG) e Mestre em Lazer (UFMG). Capoeirista há 9 anos, desenvolve pesquisas enfocando a prática da capoeira desde sua graduação em Turismo. Trabalhou na Superintendência de Interiorização da Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais desenvolvendo projetos culturais relacionados à cultura afro-brasileira no interior do Estado de Minas Gerais. É sócio fundador do Instituto Brasileiro de Turismólogos, tendo atuado na comissão científica desta instituição focando pesquisas relacionadas ao turismo e cultura. Atualmente é doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal da Bahia residindo em Salvador e desenvolvendo pesquisas em diálogo com as áreas da Antropologia da Técnica, da Prática, do Corpo e da Performance tendo a capoeira como principal objeto de estudo.